segunda-feira, 18 de agosto de 2014

FanFic: "A lei e a garota rebelde" (+18)

Autora: Anne Santos





Autora: Anne Santos



Sinopse:

Sara Hastins: Uma mulher solteira de 23 anos. Trabalha em uma boate como cantora. Sara com um gênio muito forte sempre foi rebelde em relação a tudo ao que ela discorda. Sempre fala o que quer, sempre faz o que lhe der na telha. Inclusive com pessoas da Lei. Apesar de manter uma pose de durona e rebelde, ela esconde um segredo que a fez deixar do jeito que ela é hoje.
Michael Jackson: Um delegado de 35 anos. Divorciado por causa de uma traição cometida por parte de sua ex-mulher. Sempre faz de tudo pra mostrar o quanto é durão e competente no trabalho. Além de ser o Delegado mais bem sucedido da cidade, ele também é bem cobiçado pelas mulheres, claro pegando umas para manter suas necessidades. Pois prometeu pra si mesmo que nunca mais iria se casar pra não ter que passar a humilhação que passou há sete anos atrás quando ainda não era delegado.
O destino trará grandes surpresas na vida desses dois. Mas será que Sara um dia irá deixar de ser rebelde, durona, encrenqueira e contar o ocorreu em seu passado para deixá-la assim? Será que Michael um dia vai perder esse rancor que ele tem contra as mulheres? Será que o amor irá vencer os medos do casal? Será? Essa é uma pergunta que só o destino irá responder.

Estreia 22/08



 Capítulo 1


Por Sara:


São 8:00 PM e aqui estou eu esperando a lerda da minha amiga como sempre atrasada para irmos trabalhar. Melissa e eu nos conhecemos em uma entrevista de emprego há 2 anos na boate The Sexy, onde por coincidência passamos nos testes. Desde então contamos tudo uma para a outra... Bom, nem tudo eu conto pra ela, é que por um lado sou muito fechada pra contar certas coisas. Já ela me conta tudo, com os mínimos detalhes. Eca, ela conta até demais as intimidades dela com o namorado. Melissa mora a três quadras depois do meu apartamento e eu sempre pego uma carona com ela.

...


- Melissa caramba onde foi que você se meteu? Desse jeito vamos nos atrasar. – Disse para a Melissa pelo o telefone.

- Calma estressadinha... Não exagera que já estou bem perto. Agora desligue o telefone sua chata. – No mesmo instante Sara desliga o telefone se virando para ver a sua amiga dirigindo até a sua casa.

- Até que fim você chegou. – Falou entrando no carro - Pensei que iria ficar se atracando a noite toda com o James – Falou no tom sarcástico.

- Sabe do que você precisa amiga? Urgentemente transar! – Melissa foi bem direta com o comentário. – Não me leve a mal, mas... Você sabe que é verdade.

- Aff’s Melissa. – Sara fala virando os olhos – Lá vem você e suas idiotices de novo... Anda deixa de falar bobagens e vamos logo pra não nos atrasar. – Melissa assentiu, colocou as mãos no volante e seguiu em direção a boate The Sexy onde elas trabalham. Melissa estaciona o carro e vão à entrada da boate ao mesmo adentrando.
Sara e Melissas ao entrar na boate vão direto para o camarim onde se arrumam toda noite antes de entrarem no palco. Antes que elas terminassem de se arruma alguém bate na porta do camarim:

- Pode entrar – Sara diz sem ao menos olhar pra trás.

- Olá meninas... Tenho algo pra dizer pra vocês. – Joel, o dono da boate fala ao entrar no local.

- Aconteceu alguma coisa Joel. – Melissa pergunta com o cenho franzido.

- Não Melissa... É... Quer dizer... Espero que não. Mas em fim, vim informá-las de que hoje terá uma revista aqui na boate por causa de uma denuncia anônima relatando de que estamos permitindo o uso de drogas aqui dentro. 

- O que!? Mais isso é um absurdo! – Sara fala com os olhos arregalados pausando sua fala e em seguida voltando a falar. – Bem... Só se alguém estiver deixando alguém entrar com drogas aqui. Mas... Eu nunca cheguei a ver alguém  usando drogas aqui dentro.

- Nem eu. – Diz Melissa

- Ok! Ta tudo bem meninas, é só ficarem calmas e deixar que eles revistem a boate  normalmente. – Joel fala tentando parecer despreocupado. Mas na verdade ele estava muito preocupado porque ele desconfiava de que tinha alguém deixando pessoas entrar com drogas em sua boate. – Certo minhas estrelas, já está na hora de vocês irem para o palco. – Diz Joel e logo em seguida sai do camarim. Sara e Melissa assentem e vão para o palco.



Logo a apresentação começa. O papel delas na boate é cantar músicas antigas de balada. Depois de uma hora e meia cantando, Sara e Melissa avistam um grupo de policiais entrando na boate. Todos de preto e armados. Sem fazer escândalos, eles entram dando passos demorados, olhando de um lado para o outro observando o movimento da boate. Todos que estavam dentro da boate ficaram quietos, Sara e Melissa pararam de cantar e logo os cochichos tomaram conta do lugar. Depois de alguns segundos um policial que parecia ser o Delegado, não, ele é o Delegado, toma a frente.




Capítulo 2

- Temos um mandado de busca e apreensão aqui na boate! – Ele fala gritando e chamando a atenção te todos que estavam no local. – Que o dono do estabelecimento se apresente agora, por favor! – Assim que ele profere as tais palavras Joel se apresenta.

- Sou eu Senhor... – Ele para de falar ao se lembrar de que não sabia o nome do policial que na verdade era o delegado.

- Jackson... Delegado Michael Jackson! – ele diz cumprimentando o Joel. – Então Senhor Joel, recebemos uma denuncia anônima de que estão permitindo o uso de drogas aqui na sua boate.

- Eu entendo Delegado. Mas acho que a pessoa que fez a tal denuncia se equivocou ao fazê-la. Como o Senhor pode ver estão todos sóbrios. – Joel diz estendendo as mãos para os clientes da boate.

- Eu presumo que estão sóbrios só por enquanto. A noite começou agora. – Michael fala olhando fixamente nos olhos de Joel. – Mas não quero perder mais tempo. Já que o Senhor não tem nada a temer, nos de licença. – Michael fala e depois se vira indo até aos policiais e cochicha algo para eles, fazendo os mesmos se espalharem pela a boate revistando as pessoas inclusive aos próprios funcionários, e olhando a cada canto da boate.

Sara e Melissa que se encontram em cima do palco, ficam só olhando espantadas. Bom, na verdade só quem estava espantada era Melissa que logo chega até Sara e diz:

- Sara? Eu estou com medo.

- O que? Com medo de quer criatura? – Sara pergunta com o cenho franzido para Melissa.

- Sei lá! E se a denuncia tiver fundamento? E se tiverem usando drogas aqui dentro mesmo? O que o Joel vai fazer hein?

- Eu não sei ué. Mas se tiverem mesmo, vamos ficar na torcida para que não encontrem nada. – No fim da conversa, as meninas são chamadas a atenção por um dos policiais que pedem para que elas desçam do palco.

- Desculpem Senhoritas, mas tenho que revista-las. – Diz o policial de porte grande de cabelos negros e de pele bronzeada.

- O que!? Como é que é? – Sara pergunta ao perceber que o policial estava tentando tirar aproveito da situação.

- Tenho que revistá-las Senhoras. Ordens do delegado. – Claro que ele mentiu.

- Ordens do Delegado? Hahaha – Sara sorri sem achar graça – Olha aqui o meu filho, você não pode nos revistar. Pois você é homem e somos mulheres, e pelo o que eu saiba, policiais homens não podem revistar mulheres. E se vocês não trouxeram uma policial o problema é de vocês. – Ela fala cruzando os braços. E Melissa apenas observa a amiga batendo de frente com aquele policial, e isso já não era novidade Melissa ver a amiga bater de frente com alguém, seja lá quem fosse. Quando Sara iria continuar debatendo com o policial que apenas a observava com as sobrancelhas levantadas uma voz doce, mas bastante rígida e autoritária soou no espaço.


Capítulo 3


- O que está acontecendo aqui policial Brandon? – Era Michael com a cara autoritária fitando Sara e Melissa. Ao mesmo tempo as meninas se viraram e olharam Michael dos pés as cabeça. Ao ver aquele ser autoritário e mandão de cabelos na altura dos ombros e presos, olhos negros, calça jeans escura, uma camisa cinza, uma jaqueta de couro preta por cima e de botas canos curtos, sem falar do cheiro do seu perfume que chegou até as narinas de Sara que logo perdeu a noção do tempo. Mas logo saiu de seu transe quando o policial responde:  

- Nada Sr. Delegado. – Disse Brandon todo desconfiado.
              
- O que? Então quer dizer que Senhor Delegado permite policiais homens revistarem mulheres? – Sara disse irritada e ao mesmo tempo o fitando.

- Como? – Michael pergunta logo e em seguida lembrando-se do comportamento do seu policial com as mulheres. – Brandon? Por favor, se retire! – Disse autoritário vendo Brando assenti e se afastar.

- Olha aqui senhorita. – Michael fala fixando bem os olhos castanhos claros de Sara enquanto Melissa observa. – Primeiramente eu não mandei o meu policial revistar nenhuma mulher, até porque trouxemos uma policial pra se encarregar disso. Então por favor, trate de se acalmar e ser mais educada. – Ele disse dando um sorriso irônico sem mostrar os dentes para Sara que logo se irritou.

- O único que foi mal educado aqui foi o seu policial tentando tirar proveito da situação. Então trate educá-lo já que o SENHOR é o delegado. – Ela falou sendo bem sarcástica. Michael se irritou por causa das tais palavras. Ele odiava ser contrariado ou algo do tipo, principalmente quando mulheres o tiravam do sério.

- Ok senhorita! – Michael faz bico e balança a cabeça. - Eu educarei o meu policial como me recomendou, mas acho que ele não vai ser o único a ter aulas como ser educado. – Ele a olhou irritado e já expressando o que queria dizer com as palavras ditas.

Melissa olha desesperadamente para Sara e depois virando-se para Michael. – Sr. Delegado por favor desculpe a minha amiga... É... É que ela ta um pouco estressada... Por favor não levem em consideração o que ela falou aqui. – Melissa gagueja ao falar. Sara olha pra ela arregalando os olhos de reprovação pelo o ato de defesa da amiga.

- Desculpe senhorita, mas algumas coisas eu tenho que considerar. Por tanto já é tarde demais. – Michael olha pra Sara que está bufando de raiva e diz: - A senhora está presa por desacato a autoridade.

- O QUE!? – Ela grita. - Mas que merda o senhor pensa que é pra me prender, se eu não o ofendi em momento algum. – Todos que estavam na boate olharam pra aquela cena sem acreditar no que estavam vendo.

- Além de mal educada você é muito irritante garota. – ele diz irritado. – Estou decidido, aqui eu sou a lei e eu digo “VOCÊ ESTÁ PRESA”. – Todos se chocaram diante aquelas palavras proferidas pelo o delegado. Ninguém poderia acreditar que uma das cantoras da boate estava sendo presa. – Dim? - Mande entrar a policial Helena imediatamente! Diga-lhe que tem uma tarefa pra ela. – O policial assentiu e foi chamar a tal policial que em menos de 1 minuto chegou.

- Mandou me chamar Senhor? – Perguntou a policial Elena.

- Sim Elena. Reviste as senhoritas e depois detenha a senhorita de vestido vermelho. “Olhando bem, a insuportável é bem gostosinha em.” – Michael pensa enquanto Helena passa as mãos pelo o corpo de Sara depois de ter revistado Melissa.

- Isso é um ridículo... Hurgh – Sara ficava grunhindo enquanto Helena a revistava.

Depois de um alguns segundo de revista Helena acabou. – Pronto Senhor. Ela está limpa. – Disse Helena.

- Muito bem Helena. Agora a detenha. – Ele ordenou. Helena assentiu e quando foi pôr as algemas em Sara teve uma surpresa.- Ninguém vai pôr uma algema em mim! O senhor já esta abusando da sua autoridade. – Sara falou entre os dentes e bastante irritada.

- Sara! – Melissa lhe chamou a atenção e bastante assustada. Pois sabia que a amiga estava passando dos limites.

- É isso mesmo Melissa. – ela falou olhando pra amiga e depois voltou a olhar para Michael. – Tudo bem Sr. Delegado eu vou, mas eu vou por vontade própria e não algemada, pois não estou resistindo a prisão.

Michael revirou os olhos e assentiu. – Tudo bem Senhorita. Mas não pense que vai ser tão fácil assim depois que estivermos a sós. – Ele deu uma olhada fuziladora contra ela que o retribuiu com o mesmo. Enquanto Michael continuava fuzilando Sara com o seu olhar, um de seus policiais lhe tirou a atenção.

- Senhor? Encontramos algo! – disse um de seus policiais. Michael se afastou das meninas indo até o policial e revistou um pequeno nécessaire de cor preta e logo encontrou o que tanto procurava.

- Ótimo! – Ele diz com um sorriso satisfeito. Pois odiava perder tempo com denuncias falsas. – O senhor está preso Senhor Joel. – Michael proferiu a frase tendo em recompensa uma grande multidão cochichando.

Capítulo 4


- Mas com... Como assim? Isso... Isso não é meu? – Joel fala gaguejando.

- Senhor Joel, isso aqui é encontrado em seu estabelecimento e o senhor diz que não lhe pertence? – Michael fala levantando as sobrancelhas e aponta o necessaire pra ele.

- Mas Senhor eu lhe juro que eu não sei como isso veio parar aqui dentro. Eu jamais permiti esse tipo de coisa aqui dentro. – Joel fala desesperado.

- Bem! Todos dizem isso Senhor Joel. Mas mesmo assim o Senhor será detido e continuará assim até que alguém assuma a responsabilidade desses entorpecentes, ou prove que não são seus. Sinto muito, mas esse é o meu trabalho. – Quando Michael fala os cochichos soam no lugar. Michael não deu a mínima para os cochichos e ordenou para os seus policiais levarem Joel para a viatura. Ninguém ali estava acreditando. “Agora o dono estava sendo preso?” Foi uma cena muito constrangedora para qualquer um ali dentro. Menos para Sara que já era acostumada com esse tipo de situação. 

- Era só o que faltava mesmo! Agora o Joel também está preso. – Michael olha pra Sara e ouve um “imbecil”.

- Algum problema senhorita irritante? – Michael pergunta pra Sara que logo fica com a cara irritada como sempre e responde:

- Você! Você é o meu problema seu... Hurgh – Ela não continuou com a frase, ou melhor, com a ofensa porque sabia que se ela falasse mais alguma coisa do tipo, à situação dela ficaria pior. E a última coisa que Sara queria era ficar muito tempo detida. Pois ela sentia que aquele delegado não estava de brincadeira, e como ela estava acostumada a discutir com qualquer que seja e ela sempre se safava, dessa vez ela sentia que seria diferente.

- Não senhorita. Você é o problema aqui! E cala essa boca antes que a situação piore pra você. – Ele se virou e percebeu que Sara estava bufando de raiva. Claro, ele adorou deixá-la com raiva. Pois aquela menina era muito rebelde e ele odiava pessoas assim.

Por Michael:

Já fazia alguns dias que estávamos recebendo algumas denuncias de que havia uma boate permitindo o uso de drogas. Então decidir tirar a prova disso e fui até a tal boate que leva o nome de The Sexy. Quando eu e os meus policiais chegamos lá estava tudo tranqüilo. Tinha alguns enchendo a cara, uns se beijando e outros apenas dançando ao som de uma canção que estava sendo cantada por duas garotas lindas. Sim, elas eram lindas sim, eu reparei lógico. Elas pararam de cantar alguns segundos após de nos ver entrar na boate. E assim eu segui fazendo o meu papel. Logo algum tempo depois avistei uma cena meio estranha entre um dos meus policias com as cantoras da boate. Percebi que se tratava de uma pequena discussão. Eu quase que não acreditei, uma delas estava mesmo discutindo com o Brandon, e até quase sobrou pra mim quando me aproximei. Mas eu logo a repreendi, porque não admito que alguém fale comigo do jeito que aquela garota estava falando, estava tentando me da ordens como educar os meus policiais. Então eu tomei uma decisão é claro, não poderia deixar aquela arrogante falar como eu devo educar os meus policiais. Eu a prendi. É claro que não iria deixá-la muito tempo lá, aquilo era só pra ela aprender a não desrespeitas um delegado. Depois um de tempo dando uma bronca naquela garota um de meus policiais me chamou a atenção, ele tinha encontrado drogas. Então também tive que prender o dono da boate. Pois a situação estava mudando. Se ele não provar que não permitiu o uso de daquelas drogas ali dentro, não só ele iria se ferrar, mais sim todos os funcionários que trabalham na boate, inclusive a garota rebelde e a sua amiga.

...

- Eu tenho direito a uma ligação! – Sara disse de braços cruzados quando chegaram na delegacia.

- Ah é claro. Fique a vontade Senhorita...

- Sara. Sara Hastins pra você!

- Então ta né. Sara Hastins. – Michael disse debochando de sua cara de invocada que ela estava.

- E então? Quando vou poder fazer a minha ligação?

- Olha aqui garota! Eu sei muito bem dos seus direitos, não tente me lembrar certo? – Sara fica calada só olhando pra cara dele. – Levem o Sr. Joel para a minha sala enquanto eu levo a senhorita aqui para fazer a ligação de “direito” dela. – Michael fala esticando a voz para debochar de Sara. Os policiais assentem, leva Joel para onde Michael ordenou, enquanto ele leva Sara até uma sala onde ela possa fazer a ligação. Eles andaram nos corredores da delegacia que por sinal estava quase sem ninguém, ele lhe indicava por qual caminho ela deveria ir, é claro pra ele fica atrás dela observando seu bumbum que rebolava enquanto ela andava.

“Que delicia de bundinha” – Michael falava pra si mesmo vendo Sara andar. É claro que ele tinha que olhar, ele era homem e tinha suas manias. Até que chagaram na sala.



Capítulo 5


- Prontinho Senhorita Hastins . Fique a vontade pra fazer sua ligação de direito. – Michael fala enquanto se senta em uma poltrona que há dentro da sala.

- Mas... Mas... O Senhor vai ficar aqui mesmo ouvindo minha conversa? – Sara pergunta meio sem jeito. Ela não queria que o delegado ouvisse a conversa, até porque ela iria mentir para a pessoa pra qual era iria fazer a ligação.

- Sim! Claro que sim. Afinal você só vai fazer uma ligação para informar a alguém o que aconteceu com você senhorita. Você não está em uma sala de bate-papo. – Michael fala sendo sarcástico.

- Aff... Nem na ligação tenho privacidade. – Ela resmunga, pega o telefone, disca o número e depois de três toquem uma pessoa atende.

- Alô?

- Alô tia Elisa? – Elisa é tia de Sara por parte de pai. Quando Sara saiu da casa da sua mãe, ela a acolheu de braços abertos e sempre cuidou dela. Mas não era fácil, pois ela mesma sabia que Sara tinha um gênio muito forte e pra se meter em confusões era fácil demais.  Tia preciso de sua ajuda... É... 

- Sara!? Pelo o amor de Deus o que foi agora menina? – Elisa diz já sabendo que sua sobrinha tinha se metido em mais uma.

- Ãmmm... Tia foi só um mal entendido... É... Eu to na delegacia. – Sara fala em um tom bem baixinho, ela não estava se sentindo a vontade com a presença do delegado ouvindo a conversa. Sara nunca tinha se sentido constrangida como estava se sentindo agora, mas a presença daquele delegado que se encontrava sentado na poltrona, com os pés sobre um centro de mármore e a fitando, estava deixando ela pela primeira vez sem jeito.

- Diz qual delegacia você está que já vou te buscar. – Elisa diz.

- Departamento de Polícia de Nova York.

- Ta bem. Vou te buscar certo e vamos ter uma conversa. – Em seguida Elisa desliga o telefone.

Sem Sara perceber Michael se levanta, caminha até ela que se encontrava de costas e lhe sussurra as tais palavras:

- Presumo que já tenha terminado sua ligação. – Michael fala bem pertinho de Sara, assim fazendo a mesma  tomar um susto e ao mesmo tempo se arrepiar.

- Aii cara... Qual é a sua hein? Me assustou. E sim! Terminei a minha ligação. – Sara erguendo o telefona para Michael.

- Não sabia que uma garota com você se assustava. – Michael falou as tais palavras para zoar com a cara dela, mas se surpreendeu com o que ela lhe respondeu.

- Pois é. Ao contrário do que muitos pensam, eu me assusto sim! Mas as pessoas só me veem desse jeito. Mas não sabem quem realmente sou ou que eu passei. – Sara diz e vira-se em direção a porta. Ela tinha se arrependido de ter falado aquilo, pois ela não gostava quando as pessoas sentiam pena dela. Para ela era coisa de frescuras e que pena não existia.

- Ouw... Ãmmm... Me desculpe pelo o susto senhorita. – Michael fala sentindo pena dela, mas não era só pena, ele sentiu que pra ela ter falado aquilo algo de ruim tinha acontecido na vida dela. Mas como ele não tinha nada haver, e nem ao menos a conhecia, ele não quis perguntar. – Vamos pra minha sala e lá você espera sua tia certo? – Sara assentiu e o seguiu até a sua sala.

Já na sala de Michael, ela continuou calada enquanto Michael interrogava Joel sobre os entorpecentes encontrados na boate.

- Senhor Delegado, eu lhe juro que eu não sabia da existência dessas drogas em meu estabelecimento... Eu juro! – Joel fala durante o interrogatório.

- Senhor Joel. Jurar não é o bastante, entenda! O senhor está afirmando ser inocente, mas terá que provar isso. Não sou eu quem está o incriminando, mas sim o que foi encontrado em sua boate. Eu estou apenas fazendo o meu trabalho. Mas não se preocupe que o senhor não vai ficar detido, eu dei uma olhada em seus antecedentes e vir que o senhor está limpo e também tem uma boa formação escolar. Mas o senhor terá que aguardar, pois a justiça não cairá só em cima do senhor, mais também de quem trabalha lá. Inclusive você, senhorita Hastins. – Michael fala chamando a atenção de Sara que estava olhando para um lugar qualquer da sala.

 - O que!? – Sara pergunta saindo de seu transe. – Mas... Mas... Isso é injusto. Eu sou apenas uma funcionaria e não a dona.

- Mas trabalha lá e isso já é o bastante. Não estou dizendo que você será presa, não temos provas o suficiente para isso. Mas fiquem atentos que eu farei uma surpresa pra vocês um dia desses. – Michael fala enquanto olha uns papeis qualquer que se encontra sobre sua mesa. Enquanto prosseguem com o interrogatório um de seus policias bate na porta e avisa a Michael que a tia de Sara já está na delegacia. Michael diz ao policial para avisá-la que já irá atendê-la, e o policial faz o que lhe foi mandado.

- É o seguinte Sr. Joel. O Sr. Será liberado, mas não quer dizer que não terá complicações com esse caso. Pois ele apenas começou. Acredito que saiba que tráfico é tão grave quanto a um homicídio.

Joel suspira fundo e fala. – Sim eu sei que isso é complicado e trará complicações pra mim. Mas farei de tudo para mostrar que estou falando a verdade.

- Ok Sr. Joel, pode ir, e Sara você fica! – Sara bufou e Joel se despediu dela e disse que a encontrava na boate no outro dia. Sara assentiu e lhe deu um abraço, e depois disso Joel foi embora. Sara e Michael ficaram na sala sozinhos por alguns segundos se olhando até que alguém bate na porta desmanchando os olhares dos dois, era a tia de Sara que logo Michael a mandou entrar.


Capítulo 6


Quando a tia de Sara entra na sala Michael se levanta e a cumprimenta, e Sara fica só observando enquanto Michael contava o motivo dela estar ali. Sara sabia que quando chegasse em casa iria levar um belo de um sermão, porque Michael estava a detonando. Elise contou para Michael que ela era a responsável por Sara, que a criou desde os 15 anos, claro que ela não disse o porque, mas inventou uma desculpa qualquer, que claro que o Michael não acreditou. E apesar de ter 23 anos, ela sempre escutava calada a sua tia, porque ela sabia que sempre estava errada, e como ela tinha uma afinidade enorme por sua tia, ela a respeitava muito, mas em compensação sempre fazia as mesmas loucuras do tipo.
Depois de alguns minutos de conversa entre Michael e Elise, sara decide toma uma atitude, ela não agüentava mais aquele blá blá blá de Michael dizendo que ela o desacatou, o desrespeitou e isso e aquilo, e até contou sobre as drogas encontradas na boate em que Sara trabalhava, e disse que isso de um certo modo poderia prejudicar Sara só pelo o fato dela trabalhar lá.

- Sr. Delegado, eu peço desculpas pelo o comportamento de minha sobrinha, vou conversar com ela... Claro mais uma vez. – Elise fala passando uma mão na cabeça de preocupação. – Mas em relação essas drogas... Oh meu Deus, eu disse tantas vezes pra essa menina não trabalhar em boates, mas ela sempre foi teimosa. – Elise conta para Michael, e Sara não gostava nem um pouco da conversa.

- Ta vendo Sara? Se você tivesse escutado a sua tia, você só estaria aqui por desacato. Mas... – Sara o interrompe.

- Ta, ta bem. Eu já escutei tudo o que tinha de escutar. Agora eu e minha tia podemos ir?  

- Ah Sim... Claro que sim Senhorita Hastins. Fique a vontade. – Michael estende a mão em direção a porta.

- Ótimo! Vamos tia. Já acabou por aqui. – Sara fala assim que se levanta da poltrona.

- Ok. Vamos, temos que conversar mesmo. – Elise se levanta, cumprimenta Michael novamente e vai em direção a porta na frente de Sara. Michael fica só olhando as duas irem em direção a porta, e assim que Elise saiu Michael chamou Sara que o olhou rapidamente.

- Me aguarde! – Ele estava ameaçando Sara ou apenas lhe dando um aviso? Pois a expressão de indiferença que Sara estava se desfez na hora, e assim ela deixou a sala.  Ela se sentiu amedrontada. Apesar de se conhecerem há horas atrás, Michael a deixava assim.

- Algo me diz que eu colocarei essa garota no seu devido lugar. – Michael diz pra si mesmo se levantando de sua cadeira, pegando as chaves de seu carro e deixando sua sala. No corredor ele avisa aos policiais que já está indo embora, e que eles se preparem que no dia seguinte à noite eles iriam fazer uma visita novamente a Boate The Sexy, e que fizessem o que tinham de fazer antes para deixar tudo bem adiantado. Os policiais assentem e em seguida Michael vai embora.

...


O clima estava tenso entre Sara e sua tia Elise, pois por todo o caminho elas não tinham dado sequer uma palavra. Depois de alguns minutos elas chegaram em casa, e assim que a adentraram, Sara quebra o silêncio.

- Tia, eu... – Ela tenta se explicar, mas é repreendida por Elise.

- Não Sara! - Não tente se explicar. Eu já sei qual vão ser as suas desculpas. Vai dizer que foi ele quem começou e que na verdade você é a grande vítima da história ou que foi um engano. O meu Deus, e ainda tem essa de que você pode se prejudicar por causa de drogas encontradas naquela boate. O que você tem na cabeça menina? – Ela estava nervosa, tão nervosa que estava segurando nos ombros de Sara e ao mesmo tempo a sacudindo.

- Tia se acalma, por favor.

- Como é que eu posso me acalmar menina? Me diz! – Quando ela falou essas palavras, sentiu descer uma lágrima de seus olhos. Ela amava muito aquela garota a qual ela criou com todo o carinho e amor. – Eu não agüento mais isso Sara. Porque você tinha que ter puxado ao seu pai menina? Deixa aquela boate, olha pra você menina... Você é linda, inteligente, arrumará outra coisa. Mas essa coisa de trabalhar em boate não dá muito certo com você não menina.

- Tia... Nós já tivemos essa conversa antes... Olha vamos fazer assim: Eu prometo a senhora de que irei me comportar da melhor maneira possível, e essa confusão das drogas é apenas um mal entendido que logo será esclarecido está bem assim? – Sara pergunta segurando as mãos de sua tia.

- Você já prometeu isso antes e nunca cumpriu. – Elise puxa suas mãos das de Sara e vai em direção ao sofá ao mesmo se sentando e enxugando suas lágrimas. – E essa ainda em menina... Drogas?

- Tia eu já disse que é um mal entendido e logo será esclarecido, fique calma. – Ela fala sentando ao lado de Elise e pegando em uma de suas mãos.

- Você não vai deixar a boate né menina?

- Tia, lá é o meu emprego e eu gosto de lá.

- Ta bem! Já que eu não posso te impedir só te peço uma coisa? – Elise levanta a cabeça e olha para Sara.

- Sim tia.

- Toma cuidado menina. Eu não sei o que vai ser de mim se algo acontecer a você. – Elise abraça Sara e lhe aperta em seus braços.

- Tia... Nada vai me acontecer, fique despreocupada certo? – Ela sorri e Elisa assente.

- Ta bem menina. Eu te amo muito viu sua rebelde. – Elise fala no tom brincalhão.

- Eu também te amo muito tia, a senhora sabe disso. Agora vai dormir vai. – Ela desgruda o seu corpo de sua tia que logo se levanta e vai em direção ao quarto.

- Boa noite tia.

- Boa noite Sara.

Elise entra pro quarto e Sara fica por ali mesmo, jogada no sofá pensando: “Delegado mais arrogante, imbecil, estúpido, idiota... Mas... Até que ele é bem gato. Aff Sara, o que você está pensando garota estúpida? Ele te prendeu e te fez se sentir como uma idiota.”

Em meio de tantos pensamentos do tipo sobre o delegado, Sara cai no sono ali mesmo.


Capítulo 7

Por Michael:

Depois de interrogar o dono da boate e de conversar com a tia daquela garota rebelde, eu fui para o meu apartamento. Estava cansado e precisava relaxar, porque sabia que o dia seguinte seria cheio. Entrei em meu apartamento, tirei minha jaqueta e joguei em cima do sofá, também tirei a minha bota e a joguei em um canto qualquer e fui até o meu pequeno barzinho que tinha em minha sala. Tirei minha arma da cintura e pus em cima da mesinha do bar, pequei um copo e derramei um pouco de Whisky dentro. Mas estava faltando algo, sim, estava faltando uma mulher para passar a noite, acho que iria me fazer bem um bom sexo. Eu terminei minha bebida e decidir ligar para a minha “ficante”, peguei meu telefone e disquei o número de Lia que em menos de 20 minutos já estava em meu apartamento. Lia é uma mulher bonita, sem falar que é gostosa pra cacete e sempre satisfazia todos os meus desejos.

...

- Então Michael... Sentiu saudades? – Lia pergunta se aproximando dele.

- Lia você sabe que eu sempre sinto saudades. – Mentira! Ele estava mentindo.

- Até parece Michael. Conta outra que nessa eu não caio mais baby. – Ela se aproxima e alisa o peitoral dele. – Mas sei que me ligou porque quer o mesmo de sempre, transar, e tudo bem Michael.

- Eu não disse isso Lia, mas já que você disse tudo bem em a gente transar, não quero perder mais tempo. – Michael a toma em um beijo selvagem e é correspondido perfeitamente. Durante aquele beijo, Michael começa a baixar o zíper de seu vestido curto, e assim fazendo o mesmo cair no chão deixando ela apenas de calcinha. E sim, ela não estava de sutiã, pois ela já sabia o que Michael queria e então já foi preparada.

Eles ficaram ali por alguns minutos aos beijos e amassos de tirar o fôlego, até que Michael a joga no sofá e assim deitando sobre ela. Ele desvia seus lábios para o pescoço dela e começa a dar pequenos chupões fazendo ela se contorcer sob ele.
Ela já podia sentir o membro de Michael ereto tocando em sua intimidade por cima da calcinha preta de renda que usava.

- Michael... – Ela gemia o seu nome enquanto ele descia seus lábios por seus seios, depois sua barriga e assim chegando até sua intimidade.

- Hum... Bastante molhadinha em Lia. – Michael diz bem baixinho. Depois ele pega seu dedo indicador e o médio e encaixa entre eles os pequenos lábios da intimidade de Lia fazendo uma leve pressão e os deslizando para cima e para baixo, assim envolvendo o seu clitóris fazendo Lia se contorcer  de tanto prazer em cima do sofá.

- Michael... Por favor... – Lia o implorava para que ele a invadisse com a língua, e assim ele fez. Ele a invadiu fazendo movimentos para cima e para baixo, e enquanto isso Lia segurava os cabelos de Michael o impulsionando mais para si. Michael então continuou por alguns minutos ali, sugando sua intimidade e vendo que Lia estava se contorcendo de prazer enquanto gemia e gritava o seu nome. Percebendo que ela estava à beira de um orgasmo ele acelerou mais os movimentos de sua língua e assim ela se derramou na boca dele.

- Deliciosa como sempre Lia. - Diz depois de se lambuzar com o gosto de Lia e se sentando ao lado dela.

- Você ainda me mata Michael. – Foram as únicas palavras que ela conseguiu proferir depois daquele orgasmo maravilhoso.

Depois de recuperar o fôlego agora era a vez dela de fazer um “agradinho” pra ele.

- Michael? – Lançou um sorriso lascivo pra ele lhe passando a ideia do que iria fazer. Em seguida ela começa a beijá-lo suavemente e com mão direita passou a masturbá-lo. Vendo o seu semblante carregado de prazer ela se ajoelha diante dele para continuar com o “trabalho”.

Quando sentiu que estava perto de um orgasmo, ele a puxou para cima dele. Ele queria se derramar, mas queria fazer isso quando estivesse dentro dela.  

- Você quer que eu te invada Lia? – Ele pergunta passando a ponta de seu membro na entrada da intimidade de Lia.

- Michael... Logo... Logo por favor. – Ela gemia implorando pra que ele a invadisse. Então ele a invadiu em uma só estocada que gerou da garganta de Lia um grande grito de prazer. E assim ele continuava a penetrando com uma grande velocidade, sugando um de seus seios enquanto massageava o outro fazendo ela gemer e gritar seu nome várias vezes, e a cada vez que ela o chamava ele a estocava mais e mais fundo.

- Você quer mais? Então toma mais safada. – Michael continuava a estocando enquanto Lia gemia.

- Michael eu... Eu vou... – Lia não conseguiu terminar sua frase e assim ela se derramou, mas Michael continuava a estocando até que depois de alguns minutos ele cai por cima dela chegando ao topo do trazer.

E assim terminaram a noite com o segundo e o terceiro orgasmo.


Capítulo 8


Na noite seguinte:

Exatamente ás 19:30 PM Sara já estava em frente a sua casa e pronta para trabalhar, só faltava Melissa chegar.

- Puta que pariu Melissa sempre atrasada. – Sara fala enquanto pega o telefone pra ver a hora e escuta um barulho de um carro se aproximando.

- Vamos Sara? – Era Melissa dentro do carro com o James, seu namorado.

Sara levanta as sobrancelhas já sabendo o porquê Melissa estava atrasada de novo.

- Vamos Melissa. – Ela dá um sorriso de lado sem disfarçar e entra no carro. – “Eu sabia que ela sempre transava antes de trabalhar.” – Sara fala em seu pensamento.

Durante o trajeto Melissa pergunta a Sara o que aconteceu na delegacia.

- Aquele delegado é um idiota Mel. Tenho certeza de que ele fez aquilo só pra me irritar. Aff.

- Hum... Sei não em... Acho que isso aí ainda vai dá em namoro. – Melissa fala rindo para provocar Sara.

- Ata. Até parece que eu iria querer algo com aquele delegado. Acho que você não me conhece Melissa. Eu não sou igual a você. – Sara falou, mas depois se arrependeu, porque o namorado de Melissa estava dentro do carro, e isso com certeza poderia deixar o James com uma pulga atrás da orelha em relação a fidelidade de Melissa.

- Sara! – Melissa chama a atenção dela, e vendo que seu namorado apenas observava a conversa, ela olhou para ele e tentou disfarça.

- Oops! Foi mal. – Sara fala querendo rir da cara que James estava só observando a conversa.

Depois de alguns minutos eles chagaram na boate, lá estava tudo normal, pelo menos era o que parecia. Joel estava lá observando para ver se encontrava alguma coisa e nesse momento ele avistou as meninas.

- Meninas? – Era Joel chamando elas.

- Joel... É eai cara como é que você está? – Sara pergunta.

- Eu to bem Sara. Estou tentando encontrar alguma pista ou algo do tipo que prove que eu não sou o responsável por aquelas drogas. Só estou preocupado com uma coisa.

- Com o que? – Sara pergunta.

- Você não ouviu o que o delegado falou Sara? Se eu não provar que as drogas não me pertenciam eu não irei me ferrar sozinho.

- Ah é mesmo, esqueci dessa. – Sara suspira fundo e passa a mão na cabeça.

- Como assim? Eu não estou entendendo! – Melissa fica confusa.

- É o seguinte Mel. Se o Joel se ferrar, agente se ferra junto. Entendeu?

- O que?! Não... Eu não entendi Sara, como assim? Por quê?

- Ele disse que só do fato da gente trabalhar aqui podemos responder por isso também. Eu acho que isso não faz sentido, mas vai entender essas coisas de leis.

- O delegado tem razão. – Falou James e assim chamando a atenção de Sara, Melissa e Joel. – Só pelo o fato de vocês serem funcionárias dele, para a justiça vocês o ajudaram com o “negocio todo”. É assim que eles pensam queridas.

- Era só o que faltava. – Diz Melissa.

- Meninas me desculpem por esse constrangimento, se eu pudesse, eu...

- Joel. Deixa de drama que nós sabemos que você não tem culpa de nada, e se aquele delegado ousar a te prender por algo que você não fez, ele vai se ver comigo. – Disse Sara.

- É isso mesmo Joel. Não se preocupe que estamos juntos nessa certo? – Disse Melissa.

- Ah meninas. O que seria de mim sem vocês em? Por isso que adoro vocês. Mas em fim, vamos trabalhar que o mundo ainda não parou, e vocês entram daqui a alguns minutos, então vão se arrumar minhas estrelas.

- Ah sim, Vamos Sara. – Disse Melissa. – James meu amor, fique à vontade por ai viu, mas nem tanto, eu estou de olho. – James olha para ela querendo rir e se afasta delas.

Alguns minutos depois as meninas já estavam no palco cantando e levando toda a galera da boate a loucura. Depois quando a apresentação delas acabou elas foram para o meio da boate, Melissa pegou seu namorado enquanto Sara dançava sozinha com o resto da multidão. Enquanto ela se soltava com a música eletrônica que estava tocando ela sentiu alguém tocá-la e falar algo no seu ouvido.

- Está bom ai senhorita Hastins? – Era Michael com um sorriso lascivo para Sara.

- O... O que você esta fazendo aqui? – Sara estava surpresa pela presença de Michael.

- Vim cumprir o que tinha prometido. – Ele grita para que ela pudesse escutar, pois o barulho era grande no meio de toda aquela multidão.

- O que?! Eu não entendi! – Ela grita.

- Eu disse que vim cumprir o que tinha prometido.

- Mas o que foi que você prometeu? – Ela pergunta com o cenho franzido.

- Que iria fazer uma visitinha novamente.

- Ah... O que foi agora? Vai querer me prender de novo Sr. Delegado? – Ela fala bastante irônica sem parar a dança.

- Até que não seria uma má idéia garota. – Michael a segura pelo o braço e a leva até o lado de fora da boate e a encosta na viatura.

- Me solta seu grosso. Você não tem o direito de me arrastar assim. – Ela fala puxando o seu braço.

- Você é sempre assim, ou é apenas frescuras de menina arrogante mesmo?

- Hurgh... – Ela grunhiu. – Não bastou você ter me prendido ontem não, ou você que mais alguma coisa? – Cruza os braços.

- Bem... Na verdade eu vim aqui para ver se tinha algum movimento estranho na boate, mas até agora nada, e então eu decidi te perturbar um pouco, sei que você é meio esquentadinha. – Ele fala com aquele sorriso lindo e lascivo de novo que deixava Sara perturbada.

- Ãmmm... Já que o Sr. Não encontrou nada suponho que me deixe em paz. – Ela fala e tenta sair de perto dele, mas ele a prende com os braços um a cada lado encostado na viatura impedindo a saída dela.

- Não senhorita, eu ainda tenho algo para cumprir. – Ele fala olhando bem no fundo dos olhos dela e mordendo o seu lábio inferior.

Sara entra em desespero na sua mente, e pensa: “O que será que ele quis dizer com isso?”.



Capítulo 9

- Então recomendo que vá agora cumprir o seu trabalho Sr. – Ela fala tentando disfarçar, mas o calor e o hálito quente dele era tão forte que deixava ela um pouco excitada.

- Claro querida. Lembra-se de quando eu disse que não seria tão fácil quando nós estivéssemos a sós?

- Não... Eu não lembro. – Ela lembrava sim, mas mesmo assim mentiu só para manter a pose de durona.

- Então ta. Eu vou te lembrar. – Ele proferiu as tais palavras aproximando o seu rosto do dela.

- Sr... É... Acho melhor o senhor me deixar entrar. – Ela diz fitando os lábios dele. Ela queria beijá-lo, mas não iria dar o braço a torcer e continuaria com aquela pose até aonde pudesse.

- Ah Sara, você é muito rebelde sabia garota. – Ele fala já roçando os lábios no dela.

- Senhor... Eu... – Ela tenta falar, mas ele a interrompe com um beijo. Sim, um beijo ardente e tomado pelo o desejo. No início Sara tentou resistir, mas não aguentou a tanta sedução que ela pode sentir a respiração quente dele ao tocar seus lábios uma vez, duas, até que finalmente ela se entregou abrindo passagem para que ele invadisse a sua boca, Michael então assentiu e invadiu. Durante aquele beijo ele a segurava penetrando seus dedos nos seus cabelos por debaixo da nuca dela enquanto a outra mão segura a cintura dela assim colando mais os seus corpos.

Eles ficaram ali do lado de fora da boate, Sara encostada na viatura e Michael na sua frente, e por sorte não tinha quase ninguém do lado de fora da boate.

- Senhor... Eu... Eu não posso fazer isso. – Sara o empurra desfazendo o beijo.

- Já fez Sara. – Ele fala com um sorriso safado e alisando o canto da boca com o dedo indicador pra limpar o batom que ela tinha transmitido para os lábios dele.

- Você me beijou e eu não queria. – Ela fala e tenta se distanciar dele.

Ele então a segura pelo o braço e a puxa para si. – Não queria? Mas mesmo assim  correspondeu ao meu beijo. – Ele fala aproximando o rosto dele do dela novamente.

- Olha aqui delegado, o Sr. pensa que é o que pra sair beijando as pessoas por ai? – Ela reclamava enquanto ele só a observava sem dá a mínima para o que ela estava resmungando ali.

- Sábia que você fica mais linda com essa boca fechada garota. – então ele a toma em um beijo novamente, mas dessa vez Sara lhe deu um tapa no rosto que o fez franzir o cenho de surpresa e raiva.

- O meu Deus... Me desculpe... Eu... Não queria fazer isso, é... Eu... – Michael que estava com a mão no lado do rosto que Sara havia batido só a fitava de raiva. Ele odiou isso, pois nunca tinha levado um tapa de uma mulher antes. – Mas a culpa foi sua. – Ela diz.

- Garota eu acho melhor você sair de minha frente antes que eu...  
  
- Vai fazer o que? Vai me bater também?

- Não bato em mulheres, mas abriria um exceção pra você sua arrogante.

- E você é delegado muito atrevido. Não pode sair beijando as mulheres assim. - Ela o encara com um semblante raivoso.

- Ah é... Bem que você gostou do meu beijo garota. – Ele a encara profundamente, e quando iria se aproximar para lhe agarrar novamente, alguém chega perto deles.

- Sara? – Era Melissa. Quando ela viu com quem Sara estava franziu o cenho.

- Melissa é... Não é nada do que você está pensando. – Ela fala para tentar desfazer o que tinha acontecido ali.

- Eu não estou pensando nada e nem tenho que pensar.  – Melissa olha desconfiando de que tinha acontecido algo entre eles, e na verdade ela queria rir, mas se conteve. – Mas o que você está fazendo aqui fora?

- É... Eu vim... – Ela estava nervosa pra falar alguma coisa.

- Eu a trouxe pra cá, queria fazer algumas perguntas a ela, mas já estou satisfeito com as respostas. – Michael diz olhando Sara de lado e com um sorriso safado que Melissa não pôde deixar de perceber.

- Ah sim, entendo Sr... É... Eu esqueci o seu nome delegado. – Diz Melissa

- Jackson. Pode me chamar de Sr. Michael Jackson!

Melissa assente e pergunta pra sara. – Você não vai embora conosco? Eu e o James já estamos indo. Joel disse que já estamos liberadas.

- Ah sim... Claro que vou. – Ela olha fuzilando Michael. - Boa noite Sr. Jackson.

- Tenha uma boa noite Sara. – E continua. – E sonhe comigo.

Sara para e o olha irritada. – Nem se eu quisesse. – E vai pra perto de sua amiga. – Vamos Mel.

- Ta. Vamos. – Ela responde querendo rir. – Boa noite Sr. Jackson. – Melissa diz para ele.

- Boa noite Senhorita.



Capítulo 10


Michael ficou observando elas se afastarem, mentira, ele estava olhando para a bunda de Sara que rebolava enquanto ela andava.

- Eu ainda vou apertar e provar dessa coisinha gostosa, ou então eu não me chamo Michael Jackson! – Depois de falar pra si mesmo as tais palavras, ele volta pra dentro da boate, manda os seus policiais se recolherem já que não tinha nada acontecendo fora do normal.

...


Enquanto isso dentro do carro de Melissa:

- Mel, eu já disse que não aconteceu nada. – Sara mente para Melissa quando ela lhe perguntou se tinha acontecido algo entre ela e Michael.

- Anda Sara. Conta logo vai, deixa de frescuras.

- Não é frescuras não Mel. Eu só não quero contar. – Puts... Sara falou demais.

- Hum... Então aconteceu alguma coisa? Conta, conta, conta, con...

- Mel! – Ela chama a atenção de Melissa e lhe lança um olhar de “depois eu te conto”.

Melissa fica sem entender o porquê daquele olhar, mas depois ela se lembrou que Sara não gostava de contar certas coisas na frente de outras pessoas, pois James estava no carro como sempre só observando a conversa.

- Ata! – Melissa diz em tom baixo expressando que entendera o que Sara quis dizer.

- Ata o que Mel? – James pergunta sem entender nada.

- Ãmmm... Nada meu amor. – Ela olha pra ele e ver que ele continua sem entender, mas pra ela era melhor assim.

20 minutos depois eles chegam na frente da casa de Sara.

- Obrigada Mel. Amanhã a gente conversa ok? E ver se não se atrasa como sempre.

- Ok Senhorita Hastins! – Melissa é bem sarcástica ao responder, pois sabia que iria fazer Sara lembrar-se do delegado Michael.

- Mel você é horrível sabia? – As duas dão risadas. – Agora vão, e cuidado vocês dois ai dentro desse carro para não se empolgar demais.

- Pode deixa amiga. Tchau e boa noite.

- Tchau Mel, tchau James. – Eles acenam e se vão.

Sara entra em sua casa e percebe que sua tia já está dormindo. Ela tira seus sapatos e joga em um canto qualquer da sala, e decide comer algo. Ela vai até a cozinha, abre a geladeira e encontra um pedaço de lasanha, calculou que sua tia havia deixado pra ela, e então ele pegou o colocou dentro do micro-ondas e ativou em 3 minutos para esquentar. Pegou um copo e derramou um pouco se suco de laranja e encostou-se na pia para esperar dar os 3 minutos.

Enquanto esperava, automaticamente a mente de Sara lhe trouxe as lembranças de alguns minutos atrás. 

Flash Back:

(...) Olha aqui delegado, o Sr. pensa que é o que pra sair beijando as pessoas por ai? – Ela reclamava enquanto ele só a observava sem dá a mínima para o que ela estava resmungando ali.

- Sábia que você fica mais linda com essa boca fechada garota. – então ele a toma em um beijo novamente, mas dessa vez Sara lhe deu um tapa no rosto que o fez franzir o cenho de surpresa e raiva. (...)

Fim do Flash Back:


Em meios as lembranças do que havia acontecido há poucas horas atrás, formou-se um sorriso em seus lábios. Apesar daquela marra toda ela gostou do beijo que Michael lhe dera, pois nunca tinha sentido algo parecido antes. Ela se lembrava de tudo, da cor das roupas dele, do seu cabelo, seus olhos grandes e negros lhe devorando, do seu calor e hálito quente, seu cheiro que por sinal insistia em permanecer nas narinas de Sara, e isso a deixava inquieta.

- Droga. O que eu estou fazendo? – Ela pergunta a si mesma. – Droga de novo, minha lasanha. – Pensou tanto no beijo de Michael que esqueceu que sua lasanha estava esquentando.

Por pouco não tinha queimado a lasanha, e ela não se agrada nem um pouco em perceber que ela mesma estava pensando demais em Michael ao ponto de deixar uma fatia de lasanha queimar. Murmura um “droga”.

Ela colocou a lasanha em cima da mesa e sentou-se na cadeira e assim desfrutou de sua comida, e claro também ficou pensando no Michael. Depois que termina ela lava a louça, o copo, o garfo que usou e vai para o seu quarto. Tira suas vestes, toma um banho relaxante e deita-se em sua cama. Fecha os olhos e fica pensando:

Como um homem pode ser tão lindo, tão cheiroso, charmoso e ao mesmo tempo tão metido com ele? Aff... E o pior é que ele mexe comigo. Droga! Eu não posso pensar em relacionamento depois de tudo o que me aconteceu. Eu não posso me apaixonar, na verdade eu não quero me apaixonar. Será que esse medo de deixar um homem me tocar, ir mais além, irá durar para sempre?”

Ela virou-se para o outro lado da cama e permitiu que o sono tomasse conta do seu corpo.

Capítulo 11

Ao amanhecer Sara é despertada com a luz do sol invadindo o seu quarto. Alguém tivera aberto a janela para que ela acordasse.

- Vamos Sara. Levante-se que está na hora. – Era a sua tia Elise a chamando.

- Ah tia... Mas... – Ela tenta falar, mas a preguiça não deixa.

- Ah nada! Vamos levante-se que temos que ir ao mercado.

- Não acredito que a senhora me acordou bem cedinho para irmos ao mercado. – Ela resmunga com o rosto enfiado no travesseiro.

- Você deveria já ter se acostumado menina, sempre fizemos isso. Agora vamos que não é cedo, já são 11:20 da manhã – Elise diz e sai do quarto.

Sara levanta-se da cama reclamando. – Droga!

Toma um banho e sai com Elise rumo ao mercado.

- Tia, por que vamos naquele mercado do centro da cidade? – Sara pergunta.

- Porque tenho algo pra resolver por lá. – Elise responde sem tirar os olhos da estrada, pois estava dirigindo.

- Ah sim. Só lembrando de que eu não gosto do dono daquele mercado. – Cruza os braços.

- Ta menina, disso eu já sei e inclusive ele também já sabe. – Elas riem.

Elas conversam o caminho todo até que finalmente chegam ao mercado.

- Sara, vá fazendo as compras que eu já volto.

Sara assente e Elise se afasta dela. Então ela pega um carrinho de compras e começa a caminhar pelo os corredores do mercado. Ela sai pondo alguns alimentos, o bastante para ela e a tia dela. Arroz, feijão, macarrão, algumas verduras e legumes e entre outros. Mas ela estava esquecendo-se de algo, sim, massa de lasanha, pois ela adora lasanha e sempre que ela e Elise saem às compras elas compram.

- Droga! Cadê você em lasanha? – Ela diz procurando a massa. – Aqui está você. – Ela se curva um pouco para pegar a massa que estava na prateleira de baixo e sem querer deixa o vestido que usava subir quase mostrando um pouco de suas nádegas. Quando ela se endireita sente que bate em alguém.

- Oh, me desculpe, eu não vir... – Ela diz levantando a cabeça, e quando viu em quem tinha batido ficou gelada e não conseguiu proferi mais nenhuma palavra.

- Claro que você não viu Sara, mas eu vi. Eu vi tudo. – Ele diz com um sorriso safado.
Sara fica corada com o que Michael fala e tenta desviar o assunto.

- Você está me seguindo? – Ela pergunta.

- Eu? – Ele ri. – Oh claro... Eu sabia que você iria estar aqui hoje e vim te perturbar de novo. – Ele diz sarcástico.

- Olha aqui Senhor, eu... – Ela não termina a frase, pois Michael a interrompe.

- Senhor não, me chame de você ou Michael. Senhor só quando eu estiver em horário de trabalho. 

- Tudo bem. – Ela assente. – Mas o que o Senh... Quer dizer, o que você está fazendo aqui?

- Ué! O que uma pessoa pode fazer em um mercado? Compras é lógico.

- Você fazendo compras? – Ela ri. – Pensei que você apenas soubesse comprar armas e munições. – diz ironicamente, põe a massa da lasanha no carrinho e segue andando dentro do mercado.

- O que?! Claro que eu sei fazer compras, mas só vim pra comprar uma coisa que eu necessito. – Ele diz a seguindo.

- E o que seria essa coisa que você necessita? Posso saber?

- Tem certeza de que quer sabe garota? Sei não hein, é algo meio... Ãmmm, deixa eu ver como posso falar. É... Algo que dar prazer. – Lança um sorriso lascivo para Sara.

- Prazer? Ata. – Fica envergonhada.   

Ela continua caminhando pelo os corredores fazendo as compras sem dizer mais nada, e mesmo assim ele continua a seguindo.


Capítulo 12

- O que vai fazer hoje a noite Sara? – Michael quebra o silêncio.

- Pra que você quer saber? – Diz pegando um mantimento e pondo dentro do carrinho.

- Você continua mal educada garota. Acho que pra educá-la terei que ir mais além do que um beijo. – Ele diz segurando o braço dela.

- Aquilo não foi um beijo, foi um abuso de sua parte. – Ela diz puxando o seu braço.

- Ah Sara, deixa de marra que eu sei que você gostou. – Ele põe o dedo indicador nos lábios sensualizando para ela.

- Você sabia que para um delegado você é muito petulante?

- E você sabia que para uma mulher de 23 anos você está sendo muito infantil. Ah quer saber, não vou mais te perguntar nada. – Ele diz e se afasta dela sem ao menos dizer um “tchau”. Ele vai até o caixa, pega dois pacotes de preservativos, um com o sabor de morango e o outro de tutti-frutti e os balança mostrando para Sara que fica incrédula com a atitude dele. Em seguida ele pisca um olho pra ela, passa no caixa e assim vai embora.

Sara não entendia o porquê de ele rodeá-la tanto, afinal ele era um delegado e ela uma cantora de boate que poderia responder por tráfico de entorpecentes. Ela continuou com as compras, mas estava “voando” em pensamento sobre Michael.

Que delegado mais idiota, abusado, mas em compensação também é lindo, cheiroso, e tem uma boca deliciosa.”

Seus pensamentos estavam tão longes que ela nem percebeu quando sua tia se aproximou.

- Eii... Sara? Você está ai? – Elise diz fazendo o gesto de tchau para chamar a atenção de Sara.

- Ah... Tia... Nem vi a senhora chegar.

- Claro que não viu, estava pensando no delegado. – Elise é bem direta.

- O que?! Tia o que a senhora está dizendo? – Ela fica incrédula com o comentário da tia. Será que está tão na cara assim o que Sara está sentindo?

- Ah Sara. Você pensa que eu não vi você e o delegado conversando? E olha lá que eu percebi o modo que vocês estavam se olhando.

- A Senhora viu?... Quer dizer, nada haver tia, ele só estava enchendo o meu saco de novo.

- Sei. Então ta né! – Diz Elise. – Já tem tudo o que precisamos ai? – Sara assente. – Bom, então vamos.

Elas vão para o caixa, passam as compras e vão para casa.

Por Michael:
Eu estava de folga quando decidi ir à farmácia, pois meus preservativos tinham acabado de tal forma que eu nem notei, e eu não posso ficar sem eles. Peguei meu carro e fui até a uma farmácia, mas lá não tinha os preservativos que eu usava e então decidir ir até o mercado do centro da cidade, pois sabia que lá eu iria encontrar. Quando cheguei lá vi uma coisa que me agradou muito, por pura coincidência era aquela garota rebelde, a qual tinha beijado na noite anterior. “Eu” já estava quase ficando ereto quando a vir se inclinar para pegar algo na prateleira e quase deixando uma parte de sua linda bunda a mostra, quando me aproximei ela se endireitou assim batendo em mim. Ela parecia um pouco surpresa com a minha aparição.
Ficamos conversando por alguns minutos, eu até tentei jogar “conversa” para ver qual era a dela, mas no momento desistir e fui embora a deixando sozinha, aquela garota é muito irritante, queria vê-la assim na minha cama.
...

Capítulo 13

3 dias depois:

Quando a noite cai Sara vai trabalhar junto com Melissa. Ela estava muito pensativa.

“Será que ele aparecerá por aqui hoje? Ele nunca mais deu as caras. Aaaah que raiva de mim mesma por estar pensando nele.”

Ela e Melissa terminaram sua apresentação, e como de costume foram para o meio do salão dançar com a multidão.

Melissa logo se interage com a galera, mas Sara não estava muito a fim de dançar, então ela sai da pista e vai até o bar, senta-se e pede ao barman uma bebida. Para ela estava um saco aquela noite, e como não gostava de chegar em casa cedo preferiu ficar por ali mesmo bebendo mais uma, duas, três, doses de vodka.

Ela já estava ficando... Não, na verdade ela já estava um pouco bêbada, tanto que voltou para a pista de dança. No momento em que entrou na pista ela já começou a dançar fazendo movimentos sensuais conforme a música que estava tocando “Love, Sexy, Magic” da cantora Ciara feat. Justin T. Os homens não puderam deixar de olhar os movimentos que ela fazia enquanto dançava, até que um se chegou para acompanhá-la na dança. Sara não fez a mínima questão de saber com quem estava dançando, apenas o acompanhava, ela estava tão fora de si que nem ligou quando o tal homem com quem dançava a puxou e começou a roçar o seu corpo no dela e assim tentando beijá-la, mas ela não deixava. O homem insistia no ato assim chamando a atenção de um certo alguém que tinha acabado de entrar na boate.


Por Michael:

Fazia três dias que não via aquela garota. Estava com muito trabalho, eram mandados de prisões, investigações pra fazer, em fim. Decidir da um pulinho lá naquela boate pra vê-la. Assim quando entrei, sentei em um banco e pedir uma bebida ao barman que logo me serviu. Dei um gole na minha bebida e decidir perguntar ao barman se Sara ainda estava na boate.

- Senhor ela estava aqui faz no máximo uns 40 minutos, e depois a vi indo para a pista de dança. – Ele me respondeu.

- Ah sim rapaz. Muito obrigado. – Lhe agradeci.

- Disponha Sr. – Ele diz e vai atender outras pessoas.

Com a informação do barman fiquei olhando para pista de dança, logo avistei Sara e a conheci pela roupa em que estava usando, pois era a cara dela.






Fiquei só a observando enquanto dançava, nossa ela fazia cada movimento com o seu corpo que eu já poderia imaginar ela fazendo isso na cama, em cima de mim. Mas observei melhor e calculei que pelo o jeito que ela dançava ela não estava bem, e tive a certeza quando o homem com quem ela dançar colou seus corpos e começou a se esfregar nela, e também vi que ele queria beijá-la, eu não sei o porquê, mas sentir ciúmes naquele momento, tanto que decidi acabar com aquela putaria. Pus minha bebida na mesa, tirei minha arma e dei um tiro pra cima, assim fazendo as pessoas que estavam lá dentro se assustarem.



Capítulo 14

Continuando por Michael:

Todos me olharam, pareciam incrédulos, mas eu não me importei e logo falei algumas coisas para disfarça.

- Olhem aqui. – Continuei. – Se eu ver ou se pelo menos desconfiar de que tem alguém com drogas aqui dentro não vou pegar leve certo? – Todos ficaram assustados, mas depois voltaram a fazer o que estavam fazendo antes assim que pus minha arma na cintura. Na verdade eu só atirei pra chamar a atenção de Sara, mas pelo o visto não adiantou quase nada, ela apenas ficou me fitando por alguns segundos, acho que ela estava tentando me reconhecer, pois percebi que ela estava bêbada, e quando viu que era eu balançou a cabeça em reprovação e continuou dançando com o carinha lá.

Puta que pariu, ela estava me deixando invocado, puto, nervoso, e foi o que me incentivou a ir até lá acabar com aquela palhaçada. Eu estava decidido em arrastá-la dali naquele momento, e então passei pela aquela multidão e cheguei até ela, assim a puxando e deixando ela de frente comigo.

...


- Aii cara, o que você pensa que está fazendo? Me solta. – Ela grita.

 - Vamos embora. – Ele a puxa, mas o homem com quem ela estava dançando segura no ombro de Michael.

- Aii meu irmão. Acho que a garota pediu pra você soltá-la. – Ele se aproxima e fica a centímetros do rosto de Michael.

Michael não estava gostando nada daquilo, então ele olhou para a mão do tal homem que estava encostada em seu ombro e levantou o olhar lentamente para o mesmo.

- Tenho assuntos para tratar com essa mocinha aqui. Lembre-se, sou um delegado, então sugiro que fique bem quietinho. – Quando ele profere essas palavras o homem desencosta a mão do ombro de Michael e olha para Sara que estava com um semblante assustado, e então o homem sai de perto.

- Eu não vou a lugar nenhum com você. – Ela diz puxando o braço. – E você tem que parar de ficar puxando o meu braço toda vez que me ver.

- Você está bêbada Sara! Não estava se comportando como uma mulher decente. - Ele a leva para o bar da boate.

- Aii... Você não tem o direito de me puxar assim seu bruto. – Ela reclama.

- Claro que não tenho, mas mesmo assim fiz. – Ele senta-se em um banco do bar. – Olha menina, eu estou fazendo isso pelo o seu próprio bem. – Ele diz.

- Próprio bem? Olha aqui cara, você não é meu pai e muito menos meu marido ou namorado. Então pra que esse incômodo todo hein? – Ela grita.

- Porque a partir do momento em que nós nos beijamos eu não parei de pensa em você garota. – Ele diz olhando bem no fundo dos olhos dela, ele não queria dizer aquilo, mas as palavras saíram de sua boca como um impulso, pois ele não era muito de falar sobre os seus sentimentos.

- O que?! – Ela pergunta incrédula. Ela achava que estava ouvindo coisas pelo o fato de está bêbada.

- Isso mesmo garota. – Ele se aproxima dela para lhe dar um beijo, mas ela dar um passo para trás.

- Preciso ir embora. – Ela diz para disfarçar o clima bastante estranho que ficou após ele ter dito as tais palavras e tenta sair de perto dele, mas ele novamente a segura.

- Sara... – Sussurra no ouvido dela. – Vem comigo, me dê apenas uma noite garota.

- O que?- Ela suspira e sente algo molhando sua calcinha. – Não... Nem pensar.

- Está com medo Sara? Você com essa marra toda ai, pensei que fosse mais corajosa. – Ele diz colando mais os seus corpos sem se importar com as pessoas que estavam na boate.

- Com medo? Eu? – Ela murmura, e assim forma um sorriso lascivo nos lábios dele.

- Então me prove que você não está com medo Sara.

Ela se afasta um pouco dele, e o olha tipo: “Seu filho da mãe, você está me desafiando? Eu odeio quando uma pessoa me desafia.”

- Odeio quando me subestimam. - Ela diz entre os dentes. – Vamos!

Michael lança um sorriso safado para ela, pois a queria muito em sua cama, pelo menos uma única vez.

Capítulo 15

- Pra onde você quer ir Sara? – Michael pergunta.

- Ué... Foi você quem me desafiou, então cabe a você decidir. – Ele responde.

- Ok. – Essa fora a única palavra dele antes de pegar em sua mão e guiá-la até o seu carro, e ao mesmo adentrando.

Michael dirigiu por uns 20 minutos no máximo. Quando eles chegaram, sem olhar para ele ela sai do carro, foram para o elevador e um clima tenso ficou quando as portas do mesmo se fecharam. Por um momento ela tivera esquecido do medo de ficar com outra pessoa depois do seu ex. Sara ficou gelada e trêmula quando se deu conta que estava indo para o apartamento de Michael, e seu coração acelerou quando as portas do elevador se abriram no último andar onde era o apartamento dele.

- Chegamos Sara. – Ele diz para ela.

- Ah sim. – Ela responde mais tremula do que no elevador.

Ele então abre a porta do seu apartamento e abre passagem para ela entrar.

- sinta-se a vontade Sara.

Ela entra no apartamento e seu coração bate ao ponto de querer sair do seu peito de tão nervosa como ela estava. Apesar de querer muito, como ela iria ter algo com Michael se ela tinha medo?

Quando Michael a viu observando tudo não pensou duas vezes, tirou suas botas de cano curto e a jogou em um canto qualquer da sala, também tirou sua arma da cintura e a guardou em uma gaveta e em seguida foi em direção a ela que estava de costas, colocou as mãos na cintura dela e começou a roçar o nariz em seu pescoço assim sentindo o seu perfume doce

- Você é muito valente sabia? E é disso que eu gosto. – Ele a virou e aproximou seu rosto do dela, e pôde sentir sua respiração quente ao tocar seus lábios uma vez, duas, três, até que finalmente a beijou com todo o desejo que estava sentido de tê-la por perto naquele momento, mais ele esperava mais que isso, pois a queria ver em sua cama, nua, gemendo.

Michael... Eu... – Ela murmura em um tom medroso, pois estava com medo, com medo de se entregar a um homem.

- Shiiii – Ele põe o dedo indicador sobre os lábios dela a impedindo de falar. Ele volta a beijá-la, mas dessa vez com suavidade e carinho, pois percebeu que tinha algo de estranho com ela.

- Michael... – Ela desfaz o beijo.

- Sara qual é o problema? – Ele pergunta revirando os olhos.

- Eu não posso fazer isso. – Ela diz e fica meio envergonhada.

- Sara... Você é virgem? – Ele solta a cintura dela e pergunta em um tom confuso.

- O que? Não!

- Então qual é o problema?

- Michael... – Ela fica confusa em questão de contar ou não, mas ela poderia contar e omitir o motivo do qual ela tinha medo, e assim ela fez. – Eu preciso falar uma coisa.

- Não vai me dizer que você tem namorado. É isso, você tem namorado não é?

- Não! É que...

- É que o que Sara? – Ele a interrompe.

Sara respira fundo e diz:

- Faz muito tempo que eu não transo. – Ela diz em um tom quase inaudível.

- Você está com vergonha disso? – Ele pergunta.

- Michael, quando eu disse que faz muito tempo, não me referia há semanas ou meses, mais sim há anos, há sete anos. – Ela fica um pouco desconfortada quando fala isso para ele.

- O que? Sete anos? Ah Sara, mas isso é normal em uma mulher.

- Não Michael, pra mim não. Eu tive relação há sete anos atrás e... Foi uma vez só.

Michael fica incrédulo com o que ela diz, como uma mulher tão linda e gostosa como Sara só transou uma vez na vida? Assim Michael pensava.

- Então está ai mais um motivo pra que hoje seja a segunda vez. – Ele diz se aproximando dela.

- Mas... – Ela tenta falar, mas já era tarde demais, pois ele já havia possuído seus lábios. Sara não resistiu e se entregou naquele beijo sedento.

Ficaram por alguns minutos ali mesmo no meio da sala. Depois ele começou a guiá-la para o seu quarto sem desfazer o beijo, e quando entrou a primeira coisa que fez foi jogá-la em sua cama, depois tirou sua camisa e avançou sobre ela.

- Hoje você vai ser minha, e eu vou fazer você gritar tanto, mais tanto de prazer que você nunca mais vai querer sair da minha cama. Apenas confie em mim – Ele falava enquanto beijava e dava chupões no pescoço de Sara e fazendo a mesma soltar pequenos gemidos.

 No inicio Sara tentou resistir, mas não obteve sucesso nenhum, logo começou a corresponder as caricias de Michael, que por sinal se agradou muito em vê-la entregue aos seus encantos. Pois pra ele Sara só passava de uma mulher que precisava de um homem para satisfazê-la, nem que fosse uma vez só.

Dentre aqueles beijos e amassos Michael começou a despi-la lentamente fazendo questão de apreciar cada parte que era descoberta do corpo dela. Soltou um sorriso lascivo e mordeu o lábio inferior ao ver os seios duros daquela menina rebelde. Logo começou a sugar um seio de Sara enquanto uma de suas mãos acariciava e apertava o outro, ao mesmo tempo fazendo Sara gemer.

Mas Michael queria mais, ele queria vê-la se derramar de tanto prazer, queria sentir o seu gosto.

- Quero beijá-la mais fundo garota. – Ele disse e ela abre mais a boca pensando que ele se referia a beijar seus lábios. – Não Sara, quero beijá-la em outro lugar.

Sem aviso prévio, abriu-lhe as pernas jogando-as sob seus ombros e mergulhou a língua em sua intimidade.

Ela não conseguiu se conter e soltou um grito, e por puro instinto ela agarrou os cabelos de Michael e pressionou o ventre contra a cabeça dele.

- Oh meu Deus. – Ela estava à beira do ápice enquanto ele sugava seu clitóris e a penetrava mais fundo com a língua, e assim lhe satisfazendo com beijos e lambidas cada vez mais intensivas. – Michael eu vou...

- É isso mesmo que eu quero. Quero que goze, se derrame Sara, faça isso sem pudores. – Ele disse e em seguida introduziu um dos dedos na intimidade quente de Sara substituindo sua boca

- Ah... Eu... Vou...      
                                                                  
Depois com mais algumas investidas dele com os dedos, ela se arqueia com desespero, e suas pernas se abriam e se fechavam em um ato frenético anunciando que ela tivera chegado ao topo do prazer.

- Hum... Você é mais gostosa do que eu imaginava garota. – Ele diz depois de passar um de seus dedos na intimidade molhada de Sara, e levando até a sua boca. Mas ele ainda não tivera recebido tudo dela. – Agora eu quero te provar por dentro. – Depois de dizer essas palavras, ele levantou-se e ficou sobre o corpo de Sara, mas ela sentia que deveria agradá-lo também, então em um ato rápido, ela conseguiu mudar de posição e ficar sobre ele. Michael fica surpreso com a atitude dela. 

Sara estava perdendo todos os pudores e recatos?

- Não Michael, agora sou eu que quero prová-lo. – Ela fala sem medo, e sem vergonha nenhuma começa a desabotoar sua calça para tirá-la, então ele a ajuda e tira logo as duas peças que restava em seu corpo, sua calça e sua Box preta. 

Sara se impressiona com o que ver, seu membro grande, grosso e bastante ereto que lhe deixou água na boca. Ela lambe os próprios lábios olhando fixamente nos olhos de Michael e abaixa sua cabeça de encontro com o membro dele, e assim começou a beijar a glande molhada fazendo Michael respirar fundo e se contorcer sobre a cama.  Depois de acariciar a glande de Michael, ela passou a introduzi-lo todo em sua boca, fazendo Michael gemer e arquear a cabeça para trás. Depois de alguns minutos fazendo esse ato ela sente ele se derramar na boca dela, e assim ela prova do líquido quente dele.


Capítulo 16

Depois de ter provado do gosto de Michael, ela senta-se na cama com o rosto corado, pois nunca fizera aquele ato antes.

Michael queria se derramar mais uma vez, mas agora queria fazer isso dentro dela. Então ele a deitou, abriu-lhe as pernas e acariciou sua intimidade por algumas vezes seguidas antes de penetrá-la lentamente.

- Sara. – Ele sussurrou com a voz rouca no ouvido dela.

- Michael... Ahr. – Ela murmura apertando a cintura de Michael como se quisesse fechar as pernas, pois como ela teve relação apenas uma vez, uma segunda penetração com certeza a faria sentir uma pequena dor ou incomodo, e era o que ela estava sentido apenas com a metade do membro de Michel introduzido nela.

 - Calma bebê, relaxa. Relaxa pra mim. – Ele fala enquanto faz movimentos de vai e vem sobre Sara. – Isso é só um incômodo porque ainda é a segunda vez, já já irá passar bebê. – E continuou com os movimentos.

- ah, ah, ah, ah... Michael. – Ela gemia alto, mas ainda estava sentindo uma pequena dor que aos poucos foi se tornando em prazer. Logo se entregou literalmente a Michael que logo a preencheu por completa.

Depois ele passou a aumentar os movimentos fazendo ela se contorcer mais ainda sobre a cama e dar unhadas de satisfação em suas costas largas. Ele repetia os movimentos lentos, o suor escorregava sobre o seu rosto, mas ele queria levá-la ao limite, então ele começou a estocá-la com mais intensidade, mais fundo a fazendo gemer algo. Sentia seu membro ser mastigado pela intimidade apertada dela que lhe dava mais prazer ainda em estocá-la.

- Isso Sara... Isso. – Michael sussurrava e falava palavras desconexas que deixava Sara delirando mais ainda. – Tão apertada garota.

Depois de muitas estocadas, os movimentos começaram a ficar mais frenéticos. Sara sentia seu corpo inteiro entrar em erupção, fazendo Michael sentir um prazer como nunca tivera sentido com nenhuma outra mulher. Ao ouvi-la gritar seu nome e sentir os músculos vaginais dela se contrair com força e apertando seu membro, ele deixou derrama-se dentro dela.

Ao sentir o líquido de Michael escorrer dentro dela, ela também se entregou a um orgasmo maravilhoso e completo.

Eles estavam esgotados, ele ainda permanecia em cima dela e podia sentir seu coração batendo, ele levantou a cabeça para olhá-la, e sorriu ao ver aquela bela mulher em sua cama exausta e satisfeita. E depois caiu ao dela sem forças para proferir alguma palavra.

- Michael... Isso é tão... – Ela consegue articular algo em mente... – Eu não fazia ideia que era tão bom... – Ele a interrompe.

- Gozar? – Ele pergunta alisando os cabelos de Sara deixando a mesma corada.

- Hurum.

- Eu disse pra você confiar em mim num foi? . – Ele diz em um tom safado.

- Michael o que irá acont...

- Cale-se garota. Apenas vamos aproveitar esse momento, pois ainda tenho muito para te mostrar.

- Você quer dizer que ainda vamos...

- Isso Sara. Por mim você nem sairia mais de minha cama. – Ele diz e morde o lábio inferior.

Depois de algum tempo, já com o fôlego recuperado Michael queria mais, queria se enterrar mais uma vez dentro de Sara.

- Você é uma delicia sabia garota? Quero sentir você me apertando novamente bem gostosinho. – Ele fala sensualmente no ouvido de Sara que logo sente algo fervendo dentro de si, só esperando ser devorada mais uma vez por Michael.

E enceram aquela noite assim, com mais dois orgasmos esplêndido, e logo depois deixando o sono invadir os seus corpos.





 Capítulo 17

 Por Sara:


Acordei com a luz do sol entrando pelas persianas do quarto, a primeira coisa que veio em minha mente foi às lembranças da noite anterior. Admito que bebi um pouco, mas estava lúcida o suficiente para me lembrar do que tinha feito. Ainda de olhos fechado sorri, sorri porque na noite anterior Michael tinha arrancado os meus medos, nunca tinha me sentido tão mulher como estou me sentindo agora.  Mas para me certificar de que tudo o que aconteceu não tinha sido um sonho, me virei para o outro lado da cama e me deparei com Michael deitado de bruços apenas com a metade do corpo coberto deixando a mostra suas costas largas, algumas mechas de cabelos em cima de seu rosto, nem parecia aquele ser que se mostrava tão arrogante, bruto, petulante, em fim... Parecia mais um anjinho dormindo.

Fiquei por alguns minutos observando cada traço de seu rosto perfeito, sua pele alva e sensível, seus lábios macios que me trouxe em mente a cena de quando me beijava, sem falar no seu perfume másculo que ainda insistia em entrar em minhas narinas. Nossa ele é tão lindo e isso me deixava inquieta, sim, inquieta porque naquela noite eu senti algo a mais além de sexo, senti algo fervendo dentro de mim,  um sentimento indescritível

Em meio de tantos pensamentos me lembrei de que não tinha avisado a minha tia que iria dormir fora. Com todo cuidado para não acordar Michael, eu me levantei da cama e sai procurando minhas roupas que estavam espalhadas pelo o chão do quarto.

- Droga. Onde está meu sutiã? – Murmurei e depois vir que ele estava jogado em cima de uma poltrona que tinha dentro do quarto – Aqui está você seu danado. – Caminhei para pegá-lo, e quando me virei, vi que Michael estava despertando, ele me olhou com os olhos meio fechados, se ajeitou e ficou de lado apenas me olhando. Nossa como aquele olhar me matava.

- Te acordei? – Perguntei para quebrar o silencio.

- Não. – Essa fora a única palavra que ele preferiu.

- Ah sim. – Sai procurando o resto das minhas vestes sem olhar para ele.

- O que você está fazendo Sara? – Ele perguntou depois de alguns segundos.

- Procurando minhas roupas. Quer dizer, agora estou procurando apenas minha blusa. 
Quando eu terminei de proferi as tais palavras, ele pôs uma de suas mãos debaixo do travesseiro em que sua cabeça estava apoiada e quando retirou minha blusa veio na mesma. 

- Essa? – Ele me perguntou.

- Ah... É essa mesmo. – Respondi. Peguei minha blusa de sua mão e logo comecei a vesti-la.

- Pra onde é que você vai Sara? – Ele me perguntou, me virei para olhá-lo e vir que estava com o cenho franzido.

- Vou embora ué. – Respondi já indo em direção a porta.

- Eiiii! – Ele me chamou a atenção. – Espere! Eu vou te levar.

- Não precisa, eu pego um táxi.

- Eu mandei esperar que irei levá-la. – Ele disse se sentado na cama.

- Eu já disse que não precisa. Tenho que ir agora, minha tia deve estar preocupada porque eu não avisei que iria dormir fora.

- Calma que você terá o dia todo para dar uma explicação ou inventar algo. – Ele diz levantando-se da cama apenas com um lençol enrolado em sua cintura deixando a mostra seu abdômen e seus músculos magros, porém bem definido. – Só espere eu tomar um banho, prometo não demorar. – Ele diz indo em direção ao banheiro, mas antes de entrar ele me chama a atenção novamente. – E não se atreva a sair daqui sem mim certo?

- Certo Michael. – Falei revirando os olhos, e ele entrou no banheiro.

Sentei-me na poltrona e fiquei esperando ele.

Depois de alguns minutos ele saiu do banho, agora com uma toalha branca enrolada na cintura. Eu fiquei calada enquanto ele pegava uma Box para vestir, tirou a toalha e deixou à mostra seu membro, claro que eu corei ao ver o tamanho da “coisa” que tinha entrando em mim ontem, eu fiquei imaginando e falando em minha mente: “Como foi que eu aguentei isso tudo dentro de mim?”.

Eu fiquei o observando enquanto ele se vestia, acho que ele percebeu que eu estava um pouco envergonhada com a visão.

- O que foi Sara? Por que me olhas assim? – Ele me perguntou enquanto vestia a calça.

- Ãmmm... Como assim?... Eu não estou te olhando, só estou te esperando. – Respondi.

- Ah sim. Sei. – Ele põe um sorriso no canto dos lábios, e com uma camisa nas mãos veio até a mim que estava sentada na poltrona e se abaixou.

- Sara eu... – Ele pegou no meu queixo e levantou minha cabeça para que eu o olhasse. – Adorei a noite de ontem. Você foi incrível. – E mordeu o lábio inferior.

Sentir minhas bochechas corarem na mesma hora, e me arrepiei toda quando seus dedos tocaram no meu queixo.

Puta merda se ele soubesse o quanto eu me derreti naquele jeitinho dele. Ele era lindo, gato, gostoso, e sabia disso. Minha vontade era de jogá-lo na cama e transar com ele novamente. Mas não podia, pois tinha que ir para casa e também não queria que ele ficasse se achando.

- Michael... Vamos? – Perguntei me levantando e deixando ele ainda abaixado.

Ele se levantou e assentiu.  Vestiu sua camisa e penteou os cabelos longos.

- Vamos Sara.

Passamos pela sala, ele pegou suas chaves e fomos para o estacionamento e assim entramos no carro.

...

Capítulo 18

Sara foi guiando Michael até chegarem em frente a sua casa.

- É aqui que você mora? – Ele pergunta para ela ainda dentro do carro

- É sim. – Ela responde. – Então... Obrigada por me trazer.

- Disponha Sara. Eu também te agradeço.

- Por que está me agradecendo? – Ela pergunta com semblante curioso.

- Por ter me dado uma noite maravilhosa. Nem parecia que era sua segunda vez Sara, você é tão...

- Tenho que ir. – Ela o interrompe e sai do carro. – É sério, obrigada por me trazer em casa. Tchau.

- Tchau Sara. – Ele a responde vai embora.

Quando Sara entra em casa, da de cara com sua tia sentada no sofá que passa a lhe olhar com um semblante curioso.

- Tia eu... – Ela tenta falar, mas Elise a interrompe.

- Sara, não se preocupe que já sei onde você estava.

- Sabe é? – Sara pergunta se sentando no sofá e com o cenho franzido.

- Claro que sim. Fiquei preocupada e liguei para Melissa. Ela me disse que viu você saindo com aquele delegado.

- OMG... Desculpe por não ter avisado.

- Tudo bem menina. Agora me diz: Como é que foi?

- O que? Como é que foi o que?

- Dormir com o delegado ué. Ah sara, você acha que eu sou boba? – Sara fica incrédula com a pergunta da tia.

- Tia! Eu não quero falar sobre isso, eu só...

- Escute menina. Tudo bem você te dormido com o delegado, mas tome cuidado. Ah... E se oriente. Você sabe do que eu estou falando. – Diz Elise

- A gente não está namorando, apenas ficamos essa noite. Foi um ato impulsivo meu. E eu não tenho que me preocupar, a senhora sabe que eu tomo anticoncepcional por recomendações medicas. – Ela diz para a tia.

- Tudo bem. Às vezes os impulsos trás grandes surpresas pra nossas vidas Sara. Mas só peço uma coisa a você, quando for dormir fora outra vez me avise, por favor. Ficarei grata.

- Não vai acontecer de novo tia.

- Ok. Se você está dizendo né. Em fim, agora tenho que ira trabalhar, imagino que esteja com fome. Tem algumas coisas na geladeira gostosas pra você. – Ela diz e se levanta do sofá, pega sua bolsa e vai em direção a porta.

- Ah sim tia, obrigada. – Ela responde e ver sua tia saindo.

Quando Elise sai, Sara se joga no sofá. Como ele podia deixá-la assim, tão boba em pensamentos? Será que ela estava apaixonada por Michael?

Depois de alguns minutos voando em seus pensamentos, ela se levanta, toma um banho e deita-se, pois precisava de uma bela cochilada porque ainda estava cansada da noite passada.

...


 As 17:00 PM:

Sara já tinha acordado e decidiu ligar para Melissa.

- Cara o que você tem na cabeça Sara. Dormiu com o delegado? Melissa diz pelo o telefone.

- Ok Mel eu sei que parece loucura, mas aconteceu e... Foi bom.

- Hum... Então o delegado sabe levar uma mulher a loucura né? E é verdade, ele até consegui deixar você boba. – Ela diz rindo, pois sabia que Sara iria se irritar.

- Ah Mel. Não enche!  E você é a maior linguaruda.

- E o que eu iria falar pra sua tia? Eu não podia mentir. Caso acontecesse algo a você ela já iria saber com quem você estava.

- Ai, também não é pra tanto né. Ele é um delegado e não um bandido.

- Hum... Está defendendo ele é? Ta apaixonada, ta apaixonada, ta apaixonada... – Melissa fala para provocar Sara.

- Melissa... Para com isso... Não enche. Vai tchau, vou desligar. A gente se ver mais tarde certo?

- Ok senhora estressadinha. Te pego as 19:30 PM, e não se atrasa.

- Até parece que sou eu quem me atraso, mas tudo bem, eu estarei pronta. Tchau.

As duas desligam o telefone.

As 19:45:

Sara e melissa já estavam na boate, estavam no meio da apresentação quando viram um tumultuo vindo do lado de fora da boate. Elas tiveram que para a apresentação a mando de Joel, o dono da boate.

- O que está acontecendo Joel? – Melissa pergunta.

- A polícia está lá fora. Parece que encontraram um homem com uma bolsa cheia de drogas. OMG se isso for verdade eu não serei mais suspeito e vocês não vão ter nenhuma chance de ser suspeitas também. – Diz Joel.

- A polícia está lá fora? – Melissa pergunta.

- Sim.

- Podemos ir lá?

- Claro. Só não demorem, pois quando essa confusão acabar o show continuará pra vocês minhas estrelas. – Diz Joel e sai de perto das meninas

- Vamos Sara? – Melissa pergunta.

- Nem pensar. Com certeza Michael está lá fora, e eu não quero encontrá-lo.

- Ah Sara, deixa de besteiras, como você mesmo disse: Vocês não estão namorando, apenas ficaram. Então deixa de frescuras e vamos. – Ela pega na mão de Sara e a puxa pro lado de fora da boate.

A multidão era grande, tinha um homem algemado dentro da viatura, também tinha alguns repórteres querendo fazer algumas perguntas para o chefe da equipe, claro, o Delegado Michael Jackson que depois de alguns minutos apareceu.

- Delegado, o senhor poderia falar sobre esse caso: - Uma repórter pergunta para Michael.

- Claro. Ele responde e continua. – Há uma semana no máximo, nós recebemos uma denuncia de que havia uma boate permitindo uso de drogas, então nós fizemos uma busca na tal boate e encontramos entorpecentes por lá. O dono negou, disse que não os pertenciam, e como não tínhamos provas o suficiente felizmente não o prendemos. Por que digo isso? Porque se nós tivéssemos prendido o dono da boate onde as drogas foram encontradas, estaríamos prendendo uma pessoa inocente. Pois agora, esse individuo que acabou de ser preso estava quase entrando na boate quando percebemos um ato suspeito, então fomos até ele, no inicio ele se negou a permitir que nós o revistassem, mas como o colocamos contra a parede ele acabou deixando e confessando tudo. – Ele fala diante das câmeras de algumas emissoras locais.

- Senhor Delegado, o que irá acontecer com o preso? – Outro repórter pergunta.

- Iremos pedir o mandado de prisão, e depois disso iremos transferi-lo para o presídio. – Michael responde.

- Delegado, quan... – Quando outro repórter iria lhe fazer mais uma pergunta ele avista Sara que estava apenas olhando de longe.

- Ah desculpe, tenho que ir. – Ele diz interrompendo os repórteres que estavam lhe enchendo de perguntas.

...


Sara percebeu que ele tinha a visto, seu coração começou a bater mais forte quando ele começou a ir em direção a ela.

Capítulo 19

- Melissa eu vou entrar. – Sara disse com o coração batendo mais forte a cada passo que Michael dava em direção a ela.

- Você está muito fresca Sara. Acho que você ficou assim depois que transou com o delegado e...

- Cala a boca besta”, ele está vindo ai. – Sara diz quando Michael chega até elas.

- Olá meninas. – Ele cumprimenta as duas.

- Olá Delegado. – As duas respondem no mesmo tempo.

- Senhorita Hastins, gostaria de um pouco de sua atenção. Tem um minuto? – Ele pergunta para Sara.

- Ah... É que... Na verdade eu não...

- Ela tem um minuto sim, alias, um minuto não, ela tem até uma hora se for preciso. – Melissa a interrompe. – Vai lá garota, eu te espero.

- Mas é que... – Ela fala e olha para Michael que estava a olhando com segundas intenções. – Tudo bem. Melissa por favor, me espere aqui certo? – Melissa assente e Sara vai com Michael para um lugar distante te toda multidão.

Depois que chegaram no tal lugar longe da multidão, Sara tentava disfarçar o clima, olhava para um lado, olhava para o outro mas não olhava para ele. Michael por sua vez ficava observando o jeito de Sara, depois ele decidiu falar algo para quebrar o clima tenso.

- Imagino que você já deve saber que não tem mais chances de responder por aqueles entorpecentes. – Ele fala encostando-se em um carro que havia no lugar.

- O que? Você me chamou para isso? – Sara ficou incrédula, pois se fosse para falar sobre o assunto de entorpecentes, poderia ter feito isso na frente de sua amiga, a Melissa.

- E você pensou que se tratava de que Sara? – Michael pergunta franzindo o cenho, mas ele estava apenas testando pra ver qual era a dela.

- Michael, você é... Hurgh... Esquece. – Ela diz cruzando os braços. – É, eu já sei que o homem que vocês prenderam é o verdadeiro responsável. Em fim, se era isso muito obrigada por avisar assim mesmo. – Ela fala e dar as costas para Michael que logo a puxou como sempre pelo braço.

- Aii Garota, deixa de estresse. Eu não disse que acabei e muito menos disse que era pra você se retirar. – Ele ainda continua segurando no braço dela.

- Eu já falei pra não me puxar mais assim. – Ela puxa o braço.

- Ta bem, então a parti de agora irei te puxar com carinho assim como te puxei pra minha cama. – Ele diz com um pequeno sorriso no cano da boca.

Sara quase desabou com o que Michael falou. Como ele podia deixá-la tão excitada com uma simples frases. Sem duvidas o homem tinha sangue quente nas veias, e sexo parecia o seu nome do meio.

- Michael... Aquilo foi... – Ela deixa de falar quando ele começa a morder o próprio lábio inferior.

- Ah Sarinha, vai dizer que se arrependeu? Duvido. – Ele a puxa pela cintura deixando ela em sua frente. – Sei que você adorou tanto quanto eu, e não tente negar, vi isso em seus olhos enquanto gemia em minha cama e gritava o meu nome.

- Você se acha nem Michael? – Ela falou quando estavam frente a frente, quase roçando um nariz no outro.

- Eu não me acho garota, eu sou. Entendeu? Não? Então irei te provar agora. – Ele a toma em um beijo inspirável.

- Michael. Não faça não isso! – Ela desgruda seus lábios do dele mais ainda continua com os corpos grudados.

- Ah Sara... Qual é? Deixa de frescuras, eu já beijei muito seus lábios, até provei de você. – Ele morde o lábio inferior e continua. – E agora você quer fazer charminho? Hurgh... Já vi que ontem não foi o suficiente para te pôr no lugar. Continua muito rebelde Sara. – Ele diz roçando seus lábios no dela para tomá-la em um beijo novamente.

- Não se atreva a me beijar de novo Michael. Estamos aqui pra falar de um assunto sério. E isso que você está falando, é uma coisa fora de questão – Ela diz com os olhos fechados e respirando profundamente tentando resistir ao charme e as conversas de Michael.

- Eu não vou te beijar garota. Sabe por quê? – Michael diz ainda roçando seus lábios no dela.

- Não! Não sei. Por quê?

- Por que é você quem vai me beijar, vai implorar pelo o meu beijo.

- Até parece. – Ela diz e dar um sorriso irônico.

- Sara você não agüenta, não resiste ao meu charme garota. – Ele a aperta mais contra o seu corpo. – Sabe Sara, eu sabia que você era gostosa, mas não sabia que era tanto. – Ele afasta os cabelos do pescoço dela e roça o nariz no mesmo. – Nossa, quando eu a vi jogada em minha cama com as pernas abertas eu disse: Nossa, que delicia de mulher que está em minha cama, eu vou mergulhar ali dentro com todo prazer. – Ele sussurra no ouvido dela. – Vou fazê-la gozar.

A cada palavra proferida por Michael, Sara sentia um fervor invadindo o seu corpo, algo quente entre suas pernas, e também pode sentir o membro de Michael ereto e roçando em sua barriga.

- Michael eu... – Ela tenta falar, mas ele a Interrompe.

- Isso Sara, pede. Quero ouvir essa garrota rebelde implorando pelo meu beijo. – Ele volta a roçar os lábios dela, e por incrível que pareça, Sara já estava quase implorando para que ele a beijasse, que invadisse a sua boca ali mesmo, sem se importar se alguém iria ver ou não.

Mas como ele mesmo disse que ela é uma garota rebelde, ela não esperou mais um minuto e caiu de novo nos seus encantos e ela mesma o atacou com um beijo e é claro que ele correspondeu com o maior gosto e satisfação.

Ali mesmo eles ficaram se beijando por alguns minutos, lutando para quem invadia a boca de quem. Ele a segurava com uma mão na nuca e a outra na cintura que por sinal vazia vários desvios para o bumbum de Sara que respirava fundo a cada apartada que Michael dava, e ela cruzou os braços em volta do pescoço dele.

- Michael, as pessoas podem nos olhar. – Ela diz parando o beijo, mas ficando ainda com o rosto colado com o dele.

- Relaxa bebê. E daí? – Ele diz para ela. - Eu aposto que você ainda está bem apertadinha pra mim.

- Michael... Aqui não. – Ela disse quando ele pôs uma de suas mãos dentro do short dela.


- Não tem lugar Sara. Quero de novo, quero ser mastigado por você delicia. – Vem comigo, vem pra a gente terminar o que começamos aqui vem.



Capítulo 20


Faltou pouco para Sara aceitar o convite de Michael, mas ela não era do tipo “ficante”, e muito menos uma “peguete”. Então ela toma forças e consegue resistir a tantas tentações.

- Michael eu não... Não vou a lugar nenhum. – Ela desgruda os seus corpos.

- Qual é Sara? Deixa de frescuras. De todas, só você quem é assim. – Ele diz para ela, e falou até por demais.

Mas como assim? De todas, só ela que era assim. Mas o que ele estava pensando o que ela era? Uma vagabunda? Uma ficante? Assim pensava Sara em quanto o olhava incrédula com o comentário dele.

- Você é um idiota. – Ela diz. – É melhor você voltar pro seu trabalho que eu vou voltar pro meu. Passe bem delegado.

Michael fica sem entender nada. Ele não sabia o porquê da reação dela, afinal, eles tinham ficado apenas uma vez. Então quando ela deu as costas novamente, ele a segurou, mas dessa vez pela mão.

- O que deu em você garota? – Ele franze o cenho.

- Ainda pergunta. Aff’s. – Ela resmunga, puxa sua mão da dele e sai deixando ele encostado no carro.

- Garota imbecil. O que tem de gostosa tem de arrogante. – Michael diz pra si mesmo depois que Sara se afasta. – É melhor eu voltar pro meu trabalho que é melhor que eu faço.
 Michael volta para o local onde os seus homens estavam, e Sara volta para perto de sua Amiga, a Melissa.

- Sara? – Melissa pergunta ao ver Sara com o semblante raivoso. – O que houve com o seu delegado?

- Nem vem Melissa, que eu não estou nem afim. – Ela diz irritada e entra para a boate sem esperar por Melissa.

- O que deu nessa garota em? – Melissa pergunta pra si mesma e adentra a boate para procurar Sara.

Depois de uns 2 minutos a procura de Sara, Melissa a encontra sentada atrás do palco. Parecia muito pensativa.

- Ai está você. – Melissa diz depois que encontra Sara. – O que aconteceu Sara?

Antes de Sara responder, ela ficou olhando pra Melissa por alguns segundos e depois decidiu proferir algo.

- Eu sou uma idiota. – Quando proferiu as tais palavras, ela juntou suas pernas e as abraçou. – Eu sou uma idiota Mel.

- Do que você está falando Sara? – Melissa fica confusa.

- Mel. – Ela pega na mão e Melissa fazendo ela se abaixar. – Está acontecendo uma coisa. – Melissa apenas fica a observando e Sara continua. – Acho que estou apaixonada Mel.

Sara apaixonada? Como assim? Caraca, o delegado tinha realmente amansado a fera. Mas por que Sara estava tão preocupada com isso? – Assim pensava Melissa.

- Sara... E qual é o problema amiga? Se apaixonar é tão bom.

Sara abaixa a cabeça e responde:
- O problema é o delegado. Acho que estou apaixonada por ele e... – Ela não conseguiu terminar a frase.

- Eu ainda não consigo entender porque você está tão preocupada.

Sara respira fundo, levanta-se e diz:
- Esquece! – Ela prefere mudar de assunto, pois não queria entrar em detalhes, até porque Melissa não sabia o que tivera acontecido com Sara no passado que lhe assombrava tanto.  – Acho que o tumultuo lá fora já acabou. Devemos voltar a cantar como o Joel mesmo disse. – Ela diz depois que ouve o barulho das pessoas adentrando a boate novamente.

- Tudo bem Sara. Vamos. – Melissa assente e vai com Sara para o palco e assim dando continuidade a apresentação delas.

Horas depois:

Sara já tivera chegado em casa, estava muito cansada e sem animo pra nada, queria apenas pensar no que iria fazer em relação ao que estava sentindo pelo o Michael.

Depois que entrou em seu quarto, tomou um banho relaxante e deitou-se, ficou pensando muito até ouvir o seu celular tocar, olhou para a tela e viu que era desconhecido.

- Alô?

- Olá bebê. Sentiu saudades de mim? – Era uma voz não muito estranha para Sara.

- Quem é? – Por via das dúvidas ela pergunta assim mesmo.

- Que isso Sara? Sério que não se lembra de mim? Ah... Acho que vou ter que fazê-la lembrar. – A pessoa do outro lado da linda diz sarcástico.

- Se você não se identificar serei obrigada a desligar. – Ela é bem direta.

- Já vi que você não mudou em nada Sara. Por isso aconteceu o que tinha que acontecer contigo. – O dono da Voz debocha.

Depois disso, Sara teve a certeza de quem era, e seu coração parou por alguns segundo quando as lembranças de uma certa noite vieram em sua mente.

Capítulo 21

Mas como assim? Mas como ele tinha conseguido o número de Sara? O que ele queria com ela depois de tudo o lhe tivera feito.

- O... O que você quer? – Ela consegue proferir essa pergunta com o maior esforço, pois ela teve um baque depois de descobrir de quem se tratava.

- Ué amor... Você sabe o que quero, quer dizer, eu já tive né, mas às vezes repetir um prato é sempre bom né amor.

- Seu desgraçado... Como... Como você conseguiu o meu número? – Ela pergunta incrédula com a audácia e o atrevimento dele. Como assim ele liga pra ela depois de tudo o que lhe fez? 

- Tenho meus contatos Sarinha.

- Seu desgraçado, como você tem a coragem de ligar pra mim? – Ela sente lágrimas caindo dos seus olhos. – Você acabou com a minha vida seu... Seu... Infeliz. – Quando Sara profere as tais palavras para o dono da voz ela percebe que tem mais alguém ligando para ela, mas dessa vez com o número aparecendo, porém nunca visto antes por ela. Então ela nem pensa duas vezes antes de desliga o celular na cara do tal dono da voz e atende a outra chamada.

- Alô?- Ela atende com a voz tremula e chorosa.

- Sara?

- Quem é? – Diz mais tremula ainda.

- Sara é o Michael. Você está... Você está chorando?

- Ãh... Michael... Ãmmm... Eu... Eu. – Ela não consegue terminar de falar e cai no choro.

- Sara? O que aconteceu garota? – Michael pergunta sem entender nada. Como assim. Como assim aquela garota rebelde estava chorando?

- Ele Michael... Ele ligou pra mim e...

- Ele quem Sara? Para de chorar e me fala de quem é que você está falando. – Michael continua sem falar nada.

Sara não responde mais Michael, o telefone cai de sua mão e ela se encolhe na cama o deixando na linha lhe chamando. Ela continua a chorar com apenas as lembranças daquela noite que nunca conseguia esquecer.

Ela estava sozinha em casa, sua tia era enfermeira e naquela noite estava de plantão. Depois de alguns minutos ela ouve a campainha tocar, ela fica com medo de abrir, pois poderia ser aquele homem, o qual tinha lhe tirado a inocência há sete anos.

Depois de alguns minutos a campainha parou de tocar, e como Sara se deu conta, já tinha alguém dentro da sua casa, ela estava com muito medo, pensou que era o tal homem, ela correu e trancou a porta do seu quarto para tentar impedir que ele adentrasse.

Depois alguém bate na porta a chamando.

- Sara? Sara? Sou eu o Michael. Abra porta, eu sei que você está ai.

Na mesma hora, ela corre, abre a porta e agarra Michael com tanta força que ele estranha a reação dela.

- Michael... Não me deixa aqui sozinha Michael... Por favor! – Ela diz com a voz chorosa.

- Calma, Calma, eu estou aqui. – Ele diz guiando ela até sentá-la na cama e assim sentando junto.

- Apenas não me deixe sozinha, por favor. – Ela lança seus braços no pescoço dele e lhe aperta.

- Não irei lhe deixar bebê. Agora fique calma. – Ele a deita na cama de lado e lhe abraça. – Ficarei essa noite aqui com você.

Sara assente e sente um pouco mais de alivio por Michael está ali com ela. Ela se sentia tão segura nos braços dele.

Ficaram no quarto por mais ou menos 30 minutos em silêncio enquanto ele apenas fazia carinho em Sara, cafuné e alisava seu braço, até que ele decide proferir algo.

- Sara? – Ele a chama.

Ela não responde, apenas continua calada.

- Quer conversar? Falar o que está acontecendo com você?  Pode falar bebê, eu estou aqui com você e nada vai lhe acontecer.

Mas Sara continua calada, e o silêncio dela ele entendeu como resposta. O que estava acontecendo com essa garota? Por que ela estava tão amedrontada? Michael não entendia nada, afinal, ele não sabia nada sobre o passado de Sara. Então ele apenas a acolheu mais em seus braços pára que ela se sentisse mais segura.

Depois de mais 30 minutos, Sara se mexe um pouco para mudar de lado na cama, assim ficando frente a frente com Michael que apenas a acolhia.

- Michael... – Até que fim ela profere algo.

- Sim Sara. 

- Obrigada por está aqui.

- Disponha Sara.

Ficam calados por mais alguns minutos.

- Sabe Michael, eu sempre soube que o meu passado iria voltar a me atormentar novamente. – Ela volta a falar.

- Sara, eu vou perguntar mais uma vez. Quer falar sobre isso? – Ele a pergunta.

Sara assente com a cabeça e continua.
- O maldito passado voltou, e isso me trouxe lembranças desagradáveis. – Michael apenas fica ouvindo. – Ele me ligou, conseguiu o meu número, e quer me atormentar. Não sabia que aquele desgraçado estava solto e agora eu... – Ela não consegue terminar a frase, pois em sua mente veio uma descarga de lembranças de apenas uma noite, uma noite na qual Sara desejava ter morrido.


Capítulo 22

- Sara. – Michael levanta o rosto de Sara. – Não precisa ficar com medo, eu já disse que você está segura amor.

Amor? Eu a chamei de amor? Mas que droga isso que eu falei. Mas por que a chamei assim? Hurgh... Deixa pra lá.” – Dizia Michael em sua mente, ficou bastante pensativo depois do que proferiu.

Sara continuou calada, mas Michael agora queria muito saber o que tivera acontecido com ela. Então ele começa a jogar algumas coisas para ver se ela solta algo.

- Sara, só me diz uma coisa. Como é o nome desse homem que te ligou?

Ela fica com medo de falar sobre o assunto, mas como se sentia segura nos braços dele, ela decide falar.

 - Jason. O nome dele é Jason. – Ela diz.

- Jason? E ele era o que seu? – Michael pergunta.

- Meu namorado. – Ela respira fundo. – Ele foi o primeiro e o único namorado que eu tive até agora.

- Primeiro e o único?  

- Eu conheci o Jason quando tinha 16 anos. – Sara decide se abrir para Michael-. – Eu estava fazendo aulas de piano e tinha um certo problema com partituras. Recomendaram-me a fazer algumas aulas extras para que eu melhorasse, então ai é que entra o Jason. Ele era sobrinho do meu professor de piano e sabia tocar todos os instrumentos, e o professor permitiu que ele me desses essas aulas. Na época ele tinha 19 anos, a gente começou a ter um romance depois passando para o namoro. No inicio ele parecia carinhoso, amoroso, compreensível, mas depois suas atitudes mudaram, seu jeito de ser, já não era mais o mesmo e...

- E por que você não o deixou? – Ele a interrompe.

 - Porque eu era burra, idiota, estava tão apaixonada que confiava de olhos fechados naquele desgraçado. – Ela fala enxugando algumas lágrimas que caiam pelo o seu rosto. – Em uma certa noite, a noite na qual eu desejei ter morrido ele me ligou e disse que queria conversar sobre  a gente, eu boba confiei nele de olhos fechados mais uma vez e entrei naquele maldito carro.

Flash Back:

 - Pra onde nós vamos Jason? – Eu perguntei para ele.

- Pra um lugar bem calmo pra a agente conversar amor. – Ele me respondeu em um tom fora do normal dele. Percebi que ele estava um pouco bêbado e pedi para descer do carro.

- Jason! Você está bêbado?

- Claro que não amor, só bebi uma coisinha Sara para relaxar. – Ele disse as tais palavras e passou uma mão em minha perna enquanto com a outra dirigia.

- Jason? – Afastei sua mão de mim. – Para esse carro que eu quero descer. – Eu já estava muito assustada, nunca tinha visto ele daquela forma, me olhava como se quisesse me devorar de uma só vez.

- Deixa de marra Sara, eu sei que você também está a fim. – Ele pôs uma mão na entre as minhas pernas novamente.

 - Jason, você está fora de si. Para esse carro agora que eu quero descer! – Eu gritei, mas ele não deu à mínima e continuava dirigindo até que chegamos a uma loca. – Jason me leve para casa, por favor, Jason eu quero ir pra casa! – Eu gritei novamente.

- Cala a boca Sara. – ele gritou. – Só te trouxe aqui para passarmos um tempinho juntos amor. – Ele diz e passa dois dedos sobre o meu rosto e assim descendo para os meus seios.

Eu estava com medo é claro, o Jason estava diferente, sei que a nossa relação não estava muito boa na época, mas nunca pensei que ele iria agir daquela forma diante de mim.

- Jason! O que você está fazendo. – Falei e lhe empurrei quando ele se pôs em cima de mim ali mesmo, dentro do carro. – Me larga Jason. – Eu gritei novamente quando ele se pôs novamente em cima de mim, só que dessa vez com mais força.

- Qual é Sara? Já faz tempo que estamos juntos, mas até agora você não liberou nada pra mim. Já está na hora você não acha: - Ele falava enquanto me beijava a força.

Em um ato brusco, ele conseguiu me pôr no banco traseiro do carro.

- Me solta! O que você está fazendo? Para! Para! Para! – Eu gritava, o batia, o empurrava enquanto ele me beijava e me despia, mas ninguém me ouvia. Confesso que na hora ele foi esperto em me levar para uma loca, pois sabia que não iria ter ninguém por perto.

- Já mandei calar a boca! – Ele gritou novamente enquanto tirava minhas peças intimas a força.

Eu resistir até o máximo que pude, mas ele era mais forte que eu, eu gritei até minha garganta doer, o bati enquanto ele me beijava, eu nunca tivera nojo do beijo dele antes, mas naquele momento minha vontade era de vomitar na cara dele, pois seus toques me passavam nojo e medo.

- Jason por favor, não faça isso, eu te imploro. – Eu o pedi, o implorei para que não fizesse o que estava prestes a fazer, pois ele já tinha me despido toda, e sentir que minha vida iria acabar naquele instante quando ouvir o barulho de seu zíper abaixando. Meu rosto já estava coberto de lágrimas, eu já tivera batido tanto, mas tanto nele que já estava sem forças para resistir.

Sentir seus lábios me tocarem novamente quando ele terminou de se despir, sentir minha alma indo embora, minha inocência sendo tomada de mim, eu era virgem e aquele desgraçado sabia disso, tinha apenas 16 anos de idade e já tinha conversado com ele sobre sexo, disse que não me sentia pronta e ele se fazia entender.

Nunca pensei que isso iria acontecer, nosso problema é que sempre pensamos que só acontece com as outras pessoas, mas nunca com a gente.

- Vai doer só um pouquinho. – Ele me disse enquanto se esfregava em mim. – Sei que você é virgem amor, mas hoje te farei mulher.

- Não Jason, por favor. – O implorei mais uma vez desesperadamente, já não tinha mais lágrimas para derramar, e pior foi quando o senti abrir minhas pernas e me penetrar em um movimento brusco.

Naquele momento eu fechei meus olhos sentindo as poucas lágrimas que restava escorrerem, virei o meu rosto e me desliguei do meu corpo enquanto ele abusava de mim.
Alguns minutos depois o senti sair de dentro de mim, mas naquele momento pra mim já não fazia nem mais diferença, eu estava certa de uma coisa, de que iria tirar minha própria vida, eu me sentia um lixo, suja, em fim... Eu me sentia podre por dentro e por fora.

- Que delicia Sara, se soubesse tinha feito isso antes. – Ele ainda teve a audácia de falar as tais palavras após ter me estuprado.

Fim de Flash Back:



Capítulo 23

Cada cena que Sara se lembrou ela contou para Michael que a cada coisa dita por ela ficava incrédulo. Aquela garota que ele a denominou de rebelde tivera sido estuprada por seu ex-namorado, ele calculou o porquê ela mesma disse que era sua segunda vez.

- E o que você fez depois disso? – Michael pergunta para ela enxugando o rosto da mesma.

- Eu? – Continua. – Após aquele desgraçado ter me abandonado naquele lugar totalmente pelada, com algumas peças de roupas nas minhas mãos convicto de que eu iria me matar, eu caminhei por muitas horas até chegar a uma estrada onde passei na frente de um carro para tentar me matar, mas as pessoas que estavam dentro do carro foram mais rápidos e pararam o carro antes que batessem em mim. Perguntaram o que tinha acontecido, como eu estava traumatizada fiquei calada olhando para o nada, era como se eu não estivesse ali. Aquele casal me ajudou, o rapaz pôs seu paletó sobre o meu corpo, me levou pra dentro do carro e me levou direto para a um hospital. De lá ligaram para minha mãe e ela foi até lá e calculou quem tivera feito aquilo comigo. Rapidamente ela chamou a policia e o denunciou. Ela confiava tanto nele tanto quanto eu, e...

- E o seu pai, o que ele fez? – Michael a interrompe.

- Meu pai? Ele morreu quando eu tinha 10 anos. – Ela diz e senta-se na beira da cama. – Que vergonha eu estou agora.

- Vergonha de que Sara. – Ele se aproxima dela e sentando-se ao lado da mesma.

- Vergonha de... – Ela abaixa a cabeça. – Cada vez que eu me lembro daquela noite eu... Me sinto um lixo, tenho nojo de mim mesma, como estou tendo agora.

Michael ergue a cabeça de Sara com as suas mãos.
- Não garota. Você é linda e... Não se sinta assim, pois tem marmanjos babando por você.

- Mas nenhum deles sabe o que me aconteceu. – Ela diz chorando.

Ele passa o polegar no rosto dela enxugando uma lágrima solitária e dolorosa que caia do seus olhos.
- Mas eu sei Sara. Quer dizer... Agora eu sei. – Ele a olha fixamente nos olhos. – E sinceramente não sinto nada disso que você disse.

- Michael eu... – Ela tenta falar, mas as palavras tornaram-se em soluços.

- Ei! – Ele aproxima-se mais, e lhe da um selinho carinhoso. – Você é linda e não deve se senti mais assim.

- Eu estou com medo Michael. Estou com medo dele querer me fazer mal de novo, de querer se vingar.

- Ele não vai, eu estou aqui com você. E se ele voltar a te ligar me avise, eu sou um delegado e posso o prender por ameaça. – Ele a diz para tentar deixá-la mais calma.

Sara assente e encosta a cabeça no ombro de Michael.

- Acho melhor você deitar e dormir um pouco Sara. – Ele diz para ela.

- Mas e se e ele...

- Eu já disse que ficarei aqui com você e nada vai lhe acontecer. Agora se deite e tente descansar um pouco. – Ele diz e a deita na cama e assim dentando junto com ela.

Depois de algum de algum tempo finalmente Sara consegue dormir, mas Michael continuou acordado. Ficou pensando no que Sara tinha lhe contado, e a vontade dele era de matar esse tal do Jason por ter feito aquilo com Sara.

...


Michael se levanta com o maior cuidado para não acordar Sara ao ouvir a porta da sala se abrir. Ele pegou sua arma que tinha colocado na cômoda do quarto de Sara e foi a te a sala, e quando chegou na mesma deu de cara com Elise, a tia de Sara.

- Delegado? – Elise se assusta ao ver Michael em sua casa. – O que você está fazendo aqui?

- Shiii. – Ele ponha o dedo indicador sobre os lábios. – Assim Sara vai acordar.

- Mas o que você está fazendo aqui? – Ele pergunta novamente, só que dessa vez em um tom baixo.

- Eu vim porque Sara estava com medo de um tal de Jason. – Ele não faz arrodeio, queria que Elise soubesse logo que ele já sabia de tudo.

- Mas... Mas... Como você sabe do Jason. – Elise pergunta com o cenho franzido.

- Porque ele ligou para ela essa noite, percebi que ela estava apavorada pelo o tom da voz quando a liguei e vim pra cá para saber o que estava acontecendo.

Elise fica com o semblante curioso. Para que ele a ligou?

- Senhor delegado...

- Elise... Me chame de Michael, por favor. – Ele diz a interrompendo.

- Ok Michael. É o seguinte: Eu sei o que aconteceu entre você e Sara, mas queria deixar bem claro que ela não é qualquer uma. Então se suas intenções forem apenas para querer transar com aminha sobrinha pode ir parando por aqui. Sei que ela tem 23 anos mas já sofreu o bastante por causa de um canalha que destruiu a vida dela e...

- Elise, eu te entendo. – Michael a interrompe. – Mas eu não sou o Jason, eu sou um homem e sei que ela não é qualquer uma. Sara tem esse jeito de menina rebelde e tal, mas agora eu entendo que ela é apenas uma mulher que precisa de carinho e apoio para superar o mal que passou. – Ele diz para Elise.

- Que bom que você entende Michael. – Ela diz para Michael, mas depois vem uma dúvida em sua cabeça. – Michael, você não é casado não né?

- O que? Eu? Não! – Ele a responde. – Já fui, mas não sou mais.

- Ah sim. Fiquei mais aliviada agora. Em fim... Agora vou tomar um banho e descansar, estou exausta. Quando Sara acordar e se você ainda estiver aqui diga-lhe que estou dormindo certo. – Michael assente e Elise vai para o seu quarto.

...


Quando Michael volta para o quarto de Sara a encontra acordada.

- Pensei que você tinha ido embora. – Ela fala quando o vê entrando em seu quarto.

- Eu disse que iria ficar aqui num foi? Então aqui estou. – Continua. – Se sente melhor?

- Um pouco. – Ela senta-se na cama. – Meu Deus, minha tia vai chegar e vai ver você aqui. – Ela diz para ele, estava com medo do que sua tia iria pensar do que tinha havido ali.

- Tarde demais Sara. Ela já chegou e também já me viu. – ele diz com um pequeno sorriso no canto da boca. – Ela não falou nada demais.

- Ah... Menos mal. – Sara da um suspiro de alivio. – Michael, muito obrigada por ter passado a noite aqui, acho que se você não estivesse aqui eu não teria dormido e estaria com medo até agora. – Ela o agradece.

- Disponha Sara. Faria isso novamente por você. “Por eu disse isso? Que droga deu em mim de novo?” – Ele diz em sua mente. – Mas agora eu tenho que ir para a delegacia, o trabalho me espera. Qualquer coisa é só você me ligar.

Sara assente e Michael vai em direção a porta, mas quando chega na mesma para e vira-se para Sara.

- Sara, Você gostaria de ir a um janta hoje à noite? – Ele pergunta para ela.

- Um jantar? – Sara fica incrédula com o convite. Como assim Michael estava a convidando para jantar.

- Sim, um jantar. Minha mãe e minha irmã vão vim à cidade hoje e me fará uma visita à noite. Elas conversam demais e não queria ouvir o blah blah blah delas a noite inteira e...

- Então você quer que eu vá para ouvir junto com você?

- Ah não. Não foi isso que quis dizer. É que eu quero que você vá, só isso.

- Ta bem, eu vou. – Ela diz normalmente, mas por dentro estava em festa porque Michael tinha a convidado para jantar junto com a sua mãe.

- Ok! Esteja pronta as 8:00 que eu passo para te pegar certo? – Sara assente e Michael vai embora.

Capítulo 24


Como assim? Ele tinha a convidado para um jantar? Sara não parava de pensar nisso o dia todo. Mas antes de dá a hora marcada com Michael ela liga para Melissa para dizer o porquê não ria trabalhar. 

- Mel, hoje eu não irei pra boate. – Sara diz para Melissa.

- Por quê? Aconteceu alguma coisa com você? – Melissa pergunta, pois estranhou, Sara nunca faltava.

- Ah... Não. Eu apenas não estou me sentindo muito bem. – Sim, ela mentiu, não queria que Melissa ficasse enchendo o seu saco.

- Ta bem então. Direi ao Joel que você está doente.

- Obrigada Mel. Agora tenho que desligar, vou deitar um pouco. – Mentiu novamente.

Melissa assente e ambas desligam o telefone.

- Meu Deus, o que eu vou usar nesse jantar? – Sara pergunta pra si mesmo após de ter desligado o telefone. – Já sei. Tia Elise deve ter algo que me caia bem. – Ela diz e vai em direção pro quarto de sua tia e assim bate na porta do mesmo.

Depois de alguns segundos, Elise abre a porta do quarto.

- Tia preciso de sua ajuda. – Sara diz e adentra o quarto de Elise sem aviso prévio.

- Mas o que foi menina?

- Eu vou sair à noite, para um jantar e preciso de algo elegante para usar.

- Um jantar? Algo elegante? Hummm... Quem é o sortudo meu bem? – Elise pergunta com o semblante curioso e brincalhão.

- Ah tia... Tipo... Não é nada demais, é só um jantar que... – Ela enrola para falar.

- Vai menina, fala logo quem é! – Elise grita curiosa.

- Tá, ta bem... É o Michael. – Ela diz cutucando as unhas das mãos para disfarçar que estava muito ansiosa.

- Jantar com o delegado Michael é? Hummm... Então quer dizer que a coisa ta ficando séria? – Elise pergunta.

- Eu já disse que não é nada demais tia, é só um jantar entre eu, ele, a mãe dele e a irmã.

- Ele passou a noite com você, te chama pra jantar com a mãe e a irmã, e até sabe mais sobre você agora, e parecia muito preocupado quando nos encontramos na sala. Ata... Então não é nada sério não é? Ok! – Elise diz com as sobrancelhas arqueadas. – Vamos ver então o que cai bem nesse corpinho. – Ela vai até o closet e retira um vestido bem elegante. – Esse é lindo Sara. – Ela amostra vestido de cor rosa bebê para Sara.

- Tia... Rosa? – Sara pergunta com o cenho franzindo.

- É lindo Sara, e é clarinho.

- Mas é rosa. Quero algo mais... É... Adulto.

- Adulto é? Então ta. – Elise fala, vai até o closet e retira um lindo vestido. – Que tal esse Sara?

- Nossa tia, ele é... Lindo. – Sara diz impressionada ao ver o lindo vestido que sua tia lhe estendia.

- É mesmo né? O experimente.

Sara assente e vai para o banheiro. Alguns minutos depois ela sai vestida com o belo vestido.

- Nossa tia, eu adorei. – Sara diz quando sai do banheiro olhando para si mesmo.

- Ficou linda menina. Aquele delegado dessa vez irá enlouquecer quando vê-la vestida com ele.

- Que isso tia? Nada haver. – Continua. – Será? – Ela fica esperançosa.

- Claro que sim menina. Ficou lindo em você.

- Obrigada tia. Agora vou me arrumar que já está quase na hora.

Elise assente e Sara vai para o quarto de arrumar.

Capítulo 25

Quando achegou exatamente as 20:00 horas, Sara ficou nervosa, pois Michael nem sequer tinha dado as caras ainda. Ela estava sozinha em casa, sua tinha já tivera ido trabalhar.

- Droga! Ele não vem. – Ela diz para si mesmo.

Anda de um lado para o outro e nada de Michael. 20h30min Sara senta-se no sofá já pensando que Michael não iria buscá-la. Quando ela começa a tirar os seus sapatos altos a campainha toca e em um ato rápido ela se ajeita, ponha novamente o sapato que tivera tirado e vai atender a porta.

- Michael? – Ela pergunta ao vê-lo em sua frente.



- Sara eu... – Ele iria se explicar, mas quando percebeu como Sara estava vestida as palavras não quiseram sair de sua boca. Era mesmo aquela menina que se comportava rebeldemente? – Você está... Linda. – Ele diz lhe olhando dos pés a cabeça.






- Obrigada. Você também está... É... Muito bonito. – Na verdade ela queria dizer que ele estava lindo, mas para não dar o braço a torcer se fez de difícil. – Você está atrasado.

- Sara... – Michael respira fundo. – Eu posso explicar. Eu estava em uma operação muito importante... Quer dizer, não era mais importante que você, mas... É... Sara me desculpe.  – Michael jaz cara de cachorrinho triste.

- Tudo bem. É que pensei que você que você tinha desistido de...

- Jamais eu desisto de algo que começo Sara. – Michael dá um passo para frente e fica bem pertinho de Sara. – E você sabe muito bem disso.

Sara sente seu corpo inteiro estremecer ao sentir o perfume másculo de Michael, o calor de seu corpo que chagava até o dela, sem falar naqueles cabelos longos e charmosos que deixava Sara com uma vontade de enterrar seus dedos no mesmo.

- Acho que já nos atrasamos demais você não acha? – Ela fala e se esquiva.

- Claro Sara. Vamos. – Michael diz, Sara assente e os dois vão para o apartamento de Michael.

...


No apartamento de Michael:

Após de ter chegado no edifício onde ficava o apartamento de Michael, Sara fica nervosa ao saber que a mãe e a irmã de Michael já estavam a espera dos dois.

- O que?! Elas já estão ai? – Sara pergunta.

- Sim. Elas fizeram questão de vim cedo para cozinhar. Elas adoram fazer isso.

- Mas Michael, eu...

- Calma Sara. É minha mãe e minha irmã. Não precisa ficar nervosa.

- Quem disse que estou nervosa? “Tá tão na cara assim que estou nervosa?” -Sara pergunta a si mesmo, pois não queria demonstrar nervosismo, afinal ela só iria conhecer a mãe e a irmã do Michael.

- Se não está, então vamos entrar bebê. – Michael diz quando chegaram até seu apartamento.

Michael tira as chaves do bolso, abre a porta e da passagem para que Sara adentre no mesmo.

Quando os dois já estavam dentro do apartamento, alguém que estava na porta da cozinha chama pelo o nome de Michael.

- Michael! Por que você nunca avisa que chegou hein? – Era a mãe de Michael, a Katherine que logo foi até ele e lhe abraçou.

- Eu iria avisar, mas...

- Mas nada. O fato é que você nunca avisa mesmo. – Era a Janet que estava vindo da biblioteca com alguns livros nas mãos. – Acho que o Michael anda cozinhando mãe, olha só para esses livros de culinária.

Michael sente seu rosto corar quando sua irmã fala as tais palavras na frente de Sara que apenas observava.

- Nada haver Janet. – Ele pega os livros de sua irmã. – Isso aqui é para um caso de emergência.

- Emergência é? Sei bem qual é a...

Quando Janet iria falar algo que pudesse manchar a reputação de Michael na vista de Sara, ele a interrompe.

- Essa aqui é a Sara. – Finalmente ele apresenta Sara.

- Então você é a Sara? – Pergunta Katherine.

- É sou eu. – Sara responde com um pequeno sorriso no canto da boca.

- Você é linda Sara. – Disse Katherine.

- Muito obrigada senhora... É...

- Katherine. – Diz a mãe de Michael ao perceber que Sara não sabia o seu nome.

- Ah sim Dona Katherine. – Diz Sara.

- Mulher que cabelo é esse? Que corpinho é esse? Você é um escândalo flor. – Diz Janet quando se aproxima de Sara lhe admirando.

- Imagina. – Sara fica toda sem jeito, e dar aquele sorriso vergonhoso.

- Ta bom, ta bom, ta bom. – Michael interrompe-as. – Quero saber do jantar que vocês prepararam.

- Ah sim filho, já está pronto, bem na hora que vocês chegaram eu tinha acabado de por a mesa.

- Hum... então vamos que eu estou faminto. Vamos Sara? – Michael pergunta para Sara.

- Ah... Claro, vamos. – Sara assente e todos vão para a cozinha jantar.

Sentaram-se na mesa começaram a se servi.

- Mas eaê Sara... Me conte mais sobre você. – Diz Katherine. – O que você faz da vida?

- Bom... Eu tenho 23 anos, moro com a minha tia e trabalho a noite em uma boate.

- Em uma boate? – Katherine fica com o semblante confusa.

- Ela canta em uma boate mãe. – Responde Michael.

- Ah sim. – Ela ri. – Desculpe pelo o meu semblante Sara.

- Imagina senhora, eu entendo.

Continuaram na mesa conversando após ter terminado o Jantar e a sobremesa.

- Sara, você poderia me ajudar em algumas coisas lá no quarto? – Pergunta Janet.

- Ah sim, claro querida.

Sara assente as duas vão para o quarto deixando Michael e Katherine sozinhos.


Capítulo 26

- Ela é demais Michael. – Disse Khaterine depois que Sara saiu com Janet. – Deveria ficar com ela.

- Mãe, eu já disse que somos apenas amigos.

- E você acha que eu não sei que rola alguma coisa entre vocês? Vocês tem uma química, é como se fosse feitos um para o outro.

- Ah mãe. Mas eu não quero nada sério.

- E você acha que ela vai querer ficar só nessa, de dar uns pegar a pronto? Eu já disse e digo de novo que você tem que parar com esse seu rancor. – Disse Katherine. – Só porque você foi traído uma vez não quer dizer que todas irão te trair, e além do mais você...

- Mãe, eu não quero falar sobre esse assunto. – Michael se irrita. – Eu não sei porque você insiste em falar nisso.

- Ok. Não está mais aqui quem falou.

...


Sara e Janet no quarto:

Elas se deram bem, pareciam amigas de infância. Mas Sara ficou curiosa com uma pergunta feita pela parte de Janet.

- Mas e ai Sara... Como se sentiu quando Michael a prendeu? – Perguntou Janet.

O que? Como assim ela sabia?

- Eu fiquei com muito ódio dele e... Espera, como você sabe disso? – Sara franze o cenho.

- Ué, ele me contou é claro. – Respondeu Janet. – E inclusive ele fala muito sobre você viu.

- Sobre mim?

- Sim, ele apenas mentiu em uma coisa.

- O que?

- Ele disse que você era bonita, e isso você não é. Você é linda, é um escândalo. Olha só para esse cabelo, é lindo.

Sara fica toda tímida aos elogios de Janet e também fica muito feliz o saber que Michael fala muito sobre ela.

- Que isso... Imagina. – Diz Sara.

...


A noite passa rápido e quando se dão conta, já era muito tarde.

Michael vai até o quarto onde as meninas estavam conversando.

- Sara, já está tarde, não quer que eu a leve agora? – Pergunta Michael ao chegar no quarto.

- Ah sim... Claro. Vamos. – Respondeu Sara.

- Não vai não Sara. Passa essa noite aqui com a gente. – Janet pede para que ela fique. – Nós se demos tão bem Michael, não a leva não.

- Mas eu tenho que ir. – Disse Sara.

- Sara, se você quiser ficar pode ficar. É só ligar para a sua tia. – Disse Michael.

- Mas é que...

- Mas nada Sara. Por favor, fique, eu adorei você. – Disse Janet.

- Ta bem, só preciso avisar para a minha tia, para ela não ficar preocupada.

- Tudo bem. Avise-a. – Disse Michael.

- Aii... Vai ser demais, eu estou louca para...

- Não Janet... Você não esta pensando em...

- Claro que estou. Nunca mais eu bebi um belo vinho e joguei conversa fora. Vamos Sara, pegar as taças e o vinho que nós três vamos passar madrugada falando da vida alheia. – Disse Janet puxando Sara pela mão. – Aproveita e liga logo pra sua tia.

- Ah sim, vamos. – Elas saem de perto de Michael.

- Isso não vai presta. – Diz Michael e coloca as mão na cabeça.

...

- Mãe já tá dormindo Michael? – Janet perguntou quando todos já estavam sentados em uma pequena mesa na varada de Michael.

- Está sim. – Michael responde.

- Que bom. Então podemos conversar a vontade. – Ela abre o vinho e serve a todos.
Eles começam a beber. Era conversa para um lado, conversa para o outro até que Janet percebe que já passou dos limites.

- Acho que vou parar por aqui gente.

- Ah não. – Disse Michael e Sara ao mesmo tempo, e ao perceberem isso caíram no riso, pois já estavam um pouco bêbados.

- Você começa uma coisa e depois foge né maninha. Disse Michael.

- Eu não posso mais beber para não ficar mais bêbada. – Disse Janet. – Mas Sara ainda está de boa não é Sara?

- Eu? Eu to de boa. – Disse Sara. – Já comecei mesmo agora vou terminar.

- Hum... Por isso gostei de você. Mas agora vou ter que parar mesmo. – Disse Janet, Michael e Sara assentiram e Janet se retirou.

- Sua irmã é uma graça. – Disse Sara para quebrar o silencio que permaneceu por alguns segundos após a saída da Janet.

- É sim. – Michael diz.

Ficaram bebendo, conversando, depois mais vinho, uma, duas, três garrafas até que Michael toca em um assunto.

- Eu já fiquei com uma mulher que era casada. – Disse Michael. – O marido dela descobriu e queria brigar comigo. Mas quando ele descobriu que eu era delegado, desistiu de tentar.

- Cada um tem suas manias não é? – Disse Sara.

- É verdade. E você Sara, qual é sua mania? – Michael apoiou os cotovelos sobre a mesa e fixou seus olhos nos de Sara.

- Eu não tenho nenhuma mania. Quer dizer, eu não tinha, mas agora eu tenho. “De pensar em você.” – Disse Sara pra si mesmo.  




Capítulo 27

- Imagino. – Michael diz e solta um sorriso lascivo.

- Imagina? – Sara Sorri e toma o último gole de vinho que restava em sua taça.

- Claro que sim. Que tal colocarmos em práticas algumas dessas manias? – Michael pergunta.

- Por acaso você conhece alguma mania minha?

- Apenas imagino. Mas estou muito a fim de tirar a prova das minhas suspeitas agora. – Michael diz lascivamente. Ele levanta-se da cadeira e vai até Sara ficando por trás dela que estava sentada. Ele começa a alisar suavemente um de seus ombros e depois seu braço. A cada toque de Michael Sara sente seu corpo estremecer por dentro e por fora, e o arrepio tomou conta de sua pele quando ele se inclinou até o ouvido dela e perguntou? – Lembra-se de quando eu disse que iria te fazer gritar de tanto prazer e a fiz? – Ele morde o nódulo da orelha dela.

- Hurum... – Sara diz respirando profundamente.

Como ele poderia deixá-la assim? Toda excitada e com uma fome de sexo nunca sentida antes por ela?

- Então Sara... Não gostaria de sentir aquela sensação novamente? – Ele alisa o cabelo dela. – Por que eu estou muito afim.

O que isso? Ele estava seduzindo Sara.

- Michael... Não estamos em um bom estado para fazermos isso e...

- Pra que está sóbrio na hora do sexo? Se é nesse estado que cometemos loucuras na cama.

Depois de falar as tais palavras, Em um ato rápido e com força, Michael a vira com a cadeira e tudo, ele coloca um pé na ponta da cadeira entre as pernas dela.

- Michael... Eu já disse que...

- Chega de conversa, não gosto e perder tempo.

- Michael Jackson o que você está...

Michael a interrompeu com um beijo. Ele ficou incrivelmente quase todo por cima dela na cadeira. Realmente ele tinha o dom de domá-la.

- E agora garota? Se entregue a mim. – Ele disse depois de deixar os lábios dela.

- Depois de um beijo como esse eu me dou todinha pra você Michael. – Sara diz.

Logo em seguida com a incrível resposta de Sara, Michael rapidamente a pega nos braços e a leva para o seu quarto com todo o cuidado para não chamar a atenção de sua mãe e de sua irmã.

Chegaram no quarto aos beijos calorentos e sensuais.

Michael a deita sobre a cama, coloca uma mecha de cabelo atrás da orelha e alisa o rosto de Sara.

Isso fez Sara ofegar.

- Hoje você vai ser minha mais uma vez. – Michael diz. – Negue agora que quer transar comigo. Negue que quer que eu a invada novamente.

- Vá se ferrar Michael.

- Não muda nada em Sara. – Michael sorri e sente seus lábios serem tomados pelo o de Sara.

- Quem disse que não? Agora eu gozo.

- Puta que pariu Sara, agora você me deixou ereto. – Michael diz e começa a desabotoar a sua calça.

- Não... Sara o interrompe colocando sua mão sobre a dele. – Primeiro vamos brincar um pouquinho.

- O que você quer dizer com isso garota?

Sem responder a pergunta, ela consegue virar a posição assim sentando em cima dele.

- Tira a camisa. – Sara diz.

Michael franze o cenho, mais uma vez Sara estava perdendo os seus recatos e pudores.

Michael então a obedece e tira a camisa e volta a ficar sob ela.

Sara tira o vestido para ficar mais a vontade. Pega uma algema que estava no bolso de Michael e prende os seus pulsos na cabeceira da Cama. Sara tira a calça de Michael e começa a beijar suavemente o peitoral dele. Depois ela começa descer a boxer que ele trajava e sua boca salivou ao ver o membro de Michael grande e pulsante em sua vista. Ela encaixou-se entre as pernas dele e ele mexeu-se excitado, pois seu membro latejante subia e descia, e ela não agüentou mais esperar e preencheu a sua boca com o membro de Michael.

- Isso mesmo gostosa... Chupa bem gostosinho. – Ele diz revirando os olhos de satisfação. – Que boca gostosa Sara.

A cada chupada que Sara dava em seu membro, Michael sentia a vontade enorme de penetrar seus dedos nos cabelos de Sara e faz o mesmo ir até a garganta.

- Sara... Não me torture mais... Deixe-me penetrá-la. – Michael implorou. – Não agüento mais, quero senti-la garota. – Ele falava entre os dentes.

- Calma Michael. – Ela dava lambidas e chupões profundos no membro dele.

Sara continuava com os atos, só que agora com mais chupões que deixava Michael profundamente excitado ao ponto de se contorcer sob a cama.

- Sara... Eu não agüento mais. – Michael falou mostrando que já estava perto de pôr seu liquido pra fora.

Sara queria sentir o liquido quente dele derramando dentro de si, e em um ato rápido ela o solta e sente ele se jogar rapidamente por cima dela.

- Agora aqui quem manda sou eu garota. – Michael arranca a calcinha de Sara, abre as penas da mesma e começa a acariciar a intimidade dela com a ponta de seu membro.

- Michael... – Sara geme.

- Michael nada... Me provocou agora agüenta. – Michael se acomodou entre as pernas dela pronto para penetrá-la, mas antes passou a língua entre os lábios dela fazendo com que a mesma ficasse mais excitada ainda ao ponto de lançar a cintura de Michael com as pernas. Então logo ele a penetrou de uma só vez, arrancando um alto e gostoso gemido da mesma que o deixou mais excitado ainda.

- Aaaaaah... – Sara geme e penetra as unhas nas costas de Michael que adorava quando ela fazia isso, assim ele sabia que estava a satisfazendo bastante.

- Continua apertadinha Sara. – Ele disse enquanto a estocava com força fazendo a mesma gritar pelo o seu nome.

 Apesar de Sara não ser mais virgem, Michael ainda pode sentir que ela ainda continuava bem apertadinha e isso o deixava mais louco de prazer.

- Ah... Ah... Ah...Isso Michael, isso. – Sara gemia mais ainda com frases desconexas que Michael sussurrava em seu ouvido.

- Você é muito boa Sara. Você se encaixa muito bem em mim sabia? Você gosta do tamanho do meu brinquedo?

Ele sussurrava sem pudor e sem recato, fazendo Sara gemer em seu ouvido.

Capítulo 28

- Hurum... Mais Michael, mais!

- Mais é? Então toma gostosa.

Quanto mais ela pedia, mais ele aumentava as estocadas, tanto que ele jurava que estava sentindo o útero dela.

Sara não ficava apenas esperando Michael fazer o serviço sozinho não, ela o acompanhava no mesmo ritmo que ele a estocava, o fazendo ficar bastante satisfeito. Afinal, ele estava levando ela ao topo do prazer.

Mas Michael queria fazer algo diferente também, queria mudar algo, então ele sai de dentro dela.

- Michael? – Ela o chama a atenção com a cara de reprovação.

Ele a beija e sorri ainda com os lábios nos dela e solta a idéia.

- Fica de quatro pra mim.

Sara não fala nada, apenas vira-se e ele logo a penetra de uma só fez fazendo a mesma gemer bem gostoso para ele.

- Oh Michael...

- Você é uma delicia ainda mais nessa posição.

- A é? Então entra em mim. – Sara diz.

- Ãm? – Michael fica confuso. Como assim entra em mim se ele já estava dentro dela? Acho que o Michael não entendeu o que ela quis dizer.

- Aproveita Michael que já estou na posição adequada. – Ela disse quando se ajeitou mais em cima da cama e empinou mais a bunda para Michael.

Michael solta um sorriso de satisfação e sai da intimidade dela e logo coloca a ponta de seu membro na entrada de trás de Sara fazendo a mesma se contorcer um pouco de dor sob a cama.

- Tem certeza Sara? – Ele pergunta, pois sabia que ela iria sentir dor por conta do tamanho de seu membro.

- Cala a boca e se enfia logo dentro de mim. – Ela ordenou e ele obedeceu.

Então ele pegou os cabelos de Sara e deu uma volta em sua mão com o mesmo, ele também segurou o quadril dela com a mão livre para estocá-la com mais intensidade. No início ela se sentiu incomodada por causa do tamanho, mas depois começou a sentir um pouco de prazer quando ele começou a estocá-la com mais força enquanto levava as mãos que estavam em seus cabelos para os seios da mesma o apertando com prazer e a fazendo a gemer mais ainda.

- Deite-se. – Michael disse.

Sara logo entendeu o que ele quis dizer, não era exatamente para ela deita-se, e sim para ela levantar mais o traseiro para ele e assim ela fez. Michael solta um sorriso malicioso e a penetrou mais uma vez a fazendo gemer.

Michael segurava as nádegas de Sara ao mesmo tempo apertando com vontade, força e desejo querendo que ela gozasse para ele. Mas como ele queria isso? Ah sim, ele estava apenas a preparando para ver ela gozar bem gostosinho para ele.

- Agora deite-se e vire-se pra mim.

- O que você vai fazer? – Sara pergunta ofegante mas obedece.

Michael não responde nada, e logo começa a dar uma serie de beijos pelo o corpo dela até que chegou em sua intimidade onde deu um beijo de leve.

- Abre mais as pernas pra mim amor.

Sara sentiu seu rosto corar, mas ela fez o que ele pediu e abriu as pernas, ou melhor, ela se arreganhou todinha pra ele deixando sua intimidade a mercê dele.

- Relaxa. – Ele disse passando a língua na intimidade de Sara fazendo a mesma soltar altos suspiros de prazer. – Eu só vou te proporcionar mais prazer. – Disse e a penetrou com a língua.

Em um ato rápido as mãos de Sara ganharam vida própria e agarram-se aos cabelos de Michael apertando a cabeça contra sua intimidade.

- Aaah, assim Michael... Não para – Ela gemeu. – continua.

Ele parou de penetrá-la e começou a sugar o seu clítores fazendo a mesma se contorcer de tanto prazer.

- Goze garota... Goze. – Disse Michael enquanto sugava e lambia a intimidade de Sara.

- Mais Michael. – Ela pediu ofegante.

Então para lhe dar mais prazer, ele continuava a chupando mas, a penetrou dois dedos dentro da intimidade dela fazendo um movimento de vai e vem de leve que logo a fez gozar em sua boca. Depois disso Sara fica quieta na cama, respirando ofegante.

- Está cansada? – Ele pergunta olhando para ela.

- Um pouco. Mas eu quero você. – Sara disse e o puxou para um beijo e ele logo corresponde ficando em cima dela a beijando com desejo.

Capítulo 29

- Você Sara. Vem. – Ele disse virando-se e deixando Sara por cima dele. Sara sentou-se devagar sobre o membro de Michael e o fez se introduzir todo dentro dela. Ela começou a cavalgar devagar, Michael segurou em sua cintura e a fez ir com mais velocidade sentindo algo arder dentro dela. Ela gostava de senti aquilo era gostoso, Michael era gostoso. 

Ela franziu o cenho com um pouco de dor quando Michael levantou o seu quadril a penetrando mais fundo.

- O que foi? – Michael perguntou.

- Está doendo um pouco, mas é bom. – Ela respondeu indo mais rápido com as cavalgadas.

Eles poderiam ter evitado os altos gemidos, mas esqueceram que tinha mais pessoas no apartamento de Michael e gemiam mesmo sem vergonha alguma.

- Você está me apertando mais gostoso do que nunca. – ele falou no ouvido de Sara que logo arranhou as costas dele. – Você é minha Sara, só minha entendeu?

- Sou sua Michael, literalmente sua, todinha sua.

- Isso mesmo. – Michael diz e dá uma tapa na perna dela. – Só minha!

- Michael eu... Eu estou quase lá. – Ela disse enquanto rebolava em cima dele fazendo o mesmo gemer um pouco alto. E com mais algumas movimento dela e com as investidas de Michael os dois se derramaram sentindo o líquido quente um do outro.

Sara continuou por cima dele com a cabeça apoiada no peito dele, ambos estavam ofegantes.

- Você foi maravilhosa amor. – Michael disse passando a mão nos cabelos dela.

Sara não falava nada, estava muito ofegante para falar algo.

- Eu quero mais Michael. – Sara disse ainda em cima dele com o membro dele dentro dela.

- Seu pedido é uma ordem bebê.

Sara sente o membro dele ficando ereto dentro dela, ela levantou a cabeça o beijou.

E terminaram a noite fazendo amor mais duas vezes. Sim, fazendo amor, porque do jeito que estavam se tratando á não estava mais transando, mas sim fazendo amor até que o sono e o cansaço invadiram os seus corpos fazendo Sara dormir apoiada no peito dele.


Capítulo 30 

A luz do sol entrava pelas persianas do quarto, assim batendo no rosto de Sara que dormia tranquilamente. Ela abriu os olhos e percebeu que Michael não estava na cama.

Apesar de ter tomado muito vinho, ela recorda de todo o ocorrido da noite anterior. Ela senta-se na cama e boceja antes de levanta-se.

- Michael? – Ela o chama em um tom baixo.

Só se ouve o som dos pássaros cantando. Onde o Michael teria se metido em plena 6:30 da manhã?

Ela levanta-se, se enrola com um lençol fino e caminha a procura de Michael.

Ao caminhar, ela sente um forte cheiro de café vindo da cozinha e decide ir até lá.

 - Michael? – Ela o chama quando o vê.

Ele estava de costas, sentado na cadeira com uma xícara nas mãos, vestia apenas uma calça de um pijama e estava com os cabelos molhados e soltos. Ele vira-se assim que sente que alguém se aproxima.

- Bom dia princesa. – Ele diz com um sorriso estampado no rosto assim quando a avista.

- Bom dia. – Sara responde.

- Não achou suas roupas? – Ele pergunta em um tom brincalhão quando a vê enrolada apenas com o lençol fino.

- Ammm... Eu não... Eu nem procurei. – Ela diz timidamente. – Não o vi na cama e vim procurá-lo.

- Hum... Sentiu saudades? – Ele diz e toma um gole de café.

Sara sorri com o jeito que Michael pergunta.

- Michael, eu estou falando sério. - Ela diz. – Hum... Que cheiro bom.

- Gostou? Fui eu que fiz. – Ele sorri. – Aproxime-se, venha tomar café da manhã comigo. Acredito que esteja faminta.

- Ah sim. Estou muito faminta. – Ela diz se aproximando e sentando-se ma mesa.

Eles tomaram café juntos e pela primeira vez não brigaram. Conversaram sobre tudo até que Sara lembra-se da mãe e da irmã de Michael.

- Oh meu Deus! – Ela murmura.

- O que foi Sara?

- Sua mãe e... Sua irmã...

- O que têm elas?

- Eu estou apenas enrolada com esse lençol fino em plena cozinha e elas estão na casa e...

Michael sorri pelo o jeito que Sara fala.

- Não se preocupe. Elas já foram. – Ele diz e continua sorrindo.

- Já foram? – Ela franze o cenho.

- Sim. Já foram. – Ele responde ainda rindo.

- Do que você esta rindo? Ah Michael para! – Sara cruza os brancos.

- Estou rindo pelo o jeito que você estava, com a cara assustada.

- Já disse Michael. Para! – Ela também ri.

- Você é linda dormindo sabia? – Ele morde o lábio inferior.

O sorriso que estava nos lábios de Sara se desmanchou rapidamente. Ele a deixava sem jeito, tímida a cada palavra proferida por ele.

- Poxa. Sua mãe foi embora sem se despedi de mim. – Ela diz e toma um gole de café tentando disfarçar.

Michael sorri ao perceber que a deixou sem jeito.

- Ela disse que depois ligava pra falar com você. – Ele diz. – Ela adorou você. Quer dizer... Elas adoraram você, minha mãe e a Janet.

- Eu também gostei delas. – Sara diz e olha pro relógio que tinha na cozinha. – Acho melhor ir embora.

- Fique! – Michael pediu.

- Não... É sério, tenho que ir mesmo.

- Ah! Tudo bem então. - Michael dá um sorrisinho sem graça. – Posso te ligar? – Ele pergunta.

- Me ligar? Ãmm... Claro. – Sara responde ainda sem acreditar. Ele estava pedindo pra ligar pra ela e isso era um sinal de que ele queria a ver mais vezes. – Agora vou lá. – Sara diz e vai para o quarto, veste suas roupas e antes de sair Michael a chama atenção.

- Sara?

- Oi?

- Espere! – Ele diz se aproximando dela que estava na perto da porta.

Ela olha para aquela figura apenas de calça, com os músculos magros mais bem definidos, com os cabelos soltos, e descalço se aproximando dela.

- Michael tenho que... – Ela tenta falar, mas ele pega em seu rosto com as duas mãos e lhe dá um beijo suave e bastante carinhoso.

- Não acredito que iria embora sem se despedi de mim. – Ele diz quando solta os lábios dela.

- É que...

- É que nada Sara. Da próxima vez nem se atreva a sair sem se despedir do seu homem. – Ele diz e lhe abraça por trás.

Sara arregala os olhos ao ouvir as palavras proferidas por Michael. “Seu homem” Como assim? O que será que Michael quis dizer com isso? Seja lá o que for, Sara sentiu uma grande satisfação ao ouvir as tais palavras. Sim! Ela estava apaixonada por Michael, ou pode-se dizer que ela já o amava.

- Tá bem Michael. – Sara diz em um to baixo. – Posso ir? – Ela pergunta em um tom sarcástico.

Michael sorri.

- Não pode. Mas já que você precisa ir eu vou abrir uma exceção. – Ele diz a guiando até a porta. – Tchau! – Ele abre a porta e lhe dá um beijo.

- Tchau! – Ela olha para ele e sai do apartamento.

Capítulo 31

Ao sair do apartamento de Michael, Sara sai andando pelas ruas tranquilamente voando em pensamentos, principalmente no que Michael disse a ela.

Seu homem. – Sara pensa e sorri.

Continuou andando, estava feliz como nunca. Mas alegria de pobre as vezes dura pouco.

Ao dobrar em uma esquina para ir até o ponto do Taxi sente alguém lhe puxar com brutalidade.

Sara se surpreendo e sente o seu coração se amedrontar ao vê aquela figura com a qual ela mais temia.

Será que o pesadelo estaria voltando?

- Jason?! – Ela pergunta incrédula.

- Olá boneca! – Era o Jason. – Sentiu minha falta?

- Mas... Mas... 

- Eu disse que iria procurá-la não disse?

- Me solte ou então irei gritar! – Ela murmura, mas estava com bastante medo.

- Grite! – Ele diz mostrando-lhe que possuía uma arma. Ele estava a ameaçando.

- O tempo da prisão não significou nada pra você mesmo não foi? – Ela pergunta murmurando com a voz medrosa.

- Claro que adiantou! – Ele diz. – Fiquei com saudades de você. Desse seu corpinho que foi meu pela primeira vez. Lembra-se Sara?

As lembranças daquela noite novamente voltaram na mente de Sara. Como pode? Ela estava feliz há alguns minutos atrás e agora esse desgraçado volta para infernizá-la.

- Eu vou gritar! – Ela diz.

- Não! Você não vai. – Ele a olha com um olhar carregado de ódio. – Você vai é caminhar comigo até aquele carro e entrar nele. Entendeu? – Ele diz encostando uma arma na cintura de Sara.

Sara respira fundo, e antes de sair correndo ou gritar, ela pensa melhor. Não poderia fazer isso, até porque ele estava falando serio e tinha todos os motivos para lhe matar ali mesmo. Então ela assente e faz o que ele pediu.

Quando adentram no carro o celular de Sara toca e Jason o toma. Ao vê o nome que estava estampado na tela ele a olha e para de dirigi.

- Michael? – Ele pergunta olhando pra tela. – Quem é Michael Sara. – Ela fica calada. – Vamos! Responda! Quem é Michael Sara? – ele grita.

- Um amigo. – Ela responde.

- Um amigo? Você pensa que eu sou idiota Sara? Se você pensa que eu...

- Não o envolva nisso! Aqui é entre eu e você! – ela grita.

- Ora ora. Então quer dizer que não é o seu amigo. Sara... Ele já era! – Jason diz e balança a arma.

- O que você vai fazer Jason? – Ela pergunta assustada. – O deixe em paz.

- Eu irei deixá-lo em paz. Mas antes você vai ligar pra ele e...

- Não! Isso não. – Ela diz implorando.

- Você vai, e agora. – Ele pega o celular de Sara e retorna a ligação.

Depois de 2 toques Michael atende rapidamente pensando que era Sara.

- Oi amor! – Michael atende todo carinhoso.

- Amor? Como assim amor? – Jason pergunta ironicamente.

- Quem está falando? – Michael fica confuso.

- Quem está falando é o primeiro amor de Sara cara. – Diz Jason. – Então quer dizer que você também a chama de amor? Hummm... Bom saber que ela estava me traindo.

- Jason! Seu desgraçado. – Michael diz com a voz raivosa pelo o telefone. Pois como ele já sabia da história toda estava ciente da situação.

- Então você já me conhece. Bom saber.

- Onde está a Sara?

- Sara? Ah... A Sara... Ela está aqui bem do meu lado e disse que...

- Michael desliga, por favor, desliga! – Sara grita, ela não queria que Michael se metesse nessa história. Apesar de ele ser um delegado ela tinha medo de que algo lhe acontecesse.

- Sara? Onde você está? – Ele pergunta gritando preocupado.

- Michael... Não importa, desligue. – Ela avança em cima do Jason para tomar o celular dele.
Michael pode ouvir os dois se atacando, mas não podia fazer nada no momento.

- Sara? Sara? Sara? – Michael a chamava mas ela não respondia.

Durante aquele ataque Sara consegue desligar o telefone e jogar o mesmo pela janela do carro.

- Desgraçada! – Jason grita e lhe dá uma tapa no rosto fazendo Sara arquear a cabeça. – Agora você vai se ver comigo! – Ele ponha a arma na cintura de Sara e continua dirigindo até chegar em uma casa distante da cidade.


Capítulo 32

Após ter falado com o homem que Sara mais temia, Michael entrou em desespero, mas seu sangue ferveu quando se lembrou do mal que a fez quando abusou dela, e Michael estava com medo dele querer repetir o ato.

- Desgraçado! Filho da mãe! – Michael grita, fecha as mãos e bate em uma mesa que tinha na sua sala. – Eu não vou ter pena quando pegar esse cara!Eu o mato! Eu juro que o mato, ou então eu não me chamo Michael Jackson! – Ele disse enquanto vestia a primeira camisa que estava em sua frente, pois não queria perde tempo, só pensava em salva-la e acabar com o Jason.

Michael vai para a delegacia no intuito de rastrear o número de Sara para localizá-la. Depois que localizou o número Michael chama sua equipe e vai rumo a casa para salvar sua amada. Sim! Sua amada, pois agora que ela estava em perigo ele percebeu que a amava mais que tudo.

- Senhor, tem certeza que é aqui? – Um dos homens de Michael lhe perguntou quando chegaram silenciosamente em um casarão abandonado no interior da cidade.

- Tenho certeza que aquele desgraçado está aqui com a minha Sara. – Michael disse enquanto engatilhava sua arma, e sem perceber do modo que usou.

- Como? – O mesmo policial pergunta com o cenho franzido. – Sua Sara? Não vai dizer que...

- Vamos deixar de conversa que minha Sara está em perigo. – Michael disse já saindo do carro.

Eles cercaram a casa toda, mas Michael ordenou não fazer nenhum movimento, pois era muito arriscado, o Jason poderia fazer algum mal a ela. A ordem foi apenas observar.

3 horas se passaram e Michael já estava agoniado, foi quando ele decidiu entrar na casa, mas sozinho.

- Eu vou entrar e qualquer coisa eu dou o alerta. – Michael disse.

- Mas senhor, é muito perigoso. Esse meliante pode...

- Quem vai ficar perigoso sou eu quando pegar esse desgraçado. – Michael diz e adentra a casa pelo porão.

Michael entra silenciosamente na casa e mantém o silencio para que o Jason não percebesse que estava cercado.

Ele caminha até uma escada e sobe a mesma silenciosamente e sempre mantendo a sua arma erguida, pronto para qualquer coisa. Mas Michael só pensava em tirar Sara das mãos de Jason. Sem nunca ter o visto, Michael o odiava com todas as forças.
Ao caminhar silenciosamente, Michael ouve um murmuro de uma voz feminina vindo de um quarto que dizia “Me solte seu covarde”. Michael logo reconheceu a voz, sim, era a voz de sua garota rebelde que até na hora do perigo se comportava rebeldemente.

Michael ficou com uma vontade enorme de invadir aquele quarto e acabar com Jason, mas isso ariscaria a vida de Sara. Então ele ficou escutando a conversa por alguns segundos.

- Você sabe que vai pra cadeia novamente não é?Sara pergunta.

- Eu? – Jason sorri – Claro que não irei, ninguém sabe que estamos aqui e muito menos quem sou. – Jason disse convicto de que ninguém sabia dele, mas ele estava enganado.

- Você acha mesmo? – Sara pergunta ironicamente.

- Sara... Sarinha. E quem se importaria com você? – Jason diz sorrindo e alisando a arma que possuía em sua mão.

- Um delegado seria o suficiente? – Sara pergunta sarcasticamente.

- Um delegado? Só se seu namoradinho chamou a policia, mas mesmo assim não nos encontrariam aqui.

Ao ouvir a conversa, Michael decide tomar uma atitude e invade o quarto ficando frente a frente com o Jason.

Capítulo 33


- Se eu fosse você não diria isso Jason. – Michael disse quando invadiu o quarto.
Jason estava com a arma apontada para Sara que olhou para Michael incrédulo. Ele estava arriscando sua vida para salva-la.

- Que é você? – Jason perguntou a Michael apontando a arma para Sara.

- Eu? Eu sou seu pior pesadelo! – Michael disse. – Abaixa essa arma agora!

- Mas que coisinha linda. Então você é...

- Eu sou o delegado e o namorado dela. – Disse Michael, Sara arregala os olhos ao ouvir as tais palavras.

- Delegado? – Jason diz mostrando um pouco de medo. – Se você se aproximar, ela já era. – Ele diz colocando a arma no pescoço de Sara que estava em uma cadeira.

- E se você se atrever eu...

Jason fica nervoso quando Michael dá um passo para frente e atira no teto e logo volta a colocar a arma no pescoço de Sara.

- Para traz, se não eu atiro nela! – Jason grita.

Os policiais que estavam do lado de fora ouve o barulho do tiro e saem dos esconderijos assim fazendo barulho o suficiente para Jason ouvir e olhar para a janela se distraindo, Michael aproveita a oportunidade e vai pra cima dele, assim entrando em uma luta corporal com ele.

- Meu Deus não! – Sara grita quando Jason dá um soco no rosto de Michael fazendo o mesmo cair no chão. Michael levanta-se rapidamente.

Jason pega a arma que tinha caído no chão segundos antes quando Michel o atacou. Mas Michael rapidamente levanta-se e agarra a arma junto com a mão dele.

- Corre! – Michael grita para Sara correr de lá. – Corre Sara!

- Mas Michael...

- Eu disse pra correr... Agora!

Michael manda e Sara corre, mas quando ela chega até a porta pronta para sair, se ouve um tiro disparado pela arma a qual Michael e o Jason seguravam. Sara se vira rapidamente torcendo para que não fosse o Michael a levar aquele tiro.

Os dois ainda continuavam de pé, mas a briga tinha parado após o tiro.

- Não! – Ela grita quando vê Michael caindo no chão, ela corre e se ajoelha perto dele. – Michael... – Ela diz, mas sua fala é interrompida por uma seqüência de soluços, e as lágrimas escorriam sobre o seu rosto.
- Sara... Eu... – Michael diz sem ter muita força.

- Michael agüenta firme que você vai ficar bem. – Sara diz sem ao menos perceber que o Jason já tinha saído do quarto.

- Eu tentei Sara... Eu juro que tentei. – Michael diz quase fechando os olhos.

- Não feche os olhos Michael, abre os olhos Michael, você não pode morrer, não pode! – Sara disse ainda chorando.

Os policias já tinha invadido a casa e prendido o Jason que tentou fugir pelo porão.
Dois policiais entraram no quarto e se depararam com Michael caído no cão ferido e Sara agarrada com ele, tremula e chorando.

- Chamem a ambulância. Rápido! – Um dos policiais fala pelo o celular.

- Michael não... Você não pode... Não pode. – Ela diz beijando os lábios dele. – Diz pra mim que ele vai ficar bem. Diz! – Ela pede para o policial que estava perto dela.

- Sinto muito senhorita, mas temos que levá-lo para o hospital urgente. – Ele disse quando a equipe da ambulância já tivera chegado no quarto.

- Eu vou com ele!

- Você não pode...

- Eu disse que vou com ele ou então ele não saio daqui! – Ela diz enxugando as lágrimas com os pulsos.

- Está bem. Então vamos! – Um dos paramédicos assentem e eles vão todos para um hospital.

Capítulo 34 

Rapidamente chegaram ao hospital, Michael ainda estava desacordado e ferido, Sara segurava a mão dele enquanto os médicos o levavam para a sala de cirurgia.

- Infelizmente aqui a senhora não poderá entrar. – Disse um dos médicos quando chegaram a sala de cirurgia.

- Mas...

- Sinto muito senhora.

Sara olha muito chorosa olha para Michael e lhe da um beijo.

- Promete que ele vai ficar bem?

- Moça, eu prometo que farei o possível por ele.

- Tudo bem! – Sara assente e os médicos entram na sala.

Já tinha se passado mais de 2 horas e nenhum dos cirurgiões tinham dado noticias a Sara sobre Michael, o que deixava Sara mais aflita. Mas mesmo assim, ela não saía de perto da sala onde Michael estava sendo operado.

- Senhorita Hastins? – Uma enfermeira chamou a atenção de Sara que antes de olhá-la passou o dorso das mãos nos olhos para enxugar as lágrimas.

- Sim!

- Faz tempo que a senhora está ai sem beber e sem comer nada. Vamos! Venha comer algo!

- Obrigada! Mas eu prefiro ficar aqui.

- Mas senhora...

- Eu já disse que prefiro ficar aqui.

Sara não queria sair de perto de Michael de jeito nenhum, mas tinha duas pessoas que a conheciam bem e poderiam fazê-la comer algo.

- Pode deixar enfermeira, nós cuidamos dela. – Era Elise sua tia e Melissa sua amiga.
A enfermeira assente e se sai.

- Tia... Eu não sei o que fazer. – Sara corre para os braços de Elise agarrando a mesma e mais uma vez cai no choro.

- Eii? – Elise levanta a cabeça de Sara. – Calma... É só esperar menina e ter pensamento positivo nessas horas.

- A culpa é toda minha... toda minha. Se ele não tivesse ido até lá, ele não...

- Sara?! A culpa não é sua. Teve que acontecer, tem algumas coisas que não podemos evitar nessa vida. Elas simplesmente acontecem.

- É verdade Sara. A culpa não é sua. – Disse Melissa enquanto passava a mão nos cabelos de Sara fazendo carinho na mesma. – A culpa é toda do seu ex-namorado.

- Jason... Onde está aquele desgraçado? – Sara levanta a cabeça e pergunta quando Melissa toca no nome do cara que fez aquele momento acontecer. – Onde ele está?! – Ela grita.

- Calma menina. – Diz Elise. – Ele foi pego quando tentava fugir.

- Então ele está preso?

- Sim! Ele está preso e pagará pelo o que fez com o delegado. – Disse Elise.

- Assim espero e...

Sara foi interrompida quando um enfermeiro aparece e chama por ela.

- Senhorita Hastins?

Sara vira-se rapidamente ansiosa por alguma noticia boa.

- Sim! – Sara se aproxima do médico. – Diga-me que ele está bem por favor!

- A cirurgia foi um sucesso. Removemos a bala e pelo o que me parece não ficará nenhuma sequela.

- Aii meu Deus... Que bom... Escutou tia? Ela vai ficar bem e... – Sara pulava de alegria.

- Eu disse Sara que era pra ter pensamento positivo que tudo iria da certo.

- Mas e ai doutor? Como ele está?

- Ele está respondendo muito bem a cirurgia e as medicações. Logo ele ficará bem.

- Posso vê-lo?

- Infelizmente não pode, pois...

- Ah vai... Prometo não demorar. Eu só quero vê-lo.

- Ta bem... 5 minutos certo?

- Prometo ser rápida. 

Sara deu um sorriso para a sua tia e para Melissa, e seguiu o médico até a sala onde estava Michael.

Quando chegou na sala, Sara olhou para Michael com o olhar carinhoso e feliz, pois seu coração estava muito aliviado quando viu que ele estava bem.

- Meu amor. – Sara passa o dorso da mão no rosto de Michael e com a outra mão segura na dele. – Fiquei com tanto medo de te perder, se isso acontecesse, eu seria capaz de...

Sara parou de falar após Michael apertar um pouco a sua mão, ela olhou para a mesma e depois voltou a olhar para o rosto de Michael que se encontrava com as pálpebras entreabertas.

- Sa... Sara... – Michael proferiu apenas o nome dela, pois estava sem força para falar.

- Não fale nada... Apenas descanse meu amor. – Sara fala e coloca o dedo sobre os lábios de Michael o impedindo de falar mais algo.

Michael sorri ao vê a o jeito de Sara. Ele estava consciente o suficiente de que Sara estava verdadeiramente preocupada, o que por certa forma o deixava feliz.

Depois Michael cai no sono novamente e Sara sai do quanto.

- E ai menina? Como o Delegado está? – Perguntou  Elise quando Sara adentrou a sala de espera.

- Ele está bem graças a Deus. Ele está respondendo muito bem aos medicamente e até abriu os olhos e falou comigo, mas ele...

Sara parou de falar quando viu duas pessoas conhecidas adentrando o hospital.
- Sara? Onde está o meu filho? – Era a Katherine, a mãe do Michael junto com sua irmã, a Janet.

- Senhora ele...

- Por que você não nós avisou?

-  Eu... eu... Nem sequer tinha como entrar em contato com a senhora, e...

- Calma Sara... Nós não estamos brigando com você. – Disse Janet. – Até porque não é a primeira vez que Michael leva um tiro.

- Não?! – Sara pergunta incrédula. – Mas mesmo assim, ele poderia morrer e eu nem avisei a vocês. Desculpem-me. – Sara lamenta. – Mas ele está bem.

- Pegamos o avião assim quando nos disseram que ele tinha sido baleado. – Ficamos muito preocupadas e... Graças a Deus ele já está bem.

Sara, a mãe, a irmã de Michael, Elise e Melissa se conheceram e ficaram conversando ali mesmo na sala de espera. Katherine e Janet pode vê Michael e ficaram muito feliz ao vê-lo bem.

Capítulo 35


Uma semana depois, Michael já tinha recebido alta e já estava em casa. Mas como ele morava sozinho, Sara não queria deixá-lo só, e Michael agradeceu muito por sua companhia.

- Michael! – Sara grita quando vê Michael abrindo uma lata de carne remosa, a qual ele não podia comer por causa da cirurgia que ainda estava recente. – Solte isso!

- Sara? – Michael esconde a lata da comida atrás de si. – Soltar o que?

Sara se aproxima de Michael com a cara irritada. – Isso! – ela toma a lata dele. – Qual é o seu problema Michael? Você sabe que não pode comer essas coisas ainda. – Sara disse enquanto guardava a comida.

- Era só um pouquinho, e além do mais essas comidas que me receitaram são horríveis.

- Não quero saber! Enquanto eu estiver aqui você terá que come-la.

- Aff... Você é muito chata! – Michael resmunga.

- O que disse?

- Eu? Nada! Eu não disse nada. – Michael disse enquanto andava em direção para a sala.

- Hum... Muito bem!

- Depois quero ver se você vai me deixar comer outra coisa! – Michael grita ironicamente.

Sara fica incrédula com o comentário de Michael e vai até ele.

- O que?

- Isso mesmo que você ouviu! Você não me deixa fazer nada, não me deixa comer nada e nem ao mesmo me deixa tocar em você.

- Michael?! – Sara se espanta com o que Michael diz. Ele nunca tinha tocado no assunto antes, e por que isso agora?

- Pelo o amor de Deus Sara, você não percebe que estou agoniado com isso? Já faz quase 10 dias que tem uma mulher dentro da minha casa a qual eu desejo tê-la em minha cama. – Michael se aproxima de Sara, ele estava apenas de calça e descalço e com os cabelos soltos. – Você não percebe Sara? – Ele disse quando os seus rostos estavam bem pertinho um do outro.

- Michael você está se recuperando e não pode...

- Fazer esforço? – Michael disse roçando seu nariz no de Sara. – Não seja por isso, você trabalha junto comigo.

- Michael... você não pode...

- Posso sim! – Michael disse e tomou os lábios de Sara de uma só vez. Sara não resistiu e correspondeu ao beijo.

- Michael... – Sara disse enquanto Michael a guiava para o quarto.

- Shiiii... – Michael ponha o dedo indicador sobre os lábios de Sara. – Você não vai me deixar na mão né Sara? Olha como eu já estou. Sinta a potencia aqui em baixo. – Michael ponha a mão de Sara em cima de seu próprio membro para que ela sentisse que ele já estava bastante excitado e pulsante.

Sara ofega e pressiona o membro de Michael com cuidado fazendo o mesmo soltar um sorriso lascivo e morder o lábio inferior.

- Acho que você precisa soltar toda essa sua excitação. – Disse Sara em um tom safado.

- Agora você pegou pesado garota. – Michael disse e beijou Sara mais uma vez.

Michael deitou lentamente sobre Sara sem quebrar o beijo. Sara estava apenas com uma camisa grande e com um pequeno short que parecia mais uma calcinha que por sinal a deixava muito sensual.

- Isso Michael! Ham... – Sara gemeu quando Michael colocou uma mão por dentro da calcinha dela.

- Já está toda molhadinha Sara. Tudo isso só pra mim. – Disse Michael e depois tirou a mão e colocou em sua boca, assim sentindo o gosto de Sara mais uma vez.

- Para de conversa e transa logo comigo! – Sara disse e em um movimento delicado para não machucar Michael, ela se coloca por cima dele.





  


Michael fica surpreso com a atitude de Sara, até porque há alguns minutos atrás ela não queria está ali na cama com ele, e agora ela estava até excitada.

- O que foi? Você não pode fazer muito esforço amor, por isso eu irei fazer a metade do trabalho.

- Mas...

- Mas... Você tem que me ajudar também cento?

Michael assente e morde o lábio inferior.

Sara tira a calça e a box de Michael com cuidado e logo em seguida também se livra de suas vestes e vai para cima dele.

Primeiro Sara começou com caricias até deixar Michael mais excitado, e quando percebeu que ele necessitava está dentro dela, ela sentou-se em cima do membro dele fazendo Michael soltar um pequeno gemido.

- Isso Sara. – Michael disse quando Sara começou a se movimentar sobre o membro dele.

- Assim ta bom Mike? – Sara perguntou em um tom safado.

Michael sorri com o apelido que Sara diz. “Mike”

- Está perfeito garota, perfeito. Continua.

Sara sorri lascivamente para Michael e começa a rebolar em cima dele.

Michael segura no quadril de Sara pressiona seu quadril para cima fazendo seu membro ir mais fundo dentro de Sara que solta um grito de prazer na mesma hora.
Depois ele começou a apertar os seios de Sara enquanto ela continuava rebolando sobre ele.

- Ah... Ah... Ah... – Sara gemia, não estava mais em si, já estava quase chegando ao topo do prazer com as investidas que Michael dava de baixo dela.

- Vai mais garota... Vai, goza! – Michael disse enquanto Sara continuava com os movimentos sobre ele, até que ele sente o líquido quente de Sara escorrer sobre seu membro, e ele sorri de satisfação ao vê-la cair ofegante sobre ele.                                                                                           
                                                             Capítulo 36 

- Cada vez me surpreende Sara. – Disse Michael enquanto alisava os cabelos de Sara que continuava em cima dele.

- Você ainda não viu nada. – Sara disse ainda um pouco ofegante.

- Ah é? Pois agora quem vai ver é você. – Michael disse, deitou Sara ao seu lado e ficou sobre ela.

- Lembre-se Michael de que você não pode...

- O que eu não posso é ficar sem te sentir garota. – Michael disse interrompendo Sara.

- Então se é assim, me sinta agora!

Michael solta um sorriso lascivo e começa a acariciar os seios de Sara.

- São tão lindos. – Disse Michael olhando e alisando os seios de Sara. – E é tudo meu.

- Seus? – Sara pergunta com o cenho franzido.

- São meus sim. – Michael diz, junta os seios de Sara e chupa os dois na mesma hora.

Sara ofegou.

Lentamente Michael abriu as pernas de Sara e jogou mais um pouco de seu peso sobre a mesma.

Sara podia sentir o cheiro se sexo vindo do corpo de Michael, não se conteve e soltou um gemido quando ele a penetrou.

- Ah Michael.

Michael fazia movimentos rápidos, não estava nem ai se iria se machucar ou não, só queria sentir Sara apartar o seu membro mais uma vez.

Cada vez mais ele aumentava os movimentos, só que dessa vez desesperadamente, mas tanto que fez ela gozar mais uma vez.

Ao ver Sara se entregando a aquele orgasmo maravilhoso, Michael não resiste e também se entrega ao seu próprio orgasmo tremendo e apertando os cabelos de Sara enquanto tremia dentro dela.

Ficaram ofegantes e sem forças para proferi alguma coisa, Michael apenas deitou-se ao lado de Sara, alisou seu rosto com o dorso das mãos, sorriu para ela que também retribuiu o sorriso dele, e assim o sono tomou conta dos dois.

...

No dia seguinte:

Sara levantou-se cedo e caminhava até o banheiro para tomar um banho. Estava com um sorriso estampado no rosto de felicidade e satisfação pela noite anterior.

Michael estava em um sono tão profundo que nem ouviu o seu celular tocar, Sara ouve e fica curiosa, pois era muito cedo para alguém ligar, e além do mais não podia ser trabalho já que ele estava de licença médica. Então ela decidiu atender. Mas não era uma chamada, na verdade se tratava de uma mensagem, sim, uma mensagem na qual dizia:

“Olá meu amor. Bom dia! Sei que é muito cedo para te ligar, então decidi mandar essa mensagem no intuito de dizer que estou com muitas saudades de ti. Fiquei sabendo o que aconteceu com você, e o que mais queria era está ai juntinho de você, cuidando de você assim como sempre fiz. Quando for possível me liga ta. Estarei esperando.

Beijos de seu amor Rose.”

Saudades de ti? Beijos de seu amor Rose? Como assim? Quem é Rose? Pensava Sara com o semblante furioso e com o sangue fervendo de ciúmes. Ela não pensou duas vezes e jogou o celular de Michael em cima da cama com muita força, assim fazendo ele acordar.

- Sara? – Michael pergunta ainda bocejando.

- Saudades, beijos de seu amor e tal. Ta me achando com cara de otária Michael? – Ela grita.

Michael fica sem entender, e a olha confuso. Senta-se na beirada da cama ainda sonolento.

-Hãm? Do que você está falando? 

- Ah... Não sabe do que estou falando? – Ela vai ate a cama, pega o celular dele e estende o mesmo. – Veja!

Michael pega o celular, passa o dorso da mão nos olhos para espertar e abre uma mensagem, a mesma que Sara tivera lido.

- Rose! – Michael diz em um tom baixo, mas o suficiente para Sara ouvir.

- Então você sabe quem é a Rose? Ótimo! Pois é ela quem vai cuidar de você agora. – Diz Sara, pega sua roupa que estava no chão e rapidamente se veste.

- Oh não Sara, deixe-me explicar...

- Eu não quero explicação! E eu que pensei que você fosse diferente, mas não, você é igual a todos. – Sara grita.

- Ei! Não grite! – Michael Levante-se e caminha até ela. – Vamos conversar que eu irei lhe explicar.

- Não chegue perto de mim. – Sara da um passo para trás.

- Já disse pra você parar de gritar!

- Eu me entreguei por inteira a você, deixei meu orgulho de lado por você, nunca fiz isso por ninguém, e você faz isso comigo.

- Isso o que Sara? Você está entendendo mal.

- Não tente dá uma de santo que eu não caio nessa. – Sara ponha seus sapatos e sai do quarto em direção para a porta da sala em passos rápidos.

- Droga! – Michael a segue. – Você não vai me deixar explicar? Você vai embora assim sem ter a certeza de algo?

Sara para na mesma hora, decide da uma chance para ele se explicar.

- Ok! Se explique Michael. – Sara respira fundo.

Michael caminha até ela, mas ela se afasta.

- Rose é minha ex-mulher.

- Sua ex-mulher? Que eu saiba ex não é pra sentir saudades. – Sara diz irônica.

- Ela pode está até com saudades, mas eu não estou e não temos mais nada!

Sara balança a cabeça em reprovação, passando a ideia de que não acreditava em nada do que ele estava falando.

Michael poderia explicar o que tivera acontecido com ele e sua ex-mulher para que ela acreditasse nele, mas ele iria se sentir constrangido em falar no tal assunto que o deixava com vergonha, pois sim, sua ex-mulher era a única coisa que o envergonhava.

- Essa resposta não foi o suficiente! – Disse Sara. – Pelo menos não pra mim!

Sara sai deixando Michael no meio da sala com a cabeça abaixada, e com certeza arrependido de não ter falado nada para impedi-la de ir embora. Tarde demais.


Capítulo 37 - Penúltimo


Onde foi que Sara Tivera errado na vida. Nunca encontrou pessoas que falavam a verdade, e quando falavam sempre acabavam lhe fazendo sofrer de certa forma. – Assim era no pensamento de Sara

- Droga! – Sara gritou quando chegou ao térreo do prédio onde Michael morava, pensando na mensagem e que Michael tinha uma outra mulher em sua vida, apesar de que ele nunca tivera lhe pedido em namoro, ela sentia ser dele e ele dela, mas tudo estava dando errado para ela, pelo menos era o que ele pensava até vê apenas o reflexo do vidro de um carro que ao estacionar bate bruscamente nela fazendo-a a mesma apaga.

...

Por Sara:

Abro lentamente os meus olhos, parecem pesados, parecem não, estão pesados. Sinto o meu corpo doer um pouco. Olho para o teto branco como céu, olho para o lado e vejo meu corpo recebendo soro quando vejo uma agulha em meu braço. O que aconteceu? Porque estou aqui? Sei muito bem que é um hospital, apenas pelo o cheiro.

Sinto a presença de alguém dentro do quarto, sim também percebi que era um quarto, levanto minha cabeça um pouco para ter a certeza de que tinha alguém naquele quarto e me deparo com uma criatura de cabelos longos e dormindo em uma poltrona que tinha no quarto.

- Michael?! – Fico mais confusa ainda, não me lembro de nada, apenas de que nós tínhamos discutido. e nada mais.

Michael se meche na poltrona e abre os olhos.

- Sara?! – Ele se levantou e veio até a mim. – Meu amor eu...

- O que aconteceu? – Perguntei mostrando indiferença.

- Você sofreu um acidente. Um carro bateu em você no momento em que o mesmo foi estacionar.

Fecho os olhos ao respirar fundo e fico calada enquanto ele continua me observando.

- Você está bem? – Ele pega minha mão, mas eu puxo a mesma.

- Ficarei melhor! – Disse indiferente.

- Sara, eu...

...

No momento em que Michael iria falar algo, o médico entra no quarto com uma prancheta nas mãos.

- Olá! Vejo que vocês estão melhores. – Disse o médico ao chegar à beirada da cama.

- Estou melhor sim! – Respondeu Sara com um pequeno sorriso nos lábios.

- Não, o bebê também está bem! – Disse o médico pensando que Sara já sabia que estava grávida.

- O que? – Perguntou Michael e Sara ao mesmo tempo.

- Co... Como? O bebê? Eu estou... – Sara fala incrédula.

- Sim... Você está grávida. Não sabia? Pois bem, parabéns! – Disse o médico apertando a mão de Sara.

O médico sai da sala deixando Sara incrédula. Michael estava calado olhando para Sara como se quisesse falar algo, mas não conseguia. Michael se levanta lentamente e caminha até Sara Mas dessa vez olhando para a barriga dela que estava coberta pelo o lençol fino do hospital.

- Um bebê? – Michael pergunta pra si mesmo. - Eu... Eu vou ser pai. – Michael diz e sorri feliz, pois ele tinha a plena convicção de que ele era o pai do bebê que Sara estava esperando.

Sara abraça a sua barriga quando Michael chega mais perto e a toca.

- Michael... eu preciso ficar sozinha. Deixe-me sozinha, por favor. – Disse Sara ainda sem acreditar que estava grávida.

- Sara! Mas...

- Eu preciso ficar sozinha. Com o meu bebê! – Sara disse irônica.

- O que? Você está grávida e esse filho também é meu.

- Não! Esse filho é meu, só meu! – Sara diz sentando-se na cama.

Michael respira fundo e com a maior paciência pergunta a Sara:

- Por que você faz isso garota?

- Por quê? Você ainda pergunta? Então tudo bem, eu te respondo: Sua ex-mulher! Sua ex-mulher!

- Quantas vezes eu vou ter que falar que a Rose é passado?

- Então o passado está com muita saudade de você Michael. Volte pra ela e...

Sério! Sara já estava deixando Michael impaciente com o seu ciúme, tanto que ele se estressa e solta às palavras que estavam presas em sua garganta.

Capítulo 38 - Último

- Droga Sara! – Michael grita! – Qual é o seu problema? Nós estávamos tão bem pela manhã e agora você fica ai com esse seu ciúmes, que por acaso eu nem te pedi em namoro ainda.

Essa doeu em Sara. Realmente ele não a tinha pedido em namoro, mas mesmo assim essas palavras foram como uma faca no coração dela.

- Uau! Parabéns senhor delegado. – Sara diz irônica dando aplausos. – 1 a 0 pra você.

- 1 a 0 não. Na verdade são 11 a 0 pra mim. Poxa eu disse que a Rose é passado mais você não acredita, você é teimosa. Mas tudo bem! Eu vou sair do quarto, ou melhor, vou sair de sua vida  se é assim que quer, mas antes vou te falar o que houve e...

- Não... Eu não quero saber. Só quero que me deixe em paz!

- Pois agora eu faço questão de falar você querendo ou não! – Michael senta-se na poltrona. – Sabe, eu fui casado com a Rose há sete anos trás e porém ela me traiu. Eu a deixei e até hoje ela vive inventando desculpas para voltar comigo, e a propósito, eu nem faço ideia de como ela conseguiu o meu número que por sinal já troquei para ela não me ligar mais. – Disse Michael. – E é só o que tenho pra falar. Satisfeita?

Sara fica sem falar nada. Não sabia se acreditava nele ou não. Mas as palavras “eu nem te pedi em namoro ainda” fizeram com o que ela se magoasse.

- Ainda preciso ficar sozinha.

- Ah sim... Claro. A Deixarei sozinha, não se preocupe que não nos veremos mais, a não ser por causa do bebê que também é meu filho. Passe bem!
Michael Sai do quarto deixando Sara sem falar nada.

...

Uma semana depois:

Sara já tinha recebido alta, e já iria começar a fazer os primeiros exames e o seu primeiro Ultrasson.

- Tia, não quer entrar comigo? – Sara perguntou a Elise quando estavam em frente a sala de Ultrasonografia.

- Claro que quero entrar, mas não era eu que tinha que está aqui você sabe né?

- Ah não tia, de novo não, por favor.

- Sara, você é muito orgulhosa, você o ama e sabe que tem que ir atrás dele, mas teu ego não deixa. Ele já te explicou o que houve e sei que você acredita nele, só não quer dá o braço a torcer. Mas fique ciente de que se você continuar assim, é capaz de você perde-lo para sempre.

 Sara fica pensativa.

- A senhora acha tia?

- Claro que sim. Sei que ele falou algo que te feriu também, mas os relacionamentos são assim menina, acontece nas melhores famílias. – Elise dá um pequeno sorriso. – Agora eu vou te aconselhar pela ultima vez, deixa esse teu orgulho besta de lado, entra nessa sala, faz o exame e leva para ele poder ver o filho dele.

Sara olha fixamente nos olhos da tia, sorri e fica com um brilho nos olhos como se já estivesse dizendo que iria fazer o que Elise tinha lhe aconselhado.
Sara e Elise entram na Sala, Sara faz o exame e decide ir a procura de Michael.

...

Sara vai até a delegacia a procura de Michael, pois já tinha calculado de que ele já tinha voltado a trabalhar, mas recebe a informação de que ele está em uma operação, e ela vai atrás dele assim mesmo, estava determinada em tê-lo de volta.

Ela vai até o local onde Michael estava, assim como lhe passaram a informação.

Sara chega em frente ao shopping onde Michael estava, lhe parecia que ele estava em uma operação de rotina. Ela o vê de longe, ele estava fazendo uma abordagem em algumas pessoas e assim que ele a vê arregala os olhos incrédulos.

- Michael?! – Sara grita fazendo todas as pessoas olharem para ela. – Michael? – Ela grita mais uma vez e anda rápido até ele.

- Sara?! O que você...

- Shii... – Sara ponha o dedo sobre os lábios de Michael. – Michael me escute. Eu sei que fui boba com esses ciúmes todo, mas estou sentindo a sua falta, estamos sentindo a sua falta. – Ela ponha as mãos sobre a barriga.

Todas as pessoas continuavam os olhando, inclusive as pessoas as quais ele estava abordando até Sara lhe interromper.

- Eu...

- Me desculpe. – Sara pega nas mãos dele.

Um dos policias de Michael se aproxima e diz:

- Com licença senhor, mas o senhor me permite terminar com o trabalho? – Ele se referia em continuar com o que Michael estava fazendo para que ele pudesse conversar com Sara.

- Por favor. – Michael assente e pega na mão de Sara e a leva para perto do carro.

- Você é maluca garota?

- Sou maluca por você Michael!

Michael sorri, morde o lábio inferior e balança a cabeça em negação.

- O que te fez mudar de ideia?

- Meu amor por você! Eu te amo Michael, nunca amei ninguém como amo você. Sou louca por você e...

Michael sorri e a interrompe com um beijo, um beijo tomado pela paixão, pelo o desejo de tê-los um para o outro.

- Esperei tanto você dizer isso garota. – Michael sorri. – Tanto que pensei que você nunca iria falar. – Você é maluquinha sabia? Eu estou em horário de trabalho e você vem aqui e fica gritado...

Enquanto Michael falava, Sara tirava do bolso o papel do exame e assim pondo nas mãos de Michael.

- O que é isso? – Michael pergunta.

- Seu filho Michael.

Michael abre o exame e vê a Ultrasson. O bebê já estava com dois meses, assim dizia o exame.

- Nosso filho. – Michael sorri e ponha uma não na barriga de Sara. – Eu quero ficar com você para sempre garota, para todo o sempre. – Michael grita. – Eu te amo!

Todas as pessoas voltaram a olhar para eles.

- Michael! As pessoas estão olhando! – Sara diz em um tom brincalhão.

- Que se danem. Eu te amo! – Michael grita e levanta Sara pela cintura deixando a mesma sem jeito.

- Michael... Eu também te amo muito.

Michael ponha Sara em sua altura e a beija mais uma vez com amor e paixão. As pessoas começaram a aplaudi enquanto eles se beijavam. Finalmente Sara teve a certeza de que encontrou o homem perfeito que lhe amava de verdade e que lhe concedeu um bebê que estava vindo. E finalmente Michael conseguiu tirar todo o rancor que tinha contra relacionamentos sérios com mulheres.
O amor na maioria das vezes vem assim. Começa com intrigas, desentendimentos, desprezos... Em fim... Mas no final sempre vem o melhor, o  próprio amor.
.
Fim!

____________________________________________________________________________________
Notas: É isso meninas, primeiramente quero agradecer a todas que acompanharam a história, a cada comentário que deram a ela, em fim... Vocês são de mais. Gostei muito de compartilhar com vocês essa Fanfic, vocês são as melhores leitoras do mundo. Espero vê-las nas outras e com certeza em breve estarei postando aqui. Beijos e até breve! 

Tia Anne






81 comentários:

  1. a sinopse já me deixou louca ! 'Sera?' kkkk super ansiosa pela estreia ! Como te disse , ja gostei do titulo, Anne <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ianna flor, obrigada por está acompanhando a fic. <3

      Excluir
  2. Sem palavras titulo tipo muito top sinopse mas top ainda.

    ResponderExcluir
  3. Uma dica para o blog: debaixo do nome das autoras vocês podiam colocar o contacto delas, pode ser fb, ask, twitter, etc, caso os leitores quisessem falar com elas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ana, gostei da sua dica, falarei com as demais autoras e se elas aceitarem coloco o contato delas na página "Autoras" ok?
      Bj :*

      Excluir
  4. Está aii meninas o primeiro capítulo. Espero que gostem. Bjs e até mais.

    ResponderExcluir
  5. Cara deu pra sentir o clima daqui. Você vai postar mas hoje ou so vai ser amanhã. Continua.

    ResponderExcluir
  6. Continuua *-* quais são os dias que você vai postar ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá flor, costumo a postar no máximo três vezes por semana, sendo nas segundas, quartas e nos sábados. bjs flor

      Excluir
  7. Olá meninas... Passando aqui pra dizer que estarei postando os capítulos nas segundas, quartas e nos sábados. Bjs meus amores e até mais. ;*

    ResponderExcluir
  8. Onde esta um delegado desse pra me prender tbm ?

    ResponderExcluir
  9. esse negocio não vai prestar!
    continua amore!

    ResponderExcluir
  10. Tenho que encontrar um delegado assim um dia lkkkkk ai mds continua menina quer me matar do coração? Na melhor parte kkkkkkk

    ResponderExcluir
  11. Aaah sacanagem , posta uns tres cap de uma vez só , kkkk to amando

    ResponderExcluir
  12. Opaa,continuaaa,isso vai dá o que falar :3

    ResponderExcluir
  13. Continuaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa to in Love <3 kkkk

    ResponderExcluir
  14. Era pra ter postado mais hoje D:

    ResponderExcluir
  15. Era pra ter postado hj :(

    ResponderExcluir
  16. Prontinho amores... Está ai mais 2 capítulos pra vocês. Espero que gostem.
    Boa leitura. :D

    ResponderExcluir
  17. To jogada kkkk continuaaaaaa pirando aq klkk imaginando o sorriso e ele mordendo o lábio kkkk não me matem kkkkk

    ResponderExcluir
  18. Adorooooney , kkkkkkk me prenda contra a viatura tbm ... by: Mary

    ResponderExcluir
  19. MEU DEUS DO CÉU QUERO UM DELEGADO DESSE NA MINHA CASA TODO DIA KKKKK. CONTINUA.

    ResponderExcluir
  20. Prontinho amores, capítulos 9 e 10 já postados.
    Agradeço a todas que estão acompanhando. Bjs ;*

    ResponderExcluir
  21. Aeeeeee CONTINUAAAAAA uuuuuuuhiuuuuuuu

    ResponderExcluir
  22. Eita perfeição ele sentiu ciúmes kkkkkkkkk CONTINUAAAAAAAAAAAA

    ResponderExcluir
  23. Meu Deus continua tá perfeito. Continua

    ResponderExcluir
  24. Continuaaaaaaaaaaa logo kk

    ResponderExcluir
  25. Prontinho amores. Mais 3 capítulos novos pra vocês. "Hots"
    Espero que gostem. E obrigada por estarem acompanhando a história.
    Bjs :D

    ResponderExcluir
  26. Na boa preciso de um delegado desse na minha vida (claro que o Mike) kkkkkkkk continuaaaaaaa logo *-----------*

    ResponderExcluir
  27. Oh,god ! amei a foto no final. continuaaaa...

    ResponderExcluir
  28. Meninas... Obrigada por estarem acompanhando a história. Agradeço a todas.
    Já tem capítulos novos. Espero que gostem.
    Bjs e até mais. ;)

    ResponderExcluir
  29. Meu senhor to enfartando na melhor parte parou MEU DEUS kkkkkkk CONTINUAAAAAAA LOGO NAO DEMORA PLEASE KKKKK

    ResponderExcluir
  30. Urull perfeitoney by:mary

    ResponderExcluir
  31. PUts ai meus deus continua acho q vou ter um treco kkkk TA MUITO NOSSA CONTINUAAAAAA kk

    ResponderExcluir
  32. HEUEH, OMG! :o esse Senhor Michael tmb esta mt rebelde,dandeeenho heueh :3 continuua

    ResponderExcluir
  33. Aaaaaaaaahhhh continuaaaaaaaa logo please :( kk

    ResponderExcluir
  34. Put'z fiquei curiosa agr,cara! Cotinnuuua :3

    ResponderExcluir
  35. Prontinho meninas, já tem capítulos novos.
    Quero agradecer a todas que estão acompanhando a história desse delegado com essa garota rebelde.

    Bjs e até mais.

    ResponderExcluir
  36. Aaasaaaaaaaaaaaaaaahhhhhhh continua ta perfeito demais *---------* <3

    ResponderExcluir
  37. Continuaaaaa lindo *-------*

    ResponderExcluir
  38. Mds vc sumiu continuaaa

    ResponderExcluir
  39. Respostas
    1. Olá flor... Já tem capítulos novos postados. Me desculpe você e as demais por está demorando. Como já disse essa semana meu trabalho foi puxado e por isso demorei. Mas em fim. Obrigada por está acompanhando a história. Bjs e até mais. ;*

      Excluir
  40. Desistiu de postar a fic? :/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não amore... Eu não desistir, só demorei a postar um pouco a mais essa semana. Peço desculpas por isso. Já tem capítulos novos amore Em fim, espero que continue acompanhando, é muito importante pra mim. Bjs e até mais. :D

      Excluir
  41. Aaaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhh aguardando ansiosamente para os próximos capítulos kkkk *------------*

    ResponderExcluir
  42. Continuaaaaaaaaaa logo rápido vai *--------------------* OMG

    ResponderExcluir
  43. omg que PERFECT continuaaaaaaaaaaaaaaa rapido por favor *-----------*

    ResponderExcluir
  44. Ai meu deus o que esse desgraçado vai fazer com a sara ? Por favor continuee

    ResponderExcluir
  45. To ate com medo do resto �� mas continuaaaaaa logo

    ResponderExcluir
  46. Tá muito linda o que será que o esse demônio vai fazer com a sara continua por favor.

    ResponderExcluir
  47. Esse Jason é um desgraçado, continua rápidoooo -Mariana Luna

    ResponderExcluir
  48. Continua.... Please...

    ResponderExcluir
  49. Olá amores.... Já tem capítulos novos: 32 e o 33.
    Queria agradecer a todas que estão acompanhando a história, e informá-las de que ela está na fase final. Em fim... É isso. Bjs e até mais.

    ResponderExcluir