sexta-feira, 3 de julho de 2015

FanFic: "Bem vinda de volta, querida!" (+18)

Autora: Marícia Jackson




Sinopse:

Michael e Emilly eram grandes amigos desde os tempos da infância,sempre acostumados a dividir os segredos um com o outro. E no auge dos seus vinte e dois anos decidiram se casar.
 Mas o conto de fadas logo se desmoronou. A separação foi inevitável,cada um foi para o seu lado. E agora, seis anos depois, Emilly encontra uma nova pessoa e está prestes a dar um novo passo na sua vida.
 Porém,ela se vê obrigada a voltar ao passado. Para o seu azar, ela e Michael ainda tem muitas contas para acertar e convencer esse caipira a te ajudar será uma prova de fogo.
  Seu retorno ao Alabama promete muita raiva,dor de cabeça e recaídas..


Capítulo 1 


" A sorte de um amor tranquilo"

Emilly


 O despertador tocava incansavelmente as sete horas em ponto. Eu poderia muito bem atirá-lo pela janela,mas estou numa maré de sorte tão grande que nada será capaz de tirar minha paz.
 Meu nome é Emilly Cruz,tenho 27 anos. Sou diretora chefe de uma das empresas de publicidade mais renomadas de Miami, a Publicity Carlson. E quando sua vida profissional está de vento em popa somada com sua vida pessoal,meus amigos..não precisamos de mais nada!
 Terminei meu delicioso banho quente, me vesti em um belíssimo vestido de linho e tomei meu café. O dia hoje será importantíssimo pra mim. Teremos uma reunião com os diretores da Coca-Cola e se eles aprovarem nosso projeto, assinaremos um contrato milionário, ou seja,não posso por tudo a perder.



                                    

-Bom dia Dr. Emilly! - a minha fiel secretária veio me recepcionar como faz todas as manhãs

-Bom dia Belga, como estamos para hoje?

-Os acionistas já estão se encaminhando para a sala de reuniões. O Presidente Carlson e o Senhor Eliot Banks  também já chegaram e ele perguntou pela senhora.

-Já estou indo.. -abri um sorriso genuíno ao ouvir seu nome

  Bem, já fazem alguns meses que estamos namorando. Eliot é um famoso advogado e também presta serviços à  empresa. Nos conhecemos pouco depois dele ter assumido o cargo,nessa época eu já era diretora chefe. Como as fofocas são maldosas,preferi manter em segredo.

-Hm soube que está perguntando por mim.. - falei ao abrir a porta da sua sala



                

-Emmy! Bom dia meu amor.. - Eliot veio me abraçar

-Como passou a noite sem mim?

-Foi terrível! Poderíamos estar dividindo meu apê há muito tempo..

-Já disse que não quero precipitar as coisas,amor..

-Estamos juntos a nove meses..

-Oito.

-Nove.

-Certo,nove.. Desculpe,sou péssima em datas!

-Só desculpo porque te amo..

-Ooh.. Eu também te amo,meu amor! -lhe dei um beijo demorado

-Amor, aceita sair pra jantar comigo essa noite?

-Claro! Mas hoje é terça-feira, o que temos de especial para jantar fora?

-Uma surpresa. E eu sei que você vai adorar!

-Eliot,você sabe que eu odeio surpresas..

-Mas desta vez você vai gostar!

-Tudo bem,nos iremos.. Hmm está na hora da reunião. É melhor irmos!

-Certo..

 Depois de uma  hora e meia de reunião,apresentamos nossos projetos e felizmente a Coca-Cola aprovou nossas ideias. Não tenho palavras para descrever minha felicidade. Mais uma vitória cumprida com êxito. De muito valeram a pena as inúmeras noites em claro.
* * *

 Depois da boa notícia dessa manhã, eu fiquei ainda mais animada para o jantar com Eliot. Agora teremos mais à que comemorar.

-Princesa,você está magnífica! - disse ao depositar um beijo nos meus lábios

-Estou a sua altura,cavalheiro?

-Ainda pergunta? Vamos,meu bem..

 O jantar foi perfeito. Contei à Eliot todas as novidades do meu trabalho e eu escutei as suas pacientemente. Depois do jantar,escolhemos a sobremesa e terminamos com vinho.

-Bem, acho que já é a hora certa.

-Está me deixando curiosa,amor..

-Feche os olhos. - obedeci - Emilly Cruz,aceita ser minha esposa?

-O que? - praticamente gritei. Abri meus olhos e vi um estonteante anel de diamante na minha frente

-Quero que se case comigo, Emilly. Eu te amo e a quero como minha mulher!

-Oh Eliot..isso foi tão lindo.. Eu..

-Eu..?

-Eu..aceito!

-Graças a Deus! - ele riu

-Seu bobo! Eu amo você e é claro que aceito ser sua mulher!

Eliot colocou o anel de noivado no meu dedo e selamos o momento com um intenso beijo.
Sucesso no trabalho e agora ser pedida em casamento é demais para mim. Estou no paraíso!

Capítulo 2 

"Tudo que é bom.. dura pouco!"

Emilly


  Aquela noite,foi sem dúvida, a mais perfeita desde os últimos seis anos. Agora estou oficialmente noiva de um homem tão perfeito como Eliot!
No dia seguinte acordei até mais animada. Nada de xingar o despertador ou o desocupado do meu patrão.

-Nossa..Chegou cedo e com esse sorriso na cara em plena quarta-feira,já vi que transou!

-Isso e muito mais,Megan! Vem pra minha sala que eu te conto.. - Megan além de ser chefe da equipe de web designers,também é minha melhor amiga desde a adolescência

-Ok. Pode começar a falar! Pera ai... para tudo! Que anel é esse no seu dedo,Emilly Cruz? -gritou

-Essa é a novidade! Eliot me pediu em casamento ontem a noite!!

-Oh meu Deus!! Porra,Emilly você nasceu virada pra lua! Eliot é um gato e está louco por você!

-E eu não sei? Não imagina a minha cara como ficou quando ele fez o pedido!

-Deve ter ficado chocada! Parabéns,amiga!

-Obrigada! Ai ai.. agora sim vou poder esquecer os infortúnios do meu primeiro casamento-desastre! - me espreguicei na minha confortável poltrona

-Hmm falando em casamento. Como você vai fazer em relação à sua primeira união?

-Como assim? Está tudo resolvido, ora!

-Ah é? E aquele comunicado que você recebeu a oito meses atrás?

-Que comunicado?

-Da validade do pedido de divórcio!

-Mas..Não! Droga,mil vezes droga! - soquei a mesa,furiosa - Eu me esqueci completamente disso! Megan,liga pro meu advogado e peça pra ele vir aqui agora mesmo!

-O Eliot?

-Evidente que não né? Ele infartaria se soubesse disso. Chame o Daniel.

-Ok!

Em poucos minutos Daniel, que também é um grande amigo meu, apareceu na minha sala. Ele é meu anjo da guarda,pois sempre que me meto em encrenca,é ele que me socorre.

-O que a senhorita aprontou dessa vez?

-Na verdade é o que eu não aprontei..

-Do que está falando?

-Lembra quando você me avisou que o pedido do meu divórcio havia sido revogado?

-Sim. Avisei duzentas vezes e você não deu ouvidos. O que tem isso?

-Daniel,eu preciso da certidão de divórcio!

-Mas ela devia estar com você,não comigo.

-Mas eu nunca recebi!

-Provavelmente porque ela nunca saiu!

-Como é?

-Emilly,vocês não deram andamento ao divórcio,ou seja..

-Eu estou casada com aquele traste,é isso?

-Exato!

-Puta.que.pariu! - esbravejei - Não é possível que eu tenha sido tão desleixada assim!

-Eu te avisei..

-Daniel,você precisa me ajudar. Estou de casamento marcado!

-O único jeito é você levar o documento ao M...

-Não fale o nome desse caipira dos infernos! - gritei

-Tudo bem..Mas ou você vai atrás dele e pede ele para assinar,ou.. continuará casada com ele e não poderá se unir ao Eliot. Você escolhe.

-Tá querendo dizer que eu vou ter que voltar ao Alabama e ficar cara a cara com aquele tinhoso?

-Infelizmente minha amiga.. A presença de ambos é indispensável no cartório,portanto..

-Mas que caca que eu fui fazer! Tudo bem.. - respirei fundo - Eu vou naquele fim de mundo e volto divorciada de uma vez por todas!

  Nem todos os xingamentos desse mundo serão necessários para me fazer acalmar. Vou ter que rever,depois de seis anos, Michael Jackson, meu futuro ex-marido. Deus sabe como terei que controlar o ódio quando der de cara com a fuça cínica desse cafajeste!




Capítulo 3 


" De volta as origens"

Emilly


  Não teve jeito. Apesar de eu implorar para Daniel me ajudar,eu só podia resolver essa confusão indo pessoalmente a toca do leão. Só de pensar que vou ter que rever aquele ordinário,a cólera já toma conta de mim.
   Nada poderia piorar a situação. Mentira,poderia sim! O único vôo marcado para Montgomery eram as quatro horas da manhã. Depois eu tenho que pegar estrada para chegar na cidade de Alexandria, um ovinho de menos de três mil habitantes.
   A viagem foi um saco e dirigir pela estrada esburacada desse fim de mundo aumentou o meu mau-humor. É bom mesmo que Michael assine essa porcaria de divórcio,pois no estado em que estou é capaz de esganá-lo!
  Voltar pra esse lugar me despertou o pior sentimento. Nostalgia. Sempre detestei sentimentalismo,quer dizer, comecei a detestar depois do término do meu casamento. Mas mesmo com todas as amarguras, olhando pra esse riacho,me lembro de nós dois na infância, quando nos "casamos" pela primeira vez, tínhamos apenas oito anos.


Flash Back

" - Vem Emmy, daqui a pouco começa a chover e a sua mãe te manda ir pra casa! - Michael puxava sua mão delicadamente

-Mas eu acabei de chegar! Odeio quando nos vemos pouco..

-Eu também Emmy..Mas um dia vamos ficar juntos um tempão e as nossas mães não vão poder brigar com a gente! - ele sorriu inocentemente para ela

  Michael e Emilly se conheciam desde os cinco anos. Por ser uma cidade muito pequena,todas as grandes famílias eram muito próximas. Uma cidade pacata, tranquila e familiar.
Michael já tinha oito anos e Emilly apenas seis. Os dois criaram um laço fortíssimo,uma linda amizade que se tornou uma paixão inocente. Para os dois,o mundo girava em torno deles e naquela tarde chuvosa,selaram seu amor genuíno.

-Emilly Cruz, aceita ser minha esposa? Prometo que vou te amar e cuidar de você em todos os dias da minha vida!

-Eu aceito! - sorriram juntos - E você,Michael Jackson, aceita ser meu marido? Eu prometo que vou ser sua amiga pra sempre e que seremos muito felizes!

-Também aceito! - Michael arranjara um par de anéis de plástico,que representou muito valor sentimental para os dois.

 Ambos trocaram as alianças e trocaram um leve selinho nos lábios. Depois de um abraço apertado,o jovem casal saiu de mãos dadas pelo jardim, depositando ali seus sonhos e planos para o futuro. "

Fim do Flash Back




  Dissipei as lembranças e limpei uma lágrima que teimava em cair. Talvez a nostalgia tenha mexido com meu emocional. Mas logo me recompus e firmei meus passos rumo a cidade.
Entrei no carro e acelerei,mas ouvi um gemido. Ótimo,atropelei algum desatento!

-Está tudo bem ai? - saí do carro para checar se estava tudo bem




     

-Nossinhóra! Mas num é que tô vendo coisa? - o rapaz me olhava com os olhos esbugalhados

-Tito? É você mesmo?

-Só respondo se ocê for mesmo a Emmy! - disse ao se levantar

-É claro que sou eu! - sorri

-Mas ocê tá com os cabelo branco! - disse ao notar que clareei meus cabelos

-Mas é a mesma Emmy de sempre! Vem aqui me dar um abraço! - trocamos um abraço apertado, matando a saudade. Tito sempre foi meu amigo,meu e de Michael..

-Tá bunita por demais.. Santo Deus! 

-Não exagera..Você tá um gato,Tito! Me conte as novidades..

-Essa semana nasceu meu quarto guri! Tá uma alegria nois lá em casa!

-Quarto filho? Oh Tito,você se tornou um homem de família!

-Mas não é? Era "procê" e pro Michael tá cheinho de filhos nessas rua a fora!

-Deixemos esse assunto de lado,por favor..

-Ah..desculpa eu Emmy,mas num me conformo "docêis" terem terminado tudo!

-Nada é eterno,Tito... Mas falando no Michael,você..tem visto ele?

-Mas é claro,uai! Michael é amigão meu,meu e da turma toda!

-Como sempre exibido.. - revirei os olhos - Sabe onde posso encontrar ele?

-Uai,tá na casa que ocêis morava antes docê..

-Ir embora. Já sei.. Bem,eu adorei te rever,meu amigo. Mas estou apressada,preciso resolver esse assunto hoje mesmo!

-Vai cum Deus e resolve tuas pendências com o Maikão! - lhe dei mais um abraço e segui para o meu antigo endereço. Já começo a pensar que não foi uma boa ideia vir pra esse fim de mundo!




Capítulo 4 

" Michael Jackson é a minha desgraça!"

Emilly


Voltar na antiga casa em que eu morava me despertou algumas lembranças,como a minha felicidade quando eu e Michael entramos aqui pela primeira vez após nos casarmos.

Flash Back

" -Michael,me põe no chão! Eu sou pesada!

-Você pesa menos que uma borboleta, princesa! - disse ao carregá-la para dentro da casa

-Quero ver se daqui a quinze anos vai continuar pensando assim! - ele a deitou delicadamente na cama e se sentou perto dela

-Nem acredito que estamos oficialmente casados.. - Michael olhava fixamente para os olhos apaixonados da sua esposa

-Pois pode acreditar,Jackson! Agora você tem dona!

-Hm sabe que esse seu jeitinho mandona me excita não é?

-Eu sei.. Agora me beija! Quero que a nossa lua de mel comece agora!

-É pra já,gostosa! - Michael a puxou pela cintura e lhe deu um beijo envolvente,começando a partir daquele momento, a vida de casados."

Fim do Flash Back


-É incrível a quantidade de palavras melosas que ele dizia.. - pensei alto

   Estacionei meu carro próximo a calçada da minha antiga casa.Tirei meu blazer e abri a porta. Por mal dos pecados afundei minha bota na lama, culpa do Michael! Desde a época em que eu morava aqui ele vivia prometendo que ia passar cimento nessa calçada,mas como sempre ele nunca cumpre o que promete..

-Ai que inferno! - ajeitei meus cabelos e procurei por uma campainha,mas obviamente não tinha.Voltei pro carro e buzinei repetidas vezes

-Ê lasqueira.. Pra que buzinar tanto? - saí do carro e pude o observar claramente


                                      

  Engoli em seco ao ver Michael depois de tantos anos. Eu esperava ver um homem acabado e barrigudo,no entanto revejo um homem ainda mais sexy, com o corpo bem definido e a ainda mais belo. Seu sorriso cínico ainda conseguia provocar reações na minha intimidade.

-O que posso fazer se não tem uma porcaria de campainha nessa casa? - falei ao fechar a porta do carro com força




        

-Para tudo! - disse pausadamente, ele sabe que eu odeio seu jeito irônico - Emilly Cruz! Quem é vivo sempre aparece..

-Sem piadinhas,Michael!

-Vem cá, você se afogou numa caldeira de água oxigenada? - disse entre gargalhadas

-O que?

-Ah vai falar que ficou loira naturalmente? Porque da última vez que eu te vi você tinha o cabelo pretinho. Agora parece uma senhorinha dos anos 50!

-Cala a boca! Isso tudo é dor de cotovelo,é? - provoquei

-Oh sim, eu sou louco para ter meus lindos cachinhos pintados de branco!

-Olha aqui,eu não vim discutir sobre a cor do meu cabelo e sim sobre o nosso divórcio!

-Hm e eu com isso?

-Como "e eu com isso"? Esqueceu que fomos casados? Ou melhor,ainda somos.. - bufei

-Ora bolas.. Quem foi que pegou as trouxinhas de roupa e deu o fora? - cruzou os braços

-Me poupe do passado! Assina logo essa porcaria pra eu poder voltar pra Miami..

-Hmm está em Miami é? Pela roupa de granfina, tá montada na grana! - gargalhou

-Eu detesto esse seu vocabulário chulo!

-Que detesta o quê.. Você mijava de rir no bar do Paul!

-Michael eu não estou aqui pra falar do passado. Assine isso e me deixe em paz!

-Continua a mesma petulante de sempre.. Foi por isso que nosso casamento afundou! - Michael deu as costas e subiu as escadinhas para a casa

-Tá dizendo agora que a culpa foi minha? - falei,lhe seguindo

-Minha que não foi né,queridinha? - Michael parou no meio do caminho e eu trombei nele - Por que está tão desesperada pra se divorciar?

-Acontece que eu vou me casar em poucas semanas! - lhe dei um sorriso triunfal,enquanto ele me olhava com cara de paspalho

-Vai mesmo? Porque pelo que eu sei você já é casada,môzinho! - sorriu cinicamente

-Eu odeio que me chame assim! - gritei furiosa - Você vai assinar isso agora mesmo!

-Me obrigue! Olha aqui,você me ofendeu demais,estou magoado! Volte outra hora.

-Michael! - o desgraçado fechou a porta na minha cara - Michael abre a porta agora!

-Para de fazer escândalo ou eu chamo a polícia..

-Essa casa também é minha, esqueceu?

-Você abandonou o lar,querida! Perdeu seus direitos..

-Filho da mãe,eu te mato! - voltei a socar a porta de vidro

- O que? Hã? Não te escuto,bebê! - gargalhou - Agora vou tirar uma soneca,e para de gritar feito louca! Daqui a pouco o abrigo para doentes mentais te leva, ein? - pude ver Michael subir as escadas gargalhando

-Merda! Eu te odeio,Michael! Por que sempre ferra comigo? - eu não tinha outra solução ao não ser sentar meu traseiro no carro - Pera ai,pera ai.. Se Michael continua o mesmo babaca de sempre a minha chave continua no candelabro..

  Saí do carro novamente e entrei na varanda com cuidado. O velho candelabro que uma grande amiga nos deu de presente continuava pendurado no mesmo lugar. Torci para que minha chave estivesse lá. Dito e feito!

-Rá! Por essa você não esperava, Jackson!


Capítulo 5 

"Um encosto chamado Emilly Cruz"


Michael


  Depois de seis anos volto a dar com as fuças da minha querida esposa. Eu fiquei bastante surpreso. Juro que no meu íntimo,lá no fundinho eu pensei que ela voltaria uma flor de pessoa, um arcanjo do nosso Senhor. Mas me enganei redondamente.
 Emilly voltou ainda mais tirana, irritante,metida, petulante, grossa e todos os defeitos inimagináveis! Mas devo confessar que está mais linda e gostosa,o que levanta ainda mais seu ego.
 Depois da chuva de ofensas feitas pela dita cuja,decidi não lhe dar ouvidos, principalmente quando ela veio com os papeizinhos do divórcio. Aff se ela acha que veio aqui, deu seu showzinho e vai embora divorciada para se casar com algum mauricinho,ela está redondamente  enganada. Serei a pedrinha de chumbo no seu sapato.
  Subi para o meu quarto pra tirar uma soneca. Na verdade eu ia ficar na janela bisbilhotando o que a loira aguada está aprontando,mas não vi ela em lugar nenhum. Meu tico e teco já estava trabalhando em alguma resposta,quando escuto um barulho vindo da sala.

-Que porra é essa ? - vesti minha calça jeans novamente para descer quando ouvi outro barulho mais forte - Êpa! - peguei minha espingarda e desci até a sala com a arma em punho

 Eu estava prestes a encurralar o meliante,quando reparo num traseiro redondinho vasculhando os móveis. Como essa demô
nia conseguiu entrar na minha casa? Ah mas ela vai tomar um belo susto. Apertei o gatilho e atirei em direção a um cesto de lixo. Não sei se eu ria mais dos gritos ou dos pulos de Emilly.

-Filho da puta,você é louco? Como sai atirando desse jeito? - gritava feito uma cadela raivosa

-Hey para de escândalo! Essa aqui é a Britney,minha amiguinha!

-Não acredito que colocou o nome da minha cantora favorita numa porcaria dessa!

-Da mesma forma que existe zilhões de Emilly's e Michael's nesse mundinho, existem diversas Britney's,não só essa moça! E outra coisa,como entrou na minha casa? Arrombou a porta?

-Eu não sou uma bruta como você, querido!

-Oh sim..É mais delicada que coice de mula! Como entrou aqui? Mágica?

-Chave. Sabe o que é isso?

-O que..? A chave reserva.. Merda!

-Pode passar seis anos e você continua o mesmo jumento de sempre! - acabei com sua crise de risos com outro disparo - Para com isso! - gritou irritada

-Na minha residência eu faço o que eu quiser,boneca! Agora dá pra explicar o que tá fazendo aqui?

-É só pra você ficar ligado numa coisa. - disse se aproximando de mim - Eu não admito que batam a porta na minha cara e que me deixem falando sozinha, estamos entendidos?

-Olha só.. Está lembrada de como você saiu de casa? E sabe por que meu narizinho é de bisturi? Porque eu quebrei ele quando você foi embora e bateu a porra da porta do seu quarto na minha cara!

-Foi mais que merecido depois do par de chifres que você meteu em mim!

-Eu não te chifrei! Estávamos praticamente separados e eu me deixei envolver pela Gabe,estava bêbado..

-Ah que lindo.. Agora a culpa de ter se esfregado em uma vadia qualquer é da bebida?

-Não. A culpa é inteiramente sua! Se fosse menos autoritária, se tivesse mais condescendência comigo e se fosse mais humana, provavelmente estaríamos juntos!

-Quer dizer que ter ambição e  pensar no meu futuro é errado?

-Disse certo. Seu futuro! Sempre foi você primeiro,você segundo,você terceiro.. Sempre você!

-Mas é claro! Enquanto eu pegava horas de estrada pra fazer faculdade na cidade vizinha,você estava bebendo feito um gambá no bar do Paul! O que queria que eu fosse? Uma esposa robotizada que espera você voltar pra casa bêbado todos os dias?

-Eu só queria uma esposa amiga,como sempre pensei que seríamos! - ela se calou

-Chega de lavar roupa suja,ok? Eu só quero me livrar de você,assine esse divórcio!

-Você quer o divórcio?

-Sim,agora! - peguei o papel da sua mão e rasguei em pedacinho

-Então aprende uma coisa, o mundo não gira em torno de você e nada tem que ser do jeito que você quer,e no momento que você quer, então dê meia volta e vá passear! Só darei esse divórcio quando eu quiser e se eu quiser,portanto pode meter o pé!

-Idiota,estúpido,ignorante! - gritou

-Eu sei que sou lindo,gostoso e sexy, agora me dê licença!

-Daqui eu não saio enquanto não parar de ser infantil! - Emilly sentou no sofá,cruzando os braços

-Vou agora mesmo procurar um terreiro pra poder despachar você! - saí de casa soltando fogo pelas ventas. Essa garotinha tá me testando,mas vamos ver se ela aguenta por muito tempo!



Capítulo 6


"Festa de boas vindas"



Michael


    Já que Emilly insistiu em se apossar da minha residência, decidi fazer uma surpresinha pra ela. Ora,nossa cidade precisa saber da volta da donzela!
   Hoje é sexta-feira, dia do bar do Paul estar lotado até do lado de fora. Como todos daqui me conhecem e ADORAM a minha pessoa,decidi convidar todo mundo para fazer uma festinha de boas vindas para a Miss Alexandria.
   Sim, Emilly já participou desse concurso aos 17 anos e a danada venceu,mas hoje ela morre de vergonha e eu como um bom homem,irei relembrá-la de alguns momentos da sua vida.

-Fala Paulzinho! - fiz sinal pra atendente gostosa me servir um copo de cachaça

-Ué Michael, pensei que cê num vinha hoje!

-E quando foi que eu deixei de firmar meu ponto aqui,ein? - ele riu

-Tito disse que a Emilly voltou. É verdade isso?

-Boca de caçapa esse Tito.. Mas é verdade e é por isso que estou aqui! Me permite? - fiz menção em subir no balcão. Paul riu,permitindo

-Vá em frente.. - assobiei chamando a atenção de todos

-Então meus queridos amigos de porre.. A nossa Miss Alexandria, minha digníssima esposa está de volta!

-Ah mas essa eu quero ver! - um dos beberrões gritou

-E vai ver,meu chapa! A parada é o seguinte. To chamando geral pra colar lá na minha toca pra "mór de nois fazê" uma farra boa pra Emilly! A cerveja e a comida é por minha conta, então juntem tudo que vocês conseguirem,levem o violão e bora receber nossa cabritinha!

  Geral se levantou das mesas carregando consigo garrafas de bebida, caixas com carne,frango e tudo que puderam levar. Emilly fez seu show ao chegar e agora terá a recepção que merece!



Emilly


   Já havia se passado uma hora desde que Michael saiu de casa. E esse sumiço só significa uma coisa: Michael está aprontando. Digo isso porque o conheço muito bem e sei que quando está quieto é porque lá vem bomba.
   Mas se bem que ele não está em condições nenhuma de aprontar comigo,pois a cara que ele fez ao sair daqui já me deixou bastante satisfeita.
   Decidi então dar uma olhada pela casa. Parecia que tudo continuava do mesmo jeito,ou seja, a mesma bagunça de sempre. Mas percebi que muitas coisas minhas ainda permaneciam no mesmo lugar.
   Abri uma gaveta emperrada e me surpreendi ao ver velhas fotos nossas. Fotos de nós na infância, na adolescência e no nosso casamento. Mas a que mais me chamou atenção foi uma foto minha e de Michael juntos.
 
   Na época ele fazia curso de fotografia, sempre foi seu sonho ser fotógrafo,e eu fui sua primeira experiência. Estávamos em uma viagem ao Kansas e Michael quis fotografar tudo. Pedimos a um senhor que tirasse uma foto nossa. Michael amou e disse que nunca fotografaria algo tão lindo na vida dele. Foi um dia perfeito,sem brigas ou discussões..
   Imaginei que Michael teria jogado tudo fora,mas vendo o estado da gaveta é de se constatar que há anos que ela não é mexida.
Tomei um susto ao ouvir algumas buzinas vindas lá de fora. No ato,peguei a foto e guardei no bolso da calça.

-Olha ela aí! - Michael gritou para alguém assim que me viu - Emilly Cruz de volta ao lar!

-Mas tá muito formosa! Nem parece a garotinha de antes! - alguém conhecido comentou

-Virna..? -perguntei - É você mesma?

-Claro que sim! O tempo não foi tão generoso pra mim como foi com você! - ela me abraçou.

 Antes mesmo de eu poder piscar,a porta se escancarou mais ainda e um amontoado de gente foi entrando na sala,aos berros,risos e com um violão ensurdecedor.

-Michael o que é isso? - perguntei ao me por de frente à ele

-É sua festa de boas vindas,querida! Presentinho pra você..

-Eu vou te esganar! Michael o que a minha foto de biquíni está fazendo aqui? - quase tive um infarto ao ver um dos "convidados" segurando um pôster meu vestida de biquíni com a faixa de Miss Alexandria

-Ué! Deveria se orgulhar.. Queria tanto vencer o concurso.. - gargalhou

-Por que está fazendo isso? - eu já deveria estar vermelha como um tomate

-Recordar é viver,formosa! Sua noite só está começando.. - falou segurando meu queixo. Fiquei com uma cara de tacho,abismada com toda essa palhaçada que esse desgraçado armou pra mim! 


Capítulo 7 

" Irresistível "

Emilly


  De tudo que Michael poderia fazer, anunciar a minha chegada com uma festa foi o pior que ele poderia ter feito. 
  Não, eu não tenho vergonha da minha cidade e nem das pessoas daqui. Acontece que desde novinha eu sempre fui discreta e a forma como eu fui embora daqui foi pior ainda,afinal eu levei fama de chifruda e depois disso prometi que nunca mais seria motivo de piada, mas pelo que vejo ainda sou a grande otária de Alexandria.
  Mas se Michael acha que vai me expulsar daqui com esse seu plano meia tigela,ele está bem enganado. Vou ficar aqui por mais que tenha que me controlar de raiva.

-Está se divertindo,bebê? - dei um pulo ao escutar sua voz rente ao meu ouvido

-O que você quer com isso,Michael? Eu tenho cara de Bozo agora? - ele riu

-Imagina,querida.. Só quero que seja bem recebida de volta!

-Ah conta outra,Michael! Você quer que eu saia daqui,por isso armou essa palhaçada!

-Sim,essa foi a intenção. Mas você não percebe? Todos estão aqui porque sentem sua falta,gostam de você..

-Sim, eles gostam..

-O que quer dizer com isso? - Michael se aproximou mais de mim

-Emmy, aceita dançar essa moda cum eu? - graças a Deus, Tito nos interrompeu

-Mas é claro! - sorri ao ver a cara de surpreso que Michael fez

-Então bora! - Tito puxou meu braço e me levou para dançar com ele

-Tito,tem muitos anos que eu não danço..

-Relaxa Emmy.. Dançá moda é que nem andá de bicicleta,esquece nunca!

-Vou confiar em você ein!

  No começo eu estava bem tensa e envergonhada,mas fechei meus olhos e senti como se estivesse com meus quinze anos,quando dancei pela primeira vez com Michael na quermesse da cidade. Ele sempre foi pé de valsa e me ensinou alguns passos de dança.
   Voltei a realidade quando meus olhos encontraram Michael olhando fixamente para mim. Fiquei tão sem graça com seu olhar que acabei pisando no pé do Tito.

-Au au Emmy, meu pézim.. - choramingou

-Nossa,me desculpa Tito, eu fiquei distraída..

-Liga pra isso não,sô.. Acontece! - ele riu

-Eu vou beber alguma coisa, depois a gente continua ok?

-Tá bão.. Depois cê volta!

  Mesmo eu não querendo assumir,eu estava até gostando de estar ali perto dos meus velhos amigos. Parecia que eu ainda estava vivendo há seis anos atrás, antes de tudo acontecer.
O único problema é que a Emilly impetuosa e decidida ficava desarmada e tudo que eu mais odeio é me sentir insegura como quando meus pais me renegaram, esse é um assunto que eu evito de todas as formas de lembrar.
   Meus pais foram contra meu casamento com Michael. Eles diziam que eu não teria futuro ao lado dele e que Michael me largaria cheia de filhos pra criar. 
Mas eu fui contra e peitei minha família para ficar com Michael. Me lembro como se fosse hoje o inferno que eu vivi. Eu era muito nova quando enfrentei tudo e todos. Meus pais não abençoaram meu casamento, não foram à cerimônia e a última vez que eu os vi foi quando eu decidi visitá-los.
   Então eles disseram que não tinham mais filha, que era melhor esquecer da minha existência do que saber que que tinha uma filha rebelde. E depois que eu me separei foi pior ainda. 
Por ser uma cidade pequena,todo mundo sabe da vida dos outros,então logo a "traição" de Michael se espalhou e o fato de eu ter saído de casa também. Para os moradores mais conservadores daqui,uma mulher que abandona o lar é desonrada ou não foi mulher suficiente para prender o marido. 
  Eu estava um caco com tudo que aconteceu,então decidi pedir consolo nos braços da minha mãe ou do meu pai. Mas a vergonha que eles sentiam de mim triplicou-se depois que meu nome passou a ficar na boca do povo. 
   Eles me enxotaram da casa deles e pediram para que eu nunca mais os procurasse, que desaparecesse de uma vez por todas dali.
   Foi aí que eu tomei a decisão de ir embora do Alabama. Eu já conhecia Daniel na faculdade, então eu telefonei pra ele e contei sobre o que estava acontecendo. Ele pagou minha passagem para Miami e me ajudou muito até eu conseguir me reestruturar.
   E é esse o motivo que me faz odiar o passado,odiar Michael,meus pais, essa cidade e principalmente a antiga Emilly que correu daqui como se fosse uma fugitiva.
   Assim que vi Michael se aproximando de mim,tratei de limpar as lágrimas. De forma alguma ele poderia me ver chorando. Mas a cena a seguir me deixou tão furiosa que eu pensei que daria um treco!
   Gabbe, a tal garota que Michael me chifrou estava vindo em sua direção. Percebi que Michael ficou sem graça,mas fez questão de lhe dar um abraço caloroso.Eu não sei se o porquê do ódio que eu senti ao ver aquela cena,mas eu que não ficaria ali assistindo mais um dos seus joguinhos para me irritar.
   Larguei o copo de cerveja na mesa e fui pro jardim. Se Michael queria me expulsar da sua casa,ele conseguiu. 
   Graças a Deus não tinha ninguém do lado de fora. Então,acelerei o passo e peguei a chave do meu carro,mas meu salto se embolou com as pedrinhas e eu teria me estabacado no chão se duas mãos fortes não tivessem segurado minha cintura.

-Onde você vai? - Michael me encarava profundamente

-Ir embora. Não é isso que você quer?

-É a Gabbe não é? - deu um sorriso tímido - Ficou com ciúmes..

-Você se acha o centro do universo não é?

-Do seu universo estou vendo que sim!

-Como você é iludido! - ri

-Isso eu saberei agora.. - Michael empurrou meu corpo contra o meu carro e aproximou mais de mim

  Suas mãos ainda apertavam a minha cintura. À essa altura eu já estava fora de mim com seus olhos negros olhando dentro dos meus e seu hálito quente me inebriando.
   Minhas mãos migraram para a sua nuca e o puxei para mais perto de mim. Logo senti seus lábios invadindo a minha boca. Não foi um beijo calmo ou delicado, e sim um beijo intenso,urgente e avassalador.
  O pior de tudo é que eu estava gostando..gostando muito. Nossas bocas se exploravam,loucos para aprofundar ainda esse beijo. Só consegui respirar quando Michael se afastou de mim e me encarou com seu sorriso safado.

-Viu Emilly? Ainda provoco as mesmas reações de sempre.. Eu sabia,florzinha! - sussurrou no meu ouvido

-Estúpido! - lhe transferi um tapa na cara,mas o safado riu me deixando ainda mais irritada - Sai da minha frente! - empurrei Michael e entrei no carro

   Ele ainda ria e passava os dedos pelos lábios inchados. Acelerei com toda força e parti dali o mais depressa possível, e obviamente me odiando por não ter me controlado e dar um beijo tão .. indecente em Michael.




Capítulo 8 


" Emilly fode com meu psicológico"



Michael


  Depois da "bitoca" que eu dei na Emilly, sim, eu quis dar só um selinho, foi ela que aprofundou o beijo,fiquei com uma bochecha vermelha, além de uma terrível ereção. Ah qual é? Eu sou homem e teria me excitado com qualquer outra mulher..
   Depois que a louca arrancou com o carro,pensei que voltaria,afinal ela não tem pra onde ir e os hotéis beira de estrada são um lixo,ou seja,daqui a pouco ela está voltando com o rabinho entre as pernas.
  Passou uma, duas, três horas e nada da Emilly voltar. Os convidados já estavam mais bêbados que um gambá,e aos poucos foram embora. E a porra da loira oxigenada não sai da minha cabeça. Será que esse beijinho..tá, beijão, deixou ela fora de órbita?

-Ué Michael, cadê a Emmy? - Paul me perguntou

-Sabe que eu não sei? - apaguei o cigarro de palha e chutei para a  grama

-Ela não tava com a carinha muito boa..

-Ela odiou! - ri

-Por que fez isso com a menina,Michael? Sabe que ela é reservada! - me esqueci que o velho Paul é um homem sábio..

-Ah ela mereceu!

-Pra onde ela foi?

-Não faço ideia..

-Como "não faço ideia"? Você encheu a boca pra falar que a sua esposa estava de volta e agora deixa a coitada sozinha por ai?

-Por que todo mundo tem pena da Emilly?

-Talvez por ela ter sido a chifruda do ano! - Paul saiu de perto

-Essa foi golpe baixo! - constatei

  Ok. Já vi que eu que terei que ir atrás da pobre Emilly.. Peguei a chave da minha picape e saí pela cidade procurando por ela. Rodei as pracinhas, o centro.. e nada. Minha última escolha foi o motel Hitz. Um purgatório barra pesada e que só de pensar em ir lá já me causa calafrios.
   E não é que Emilly estava lá? Vi seu carro parado na porta do motel. Eu deveria filmar esse momento! Estacionei minha picape e fui direto na recepção.

-Boa noite.. Em que quarto está a moça que entrou agora pouco?

-A loira gostosa? - comentou o velho barbudo - Quarto 106.

-Olha como fala da minha esposa, rapá! - dei uma esmurrada no balcão e subi para o andar

  Bati na porta por umas três vezes e ela não atendeu. Provavelmente está pensando que se trata de algum tarado,então decidi gritar.

-Abre a porta,medrosa! É o Michael,seu maridinho.. - ri pela provocação. Logo vi a maçaneta girar e Emilly abrir a porta

-O que faz aqui? - cruzou os braços tentando disfarçar o medo de estar naquele lugar

-Estou resgatando a donzela. Vem, vamos pra casa..

-Casa?

-Minha casa. - corrigi

-Pois lhe digo que não vou!

-Ah tá que você vai dormir nessa cama ai.. Você não encostou em nada! Está morrendo de medo e nojo,admita!

-É um quarto.. charmoso!

-Charmoso será o sacode que você vai levar desses tarados. Agora chega de falar e vem comigo! - alterei a voz

-Mas..

-Agora! - gritei

-Você não manda em mim!

-Então fica aí! Espera que eu vou chamar um desses bêbados viciados em sexo pra te fazer companhia!

-Não! - Emilly segurou meu braço - Eu vou com você,só não me deixa nesse lugar medonho..

-Até cinco minutos atrás era um lugar charmoso..

-Michael!

-Vamos embora,está tarde.. - Emilly sorriu timidamente e pegou sua mala

-Mas e o meu carro? Vai ficar aqui?

-Quer que eu o coloque em cima da caminhonete?

-Você é um gentleman!

-Não sei que viadagem é essa,mas obrigado! Relaxa, peço o Tito pra buscar..

  Já eram duas e meia da manhã,a cidade estava no marasmo. Pensei que seguiríamos com a costumeira discussão,mas olhei pro lado e vi que Emilly estava dormindo. 
  Perdi tanto tempo observando seu rosto, e detalhe,acariciando-a , que quase perco o controle do carro. Emilly se remexeu ao ouvir o barulho da buzina do outro carro.

-O que foi isso? - murmurou

-Você sonhou,foi isso que aconteceu! - falei atordoado

-Hmm.. - em poucos minutos ela já estava dormindo novamente

   Estacionei a picape na garagem e tive o "sacrifício" de pegar Emilly no colo. Fiquei com dó de ver ela dormindo,na verdade é melhor assim, calada ela não dá escândalo.
Subi com Emilly nos meus braços e depois de muito refletir deitei ela na minha cama,na nossa cama..
  Era estranho ver ela de volta ali depois de seis anos,parecia ser um déjà-vu. Me lembrei das inúmeras vezes que ficávamos até tarde no jardim e eu subia com ela no meu colo. 
Suspirei pesadamente e ajeitei Emilly na cama. Coloquei a coberta sobre seu corpo, me sentei na beirada da cama e continuei olhando para cada detalhe do seu rosto,corpo..
  Emilly ainda carrega os mesmo traços finos e delicados. Eu ri quando ela se curvou e colocou um dos braços entre as pernas. Desde jovem ela tem essa mania e confesso que achei encantador saber que ela,pelo menos inconscientemente, ainda é a mesma garotinha pela qual eu me apaixonei perdidamente..

Capítulo 9 


" Um trato com o inimigo"



Emilly


   Acordei com os raios de sol diretamente no meu rosto. Me espreguicei e foi aí que percebi que eu estava em um quarto conhecido. Santo Deus,eu estou no quarto do Michael! Que diabos eu estou fazendo aqui? 
   Antes de qualquer outra coisa, me levantei e fui até o banheiro. Ora,eu não posso aparecer toda descabelada e com a cara amassada.
   Na verdade eu estava precisando de um bom banho,mas como? Se estou num lugar que não é mais meu? Meu plano era vir pra cá,pegar a assinatura de Michael, levar ao cartório e ir embora no mesmo dia. Mas como sempre, Michael estraga tudo..

-Olha.. a Cinderela acordou! - Michael apareceu na soleira da porta bebendo café



                          

-Como..como eu vim parar aqui?

-Com as pernas ué? Ou você acha que veio por telepatia?

-Você é tão idiota,meu Deus!

-Eu tiro você daquele chiqueiro de motel e é assim que me retribui?

-Você me colocou pra dormir na nossa cama? Quer dizer.. sua..

-Ao contrário do que você pensa,eu não sou tão insensível assim..

-Por que você não aproveita e me dá logo esse divórcio?

-Você é surda ou tem alzheimer? Eu não falei que só vou dar esse divórcio quando eu quiser?

-Michael, por que complica tanto a minha vida?

-Pera ai.. Você chega aqui fazendo um escarcel na minha vida com esse narizinho empinado e acha que vai ter tudo fácil pra você? Vamos fazer um acordo..

-Acordo? - perguntei desconfiada

-Uhum.. Você vai passar cinco dias aqui e vai ter que me provar que é não é uma mulher egoísta, autoritária, desequilibrada e imatura. Se passar no teste eu assino o divórcio,que tal?

-Você enlouqueceu? Pra que eu faria isso?

-Para ficar livre de mim!

-Quer saber? Se não quer cooperar eu peço o divórcio litigioso. E então?

-Vá em frente,querida! Mas você sabe que vai demorar meses e meses e você mesma disse que seu casamento será no próximo mês. Parece que vai ter que adiar hein..

-Eu não posso ficar aqui por cinco dias! Eu tenho meu trabalho, Michael..

-Eu tô nem ai! - riu - Essa é a minha condição.

-Promete que depois disso você vai cumprir com o trato?

-Yes.. Eu também estou louco para me ver livre de você, só quero que aprenda a ser mais humana!

-Você é um exemplo de ser humano, fico comovida!

-Sem ironias,bebezinho..

-Será que eu posso tomar um banho?

-Claro, ou você acha que vai ficar fedendo dentro da minha casa?

-Idiota! Ai merda..

-Que foi?

-Eu trouxe roupa para no máximo dois dias! - constatei ao ver que eu ainda estava com a mesma roupa em que eu cheguei aqui

-Então compra. Você não é madame?

-Eu não uso esse tipo de roupa,querido.. - ri

-Hmm primeira coisa que você deve aprender,humildade. Ou se esqueceu que se vestia como uma perfeita caipira?

-Deus.. Isso só pode ser provação! Quer me dar licença para eu tomar meu banho?

-Claro.. E se arrume direito, vamos sair!

-Vamos o que?

-Sair! Aproveita o banho e tira a cera do ouvido! - antes que eu retrucasse,ele já havia saído do quarto

  Abri a mala e peguei a roupa mais confortável que eu achei,dentre das poucas que eu trouxe. Pelos infernos, eu não trouxe maquiagem suficiente,muito menos um secador! 

-Merda, como vou arrumar esse cabelo agora? Que inferno.. - choraminguei

Na metade do banho, a água quentinha virou um gelo. Eu gritei pela ardência na minha pele.

-Merda,o que aconteceu?

-Eu desliguei o aquecedor! - Michael entrou no banheiro. Por sorte a cortina do chuveiro estava fechada

-Michael,o que tá fazendo aqui ? - gritei - Ou melhor, por que fez isso?

-Acontece que aqui nós pensamos no meio ambiente. Você está a meia hora com o chuveiro ligado, perdeu o juízo?

-Poderia ter pedido pra eu andar mais rápido!

-Comigo as coisas não funcionam assim,baby..

-Quer sair logo daqui?

-Ok,ok.. Te espero lá em baixo! - bufou

   Desliguei o chuveiro rapidamente e peguei a toalha,me tremendo dos pés a cabeça. Tentei de tudo para dar um jeito no meu cabelo,mas foi em vão. Tive que continuar com o cabelo molhado e minguado..Então decidi amarrá-lo.
  Michael segurava algumas pás e outros equipamentos para manusear a terra. Não faço ideia do que ele está planejando.

-O que está fazendo? - Michael olhou pra mim

          

-Olha só que bonitinha você ficou.. Parece um brotinho!

-Cala a boca! Dá pra dizer onde vamos?

-Claro.. Mas antes é melhor tirar esse salto, colocar uma calça e botas.

-Mas pra que? E eu não trouxe nada disso!

-Oh meu Pai.. - revirou os olhos - Já vi que teremos que ir numa loja antes..

-E por que isso?

-Maio é o mês de colheita no sítio do Bill, a cada cinco meses todo mundo se reúne pra ajudar ele a colher milho, arroz e trigo. Depois disso faremos um almoço especial com o que colhemos, ou seja,mais festa pra "nóis" , meu broto!

-Eu não vou participar disso! Michael eu nunca peguei numa pá!

-Sem desculpas,Emilly.. Vamos logo comprar essas malditas roupas!

  É isso. Estou nas mãos de Michael. Deus sabe como estou me segurado para não voar em seu pescoço,ou melhor, chutar suas bolas! Tenho cinco dias para resolver essa pendência.. O pior que tenho que avisar ao Eliot o porquê de eu ter sumido, mas a porra dessa cidade mal tem sinal.. Sim,eu vou enlouquecer de vez nesses próximos dias!

Capítulo 10 


" Uma Emilly que eu nem imagina ainda ter dentro de mim"



Emilly


  Assim como havia dito,Michael me levou até a antiga loja de roupas da família Gensey, a loja mais antiga de Alexandria. Foi lá que fizeram meu vestido de noiva e eu nem sei por onde ele anda..

-Quer que eu entre com você? - Michael perguntou

-O que? Agora virou consultor de moda?

-Ê mulher educada..! - bufou de raiva

-Se quiser fique aí fora! - dei as costas e entrei na loja

  Percebi que ainda eram as mesma pessoas que trabalhavam na época que eu morava aqui. Confesso que gostei muito de rever Carla e Beth.

-Oh caramba, então o que todo mundo tá falando é verdade! Você voltou Emilly? - Carla veio me abraçar e eu retribuí

-Carla,que saudade!! Eu só vim por uns dias.. Como você está?

-Estou bem,como sempre.. Mas você está tão linda e diferente!

-Obrigada..

-Emilly, depois você cacareja! Estamos atrasados! - Michael gritou

-Vocês voltaram..? - Carla perguntou retraída

-Mas é claro que não! - ri de nervoso - Eu vim justamente para assinarmos o divórcio!

-Poxa..Sempre acreditei que ficariam juntos pra valer.. - lamentou

-É.. me mostre as roupas,por favor..

-Ah,claro! Do que você precisa?

*  * *

-Nossa.. Desde quando aumentou o traseiro? - Michael disse logo atrás de mim

-Quer parar de olhar pra minha bunda?

-Estou tentando.. - riu - Quer ajuda pra subir na caminhonete?

-Eu tenho pernas saudáveis!

-Então tá né..

-Onde fica o sítio?

-É aqui perto.. - Michael ajustou o volume do rádio e a voz de Willie Nelson me fez fechar os olhos


-" Maybe I didn't hold you,all those lonely, lonely times.." - cantarolei sem perceber

-'' ..you were always on my mind, you were always on my mind.." - Michael completou a canção olhando para mim. Me peguei completamente hipnotizada pelos seus olhos negros

-Acho que..chegamos.. - apontei para a porteira da fazenda

  Saímos da picape e Michael me chamou para ajudá-lo a carregar as pás e os sacos de lona. Nem morta que eu vou carregar esse peso até o terreno!

-Isso é pesado, ficou louco?

-Devia ter comido um prato de aveia pra parar de ser frouxa. Isso não pesa porra nenhuma..

-Então carrega você! - deixei Michael bufando e segui em direção as outras pessoas. Michael vinha logo atrás de mim carregando as tralhas

-Olha só quem apareceu! - o velho Bill veio nos cumprimentar - Pensei que não teria vida para ver Michael e Emilly juntos novamente!

-Nós não estamos juntos! - eu e Michael respondemos em uníssono. Bill apenas deu uma risadinha e nos abraçou

-Tô sabendo.. Vem, vou levar "ocêis" até a colheita de milho..

* * *

-Michael eu não sei capinar!

-Você está indo bem,coração.. Só precisa pegar com mais firmeza!

-Eu não consigo! - gritei

-Chata.. Vou te ensinar uma vez só ok? - o ar me faltou quando Michael tirou a camisa e pegou na enxada. Deus, ele é tão sexy e..gostoso..e másculo.. - Emilly? - gritou

-Que? O que foi?

-Preste atenção! - eu prestei atenção eu tudo mesmo,menos na explicação. Céus..eu preciso de uma água gelada.. - Entendeu?

-Sim,eu.. entendi..

-Ótimo! Faça o seu trabalho aí e depois eu volto..

-Vou ficar fazendo essa palhaçada por quanto tempo?

-Eu decido até onde você vai capinar! E anda rápido com isso, temos um almoço para preparar! - Michael acendeu o cigarro de palha e se afastou para ajudar outros rapazes que me mexiam com a terra

-Calma Emilly, isso vai passar.. Você só precisa aguentar um pouquinho mais.. - respirei fundo e comecei a capinar a porcaria do milharal

  Olhei para o relógio e já haviam se passado duas horas. Michael está me castigando, tenho certeza que isso faz parte de uma vingancinha idiota.
Mas ele que me aguarde.. O que é dele está guardado. Vamos ver se até o final desse dia ele vai continuar com esse sorrisinho cínico..

-Michael eu não aguento mais.. - falei esbaforida

-Pode largar isso.. Coloque as espigas na cesta e leve para a Anastácia.

-Tá bem.. - puxei o ar novamente e me abaixei,mas estava muito pesado, o que tanto faz para Michael

-Deixa Emmy.. - sua voz pela primeira vez saiu afável - Vá lavar o rosto e beber uma água. Eu levo..

-Obrigada.. - e pela primeira vez eu fui educada

   Fui até a uma torneira que ficava ali perto e afundei minha cabeça na água. Eu estava derretendo de calor,morta de cansaço e me sentindo um trapo,mas com uma sensação de dever cumprido,afinal eu dei conta da tarefa que Michael impôs.

-Vem, a comida tá pronta! - dei um pulo ao ouvir a voz de Michael, que como sempre não tem a decência de falar baixo

-Já estou indo. - sequei meu rosto com a toalha e o segui

   Estar ali sentada na mesa com toda aquela gente me deixou extremamente a vontade. Há anos que não me divirto tanto e tão naturalmente como agora.. Mas obviamente a melhor parte foi quando eu enchi o prato de Michael com pimenta. Ele faltou cuspir fogo pelas ventas,foi hilário. Ele sabe que fui eu,mas não tem como provar nada,até porque eu fiz uma bela cara de surpresa..
   Vez ou outra eu notava que Michael me observava,mas ele logo desviava o olhar. Quando a roda de viola foi aberta, eu até tive a coragem de me levantar e dançar com um dos peões da fazenda. Nem percebi que já estava anoitecendo.

-Emilly, está na hora de irmos embora.. - eu estava sentada encostada em uma palmeira. O cansaço já estava me dominando

-Pode me ajudar a levantar?

-Fazendo..?

-Fazendo o favor.. - revirei meus olhos. Michael riu e me puxou delicadamente pelas mãos - Obrigada..

-Ih..Vai chover hoje!

-Como assim?

-É o segundo obrigado que eu escuto você se referir à mim..

-Pode não acreditar,mas eu sei ser agradecida! - caminhávamos lado a lado até a picape

-Me desculpe por te fazer trabalhar feito uma condenada..

-Já foi, esquece..

-Claro, eu já paguei a dívida com o molho de pimenta, não é?

-Oi?

-Ah ..acha mesmo que eu não sei que tem um dedo demoníaco seu nessa história?

-Sou inocente até que se prove o contrário!

- Só vou aliviar o seu lado porque você se comportou igual gente hoje.

-O que você acha que eu sou, Michael? Um ser humano mesquinho, desprezível e egoísta? Hm, é claro que pensa! - ri sem humor para disfarçar meus olhos cheios d'água

-Hey, espera.. - Michael segurou o meu braço - Eu não acho que você seja assim,mas você mudou tanto..

-Só porque virei uma mulher independente que sabe se defender? Quer saber, é bom que todos vocês pensem assim.. Evita sofrimentos pra mim!

  Saí do carro e rapidamente entrei em casa. Peguei minha roupa e me tranquei no banheiro para tomar um bom banho. 
  E sim, eu chorei,chorei.. até me sentar no chão. Chorei pela forma como as pessoas me olhavam, como se eu fosse uma dondoca fútil, chorei pela forma como Michael me trata. Não sei porquê me dói tanto quando recebo uma patada sua..
   Eu estava cansada de ser a mulher temida por todos. Temida no trabalho, temida pelos amigos e por todos que me rodeiam.
  Eu sinto falta da antiga Emilly que era recebida com sorrisos e suspiros de admiração. Sinto falta de receber e de dar carinho.. Hoje me pareceu que essa Emilly ainda vive em mim lá no fundo do meu coração.. Mas parece que ela está bem longe de voltar..
   
  Quando eu saí do banho, escutei o chuveiro da suíte ligado,Michael ainda estava tomando uma ducha. Peguei o pó compacto que eu trouxe e passei no meu rosto,para esconder meus olhos e nariz vermelhos.
   Desci as escadas com dificuldade,pois a dor no corpo e principalmente na coluna estavam me matando. Vi que tinha um travesseiro e uma manta jogados no sofá. Antes mesmo que eu pudesse pensar em algo,Michael respondeu minha pergunta.

-É isso mesmo que está vendo. É aí que você vai dormir.

-Mas esse sofá é pequeno e duro..

-Não mais que o chão.. - riu - Você escolhe!

 Michael foi à cozinha pegar uma cerveja na geladeira e minha única opção foi me deitar no sofá. Tentei abafar o gemido de dor,não quero que ele pense que estou fazendo charme.

-O que você tem? - perguntou ao se sentar na poltrona

-Nada!

-Não adianta mentir pra mim, te conheço muito bem!

-Minhas costas e meus braços estão doendo muito..

-Foi o esforço que você fez.. Espere aí.. - Michael se levantou e abriu uma gaveta,tirando dela uma pomada

-O que vai fazer?

-Uma massagem para aliviar a dor. Se me permite,claro.

-Vá em frente.. - me deitei de lado e levantei um pouco minha blusa

-Vai doer um pouquinho..

-Ai! Caramba..!

-Vai melhorar.. - aos poucos os toques dos seus dedos foram aliviando a dor

  Fechei meus olhos e respirei com mais calma, o problema é que eu estava me arrepiando com suas mãos percorrendo minha pele..As mesmas carícias de quando fazíamos amor..

-Já tá bom! - falei

-Tem..certeza? - respondeu próximo ao meu ouvido

-Uhum.. Eu..me sinto melhor já, obrigada!

-Disponha. É,hum.. melhor você dormir na minha cama,pra não piorar a dor.. Mas não se acostuma tá?

-Eu quero dormir aqui! - disse firme

-Você vai dormir onde eu achar melhor!

-Michael! - gritei quando ele me pegou no colo

-Shi.. Fica quieta.. - ele olhava fixamente para mim

  Michael me deitou na cama e colocou alguns travesseiros para me dar suporte. Em seguida,ele estendeu uma manta no chão e se deitou.

-Vou dormir aqui pra caso você precise de ajuda,ok?

-O chão tá frio,vai ficar doente!

-Vou nada..

-Vai sim! Você tem a imunidade baixa e no inverno gripa atoa,  você é alérgico a poeira, fica tossindo e cheio de coriza. Agora levanta desse chão e vem deitar na cama! - Michael me olhava com os olhos arregalados

-Tá bem.. Já vou.. - Michael se sentou na cama e foi aí que eu percebi a besteira que eu fiz. Eu estou dividindo a cama com meu futuro ex-marido!



Capítulo 11 


"Mudança de planos"



Emilly


  Quando Michael se deitou ao meu lado eu percebi a grande besteira que eu fiz. Depois de seis anos volto a dividir uma cama com Michael. Parece que tudo está fora se controle,eu tinha apenas que pegar a sua assinatura e agora estou aqui,deitada a centímetros de distância dele.

-É melhor colocarmos os travesseiros no meio! - avisei

-Por que? Acha que eu vou abusar do seu corpinho? - disse rindo

-Não seja idiota! Só quero.. privacidade!

-Então tá,madame.. - engoli em seco quando Michael tirou a blusa

-O que está fazendo? - falei atordoada

-Me sentindo mais a vontade. Ora, estou na minha casa,no meu quarto e na minha cama!

-Poderia me respeitar ne?

-Por que? Se você já está cansada de saber o que eu tenho aqui em baixo...

-Michael! - devo ter ficado mais vermelha que pimenta

-Olha só..Você ficou corada! Emilly Cruz está corada! - gargalhou

-Não estou nada! - virei para o canto,mas surpreendentemente Michael se pôs em cima de mim e eu fiquei sem ação

-Confessa que eu ainda te deixo assim..

-Assim como..? - meu olhos estavam quase se fechando por conta do aroma perfumado dos seus cachos molhados

-Com as pernas bambas, excitada, quente.. - eu sei que eu iria me arrepender,mas não pensei em nada, só em deslizar minhas mãos pelo seu braço e e pescoço. Michael estava prestes a me beijar, quando escuto o toque do meu celular

-Meu..meu celular! - dei um pulo assim que Michael me deu passagem. Peguei o celular e apareceu um número conhecido - Eliot?

-Hm.. - notei a cara de decepção que Michael fez ao saber de quem se tratava

-O..oi Eliot.. Tá tudo bem?


-Querida.. Estou bem e você? Estou há dois dias tentando te ligar. Onde você está?
-Eu..precisei viajar pra resolver um probleminha..

-E quando você volta?

-Em poucos dias.. Não se preocupe.

-Então eu te espero. Amo você,querida..

-Eu também te amo. Beijos.. - desliguei o celular e o deixei na mesinha

-Também te amo! Tsc tsc.. - Michael repetiu

-O que você..

-Boa noite, Emilly! - disse grosseiro se virando para o lado. Não entendi a sua raiva,não mesmo..

   Acordei com um sol fraco entrando na janela. Olhei pro lado e Michael não estava mais lá. E então as lembranças da noite anterior vieram na minha cabeça. Deus, e se o telefone não tivesse tocado? Será que teríamos..sei lá, transado?
   Me levantei na mesma hora para tomar um banho gelado. Vesti uma roupa leve que eu comprei na loja dos Gensey. Caramba, eu realmente voltei a ser a Emmy de 20 anos.
Desci a escada e um cheiro delicioso pairou no ar. Michael estava cozinhando bacon, algo parecido..

-E ae.. - falei em voz baixa

-E ae.. - respondeu - Se sente melhor?

-Sim, eu to melhor. O que você tá fazendo?

-Ovos com bacon. Tá servida?

-Não,não.. Isso é muito pesado pra comer de manhã!

-Você que sabe.. - Michael se sentou na cadeira e eu fui abrir a geladeira

-O que tem de saudável pra comer? Uma fruta,leite..?

-Isso aqui é casa de macho, não tem essas frescuras. Ou você come os ovos ou fica de barriga vazia,você escolhe.

-Já que não tenho outra opção.. Você pode fazer o favor de fritar pra mim?

-Nem pensar! - riu - Você não vai se casar? Tem que aprender a cozinhar, te vira!

-Depois eu que sou a sem educação, a grossa..

-Tá,tá! Eu faço! - Michael bufou,se levantou e começou a preparar o meu café

-Michael.. ?

-Que é?

-O que você tem feito da vida?

-Eu restauro móveis, sou carpinteiro. - sorriu forçado

-Mas o seu sonho era ser fotógrafo!

-Sim, mas eu tive que escolher entre fazer o que eu gosto e morrer de fome,literalmente, ou pegar o primeiro trampo que apareceu.

-Eu sempre te falei que Alexandria não daria futuro,mas você nunca me ouviu..

-Você queria que eu fosse pra cidade grande e me transformasse num zé gravatinha que nem o seu noivo?

-Não! Eu queria que você fosse atrás dos seus sonhos, que não se contentasse com tão pouco!

-Tão pouco que me faz muito feliz! - rebatou

-Tudo bem,chega de discutir!

-Foi a coisa mais sensata que você disse desde que chegou! - Michael me entregou o prato e foi para o jardim

  Decidi que eu não ficaria o dia todo trancada naquela casa. Michael não estava em lugar nenhum,ou seja, nem companhia pra discutir eu tenho.
   Entrei no velho quarto de ferramentas e encontrei a minha antiga bicicleta no meio das tralhas. Parecia estar em bom estado,então eu finalmente criei coragem para aprender a andar de bicicleta. Eu sabia andar, muito pouco,mas conseguia dar umas voltas.
   Enchi os pneus com a bombinha de ar, dei uma limpeza nela e montei . Respirei fundo e coloquei meus pés no pedal. Eu comecei muito bem,parece que finalmente aprendi a andar nessa belezinha,mas de repente eu perdi o controle. O freio não funcionava e a única coisa que pensei foi em jogar a bicicleta pra grama, pelo menos a queda seria pior.

-Emilly? - ouvi Michael gritar

-Michael,me ajuda! - implorei. Michael veio correndo na minha direção,mas queda foi inevitável

-Au,caramba! - ele conseguiu me pegar antes que eu batesse com a cabeça no chão. Michael tirou a bicicleta de cima de mim e conferiu se eu estava bem - Machucou?

-Só me arranhei..

-Garota,o que deu na sua cabeça? Essa bicicleta é velha, os freios não funcionam!

-Eu acabei de perceber isso.. - ri e Michael também

-Você só apronta,Emmy! - percebi que sempre quando não brigamos, Michael me chama pelo meu apelido

-Só queria dar uma volta pela cidade.. - Michael me ajudou a levantar e me sentou na cadeira de balanço

-Como, se você nunca soube andar de bike? Eu te ensinei tantas vezes! - riu

-Eu sei.. Você foi um paciente professor,mas eu nunca entendi.. - Michael passou um anti-inflamatório no meu arranhão e terminou com um curativo

-Acontece.. - encostei minha cabeça no balanço e Michael fez o mesmo. Ficamos por um tempo em silêncio observando o entardecer

-Você se lembra como nós costumávamos conversar aqui fora? - Michael sorriu

-Nós ficávamos deitados aqui durante a noite até o amanhecer..

-Sim..Doces lembranças..

-Você acha? - Michael me encarou

-Eu acho sim.. - respondi convicta

-Emilly, eu tava pensando no que você me disse hoje cedo sobre meu futuro..

-Como assim?

-Eu vou pra Miami com você. - abri e fechei minha boca umas três vezes,mas nada saía.. Eu estou completamente sem palavras.

Capítulo 12 


"O início de uma nova vida"



Michael


-Muito engraçado,Michael! - ela começou a rir. Pobre Emilly, mal sabe ela que estou falando a mais pura verdade

-Eu não contei nenhuma piada, coração.. - Emilly parou de rir e me olhou com um vinco na testa

-Michael que palhaçada é essa? Você bateu com a cabeça na parede ou são esses cigarros que você anda fumando?

-Minha sanidade mental está perfeitamente saudável. Você tem razão..eu não nasci pra ficar preso em um lugar só. Quero descobrir coisas novas, seguir meu sonho.. Então pensei, se a minha esposa mora numa metrópole como Miami, não terei problema algum em ir também! - sorri cinicamente

-Você enlouqueceu? Eu não vou carregar uma mala sem alça pra Miami!

-Mas é claro que vai! Sou seu marido,esqueceu?

-Como eu vou aparecer com você a tira-colo? Meu Deus, e como eu vou explicar isso pro Eliot?

-Pera ai.. Ele não sabe de mim?

-Sabe. Mas eu disse que estávamos divorciados e de fato eu pensei que estávamos!

-Deu mole, Emilly.. - ri - Bom, eu não sei o que você vai dizer..Mas se quiser,pode contar que nós reatamos.. - passeei meu dedo seu rosto e ela só faltou quebrá-lo

-Para de ser ridículo! Isso não tem cabimento!

-Tem sim, querida.. É só por um tempo. Com certeza eu vou conseguir um trabalho, uma gata.. Ai eu te deixo em paz. Mas enquanto estivermos casados você vai ter que me aturar morando com usted..

-Eu vou me casar, seu idiota!

-Se você se casar não vai ser agora, só quando eu der o divórcio, não se esqueça.

-Mas você prometeu que me daria em cinco dias!

-Mudança de planos,bebê.. Pode arrumar suas coisas que amanhã mesmo estamos indo pra nossa nova casa! - dei um tapinha no seu ombro e me levantei

   É.. até que eu estou empolgado com essa mudança. No início a minha ideia era implicar com a Emilly,mas agora eu tô bem afim de ir mesmo. E eu vou!
   Aproveitei a noite para juntar algumas coisas minhas. Dei uma conferida se meu passaporte estava em dia e guardei na mala o que era necessário para eu levar.
  É claro que sentirei saudades de Alexandria, mas algo me diz que a minha vida vai mudar completamente na cidade grande. Estou levando as minhas roupas, objetos e algumas fotografias antigas.. Eu devia jogar fora,mas não tenho coragem suficiente..

* * *


   Eu até adiantei o lado da Emilly. Antes que ela queira me passar para trás, eu mesmo comprei as passagens com uma grana que eu tinha guardado faz um tempo. Hoje mesmo estaremos voando para Miami.

-Já está pronta,querida? - Emilly terminava de arrumar os cabelos

-Ainda não estou acreditando nisso! - se virou para me olhar

-Pois pode acreditar. E aqui estão nossas passagens!

-Co..como conseguiu?

-Levantei mais cedo e fui até Mongomery. Vamos pra lá daqui a pouco e no fim da tarde embarcamos para o nosso novo lar!

-Eu devo estar maluca por concordar com isso!

-Você está adorando querida..admita! Agora chega de papo e coloque sua malinha na picape.

-Vamos ver se a sua brincadeirinha vai durar por muito tempo!

* * *

   Já estávamos entrando no avião com destino à Miami. Emilly finge estar brava,mas sei que no fundo está adorando, e se não estiver,foda-se. Agora vou até o fim com essa loucura,ela gostando ou não. Infelizmente não conseguimos bancos longe um do outro. Teremos que viajar juntinhos,ainda mais depois de saber que seu passaporte estar escrito '' Emilly Cruz Jackson''. Pra quem vivia implicando com meu sobrenome,parece que ela gostou e muito de ser a Senhora Jackson.

-E então Emilly Jackson, está ansiosa pra voltar pra casa? - perguntei

-Quer parar de me chamar assim!

-Por que? Se esse é o seu nome?

-Eu não tive tempo de trocar,tá legal?

-Poxa..você teve seis anos pra isso bebê, conta outra..

-Quer saber,eu não lhe devo satisfações. E saiba que em breve eu terei o sobrenome fino e elegante do meu noivo!

-Ui.. Quem é o seu noivo? O Brad Pitt?

-Não,mas com certeza um homem mil vezes melhor que você! - dei uma sonora gargalhada,chamando toda a atenção dos outros passageiros para nós

-Emilly você é tão engraçadinha.. Quando eu ver as fuças dele,saberei te responder.

-Quando você o que?

-Conhecê-lo ora! Ou você acha que eu vou perder a grandiosíssima oportunidade de conhecer o novo ocupante do coração de Emilly Cruz? - falei soando um pouco mais severo do que eu gostaria,e isso não é nada bom..

-Eu não vou permitir isso!

-Veremos,querida.. 



Capítulo 13 

" Ele quer acabar comigo! "

Emilly


   Tive que aturar Michael enchendo a minha paciência a viagem toda. Hora ele dormia e se jogava em cima de mim, hora ficava resmungando no meu ouvido. Se eu pudesse abria a janelinha e jogava Michael lá de cima e sem pára-quedas!
  Finalmente o avião aterrizou. Soube disso porque enquanto eu estava cochilando, Michael me deu um cutucão tão forte que eu quase caí da poltrona.

-Hm..O ar dessa cidade é tão poluído, querida.. - reclamou assim que saímos do aeroporto

-Oh, você achou? Por que não dá meia volta e compra uma passagem para o Alabama?

-Pra ver você chorando rios de lágrimas? Você não vive sem mim, Emilly..Admita!

-Idiota! - acenei para o táxi,que logo parou próximo a nós. Larguei as malas com Michael entrei no carro. Ouvi ele praguejar enquanto as colocava no porta-malas

   Finalmente eu estava de volta a Miami. Me sinto renovada e aqui Michael terá que seguir a minha cartilha, afinal ele não conhece nada aqui e não passa de um burro xucro.

-É aqui que você mora? - perguntou enquanto entrávamos na portaria do meu prédio

-Na verdade eu moro no apartamento 801, não no hall.

-Sua piada foi tão bosta que eu vou rir só pra te consolar!

-A parada é o seguinte. Minha casa, meu bairro, minha cidade e principalmente, minhas regras! - avisei assim que chegamos no meu andar. Abri a porta e Michael já chegou se jogando no meu sofá branquíssimo

-O que você falou mesmo? - disse com a cara mais cínica possível

-Levanta do meu sofá agora e tire essas botas imundas do meu tapete!

-Hey..relaxa. Acabamos de chegar, estou cansado. Vou tirar uma soneca tá?

-Michael, eu pago um hotel, qualquer coisa!

-Pra quê eu vou para um hotel se o seu cafofo é um palácio? Além do mais, essa casa está precisando de um homem!

-Ela terá em breve, o meu noivo Eliot!

-Mal o conheço, mas sinto que esse cabra não é de nada.. - riu

-Eliot é um príncipe!

-Princesa você quer dizer ne?

-Eu vou tomar meu banho e parar de dar ouvidos para as suas baboseiras!

-Vai lá.. Fica bem cheirosinha!

   Depois de um banho nem tão relaxante como eu queria,voltei a sala e não vi Michael no sofá,mas um barulho na cozinha me deu calafrio. Esse homem vai destruir a minha casa!

-Michael, o que você pensa que está fazendo?

-Tô na larica e vou fazer alguma parada pra comer. Vem cá, você só tem essas comidas de fresco? Tá tudo escrito lite!

-Light! - corrigi - Eu mantenho a forma,querido. E outra coisa, eu não como feito uma porca que nem você!

-Hahaha chora no meu corpinho, Emilly! Eu encho a pança de carne e cerveja e continuo com tudo em cima. Já você..

-Já eu o que? Eu estou gorda? - Michael riu

-Peso sempre foi sem ponto fraco né? De toda mulher.. Mas relaxa, você tá fofa!

-Desgraçado, sai da minha cozinha!

-E o que eu vou comer?

-Come m..

-Olha a boca.. Uma mulher fina e elegante não pode ser chula..

-Não pedi sua opinião! - senti meu celular vibrar e na tela marcava o número de Eliot. Era só o que me faltava!

-Ué não vai atender? Aposto que é a princesa..

-Cala a boca! Alô?

-Amor.. Finalmente consegui falar com você. Daniel me disse que estava voltando, por que não me ligou?

-Me desculpa,querido.. O sinal estava péssimo!

-Tudo bem,linda.. Você já está aqui?

-Sim.Cheguei agora pouco.

-Ótimo, mais tarde eu vou ai te ver.

-Não! - gritei - Aqui não!

-Mas por que não,Emilly? O que é que você tem? - antes mesmo que eu pudesse formular uma resposta, Michael tomou o celular da minha mão

-Não se preocupe, a Emmy só está emocionada.. Mas é claro que pode vir, estamos esperando por você!


-Pera ai, quem tá falando?

-Não esquenta com quem é que ta falando, é só uma surpresinha. Não se atrase hein! Beijos de luz! - Michael encerrou a ligação e eu ainda estava de boca aberta. É hoje que eu paro em uma delegacia, e ele obviamente em um hospital!



Capítulo 14 

"A Fúria de Emilly"

Michael


  Ver a cara de chocada que Emilly fez foi impagável. Acho que até agora ela não está acreditando que eu chamei o noivinho pra vir aqui. Depois de andar de um lado para o outro, ela explodiu.

-Você enlouqueceu, seu desgraçado? - berrou

-Eu só dei uma mãozinha pra você, Emmy!

-Mãozinha? Você quer ferrar comigo,é isso!

-Você pensava em esconder a verdade por quanto tempo hein? Resolva seus problemas, pare de fugir como sempre faz!

-É a minha vida e você não tinha nada com isso!

-Ninguém mandou você sair do inferno e voltar pra me atazanar!

-Sai da minha frente. - Emilly deu as costas e se trancou no quarto

   Eu fiz uma besteira. Acho que não estou preparado para conhecer o homem que vai se casar com a Emilly. O que mais me revolta é que esse nunca foi o tipo de cara que Emilly gosta, porque o tipo de cara que ela gosta sou eu, quer dizer, era!
  Algum tempo depois, Emilly saiu do quarto mais gostosa do que quando entrou. Estava com um vestido preto e muito,muito provocante.

-O que está olhando? - perguntou enquanto eu lhe encarava

-Pra quem estava surtando a meia hora atrás, você está muito bem!

-Eu percebi que você só quer me desestabilizar e eu não vou cair na sua. Tenho certeza que Eliot entenderá meus motivos e sairemos daqui direto para um restaurante!

-Se você está dizendo.. - Emilly deu um pulo ao escutar a campanha

-Ai meu Deus!

- Ué você não disse que estava tudo sob controle?

-Michael.. Por favor não abra a boca pra falar nada!

-Deixa comigo.. - vai nessa..

    Emilly respirou fundo e abriu a porta. Pela voz do sujeito já vi que é um almofadinha.

-Emmy, o que está acontecendo? Quem estava no telefone?

-Calma Eliot, eu vou explicar tudo, mas você precisa me entender! Entre.. - o tal do Eliot tinha cara de ser um riquinho metido e aloprado

-Olha só.. Então esse é o futuro marido da Emmy?

-Sim, sou eu. Agora eu quero saber, quem é você? - me olhou de cima a baixo

-Meu ex-marido.. - Emilly murmurou

-Ex? - perguntei - Ex, Emilly? Tem certeza?

-Do que você está falando? Dá pra explicar o que está acontecendo aqui?

-Eliot, esse é o Michael. Lembra que eu falei dele?

-Claro que lembro. Você disse que estava divorciada há seis anos!

-Ops..Acho que alguém contou uma mentirinha.. - falei

-Michael,não complique as coisas! Eliot, deixe eu explicar.

-Então explica!

-Quando você me pediu em casamento.. eu.. eu não havia me lembrado dos meus documentos. Foi aí que eu fiquei sabendo que o meu divórcio não teve andamento. Então eu fui para o Alabama resolver isso de uma vez por todas.

-Por que não contou? Eu tinha que saber, Emilly!

-Eu sei.. Mas não era uma coisa que deveria te preocupar..

-Já ia começar um relacionamento na base da mentira,Emmy? - falei - Por mais que ele pareça ser um banana,não é justo!

-Do que me chamou? - Eliot veio em minha direção

-Banana, uma fruta de casca amarela,conhece?

-Eu vou partir a sua cara,babaca! - Emilly entrou na nossa frente e por muito pouco não leva um soco de Eliot

-Parem os dois, por favor! Eliot, Michael só quer te provocar, não caia nessa, por favor!

-Por que ele está aqui? Por que?

-Porque ela estava com saudades do marido, ora! Tinha que ver como seus olhinhos brilharam quando nos reencontramos. Acredita que ela rasgou em pedacinhos o documento do divórcio quando eu ia assinar?

-O que? - Emilly estava perplexa

-Sim.. A chama do nosso amor falou mais alto! Emilly praticamente me obrigou a ficar com ela aqui e, Eliot, nós sabemos como é difícil dizer não para essa carinha de pão de mel que a Emmy faz quando quer algo,não é mesmo?

-Eliot, isso é mentira!

-Me deixe em paz ok? Vocês.. se merecem! Fique aí com esse caipira e esqueça de mim!

-Eliot, volta aqui! - Emilly correu até ele,mas foi em vão. Eliot saiu batendo a porta.

 Eu chorava de rir enquanto ouvia os gritos de Emilly no corredor,mas parece que minha esposa não foi tão rápida quanto o elevador.
  Emilly entrou na sala devagar. Fechou a porta cuidadosamente, respirou fundo e foi até a cozinha. Me perguntei o que ela foi fazer,mas antes disso a vejo voltar pra sala feito uma louca com uma faca em punho.

-Emilly, o que é isso? - ela veio correndo atrás de mim com a faca na minha direção

-Eu vou matar você,matar!

-Emmy, larga isso. Foi só uma brincadeirinha, eu..eu vou atrás do Eliot e conto a verdade, agora larga essa faca!

-Você passou de todos os limites,seu caipira nojento e asqueroso!

-Emmy,larga isso! - tentei tirar a faca da sua mão,mas .. - Ai ai!

-Michael!! - sim, Emilly me acertou em cheio na barriga. É eu mereci..



Capítulo 15 

"Sentimentos que eu gostaria que estivessem enterrados"


Emilly


  Eu andava de um lado para o outro no corredor do hospital. Eu juro que não era minha intenção machucá-lo, só queria lhe assustar,mas aí Michael tentou tirar a faca da minha mão e eu acabei o ferindo.
  Depois de trinta minutos que Michael estava no atendimento, eu já estava sem a mínima paciência. Nenhum médico aparecia para me dar notícias. Eu estava a ponto de entrar no quarto quando o doutor veio até mim.

-Você é parente do Sr. Jackson? - perguntou



           

-Eu..ah.. sou a .. esposa dele.. - gaguejei

-Oh sim.

-Ele está muito ferido?

-Ele teve sorte. O corte não foi muito profundo e não perfurou nenhum órgão. Levou dez pontos no abdômen,mas vai ficar bem se fizer muito repouso.

-Sim, ele vai fazer!

-Desculpe perguntar, mas.. como isso aconteceu?

-É.. ele, ele estava cortando banana. Não,banana não, ele estava..amolando a faca!

-Amolando a faca..? - perguntou desconfiado

-Uhum.. Escorregou da mão dele. E ele já pode ir pra casa? - desconversei

-Sei.. Ele está dormindo por conta do medicamento. Ah, diz pra ele amolar a faca com menos violência da próxima vez, poderia ter sido fatal.

-Deixa comigo! Nada de facas lá em casa! Posso vê-lo?

-Claro.Quarto à direita.
 
  Entrei sem fazer barulho. Michael estava em um sono profundo e com um enorme curativo no abdômen. Se antes eu me sentia culpada,agora estou o dobro.
 Me aproximei da cama e mesmo hesitante levei minha mão até seu rosto e lhe acariciei terminando com belisquinho no queixo. Desde quando eramos crianças, eu tinha essa mania e é estranho eu ainda manter esses velhos hábitos.

-Me desculpe,Mike.. - sussurrei - Não quis te machucar.. Sabe o que mais me dói? Ver que tudo que construímos juntos, todo o carinho que tínhamos um pelo outro acabou assim.. - me permiti chorar discretamente - Parecemos dois estranhos em conflito numa guerra fria. Dois corações de pedras,mas o que me deixa mais revoltada é saber que não existe outro à quem culparmos, ao não ser nós mesmos..

  Enxuguei minhas lágrimas e lhe dei um tímido beijo na testa. Respirei fundo e saí do quarto. Ficar ali me martirizando ao lembrar do passado, não me fazia nada bem. 
 Já que Michael iria embora só à noite, decidi procurar Eliot. Eu tinha que resolver essa confusão e realmente espero que ele me entenda.
 Toquei a campainha umas três vezes até que ele abriu a porta com a cara fechada.

-O que faz aqui?

-Será que agora podemos conversar direito?

-Acho que já ouvi demais.

-Eliot, realmente acreditou na conversa de um ex-marido? Não percebeu que ele só quis provocar uma briga entre nós?

-Então por que ele está na sua casa? Por que não contou que ainda estava casada?

-Eu só soube disso a pouco tempo, meu amor.Eu juro! Você estava tão empolgado com o casamento, que eu não quis te preocupar,me desculpe..

-Tudo bem.. Isso eu entendo. Agora, por que você voltou com ele?

-Porque Michael quer fazer da minha vida um inferno! Ele só vai me dar o divórcio depois que sugar tudo o que quiser de mim!

-Não entendo..

-É só por um tempo..  Ele quer fazer dinheiro aqui,encontrar alguma vadia pra se arranjar e depois ele vai sumir da nossa vida,eu juro!

-Vou ter que aturar ele na sua casa, Emilly?

-Por algumas semanas! Logo ele vai assinar os papéis, eu e você iremos nos casar e finalmente teremos paz, confie em mim!

-Ainda sente alguma coisa por ele?

-Não,não! Eu.. juro.. Michael é passado, precisa acreditar em mim!

-Tudo bem.. - suspirou - Eu confio em você, mas será por muito pouco tempo. Vamos nos casar mesmo sem esse maldito divórcio!

-Como Eliot?

-Deixa comigo.. Vai ver como esse caipira nos deixará em paz! - Eliot me abraçou e eu fechei meus olhos

-Eu preciso ir agora..

-Ah, por que? - disse manhoso

-Michael está no hospital.

-O que houve?

-Machuquei ele com a faca..

-Você o que?

-Foi sem querer! Não se preocupe, isso não vai acontecer com você! - ri

-Espero.. - Eliot me beijou - Vá com Deus.

-Até mais..

   Enquanto eu dirigia de volta ao hospital, percebi que o ânimo para casar com Eliot estava cada vez mais baixo. Parece que minha ficha está caindo.. e se eu acabar sofrendo como da primeira vez?
 Além da insegurança, ainda tem Michael. Ah Michael.. 

-Droga, por que você é tão idiota, Emilly? - enxuguei meu rosto e estacionei meu carro

 Uma enfermeira ajudava Michael a vestir a blusa de botões. Fiquei com medo dele estar bravo comigo. Parei na soleira da porta e esperei a mulher sair.

-Se sente bem? - perguntei


       

-O que você acha? Me sinto ótimo com a barriga costurada!

-A culpa foi sua!

-Eu poderia te torturar com o remorso,mas algo me diz que você pagará tudo e começará hoje..

-Como assim?

-Não ouviu o que o médico disse? Preciso de cuidados, você quase me matou,então sugiro que seja minha enfermeira particular ou eu vou na delegacia e te acuso de tentativa de homicídio. E aí? - sorriu

-Você não faria isso!

-Ah qual é Emmy? Prefere ser fichada na polícia ou cuidar do marido dodói?

-Eu devia ter acertado a sua jugular!

-Continue me ameaçando mesmo..

-Urgh vamos embora!

-Hey! - gritou

-O que?

-Me ajude a levantar né? Dorzinha aqui.. - apontou para a barriga. Ótimo, já vi que Michael vai me explorar até eu parar no hospício
!



Capítulo 16

''As vezes eu sou um ogro"


Michael


   Ver a cara de culpada que Emilly está,me deixa festejando por dentro. Hoje percebi que cutuquei um onça perigosa,mas eu sei que no fundo ela continua sendo a doce menina que eu me apaixonei,ainda mais quando eu ouvi ela me pedindo desculpas,chorando quando eu estava no hospital.
 Será que Emilly sente alguma coisa por mim? Sei lá.. qualquer coisa, uma paixonite,atração..Porque ódio de verdade,tenho certeza que ela não sente!
 Como eu sei que ela está morrendo de remorso, vou explorá-la até onde conseguir. Emilly ficará de joelhos para satisfazer minhas vontades e agora serei um Michael moribundo e necessitado.

-Me senta com cuidado! - resmunguei quando Emilly me colocou no sofá

-Desculpa.. Você quer alguma coisa?

-Hmm quero um suco de pitanga.

-Pitanga,Michael? Onde eu vou achar pitanga nessa cidade?

-Se estivéssemos em Alexandria, você encontraria.. - dei de ombros

-É,mas estamos em Miami e os mercados ficam do outro lado da cidade!

-E o que você tá esperando?

-Pra?

-Comprar a pitanga e fazer meu suco, ora bolas! - Emilly começou a rir

-Ah me poupe,Jackson! Acha mesmo que eu vou revirar essa cidade atrás de uma fruta idiota à essa hora da noite?

-Acho e você vai. Qual é Emmy, eu estou com desejo!

-Ah que lindo.. Agora é uma mulher grávida?

-Não. Eu sou um homem adoentado graças a quem? Hein? Hein? Um doce se você acertar!

-Urgh vai me torturar com isso até quando?

-Até você rebolar esse lindo traseiro gostoso até o mercado e trazer minhas pitangas! - Emilly respirou fundo e eu a vi contar de 1 a 10

-Ok.. Você venceu! Vou comprar suas pitangas! - Emilly sorriu forçadamente e pegou a chave do carro

   Tá,eu fiquei com pena de ver ela saindo tarde da noite pra fazer um capricho meu,mas ela tá merecendo um pouquinho, afinal ela tentou me matar! E outra coisa, já que ela se diz tão machona e independente, não será sacrifício nenhum pra ela.
 Acho que se passaram duas horas desde que Emilly saiu, e nesse meio tempo um temporal começou a cair. Agora sim eu estou me sentindo um babaca pelo que eu fiz.
 A porta se abriu e Emilly entrou completamente encharcada. Me deu  vontade de rir,mas pela cara dela era capaz de me dar outra facada. Ela bateu a porta com força e jogou a bolsa em cima da mesa.

-Aqui estão as pitangas que tanto pediu!

-É.. quando você quer alguma coisa, você corre atrás mesmo.. - Emilly riu

-Você está falando com Emilly Cruz, uma mulher de fibra e persistência!

-Ui!

-Me dê licença, vou fazer o seu suco, senhor adoentado!

 Emilly saiu enfurecida cozinha a dentro. Ela estava vermelha de ódio e eu simplesmente amo vê-la desse jeito. Vinte minutos depois, Emilly voltou com o copo de suco e eu como sou pouco filho da puta, piorei a situação..

-Tá aqui seu suco! - disse com a cara amarrada

-Hmm..

-O que é agora?

-Sabe o que é.. Perdi a vontade..

-O que?

-Você demorou muito, prefiro uma cerveja!

-Ah não.. Você vai beber isso agora! - Emilly subiu em cima de mim e antes mesmo que ela surtasse mais uma vez, tirei o copo da sua mão, que se quebrou em pedacinhos no chão

 Nos encaramos fixamente, e ela ali montada no meu colo,tão próxima de mim,me enlouqueceu. Segurei firmemente sua cintura e sua mãos foram parar na minha nuca.
 Nossas bocas logo se colaram e um beijo urgente e sedento nos invadiu. Ambos queríamos provar mais do gosto do outro, Emilly se acomodou no meu colo e nossos beijos se tornaram ainda mais calorosos. Era a minha velha garota de sempre,a mesma que impera um poder fora do comum sobre mim.



Capítulo 17

"Pedra no sapato"

Michael


  Estávamos completamente ofegantes e entregues um ao outro. Deitei Emilly no sofá e me coloquei por cima dela. Seus olhos tinham desejo,assim como os meus. Eu sei que odeio essa mulher com todas as minhas forças, mas ela parece um imã que me deixa vidrado nela.
  Confesso que meu coração acelerou quando Emilly começou a desabotoar minha camisa. Ela quer transar comigo, é isso? Bem, ela não é a única.. Comecei a dar leves sugadas no seu pescoço e ela gemeu.
  Juro que não sei o que teria acontecido se a campainha não tivesse tocado.Emilly arregalou os olhos e me encarou assustada. Ela se levantou rapidamente e se recompôs para atender a porta.

-Droga! - resmungou ao ver quem era no olho mágico

-É o banana do seu noivo?

-Não fala assim dele! Michael.. esqueça o que aconteceu! Vista a camisa!

-Ah é? Então ajeita esse decote! - apontei para o seu seio quase a mostra

-Oh! Merda.. - a campainha tocou novamente - Já vai! - Emilly ajeitou os cabelos e abriu a porta - Eliot?

-Oi querida.. Vim saber como estava.. O que aconteceu com você?

-Ah..nada! Eu peguei chuva, foi isso! Entra.. - Eliot fechou a cara ao me ver sentado no sofá terminando de abotoar a camisa. Ele olhou pra Emilly e pra mim novamente

-Está tudo bem aqui? - disse ao ver o copo quebrado no chão

-Claro que está! - Emilly respondeu - Michael está tão raquítico que acabou deixando o copo cair no chão! - fuzilei ela com os olhos

-Pois é.. Acho que tô precisando comer muita banana sabe? - Eliot se enfureceu com a minha piada - Bem, vou pro meu quarto, com licença..

-Você vai pra onde? - Emilly perguntou

-O que? Você acha que vou dormir num sofá no estado em que eu estou?

-Era só o que me faltava!

-Emmy, esquece esse caipira.. - Eliot a abraçou e tudo que eu queria ali era ter quebrado o copo na cabeça dele

  Fiquei andando de um lado para o outro.. Não,eu não vou deixar os pombinhos em paz, nem fodendo! Saí do quarto e senti um cheiro de lasanha artificial na sala. Os dois estavam sentados na mesa, então arrastei uma cadeira e me sentei também.
   Eles me olharam desconfiados,mas prosseguiram com o jantar. Me levantei para pegar uma cerveja e me sentei novamente, agora mais a vontade..

-O que está fazendo? - Emilly quase pariu quando me viu esticando meu pé em cima da mesa

-Minhas unhas. - respondi

-Que diabos tem suas unhas?

-Vou cortá-las. - respondi calmamente

-Não! Você não vai fazer isso.. - Emilly se calou quando comecei a cortar

-Ops.. - falei

-Que nojo,Michael! - ela se levantou furiosa

-Já se vê que não tem classe nenhuma.. - Eliot comentou

-Hm você tem cara que faz as unhas no salão de beleza da Emilly! Faz francesinhas também?

-Não vou cair na sua provocação! - respondeu visivelmente irritado

-Maravilha!

-Michael levanta dessa mesa agora!

-Calma! - eu sei que é nojento, mas tive que arrotar

-Michael! Sai daqui agora!

-Calma amor.. - Eliot segurou seu braço - Ele só quer te deixar irritada. Lembra do que nós conversamos,ok?

-Uhum..

-Preciso ir, vamos almoçar amanhã com minha mãe ok?

-Amanhã?

-Sim amor, vai dar tudo certo.. - Eliot a beijou e eu quase vomitei

 Finalmente o "mala" foi embora. Emilly me encarava com os braços cruzados e com o olhar fulminante.

-Por que age como uma criança de seis anos?

-Hm acho que agi como um macho.. -ri

-Que belo macho você é.. Michael, o que aconteceu entre nós, quer dizer.. o que ia acontecer..

-"Foi um erro e blá blá blá..". Se disser isso eu vou rir muito da sua cara!

-Você entendeu! - Emilly passou por mim e foi para o quarto. Eu a segui e claro, dei meus pitacos

-Vai conhecer a sogrinha é?

-Não é da sua conta! Mas sim,eu vou! Será um almoço perfeito!

-Ah vai sim, Emmy.. - me deitei na cama e Emilly me olhou sem entender nada - O médico disse que eu preciso dormir bem!

-Quem se importa? - bufou

-Quer dormir aqui do meu ladinho?

-Prefiro o sofá da sala! - Emilly pegou o pijama e saiu do quarto

* * *

Acordei bem tarde no dia seguinte com o barulho irritante que Emilly fazia no quarto.

-Que porra você está fazendo? - gritei

-Não te interessa, estou no meu quarto! Como.. passou a noite?

-Ah maravilhosamente bem..

-Será por pouco tempo! Será que dá pra sair? Quero tomar meu banho e quando eu voltar quero você longe daqui!

-Sim senhora.. - Emilly deixou a roupa que usaria em cima da poltrona juntamente com a lingerie

  Assim que ela entrou no banheiro decidi bisbilhotar suas coisas. Eu sempre ficava excitado ao ver Emilly de lingerie, então quis saber como andava seu gosto pelas peças íntimas.
   Mas uma coisa me chamou a atenção, muito mesmo! Achei uma caixa com uma calcinha de renda preta e ao seu lado um pequeno controle remoto. Li a embalagem e quase caí para trás. 
   Emilly tem uma calcinha vibratória. Porra,mil vezes porra! Então Emilly gosta de brinquedinhos indecentes.. Mas almoço com a sogra não seria o momento mais apropriado.. Tirei a calcinha da caixa e troquei pela qual ela iria usar. Agora é só eu acertar mais algumas coisinhas para eu ver o almoço mais divertido da minha vida.



Capítulo 18 

"Um desastre de almoço"

Emilly


  Assim que saí do banheiro, Michael já não estava mais no quarto. Menos mal, pois quero ter paz para me arrumar para o almoço. Hoje vou conhecer minha sogra. Por ser uma mulher da alta sociedade,todos dizem que ela é o cão, então estou ainda mais nervosa.
Decidi usar um vestido básico e fazer um coque no meu cabelo. Depois de pronta,terminei a maquiagem e ao abrir a porta, dou de cara com Michael
.

                                        

-Droga,Michael! O que tá fazendo ai?

-Desculpa.. Só queria te pedir um favor. - disse com a voz mansa

-Você me pedindo um favor? O que tá aprontando?

-Caramba Emmy, mania de achar que eu só quero te irritar!

-Tá..diz logo o que você quer!

-Eu tô cansado de ficar trancado aqui nessa casa.. Estou até mais pálido, percebeu?

-Percebi..Percebi que você está me enrolando. Diz logo o que quer!

-Posso ir no restaurante com você?

-O que? - comecei a rir - Sem chance!

-Por que? Eu prometo sentar em uma mesa afastada, não vou falar e nem fazer nada pra te atrapalhar.

-Não acredito em você.

-Me dá um voto de confiança, por favor! Eu só quero conhecer a cidade.. - pensei por um tempo e suspirei

-Certo. Tudo bem, você pode ir. Mas escuta bem, você vai ficar longe de mim, longe da mesa. Vai comer de boca fechada,nada de pés em cima da mesa e nem essas porqueiras que você costuma fazer. Entendeu?

-Sim, obrigado Emmy..

-Hum.. Coloque uma roupa descente. Te espero na sala.

-Pode deixar! - Michael sorriu e entrou no quarto para se trocar

  Achei estranho,muito estranho mesmo..mas tudo bem. Pode ser que Michael esteja sendo sincero e só queira se distrair. Ele que não é louco de aprontar alguma naquele restaurante, ele sabe do que sou capaz.
  Depois de quase meia hora,Michael saiu do quarto. Eu já estava pronta para despejar uma dúzia de palavrões,mas simplesmente perdi as palavras quando ele se pôs na minha frente.
                                   


-Algum problema, Emilly?

-Na..não.. É que você tá diferente.. - tente disfarçar,pois o que eu queria dizer mesmo é que ele está lindo,sexy e gostoso

-Diferente como..? - se aproximou de mim

-Está..apresentável! - me afastei rapidamente e peguei minha bolsa - Vamos,não quero me atrasar.

 Durante o caminho até o restaurante, repeti diversas vezes à Michael para se comportar decentemente, e ele acatou todas as minhas ordens.

-É melhor eu entrar primeiro. Provavelmente a tosca da minha sogra ainda não chegou.

-Nossa! Já odeia a sogrinha? Você e minha mãe eram carne e unha!

-Dona Kathe é uma mulher maravilhosa, é diferente.

-Era. - respondeu desviando o olhar

-Como assim era?

-Minha mãe morreu faz três anos.

-O que? Como? Eu..eu nunca fiquei sabendo..

-Um pouco depois de você ter ido embora, minha mãe descobriu que estava com problemas no coração. Ela fez vários tratamentos,mas infelizmente sofreu um infarto.

-Nossa Michael.. Eu sinto muito.. Eu juro que se eu soubesse eu teria ido vê-la e feito de tudo para ajudá-la..

-Não esquenta, Emilly. Nada poderia ser feito, o doutor disse. Mas já passou, eu não quero falar sobre isso.

-Tudo bem.. É..vamos entrar?

-Vamos.

  Meu coração ficou apertado ao ver Michael desse jeito. Ele e Dona Kathe eram muito apegados, ainda mais por ele ser filho único. Todos de Alexandria adoravam ela,e depois que fui renegada pelos meus pais, foi ela quem me acolheu e me tratou como uma filha.
  Enxuguei as lágrimas que caíram e entrei no restaurante com Michael. Eliot e Dona Gezebel ainda não haviam chegado. Menos mal,pois seria difícil explicar o motivo de Michael estar ali comigo.
  Indiquei a mesa em que ele se sentaria. Era longe da minha,mas o suficiente para eu ficar de olho nos seus atos. Michael se sentou e estava aparentemente tranquilo, como um "anjo''..

-Eles chegaram. - afirmei quando vi Eliot e sua mãe entrarem - Vou me sentar e mais uma vez, juízo!

-Relaxa Emmy.. Eu prometi que vou ficar na minha!

-Acho bom! - me afastei da sua mesa e fui até à que foi reservada para nós

-Emmy! - Eliot veio até mim e me beijou - Demoramos?

-Imagina..Cheguei agora.

-Amor, essa é a minha mãe, Gezebel. Mamãe, conheça minha noiva, Emilly!

-Prazer em conhecê-la, senhora Banks! - a mulher tirou os luxuosos óculos escuros e me encarou demoradamente

-Por enquanto eu não digo o mesmo. - respondeu indiferente

-É.. vamos nos sentar? - Eliot opinou

-Claro!

  Eliot tentava puxar um assunto entre eu e sua mãe. Eu tentei ser o mais simpática possível, mas Gezebel é uma pedra de gelo. Não sorriu em nenhum momento. E então ela começou a fazer uma série de perguntas impertinentes.

-E então..Emilly, de qual família você veio?

-Ah..minha família é de Alexandria.

-E em que raios fica isso?

-Alabama. Ui! - um gemido escapou da minha boca

-Você está bem,amor? - Eliot perguntou preocupado

-Oh sim.. Eu,eu tô ótima! - não, na verdade tem algo muito estranho acontecendo comigo

-Hm.. e eles têm muitas posses neste lugar?

-Ah, uma fazenda onde eles moram. Não são.. hmm - apertei meus olhos

 Céus, eu estava sentindo uma onda de prazer inexplicável que eu só sinto quando uso a minha.. Droga, não é possível que eu esteja usando a minha calcinha vibratória!

-Emilly, você tá passando mal?

-Oh.. meu Deus..Não! Eu tô.. ah..!! - foi impossível não gemer. Parece que estava ligado na potência máxima

  Comecei a me contorcer automaticamente e quanto mais Eliot me perguntava,mais eu sentia meu clítoris sendo estimulado. Aquilo foi o fim. 
 Me levantei da cadeira e apoiei meus braços na mesa. Eu gemia,gritava e rebolava chamando a atenção dos clientes.

-Mas o que é isso? - Gezebel me olhava horrorizada

-Me desculpe,mas.. oh.. porra! - soquei a mesa. Meu orgasmo já estava se aproximando, corri para o corredor do banheiro e me joguei no chão, absorvendo todo o clímax que estava dentro de mim

 Minha respiração estava ofegante. Me levantei do chão,com as pernas bambas e lavei meu rosto. Cacete, eu só gozava desse jeito quando transava com..Michael.

-Não,ele não fez isso comigo! - saí do banheiro e Michael estava do lado de fora me esperando aos risos

-Tô excitado até agora sabia?

-Foi você,não é? Ah meu Deus, como eu fui burra! Esse papo de querer conhecer a cidade.. Eu vou te matar!

-Sabe por que eu fiz isso? Pra constatar o óbvio. Você precisa de uma calcinha que vibra pra poder ter um orgasmo! Tá na cara que esse seu noivinho é um bosta que não dá o prazer que você precisa!

-Minha vida sexual não é da sua conta! - gritei. Michael me pegou pelos braços, me empurrou para dentro do banheiro e trancou a porta

-Aquela cena me provou que você não tem um orgasmo descente há quanto tempo mesmo? Seis anos!

-Tá querendo dizer o que? - Michael me prensou na parede e suas mãos percorreram pelas minhas coxas

-Estou dizendo que eu sou o único que te deixa louca de tesão.. - disse enquanto beijava o meu pescoço - que te come bem gostoso e sem parar.. confessa Emilly.. - Michael me deu um longo chupão

-Oh Michael.. - ele parou e riu

-Mas já que você dispensou esse caipira, vai ter que continuar usando essa calcinha! - Michael espalmou a minha bunda e saiu do banheiro

  Filho da puta. Como ele me deixa desse jeito e vai embora? Droga, eu devia estar possessa de ódio,mas a única coisa que posso fazer é admitir de uma vez por todas, que ainda sou completamente apaixonada por Michael,muito mais do que eu poderia imaginar! E é isso, não consigo mais esconder de mim mesma que nunca deixei de amar Michael Jackson.




Capítulo 19 


" A mesma idiota de sempre"


Emilly


  Depois de me recuperar do choque dos últimos minutos,saí do banheiro e voltei para o restaurante. Eliot me esperava aflito e veio mais que depressa na minha direção.

-Emilly, dá pra explicar o que deu em você?

-Eu..não sei, me senti muito mal.. Cadê a sua mãe?

-Foi embora..

-Droga! Estraguei tudo não é?

-Não amor..Esqueci de dizer que Dona Gezebel é uma mulher difícil de lidar.. - lamentou

-Tudo bem..Depois da vergonha que eu causei..

-Oh amor,não fica assim.. Isso acontece. Você ficou nervosa por conhecer minha mãe e acabou passando mal. Se sente melhor?

-Sim, já estou. Obrigada por me entender..

-Imagina,querida. Quer que eu te leve pra casa?

-Não precisa. Estou de carro..Nos falamos mais tarde?

-Claro! - Eliot me levou até o estacionamento e se despediu de mim

  Eu estava aérea,não pela cena ridícula que prestei perante todos, mas pela constatação dos meus sentimentos. Que motivo Michael teria para estragar meu noivado? Será que ele também sente alguma coisa por mim?
   Toda essa confusão na minha cabeça me fez esquecer de um detalhe importante. Se Michael não conhece nada nessa cidade, como ele saiu do restaurante, e onde ele está?
Perguntei ao porteiro do meu prédio se Michael já havia chegado, mas ele disse que não o vira chegar. Subi para o meu apartamento tentando imaginar onde esse homem se enfiou.
   Tomei um banho demorado e me joguei na cama. Já eram três horas da tarde e nenhum sinal de Michael. Minha cabeça já imagina mil coisas. Porra,Michael é um homem do campo, apesar de ser esperto, ele é ingênuo. Essa cidade é enorme, e ele pode muito bem ter se perdido.
Coloquei uma roupa qualquer e decidi procurá-lo. Pedi ao porteiro que me ligasse, caso Michael apareça. Meu coração estava apertado,com medo de algo ruim ter acontecido com ele.
    Rodei com o carro por todas as ruas próximas ao restaurante. Ficar só no carro não resolveria nada. Estacionei o veículo e decidi revirar a cidade a pé.
    Perguntei para todos que passavam se haviam visto um homem com as características que descrevi. Eu já estava desesperada ao ver a tarde caindo. Tudo é mais tenso à noite e isso me apavorava.
    Devo ter ido andando em cinco bairros diferentes,além do centro. Juro que estava a ponto de chorar. O único jeito era voltar pra casa. Se Michael não aparecer serei obrigada a chamar a polícia e só de pensar nessa hipótese me dá calafrios.

-Não o encontrou, Dona Emilly? - Joe perguntou

-Não Joe.. Tem certeza que ele não apareceu?

-Absoluta.. Não tem noção de onde ele possa estar?

-Michael só está a uma semana aqui, não conhece nada e ninguém..

-Sinto muito Dona Emilly..

-Já disse que é só Emilly,Joe.. Obrigada pelo apoio. Vou ligar pro Daniel, ele pode me ajudar. - disquei o número do meu amigo e ele logo atendeu


-Oi sumida, tá viva?

-Viva e em Miami.

-Como assim você chega e não avisa?

-É uma história muito,muito longa..

-Que voz é essa? Aconteceu alguma coisa?

-Muitas coisas. Mas agora preciso da sua ajuda. Michael sumiu!

-O que? Ele tá aqui?

-Sim.. Ele está morando comigo.

-Vocês voltaram?

-Não! Eu não vou explicar isso agora.. Só sei que Michael está desaparecido desde o almoço, ele não conhece nada daqui..

-Acha que ele se perdeu?

-Acho! - minha voz embargou e eu comecei a chorar - Ele pode ter sido assaltado, se perdido..

-Calma Emmy, Michael pode ser bicho do mato,mas é um homem feito e esperto.

-Eu não sei o que fazer! Passei a tarde e a noite inteira rodando essa cidade e nada!

-Emilly, espera mais um pouco. Se ele não aparecer nós vamos na polícia. Eu vou ligar pra um amigo meu que é detetive. Tem como passar uma foto dele por mensagem?

-Mando sim. Eu já estou subindo e te mando.

-Ok. - encerrei a ligação e subi rapidamente para o meu apartamento.

     Peguei a foto que eu roubei na casa de Michael, fotografei e mandei para Daniel, que me respondeu afirmando que mandaria para o seu amigo. 
     Meu coração batia acelerado. Já eram meia noite e a angústia no meu peito só aumentava. Não vou me perdoar se alguma coisa ruim acontecer à ele. 
Andava de um lado para o outro quando ouvi a campainha tocar. Enxuguei as lágrimas com um lenço e corri para atender.
    Não acreditei na cena que eu vi. Michael estava sorridente sendo amparado por duas mulheres. Uma loira praticamente semi-nua e uma morena. Ele tinha cheiro de bebida, mas não parecia estar bêbado.

-Michael? - estava chocada - Onde você estava?

-Bem, eu estava andando perdido por aí até que esses dois anjos apareceram no meu caminho.

-Ele estava tão traumatizado.. - a loira disse com uma voz nojenta

-Eu dei o nome do prédio e elas descobriram o endereço..

-Uhum! Agora está entregue,gato! - a morena falou

-Você passou o dia fora,Michael. - falei

-Ah.. eu estava com muito medo e então nós fomos relaxar. Obrigado meninas..Não vejo a hora de me perder novamente!

-Nosso número você já tem. Até mais,príncipe.. - as duas saíram rebolando e Michael entrou tranquilamente em casa, se espreguiçando no sofá

-Caramba.. Elas me deram uma canseira! - falou

-Tem noção do que você fez?

-Como assim?

-Eu passei o dia todo te procurando, morrendo de medo de algo ruim ter te acontecido. E agora você chega à essa hora, com essa cara lavada acompanhado de duas piranhas?

-Já disse que estava perdido.. Nós só fomos para um bar nos divertir um pouco..

-Transou com elas? - temi pela resposta

-Do que te importa? Han? Eu sou solteiro,já você é uma mulher comprometida, baby!

-Transou ou não? -gritei

-Não ainda.. Quem sabe amanhã? - Michael deu de ombros e foi pro quarto

   Então é isso. Michael continua sendo o mesmo egoísta de sempre. Estou tão apática que simplesmente não tenho nem o que dizer sobre sua atitude.
    Depois de uma hora em pé, de frente a janela encarando a lua, tomei uma importante decisão. Enxuguei novamente meus olhos e mandei uma mensagem para Eliot:


"Mudança de planos. Nos casaremos neste final de semana."


Capítulo 20 


"Medidas drásticas"



Michael


   Acordei com uma terrível dor de cabeça,devido a bebedeira da noite anterior,mas eu lembro exatamente tudo que eu fiz, e principalmente o que eu disse à Emilly.
    Tomei um banho demorado e saí do quarto. Encontrei Emilly sentada no sofá com uma mala aberta na mesinha. Não entendi nada,mas presumi que ela iria viajar a trabalho. 
  Ela percebeu minha presença e se virou para me encarar. A última vez que a vi me olhar dessa forma foi quando rompemos e Emilly saiu da minha vida completamente arrasada. E a única coisa que é capaz de me destruir é ver tristeza em seus olhos.

-Vai viajar? - perguntei timidamente

-Não. - respondeu e continuou dobrando as roupas - Tome um café preto para a dor de cabeça

  Emilly se levantou, e sem olhar pra mim foi até a cozinha. Estava na hora de reparar meu erro.

-Emilly?

-Sim? - respondeu de cabeça baixa

-Me desculpe por ontem.. Por ter sido insensível com você e irresponsável também.

-Não esquenta. Em poucos dias terá essa casa só pra você.

-Então vai viajar mesmo?

-Não. Em dois dias eu estarei casada. Ficará livre para trazer quem você quiser aqui! - Emilly se afastou,mas eu puxei seu braço

-Como é que é? - perguntei incrédulo

-É isso que ouviu,Michael. Eu e Eliot adiantamos a cerimônia.

-Mas você continua casada comigo!

-Foda-se! O que você vai fazer? Nada!

-Por que decidiu fazer essa loucura? Foi por causa de ontem?

-Quer soltar o meu braço? Sim, ontem eu percebi que me casar com você foi o maior erro da minha vida! - não me ofendi,pois seus olhos cheios de lágrimas denunciaram sua mágoa

-O maior erro que você vai cometer é se casar com esse banana! Porra Emilly, você não ama esse cara! - alterei minha voz

-Não sabe nada dos meus sentimentos. Se soubesse, descobriria tantas coisas..

-Que coisas? Fala!

-Coisas que não valem mais a pena insistir.. Saia da minha frente,por favor.

-Você não vai se casar com ele, desista!

-Para de estragar a minha vida,por Deus! Já não basta tudo que fez comigo?

-Nunca vai me perdoar?

-Não tenho nada mais para perdoar. - Emilly se afastou e pegou sua mala e bolsa

-Para onde está indo?

-Passarei os próximos dois dias na casa de uma amiga,me preparando para o meu casamento.

-Acha que vai ser feliz? - Emilly abriu a porta e parou

-Te garanto que terei a felicidade que você não me deu. Adeus, Michael. - Emilly saiu e fechou a porta
  
  Tentei segurar a porra do choro,mas foi em vão. Eu tinha tanto ódio de mim,que arremessei a xícara de café na parede. Me sentei no sofá e enterrei meu rosto por entre as mãos.

-Droga.. E agora meu Deus?

E aqui estou eu novamente sozinho. A cena de seis anos atrás se repetiu exatamente igual.

Flash Back

-Então é assim? Vai me deixar? - Emilly jogava todas as roupas dentro da mala

-Sim, sumirei daqui de uma vez por todas!
-Meu amor, por favor me perdoa! Me dê uma nova chance, eu te amo!

-Desista Michael! Nada do que disser vai mudar o que fez!

-Deixe eu explicar o que realmente aconteceu!

-Explicar o que? Que se interessou por outra mulher e me traiu?

-Não foi assim!

-Sabe.. nos casarmos foi um erro. E eu pensando que seria para sempre! - riu

-Eu acredito que será! Me dê só uma chance! - implorei de joelhos

-Adeus Michael.. Se cuida.. - Emilly pegou as malas e bateu a porta

Não existe dor pior que ver sua metade partindo para Deus sabe onde. E tudo por um erro meu. A mulher que jurei amar e ser fiel escapou das minhas mãos como grãos de areia.

Fim do Flash Back

* * *


Emilly


              



 O esperado dia chegou. Me olho pela última vez no espelho e ao invés de ver uma mulher realizada, me deparo com uma amargurada Emilly que não tem noção do que fazer com sua vida.

-Vamos Emmy? - Daniel me chamou

-Uhum.. Obrigada por me levar no altar.

-Imagina! Você é como minha irmã.. Mas tem algo errado.

-Com a maquiagem?

-Com você. Não tem brilho nos seus olhos..Você não está feliz.

-É claro que estou!

-Não precisa mentir pra mim, meu anjo. Tem certeza que ama Eliot?

-Ah.. o amor mesmo vem com o tempo, com a convivência..

-Meu Deus.. Desista dessa loucura Emmy!

-Vou até o fim,Daniel. Podemos ir?

-Podemos.. - Daniel suspirou e enlaçou meu braço, levando-me para o altar



Michael
                                       

  Consegui descobrir a Igreja que Emilly irá se casar,e dentro de poucos minutos ela estará naquele maldito altar se casando com outro homem.
   É como se você arrancasse seu coração e desse para um cachorro comer. É assim que me senti assim que a vi entrar na Igreja acompanhada do amigo. A mulher que jurei ser pra sempre minha,mais uma vez, escapa das minhas mãos.


Flash Back

- Tantos anos esperando e finalmente nos casamos.. - estava deitado nas suas pernas enquanto Emilly dizia,acariciando meus cabelos

-Agora somos um do outro oficialmente, senhora Jackson! - apertei sua cintura

-Tem noção de como é a vida de casado? - perguntou insegura

-Não..Mas vamos aprender juntos. Somos jovens com um futuro pela frente. A única certeza que eu tenho é que meu amor por você é forte e verdadeiro.

-E com esse amor enfrentaremos qualquer tempestade!

-As piores tempestades,princesa.. - me sentei e Emilly deitou nos meus braços

-Sabe,acho que vou te amar por um longo tempo,garotão..

-Até eu cair aos pedaços?

-Se continuar bom de cama, sim! - rimos

-Ah Emilly.. O que vai ser de mim se te perder um dia?

-Serei sempre sua! Não importa se um dia nos afastarmos por um longo tempo,pois eu sei que no fim das contas eu voltarei pra você, Michael.. - virei seu rosto para mim e nos beijamos apaixonadamente

-Vou até cantar pra você. Quer?

-Aham! Amo quando canta pra mim.. - peguei meu violão e envolvi meus braços em torno de Emilly,para poder tocar. Guiei sua mão até as cordas de aço e juntos tocamos músicas que classificamos como especiais para nós.

Fim do Flash Back


-Desculpe Emilly. Mas isso será para o seu bem.. Para o nosso bem.. - disquei o número no celular e aguardei a ligação ser atendida.



Capítulo 21 

"De noiva à presidiária"

Emilly


  A marcha nupcial soava como uma marcha fúnebre. Eu sou a noiva cadáver prestes a me enterrar em um cova aberta por mim. Olhando para Eliot no altar,não consigo enxergar futuro para nós dois. Mas quando me casei com Michael, enxerguei até nossa velhice e olha no que deu..
   Daniel me entregou à Eliot e se despediu de mim com um beijo no dorso da minha mão. Respirei fundo e o padre começou com a ladainha de sempre. Juro que bem lá no fundo eu cheguei a pensar que Michael entraria nessa Igreja,armasse mais um dos seus boicotes e esse casamento teria fim,mas não. O padre veio com a pergunta final.

-É de livre e espontânea vontade que você,Eliot Banks, deseja se unir em matrimônio com Emilly Cruz?

-Sim. - respondeu sorrindo pra mim. O padre passou a se referir à mim

-É de livre e espontânea vontade que você,Emilly Cruz, deseja se unir em matrimônio com Eliot Banks? - eu tentava responder,mas minha voz simplesmente não saía

-Emilly? - Eliot me chamou

-Oi?

-Responda!

-Ah..eu..

-Um minuto de atenção,por favor! - me virei em direção a porta juntamente com os convidados. Um homem vestido de terno acompanho de dois policiais se aproximavam de mim

-Mas o que é isso? - Eliot perguntou enfurecido

-Isso é um mandato de prisão para a senhora Emilly Cruz..Jackson. - respondeu o homem. Senti um calafrio ao ouvir o sobrenome

-Eu não estou entendendo! - falei

-A senhorita não deveria estar aqui neste casamento,quando na verdade já é casada. Está sendo acusada  por bigamia!

-O que? - gritei - Não podem me prender!

-Queira nos acompanhar,por favor.

-Uma ova! Eu não vou pra cadeia nenhuma!

-Se mostrar resistência,será enquadrada por desacato à autoridade.

-E eu vou enquadrar a minha mão na sua cara!

-Podem algemá-la. -ordenou

-Mas o que? -os dois policiais vieram até mim e me algemaram. Eu não podia acreditar que estava sendo levada para uma viatura de polícia

  Este está sendo o pior dia da minha vida. Estou vestida de noiva,algemada e dentro de uma cela na delegacia. Simplesmente tenebroso.

-Visita pra madame! - o guarda falou.

-Daniel? Ah graças a Deus! Me tira daqui logo!

-Precisa se acalmar,Emmy..

-Como podem ter descoberto isso? Ah.. - ri ao constatar o óbvio - Já sei exatamente quem fez isso!

-Michael?

-O próprio! Filho da puta,ele tava quieto demais.. Como ele teve coragem de me denunciar pra polícia?

-Emmy se controla! Surtar não vai resolver os seus problemas! O delegado vai falar com você e eu estarei lá como seu advogado. Confie em mim!

-Inferno! - o carcereiro abriu a cela e me liberou para entrar na sala do delegado

-Pode se sentar,senhorita. - o delegado falou

-Está havendo algum engano aqui!

-Engano? Vai negar que mesmo sendo casada decidiu se unir a outro homem?

-Eu não sabia que o divórcio não tinha saído!

-Pelo que eu sei, você sabia muito bem!

-Pelo que meu ex marido disse ne? Tenho certeza que foi ele!

-Foi ele sim,senhorita. Inclusive foi ele que me mostrou os documentos que comprovam que vocês continuam casados.

-A minha cliente entrou com o pedido de divórcio,ele é quem negou. Ela só decidiu se casar porque imaginou que tinha conseguido o divórcio.

-Mas não conseguiu. Agradeça seu marido,ou ex, seja lá o que for. Ele te denunciou antes que concluísse o ato. Estaria em maus lençóis,caso contrário!

-Então por que estou presa?

-Desacato a autoridade.

-Ela pode ser liberada por meio de fiança?

-Hm pode sim. Mas estamos de olho,senhorita Emilly. É bom andar na linha!

-Sim senhor.. - revirei os olhos

  Enquanto Daniel paga minha fiança, fiquei sentada, esperando . Não tinha noção do que estava acontecendo lá fora, com o que aconteceu com Eliot e claro, as risadas que Michael está dando essa hora.

-Podemos ir agora. - Daniel disse

-Graças a Deus! - ele se ajoelhou na minha frente

-Por que fez isso,Emmy?

-Eliot disse que daria um jeito para casarmos..

-Não sei como consegue cair na conversa dele. O que mais me espanta é que isso veio de um advogado!

-Me leva pra casa,por favor.. Não quero ver ninguém!

-Tudo bem.. Vai vestida assim? - disse ao me ver ainda de noiva

-Que se foda..Já passei o maior mico mesmo!

-Ah Emmy..

    Daniel me deixou no meu prédio e foi embora. Joe me olhou assustado,mas preferiu não questionar nada. Me olhando no espelho do elevador percebo como estou um trapo. Michael conseguiu me destruir mais uma vez.
   Pra piorar minha situação, a porta da minha casa trancada. Tive que me humilhar e tocar a campainha. No terceiro toque, a porta abriu.
   Michael arregalou os olhos e ficou sem ação. Sua boca abriu e fechou umas duas vezes,mas percebi um sorriso tímido brotando nos seus lábios.

-Emmy?

-Não se faça de sonso! - o empurrei e entrei em casa, jogando os sapatos para longe

-Emilly,eu..

-Não! Hoje não,Michael. Não ouse falar um A neste momento!

  Michael ficou estático e me viu entrar direto para o quarto. Tranquei a porta e me joguei em cima da cama,mas percebi um pedaço de papel do meu lado. Abri a folha e fiquei surpresa ao ver a caligrafia de Michael.

"No momento em que você encontrar esse bilhete estará me odiando,a ponto de me dar outra facada no meu coração. Mas eu espero que entenda minha atitude.
Não existe maior loucura no mundo do que um homem entrar no desespero.''

Capítulo 22 

"Me enlouquecendo pouco a pouco"


Michael


    Ok. Quando tomei a decisão de denunciar Emilly à polícia,não foi minha intenção fazer mal à ela,pelo contrário. Tenho total certeza que Eliot não vale nada,e por mais que Emilly mereça,eu não podia deixar ela estragar sua vida se casando com aquele banana.
   Não tenho ideia de qual será sua reação quando sair do quarto. Com toda certeza ela está me odiando, mas eu sei que no fundo ela está é aliviada de não ter se casado. E eu sei que um dia ela vai me agradecer.
 Já eram nove da noite e nada de Emilly sair do quarto. Eu já estava preocupado,então fui saber o que estava acontecendo. Quando eu ia bater na borta,Emilly abriu.
 Fiquei sem palavras ao vê-la toda arrumada,pronta para sair. Quem em sã consciência sai pra se divertir depois de ser presa no dia do seu casamento?

-Onde vai? - perguntei sério

-Não é da sua conta. Mas antes que me pergunte,não eu não vou  me encontrar com Eliot. Pedi um tempo sozinha.

-Então pra onde está indo?

-Já disse que não te interessa! Quero ficar sozinha,sem hora pra voltar.. Só assim pra esquecer o desastre que é a minha vida!

-Não vou deixar que saia sozinha à essa hora.

-Não tem que deixar porra nenhuma. Sei muito bem me virar sem você! - Emilly me empurrou e pegou a bolsa

-Você quer que eu peça perdão pelo que eu fiz. É isso?

-Perdão? Michael,eu ainda nem encontrei uma definição para o que você fez. Me responda,por que tem tanto prazer em ferrar com a minha vida?

-Como pode dizer isso,Emilly? Se esqueceu de tudo que vivemos desde quando éramos crianças? Acha mesmo que eu faria alguma coisa pra te prejudicar?

-Então me diz por que teve coragem de me mandar pra cadeia?

-Eu só não queria que se casasse com aquele cara!

-Por que? Fala! Por que não posso recomeçar a minha vida?

-Porque eu te.. - ponderei as palavras

-Você o que?

-Te..tenho certeza que ele não presta,que não é verdadeiro com você..

-É só por isso,Michael? - cruzou os braços indignada,como se esperasse por outra resposta

-Sim. É apenas por isso. O que mais seria? - indaguei

-Exatamente. O que mais seria? - riu - Me dá licença,por favor.

-Toda! Faça a porra que quiser! - Emilly saiu batendo a porta com força

   Fiquei dois minutos pensando no que fazer,se seria correto deixar Emilly sair de casa desse jeito. Eu sei que ela não está nada bem, sempre que está sofrendo ela finge que nada a abala. E eu não vou deixar Emilly sozinha nessa.
 Coloquei uma jaqueta e desci até a portaria para alcançar minha " esposa". Infelizmente ela já tinha ido embora.

-Está procurando a Dona Emilly? - o porteiro me perguntou

-Estou. Sabe se ela foi de carro?

-Foi sim. Aconteceu alguma coisa? - disse confuso

-Sim,meu chapa.. Muitas coisas! O problema é que não posso deixar ela sozinha agora,entende?

-Sim senhor. Tem algo que eu possa fazer pra te ajudar?

-Sabe se Emilly tem algum lugar que ela vai quando está .. histérica?

-Como assim?

-Algum lugar onde ela vai afogar as mágoas.. Isso é típico dela! - ri

-Ah entendi.. Olha, da última vez que eu vi Dona Emilly pra baixo, foi um pouco antes do senhor chegar, ela foi direto pro hospital.

-Que?

-Deixe eu explicar. Ela bebeu demais e bateu com o carro na fachada de um bar famoso aqui em Miami. Ela costuma sempre ir lá..

-Você sabe o endereço?

-Sei, sim senhor.

-Ótimo,escreva aí pra mim.

-Vou escrever.

-Aqui, só por curiosidade.. por que ela tava deprê nesse dia?

-Pelo que ela dizia,acho que era aniversário de casamento dela, algo assim..

-Cacetada! - levei minhas mãos à cabeça - Foi no dia 22 de março.. - conclui

-Como o senhor sabe? - olhei pra ele com cara de "não é óbvio?" - Oh sim.. Anotei aqui o endereço,tem um ponto de táxi aqui perto.

-Valeu,irmão! - peguei o papel e fui até o ponto de táxi e depois de quarenta minutos apareceu um disponível

    O tal bar parecia bem movimentado. Achá-la seria como encontrar uma agulha no palheiro. E já vou eu resgatar a mocinha nada frágil chamada Emilly.
  Lá estava minha loira debruçada no balcão segurando um copo de tequila. Tirei meu chapéu e me sentei ao seu lado.

-Oi gatinha,vem sempre aqui? - Emilly me olhou sem acreditar

-É você mesmo ou é miragem? - falou com a voz arrastada

-Pra sua felicidade,sou eu mesmo. De carne e muito osso! - ela riu

-Você é engraçado..

-Se está me elogiando é porque está realmente embriagada!

-Eu vou dançar.. - Emilly tentou se levantar,mas tropeçou em mim

-Opa! Você tá um pouco altinha, querida..

-A noite só está começando, pequeno Michael.. - Emilly deu mais um gole da tequila

-Você não sabe beber,amor.. Está bêbada em menos de uma hora!

-Me deixa,Mike.. Eu estou muito, muito triste..

-Oh dramática! Tudo bem.. vou deixar beber só mais um pouquinho, ouviu?

-Tá bom,pai!

 Meu coração de manteiga permitiu que Emilly brincasse um pouco mais com a caipirinha, tequila, marguerita e chega! Ela já está exagerando.

-Vamos embora,Emmy.

-Nada disso!

-Já bebeu mais do que devia, mocinha. Vamos! - à essa altura Emilly já nem discutia mais. Apoiei ela no meu ombro e a levei até o carro

-Você vai dirigir,é..?

-Serei seu motorista particular hoje. Deus me ajude a não errar o caminho!

 Tentei fazer o mesmo caminho que o motorista de táxi fez para chegar até o bar. Entrei na contra-mão  diversas vezes,mas finalmente chegamos em casa.
 Carreguei Emilly no colo e Joe me ajudou a abrir a porta. Estávamos a sós na sala e pra minha tortura, Emilly estava acordadíssima.

-Michael..? - Emilly estava pendurada no meu pescoço

-Fala..

-Você me acha bonita? - engoli seco

-É claro que eu te acho linda!

-Então por que me traiu com a Gabbe? - choramingou

-Porque eu fui um grande otário!

-Você é um otário..

-Gracias! - ri

-Mas mesmo assim eu te amo..

-O que disse?

-Que te amo.. - Emilly começou a beijar meu pescoço até chegar na minha boca

-Eu não posso com isso,senhor!

-Faz amor comigo? - suplicou

-Porra Emilly.. Não faz assim..

-Você não quer? - apertei sua cintura e a prendi no meu colo

-Tudo que eu mais quero é fazer amor com você,mas não posso fazer isso com você desse jeito..

-Ok..Mas e me beijar,pode? - ri

-Ah Emilly! - puxei seu rosto para mais perto de mim e lhe beijei apaixonadamente

 Aos beijos,levei Emilly até o banheiro para lhe dar um banho gelado. Foi muito,muito difícil me controlar ao vê-la nua ali na minha frente. Mas o meu lado racional falou mais alto e eu apenas dei banho nela. 
 Ajudei ela a vestir a camisola e penteei seus cabelos. Emilly já estava dormindo em pé,então eu a deitei confortavelmente na cama. Me deitei ao seu lado e acariciei seu rosto.
 Suas palavras não saíam um minuto da minha cabeça. "Eu te amo". Cacete, como proceder depois disso? Foi apenas papo de bêbada ou ela realmente confessou o que sente? É hoje que nascerá cabelos brancos em mim!



Capítulo 23 

"Mais um belo par de chifres pra minha coleção"

Emilly


  Uma escola de samba desfilava dentro da minha cabeça. A dor era insuportável e só de tentar abrir os olhos eu me sentia tonta.
  Forcei os olhos  mais uma vez e aos poucos minha vista embaçada ganhava sentido e foi o rosto de Michael que se formou assim que acordei.

-Aah! - gritei assustada - Que é isso?

-Café? - ofereceu a caneca que estava em sua mão

-Obrigada..Ai minha cabeça vai explodir.. - quase cuspi o gole de café que eu bebi - Eca! O que você colocou nessa coisa?

-É café puro e forte pra curar a ressaca.

-Merda.. Eu fiz algo errado? Ou falei,sei lá..

-Não se lembra de nada? - seu semblante se desanimou

-Acho que não.. - tentei puxar na memória,mas nada veio - Eu aprontei?

-O que? Não se lembra da noite que tivemos?

-Que noite? - me levantei

-Como que noite Emilly? Caramba você tava uma tigresa!

-Misericórdia! Não pode ser verdade.. - Michael riu

-Relaxa..Não aconteceu nada, pelo menos não por minha parte..

-O que?

-Esquece, eu estou só brincando. - desviou o olhar de mim

-Você..me deu banho?

-Sim. Você estava precisando. Mas antes que dê um ataque,eu te respeitei!

-Não tenho dúvidas disso,Michael. Eu conheço o homem que você é. - nos encaramos por um longo tempo

-É.. é melhor eu ir. - se levantou

-Pra onde você vai?

-Ah eu não te contei.. Consegui um trabalho.

-Oh meu Deus,Michael isso é ótimo! - pulei no seu colo e o abracei com força. Percebi a cena que eu fiz e o soltei - Quer dizer.. como,como conseguiu?

-No dia que eu me perdi,eu entrei num estúdio fotográfico e eu conversei com o dono e como eu sou bom de lábia,ele me ofereceu um estágio para aprender e tal..

-Michael,eu estou muito feliz por você! Parabéns!

-Sério que está feliz por mim?

-É.. claro. Assim você arruma dinheiro e sai da minha casa. Esse é o plano,não é?

-Exato. Eu pouco tempo estarei livre de você! Tenha um bom dia, Emilly.

   Depois que Michael saiu eu me deitei novamente. Tenho a sensação de que alguma coisa aconteceu ontem a noite,pois toda vez que eu bebo,acabo falando o que não deve. Mas se eu tivesse feito isso, com certeza Michael estaria pegando no meu pé.
  Infelizmente está na hora de voltar a realidade. Pedir desculpas aos convidados e principalmente falar com Eliot. Seu celular só caía na caixa postal,então decidi ir na sua casa me desculpar.

* * *

   O porteiro do seu prédio por me conhecer,permitiu minha entrada. Como já estava anoitecendo, imaginei que ele estaria descansando. Usei a chave que ele me deu e abri a porta.
   A casa estava silenciosa,mas a luz do seu quarto estava acesa. Caminhei até o corredor e comecei a ouvir ruídos. Haviam roupas jogadas no chão.
  Me apoiei na soleira da porta ao ver a cena. Eliot estava em cima da cama transando com uma mulher e nem percebeu minha presença. A mulher gemia sem parar,o que aumentava ainda mais o meu nojo

-Eliot? - gritei. Eles se assustaram e olharam pra mim. Ele estava ainda mais pálido

-Emilly.. - levei minhas mãos à boca e fechei meus olhos - Emilly,isso..

-Não fala nada comigo! Quer saber, finja que eu nem apareci!

-Volta aqui Emmy! - Eliot cobriu a nudez com o lençol e veio atrás de mim

-Não encoste em mim! - berrei - Não imagina o nojo que estou sentindo de você!

-Me deixa explicar! Eu..

-Cala essa boca! Eu não quero ouvir nada que venha de você,nada!

   Saí de sua casa o mais depressa possível. Não queria olhar pra cara dele e nem ouvir sua voz. Tudo que eu queria era sumir do mundo. A dor que eu sentia não era apenas por ser traída por Eliot,e sim por ter sido enganada mais uma vez. Logo eu que sempre jurei que nunca mais passaria por isso.
   Eu não ia me descabelar por Eliot, nem me embebedar novamente por quem não merece. Já sofri feito uma condenada uma vez e não vou permitir me abalar novamente.
   Cansada de rodar com o carro pelas ruas da cidade,decidi voltar pra casa. Engoli o choro mais uma vez e me preparei para a enxurrada de piadas que terei que ouvir de Michael.
   Abri a porta cuidadosamente, torcendo para não me cruzar com ele,mas infelizmente Michael estava na sala engraxando os sapatos.

-Hm.. parece que o reencontro foi bom.. - comentou assim que me viu

-Me deixe em paz,por favor!

-Se está com esse humor maravilhoso é porque aconteceu alguma coisa.. Desembucha aí!

-Cuida da sua vida,não aconteceu nada ok? - Michael se levantou e parou de frente pra mim

-Você não me engana,Emilly. Ele está bravo com o casamento?

- Quer mesmo saber o que aconteceu?

-Sim, se estou perguntando..

-Aconteceu que novamente eu fiz papel de trouxa!

-O que?

-Eu peguei o Eliot transando com uma vadia, foi isso que aconteceu! - confessei. Michael começou a rir e isso me deixou ainda pior

-Quer dizer que de banana ele não tem nada! Ele é bem rapidinho ein? Já que não se casou ainda, decidiu fazer outra despedida de solteiro!

-Não acredito nisso.. Está rindo da minha desgraça? - tentei não demonstrar fraqueza

-Desculpa,mas só estou imaginando a cena.. - gargalhou

-Chega! Eu não aguento mais.. - minhas lágrimas desceram como torrentes. Michael ficou quieto e me olhou assustado - Eu não suporto mais viver assim,já não tenho forças pra continuar essa guerra!

-Emmy.. - Michael me abraçou e eu me agarrei em seus braços, sem nenhuma vergonha de chorar - Me perdoe..

-Não é culpa sua.. Eu que cansei de tudo, eu não sou assim Michael,não sou!

-Eu sei,eu sei.. Não precisa dizer isso,não chora não,Emmy.. - Michael enxugou minhas lágrimas e aí que eu chorava mais ainda, o abraçando cada vez mais forte

  Michael se sentou comigo no chão e me deitou em seus braços. Ele ficou quieto durante todo o tempo em que eu chorava, apenas com seu rosto colado no meu, me embalando como se eu fosse uma criança desamparada.
   Deus sabe a falta que eu sentia de estar protegida em seus braços, segura,como se todos os meus problemas sumissem. Michael tem o poder de causar isso em mim e é por isso que eu o amo com toda minha alma e coração.



Capítulo 24 

"Uma nova esperança"

Michael


  Continuei em silêncio até Emilly se acalmar e parar de chorar. Eu nunca vi ela desse jeito e eu sei que seu desabafo não é só por conta da traição. Parece que a máscara de mulher durona caiu e Emilly não sabe como manter o controle novamente.
   Estávamos abraçados e sentados no chão da sala. Eu fazia um carinho tímido no seu braço. Ela se remexeu e me encarou.

-Me desculpa por essa cena..

-Não precisa pedir desculpas, baby.. Fez bem desabafar.

-Devo estar inchada de tanto chorar! - riu

-Não imaginei que gostava tanto assim do Eliot..

-Não é só por ele, e sim por ser sempre uma otária!

-Se você quiser eu amasso essa banana e como com aveia . Você quer Emmy? - ela gargalhou

-Só você pra me fazer rir num momento desse.. Sabe, tem gente que nasceu pra levar enfeite na cabeça, e eu fui a escolhida!

-Está falando de mim,não é? Emilly, eu vou te explicar de uma vez por todas. Vai me ouvir? - Emilly pensou e por fim concordou

-Tudo bem.

-Emilly você sabia que a nossa relação estava de mal a pior,não sabia?

-Sim.

-Estávamos cada vez mais distantes e acho que a culpa era dos dois.. Naquela noite que nós brigamos eu achei que era o fim. Eu fui pro bar do Paul,enchi a cara e então a Gabbe apareceu.. - Emilly abaixou a cabeça -Sempre conversávamos e naquele dia eu estraguei nosso casamento.

-Sentia alguma coisa por ela?

-Juro pela minha vida que não. E eu sei que nada que eu fizer vai consertar esse erro. Mas eu juro que jamais fiz o mesmo que esse banana do seu ex!

-Ex? - Emilly olhou pra mim

-Imagino que sim, ou pensa em voltar pra ele? - me assustei

-Óbvio que não! Jamais perdoarei um traição!

-Acho que estou incluído nessa.. - falei desanimado

-Você não é um banana. - Emilly piscou pra mim e deitou a cabeça na minha perna

-Lembra daquela vez que fomos para o baile escondidos? Você quase morreu de medo quando sua mãe apareceu na festa!

-Saímos correndo de lá e nos escondemos no telhado da sua casa! - ela riu ao se lembrar

-Você fez a mesma coisa que agora.

-Eu sempre disse que suas pernas eram melhores que almofadas e elas continuam assim.. - disse apertando minha coxa

-E a sua cabeça continua pesada! - ela riu

-Cretino.. Quer dançar comigo?

-Tá falando sério?

-Sim.. Eu ainda tenho aqueles discos que você me deu!

-Não os quebrou no ataque de fúria?

-Quebrei outras coisas suas como seu nariz! - ela apertou a ponta de meu nariz

-É bom lembrar disso. Estou planejando a vingança.. Mas agora vamos dançar,mocinha!

   Emilly me ajudou a levantar e tirou os sapatos. Ela sorriu e colocou uma música de Brian McKnight pra tocar. Sorri por relembrar as inúmeras vezes que dançávamos essa música.
   Envolvi minhas mãos em torno da sua cintura e Emilly levou as suas para a minha nuca. Começamos a dançar lentamente e em seguida, Emmy encostou sua cabeça no meu pescoço. 
  Eu já não conseguia mais controlar as batidas desenfreadas do meu coração. Toquei no seu queixo e delicadamente levantei sua cabeça para me encarar. Dei um suave beijo no seu pescoço, bochecha e finalmente cheguei até seus lábios. Enxuguei uma lágrima sua que caía e lhe beijei com mais firmeza. Emilly retribuiu com mais intensidade e depois de tanto tempo senti o gosto do seu beijo com calma e com paixão.
   Suas mãos se afundaram nos meus cabelos na medida em que o nossos lábios se moviam com mais rapidez.

-Michael.. - murmurou ao se desgrudar de mim

-Não fala nada.. - voltamos a nos beijar novamente, dessa vez com mais urgência e desejo

  Encaixei Emilly no meu colo e aos beijos fomos para o quarto. Eu não estava acreditando que finalmente tinha a minha garota nos meus braços novamente.
   Deitei-a na cama e ela me puxou para mais um beijo. Suas mãos alisavam minhas costas e ela logo retirou  . Emilly me olhava com desejo, paixão e posso até dizer,com amor. O mesmo brilho nos olhos que tinha antes de me deixar.
    Abri o zíper do seu vestido e suspirei ao sentir sua pele quente por baixo das minhas mãos. Emilly me ajudou a despi-la e fizemos o mesmo com a minha calça. Envolvi minhas mãos em seus seios impecavelmente macios e perfeitos. Emilly gemeu baixinho e arqueou o corpo pra frente quando desabotoei seu sutiã. Me abaixei um pouco mais para distribuir beijos na sua pele.

-Oh Mike.. - gemeu meu nome ao sentir minha língua chupando seu seio

-Amo seu corpo. Você sabe disso..

-E eu amo tudo em você.. - confessou com a voz chorosa. Senti uma emoção tão forte ao ouvir isso que voltei a beijá-la com paixão

  Finalmente nos livramos das nossas peças de roupa. Já estava me enlouquecendo de excitação ao ter seu corpo nu e tão perto do meu. 
  Eu poderia torturá-la de prazer do jeito que Emilly sempre gostou. Mas era tanta saudade acumulada,que tudo que eu mais quero no momento é amá-la e me sentir inteiro dentro dela.
Rocei meu membro na sua entrada já totalmente molhada, eu tinha que provocá-la, isso é tradição.

-Você me quer dentro de você, Emmy?

-Quero muito.. - respondeu ofegante

-Então peça! - sussurrei no seu ouvido

-Michael.. -choramingou

-Estou esperando,querida..

-Por favor,Mike! Preciso de você, agora! Por favor,amor.. - não resisti ao vê-la implorando, olhando fixamente nos meus olhos

  Penetrei meu membro lentamente na sua intimidade. Tanto eu quanto Emilly gememos ao sentir nosso primeiro contato. Aos poucos, fui me enterrando até vê-la totalmente preenchida. Emilly gritou meu nome dezenas de vezes quando passei a estocar lentamente.

-Mais rápido,Michael.. Daquele jeito que você sabe que eu gosto.. - Emilly mordeu o lábio para me provocar

  Apertei sua cintura com as minhas mãos e comecei a estocar com força e rapidez. Sentia todo meu corpo eletrizado,meu coração parecia sair pela boca. Emilly se sentou no meu colo e com os olhos fixos nos meus, rebolava e quicava no meu pau.
   Nossos gemidos descontrolados anunciavam nossos orgasmos. Sempre tivemos uma perfeita sintonia,e gozar junto com Emilly torna a sensação ainda mais prazerosa.

-Eu vou gozar com você,baby.. - grunhi enquanto ela rebolava em cima de mim

-Eu sei, e eu quero muito que goze comigo.. - rapidamente inverti as posições e voltei a ficar por cima de Emilly

  Estávamos completamente entregues ao clímax,e bastou mais algumas investidas para explodirmos em um orgasmo alucinante. E quanto mais Emmy arranhava minha pele, mais intenso se tornava o momento.
   Caí exausto ao seu lado,ambos tentando controlar a respiração ofegante. Nossas mãos se entrelaçaram e eu vi o sorriso mais lindo desse mundo brotar nos lábios de Emmy, tão apaixonante que nem palavras eu tinha para dizer. O que eu consegui fazer foi enterrar meu rosto no seu pescoço e receber um carinhoso beijo na minha testa. Beijei nossas mãos entrelaçadas e fechei meus olhos, gravando mais um momento com Emilly no meu coração.




Capítulo 25 

"Uma relação mais... madura"

Emilly


 Abri meus olhos lentamente e olhei ao meu redor. O braço de Michael estava envolvido na minha cintura. Cuidadosamente eu empurrei seu braço,me levantei e vesti uma blusa para cobrir minha nudez.
   Fiquei babando ao ver Michael pelado, coberto somente com parte do lençol. Fiz uma leve carícia no seu cabelo e tirei uma mecha que estava tampando seu rosto. Ele se mexeu e abriu os olhos. Ficamos alguns minutos nos encarando.

-Oi.. - Michael falou

-Oi..

-Tudo bem?

-Tudo e você? - respondi

-Aham..

-Nós bebemos? - perguntei

-Não..

-Usamos drogas?

-Hm..também não! - balançou a cabeça fazendo um sinal negativo

-Então nós dois fizemos sexo totalmente sóbrios?

-E de livre e espontânea vontade. - completou cruzando os braços

-Ok..certo. - andei de um lado para o outro sendo acompanhada pelo olhar de Michael - Está arrependido?

-Sério que você fez essa pergunta? - disse com ironia

-Responda!

-Obviamente  a resposta é não. E ..você..?

-Ah..Somos adultos, solteiros e bem resolvidos. Não vejo problema em um sexo casual..

-Sexo casual? - riu

-Sim.. Como dois solteiros que sentem tesão um pelo outro. Você concorda comigo?

-Claro! - Michael se levantou enrolado no lençol - Não esperava outra reação de você.. - disse tocando no meu cabelo - Mas já que eu e a sua pessoa fizemos a dança do acasalamento.. - ri - não acha que podemos ter uma relação pacífica?

-É.. nisso eu tenho que concordar. Tudo bem, eu topo!

-E isso inclui mais "sexo casual"? - Michael fez aspas

-Depende.. Se conseguir me deixar excitada o suficiente.. - fingi desdém. Michael riu

-Acha que é uma tarefa difícil para Michael Jackson? - intimidou,me apertando contra seu corpo. Estremeci ao sentir a matinal ereção do seu membro

-Ah! - gritei de susto pelo "contato" - Seu tarado! - ele riu

-Relaxa.. Acabei de acordar né?

-Vai..logo pro banheiro! - ele riu e deixou o lençol cair - Michael!!

-O que? Só vou tomar meu banho!

-Por que será que existe banheiro? - saí do quarto mais que depressa

-Por que será que existem pessoas que não assumem que estão loucas para cair de boca no brinquedinho do MJ? - tampei uma almofada na sua cara

-Você é simplesmente abominável! - Michael jogou beijos e entrou para o banheiro

  Estava morrendo de fome depois da.. noite que eu tive. Depois de quase meia hora olhando pro nada, totalmente "aérea", decidi preparar algo para comer, peguei algumas frutas e comecei a cortá-las. Quase corto um dedo fora quando senti Michael me abraçar por trás,fingindo pegar uma xícara.

-Vai comer uma frutinha,paixão? - falou rente ao meu ouvido,me arrepiando

-Vou.. Paixão,Michael?

                      

-É delicado como você..

-Papai Noel também existe? - ele riu - Você quer? - Michael alisou minha barriga com as mãos, me arrepiando

-Veneno de rato ou chumbinho? - ri

-São só frutas,Michael.. Quer ver? - mordi um pedaço do morango e o restante dei na sua boca.Michael comeu e sugou meu dedo

-É.. O gosto está normal. - ele riu

-Qual o motivo dessa risada escrota?

-Isso tá muito esquisito! Eu completamente saudável, você usando a faca apenas para cortar a fruta e não o meu pescoço.. - ri

-Estamos virando duas pessoas de classe!

-Só não tem classe quando rebola gostoso em cima de mim..

-Michael! - me virei para encará-lo e notei que ele estava devidamente arrumado - Onde vai?

-Trabalhar ué? O sexo foi tão devastador a ponto de te causar amnésia?

-Por que é tão convencido? - Michael abotoou a camisa e olhou pra mim

-Porque seu orgasmo te entregou. - Michael piscou para mim

-Hey, espera. Deixa eu arrumar essa juba! - aparei seu cabelo ondulado fazendo alguns cachinhos. Desde pequena eu tinha essa mania 



          

-Algumas coisas nunca mudam.. - Michael revirou os olhos e riu

-Vá com Deus..


  Fiquei igual uma boba rindo da minha situação. Era para eu estar chorando e totalmente frustrada, mas não. Estou brincando com Michael  o jogo de quem seduz mais o outro. É perigoso,mas eu me sinto incrivelmente renovada, uma nova Emilly.
  Passei a tarde toda arrumando a casa. Michael é o homem mais porco e bagunceiro da face da terra. Depois de tudo pronto,tomei um banho e fui descansar. A campainha tocou e eu,pensando ser Michael, fui correndo abrir,mas tive uma desagradável surpresa.

-Eliot?

-Temos contas para acertar, Emilly Cruz. - falou com tom de voz autoritário




Capítulo 26 

"Entre o céu e o inferno"

Emilly


-Tem certeza que sou eu quem tem que prestar contas? - cruzei meus braços,irritada por ter que aturar Eliot

-Óbvio! Ou esqueceu da vergonha que me fez passar naquela igreja? - gritou

-Primeira coisa meu amor, abaixa o tom pra falar comigo porque não sou uma das meretrizes que transam com você! E outra coisa,fui eu que saí algemada daquele maldito casamento que graças a Deus não aconteceu!

-Era tudo que você queria,não é? Caminho livre pro idiota desse caipira!

-Dobre a língua pra falar do Michael. Só eu posso chamá-lo de caipira,sacou? E você não tem moral nenhuma, esqueceu que eu o peguei na cama com outra? - ele riu sordidamente

-Sabe por que isso aconteceu? Porque mulheres como você, prepotente e de nariz em pé merecem levar chifre a torta direita!

-Acha mesmo que vou me abalar pelo ataque de um homem que vive na barra da saia da mãe? - ri - Faça-me o favor!

-Escuta aqui,Emilly! - Eliot segurou meus braços com força - Você não sabe com quem tá mexendo! Se acha que pode rir de mim,está muito enganada! Farei um inferno da sua vida, pode ir se despedindo dessa pose de mulher de ferro, porque eu vou dar a lição que você precisa! - gritou com as veias do pescoço retesando

-Vou te dar a chance da sua vida. Solta ela e corre,mas corre muito antes que eu faça um estrago na sua cara! - Eliot me soltou assim que ouviu a voz de Michael. Ele se virou e o encarou

-Olha só.. Agora você tem um protetor,Emilly? Mas quer saber, eu não tenho medo nenhum de um caipira! - Michael riu e partiu pra cima de Eliot,o empurrando na parede

-Exatamente,um caipira! Uma vez eu perguntei pro meu pai por que minhas mãos eram tão grandes e sabe o que ele respondeu? - Michael acertou um soco no meio do rosto,esguichando o sangue - É pra fazer isso aqui,meu amigo. Isso e outras coisas que com certeza você não tem talento! - disse e piscou pra mim,me deixando corada

-Sai de cima de mim,seu merda!- Eliot grunhiu

-Vou sim,mas só depois de completar o outro lado! - Michael socou a outra bochecha e saiu de cima dele - Da próxima vez que procurar Emilly,o estrago será pior!

-Terá notícias de mim,Emilly Cruz! - ameaçou saindo pela porta. Michael lavou as mãos e veio até mim

-Ele te machucou? - perguntou preocupado 

-Não.. Ele não seria idiota de fazer isso! Você está bem?

-Minhas mãos vão ficar.. - riu

-Vem cá, vou passar uma pomada aí. - passei o remédio e massageei suas mãos

-O que mais ele disse pra você?

-O mesmo blá blá blá que eu já esperava. Disse que vai me infernizar,resumindo, será um encosto na minha vida por um tempinho. - ri

-Não teme pelo que ele possa fazer? Porque eu juro que se ele encostar um dedo em você,eu amasso a cara dele! - disse furioso

-Não se preocupe. Eliot não pode fazer nada contra mim. Eu tenho muito mais poder naquela empresa do que ele. Ele é só um chihuahua que se acha um pitbull. - Michael riu

-Sabe.. É isso que eu mais admiro em você.

-O que?

-Sua autoconfiança. E a coragem de bater qualquer um de frente. Mas tome cuidado,ok?

-Ele que tem que tomar cuidado comigo!

-Por que? Você é brava,é? - disse chegando mais perto de mim

-Eu sou brava com os garotos malvados..

-E eu sou malvado?

-Uhum.. e perigoso também. - coloquei minha perna em cima da sua coxa. Michael olhou fixamente pra ela e deslizou sua mão pela minha pele

-Você ganhou.

-O que eu ganhei?

-Um vale-banho especial com Michael Jackson. Parabéns,sortuda!

-Que afortunada eu sou! E o que seria esse banho especial?

-Hm.. aquilo que a sua mente levemente poluída está imaginando..

-Sabe o que que é.. Acabei de tomar meu banho.. - fiz uma cara de lamentação

-Você ainda tá sujinha,Emmy..

-Vá se foder! - Michael me colocou no seu colo e se levantou

-Não me manda fazer isso,depois não adianta reclamar.

-Depende. Qual o contexto da palavra?

-"Sexo casual",como diz minha amiga Emilly. - foi direto

-E você sabe se eu tô afim?

-Te respondo em um minuto. - Michael enfiou dois dedos dentro da minha calcinha e sorriu ao constatar que eu estava molhada. Seus toques me fizeram gemer

-Oh Mike.. - fechei meus olhos

-Isso responde? - disse com a voz rouca rente ao meu ouvido

-Responde sim.. - ataquei sua boca com um beijo faminto. Michael me beijava com paixão e intensidade enquanto me levava para o banheiro. É incrível como esse caipira consegue me fazer esquecer os problemas e focar apenas nele e claro, no que faremos a seguir..




Capítulo 27 

" Mais um avanço.."

Michael


-Michael,a água tá muito fria! - Emilly reclamou quando liguei o chuveiro

-Vai sentir calor já já.. - Ela estava muito sexy com a camiseta molhada,mas eu tinha que deixá-la nua de qualquer jeito

  Tirei sua roupa e em seguida fiz o mesmo com a minha. Voltei a colocar Emilly no meu colo,beijando seu pescoço e finalmente os seus seios. Suguei demoradamente cada um deles e dei algumas mordidas, mordidas de verdade. Eu e Emilly sempre gostamos de misturar a dor com o prazer,nos excita ainda mais.

-Oh Michael! - Emmy gritou

-Te machuquei?

-Sim e eu adoro,continue! - ela riu e eu continuei a torturá-la. Emilly pediu para colocá-la no chão e se ajoelhou

-Emmy.. - meu coração acelerava a medida em que Emilly passeava os dedos no meu corpo

-Apenas sinta.. - Emilly envolveu suas mãos em torno do meu membro. Sua massagem começou lenta e foi aumentando cada vez que eu gemia seu nome. Logo senti seus lábios me tocando. Meu sexo pulsava e doía por conta da forte ereção

-Chupa pra mim,princesa.. - pedi sôfrego. Emilly sorriu e abriu a boca, acomodando meu membro dentro dela. Sua língua quente percorria toda a extensão,sugava com maestria,me deixando completamente louco

-Que delícia,Michael.. - mordi meus lábios quando Emilly colocou boa parte do meu pênis na sua boca. Ela sugava e me masturbava com as mãos. Me apoiei no azulejo,pois minhas pernas estavam bambas

-Querida,eu vou gozar.. - avisei. Emilly sorriu e continuou me chupando. Forcei sua cabeça a engolir meu sexo,fodendo sua boca.

  Soltei diversos palavrões quando meu orgasmo
 se aproximou. Emilly percebeu e começou a mordiscar meu membro. Foi o que eu precisava para gozar na sua boca. Emilly não desperdiçou nenhuma gota, continuou me lambendo e se levantou. Seu rosto estava corado e muito,muito sexy.

-Você é muito perfeita,Emmy.. - acariciei seu rosto. Dei um beijo terno em seus lábios, com calma e suavidade. Desliguei o chuveiro e sentei Emilly na pia

-O que vai fazer comigo? - sussurrou no meu ouvido

-Retribuir sua gentileza.. - abri suas pernas e passei meus dedos por suas coxas,com os olhos fixos nos seus

  Distribuí beijos na sua barriga e me concentrei na sua intimidade. Pincelei minha língua no seu clitóris e Emilly soltou um longo gemido quando penetrei a língua com mais pressão. Suas mãos agarravam meus cabelos,incitando a continuar a carícia.

-Cacete,isso é muito bom.. - murmurou - Não pare,por favor!

-Não vou parar,gostosa.. - introduzi dois dedos na sua entrada e Emilly se contorceu. Eu lhe sugava e estimulava seu clitóris. Emmy gemia meu nome enquanto tinha seu orgasmo avassalador

  Ajudei Emilly a se sentar e ela logo procurou meus lábios,me beijando demoradamente. Rocei meu membro rígido na sua intimidade. Emmy colou seu corpo para mais perto do meu.

-Eu preciso de você aqui dentro,Mike.. - disse guiando minha mão à sua intimidade

-Você terá,baby.. Mas de outro jeito. - coloquei Emilly de pé e a virei de frente para o espelho - Quero que capte cada reação sua enquanto eu te fodo bem gostoso, ok?

-Ok.. - sussurrou 

-Então se prepara! - espalmei seu traseiro e Emilly deu um gritinho.

  Posicionei  meu membro na sua entrada e lentamente a penetrei. Emilly começou a rebolar a cada vez que eu a preenchia. Estapeei suas nádegas com mais força e passei a estocar mais rápido.

-Isso Mike, mais forte!

-Você quer mais forte? Hum? - o barulho do nosso corpo se chocando ecoava no banheiro,acompanhado dos tapas no seu traseiro

-Ah.. continue, estou quase lá! - retirei meu membro e virei Emilly de frente pra mim. Me enterrei nela de uma só vez,estocando alucinadamente,até nossos orgasmos nos atingir e gozarmos juntos

  Depois de recuperarmos o fôlego, terminamos o banho e fomos para o quarto. Enquanto ela se secava,notei que seu bumbum ficou avermelhado. Me sentei na cama e fiquei assistindo Emilly vestir a lingerie.

-Psiu,vem cá.. - chamei

-O que foi? - perguntou sorrindo

-Judiei um pouquinho de você.. - falei ao alisar seu bumbum - Quem mandou ter um traseiro tão gostoso? - ela riu

-Você sempre teve tara por ele..

-Um gosto peculiar meu.. Deita aqui,vou cuidar disso. - Emilly se deitou de bruços e eu peguei o creme corporal para massageá-la

  Despejei um pouco do creme nas minhas mãos e espalhei no seu bumbum com a marca da minha mão. Emilly suspirava com as carícias e quando terminei,dei um leve tapinha e ajeitei sua camisola.

-Prontinho,senhorita popô vermelho! - ela riu

-Você é um ótimo massagista! - ela se virou e deitou ao meu lado - Quer dormir comigo hoje?

-Quer transar de novo?

-Não,Michael. É pra dormir mesmo!

-Mas você disse que era só sexo casual..

-E é.. Mas está frio pra você dormir na sala..

-Hm é só por isso? - perguntei desconfiado

-Só.. - respondeu alisando meu peito - Boa noite, Sr. Jackson.

-Boa noite ..senhora Jackson. - ficamos calados por um tempo, mas Emilly não aguentou e se deitou em cima de mim,me beijando apaixonadamente e eu,claro, retribuí na mesma intensidade

  A minha vontade é dizer tudo que sinto por Emilly. Dizer que a amo feito um louco e que tudo que eu mais quero é recomeçar do zero,mas eu sei que depois de tudo que aconteceu é difícil. 
  Eu não sei por quanto tempo viveremos desse jeito,mas se eu for comparar nossa relação hoje para um mês atrás,tenho mais é que comemorar. Nunca imaginei que voltaria a dividir novamente a cama com Emilly. Nem a cama e nem meu coração.



Capítulo 28 

" Quando penso que tudo está se encaminhando bem.."

Emilly


  Enquanto Michael dormia profundamente, eu terminava de me arrumar. Hoje voltarei ao trabalho e terei que aturar Eliot me infernizando. Ajustei meu sutiã e ri ao ver a marca dos dentes de Michael no meu seio e um chupão bem visível no mesmo lugar. O jeito foi passar base e corretivo para esconder.

-O que você tá fazendo? - Michael perguntou

-Bom dia,Jackson. Estou dando um jeito na sua gracinha de ontem a noite!

-Foi você que pediu! Vem cá,deixe eu ver.. - Michael se ajoelhou na cama e me puxou pela cintura

-Satisfeito, Sr. Grey? - Michael riu

-É.. foi um bela marca,mas acho que posso cuidar disso.. - Michael tocou meu seio e beijou levemente o local, me fazendo gemer

-Michael,não se empolgue.. Eu preciso trabalhar.. - Michael parou e me olhou entristecido

-Vai ter que sair?

-Sim..Eu preciso voltar ao trabalho. Enfrentar o Eliot..

-Droga! - Michael bufou - Não gosto de saber que vai estar perto desse banana!

-Hey, não se preocupe. Ele não pode fazer nada contra mim,já falei.

-E ai dele se fizer. Minha mão está coçando!

-Está? - levei as mãos de Michael aos meus seios - Ajudou?

-Oh garota.. Você não existe.. - Michael intensificou as carícias e antes que eu me entregasse,afastei

-Agora eu preciso ir mesmo! Me ajude com o zíper,por favor.

-Claro.. - me virei de costas para Michael fechar meu vestido. Quase gritei quando o filho da mãe bateu no meu traseiro

-Au Michael! - ele riu

-Desculpa amor,eu esqueci..

-Seu sadomasoquista! - terminei a maquiagem e voltei para me despedir de Michael - Até mais tarde..

-Até logo.. Psiu?

-O que? - Michael fez um gesto com o dedo para que eu me aproximasse

-Dá um beijo descente,mulher! - Michael me jogou na cama e subiu em cima de mim. Nos beijamos demoradamente,com delicadeza e ao mesmo tempo urgência. Nos desgrudamos e Michael sorriu

-Eu t..

-Você..?

-Volta logo,ok? - desconversou - Se cuida.

-Ok.. - falei sem entender - Se cuida também. - me levantei da cama percebendo um clima estranho. Michael foi para o banheiro e me restou ir embora

  Ao chegar no andar onde trabalho, percebo todos me olhando torto. Provavelmente se lembrando do fiasco do meu casamento,mas sentem tanto medo de mim,que é só eu chegar para fingirem que estão trabalhando.

-Até que enfim apareceu! - Megan veio correndo até mim

-Oi amiga..Como estão as coisas por aqui?

-Tudo em ordem,mas e você? Estou há dias tentando falar com você e nada! Só o Daniel para me dar notícias!

-Vem pra minha sala que eu vou te contar tudo..

* * *

-Meu Deus! Isso tá melhor que novela! Michael te coloca na cadeia, Eliot te trai e agora você voltou com o Michael! - Megan me olhava surpresa

-Pera ai, eu não voltei com o Michael. Só estamos ficando.. Eu estou solteira e ele também..

-Ah tá! Você não me engana,Emmy! Tá na cara que você nunca deixou de amar o Michael. Eu me lembro muito bem quando você veio morar aqui. Chorava o dia inteiro e só falava dele!

-Isso é passado Megan! Eu e Michael somos adultos e sabemos exatamente o que estamos fazendo.

-Vai se machucar ainda mais agindo assim. Por que não confessa logo que o ama e se acertam de uma vez?

-Você está certa,eu amo o Michael com todo meu coração,mas é difícil Megan.. Ele me magoou muito no passado e eu tenho medo que isso aconteça novamente!

-Mas você precisa arriscar,Emmy.. A vida está dando uma nova chance pra vocês e..

-Com licença? - minha secretária bateu na porta

-Sim,Belga.

-O Presidente está convocando os acionistas para uma reunião e a presença da senhora é indispensável.

-Aconteceu alguma coisa?

-Não sei,senhora.

-Tudo bem,já estou indo. Ué,o que será que ele quer? - perguntei para Megan

-Alguma coisa séria. O Poderoso Chefão nunca aparece por aqui..

-Ai Cristo.. Vamos lá!

* * *

  Praticamente todos os acionistas estavam na sala de reunião, principalmente Eliot e a cobra da sua mãe Gezebel, que me fuzilava com os olhos. Ignorei ambos e me sentei com Megan.

-Já estão todos aqui? - Senhor Carlson perguntou

-Mas é claro! - Eliot disse - Chegou nossa ilustre diretora-chefe!

-Me polpe do seu cinismo,Sr. Banks. - falei - Todos aqui sabem a vontade que está sentindo de voar no meu pescoço!

-Emmy, para! - Megan pediu

-Deixemos o assunto pessoal de lado. - Carlson pediu - O assunto é bem sério.

-Aconteceu alguma coisa,Sr. Carlson? - perguntei

-Aconteceu Emilly. Como todos sabem, a cada três meses fazemos a balança geral das finanças da empresa, e uma coisa me chamou a atenção. Estamos no vermelho.

-Mas como? Estamos lucrando cada vez mais,como é possível?

-Não percebeu o óbvio,Emmy? - disse Eliot com ironia - Estamos sendo roubados!

-Exatamente! Emilly, preciso falar a sós com você. Venha até minha sala, por favor.

-Tudo bem. - me levantei e segui Sr. Carlson até a sala da presidência

-Sente-se. Serei muito breve, Emilly.

-Pode falar. O senhor quer minha ajuda?

-Na verdade estou te informando que a partir de hoje estará sob investigação.

-Eu e todos os funcionários,certo?

-Por enquanto somente a senhorita me deu motivos.

-Eu? Tá brincando ne? Sr. Carlson eu trabalho aqui à cinco anos. Como pode desconfiar de mim?

-Emilly, há exatos quatro meses você criou uma nova conta bancária não associada à nossa empresa, o mesmo tempo em que nossas finanças estão desreguladas. Não estou lhe acusando, por isso a investigação. Ora Emilly,se tem ciência da sua inocência não precisa se preocupar. - finalizou a facada com um sorriso falso

-Não tenha dúvidas de que minha consciência está tranquila. Com licença.

   Saí da sala sentindo um aperto no meu coração. Essa investigação não vai acontecer atoa e Deus queira que Eliot não esteja no meio disso. Eu tenho que me manter calma. Tenho total certeza da minha honestidade, essa investigação só vai comprová-la.
   Passei o dia todo com esse assunto na minha cabeça. Ao mesmo tempo que eu me mantia segura, o receio me assolava.
   Mas só de chegar no meu prédio,já me sinto mais leve, porque eu sei que terei meu caipira do meu lado, resolvendo meus problemas com alguma de suas piadas.
   Meu sorriso se desfez assim que abri a porta e dei de cara com Michael e uma garota sentados no sofá e rindo como se não houvesse amanhã. Fiquei tentada a dar meia volta e sair para não ter que encarar mais essa humilhação.




Capítulo 29 

" Novas provações"

Emilly


   Eu já estava pronta para fechar a porta, mas meu salto fez barulho chamando a atenção dos dois. Michael parou de rir e se levantou. Fui obrigada a entrar em casa,tentando manter a calma.

-Emilly,tudo bem? - perguntou com a cara lavada

-Tudo ótimo! Não vai apresentar sua amiga?

-Ah claro! Essa é a Lili, trabalha comigo lá na loja.

-Você deve ser a esposa do Michael, certo? - a mulher perguntou sorrindo

-Foi o que ele disse? - retruquei. Eu contorcia meus dedos tamanha raiva que eu sentia

-Ah,sim! - respondeu confusa

-Lili passou mal quando saíamos do trabalho, e como estávamos aqui perto,achei melhor trazê-la aqui para beber água.

-Oh sim.. Está melhor,querida? - perguntei fingindo interesse

-Estou melhorando. Bom, é melhor eu ir. Já está ficando tarde e ainda tenho que pegar ônibus.

-Quer uma carona? - Michael ofereceu,me deixando boquiaberta

-Não precisa,Michael. Já me ajudou e muito! Boa noite pra vocês e prazer em conhecê-la Emilly.

-Prazer é todo meu.. - respondi dando as costas. Michael a levou até a porta e depois se virou pra mim

-Emmy..

-Emmy o que? - gritei sentindo as lágrimas se formando

-Eu estou falando a verdade. A Lili quase desmaiou, queria que eu fizesse o que?

-Pelo jeito que riam,ela parecia ótima!

-Caramba,Emmy! Eu só queria distraí-la..

-Ah que fofo! Querendo consolar a amiguinha de trabalho.. E se eu não tivesse chegado ia levá-la pra cama?

-Emilly para! - gritou - Se eu quisesse transar com a Lili não teria a trago pra cá!

-De você eu espero tudo,não precisa inventar desculpas! Agora, consolar ela foi demais! - ri

-Ela está grávida,ok? - meu coração gelou

-De você?

-Mas é lógico que não! Ela está com medo de contar ao namorado,tem apenas 18 anos, não sabe o que fazer!

-Meu Deus.. - me sentei no sofá devido ao susto

-Mas pera ai.. E o que você tem com isso? - cruzou os braços

-Como?

-E se eu tivesse com um mulher mesmo,pra valer? Não foi você que disse que estamos apenas transando? Sou solteiro e tenho direito de ficar com quem quiser, você deixou bem claro! - disparou apontando o dedo na minha cara - Não me venha cobrar satisfações, pois não preciso lhe dar nenhuma!

  Fechei meus olhos tentando não chorar e me levantei. Eu tive hoje um ensaio da minha derrocada e ainda termino meu dia ouvindo isso. Toda aquela ilusão de finalmente estarmos evoluindo se dissipou. Para Michael sou apenas uma parceira de cama,nada mais.

-Emilly, onde você vai? - perguntou com o tom de voz arrependido,ao me ver deixando a sala

-Me deixe sozinha,por favor! - solucei - E você está certo,me desculpe por essa cena. Você é um homem livre e desimpedido. Eu.. só queria chegar em casa e poder desabafar.. Me desculpe. - antes que eu virasse o corredor,Michael correu e segurou minha mão

-Me perdoe pelas merdas que eu falei.. - Michael me abraçou forte - Não leve a sério,por favor! Você jamais significaria apenas sexo pra mim. E você acha mesmo que eu teria olhos para outra mulher,sendo que eu já fisguei meu maior peixe? - consegui rir em meio ao choro

-Olha só, eu não estou exatamente na sua,mas estou nas redondezas.. - Michael riu

-Somos dois teimosos que precisam ceder.. Mas o que foi que aconteceu? Eliot fez alguma coisa com você?

-Eu não sei.. Michael,eu estou sendo praticamente acusada de roubar a empresa!

-O que? - me olhou incrédulo

-O Sr. Carlson abriu uma investigação contra mim. Ao que parece a empresa está no vermelho, e as contas não batem..

-Alguém está roubando e ele acha que é você?

-Sim.. O olhar dele pra mim.. Ele tem certeza que sou eu quem está desviando os lucros! Eu jamais faria isso,Mike..Jamais!

-Shii.. Não precisa chorar. Eu acredito em você. Emilly,eu te conheço há mais de vinte anos e sei o quanto honesta você sempre foi. E eu tenho certeza que essa investigação vai provar o que penso!

-E se for o contrário,Michael? E se essa fortuna estiver realmente na minha conta?

-Eu vou continuar mantendo minha palavra. Mas por que fala assim? Acha que estão armando pra você?

-O Eliot deixou bem claro que vai me destruir. Eu vi nos seus olhos que ele não está de brincadeira.. - me soltei dos seus braços e me sentei no sofá. Michael se ajoelhou na minha frente e segurou minhas mãos

-Emmy, eu juro que vou matar esse homem!

-Você não vai fazer nada disso! Eu sei me virar..

-Não senhora! Você pode usar a máscara de forte,mas eu sei quando está frágil.. Esse filho da puta não sabe com quem está se metendo!

-Michael eu não tenho como provar se ele realmente está envolvido nisso. Além do mais eu tenho fé que essa investigação vai esclarecer tudo!

-Vai sim e eu estou aqui com você..

-Você acredita em mim,não é? - me agarrei às suas mãos

-De olhos fechados,meu amor.. Mesmo se tudo conspirar contra você,eu estarei aqui pra te defender.Conta comigo..

-Ah Michael.. - o abracei com força, permitindo-me chorar toda a angústia e medo - Era tudo que eu precisava ouvir.. Algo me diz que meu pesadelo só está começando..

-Não repita isso! É assim que aquele banana quer te ver, fragilizada, insegura.. Mas quem é a minha dama de ferro,hein?

-Eu? - levantei meu dedo timidamente

-Exatamente! A graça dele vai acabar já já, você vai ver!

-É o que eu espero.. Minha cabeça está explodindo! - levei minhas mãos à testa

-Tome um banho enquanto faço seu chá,ok?

-Uhum.. Obrigada Mike.. - Michael sorriu e retribuiu com um beijo delicado nos meus lábios

  Depois de tomar o banho, coloquei meu pijama e fui para a cozinha, mas antes peguei meu celular que estava piscando. Percebi que era uma mensagem e abri para ler.

" Emilly Cruz, comunicamos por meio desta mensagem que a senhorita estará afastada do cargo de diretora-chefe da Publicity Carlson e de quaisquer atividades da empresa até o término das investigações.
É aconselhável que colabore com o nosso trabalho.

Diretoria Publicity Carlson "


   Me apoiei no balcão da cozinha para processar as informações. Quer dizer que além de investigada,estou proibida de trabalhar?
  Michael percebeu meu silêncio e veio até mim,envolvendo seus braços na minha cintura, me abraçando por trás.

-Que carinha é essa?

-Estou dispensada,Michael..

-Como assim? - mostrei o celular para Michael ler a mensagem - Pera ai, então você nem ao menos pode trabalhar?

-Não posso acreditar nisso! - levei minha mão a testa para evitar a tontura por conta da dor de cabeça e ao choque da notícia

-Emmy senta aqui. - Michael me guiou a cadeira e me deu a xícara de chá de camomila - Não pode ficar nervosa desse jeito. Olha o seu estado!

-Isso é um mal sinal,tenho certeza!

-Não pense nisso agora.. É melhor você dormir,precisa descansar.. - Michael me levou em seu colo e me deitou na cama

-Dorme comigo? - pedi

-Durmo sim,baby.. - Michael se deitou ao meu lado e me trouxe junto dele,deitando minha cabeça em seu peito. Nos beijamos carinhosamente por um bom tempo,sem falar nada. Suas mãos macias acariciavam minha pele,e aos poucos minhas vistas cansadas foram se fechando.




Capítulo 30

"Só restam as consequências"


Emilly


  Michael foi extremamente gentil comigo e eu fiquei emocionada com suas palavras. Sei que enfrentarei grandes problemas pela frente,mas sabendo que tenho o apoio de Michael me sinto forte o bastante.

-Bom dia.. - Michael me acordou com um beijo no meu pescoço - Dormiu bem?

-Tentei..Mas por fim consegui pegar no sono.

-Eu sei,já são onze horas da manhã.

-Oh meu Deus,eu estou atrasada! Quer dizer,estava.. Podia ter me acordado antes.

-Não tive coragem. Você precisava desse sono.

-E você não foi trabalhar?

-Pedi folga pela manhã. Quero ficar um tempinho com você.. - confessou, me abraçando

-Você não existe,Michael..

-Quem diria! Há um mês atrás eu era o diabo em pessoa,agora.. - disse com um sorriso torto

-Você não perde essa pose né?

-Você gosta! - Michael passou a barba rala no meu pescoço,me fazendo cócegas

-Para Michael! Eu não aguento isso.. - falei em meio ao risos - Eu vou fazer xixi na calça!

-Põe fralda,ué.

-Deixa de ser bobo! Eu já volto.

  Decidi tomar um bom banho quente para me despertar. Eu preciso estar confiante,sei que não encontrarão nada que me incrimine. Tenho que pensar positivo.
 Vesti uma camisa de Michael e fui pra sala. Tive a melhor visão do dia, Michael estava debruçado na pia,vestindo apenas uma boxer preta e um avental. Seu cabelo estava amarrado em um coque. Estava tão sexy que fez minha intimidade pulsar.

-Quer um babador,minha gata? - Michael me pegou olhando pra ele e fez um gesto para que eu me aproximasse

-Não estou acostumada a ver um homem semi-nu na minha cozinha.

-Nem o banana do seu ex? Não me diga que nem cozinhar ele sabe!

-Ele é péssimo em tudo!

-Como é gostoso saber a merda que você passou com esse trouxa, e eu lá no interior, sozinho,solitário..

-Acha mesmo que eu acredito nisso? - ele riu e beijou minha testa

-Pode acreditar..

-O que é esse cheiro bom?

-Estou preparando a sua lasanha de quatro queijos com toque de noz moscada.

-Mentira! Você lembra do meu prato favorito?

-Prato eu não sei,mas a comida sim.

-Palhaço! - Michael me ajudou a subir nas suas costas e foi me mostrando seus dotes culinários


* * *

 Depois do almoço,Michael se sentou comigo na varanda e ficamos namorando. Infelizmente estava na hora dele trabalhar,e eu tive que ficar sozinha sem fazer nada.
 Fiquei zapeando os canais e nada me distraía. Estava preocupada com minha situação na empresa e com saudades do meu caipira.
 Minha campainha tocou e logo imaginei quem poderia ser. Dito e feito.

-O que faz aqui? - perguntei sem a menor paciência




                               

-Não vai me convidar para entrar? - Eliot me olhou com deboche



                        

-Não tenho nada para tratar com você!

-Ah tem sim. Bem, não sou eu quem está com a corda no pescoço..

-Você está envolvido nisso,não está?

-Agora que descobriu? - gargalhou - Eu disse que te mostraria quem é o "banana"!

-E o que pretende com isso? Hum?

-Já disse. Derrubar você,simples assim. Mas... você terá uma chance de reverter esse quadro crítico em que se encontra.

-Ah é? E como?

-Casa comigo. Seja oficialmente a minha esposa e pronto,seu pesadelo acabará.

-Hm.. então se eu aceitar, não serei mais acusada e tudo voltará a ser o que era antes?

-Exatamente. Emilly,nós dois juntos somos uma dupla imbatível! Seja esperta,garota! O que me diz?

-É uma proposta tão tentadora que eu quero que você e ela vão para o inferno de mãos dadas!

-Olha a boca.. Você sabe o que vai acontecer se recusar,não sabe?

-É,eu sei sim. E sabe de uma coisa,eu estou me lixando! Faça o que quiser,me denuncie,me processe,o que for.. Acha mesmo que sou mulher de ser chantageada?

-Então é esse o seu discurso? Tem certeza?

-Absoluta!

-É Emilly.. foi você que pediu.. Ah, não pense que terá seus amiguinhos do seu lado. E pode dar adeus ao seu maridinho caipira,ele vai ser o primeiro a dar o pé!

-Já falou demais,cai fora.. - abri a porta

-Boa sorte Emilly. Vai precisar! - bati a porta com força e me sentei no chão

 É isso,estou nas mãos de Eliot. Realmente foi esse desgraçado que armou pra mim e como não cedi à sua chantagem nojenta,terei que dar adeus a minha carreira e tudo que eu conquistei.
 Abri uma garrafa de vinho e enchi a taça. Não gosto de fugir dos problemas bebendo,mas as vezes é melhor isso do que a solidão.
 Michael chegou em casa e correu até mim ao meu ver chorando de cabeça baixa.

-Emmy? O que houve,meu bem? - perguntou preocupado

-É só eu brindando à minha nova vida.

-Como assim? Me dá isso aqui! - Michael tirou a taça da minha mão

-Eliot veio aqui e me fez uma proposta..

-Que proposta? - seu tom de voz estava de dar medo

-Ele confessou que tudo isso é uma armação dele. Eliot disse que se eu me casar com ele meus problemas vão  acabar.

-Mas o que? - Michael estava incrédulo

-Ele foi direto,Michael. Se eu não aceitar é o meu fim..

-E você.. disse o que?

-Bom, está olhando para a ruína de Emilly Cruz. - Michael me olhou emocionado - Jamais aceitaria isso. Posso ir pra cadeia,Michael,mas me prestar a isso,nunca!

-Oh meu amor.. Tenho tanto orgulho de você! - Michael me abraçou com força

- Eu vou começar do zero,não me importo. - falei com a voz embargada

-Olha pra mim. - Michael me puxou para encará-lo - Eu não vou permitir isso,ouviu?

-Já foi,Michael..

-Não estou te reconhecendo,Emilly. Não pode aceitar isso! - bufou - Me dá o endereço desse cara! - disse com firmeza

-Michael..

-O endereço,Emilly! Já cheguei no meu limite com esse filho da puta. Ele não gosta de mandar? Vamos ver se ele vai ser machão cara a cara com um homem! - anotei o endereço,rezando para Michael mudar de ideia

-Não faça nenhuma besteira,por favor! - implorei. Michael pegou o papel e se ajoelhou na minha frente

-Sei me cuidar. É ele que terá que pedir arrego! - Michael alisou meu rosto e me beijou apaixonadamente -Emilly?

-Fala.. - Michael olhou fixamente nos meus olhos

-Confia no seu homem que te ama com todas as forças! - fiquei apática ao ouvir suas palavras

-Mich... - Michael me calou com outro beijo e se levantou,rumando para a casa de Eliot

 Eu fiquei tão absorta com o que Michael disse,que não conseguia nem pensar no que daria esse embate dos dois. Mas de uma coisa eu posso ter certeza. Michael sabe exatamente o que faz,e o seu tom de voz ao dizer "Confia no seu homem que te ama com todas as forças", não me deixou nenhum resquício de dúvida em relação ao seu sentimento por mim.



Capítulo 31 

" Abrindo meu coração"

Michael


  A   gora esse canalha foi longe demais! Ter a coragem de chantagear Emilly foi a gota d'água e agora ele vai ver o diabo pessoalmente. 
   O táxi parou na porta do opulento edifício que o covarde mora. Assim que o porteiro abriu a porta,entrei feito uma bala,ignorando sua ladainha. O elevador parou no oitavo andar e fui direto socar a porta do seu apartamento.

-Eu sabia que mudaria de ideia.. - seu sorriso se desfez ao dar de cara comigo

-Achou que fosse a Emilly? - agarrei seu colarinho e o joguei contra a parede

-Veio tomar as dores daquela vadia ingrata? - não suportei ouvi-lo falar assim de Emilly e acabei socando seu nariz

-Vou quebrar cada dente seu se voltar a importunar a minha mulher! 

-Oh que meigo! O maridinho metido a machão está me ameaçando?

-Não preciso ameaçar,isso é um aviso! A Emilly tem quem a defenda, e eu não vou medir esforços pra te afastar dela! - berrei

-Então ela te contou da minha visita? Que anjo a Emilly é.. Acha mesmo que ela é uma santa?

-Não, ela não é uma santa,e eu sei exatamente quem ela é. E eu vou falar uma vez só, desista dessa armação nojenta agora mesmo antes que eu acabe com você! - intimei,pronto para socá-lo novamente

-Já é tarde demais,meu amigo! - Eliot riu com maldade

-Do que está falando?

-Daqui a mais ou menos oito horas sua linda esposa será convocada para uma reunião na Publicity Carlson e sairá de lá direto para a cadeia! - a fúria se apossou de mim de tal forma que eu,com toda certeza o mataria se Emilly não gritasse,implorando para eu sair de cima de Eliot

-Michael para,por favor! - Emilly me separou de Eliot e ficou no meio de nós

-Deixa Emilly, deixa ele dar cabo de mim. Assim vão os dois de mãos dadas pra cadeia! - riu em deboche

-Michael, fica calmo! Não vê que é isso que ele quer? Vamos embora daqui, por favor! - pediu desesperada

-Eu não posso deixar ele fazer isso com você! Eu vou acabar com ele! - Emilly tentava me segurar

-Faça o que quiser, Michael! Nada vai mudar a situação dela!

-Michael vamos embora,por favor! - não aguentei ver Emilly tão aflita, e aceitei ir embora com ela, que praticamente me arrastava para fora do apartamento

   Ela só soltou a minha mão quando chegamos perto do seu carro. Emilly me abraçou com força e permanecemos assim até ela se acalmar.

-Você está bem? - perguntei ao beijar sua testa

-Agora sim..

-Por que veio atrás de mim,Emmy?

-Tive medo do que poderia acontecer. Michael,eu pensei que ia matá-lo! - Emilly estava trêmula

-Me desculpe por isso..Eu estava fora de mim, mas o jeito que ele falou me fez crescer um ódio escomunal!

-Tudo bem,eu só tive medo do que ele poderia fazer com você..

-Olha pra mim. Está vendo algum arranhão? - ela riu - Eu disse para confiar em mim..

-Eu sei.. - Emilly encostou sua cabeça no meu peito

-Não queria ter que dizer isso,mas precisa estar preparada. Ele disse que amanhã você será convocada para uma reunião..

-Para ser acusada. - concluiu

-Juro que eu faria qualquer coisa pra te tirar dessa situação!

-Eu sei,Mike. Mas não há nada que se possa fazer. Eu confiei demais nele e agora arco com as consequências.

-Tem que ter um jeito! - insisti

-Eu vou descobrir,mas agora eu só quero a minha casa..

-Já estamos indo,ok? - Emilly assentiu e entrou no carro

* * *

-Beba o chá, vai te fazer bem.. - Emilly estava encolhida na cama e eu me sentei perto dela

-Obrigada,na verdade obrigada por tudo. Nunca imaginei que estaria aqui comigo novamente.

-Emilly,está na hora de termos uma conversa séria. - Emilly se sentou, sem entender o que eu queria dizer

-Sobre o quê..?

-Sobre nós dois. Não dá mais pra viver assim. Não mesmo!

-Do que está falando? - me olhou assustada

-Dos meus sentimentos. Achou que eu estava brincando antes de sair? - fiz ela lembrar da minha tímida declaração de amor,horas atrás

-Não faço ideia.. - riu,pelo nervosismo

-Faz sim,Emmy.. O que exatamente eu falei antes de sair?

-Para confiar em você..

-Seja específica. - forcei ela a dizer

-Você disse para eu confiar no homem que me ama. - respondeu com os olhos cheios de lágrimas

-Exatamente. E esse homem é simplesmente eu! - apontei para mim e Emilly riu

-Michael,não brinca assim comigo..

-Eu sei que esse não é momento ideal para eu dizer isso,mas eu não posso continuar mentindo pra mim. Meu amor por você nunca morreu, Emilly. Na verdade todos esses anos longe de você só me fez amá-la ainda mais. Eu deveria ter engolido meu orgulho e lutado por você, ido atrás da minha mulher.Mas eu fui fraco e perdi a garota mais incrível que já conheci nessa vida.

-Parece um sonho ouvir isso! - enxuguei suas lágrimas

-Não é sonho,princesa. Na verdade durante seis anos eu sonhei com isso e Deus me deu uma nova chance de dizer tudo que sinto por você. Sei que te magoei muito, que nunca te tratei da forma que merecia e..

-Não fala isso. - Emilly me cortou - A culpa foi minha também. Eu não soube ser a esposa que você precisava e não te apoiei o suficiente. Nós dois começamos errado.

-E você não acha merecemos uma segunda chance? Eu sei que tem medo de passar por tudo aquilo novamente, mas eu dou a minha palavra que farei de tudo para ter sua confiança, acredite em mim!

-Eu acredito,Michael. - Emilly sorriu - Tudo que está fazendo por mim me deixa emocionada. Você hora nenhuma duvidou de mim e é isso que está me dando forças pra enfrentar esse pesadelo. Eu te amo, sempre te amei,desde pequena. E também acho que sempre vou te amar. Você é insubstituível na minha vida.. Só com você eu experimento os mais complexos sentimentos. Me acalma, me dá nos nervos,me leva ao inferno! Mas eu não sei viver sem toda essa loucura na minha vida. Eu amo você..

  Ouvir Emilly se declarar para mim trouxe paz para o meu coração, que batia acelerado. Ao mesmo tempo,eu me culpo por ter demorado tantos anos para dizer isso à ela, por ter a feito sofrer e não ter sido sincero com meus sentimentos.
   Depois de separar nossos lábios, vi que ela sorria radiante,assim como eu. Emilly tirou minha jaqueta e minha camisa,e eu já estava bem "animado" imaginando onde terminariam nossos beijos.

* * *

   Acho que passamos quase a noite toda fazendo amor. Hora fazíamos com delicadeza, hora com mais violência. Isso fez bem à Emilly,pois ela conseguiu dormir o resto da noite.
   Só de imaginar o que ela vai enfrentar daqui a algumas horas me dói o coração. E eu me sinto um lixo, impotente por não conseguir fazer nada para ajudá-la. Por mais que eu saiba que Emilly é uma mulher forte e inabalável, eu sei que isso vai acabar com ela.
   Sua carreira sempre foi importante, e seu desejo de conquistar esse objeto foi motivo de inúmeras brigas nossas. E agora ver seu nome sujo e desonrado será um sofrimento para ela.

   Acordei mais cedo e continuei deitado na cama,ao seu lado. Logo a hora de Emilly ir na empresa chegaria, e se eu pudesse faria qualquer coisa para impedir.

-Continua.. - Emilly pediu quando parei de mexer no seu cabelo

-Já está acordada é?

-Tem um tempo já. Mas estava tão bom assim que fiquei quieta.

-Como se sente?

-Feliz e apreensiva. Feliz por você estar aqui comigo e apreensiva pelo meu destino.

-Não me conformo com isso! Ele não pode sair ileso!

-Michael,estamos na cidade grande, no mundo real. Aqui ninguém se importa em passar o outro para trás. Serei só mais uma na estatística..

-Detesto seu conformismo. Logo você que sempre foi teimosa!

-O que você quer que eu faça? - Emilly se sentou na cama - Que arrume um escândalo só pra piorar minha situação? Nada disso vai adiantar,Michael. Eu estive mas mãos de Eliot todo esse tempo!

-Me desculpe. Falar é fácil quando não estou no seu lugar. Mas é que não suporto vê-la passar por isso sozinha!

-Não estou sozinha. Tenho meu marido caipira do meu lado.. - forçou um sorriso fraco

-Sempre terá.. - puxei Emilly para perto de mim e a deitei nos meus braços - Você quer que eu te acompanhe?

-Não,isso não! Vou me sentir ainda pior se você me ver daquele jeito. Eu sei exatamente o que vai acontecer e não quero que assista à isso.

-Eu te entendo. Estarei aqui te esperando,ok?

-Eu sei que vai.. E é isso que vai me levantar. - Emilly apertou minha mão, encostando sua cabeça no meu pescoço e permaneceu em silêncio até o momento de encarar sua nova realidade.



Capítulo 32 

" Dentre todas as circunstâncias, eu tenho você ao meu lado.."


Emilly


    Me levantei normalmente,tomei um banho,me vesti elegantemente e fui para a empresa. Apesar de saber o que me espera,eu vou manter a minha cabeça erguida.
 Michael insistiu para me acompanhar, mas fui irredutível. Me sentiria mil vezes pior se ele estivesse lá para ver o que vai acontecer.
 Assim que botei os pés na recepção fui informada de que os coordenadores estavam à minha espera. Respirei fundo e cheguei ao andar que fica a sala de reuniões. Todos estavam lá, inclusive Eliot, que deu um sorrisinho debochado assim que me viu entrar.

-Foi bom ter chegado na hora. Assim poupará nosso tempo. - Carlson disse. Mentalizei mentalmente os conselhos que Michael me deu

-Bem, acho que podemos começar! - Eliot falou

-Como todos sabem, nossa empresa vem sofrido um rombo nas finanças. Depois de uma minuciosa investigação, nós descobrimos a justificativa para isso. - Carlson se dirigiu até mim e jogou uma pasta de folhas na mesa - Reconhece o número dessa conta, senhorita Emilly?

-Sim. É a minha conta pessoal. - um burburinho se formou após eu responder

-E foi justamente essa conta que está registrada nas transações bancárias. Toda a quantia está depositada diretamente nesta conta.Tem algo a dizer sobre isso?

-Independente do que eu disser sei que não vão acreditar. Mas o que posso dizer é que não tenho noção de como esse dinheiro foi parar lá!

-Ah por favor,Emilly! - Eliot riu - Vai usar esse discurso de que não sabia de nada? Logo você, uma mulher tão esperta e inteligente!

-Eu não tenho como provar,mas posso afirmar que isso não passa de uma armação. Eu fui usada como bode expiatório enquanto o verdadeiro culpado está impune!

-Então quem foi,Emilly? Quem? - Carlson insistiu

-Foi o Eliot,é claro! Tudo isso faz parte de uma vingança idiota pelo fiasco do nosso casamento,e principalmente por eu o ter deixado!

-Não ouse por meu nome na sua sujeira! - Eliot fingiu estar ofendido - Eu jamais teria coragem de prejudicar a empresa para suprir meus caprichos! Seja mulher e assuma a sua culpa!

-Exatamente! - Carlson afirmou - De todas as pessoas que trabalham aqui comigo,eu jamais poderia imaginar que logo você nos trairia!

-Como pode acreditar que eu faria isso? Eu trabalho aqui a anos,sou da sua confiança!

-Era! Era da minha confiança,Emilly. Agora não me restam dúvidas de que você nos roubou! Você sempre foi ambiciosa, Emilly!

-Não confunda ambição com ganância e falta de caráter! Quando a sua empresa estava quebrada,eu que dei tudo de mim para reerguê-la  e tenho a total certeza de que não preciso prejudicar ninguém para conquistar meus objetivos!

-Já chega dessa ladainha,Emilly. - Eliot disse - Não há argumentos para as provas!

-Sinto muito Emilly,mas não tive outra opção. - Carlson acenou para dois homens que estavam na porta. Me apavorei ao notar que eram dois policiais

-Isso não! - murmurei

-Levante-se,senhorita. - um dos policiais exigiu. Fiz exatamente o que ele pediu e me levantei

-Vão me prender?

-Lugar de bandido é na cadeia! - Eliot falou

 Sair algemada da sala da presidência,definitivamente não estava nos meus planos. Eu imaginei que no máximo seria demitida e sofreria um processo. Mas ser mandada para a cadeia me machucou ainda mais.

-Emilly,o que aconteceu? - Daniel veio correndo à minha direção

-Eliot conseguiu o que queria. Me ajuda,Daniel!

-Fique calma,estou indo pra delegacia também. Vou avisar o Michael,ok? - apenas assenti. Logo eu estava dentro da viatura sendo levada para a delegacia

 Por eu já ter passagem na polícia por conta da denúncia que Michael fez no dia do meu casamento, tive que ser levada para uma cela. Eu tentava manter a calma,mas por dentro eu estava assustada e amedrontada,pedindo a Deus para me tirar deste pesadelo.

-Até que enfim você chegou, Daniel! Você acredita em mim,não é?

-É claro que sim,Emmy! Sei que jamais faria isso,mas como esse dinheiro foi parar na sua conta?

-Adivinha? Eliot sempre roubou a empresa. Foi ele que me aconselhou a criar uma conta pessoal. Eu nunca desconfiei de nada e agora tudo está tão claro..

-Ele sempre teve essa intenção e agora que vocês romperam ele quis se vingar. Que canalha!

-O que vai acontecer comigo? Não me deixe ficar aqui,por favor! - apertei suas mãos

-Eu vou tirar você daqui. Vou agora mesmo conversar com o delegado.

-Emilly!! - Michael gritou correndo na minha direção

-Graças a Deus você chegou! - Michael me beijou por entre as grades da cela

-Eu sabia que deveria ter ido com você!

-Não mudaria nada,Michael.. Mas só de estar aqui comigo eu me sinto melhor!

-Por que te trouxeram direto pra essa cela?

-Já tenho a ficha suja,por isso..

-Por minha culpa! Se eu não tivesse te denunciado,você não estaria presa!

-Shi.. Não tem que se culpar. Você salvou a minha vida impedindo aquele casamento!

-Preciso fazer alguma coisa pra tirar você daqui!

-O Daniel foi resolver isso. Ele é meu advogado e tenho certeza que ele vai me tirar daqui,ele tem que conseguir!

-Ele vai! Logo você vai estar livre,amor. - Michael beijou minhas mãos e permaneceu com sua testa colada na minha

-Horário de visita acabou! - um carcereiro mal encarado veio avisar

-Eu não vou sair daqui! - Michael retrucou

-São ordens,senhor. Tem que ir embora

-Pois lhe digo que não vou! E aí? Vai fazer o que?

-Posso prendê-lo por desacato a autoridade!

-Então prenda! Estou me fodendo para o que vai fazer!

-Michael,para! - ele apenas piscou pra mim e continuou insultando o policial

 Não demorou nem dois minutos para ele ser algemado e colocado em uma cela ao lado da minha. Minha vontade era de socá-lo por ter feito isso,mas sua cara de safado de quem sabe o que está fazendo me desmontou. Michael se sentou no chão,encostado na grade e eu fiz o mesmo

-Você é louco,Michael?- perguntei

-Sou louco por você e eu faço qualquer coisa,ouviu?

-Até dividir uma cela comigo? - ele riu

-Até uma solitária imunda,bebê! - foi a vez de eu rir

-Só você pra me fazer rir numa situação dessas!

-Só estou cumprindo com os votos do nosso casamento. Prometi estar ao seu lado em qualquer situação,na alegria e na tristeza. E é isso que eu sempre vou fazer.

-Eu te amo,Michael. - alisei a pele macia do seu rosto

-Eu também te amo,gata. Vamos ter muitas histórias pra contar para os nossos filhos!

-Do jeito que as coisas andam,só vamos poder contar quando tiverem vinte anos!- rimos - Ainda dá tempo de juntar suas trouxas e voltar para o Alabama..

-E perder toda essa aventura? Nada disso! Com você eu enfrento tudo, minha loira oxigenada! - Michael me puxou pelo queixo e depositou um beijo suave nos meus lábios.

E naquele momento eu tive a certeza de que não importa o que aconteça,Michael sempre estará comigo, fazendo qualquer coisa para me deixar feliz e segura ao seu lado. Esse é um tipo de amor que acontece uma vez só na vida e eu não deixarei Michael escapar novamente.



Capítulo 33 

" O homem da casa"

Michael


   Depois de ficarmos três horas na delegacia, finalmente fomos liberados. Daniel pagou nossas fianças,mas a situação de Emilly continua complicada. Pelo menos ela vai voltar pra casa e isso já me deixa aliviado.

-Estão entregues. - Daniel disse ao nos deixar em casa

-Muito obrigada,Dani. Mas o que vai acontecer comigo agora?

-Você vai ter que responder ao processo e durante esse tempo,seus bens estarão bloqueados.

-O que? E como eu vou me virar?

-Vamos dar um jeito,amor. - lhe acalmei

-Escute o seu marido,Emilly. Vamos provar sua inocência o mais depressa possível.

-Deus te ouça.. Até mais,Daniel.

-Até. Qualquer novidade eu te ligo.

* * *

-Não fica assim,Emmy.. - falei ao deitarmos no sofá depois de sairmos do banho

-Eu estou bem,Michael. Não se preocupe..

-Você não me engana,baby. Nem fogosa no banho você estava! - ela riu

-É o cansaço do dia.. Michael, o que eu vou fazer sem emprego e sem dinheiro?

-Você só tem que confiar em mim. Sei que não ganho muito,mas é o suficiente pra gente se virar durante esse tempo. - lhe abracei forte

-Hm..Quer dizer que será o homem da casa?

-Sim. Agora você vai ter que me respeitar,mocinha! Como uma boa esposa tem que fazer!

-Vai sonhando! - ela riu - A festa do Eliot não vai durar por muito tempo.

-Por que tem tanta convicção disso?

-Só estou pensando em algumas coisas.. - suspirou - Mas vamos esquecer os problemas um pouquinho..

-Vamos sim.. - respondi ao lhe beijar carinhosamente

-Michael?

-Fala..

-Promete que vai entender qualquer coisa que eu fizer?

-Do que está falando? - me sentei para encará-la

-De nada específico,amor. Só quero ter a certeza que vai me apoiar sempre.

-Eu prometi que faria isso,não prometi? - falei ao colocar uma mecha do seu cabelo atrás da orelha

-Fico muito feliz em ouvir isso.. Tem algo que eu possa fazer para recompensar? - perguntou ao mordiscar meu queixo

-Quer mesmo que eu responda, Emilly? - ela riu - Tem muitas coisas sim,mas.. para ver sua estreia como dona de casa, eu quero que faça o jantar.

-Fumou maconha,Michael? Eu não sei cozinhar!

-Mas não é orelhuda,amor.. - Emilly me fuzilou com os olhos - Tenho certeza que vai me surpreender! - pisquei pra ela

-Não vai nem me ajudar?

-Posso ajudar dando os meus pitacos..

-Ah não! Você vai me atrapalhar, é melhor ficar ai!

-E eu vou mesmo! Me acorde quando estiver pronto..

   É óbvio que eu não ia dormir e perder a cena de Emilly cozinhando para o marido. No início do nosso casamento ela vivia me enrolando e quando finalmente cozinhava,era um desastre.
Eu não me aguentava de rir ao ouvir as panelas caindo ou seus xingamentos. Eu estava tentado à ajudá-la,mas quero ver como ela irá se sair sozinha. Depois de quase uma hora escuto seus passos se aproximando. Fechei meus olhos e ela, pensando que eu estava dormindo,veio toda carinhosa me acordar.

-Michael.. Chega de dormir,rapaz.. - só abri meus olhos quando ela me beijou

-Dormi muito ou você que demorou demais? - ela riu

-Fiz no tempo certo!

-E o que foi que você preparou?

-Ravioli ao molho branco. Seu preferido! - disse com um entusiasmo tão grande que eu até botei fé nela

-Opa! Então vamos lá.. - Emilly me puxou pela mão e me fez sentar na cadeira

-E então? - perguntou quando eu comi o pedaço.

-Misericórdia,amor!

-O que foi? - perguntou assustada

-Quase perco meus dentes! Querida, tem certeza que cozinhou a massa?

-É claro que sim!

-Por quanto tempo?

-Sei lá..uns cinco minutos..

-Cinco minutos,Emilly? Amor,isso não é macarrão instantâneo.. - ri

-Eu desisto! Nunca vou aprender a cozinhar,não presto pra nada!

-Não fala assim,sua boba. Você é ótima em várias coisas..

-Tipo o que? - fiz sinal para que ela se sentasse no meu colo

-Hm.. Em ser sexy sem fazer esforço, em cuidar da casa,cuidar de mim.. e o mais importante, ser perfeita na cama.. - falei ao beijar seu pescoço

-Só você pra me animar com esse papo furado..Mas eu gostei.

-Nós vamos pedir uma pizza e fica tudo certo,ok?

-Ok. Eu vo  u ligar pra pizzaria de um amigo meu. Você vai adorar!

Emilly saiu do meu colo e pegou o telefone para ligar. Enquanto isso, eu tirei a mesa e lavei os pratos, ouvindo a risada escandalosa de Emilly.

-Ah meu lindo,você sabe que sou sua fã número um,né? ... Pode deixar que eu vou ai te ver! ... Beijos, amor! - Emilly desligou o telefone e deu de cara comigo a olhando com os braços cruzados

-Eh animação.. Uhul!! - falei com ironia e Emilly riu

-Qual o problema ein?

-Nada.. Estou só observando seu ataque no telefone!

-Amor,o Lorenzo é um grande amigo meu!

-Meu pai também era amigo da minha mãe e olha eu aqui..

-Você me mata de rir,viu! Vem cá.. - Emilly me jogou no sofá e deitou em cima de mim,me beijando - Amo você. Nunca duvide disso!

-Eu também te amo. Te amo muito! - lhe abracei mais forte que o normal, com uma sensação de que a qualquer momento essa calmaria em que estamos vivendo vai acabar..



Capítulo 34 

" O estrago foi feito"


Emilly


 Desde a hora em que eu saí da cadeia já estava com uma ideia em mente. Na verdade tudo começou quando Eliot me fez a proposta. Eu deveria ter jogado com ele,mas meu lado emocional falou mais alto. E é por isso que tive essa ideia.
  Acordei antes de Michael e me arrumei rapidamente para ele não perceber. O único que por hora pode me ajudar é Daniel.

-Você enlouqueceu? - Daniel surtou assim que contei meu plano



                   

-Ah qual é? Tem tudo pra dar certo! Se eu for bem convincente,Eliot vai estar nas minhas mãos!



                   

-Michael sabe disso?

-Não ainda.. Eu pensei em falar com ele primeiro,mas eu o conheço. Michael é impulsivo,não entenderia de cara e eu não posso perder tempo!

-Tem noção da confusão que vai se meter? Já está mais que provado que o Eliot não é idiota!

-Eu sei qual é o ponto fraco dele, Daniel. Confie em mim. Hoje mesmo darei início ao nosso plano.

-E quando contará ao Michael?

-Assim que eu tiver a confiança do Eliot. Vai me ajudar ou não? - Daniel suspirou

-Tudo bem. Vou marcar o jantar de vocês para hoje. Espero que valha a pena o risco que está correndo.

-Vai valer. Eu tenho certeza! - sorri confiante

    Depois de conversar com Daniel, passei em um supermercado para comprar algumas coisas,caso Michael me pergunte aonde eu estava.
 Eu juro que estou odiando mentir pra ele,mas é minha única opção. Sei o quanto Michael é nervoso e provavelmente não permitiria que eu fizesse isso. Será por pouquíssimo tempo e logo nossa vida voltará ao normal.
 Cheguei em casa e quase caio para trás ao ver Michael varrendo o chão. Ou eu estou louca,ou ele realmente está arrumando a casa?

-O que está fazendo? - perguntei abismada

-Bem, eu acordei e vi que a minha loira de farmácia não estava em canto nenhum por exatas duas horas! Então resolvi me distrair arrumando a casa..

-Que graça você.. Eu deveria passar o dia fora,assim você fará uma faxina completa! - falei ao lhe dar um beijo

-Espertinha.. Estava batendo perna é?

-É.. eu fui dar uma caminhada e comprei umas coisas que você vai fazer para o almoço,garotão!

-Deixa comigo.. Amor,tava pensando  aqui.. nós dois bem que podíamos jantar fora hoje. O que você acha?

-Tem que ser hoje,amor?

- Quando você quiser. Não está afim de sair?

-É que.. eu marquei um jantar com os diretores de uma rede de publicidade de Nova York. Eles já me fizeram propostas e se eu conversar com eles,quem sabe não consigo um emprego? - detestei ter que mentir para Michael

-Nossa amor,isso seria fantástico! Espero que dê tudo certo! - puxei Michael para um abraço antes que ele me visse chorar

-Vai sim,meu amor..

-Você está bem,Emmy? Estou te achando distante..

-Não é nada. Só estou ansiosa para  resolver minha vida.

-E você vai conseguir. Estou aqui pra te ajudar..

* * *

O dia praticamente passou voando. Me sentia culpada por mentir para Michael,mas é por uma boa causa. E assim que eu desmascarar Eliot, Michael vai me entender.

-Uau! Você está maravilhosa.. - comentou ao ver meu reflexo no espelho




                    

-Vindo de você não vale!

-É claro que vale! - respondeu me abraçando por trás - Sabe que sou sincero e se digo que está maravilhosa é porque está gostosa!

-Seu safado! Não vou demorar,ok? - prometi me virando para encará-lo e alisar seus cabelos

-Vou te esperar aqui. Quer que eu te leve?

-Não! - Michael franziu o cenho - Não precisa,amor. O restaurante não fica longe daqui. Te vejo mais tarde,te amo!

-Também te amo. - respondeu ao me beijar. Peguei minha bolsa,tentei sorrir e saí para o meu encontro com Eliot

 Daniel me disse que conseguiu marcar o jantar com ele, que ficou surpreso ao saber do meu convite. Infelizmente teria que ser no seu apartamento,então entrei no meu carro e dirigi até o local marcado.

Michael


  Assim que Emilly entrou no elevador, coloquei minha jaqueta e saí logo em seguida. Não queria ter que fazer isso,mas conheço Emilly o suficiente para saber quando ela está mentindo ou escondendo algo de mim. E é isso que ela está fazendo.
 Pedi para o motorista do táxi seguir o carro de Emilly. Eu estava me lembrando exatamente do caminho que fazíamos. Derramei uma lágrima ao vê-la estacionando o carro na porta do prédio de Eliot.
 Paguei o taxista e desci do carro assim que ela entrou na portaria. Depois de uns dois minutos decidi entrar também. O porteiro já estava interfonando quando eu o parei.

- Se avisar que estou subindo é um homem morto! - só para garantir, tirei meu canivete do bolso e cortei o fio do interfone

 O elevador logo parou no oitavo andar. Eu tinha que arrumar um jeito de entrar no apartamento e então tive a ideia de usar a porta dos fundos. Com meu canivete consegui forçar a fechadura e cuidadosamente abri a porta.
 Andei a passos lentos pela cozinha até conseguir ouvir as vozes vindas da sala. Me escondi no corredor e pude ter uma boa visão de Eliot e Emilly bebendo vinho.



     

-Sinceramente eu não esperava sua visita.. - ele disse com um sorriso cínico

-Eu também não esperava,mas você não me deixou escolha. Tirou tudo que eu tinha!

-Você decidiu isso quando recusou se casar comigo!

-E é por isso que estou aqui.

-Seja mais clara,Emilly.

-Eu quero a minha vida de volta, Eliot. E infelizmente ela está nas suas mãos.

-Então agora você mudou seu discurso? E todo aquele papo de que eu tenho meu caipira e blá blá blá..?

-Eu gosto do Michael. Mas não posso abrir mão de tudo que eu conquistei por um homem que não será capaz de me recompensar. É a minha carreira e meu nome que estão em jogo.

-Essa foi a coisa mais inteligente que você disse até hoje!
- ele riu - Então ainda está disposta a se casar comigo?

-Faço qualquer coisa para ser a Emilly Cruz de sempre,até mesmo ter que me juntar a você.

 Não aguentei ficar ouvindo aquilo ou seria capaz de vomitar ali mesmo. Eu sabia que Emilly me escondia algo, mas eu não podia imaginar que ela seria tão baixa à esse ponto.
 Eu não sei o que pensar ou o que fazer depois de tudo que ouvi. É como se eu tivesse sido massacrado e o pior de tudo,pela mulher que eu entreguei meu coração novamente.




Capítulo 35 

" Agora eu o perdi de vez"

Emilly


  Depois de ter a conversa com Eliot, eu voltei pra casa. Dizer todas aquelas mentiras me doeu profundamente,mas o importante é que conquistei sua confiança,então me sinto pronta para dividir com Michael essa história.
Girei a maçaneta e abri a porta do meu apartamento. Não entendi nada ao ver duas malas encostadas na parede. Meu coração gelou ao ver Michael sentado no sofá na penumbra da sala. Acendi a luz e ele se virou para me encarar. Seus olhos estavam vermelhos e inchados.

-Conseguiu o emprego,Emilly? - Michael tinha os punhos cerrados

-Michael,o que está acontecendo aqui? Me responda!

-Você quer mesmo saber? - disse se levantando - Aconteceu é que finalmente eu descobri o tipo de mulher que você é,Emilly Cruz! - gritou

-Michael..

-Não! - me cortou - Não precisa perder seu tempo dando explicações pra esse caipira que não pode te recompensar nada!

-Michael,onde você ouviu isso? - perguntei com a voz trêmula

-Na casa do seu futuro marido, docinho! - senti medo do tom perverso da sua voz

-Droga! - levei minhas mãos à cabeça - Não era pra ter sido assim..

-Sinto muito estragar o seu brilhante plano! Mas não se preocupe,querida. Você vai se casar com o seu cúmplice e terá sua vida de volta!

-Michael,tudo que eu te peço é que me escute! - me aproximei,mas Michael me afastou rudemente

-Não encosta em mim! - gritou - Eu tenho nojo da mulher que você se tornou! E eu pensando que você tinha mudado, que ainda era a mesma Emilly com quem me casei. Mas na verdade você continua sendo egoísta e gananciosa!

-Eu não vou levar a sério o que está falando,porque sei que está alterado. Por Deus,Michael eu te amo!

-Mas ama mais o dinheiro, o poder, a sua imagem.. Como conseguiu ter estômago pra se vender pro homem que quis te destruir? Qual o próximo passo? Trepar com ele? - transferi um forte tapa em seu rosto

-Não admito que fale isso de mim! Não é possível que você não possa me deixar explicar!

-Explicar o que,Emilly? Eu já ouvi tudo o que precisava ouvir! - Michael pegou suas malas,mas eu corri para impedi-lo

-Não,Michael! Me escuta,amor.. Eu só não te contei antes porque tive medo da sua reação..

-Oh sim, você ia dizer " Ah meu amor, eu vou me casar com o Eliot pra recuperar meu dinheiro,mas você não se importa de me dividir com outro,não é?"

-Você entendeu tudo errado! É apenas um plano pra desmascará-lo, eu jamais voltaria a ter alguma coisa com ele!

-Cala a boca! Não quero ouvir uma palavra sua,ou melhor,não quero mais ouvir uma mentira que saia da sua boca!

-Michael..

-Sai da minha frente,não quero machucar você! - avisou enquanto eu impedia sua passagem

-Você não faria isso comigo!

-Então me deixe passar! Não quero ficar mais um minuto ao lado de um lixo feito você! - fiquei tão absorta com suas palavras,que Michael passou por mim e eu nem percebi - Ah, só mais uma coisa. - falou ao abrir a porta - Te darei seu tão sonhado divórcio pra se casar com o milionário que quiser. Adeus, Emilly!

  Assim que Michael bateu a porta,tudo que eu consegui fazer foi correr atrás dele,gritando seu nome,implorando para que ele voltasse.

-Michael,Michael volta aqui, por favor! - quanto mais eu chorava,mais ele me ignorava. Ele desviou dos meus braços e entrou no elevador

  E ele se foi. Michael foi embora da minha vida e eu tenho certeza que dessa vez é definitivo. Voltei para o meu apartamento,agora vazio. Eu me sentia tão fraca que me sentei no chão e coloquei pra fora todas as lágrimas de desespero e dor.
  Por que eu fui fazer uma coisa dessas sem falar com ele antes? Tudo por conta do medo dele não aceitar,e pior,arrumar outra briga com Eliot.
   Se eu continuasse chorando sentada no chão,eu enlouqueceria. Decidi ligar para Daniel,ele é o único que pode me ajudar,ou pelo menos me acalmar.

-Emilly? - Daniel abriu a porta - Emmy! - gritou assustado ao me ver deitada encolhida no chão - O que aconteceu,meu anjo? Eu não entendi nada do que estava falando!

-Acabou,Daniel.. Michael me deixou.. - consegui falar em meio aos soluços

-Como ele soube disso?

-Ele me seguiu..

-Oh Emilly..

-Não me dê sermão,por favor.. - Daniel me abraçou

-Não vou te dar sermão agora, querida.. Você explicou pra ele?

-Eu tentei,mas ele não quis me ouvir. Eu nunca vi ele daquele jeito.. - mais uma torrente de lágrimas me interrompeu

-Eu vou conversar com ele,fica calma!

-Não vai adiantar,Daniel. Eu conheço o Michael e sei que ele não vai acreditar!

-Então o que vai fazer agora?

-Eu quero morrer,sumir do mapa!

-Não vou permitir que desista assim tão fácil! Você conseguiu a confiança do Eliot,agora tem que desmascará-lo para provar ao Michael que você está falando a verdade!

-Você está certo.. Eu vou dar a volta por cima e colocá-lo na cadeia! Mas acho que mesmo assim o Michael não vai querer mais saber de mim..

-Emmy,calma.. Ele está de cabeça quente,tenho certeza que vocês vão se entender. Agora você tem que descansar,olha o seu estado!

-Não vou conseguir dormir sem saber pra onde ele foi! E se ele se perder de novo?

-Michael é um homem esperto, Emilly. Ele está bem,não se martirize com isso. Amanhã vai ser um novo dia e tudo vai se resolver.

-Você acha?

-Estou aqui pra te ajudar,eu e a Megan. Você não estará sozinha,ok?

-Obrigada.. - deitei minha cabeça na sua perna e aos poucos o calmante que tomei fez efeito e eu apaguei



Capítulo 36 

"Como tirar alguém do coração?"


Michael


   Depois de enfrentar Emilly,peguei todas as minhas coisas e saí sem rumo. Por sorte eu já conhecia alguns lugares da cidade e me lembrei de um hotel que fica perto do meu trabalho.
 Acertei a diária e subi para o quarto. Minha cabeça estava a mil, tudo que eu pensava se resumia em Emilly. Ainda não me conformo dela ter se vendido para o desgraçado do ex-noivo dela, e agora futuro marido. Sei que vai ser difícil,mas vou tirar Emilly do meu coração de uma vez por todas.

* * *

 Acordei com o toque infernal do meu celular em cima da mesa de cabeceira. Abri meus olhos minimamente e vi registrado o nome de Lili na tela.

-Alô..?

-Michael? Cadê você,homem? Está atrasado!

-Merda.. Me esqueci completamente da hora. Já estou chegando! - desliguei rapidamente e me levantei às pressas

 Tomei um rápido banho e vesti a primeira roupa que encontrei na mala. Tudo que eu menos posso agora é perder meu emprego. Eu poderia até mesmo voltar para o Alabama,mas não vou dar esse prêmio pra Emilly. Vou mostrar à ela que eu não sou o caipira ingênuo que ela pensa.

(...)

-Michael,você está bem? - Lili perguntou ao me ver encostado no balcão





-Tudo certo..





-Mentira.. - riu - Michael,o pouco que eu te conheço sei quando está com algum problema. Brigou com a sua mulher?

-Foi a briga do século,Lili! E dessa vez acabou tudo..

-Nossa,foi tão sério assim? Você aprontou alguma,não é?

-Por incrível que pareça,não. Eu fui a vítima dessa vez. É como aquele ditado,tudo que vai volta. Eu traí Emilly no passado e agora ela fez o mesmo comigo. E pior,tudo isso por dinheiro!

-Nossa,Michael! É difícil acreditar nisso. Você me contava tantas coisas sobre vocês.. E ela parece que te ama!

-Mas ama mais o dinheiro e o status que ela sempre teve. Emilly não suportou a ideia de perder tudo que tinha. Poxa Lili, eu falei tantas vezes pra ela confiar em mim,que juntos nós começaríamos do zero..

-Oh meu amigo,imagino a decepção que está sentindo.. Nem sei o que dizer.

-Não precisa dizer nada, aliás é até bom. Quero esquecer que Emilly passou na minha vida,agora sou eu que faço questão de me separar dela!

-Você tem certeza que não há mais nada pra ser feito?

-Tenho sim. Emilly é um erro para nunca mais se cometer! Agora me fala de você, já contou aos seus pais sobre o bebê?

-Ainda não tive coragem.. Toda vez que inicio o assunto eu travo!

-Não pode esconder por muito tempo. Já está de dois meses,logo a barriga vai crescer.

-Eu sei.. E isso me apavora,ainda mais pelo fato do Jake não dar a mínima!

-Mas que filho da puta! Te engravida e sai fora? Babaca!

-É melhor ele longe de mim. Jake é um canalha e eu não quero ele perto do meu filho!

-Você que sabe. Mas qualquer decisão que tomar,saiba que eu tô aqui pra te ajudar. - lhe dei um beijo na testa

-Obrigada,Mike..

Emilly


  Minha manhã foi a pior impossível. Não sentia fome,sede e nenhum ânimo pra nada. Daniel até que tentou me levantar,mas foi em vão. Eu queria passar o resto do dia debaixo das cobertas,mas fui surpreendida pela ligação de Eliot, que queria sair comigo hoje.
  Pensei nas palavras de Daniel e decidi aceitar. Eu já perdi Michael, então esse sacrifício tem que valer a pena. Vou provar minha inocência e colocar esse banana na cadeia.
 Darei início ao meu plano hoje. Tomei meu banho e fiz uma maquiagem caprichada para esconder as olheiras. Tenho que ter muito estômago para suportar esse desgraçado.

-Uau! Você está magnifica! - comentou ao me receber em sua casa






-Obrigada.. E então? Qual o motivo desse jantar?





-Temos que celar nossa união, querida. Além do mais temos que acertar nosso casamento. Já falou com o caipira? - fechei meus olhos para controlar a raiva

-Sim. Michael saiu de casa ontem e garantiu que me dará o divórcio.

-Nossa! Viu como foi fácil? Quando você quer uma coisa,você consegue sem esforço! - riu

-Você tem razão. Em breve vamos nos casar. Mas agora me responda, o que vai ganhar se casando comigo?

-Eu já disse,amor. Meu maior sonho é ter aquela empresa só pra mim. E eu vou ter!

-Por que é tão obcecado por ela?

-Eu vou te falar meus motivos. Durante muitos anos a minha mãe teve um caso com o Sr. Carlson. Ele prometeu que ia se divorciar e se casaria com ela.

-Meu Deus! - falei boquiaberta

-Mas aquele velho desgraçado só quis enrolar minha mãe. A deixou a ver navios,e pior,grávida!

-Grávida? E você era o filho?

-Sim,era eu. Ele obrigou minha mãe a fazer um DNA e forjou o exame, dando negativo!

-Forjou o exame ou sua mãe quis dar um golpe?

-Não ouse falar dela! - gritou - Minha mãe jamais mentiria! É por isso que eu quero essa empresa, porque tudo aquilo lá é meu por direito!  - decidi mudar de tática. Está na cara que Eliot é louco, então fingirei que estou ao seu lado

-Você está certo. Se você é o filho do Carlson,nada mais justo que você ter a sua herança.

-Você está falando sério?

-Estou Eliot, imagino como seria eu na sua situação,faria o mesmo!

-Está vendo como nos damos bem, Emilly? Nós juntos vamos derrotar esse velho e a empresa será nossa! - disse com entusiasmo. Seus olhos brilhavam de satisfação,e trabalhar com um Eliot emocionalmente conturbado será ainda mais fácil arrancar a verdade dele

-Será sua por direito! - sorri mostrando que ele pode confiar em mim - Posso ir no banheiro?

-Mas é claro,meu bem! Você já sabe onde é. Enquanto isso vou ver como está nosso jantar.

-Licença..

 Assim que vi Eliot entrar na cozinha, fui direto para o seu escritório,que fica no mesmo corredor do banheiro. Tirei da minha bolsa a microcâmera e o microfone. Instalei-os em uma de suas esculturas,postas de frente para sua mesa. 
 Assim que terminei o serviço,voltei direto para a sala. Tenho que ser sutil para Eliot não desconfiar de nada. A primeira parte do plano foi feita, agora posso saber todos os passos que Eliot vai fazer em relação à vingança.



Capítulo 37 

" Já faço parte do passado"


Emilly


   Duas semanas desde toda a confusão em que eu me meti. Duas semanas sem ver Michael,ou falar com ele. Na verdade eu tenho medo da reação dele, não sei se ele ainda está bravo ou apenas decepcionado. Mas agora eu decidi procurá-lo, sei que será uma tarefa difícil,mas preciso contar a verdade de qualquer jeito.
  Passei a noite toda acordada e o resto do dia pensando no que farei quando eu o ver e agora estou na porta da loja em que ele trabalha. Já estava quase anoitecendo, então logo a loja fecharia. Respirei fundo e saí do carro. Escutei várias pessoas rindo e conversando,parecia que tinha uma festa acontecendo. Entrei ainda com receio,mas eu não ia dar pra trás agora que já estou aqui. 
 Me escondi atrás da porta para ver   o que estava acontecendo. Michael estava rindo alegremente abraçado a mesma garota que foi na minha casa. Além deles tinham mais algumas pessoas bebendo alguma coisa. 
 Pro meu azar a minha bolsa encostou em uma prateleira chamando a atenção deles. As outras pessoas continuaram o que estavam fazendo,mas Michael veio até mim,ainda abraçado na garota.

- A loja está fechada,não percebeu? 

-Michael, precisamos conversar! Por favor,me deixa explicar!

-De novo isso,Emilly? - disse com frieza - Eu não estou nenhum pouco afim de te ouvir,vá embora!

-Michael, é melhor eu deixar vocês a sós.. - a garota falou

-Nada disso,meu anjo! Estamos comemorando o seu aniversário e eu não quero que nada estrague isso!

-O que quer que eu faça pra você me ouvir? - gritei

- Quero que me deixe em paz,só isso! Ou melhor,que nos deixe em paz! - disse olhando pra Lili

-Como é?

-Não percebeu que está sobrando aqui? - assim que terminou de falar, Michael agarrou a cintura de Lili e lhe puxou para um beijo demorado

 Senti as lágrimas se formarem e mais que depressa eu saí dali. Já dentro do meu carro, permiti que todas as minhas lágrimas caíssem.  E onde está todo o amor que ele dizia sentir pra mim,se em apenas duas semanas já está com outra mulher? Pelo jeito eu já sou passado para Michael. E eu morrendo de remorso,com medo de ter o machucado!
   Mas agora sou eu quem o quer longe de mim. Eu posso ter errado, mas o que ele fez foi pior. Beijar aquela garota na minha frente apenas pelo prazer de me machucar foi demais.
 Escutei duas batidas na janela do meu carro. Quando levantei meu rosto dei de cara com Michael. Saí do carro e me coloquei na sua frente.

-O que quer comigo? Por que não volta pra sua festa?- gritei

-É,eu vou voltar sim. Mas antes quero pedir pela última vez que não me procure mais!

-Está ficando com aquela garotinha?

-E se eu tiver? Hum? Não é da sua conta! - ri

-Uau! O maior galinha que eu já conheci está namorando uma ninfeta! Que lindo..

-Quem é você pra falar da Lili? Ela é  muito mais mulher que você. Tem caráter e dignidade!

-Nossa! Então é isso que acha que eu sou?

-Exatamente. Lili não se compara à uma mulher vazia,fútil e gananciosa como você!

-Me dê licença! - pedi com a voz embargada

-Não aguenta ouvir a verdade,não é? - riu

-Sai logo da minha frente! - gritei o mais alto que consegui. Empurrei Michael e entrei no meu carro - Eu espero que sofra muito quando souber a verdade. Até nunca mais, Michael! - acelerei com toda a força que eu tinha e saí daquele inferno

   Não sei como consegui dirigir até em casa. Eu estava nervosa, sentia raiva de mim,e principalmente ódio de Michael. Mas eu não ia mais chorar por ele. Hoje posso concluir meu plano e não vou deixar que Michael estrague isso. 
 As oito horas em ponto cheguei na casa de Eliot. Nessas duas semanas conquistei ainda mais sua confiança e a cada dia que passa tenho mais certeza que ele está perturbado.

-Aceita mais vinho,querida?

-Claro! Você me acompanha? - pedi, jogando charme

-Sempre,minha princesa! - brindamos nossas taças e eu apenas fingi beber o vinho

 Hoje decidi terminar com meu plano. Pelos vídeos que  assisti da câmera,sei exatamente o que Eliot fez para me incriminar. Vi quando ele chegou com algumas pastas e agora eu preciso encontrá-las. 
 Coloquei uma dose de sonífero no seu vinho e só esperei o momento do remédio fazer efeito. Quando ele apagou, rapidamente me levantei e fui até o escritório.
 Revirei todos os armários,as prateleiras e as gavetas,e não encontrei nenhuma pasta que eu estava procurando. Mas apenas uma gaveta estava trancada, só pode ser essa!
 
-Merda, como vou abrir isso? - não tinha chave em nenhum lugar,então minha única opção era socar a fechadura até ela se romper

 Peguei uma escultura de gesso que achei em cima da mesa e a usei para forçar a gaveta a se abrir. Quanto mais eu socava,mais difícil se tornava minha tarefa. Já estava pensando em desistir quando a fechadura caiu e finalmente consegui abrir a gaveta.

-Isso,Emilly!! - tirei de dentro dela todos os papéis que haviam lá

 As pastas estavam repletas de transações bancárias, principalmente as feitas na minha conta pessoal. É isso que preciso para provar que Eliot que está roubando a empresa. 
 Coloquei as pastas na minha bolsa e já estava me preparando para sair quando ouvi a porta se abrindo. Meu coração gelou só de pensar na possibilidade de ser Eliot.

-Eu devia imaginar que você estava aprontando alguma coisa. Afinal, é isso que se espera de uma vadia! - me virei para encará-lo e me apoiei no balcão,segurando firmemente minha bolsa

-Achou mesmo que eu ia me vender pra você? É óbvio que não!

-Desgraçada! E eu cheguei a acreditar em você! Mas não tem problema,me livro de você em dois tempos! - Eliot pulou em cima de mim com suas mãos envolvidas no meu pescoço

-Me solta,Eliot! - tentei gritar para que ele me soltasse. Consegui levar minha mão até um enfeite e acertei com força na sua cabeça.

 Aproveite que ele estava cambaleando e o empurrei para o chão. Quase caí quando ele agarrou meu pé,mas consegui chutá-lo e me levantei rapidamente.  O elevador estava no primeiro andar,até ele chegar Eliot já teria me pegado. Decidi descer as escadas assim que ouvi seus passos se aproximando. 
 Quase saí rolando pelos degraus ,mas consegui chegar no hall. O elevador também descia,isso quer dizer que Eliot foi mais rápido que eu. Tirei a chave da bolsa e entrei no carro antes que Eliot viesse até mim.
 Me desesperei ao ver que sua moto estava estacionada perto do meu carro. Só foi o tempo dele montar na moto e colar atrás de mim. Pisei com mais força no acelerador e meu carro passou a voar na pista. 
 A chuva fina foi se intensificando. Eu não enxergava nada além do farol de Eliot na minha traseira. Desviei meu carro para a contra-mão para evitar a colisão com o outro veículo.
 Eliot conseguiu me alcançar e ficamos um do lado do outro. Fiquei tão desesperada ao vê-lo apontar uma arma pra mim que não prestei atenção no carreta que vinha na minha frente.
  Me despertei com a buzina estridente e minha única saída foi jogar o carro para o acostamento. Mas meu carro derrapou e eu perdi o controle da direção. Ouvi um estrondo dos vidros se rachando e um forte impacto em seguida, me fazendo enxergar apenas a escuridão.




Capítulo 38 

"Reparando meus erros"

Michael


   Me senti mal por ter beijado Lili de propósito na frente de Emilly. Nós não estamos juntos,até pedi desculpas por tê-la beijado. Eu queria machucar Emilly da mesma forma que ela fez comigo. E não satisfeito,fui atrás para ofendê-la ainda mais.
   Voltei para o hotel e por algum motivo,ela não saía do meu pensamento. Por várias vezes pensei em ir na casa dela,mas meu orgulho me impedia. Decidi,por fim, tentar dormir de novo.
Quando consegui cochilar,meu celular tocou. O número era desconhecido pra mim e eu quase não atendi. Mas a pessoa era insistente,então aceitei a ligação.

-Alô? - perguntei sem paciência

-Com quem falo? - a voz masculina perguntou

-Michael Jackson. O que deseja? - falei já fechando meus olhos novamente

-O senhor confirma conhecer Emilly Cruz? É sua esposa?

-Sim,ela é. Por que?

-Ela deu entrada na emergência do nosso hospital a pouco mais de uma hora.

-O que? Mas o que aconteceu? - gritei apavorado

-Acidente na rodovia principal. O carro da sua esposa capotou,não sabemos ainda o motivo,mas parece que ela perdeu o controle da direção.

-Ela está bem,não é? Fala pra mim!

-Não sabemos ainda senhor..

-Eu estou indo pra aí agora! - joguei meu celular em qualquer canto e me vesti correndo

   Felizmente achei um táxi disponível e pedi que dirigisse o mais depressa possível para o hospital. Meu corpo todo tremia só de imaginar o que pôde ter acontecido para Emilly bater com o carro.
  Fui despertado dos meus pensamentos quando o taxista informou que havíamos chegado. Paguei sem ao menos conferir quanto custou e entrei correndo para a recepção do hospital.

-Boa noite,eu quero notícias de Emilly Jackson!

-O que o senhor é dela? - a recepcionista perguntou

-Sou marido. Como ela está?

-Não sei,senhor. Só o médico pode lhe dizer..

-Com licença, o senhor é marido da moça que chegou aqui? - um homem vestido de jaleco me perguntou

-Sim, sou marido da Emilly. Meu nome é Michael. Você atendeu ela?

-Sim,Michael. Fiz os primeiros socorros,agora ela está em cirurgia.

-Mas o que aconteceu com ela?

-Só ela pode nos contar exatamente. Ela provavelmente perdeu o controle da direção e o carro capotou batendo de frente com outro veículo. Foi perda total.

-Não importa o carro e sim ela!

-Entendo senhor. Ela chegou bem machucada,mas estava consciente por parte do tempo. Conseguimos recuperar os pertences dela e descobrimos seu número no celular. Pelo sobrenome, constatamos que ela seria sua esposa.

-Eu preciso vê-la, por favor! - implorei

-Sinto muito,mas ela está em cirurgia. Ela falou o tempo todo para pegar a bolsa dela,para não deixar que ele a encontrasse.

-Ele quem? E que bolsa?

-Ela estava muito confusa. Mas aqui está os seus pertences. - o doutor me entregou a bolsa de Emilly

-Verifique se está tudo em ordem, os documentos..

-Pode deixar.

-Eu volto com notícias,com licença.

   Me sentei na cadeira para tentar absorver a notícia. Eu não tinha nem cabeça para mexer na bolsa de Emilly,mas ou eu me distraía ou teria um infarto.
   Sua bolsa estava toda revirada e diversos papéis amassados. Fiquei curioso ao ver aquelas pastas e decidi abrir. Me surpreendi ao ver que eram os documentos de Eliot. Folheei as páginas e constatei que se tratavam de transações bancárias para uma conta de Emilly.
   Foi então que a minha ficha caiu. Esses documentos provam que Emilly foi usada como laranja para Eliot roubar a empresa. E se esses papéis estão em seu poder,é porque ela me falou a verdade. Emilly só queria enganá-lo para poder tirar as provas dele.
   E eu fui completamente cego por não acreditar na sua explicação. Emilly se arriscou e eu a deixei sozinha com esse monstro. Mas por que ela não se abriu comigo? Por que?
   Deus sabe o remorso que estou sentindo por todas as atrocidades que eu falei pra ela. Emilly precisava de mim e tudo que eu fiz foi ofendê-la e julgá-la sem deixar que ela se explicasse. E agora eu sei que eu posso ter perdido a minha garota pela burrada que eu fiz.

* * *

  Já estava quase amanhecendo e eu não tinha nenhuma notícia de Emilly. Também não tive cabeça pra ligar para os seus amigos e avisar o que aconteceu. Antes de qualquer coisa eu tinha que vê-la.

-Sr. Jackson? - o mesmo doutor veio me chamar

-Ah, oi Dr. Matt.. Alguma notícia?

-Tenho sim.. A cirurgia terminou e a sua esposa já foi para o quarto.

-E como ela está?

-Agora ela está bem. Sua mulher chegou muito machucada,o impacto do acidente foi forte,por sorte ela não sofreu nenhum traumatismo. Quebrou um braço,duas costelas e está com escoriações pelo corpo. Mas o importante é que conseguimos estancar o sangramento e agora ela passa bem.

-Graças a Deus! Eu posso vê-la?

-Pode sim,mas por pouco tempo. Ela precisa de muito descanso, principalmente nas próximas horas.

-Tudo bem, onde é o quarto?

-Vem,eu vou te mostrar..

  Me doeu ver Emilly neste estado. Sua cabeça estava enfaixada, assim como seu braço. Seu rosto estava com vários machucados e um profundo corte nos lábios.
  Me sentei ao seu lado na cama e passeei meus dedos por sua pele. Se eu tivesse deixado ela se explicar quando me procurou ontem a noite, Emilly não estaria nessa cama de hospital.

-Me desculpe,amor.. Eu fui um idiota, um ogro como você costuma me chamar.. Eu estava cego de ciúmes e não quis enxergar o óbvio. Eu prometi que te apoiaria em qualquer situação e na primeira oportunidade eu te julguei sem querer te ouvir. Você sabe que eu faço tudo errado,mas eu te amo Emilly, amo tanto que me mata te ver desse jeito. Eu vou ficar aqui ao seu lado até que volte a ser a minha Emilly encapetada que você é. Eu te amo,coisinha linda.. Te amo. - dei um beijo de leve e com muito cuidado em seus lábios, pedindo a Deus para tirar ela dessa situação
.

Emilly


   Escutei um barulho chato que parecia ser de algum aparelho. Depois de um tempo percebi que era um desse aparelhos que controla a frequência cardíaca. 
   Eu sentia todo meu corpo doer e tentar abrir meus olhos, era impossível. Eu já estava me desesperando por tentar me despertar e não conseguir. Senti uma mão firme tocar minha pele e pude escutar alguns ruídos.

-Não fique nervosa,meu amor.. - meu coração disparou quando ouvi sua voz doce próxima ao meu ouvido

  Consegui abrir meus olhos e reparei que eu estava em um quarto de hospital. Já estava imaginando em que merda me meti dessa vez.
  Pisquei mais algumas vezes e vi que Michael estava com sua cabeça encostada na minha. Ele acariciava minhas mãos com muita delicadeza.

-Michael..

-Emmy? Como se sente,meu bem? - Michael enxugou seu rosto molhado e me abraçou

-Por que eu estou aqui? Eu tenho que sair daqui.. - falei tentando descolar os fios do meu corpo

-Hey,não pode fazer isso! - Michael me impediu 

-Há quanto tempo estou aqui? - perguntei confusa

-Já fazem três dias. Você sofreu um acidente,não se lembra?

-Espera.. - as lembranças começavam a vir na minha cabeça, e eu me apavorei por imaginar se Eliot conseguiu me pegar - As pastas,cadê as pastas? Onde ele está agora?

-Calma,Emilly! Por favor,se acalme.. Está tudo sob controle, não se preocupe. Sua bolsa está comigo, a bolsa e os documentos..

-Como assim estão com você?

-O doutor entregou pra mim. Você estava fugindo do Eliot, Emilly? - não quis responder, na verdade não quero nem olhar pra cara do Michael - Emilly,eu estou falando com você!

- Eu não sei do que está falando..

-Sabe sim,para de mentir para o seu marido! 

-Não estou mentindo,só não quero falar com você!

-Está emburrada.. - concluiu - Emilly, se ele fez isso com você,eu preciso saber! - respirei fundo

-Eliot descobriu que eu estava o enganando. Ele me flagrou mexendo no seu escritório,nós brigamos e eu consegui ir embora. Só me lembro de fugir dele e uma carreta ou carro na minha frente.. Mais nada.

-Emilly,por que não me contou a verdade?

-Você não deixou!

-Estou falando de antes! Se tivesse me contado,nada disso teria acontecido!

-Não grita comigo..

-Desculpa.. - pediu ao beijar o dorso da minha mão - Só quero entender porque mentiu pra mim..

-Imaginei que não me apoiaria na minha decisão..

-É óbvio que não! Acha que sou homem de deixar a minha mulher se meter com um doente? Jamais!

-Viu? É por isso que eu fiquei quieta. Mas você foi um idiota e estragou tudo!

-Você que agiu por impulso,mentiu pra mim e eu que estraguei tudo?

-Tá brigando comigo enquanto eu estou numa cama de hospital? - fingi estar ofendida

-Ahh Emilly!! Droga,você consegue me por de vilão nessa história e em meio minuto tenho que me rastejar aos seus pés!

-Não adianta rastejar! Depois do que você fez comigo,eu tô me lixando pra você!

-Tá nada..

-Estou sim! - gritei

-Me perdoa,Emmy.. Você sabe que eu sou esquentado. Só queria te machucar.

-E ainda confessa?

-Ué.. mas é verdade. Me perdoe por isso,eu estava magoado e queria que sentisse o mesmo..

-E conseguiu! Parabéns,seu caipira desgraçado! - tentei jogar a bolsa de soro em Michael,mas gemi pela dor

-Bem feito. Porra,já falei pra não fazer esforço,teimosa! O que posso fazer pra que me perdoe?

-Você pode ir embora e me deixar sozinha!

-Sem chance! Sou sua única família, então não adianta me mandar embora!

-Você é um pé no saco! Mas é sério, eu quero ficar sozinha.

-Tudo bem.. Temos muito o que conversar,mas agora você precisa dormir. Volto mais tarde,bonequinha engessada! - Michael beijou minha testa e saiu do quarto

-Sai daqui e encapetada é a sua avó! 


  E nem adianta ele vir com essa conversinha fiada. Michael não economizou nas ofensas,então ele que se lasque! Não vou me render aos seus encantos,não mesmo!



Capítulo 39 

" A despedida"

Michael


   Convencer Emilly a me perdoar será uma tarefa difícil. Achei melhor deixar nossa conversa para depois. Emilly precisa de descanso, apesar de estar toda esquentadinha, ela inspira cuidados.
  

(...)
  
  Já faz uma semana que Emmy está internada e em todos esses dias eu fui vê-la,mesmo contra sua vontade. Hoje ela terá alta e queria que Daniel a levasse pra casa,mas quem vai fazer isso sou euzinho. 
   Abri a porta do quarto e encontrei Emilly terminando de colocar seu vestido. Vi que ela estava com dificuldades para abotoar,então me prontifiquei a ajudá-la.

-Deixa que eu cuido disso. - Emilly permitiu que eu fechasse o seu vestido

-Por que veio? - perguntou

-Porque hoje você terá alta,ou achou que eu ia deixar ir pra casa sozinha?

-O Daniel vai me levar!

-É..mas o Daniel tá ocupadinho..

-Não acredito em você.

-Eu também não. Agora vamos. Consegue andar numa boa?

-Consigo.. Meu rosto tá horrível!

-Sempre foi.. - falei baixinho

-O que? - gritou furiosa

-É brincadeira! Seu rosto está bem melhor do que quando chegou aqui, logo vai sumir esse machucadinho.. - falei ao acariciar seu rosto. Emilly fechou os olhos,mas logo se afastou de mim

-Então vamos,né?

-Sim,senhora..

(...)

-Quer que eu te coloque na cama ou quer ficar aqui na sala mesmo? - perguntei assim que chegamos na sua casa. Emilly estava no meu colo, devido as dores que sentia

-Me deixa aqui no sofá. - fiz o que ela pediu e me sentei ao seu lado - Obrigada.

-Precisa de mais alguma coisa?

-Não.. Está fazendo isso por remorso,não é?

-Como? Acha que estou aqui por culpa ou pena?

-Tenho certeza! - falou sem olhar na minha cara

-Emilly,vamos conversar? É sério!

-O que quer conversar,Michael? Não tem o que conversar!

-E tudo o que falamos um para o outro? E quanto ao nosso amor? Você esqueceu de tudo isso?

-Você que parece ter se esquecido! Michael,não estou me eximindo de culpa. Eu errei sim em te esconder a verdade, mas as coisas que você disse pra mim me machucam até agora!

-Eu só estava nervoso..

-Não,você disse o que realmente pensa de mim. Que eu sou vazia, ambiciosa,egoísta.. Você sempre pensou assim! - seus olhos se encheram de lágrimas

-Emilly..

-Fala a verdade,Michael.. Eu não vou ficar mais magoada do que já estou.

-Se põe no meu lugar,Emmy! Ouvir você falando aquelas coisas para o Eliot realmente me fez pensar que você seria capaz de tudo para ter seu dinheiro de volta. Eu exagerei nas ofensas,não nego. Mas eu sou humano!

-Sabe,Michael.. Isso tudo só serviu para uma coisa.

-E para o quê?

-Provar que não nascemos para ficar juntos. Se não deu certo antes, por que raios iria dar desta vez?

-É sério isso?

-Sim. Continuamos os mesmos de antes, cometendo os mesmo erros e isso não vai mudar!

-Emilly,isso é o fim?

-Sim,Michael. - soluçou - Esse é o fim da nossa tentativa de reatar o casamento.

-Você sabe que se eu sair daqui será definitivo,não sabe?

-Eu sei. - afirmou com os olhos fixos no chão

-E sabe que iremos nos divorciar também,não sabe?

-Eu sei,tá legal?

-Ok.. Posso pedir uma coisa?

-Pode. O que você quer?

-Você, nem que seja pela última vez. - me aproximei de Emilly

-Do que você tá falando..?

-Estou falando que preciso te amar, Emilly.. Mesmo que fique só na minha memória,como uma despedida.. - falei ao lhe dar um beijo no pescoço

  Reparei que tinham marcas de dedo no local, na hora imaginei do que se tratava, mas não queria estragar nosso último momento juntos. Emilly tem razão, não conseguimos lutar pela nossa segunda chance. 
   Talvez seja melhor para os dois. Resolvemos nossas pendências e poderemos seguir com nossas vidas,mas agora tudo que meu coração pede é para amá-la como nunca fiz antes para gravar na minha memória a última vez que terei meu amor nos meus braços.

-Michael..

-Por favor,Emmy.. Eu sei que você também quer.. Depois deixarei você em paz para sempre. Não é isso que você quer?

-Aham.. - percebi incerteza no seu tom de voz

-Fica comigo só essa noite.. - Emilly não me respondeu. Em vez disso, ela se sentou no meu colo e me beijou apaixonadamente

  Encarei isso como um sim. Ao mesmo tempo que eu me alegrei, meu coração sangrava ao saber que depois dessa noite será o nosso fim.

-Prometo pegar leve com você.. - de fato eu queria ir com calma não só pela sua condição,mas porque dessa vez eu quero absorver todas as sensações que sinto quando estamos juntos

  Levei Emilly no meu colo para o quarto. A deitei delicadamente na cama e tirei seu vestido. Eu queria gravar cada detalhe do seu corpo, cada reação à um toque meu, e a cada carícia trocada.
   Emilly me ajudou a tirar minha camisa e com cuidado me deitei em cima do seu corpo. Suas mãos passearam pela  minha pele, seus olhos brilhavam,fixos nos meus.
   Tirei seu sutiã e fiz uma massagem carinhosa nos seus seios. Emilly gemia baixinho no meu ouvido, com seus dedos embolados no meu cabelo. Eu não conseguia parar de beijá-la, e quando o fazia,era para distribuir beijos pelo seu corpo.
   Emilly rapidamente desceu minha calça jeans junto com a minha cueca e sorriu ao ver como eu estava pronto para ela. Desci meus dedos para a barra da sua calcinha e a rasguei no meio.

-Michael! Era nova,caramba! - ela riu

-Você vai ter tempo de comprar uma coleção depois! Agora caladinha, tá..?

  Voltamos a nos beijar enquanto eu brincava com seu clitóris. Emilly tentava gemer,mas eu a impedia mantendo nossos lábios colados e trabalhando.

-Michael, preciso de você.. - Emilly choramingou,não suportando mais o prazer dos meus dedos lhe tocando

-Eu também preciso de você,anjo.. - abri suas pernas delicadamente e encaixei meu membro completamente ereto na sua entrada

  Meu pênis foi lhe penetrando aos poucos. Eu não queria fazer com pressa, queria prolongar ao máximo o nosso momento juntos.
   O problema é que é impossível me controlar quando estou com Emilly. Eu esqueço totalmente meu lado racional e praticamente pegamos fogo.

-Oh Michael.. Isso, você é demais!

-Sempre soube disso,querida.. - respondi enquanto estocava com mais força

-Não fica se achando não.. Oh porra!

-O que? Te machuquei?

-Não,não.. Continua,isso! Mais rápido..

-Eu não tô aguentando mais! - falei ao sentir meu orgasmo  se aproximando

-Eu também não.. Eu vou..Ah Mike!! -Emilly fincou suas unhas nas minhas costas quando explodimos em um orgasmo

  Continuei estocando até sentir todos os meus músculos bambearem. Emilly deitou sua cabeça no meu peito e me abraçou. Eu não conseguia dizer nada,porque provavelmente eu ia virar um maricas e chorar na frente de uma mulher.

-Então..É melhor eu ir embora.

-Dorme aqui hoje. Ou não quer dormir a última vez comigo?

-Não só a última vez,mas.. tudo bem. Boa noite, Emilly.

-Boa noite... - Emilly se virou para o canto e eu fiz o mesmo, a abraçando por trás. Por mim essa noite nunca acabaria,mas amanhã.. amanhã será nossa antiga realidade batendo na porta.




Capítulo 40 

"Uma surpresa inesperada"

Emilly


   Acordei com a claridade do sol entrando no meu quarto. Abri meus olhos e não vi nenhum sinal de Michael. Me sentei na cama e também não vi suas roupas espalhadas no chão como na noite passada, o que me fez concluir que ele já foi embora.

-Tá feito. Não adianta voltar atrás, Emilly! - me levantei da cama e fui tomar meu banho.

  O cheiro de Michael estava impregnado na minha pele,assim como no meu lençol e em toda a minha casa. Caramba,por que ele tem que ser tão cheiroso e lindo..e gostoso.. Céus,eu vou morrer sem meu caipira!
  Estava secando meus cabelos quando a campainha tocou. Por um momento pensei ser Michael, mas para o meu azar era o Sr. Carlson.

-Oi Emilly,posso entrar?

-Entra.. Deseja alguma coisa comigo?

-Antes de mais nada,pedir desculpas. Jamais poderia imaginar que Eliot armou tudo isso.

-Mas pra imaginar que eu roubei sua empresa não foi problema né?

-Estou envergonhado pela minha atitude e estou disposto a reparar meu erro. Volte para nossa empresa, Emilly. Por favor.

-Sabe,me sinto aliviada pela verdade ter aparecido. Mas.. não vou aceitar seu convite.

-Como não? É um dos cargos mais importantes da empresa! Eu aumento seu salário,faço o que quiser!

-Não é por dinheiro! Só que perdeu o encanto, não tenho mais o mesmo amor de antes. Aceito suas desculpas,mas voltar pra lá eu não volto.

-É uma pena. Mas estaremos de portas abertas lhe esperando. Ah, se não sabe,o Eliot está preso por tentar fugir do país.

-Essa é uma ótima notícia. Tenha um bom dia,Sr. Carlson.

-Bom dia Emilly, e pense no que eu disse.

  Fechei a porta e respirei fundo. Acho que fiz o certo em não aceitar o emprego. Nunca vou me esquecer da forma como saí de lá e depois de tanta coisa que aconteceu, não me sinto mais a mesma de antes.
  Meu plano era passar o dia todo na minha cama,ou melhor,no meu sofá já que meu quarto me traria lembranças da noite passada. Mas apesar de tentar esquecer o que aconteceu,as lembranças estavam mais vivas do que nunca.
   Meu telefone tocou para me infernizar ainda mais. Eu não queria atender,mas continuaram insistindo até que eu aceitasse. Achei estranho se tratar de uma ligação internacional.

-Alô?

-Eu falo com Emilly Cruz? - a mulher perguntou

-Sim. Quem é?

-Sou Susan Morello,advogada de Yangi Tanaki. A senhora a conhece?

-Mas é claro,é a minha melhor amiga! Caramba,tem anos que não a vejo. Ela ainda está no Japão?

-Estava,senhora. Bem, o assunto que tenho para tratar é delicado.

-Como assim?

-Yangi estava muito doente e infelizmente.. faleceu.

- O que? Mas quando? - gritei apavorada

-Fazem dois dias. Entrei em contato com você por um pedido dela.

-Meu Deus... Mas,mas que pedido?

-Você tem que vir aqui,senhorita Emilly. Sua presença é importantíssima.
-Mas por que eu?

-Não é um assunto para ser tratado por telefone. Tem como a senhorita vir?

-Claro que tem! Pela minha amiga eu vou em qualquer lugar.

-Que bom,Emilly. Vou deixar todas as informações para chegar até aqui.

-Certo,obrigada. - encerrei a ligação totalmente absorta com a notícia da morte da minha amiga

  Eu e Yangi nos conhecemos há quase quinze anos,fazíamos faculdade juntas. Depois que formamos,ela veio pra Miami e algum tempo depois eu também vim. Sempre fomos inseparáveis,como irmãs e mesmo quando ela voltou para o Japão,nossa amizade continuou a mesma.
  Liguei para Daniel logo depois. Ele também era um grande amigo de Yangi e só ele sabe a dor que estou sentindo.

-Mas pra quê querem que você vá ao Japão?

-Eu não sei.. Já pensei em tudo,mas não consigo imaginar o que possa ser.

-E eu não consigo acreditar que ela morreu.. - Daniel estava inconsolável

-O mais estranho é que nos falamos a pouco tempo e ela estava tão bem!

-Ela deve ter escondido de nós. E como fica a filha dela? Suri tem pouco mais de um ano.

-Nem tinha pensado na bebê.. Yangi nunca falou sobre o pai, então a menina deve ficar com algum parente.

-Deve ser. Você quer que eu te acompanhe na viagem?

-Se não te atrapalhar.. Eu não quero ir sozinha,além do mais temos que nos despedir da nossa japa..

-É minha amiga.. Que soco no estômago nós levamos agora..

(...)

  Comprei a passagem para o próximo voo,que será daqui há três horas. Foi tempo suficiente para arrumar nossas coisas e seguirmos para o aeroporto.
A viagem foi terrível,pois além de ser longa eu não consegui pregar os olhos. Minha cabeça estava a mil, quando não pensava em Michael,era o motivo da viagem que me atormentava.

(...)

-Quer ir pro hotel ou direto nessa advogada? - já estávamos dentro do táxi rodando a cidade

-Já está tarde e esse fuso horário é um horror. Vamos para o hotel descansar um pouco.

-Avisou ao Michael sobre a viagem?

-Não. Por que avisaria?

-Ê caramba! Não se acertaram?

-Decidimos terminar tudo,e dessa vez é definitivo!

-Quantas vezes já ouvi isso.. - disse em deboche

-Para de rir! Eu tô falando bem sério. É melhor assim para nós dois..

-Só vou acreditar nisso no dia que você conseguir entrar na dieta,ou seja, nunca!

-Vamos parar de falar disso,por favor?

-Você que manda..

 No dia seguinte fomos direto atrás da advogada de Yangi. Eu queria resolver logo essa situação e poder me despedir da minha amiga.

-Que bom que a senhorita veio. Fizeram boa viagem? - Susan me cumprimentou e em seguida estendeu a mão para Daniel

-Fizemos sim. Mas quero saber o porquê da minha presença aqui.

-Claro,vamos direto ao ponto. - ela fez sinal para sentarmos - Como eu disse na ligação,Yangi faleceu devido à uma infecção generalizada.

-Por que ela nunca me disse isso? Por que?

-Sinto muito,Emilly..Mas era um dos pedidos dela. Yangi falava muito da senhorita e de como era bondosa.

-Ela sim era uma mulher incrível, por que Deus levou justo ela?

-Calma,Emmy.. - Daniel pediu

-Continue,Dr. Susan. - pedi

-Como sabem,ela tem uma filha. Suri tem apenas um ano e oito meses.

-Eu vi as fotos que ela me mandou. É tão linda.. Com quem a menina está?

-Essa é a questão.

-Como assim?

-Isso é pra você. - ela me estendeu um envelope - É uma carta que Yangi escreveu pouco antes de morrer destinada à você.

-Obrigada. - abri o envelope e comecei a ler

 
  "Querida Emilly, sei que quando estiver lendo essa carta eu não estarei mais aqui. Sei também que deve estar atordoada pela notícia e principalmente por eu não ter contado à você sobre a minha doença. 
  Eu não queria que se desesperasse, por isso mantive em segredo. Mas eu sinto que meu tempo aqui está acabando e só terei paz se souber que minha filha ficará bem. 
  Você sabe que ela é tudo que eu tenho,a joia mais preciosa desse mundo. E sabe também que eu sou tudo que ela tem. Eu sou sozinha no mundo,não tenho família e o pai da Suri,bem.. não importa quem é. 
  É por isso que deixo aqui e por meio de um testamento o meu maior desejo. Você,Emilly, será a mãe da minha menina. Você vai cuidar dela como se fosse sua filha. 
  Não,eu não estou louca. A verdade é que você é a única pessoa que eu confio nessa vida e sei o quanto você me ama. É por isso que deixarei minha filha sob seus cuidados. 
  Você é a pessoa certa pra isso, mesmo que agora pense que isso seja uma loucura e que não dará conta. Mas eu sei a mulher maravilhosa que você é e o quanto será uma mãe exemplar pra minha Suri.

  Saiba que estarei sempre protegendo os três. Você,Suri e.. Michael. Sim,ele mesmo!
Eu te amo Emilly e tenho certeza que você será capaz de realizar o meu maior sonho.

Com muito amor, Yangi. "


 Terminei de ler a carta com as lágrimas molhando meu rosto. Como ela pôde ter tanta confiança em mim? Ainda estou em choque com suas palavras,eu só posso ter lido errado!

-Não me diga que ela..

-É isso mesmo que leu. Yangi deixou a guarda da filha pra você.

-Mas o que? - olhei para Daniel - Eu nunca fui mãe,eu não tenho noção de como é cuidar de outra pessoa.. Deus!

-Emmy,olha pra mim. - Daniel pediu - Se a Yangi fez isso é porque ela confia em você. Ela sabe que você será capaz de amar a filha dela!

-Não,Daniel! Eu não posso fazer isso com ela!

-A questão,Emilly é que se não aceitar, Suri vai para um orfanato. - Susan disse

-Orfanato? Isso não!

-Ela não tem mais ninguém além de você. Será uma guarda provisória, até que saibamos o que fazer com Suri. Será por pouco tempo.

-Aceita,Emmy.. - Daniel me apoiou

-Tudo bem. - suspirei - Eu vou levar Suri comigo. Vou cuidar dela até que encontre um lugar melhor pra ela.

-É assim que se fala,Emmy! - Daniel me abraçou

-Sua amiga está feliz por você. Feliz e em paz!

-Vou fazer o que ela me pediu. E que Deus me ajude..




Capítulo 41 

"Sem saber o que fazer"

Michael


  Naquela manhã seguinte eu preferi ir embora antes de Emilly acordar. Não queria estragar toda a magia que foi nossa despedida. E em breve eu serei um homem solteiro oficialmente.

-Tá com a cabeça no mundo da lua, né? - Lili perguntou ao me ver encostado no balcão

-Só pensando no que vou fazer a partir de agora. Tem hora que me dá vontade de largar isso aqui e voltar pra minha cidade, ou sair pelo mundo afora.

-Você pirou? E todo os seus planos de trabalhar com a fotografia, de ser um artista plástico?

-Perdi o ânimo..

-Você só está com dor de amor. Entendo que esteja arrasado com o fim do seu casamento,mas a vida continua. Você não pode jogar fora tudo que está conquistando!

-Sabe que você tem razão? Não quero mais desistir dos meus sonhos, já basta ter deixado Emilly partir..

-Isso mesmo! Agora é vida nova, Michael. Termine o seu curso, invista no seu talento e reconstrua sua vida!

-Uma garota de 19 anos me dizendo o que fazer da minha vida.. - ri - Você é incrível,Lili.. De verdade.

-Imagina!

-E esse carinha aqui hein? - perguntei ao acariciar seu ventre

-Ele ou ela está bem. Ontem tomei coragem e fiz meu primeiro pré-natal. Tá muito no início pra saber o sexo.

-Mas eu sinto que tem um garotão vindo por ai..

-Michael e suas intuições.. Mas e você, já pensou em ser pai?

-Uou.. Há um tempo atrás sim,mas agora acho bem difícil.. Enfim, já contou para os seus pais?

-Não,mas tomei a decisão de contar de uma vez por todas!

-Isso mesmo Lili! E eu disse e repito, estou aqui do seu lado! - apertei sua mão

-Obrigada,Mike.. - nos abraçamos

Emilly


   Quando é que eu poderia imaginar que voltaria pra casa com uma criança nos braços? Até agora não consigo acreditar que eu aceitei fazer essa loucura. Porra,eu nunca cuidei nem de um bichinho de estimação,quem dirá de uma bebê? Logo eu que nunca quis ter filhos!
   Teve uma época que eu queria e muito ser mãe,mas quando meu casamento começou a desandar eu me lembrei da minha infância. Meus pais viviam as turras, eram brigas feias. Cenas que eu daria tudo para apagar.
  Pelo medo de um filho meu passar por isso,decidi optar por não engravidar. Seria menos sofrimento pra mim e pra criança.
   Mas agora tudo mudou obrigatoriamente. Eu não podia negar o pedido de Yangi,muito menos deixar que Suri fosse levada para um orfanato. Mas assim que a Assistência Social localizar um parente, a menina estará em boas e responsáveis mãos.

(...)

  Tivemos que ficar em Tóquio por mais dois dias para acertar os trâmites judiciais da guarda provisória de Suri. E agora está tudo pronto para levar a japinha mirim pra casa.

-Está pronta pra conhecer sua filha? - Daniel perguntou

-Que mané filha! Ela é como uma afilhada pra mim. E não,não estou preparada para isso.. - falei apreensiva

-Olha aqui,eu entendo exatamente o que está sentindo. Não é fácil saber que da noite para o dia um bebê caiu em seus braços. Mas você precisa acreditar em si!

-Daniel,como é que eu vou cuidar de um bebê sozinha?

-Você tem marido,esqueceu?

-Você não disse isso! Entenda de uma vez por todas, eu e Michael acabou!

-Chega de escândalo que lá vem ela..

  Levantei meus olhos e pude ver a gorduxinha de olhos puxados e cabelo pretinho no colo de Susan. Meu coração estava acelerado,como se minha ficha estivesse caindo. Eu não estou levando pra casa um ursinho de pelúcia,e sim um ser humano. Um bebê que a partir de agora dependerá de mim para tudo.

-Daniel,me ajuda! - implorei

-Emilly,seja forte! Você vai conseguir..

-Aqui está sua bonequinha! - Susan disse ao se aproximar de mim - Fala oi pra tia Emilly,Suri! - tia Emilly??




        
-Que coisa linda! - Daniel disse maravilhado - Ela parece de brinquedo! Posso pegar?

-Mas é claro! E ela é muito calminha, vai no colo de todo mundo.. - Daniel a pegou e a neném, que  sorriu pra ele

-Oi princesa! Eu sou o tio Dani.. Você é tão linda quanto sua mãe! Não é,Emmy?

-É,ela é uma gracinha.. - falei tentando desviar meus olhos dela

-Quer pegar?

-Não! Eu não sei segurar,vou deixar ela cair no chão..

-Que vai o que.. Ela só é pesadinha. Segura,Emmy!

-Segura,Sra. Emilly.. - Susan fez força

-Urgh.. Tá bom! - estiquei minhas mãos e segurei nos seus bracinhos

-Assim você vai quebrar os braços dela! - Daniel me repreendeu

-Eu nunca segurei um bebê,tá legal?

-Nunca?

-Nunca.

-Nunca mesmo?

-Nunca! Eu nunca tive contato com uma criança!

-Mas agora você vai ter! Abre os braços e segura firme no tronco dela,mas sem apertar demais!

-Certo.. - respirei fundo e fiz o que Daniel disse

 Minhas mãos estavam bambas,mas consegui pegar a neném no colo. Ela encostou sua cabecinha no meu pescoço e eu fiquei totalmente sem ação.

-O que eu faço..? - sussurrei para Daniel

-Dá um tapinha no bumbum dela.

-Pra quê eu vou fazer isso com a garota?

-Isso é carinho.. Não é pra estapear, é só dar umas batidinhas.

-Batidinhas..Ok.. - dei uma leve palmadinha no bumbum gordinho dela. Ela fez um barulhinho engraçado com a boca,deve ter gostado - Oi bebê.. Você gostou né danadinha..

-Emilly! - Daniel gritou

-O que?

-Não é assim que se fala com um bebê!

-Mas ela não vai entender nada mesmo..

-Meu Deus,o que foi que a Yangi fez?

-Acho que já se deram bem. - Susan disse - Façam uma boa viagem! Assim que localizarmos um parente eu ligo pra você.

-Por favor! - pedi

-Então vamos pro aeroporto. Você vai pra casa nova,boneca! - Daniel falou com voz de retardado

-E essa voz de demente,hein? - ri

-Não te dou uma semana para também estar falando desse jeito!

-Nem a pau! Vamos embora. Cadê o carrinho dessa criatura?

-Está aqui. - Daniel me ajudou a por Suri no carrinho

-Você me paga,Yangi! - falei olhando pro céu

 Já estávamos dentro do avião. Felizmente a menina dormiu boa parte da viagem,mas do nada ela abriu o berreiro,para o meu desespero.

-Daniel? Faz alguma coisa!

-Ela só está chorando,Emmy..

-Mas tem que parar,ou vamos ser expulsos!

-Já parou pra pensar que ela pode estar com saudade da mãe?

-Mais um motivo para eu não ficar com ela! Eu não sou a Yangi!

-Não brinca? Emilly,relaxa.. Você vai tirar de letra!

-Então faz ela parar de chorar antes que eu enlouqueça! - Daniel a pegou no colo e embalou a menina até que ela ficar calminha e voltar a dormir

-Pronto.. Viu como é fácil?

-Tão fácil quanto álgebra!

(...)

- Estão entregues. - já estávamos na sala do meu apartamento. A viagem foi tão rápida que num piscar de olhos eu já estava em solo americano

-Onde você vai?

-Pra minha casa ué. Tá com medo de ficar a sós com a Suri? - riu

-Eu não posso ficar sozinha com a bebê! Enlouqueceu?

-Emilly,essa é a sua realidade agora. Você precisa enfrentar a situação. Me ligue se precisar.

-Tá né.. - Daniel beijou minha testa e se despediu de Suri,que por sinal estava acordadíssima

-Tchau bonequinha! Até amanhã e juízo Emilly!

-Bye.. - fechei a porta assim como os meus olhos

  Quando os abri novamente dei de cara com a bebê me encarando, parecia estar curiosa. Olhava para os lados como se para conhecer o ambiente.

-Pois é né.. - pigarreei - Eu sou a Emilly e essa é a minha casa. - ela continuou olhando pra mim - E então.. agora somos eu e você,bebê.. Você quer se apresentar? Oh caramba,você não fala!

  Exitante,me aproximei do seu carrinho,como se me aproximasse de uma panela no fogo. Já estava roendo minhas unhas, andando a passos lentos.

-É.. você quer um suco,uma água? Deus, o que os bebês tomam? Leite? Mas eu não tenho leite! - constatei, apalpando meus seios - Gente, o que eu vou dar pra japonesinha comer? Yangi, me ajuda pelo amor de Deus!!



Capítulo 42

" Por que Michael tem que ser tão encantador?"

Emilly


   Já tinha passado das dez horas da noite e eu continuava na mesma posição,sem saber o que fazer. Susan me passou uma série de instruções para lidar com Suri, mas na prática é completamente diferente. 
   Nada que estava na sua lista eu tinha em casa e agora estou vendo como as coisas vão mudar aqui, começando pela minha geladeira. Me sentei na cadeira e coloquei Suri de frente pra mim.

-Ok, bebê.. Vamos cuidar das suas comprinhas. - comecei a ler a enorme lista - Fralda, talco para  assadura, roupas novas, pomada, shampoo sem sal, óleo corporal, creme hidratante, leite em pó, frutas,suco natural.. Só vejo os cifrões na minha frente! - choraminguei

-Buu.. - me assustei ao ver que a bebê estava..falando?

-Pera aí,você fala? Mas com quantos anos um bebê começa a falar? Esquece.. - ela coçou os olhinhos e resmungou - Você tá com sono né? Esse fuso horário é terrível..

  Acabei de constatar outro problema. Eu não tenho berço. Como e onde essa menina vai dormir? Foi aí que tive a ideia de cercar minha cama com travesseiros e amontoados de cobertas. Resultado: vou ter que dormir no chão e sem nada para me cobrir,nem sequer uma almofada sobrou pra mim.
 Mas pra falar verdade foi difícil dormir. Eu fiquei com um baita medo dela rolar pela cama e acabar caindo no chão,então passei a noite toda lhe vigiando.

(...)

 Quando dei por mim,já havia amanhecido. Dormi encostada na beirada da cama e só acordei porque senti alguma coisa tocar meu rosto, e essa coisa era o pezinho dela.

-Bom dia,bebê.. - ainda não consigo chamá-la por um outro nome - Dormiu bem? Hum, com certeza melhor que eu.. Ai,minha coluna! - com muita dificuldade consegui me levantar

  Tomei meu banho com os olhos vidrados em Suri. Dei à ela uma esponja para se distrair enquanto eu terminava de me arrumar.

-Você deve estar com fome né? - falei ao vê-la chorar - O que você quer comer? Maçã,banana? Ah.. banana!! - amassei as bananas e Suri devorou o prato

  Foi a primeira vez que eu alimentei um bebê e até que eu me saí bem nisso. Reparei que tinha uma sacola em cima da mesa,daí me lembrei que Daniel passou na farmácia e comprou um pacote de fraldas. Isso quer dizer que eu vou ter que trocar suas fraldas!

-Bebê,por Deus, não faça caquinha, por favor! - implorei. A campainha tocou - Já volto,bebê.

 Abri a porta e dei de cara com Michael. Puta que pariu, eu não estou preparada para ver meu caipira,quer dizer,ex.. Meu coração parecia sambar dentro de mim só de vê-lo ali na minha frente.

-Michael?

-Bom dia Emilly,me desculpe aparecer tão cedo,mas é que eu deixei umas coisas minhas aqui e preciso delas. Você me deixa entrar?

-Ah,claro.. Só não repare...

-Emilly,por que tem um bebê de olho puxado na sua sala? - Michael perguntou assustado, antes mesmo que eu explicasse

-Pois é.. - murmurei coçando minha cabeça - É uma história muito longa..

-Onde você arrumou essa criança? E japonesa,ainda por cima!

-Essa é a Suri, filha de uma amiga minha que faleceu..

-Da Yangi?

-É ela mesmo..

-Me lembro dela. Morreu é? Tadinha..

-Tadinha dela e de mim!

-Não entendi. Na verdade eu não estou entendendo nada aqui!

-Dá pra acreditar que ela pediu para eu ficar com a menina? - Michael iniciou uma crise de risos - Do que você tá rindo?

-Você? Cuidando de um bebê? Onde é que isso vai dar certo?

-Para! - dei um tapa na sua cabeça

-Au! Emilly,ela tá chorando..

-Ah não.. E agora?

-Quer ajuda?

-Óbvio que não! - assegurei - Eu dou conta! Além do mais,a Suri não gosta de estranhos.. - Michael deu de ombros. Peguei Suri no colo e ela abriu ainda mais o berreiro

-É.. "Eu dou conta".. - Michael debochou

-Vamos lá bebê, por que está chorando,hein? Shii.. - quanto mais eu a balançava,mais ela chorava

-Dá licença,Emilly. - Michael veio até mim e pegou Suri no colo. Assustadoramente ela foi parando de chorar e pro meu desespero ela riu pra ele

-Mas o que..

-Tá rindo é,princesa? Mas você é muito linda! - fiquei abismada e ao mesmo tempo derretida com a fofura dessa cena - Hm.. já sei qual é o problema.

-Ela tá doente?

-Não,ela só está cagada mesmo.

-O que?

-Cagada,Emilly. Com a fralda suja! Vai ter que trocar a fralda e dar um banho também, coisa que eu duvido que você fez.

-Mas eu não sei trocar fralda e é lógico que ela vai tomar banho,mas agora não tenho nada aqui..

-Ô Jesus.. - Michael fechou os olhos - Tem fralda aí?

-Tem.. - corri para pegar

-E lenço umedecido?

-Pra quê?

-Pra limpar ela,garota!

-Eu não tenho lenço de bebês, só lenços para o rosto.

-Pode ser,dá no mesmo. Vai lá pegar. - fiz o que ele pediu e trouxe os lenços

 Michael arregaçou as mangas da blusa e deitou Suri em cima da mesa. Com uma tranquilidade fora do normal, Michael tirou sua roupinha e em seguida a fralda suja.. e fedida.

-Urgh.. O que essa menina comeu? Sushi? - Michael disse apertando o nariz

-Eu dei banana pra ela.

-Só banana? E o leite,Emilly?

-Eu vou comprar daqui a pouco, eu não tive tempo ainda!

-Me passa o lenço. - Michael delicadamente limpou Suri e colocou a fralda de uma forma impecável - Prontinho,coisa linda! - Michael falou ao balançar as perninhas dela

-Onde aprendeu a fazer isso? É pai e eu não tô sabendo? - ri

-Qualquer pessoa normal sabe trocar a fralda de um bebê. Brincadeira! - riu - Não sei como aprendi,eu só sei fazer..

-Obrigada,me ajudou muito... Como você tá?

-Indo.. E você?

-Desse jeito que você viu.. Acho que vou enlouquecer!

-Que loucura,Emilly.. Vai dar conta?

-É claro que vou! Só estou.. me acostumando.

-Boa sorte! - ficamos muito próximos um do outro - É.. quer ajuda pra dar banho nela? - disse se desviando de mim

-Não precisa se preocupar,além do mais eu ainda tenho que comprar as coisas pra Suri.

-Me deixe ir com você, te ajudar a escolher o que precisa e se ainda quiser,posso te ensinar a dar banho nela.

-Faria isso..por mim?

-Sim,Emilly.. Imagino o perrengue que você vai passar,claro se quiser ficar sozinha..

-Eu vou saber me virar! E também vai ser por alguns dias.. Vamos, não quero perder tempo.

 Coloquei Suri no carrinho e seguimos eu,Michael e a bebê para fazer compras. Como se fôssemos uma... família. 
 Michael tomou o controle da situação e ele mesmo foi escolhendo os itens da lista. Em um certo momento,já estávamos nos divertindo. Suri ficou o tempo todo no colo de Michael e ria pra qualquer gracinha que ele fazia pra ela.

-Vem cá,Mike. Vamos comprar roupas pra bebê. Você me ajuda a escolher?

-Vamos lá,mas eu só faço isso pela Suri, porque com a sua teimosia você tá merecendo é segurar esse pepino sozinha!

-Ai..para de falar e vamos logo!

   Passamos praticamente o dia todo passeando com Suri. Em momento algum tocamos no assunto relacionamento,o que me faz pensar que Michael se conformou com o fim do nosso casamento.

-Agora essa princesinha vai direto pro banho! - Michael falou ao rodopiar Suri no seu colo - Emilly, tire a bacia do plástico e encha com água morna

 Michael fez um rabo de cavalo atrapalhado no cabelo,o deixando ainda mais lindo e charmoso. Eu fiquei babando pela cena dos dois juntos. Michael se molhava todo e nem se importava com isso. 
 Ele foi de uma delicadeza impressionante. Por mim eu ficaria o resto da vida olhando para os dois, mas Michael me despertou,chamando para se juntar à ele.

-É assim que você vai fazer,ó.. Pega um pouquinho do shampoo e espalha devagar no cabelo, quando for enxaguar tome cuidado com o ouvido dela.

-Ok.. - assisti com muita atenção ao que Michael fez

-Sua vez agora.

-Eu? O que eu tenho que fazer?

-Passa o sabonete no corpo dela. - Michael me estendeu a esponja - Vá em frente,mulher!

-Tudo bem.. - disse apreensiva. Assim que comecei a ensaboá-la, Suri bateu os braços me molhando toda e arrancando gargalhadas de Michael

-Toma aqui a toalha,pode deixar que eu continuo.. Você reparou que ela gostou de mim né?

-Deixa de ser exibido, ela é só um bebê!

-Os bebês são sensitivos, sabem de tudo!

-Agora deu pra ser Expert em criança! - fui para o quarto colocar uma blusa. Quando me viro,ainda de sutiã, vejo Michael me olhar de cima a baixo,com Suri enrolada na toalha

-Me,me desculpe Emilly.. Eu não sabia que você ..

-Tudo bem. - falei desconcertada, vestindo a blusa rapidamente - Põe ela na cama. - Michael assim fez

  Preferi ir pra sala enquanto Michael terminava de vestir Suri. Quanto mais perto eu ficar dele, será pior pra mim. Apesar do meu coração implorar para não deixá-lo ir embora daqui.

-Pronto. Eu coloquei ela no bercinho novo. É pequeno,mas dá pro gasto até o berço maior chegar.

-Não tenho palavras pra te agradecer. Se não fosse você eu estaria perdida até agora!

-Sem problemas. Gostei muito dela, é uma neném adorável.

-Ela é.. Tenho certeza que logo vão encontrar algum parente.

-Não pensa em ficar com ela?

-Eu não posso. Não serei uma boa mãe pra ela, só estou atendendo ao pedido da minha amiga.

-Certo.. Se precisa de qualquer coisa me liga.

-Ok, apesar de ter certeza que não será preciso!

-Vamos ver, senhorita sabe-tudo! - Michael riu - É.. Já peguei o que eu estava precisando. Tchau,Emilly..

-Tchau,Michael.. - fui, inocentemente, dar um beijo na sua bochecha,só que no mesmo momento em que ele ia fazer o mesmo. Resultado, nós nos beijamos

 Sentir a maciez dos seus lábios novamente eletrizou todo o meu corpo,mas eu rapidamente me afastei, recuperando a respiração.

-Tchau,Michael..

-Tchau,Emilly..

   Eu já estava fechando a porta quando Michael a abriu novamente, me agarrando pela cintura e me jogando contra a parede, me beijando incessantemente, pondo pra fora todo o desejo reprimido durante o dia, e agora definitivamente eu não quero afastá-lo de mim, não nessa noite.



Capítulo 43 

"Um novo caminho"


Emilly


  Nossos beijos se tornaram cada vez mais calorosos e ofegantes, as mãos inquietas de Michael apertavam todas as partes do meu corpo. Eu já podia sentir seu enorme membro roçar na minha barriga.
 Dos beijos ele passou para mordidas no meu pescoço,me fazendo gemer descontroladamente. Tirei sua jaqueta e, ferozmente,Michael rasgou minha blusa fininha. Sua boca foi direto para um dos meus seios, enquanto ele tentava tirar meu sutiã.
 Quando finalmente conseguiu,seu celular começou a tocar. Estávamos tão ocupados duelando nossas línguas que ignoramos a chamada.

-Porra Emilly,olha como me deixa.. - disse entre dentes.

-Desliga logo esse celular,pelo amor de Deus! - murmurei,pois minha boca estava grudada na sua. Michael tirou o celular do bolso para desligar,mas se afastou de mim quando olhou para o visor

-Espera. Alô? - não acredito que ele atendeu - Mas como? Fica calma,Lili! Onde você está? ... Certo,não saia daí,estou chegando. - Michael desligou o celular e me encarou

-Diz que eu entendi errado!

-Desculpa Emilly, preciso ir..

-Você vai embora pra ir atrás de outra mulher? - rapidamente abotoei o sutiã

-Ela precisa de mim. Emmy,vamos conversar com mais calma,nós..

-Sai da minha casa! - gritei - Se quer ir atrás da sua ninfeta pode ir! Desaparece!

-Emilly..- lhe empurrei porta a fora

-Vai embora,desgraçado! - fechei a porta com força e em seguida taquei um vaso de flores na parede,mas o meu ataque assustou Suri, que começou a chorar - Ai meu Deus!

 Corri para o quarto e a encontrei ajoelhada no bercinho,chorando e esperneando. Por um instinto desconhecido até então,a peguei no colo e a abracei forte. Pela primeira vez ela se acalmou comigo e ficou quietinha com os bracinhos enlaçados no meu pescoço.

-Desculpa,bebê.. Eu me esqueci que você não tem culpa das merdas que os adultos fazem.. Está mais calma, lindinha? - e também pela primeira vez eu sorri encantada pela fofura de Suri

 Depois de tomar um banho bem gelado,me deitei na cama e me lembrei do que aconteceu na minha sala. Michael foi capaz de me deixar para ir atrás de uma garota? Seja lá o motivo,ele jamais faria isso. Será que Michael está me esquecendo?

-Ele me ama,tenho certeza! - reparei que Suri olhava pra mim lá do bercinho - Você quer deitar aqui um pouquinho? - ela mexeu os bracinhos

  Fui até o berço e a peguei para colocá-la na cama comigo. Me deitei de ladinho com Suri sentada com a cabeça encostada na minha barriga. Eu fazia um carinho gostoso no seu cabelo fininho.

-Você tá sentindo falta da sua mãe, né? Eu também sinto.. dela e do Michael,mas ele tá em outra,bebê.. Acho que agora somos só nós duas.. - ela deu uma risada tão gostosa que foi capaz de me dar uma sensação de paz no meu coração.

Michael


   Quando Lili me ligou chorosa e desesperada eu não podia negar ajuda. Eu prometi que cuidaria dela, pena que Emilly não entendeu. Mas se bem que nem eu entenderia. Enfim, foi ela que terminou comigo, então não reclame.
   Lili estava sentada no banco da praça, estava encolhida e tremendo de frio. Tirei minha jaqueta e joguei por cima dela.

-O que aconteceu,meu anjo? - perguntei preocupado

-Estou perdida,Michael! - disse enquanto chorava - Eu contei pra minha família sobre a gravidez..

-E o que aconteceu?

-Foi horrível! Nunca vi meu pai tão bravo.. Eles me expulsaram de casa, disseram que eu morri pra eles!

-Oh Lili.. Nem sei o que dizer,mas por favor se acalme! Pensa no seu bebê..

-O que eu vou fazer agora,Mike? Não tenho onde morar,não tenho mais ninguém!

-Não diga mais isso! Já disse que você tem à mim. E agora mais do que nunca,eu estarei do seu lado! - Lili me abraçou e eu retribui, envolvendo-a em meus braços

-Obrigada por tudo..

-Não precisa agradecer,meu anjo. Vem comigo.

-Pra onde?

-Já está tarde e você precisa descansar. Vou te levar para o Flat que estou morando,fique lá o quanto precisar.

-Certo.. Promete que vai ficar do meu lado? Eu só tenho você agora, Mike..

-É claro que prometo! Não vou te deixar desamparada..

(...)

 Enquanto Lili dormia na minha cama, eu passei a noite no sofá. Mas minha cabeça estava em outro lugar,em Emilly para ser mais exato. Era para estarmos juntos agora se tudo tivesse sido fácil para nós.
  Mas a realidade é outra e mesmo sabendo que não devo explicação à ela, eu preciso vê-la e dizer o que realmente aconteceu. Levei um susto ao ouvir meu celular tocando. Me levantei e fui atender.

-Alô..?

-Michael? Sou eu,Daniel.

-Daniel? Aconteceu alguma coisa com a Emilly ou com a Suri?

-Está tudo bem com elas,eu acho.. Te liguei por outro motivo.

-Pode falar.

-Emilly ligou pra mim mais cedo e..

-Fala,rapaz! - eu já estava nervoso

-Emilly quer o divórcio. Ela mandou lhe dizer que quer agilizar logo a situação.

-Ah é? Ela vai ter que falar isso na minha cara! - tampei meu celular longe e fui direto pro banho com destino certo à  casa da dona encrenca

 Toquei a campainha com insistência até ela abrir a porta. Emilly estava sorrindo com Suri no colo,mas mudou sua feição assim que me viu.

-Perdeu alguma coisa aqui? - disse ríspida

-Sim. Uma explicação!

-Explicação? - ela riu - Posso saber para que?

-Sobre um certo pedido de divórcio! Foi por causa de ontem,não é?

-Mas é óbvio que não! Ou esqueceu que esse era o combinado? Na verdade era combinado desde quando te procurei!

-Quer mesmo que eu acredite que é isso que você quer depois de tudo que voltamos a viver? - ela se calou

-Mas é o que eu quero agora! Você terá o caminho livre para fazer o que quiser!

-Então tá bom,Emilly! É o divórcio que você quer? Então eu vou te dar! Marque a porra da audiência que eu vou comparecer com prazer!

-Ótimo! Será um avanço pra mim! Agora me dá licença que estou alimentando a minha bebê! - fiquei surpreso ao ouvi-la chamar Suri de " minha bebê", mas isso não impediu dela dar com a porta na minha cara

-Aaah Emilly,sua ordinária! Você ainda vai me colocar numa camisa de força!



Capítulo 44 

"Impossível de esquecer"

Emilly


   Senti uma raiva tão grande quando Michael foi embora que peguei a papinha do jeito que estava e dei para Suri comer. Eu queria socar a cara dele e a minha também por ser fraca quando estou ao seu lado.
   Suri começou uma crise de tosse e depois passou a fazer um barulho estranho com a boca. Parei de dar o alimento na mesma hora.

-O que você tem,bebê? - comecei a me desesperar,pois Suri estava ficando roxa - Meu Deus,me ajuda! ..Michael! - foi a primeira coisa que eu pensei. Se eu tiver sorte ele ainda deve estar por perto

   Desci pelo elevador rezando para encontrá-lo. Eu não queria deixar Suri sozinha,mas não tive outra opção. Não sei como tive pernas para correr,já que eu estava toda trêmula.
Avistei Michael do outro lado da rua, provavelmente esperando um táxi. Atravessei sem ao menos ver se tinham carros passando.

-Michael!! Michael! - gritei. Ele me olhou assustado

-Emilly? O que está fazendo?

-Me ajuda! A Suri,ela..

-O que aconteceu? - perguntou também desesperado

-Ela engasgou,não sei o que fazer!

-Ai meu Deus,vamos lá! - saímos correndo de volta para o meu prédio. Não queria nem pensar na possibilidade de ter acontecido algo pior

   Michael entrou feito louco na minha casa e foi direto socorrer Suri, que já estava molinha na cadeirinha. Ele a colocou de cabeça para baixo e deu tapinhas no seu bumbum,depois ele pressionou as mãos na sua barriga e por fim fez uma massagem cardíaca. Finalmente Suri voltou a chorar e ter a respiração normalizada.

-Pronto. Já está tudo bem, princesinha.. - Michael a abraçou e ficou ninando Suri até ela melhorar

  Eu ainda estava apática apoiada no balcão. Quando Michael a colocou no carrinho e veio até mim eu não aguentei e coloquei todas as lágrimas pra fora. Ele me abraçou forte,me acolhendo em seus braços.

-Já passou,Emmy.. Fica calma..

-Foi culpa minha,eu devia ter tomado cuidado!

-Hey, esses acidentes acontecem. Você não é a primeira e nem será a última a passar por isso.. Vem aqui. - Michael me sentou na cadeira e me deu água com açúcar - Olha só, ela já está bem. Como se nada tivesse acontecido.

-Ela ficou roxa,eu não sabia o que fazer! - eu ainda tremia de nervoso

-Soube sim,você pediu ajuda. Se não tivesse sido rápida eu não teria chegado a tempo..

-Viu? É por isso que eu não posso ficar com ela! Eu sou um desastre!

-Você está só início,logo pega jeito.. - Michael me abraçou novamente - Não se culpe mais, sei que está fazendo o seu melhor.

-Obrigada por salvar ela.. Você foi incrível.

-Só fiz minha parte.. - Michael beijou minha bochecha e se afastou - Preciso ir. Me ligue pra qualquer coisa,ok?

-Uhum.. - Michael foi até o carrinho e deu um beijo em Suri

-Até logo,meu amorzinho.. Cuide da sua mãe.. - falou baixinho em seu ouvido,me fazendo rir - Adeus, Emmy..

-Adeus..

Um mês depois


   Já estou a todo esse tempo com Suri e a cada dia que passa me vejo mais encantada por ela. Suri alegra o meu dia, faz tudo parecer tão fácil.Ainda não tive cabeça para pensar em um trabalho. Recebi uma indenização voluntária de Carlson pela forma como me tratou na sua empresa. Mas nada disso importa, pois tenho olhos somente para minha filha, eu estou começando a considerá-la.
   Nesse mês vi Michael poucas vezes. Ele veio ver Suri e acertar os detalhes do divórcio, já que nossa audiência é para essa semana. Pelo que parece ele e Lili estão juntos, porque sempre que ele vem ela liga e ele atende todo carinhoso. E em todas as vezes que isso aconteceu eu caí no choro com Suri do meu lado.
    É ela que está me ajudando a passar por tudo isso,está me transformando por completo. Me vejo uma mulher mais doce, calma e responsável. Quem diria, a um mês atrás eu estava apavorada por cuidar dessa menina e hoje já não consigo me imaginar vivendo sem ela.

-Olha só meu amor,você já está dando seus primeiros passinhos! - bati palminhas e ela riu - Cada dia que passa você está ainda mais linda.. Te amo tanto,pequena.. - abri os braços e Suri veio até mim. A campainha tocou e eu fui atender - Pois não?

-Senhorita Emilly? - uma mulher aparentando ser advogada,disse

-Sim,sou eu. O que deseja?

-Vim lhe entregar um comunicado da Dr. Susan. Ela não contatou nenhum familiar da criança, então teremos que levá-la.

-Mas por que? Ela está bem aqui comigo!

-Ela vai para uma família tradicional que quer recebê-la. Ela vai ser bem cuidada, além disso estará no país dela.

-Ela não vai embora daqui coisa nenhuma! Pode avisar à sua chefe que eu não vou entregar minha filha. Eu tenho a guarda!

-A guarda provisória,senhora. - me corrigiu - Você assinou os termos e sabe muito bem que terá que devolvê-la.

-Não farei nada enquanto não falar com o meu advogado! Tenha um péssimo dia! - fechei a porta na sua cara e liguei para Daniel imediatamente

(...)

-Você sabia que tinha que devolver. Não era isso que você queria?

-Era,não é mais! Não posso devolver Suri como se ela fosse uma mercadoria!

-Se apegou a ela,não é?

-Eu amo essa menina,Dani. - senti as lágrimas se formarem - Ela tem me ensinado tanta coisa e eu sei que está feliz aqui comigo!

-Isso é porque vocês se amam. Você é a mãe dela,não da forma natural, mas é a mãe!

-Suri é minha e eu não vou deixar que tirem ela de mim! O que eu posso fazer?

-Adotá-la. É a única forma de você ser a mãe dela oficialmente.

-E como eu consigo isso? É só pedir?

-Não é tão fácil assim. Você será analisada para terem certeza que pode ser capaz de criar a Suri. Vão julgar sua situação financeira, capacidade psicológica e principalmente, o lar em que vive. E posso ser sincero?

-Claro! Qual o problema?

-Nenhum juiz vai optar entregar a criança para uma mãe solteira à uma família estruturada.

-O que quer dizer com isso?

-Se quer mesmo ficar com Suri, não se divorcie do Michael. - disse direto

-Mas o que? Nós vamos nos separar essa semana! Já está tudo pronto e ele faz questão disso!

-Insista,Emilly. Se você se divorciar, pode dar adeus a sua filha. Será por pouco tempo,até conseguir a guarda definitiva.

-Não posso acreditar nisso.. E se Michael não aceitar?

-Ele vai. Sei o quanto ele baba pela Suri e você,querendo ou não,sabe que ele é o pai dela. Eles se amam, tem uma forte conexão. Não existe pais mais ideais do que vocês!

-Você tem razão.. Nossa vida não seria mais a mesma sem Suri. Eu vou me humilhar aos pés dele, implorar para que me ajude. Mas..

-Mas o que? - fechei meus olhos e suspirei pesadamente

-Ele tem outra mulher,quer dizer, outra garotinha.

-A Lili né? - ele riu - Eu te falei que ele não ia ficar dando sopa por muito tempo.. Eu duvido que ele gosta dela!

-Também queria ter essa certeza.. E quer saber,eu tô nem ai pra ele!

-Sei..ficarão casados só por conveniência,então não acho que vá ser problema pra eles.

-"Eles".. - enfiei meu dedo na garganta e revirei os olhos

-É..para de gracinha e vai atrás do seu ex,quer dizer,marido ou futuro ex-marido.. Ahh vocês confundem a minha cabeça! Quando é que vão se acertar de uma vez por todas?

-Nunca! - menti - Só vou fazer isso pela Suri,apenas por ela.. - Daniel riu

-Nunca vi tanta mentira sair da sua boca!

- Não enche! Deixe eu arrumar Suri. Quero minha bonequinha vestida como uma princesa para amolecermos o coração do pai dela..



Capítulo 45

"Os papéis estão se invertendo"

Michael


   Um mês e minha vida muda a cada momento. Minha carreira profissional está cada vez melhor, terminei meu curso e a pouco tempo me tornei diretor de imagens do estúdio de cenografia em que eu trabalho.
   Já a vida pessoal.. Bem,eu e Emilly estamos nos resolvendo,ou seja, nos encaminhando para o divórcio. Além disso, eu tenho me aproximado de Lili. Por tudo que tem acontecido com ela,acabamos ficando mais amigos e agora estamos juntos,pois eu prometi que cuidaria dela e do bebê. A pouco tempo descobrimos que sua gravidez é de risco. Por esse e outros motivos, eu tomei a decisão de me casar com ela.
    Eu preciso esquecer Emilly e essa será a única opção,quer dizer eu gosto muito da Lili,mas não me sinto entrar em erupção como quando sentia com Emilly. Mas sei que vou conseguir amá-la como merece. E agora nada me fará mudar de ideia. Vou assumir a paternidade do seu filho e darei uma vida melhor aos dois.
    Terminei de acertar os últimos detalhes do divórcio com o meu advogado e segui para o meu carro. Pois é,com o salário alto consegui comprar um carro pra mim. Parece que minha vida esta entrando nos eixos.
    Estava respondendo à uma mensagem de Lili enquanto seguia pelo corredor do flat. Foi então que reparei em uma mulher sentada no balcão e ao seu lado um bebê.

-Emilly? Tá fazendo vigília na porta da minha casa? - ri - Princesa! - falei ao pegar Suri no colo

-Preciso falar com você. - respondeu séria

-Hm certo.. Vamos entrar. - dei espaço para Emilly entrar e a vi observando meu flat. Depois olhou pra mim

-Você está mudado..

-Em que sentido? - falei mantendo meus olhos no visor do celular

-Seu jeito de falar,de se vestir..

-Foi! - disse ao ver a mensagem enviada. Voltei minha atenção à nossa conversa - E isso é bom ou ruim?

-Não sei responder. Mas se estiver feliz,deve ser bom né?

-Uhum. - larguei o celular na bancada - O que quer falar comigo? Acho que já está tudo certo para o divórcio.

-Não é sobre isso,quer dizer,é .

-Não entendi nada. Volte do início.

-Certo.. - respirou fundo - Eu quero te pedir uma coisa.

-Peça..

-Eu decidi que vou adotar a Suri..

-Sério! Nossa isso é perfeito! Eu sabia que ia se render à essa fofura!

-Eu amo ela,Michael.. É a minha vida. Mas eu preciso da sua ajuda.

-O que eu posso fazer pra te ajudar?

-Não se separar de mim seria uma boa.. - murmurou

-O que disse?

-Eu tenho que mostrar ao juiz que sou capaz de criar a Suri e ele só vai aceitar se eu for casada. Entendo que esteja em um novo momento da sua vida,mas nós precisamos de você! - disse com sinceridade no olhar

-Não vou deixar que tirem a Suri da gente. Eu preciso só de um tempo para conversar com a Lili.

-Estão mesmo juntos?

-Estamos. - respondi sem hesitar - Não era isso que você queria? Que eu seguisse minha vida?

-Gosta dela? - sua voz saiu embargada

-Gosto. - desviei meu olhar para Suri

-A ponto de me esquecer?

-Acho que sim. - Emilly me olhou surpresa com a minha revelação. Parece ter acreditado na minha mentira, mas não vou voltar atrás. Cansei de ficar aos seus pés

-Nossa.. Eu desejo que seja feliz.. - Emilly veio até mim e deslizou suas mãos pelo meu peito - Que ela consiga te causar as mesmas sensações que eu causava em você.. - sussurrou sensualmente no meu ouvido

-O que está fazendo comigo? - consegui dizer,com meus olhos fechados

-Nada.. Só desejando a sua felicidade.. Então acho que podemos cancelar a audiência,claro se a Lili deixar! - riu com sarcasmo

-Ela vai me entender. Sabe que eu farei isso pela Suri

-Você ainda me ama,Michael? Seja sincero.. - seus lábios estavam rentes nos meus

-Não vou permitir que me seduza outra vez..

-Responda.. - enrosquei minha mão no seu cabelo e a puxei para mais perto de mim

-Você quer jogar comigo,não é? Vejo nos seus olhos,Emilly..

-Se visse realmente os meus olhos, saberia o que eles querem dizer.. - respondeu contornando seu lábio inferior na altura do meu queixo

-E o que eles querem dizer? - perguntei com bastante dificuldade em me controlar

-Que você é meu. Pode sair por aí namorando quem quiser,mas você sabe que é a mim que você pertence!

-Como pode ter tanta certeza disso? - ela mordeu o lábio

-Porque só eu te deixo desse jeito.. Nervoso,atordoado.. Você me ama,Michael..

-Acho que cansei de amar sozinho. - me afastei - Lili é a garota certa pra mim. - ela riu

-Amar sozinho?É sério isso? Acha que eu estava brincando com você todo esse tempo?

-Eu não quero um relacionamento incerto,Emilly.. Quero tranquilidade, um amor neutro.

-Então é assim que você considera o nosso amor? Um campo minado? Não percebe que eu te odeio pelo simples fato de ainda ser louca por você? Eu te amo,caramba! - Emilly se jogou nos meus braços e eu prontamente correspondi ao seu beijo, apertando-a contra mim - Você é meu,Michael..

-Eu era,Emilly.. - ela se soltou de mim e me encarou

-O que quer dizer com isso?

-Eu vou me casar com a Lili. - Emilly se encostou no balcão,olhando apática para o chão

-Está brincando comigo.. - riu - Não é?

-Não é brincadeira. Serei pai do seu filho e marido dela. E eu não vou voltar atrás! - Emilly pegou o carrinho com Suri e parou à caminho da porta

-Você não vai se casar com ela! - afirmou com ímpeto - Eu não vou deixar! - Emilly sumiu do meu campo de visão

  Me joguei no sofá e suspirei pesadamente. Não sei no que acreditar, se Emilly realmente me ama ou se não passo de um brinquedo. Mas agora tanto faz, assumi um compromisso com Lili e é com ela que eu ficarei. Está decidido.



Capítulo 46 

"Infernizando Michael Jackson"

Emilly

  Voltei pra casa completamente arrasada. Ele estar namorando a sem tempero da Lili eu quase entendo, daí a casar com ela já é demais. E uma coisa eu digo, Michael não se casa,nem por cima do meu cadáver!

(...)

   Depois desse dia,Michael,por meio de uma econômica mensagem, disse que toparia me ajudar. Só assinará o divórcio depois que conseguirmos a guarda definitiva e hoje ele virá aqui para acertamos os detalhes, pois iremos à nossa primeira entrevista com a assistente social.
Caprichei no visual e fiquei a espera dele,mas antes tive uma conversa bem séria com Suri.. Coloquei ela no meu colo, com seus olhinhos fixos em mim.

-É o seguinte,bebê.. Seu pai está de.. caramba,eu não posso xingar.. Então, seu pai está fazendo doce, ele não quer mais a mamãe. Eu sei, é triste.. Mas você com essa carinha linda e redondinha pode me ajudar. A gente precisa trazer o papai  de volta! Você vai me ajudar, não é? - Suri riu - Essa é a minha filha! - lhe dei um abraço apertado. A campainha tocou e eu me sobressaltei. É ele!

  Me levantei rapidamente e coloquei Suri no carrinho. Me conferi no espelho mais uma vez, ajeitei meu cabelo e retoquei o batom. Michael tocou a campainha mais uma vez e eu corri para atender.
   Fiquei boquiaberta ao abrir a porta. Michael está de terno! Puta que pariu,eu nunca vi ele vestido assim,nem no nosso casamento ele vestiu terno!

-Emilly,está aí..? - Michael chamou minha atenção

-Ah.. aham.. Entra! - me afastei da porta para Michael entrar e o cheiro do seu delicioso perfume quase me fez cair pra trás

-Cadê a minha bonequinha,hein! - falou todo meloso ao ver Suri,que fez a festa ao ver Michael

-Papa!! - Michael paralisou assim como eu. Ele olhou pra mim,eu olhei pra ele,olhamos pra Suri e ela novamente repetiu,levantando os bracinhos - Papa!

-Emilly,ela.. Oh meu Deus!! - Michael correu até mim e me abraçou, nos rodopiando pela sala

-Sua filha tá te chamando! - Michael tinha um sorriso tão encantador que me deixou emocionada

-O papai tá aqui,minha linda.. - Suri brincou com os cachinhos de Michael que estavam no seu rosto - É o cabelo do papai.. mas o seu é mais lindo ainda!

-Michael,eu não quero atrapalhar.. Mas está na hora.. - infelizmente tive que os interromper

-Ah,tudo bem.. Posso deixar ela no meu colo?

-Claro! Duvido muito que ela queira ir pro carrinho agora!

(...)

-Michael,você sabe o que vai falar né? - estávamos na sala de espera

-Sei,Dona Emilly.. Não se preocupe. - ele sorriu

-Você sabe que vai ter que voltar pra casa,né..? - usei a ponta do meu dedo para fazer contornos na sua coxa. Michael estremeceu pela carícia

-Como..como assim voltar?

-Ué! Nós vamos passar por um pente fino. Como querem que acreditem que somos um perfeito casal se você não mora comigo?

-É realmente necessário isso? - me olhou desconfiado

-Olha aqui,você vai me ajudar ou não?

-Eu disse que vou!

-Então pronto! Não precisa voltar a morar comigo. É só passar um tempo lá enquanto fazem as entrevistas.

-Melhor assim.. - Michael voltou sua atenção para Suri

-Sr. e Sra. Jackson, podem entrar. A menina fica comigo para ficarem mais a vontade. - a secretária nos disse

-Tudo bem.. Fica de olho nela! - pedi. Michael e eu entramos na sala da assistente, um tanto quanto apreensivos

- Bom dia! - a mulher nos cumprimentou - Meu nome é Ellen, sou a assistente social responsável pelo pedido de adoção da menor.

-Prazer em conhecê-la. - Michael disse educadamente. Nos sentamos um ao lado do outro e eu rapidamente peguei na sua mão

-Formam um lindo casal.. - Ellen nos olhou admirada

-Own..Michael é o responsável por isso.. - falei ao apertar seu queixo. Michael franziu o cenho,mas entrou no jogo

-Não seja modesta,princesa. Você é que torna nossa relação mais especial a cada ano que passa..

-Estão casados a quantos anos?

-Seis. - me adiantei a dizer

-É bastante tempo! - comentou, surpresa, anotando em seu bloquinho - E como consideram a relação de vocês?

-Melhor impossível! - falei - Sério agora, no início é sempre complicado,mas tivemos paciência e nos dedicamos um ao outro.

-Temos uma relação firme, pacífica e muito amorosa! - Michael completou

-Isso é ótimo! Uma relação harmônica é a base de tudo! Tenho muito o que perguntar,mas ficará para as próximas entrevistas. Por enquanto estamos só nos conhecendo. Mas gostaria de saber, por que decidiram adotar a menina?

-Porque a amamos. - Michael rebateu - Ela é nossa filha independente de laços sanguíneos!

-Suri veio totalmente de surpresa. Confesso que me apavorei,mas hoje.. hoje não vejo sentido na minha vida se ela não estiver comigo.. - falei com sinceridade

-Olha só, gente. Vocês me parecem ser pessoas maravilhosas e vejo que realmente amam a menina. Farei o possível para ajudá-los.

-Muito obrigada.. - falei - Estaremos à sua disposição para qualquer coisa!

-Ótimo! Ligarei para marcar a próxima entrevista. Tenham um bom dia! - nos despedimos de Ellen e pegamos Suri

(...)

-Michael..? - puxei assunto ao notá-lo tão concentrado ao dirigir -Você vai levar a gente pra almoçar né?

-Eu? - me olhou surpreso

-É.. Suri está tão manhosa.. Só come direito quando você dá a comida na boca dela. Vê se pode! - fingi estar indignada

-Bem, se é pra essa princesinha comer,vamos para o shopping e almoçamos por lá. Pode ser?

-Claro! Ah, depois temos que passar na loja de roupas. Suri está crescendo e as roupas já não estão mais servindo. Além do mais você tem bom gosto.. - elogiei. Michael sorriu,orgulhoso

-Mas é claro que eu vou! Não quero que você a transforme em uma perua!

-Você tá me chamando de perua?

-Eu disse isso? Disse? 

-Dirija,Michael.. - pedi, me controlando por dentro

   Nosso dia foi digamos..perfeito! Tivemos apenas um probleminha no restaurante,quando Michael fez Suri dançar em cima da mesa e ela acabou vomitando. Saímos na surdina, antes que o gerente nos obrigasse a limpar.
   Em seguida fomos comprar roupas para Suri. Ficamos nós três tirando fotos no trocador da loja. Levamos mais de dez peças de roupas e Michael fez questão de pagar tudo. Terminamos o passeio nos deliciando com um enorme Milk-shake. Inventei que o meu estava horrível,só para dividir a sobremesa com Michael. Mas para estragar o nosso dia, o encosto chamado Lili ligou e eles combinaram de jantarem juntos. Ah ta..
   Michael nos deixou em casa e infelizmente não ficou por mais tempo. Eu até tentei fazê-lo ficar, mas a chata da Lili não parava de ligar ou mandar mensagem. Mas tudo bem,esse jantar não vai acontecer mesmo..

-Ó,vai ser segredinho nosso hein! - falei para Suri

  Esperei dar 21:00 horas em ponto. Michael e Lili devem estar esperando a lavagem ficar pronta para comerem à luz de velas,mas eu salvarei meu maridinho dessa. 
Disquei o número do seu celular e na terceira chamada ele atendeu. Fiz sinal de vitória para Suri.

-Emilly? Está tudo bem? - perguntou preocupado

-Ah Michael, bem..bem..não está não.

-Por que? O que aconteceu?

-É a Suri que não para de chorar. Ela está esgoelando aqui e chamando pelo "papa"..

-Papa?

-É.. o papa dela.. Já tentei fazer de tudo,mas ela não dá nem ideia pra mim.. Só serve você,amigo..

-Eu estou indo pra aí,tá bem?

-Não vou atrapalhar você? - fiz a cínica - Se tiver ocupado,não se preocupe. Eu aguento passar a noite toda cuidando da nossa filha..

-Imagina,Emmy! Chego aí em minutos. Beijos! - assim que deslizei a ligação, dei um grito para comemorar

-Uhuul! 1 a 0 pra gente,bebê! - abracei Suri - Acho que alguma ladra de maridos vai ficar chupando dedo hoje..



Capítulo 47 

"Tentação"

Michael


-Michael,o que está fazendo? - Lili perguntou ao me ver levantar da mesa do restaurante

-Preciso ir embora, a Emilly disse..

-Emilly! - riu - Tinha que ser ela! Já não bastasse passar o dia todo grudada em você,agora tem que ser a noite também? - estava profundamente irritada

-Meu anjo,Suri precisa de mim..

-Ah Michael,sério que vai cair nessa chantagem emocional dela? É óbvio que isso é desculpa!

-Lili,para.. Eu só vou ver a minha filha e volto pra casa. Pare com esse ciúme infundado,eu não tenho mais nada com a Emilly, mas ela é a mãe da minha filha.

-Você fala como se essa menina fosse uma filha de verdade!

-E ela é! - aumentei meu tom de voz - Não precisamos ter o mesmo sangue para sermos uma família. Vamos logo,não quero mais discutir com você!

-Vai sozinho! Eu vou ficar aqui. - teimou. Suspirei

-Não volte pra casa tarde,também não vou demorar. - dei um selinho em Lili e segui para a casa de Emilly

   Pra falar a verdade estou bem animado em vê-la novamente. Tive o melhor dia da minha vida ao lado de Emilly e Suri. E mesmo que por pouco tempo,vou matar a saudade delas,apesar de achar estranho essa ligação.
    Toquei a campainha do seu apartamento e escutei um "Já estou indo" de Emilly. Conferi meu visual no espelho e ajeitei meu cabelo. A porta se abriu e meu coração se derreteu ao ver Emmy abraçada à Suri.


-Pode entrar,Michael. Desculpe te ligar,mas eu não sabia o que fazer..


-Sem problemas. Nossa filha está sempre em primeiro lugar! - Suri ficou inquieta ao me ver e eu logo a coloquei no meu colo - Minha princesa, você está dando trabalho pra sua mãe,é? O papai já está aqui.. Será que era cólica? - perguntei para Emilly ao me sentar no sofá

-Pode ser.. Só sei que ela queria você.. - ficamos por alguns minutos olhando para Suri

-Eu nunca poderia imaginar que seria pai de uma japonesinha. - Emilly riu

-E eu nunca imaginei que seria mãe!

-Acho que estamos fazendo um bom trabalho..

-Você eu tenho certeza que sim! Ela já dormiu.. - Suri estava com a cabecinha colada no meu peito

-Fez todo esse auê pra capotar no sono! - rimos

-Michael,poderia ficar com ela enquanto eu tomo um banho?

-Claro! Vou por Suri no berço.. - Emilly se levantou e rumou-se para a sua suíte

   Me restou ficar ninando Suri em seu quarto,que a cada vez que venho visitá-la,está ainda mais decorado. E claro, com todos os presentinhos que eu trago pra ela.
    Depois de algum tempo andado de um lado para o outro,saí do quarto para esperar Emilly na sala de estar. Deixei uma luz fraca iluminar o quarto de Suri e fechei a porta cuidadosamente.Segui pelo corredor e dou de cara com Emilly vestida apenas de toalha de banho. Pelo susto,acredito eu, sua toalha caiu,revelando as perfeitas curvas do seu corpo.
Emilly não tirava os olhos de mim e eu não conseguia desviar meu olhar da imagem à minha frente. 
    Desobedeci todas as ordens do meu subconsciente e me encaminhei até Emilly,que rapidamente se abaixou para pegar a toalha. Segurei seu braço para impedi-la de cobrir a nudez. A medida em que eu andava para frente,Emilly se afastava até que eu a pressionei na parede.
   Segurei seu rosto com minhas mãos e me aproximei ainda mais. Meus olhos estavam fixos nos seus lábios entreabertos e não demorou muito para encostar minha boca na sua. 
Minha língua a penetrou sem nenhuma delicadeza. Nossos lábios se moviam sem pressa,mas de uma perfeita sintonia. Me afastei minimamente para encará-la,mas logo voltamos a nos beijar com mais urgência e precisão.
   Passeei minhas mãos pela sua pele macia,e agora quente. Sem interromper o beijo, fomos juntos para o seu quarto. Tirei meu paletó e a camisa,enquanto Emilly se livrava da minha calça jeans. Empurrei-a ao colchão e agora pude observar seu corpo por inteiro.
Comecei por distribuir beijos no seu colo,seios,barriga até finalmente chegar na sua virilha. Emilly estremeceu ao sentir minha língua circundando sua intimidade úmida. Dei leves sugadas em seu clitóris,introduzindo dois dedos na sua entrada. Seus gemidos roucos me deixavam ainda mais excitado e me incitavam a continuar minha tortura. Notei que seus dedos estavam agarrados ao lençol, anunciando seu primeiro orgasmo.

-Oh caramba! Isso é tão bom.. - grunhiu ao atingir seu ápice. Saí do meio de suas pernas e vi Emilly sorrir pra mim - Você é tão lindo..

-E você é uma delicia! - engatinhei até estar de frente à ela. Emilly envolveu suas mãos na minha nuca e me puxou para um beijo extremamente sensual

    Emilly passeou seus dedos na minha barriga e finalizou a carícia ao tocar no cós da minha cueca, descendo-a devagar para ter a visão completa do meu membro,agora liberto. Sua mão o friccionava com maestria,me fazendo morder com força meu lábio inferior. 
   Ela continuou a me estimular mesmo com nossos lábios grudados. Eu queria muito me enterrar fundo nela,mas Emilly fazia questão de me enlouquecer. Decidi fazer o mesmo e cravei meus dentes no seu seio, assoprei de leve para amenizar a ardência da mordida. Repeti o mesmo com o outro seio e em seguida, os envolvi como duas conchas,apertando com muita força.

-Emmy,por favor.. - choraminguei, não suportando mais a vontade de estar dentro dela. Emilly acatou meu pedido e se encaixou no meu colo

  Foi inexplicável a sensação de ter meu pau sendo engolido pela sua intimidade. Depois do torpor imediato,começamos a nos movimentar e Emilly passou a rebolar em cima de mim.

-Isso garota.. Rebola pra mim.. - pedi

   O quarto foi preenchido com o som dos nossos gemidos e dos corpos se chocando. Não existe visão mais excitante do que ver Emilly cavalgando em cima de mim. Me sentei na cama e a puxei para ainda mais perto, fazendo meu membro lhe tocar lá no fundo. 
   Suas pernas estavam entrelaçadas na minha cintura,suas unhas cravadas nas minhas costas e seus lábios chupando os meus. Cenas que com toda certeza vão ficar na minha cabeça por   muito tempo.
   Senti meu  
orgasmo se aproximar e inverti as posições. Me coloquei por cima dela novamente e comecei a estocar rude e incessantemente. Voltamos a nos beijar apaixonadamente quando o clímax nos atingiu e explodimos em um orgasmo intenso. Nos mantivemos abraçados absorvendo o torpor daquele momento.

   Já deitado ao seu lado, encarei seus olhos cor de mel,que tinham um brilho a mais nesta noite. Estávamos suados e ofegantes,mas principalmente, satisfeitos um com o outro. 
Emilly deitou sua cabeça na minha barriga, com o rosto virado pra mim. Tirei as mechas do seu cabelo que estavam tampando seu olho.

-Fala a verdade,Emilly.. Você me chamou aqui atoa,não é?

-Está querendo dizer que eu inventei uma desculpa para você vir aqui? - fingiu estar ofendida

-De você eu espero tudo! - ri

-Eu confesso só se você também confessar que veio aqui para me ver.

-Eu vim pela só Suri,tá? - menti

-Mentir é feio,Sr. Jackson..

-Isso não devia ter acontecido. Você me seduziu!

-E você é um garotinho inocente..

-Eu vou embora antes que .. - me levantei para pegar minhas roupas

-Que não resista novamente? - indagou

-Emilly,para com isso.. Você me fez trair a Lili!

-Isso não é novidade nenhuma pra você! E eu não te obriguei a transar comigo,ou esqueceu que foi você que me arrastou para o quarto? - riu

-Eu não vou mais escutar o diabo,não vou! - ela riu mais ainda. Vesti minha calça e peguei minha blusa,prestes a sair do quarto

-Hey.. - Emilly me chamou

-O que foi?

-Não ganho um beijo de boa noite? - ela fez um olhar de cachorrinho pidão que desmontou minha armadura. Emilly se ajoelhou na cama e eu me aproximei

-É por isso que eu .. - agarrei Emilly pela cintura e tomei seus lábios em um beijo sedento

-Vamos ter que tirar essa calça de novo.. - Emilly riu e lá foi eu para a sua cama novamente..

(...)

  Já se passavam das duas da manhã. Meu apartamento estava silencioso e presumi que Lili estava dormindo. Acendi o abajur e me joguei no sofá, tirando o paletó e inalando o perfume de Emilly que ficou registrado nele.

- A Suri estava chorando até agora? - fechei meus olhos e respirei fundo

-Ainda acordada, Lili? - falei com calma

-Não. Mas acordei às duas da manhã e nem sinal de você - gritou - Estava com ela,não é?

-Mas é claro que eu estava! Esqueceu onde a Suri mora? - me levantei para pegar um copo de conhaque

-Não se faz de sonso,Michael! Quer mesmo que eu acredite que passou a noite inteira apenas ninando uma criança?

-Não vi a hora passar e acabei cochilando..Sei lá,eu dei uma volta. Quantas vezes quer que eu diga que não aconteceu nada entre eu e Emilly?

-Então como explica essa marca de batom na sua gola? - apontou furiosa para a minha camisa. Merda!


Capítulo 48 

" Uma batalha perdida"



Michael


- Eu sei que a frase é clichê,mas não é o que está pensando.. - tentei explicar

-Você quer mesmo que eu acredite nisso? Agora a Suri passa batom vermelho?

-Eu devo ter esbarrado em alguma coisa.. Caramba Lili, não vamos brigar por isso!

-Eu não suporto mais essa mulher na nossa vida! Ai.. - Lili gemeu

-O que houve? Hum? - rapidamente a segurei para não cair no chão

-Minha barriga tá doendo..

-Você só está de cinco meses! Vamos para o hospital!

(...)

-O que ela teve,doutor? - perguntei ao médico que lhe atendeu na emergência

-Foi só um mal estar. Vocês sabem que a gravidez é de risco e o estresse que ela sofreu quase foi fatal para o bebê.

-Merda,a culpa foi minha! - me repudiei por ter sido o causador disso - Eu posso vê-la?

-Pode sim. Ela já está melhor, mas precisa de muito repouso.

-Eu vou cuidar dela.. - entrei no quarto do hospital e me sentei ao seu lado

-Michael.. - murmurou

-Como se sente?

-Agora estou melhor.. Meu bebê está bem?

-Está sim. Foi só um susto. Lili, me perdoe pelo que aconteceu.. Eu não queria te deixar assim.

-Eu te perdoo,mas tem que me prometer que vai se afastar dessa mulher!

-Você sabe que tem a Suri no meio disso..

-Então se divorcie logo! Você prometeu! - apertei sua mão

-Eu vou me divorciar assim que conseguirmos a guarda,eu prometo! Nós vamos nos casar e ficaremos em paz,confie em mim.

-Eu confio.. - dei um suave beijo na sua testa

-Precisa dormir.. Vou ficar aqui ao seu lado,tá bom?

-Uhum..



Emilly


    Já tem um mês que Michael e eu não voltamos a falar sobre o acontecido. Nas poucas vezes que e o vi,foi apenas para irmos às entrevistas ou para ele ver Suri.
    A decisão do juiz já está perto de sair e eu sinto que quando isso acontecer,Michael vai se divorciar de mim. Mas eu não posso deixar ele se casar com Lili. Ele pode até se separar,mas casar com ela,não!

(...)

-Hoje é o grande dia.. - falei para Daniel, que segurava Suri em seu colo

-Não fique nervosa. Tenho certeza que a adoção será aceita!

-Eu também tenho..

-Então por que o desânimo nessa voz?

-Depois disso será o fim entre eu e Michael.. Ele voltou a falar sobre a separação.

-Oh Emilly.. Sinto muito,mas por que você não se abre com ele? Diga que o ama!

-Eu já fiz de tudo! Mas ele está derretido por essa anã! - Daniel riu - Diz ele que fomos os culpados dela ter quase perdido o bebê!

-Eu te conheço e sei que não vai desistir fácil. E divórcio não significa nada! Eu tenho certeza que ele não se casa com a Lili. - me tranquilizou

- Deus te ouça.. Bem, está na hora. Cuide da Suri,por favor.

-Não se preocupe,essa princesa está em boas mãos! - peguei Suri no colo e lhe beijei no rosto

-A mamãe volta logo,tá? Prometo que vamos ficar juntas pra sempre! Eu te amo..

   Michael me esperava do lado de fora do meu prédio. Apesar de ser um dia tenso para nós dois, eu ainda sinto meu coração se alegrar ao vê-lo, mas ele parece querer estar cada dia mais afastado de mim.

-Está pronta? - perguntou ao abrir a porta do seu carro para mim

-Acho que sim e você?

-Apreensivo,mas confiante. Suri vai ser nossa filha! - seu olhar me passou segurança

-Vai sim! - Michael me deu um tímido abraço e voltamos para o carro

   Chegamos ao fórum e logo nos encontramos com Susan. Ela ficou sendo a advogada responsável pelo destino de Suri. Segundo ela não era necessário uma audiência, o próprio juiz enviaria a decisão para ela.

-Que bom que estão aqui. Ansiosos para saberem a decisão?

-Não imagina como! - Michael respondeu

-Sentem-se - indicou às duas cadeiras postas de frente à sua mesa. Ela abriu o envelope e nos entregou dois documentos

-O que isso quer dizer? - perguntei temendo a resposta

-Esses documentos precisam de uma única assinatura de ambos. É tudo que falta para serem os pais adotivos de Suri Cruz Jackson!

-Oh meu Deus! - praticamente chorei de alegria. Michael e eu nos levantamos e eu fui puxada para um abraço forte - Conseguimos Mike, conseguimos!

-Eu sabia,Emmy! Agora sim ninguém pode tirar nossa filha da gente! - permaneceríamos abraçados se Susan não tivesse chamado nossa atenção

-Vocês precisam assinar,afinal Suri precisa de uma nova certidão de nascimento! - Susan disse. Sorrimos um para o outro ao assinarmos os documentos

  Saímos do fórum planejando a comemoração que faríamos com Suri. Nossa ficha parece não ter caído ainda, era como se estivéssemos buscando nossa filha na maternidade.

-Vem Michael, Suri deve estar morrendo de saudade dos pais! - já estavamos na porta do meu prédio

-Emilly,espera. - Michael parou

-O que foi? Esqueceu alguma coisa?

-Eu não posso subir com você, sinto muito.

-Mas..por que? Nós combinamos de comemorar juntos a adoção da Suri!

-Lili não está nada bem,ela precisa de mim.. - respirei fundo para controlar minha raiva

-É um momento importante para nós três e você está dizendo que não pode vir comigo?

-Eu sinto muito,Emilly! Eu prometo vê-la mais tarde!

-Não! Não precisa se dar ao trabalho! Afinal,nosso acordo era esse não é? Você me ajudava a ter a guarda de Suri e depois estaria livre. Deve estar aliviado por finalmente se ver livre de mim!

-Não diga besteiras! Suri é a minha filha e vai continuar sendo estamos casados ou não!

-Vá ficar com a sua noivinha e esqueça da gente! - me virei para ir embora,mas Michael segurou o meu braço

-Nem pense em me proibir de ver a Suri!

-Eu não vou precisar fazer isso. Sua própria namoradinha vai se encarregar disso!

-Do que está falando?

-Eu estou dizendo que você está se tornando o cachorrinho dela! Ainda não percebeu como ela te manipula? - ri - Logo você que se acha tão esperto.. Me dê licença, pois vou comemorar a minha vitória com a minha filha! - ignorei sua presença e segui para a minha casa

(...)

  Naquele dia,Michael voltou mais tarde para ver Suri. Eu estava com tanta raiva que preferi esperar no terraço até Michael ir embora. Não me conformo de vê-lo como um capacho de Lili, acatando todas as ordens dela e deixando de lado a própria filha.Mas eu não vou deixar que Suri se prejudique com essa palhaçada.
   Michael não esperou nem se quer uma semana se passar para comunicar o pedido de divórcio. Minha vontade era de rasgar em pedacinho o papel,mas se eu fizesse isso só complicaria minha situação.

-Onde devo assinar? - perguntei ao advogado de Michael que bateu na minha porta

-Nesta linha aqui. - indicou - E agora na outra folha. - assinei exatamente no lugar pedido e devolvi para o rapaz

-Aqui está. Diga ao seu cliente que agora ele está livre de mim. Ah,mas diga para ele não se animar. Eu posso ter perdido essa batalha, mas não quer dizer que eu vá perder a guerra. Passar bem!

Fechei a porta com força e me sentei no chão. Eu não vou me desesperar,assim como não vou abrir mão de Michael. Eu sei que ele só está com Lili por pena e por medo de deixá-la desamparada, da mesma forma que eu sei que ela está fazendo de tudo para prendê-lo à ela.
Michael fez de tudo para impedir meu casamento com Eliot, e conseguiu. Agora será a minha vez de fazer o mesmo, nem que eu tenha que arrastá-lo do altar!
 


Capítulo 49  

" Só eu e você "



Michael


   Ao contrário do que Emilly deve estar pensando,não,eu não estou nenhum pouco feliz com a nossa separação definitiva. Mas também não posso continuar vivendo desse jeito. Lili quase perdeu o filho por minha causa e eu não vou continuar a enganando.

" - Michael, vem logo! - sua esposa segurava o pequeno bebê nos braços

-Emilly,você não pode sair correndo com o menino! Ele acabou de mamar,garota! - riu ao ver que não importa quantos filhos tenham,ela sempre será desastrada

-Deixa de ser chato! Pegue a Suri pra mim e se demorar,vai ficar para trás! - ela girou os calcanhares e partiu levando o menino

-Emilly,espera! - ela não o escutava,e o que restou foi correr para tentar alcançá-la "


-Michael? - fui despertado pela voz de Lili

-O que? O que houve? - me sentia atordoado pelo sonho

-Nada..Mas você estava inquieto, murmurando.. Teve um pesadelo?

-Não.. Foi só um sonho..desses que faz sentido nenhum..

-Lave o rosto,está suado. Quer que eu faça alguma coisa pra você comer?

-Não precisa,eu estou bem.. - disfarcei

-Eu preciso comprar algumas coisas. Não demoro, tá?

-Uhum.. Qualquer coisa me ligue.

-Pode deixar. - Lili me beijou e se foi

   Me sentei na cama e respirei fundo. Não existe sensação pior do que estar no paraíso e num piscar de olhos voltar à realidade. Abri meus olhos ao ouvir meu celular tocando. Arqueei minha cabeça para ver quem era e quase me jogo na mesinha de cabeceira para pegar o celular.

-Emilly? - o entusiasmo foi nítido na minha voz

-Michael,te liguei pra avisar que vou ao Alabama com Suri. Fui chamada para resolver algum assunto de família.

-Espera ai,mas você vai demorar? Porque se fosse uma viagem rápida não teria necessidade de levar a Suri, não é mesmo?

-Michael,Suri vai comigo até no buteco da esquina! Mas respondendo a sua pergunta, eu vou passar uns três dias por lá.

-E vão as duas sozinhas?

-Nós duas e Deus,ao não ser que o pai dela queira vir também. Ah,mas como eu pude me esquecer, você tem que pedir permissão pra patroa! - ela riu debochando

-Pois lhe digo que eu vou,docinho! Não vou deixar você viajar sozinha com a minha filha!

-Cinco da tarde,aqui em casa. - só escutei o toque da ligação encerrada.

-Que filha da mãe! - ri

   Ótimo, agora como vou dizer isso à Lili? Que fique bem claro que eu só vou nessa viagem para cuidar de Suri. Eu já não confio em Emilly aqui, imagina a milhas de distância!
Enquanto aguardava Lili voltar, arrumei uma pequena mala e escolhi meus melhores perfumes, e por coincidência, levei o preferido de Emilly.

-Que mala é essa? - perguntou ao entrar no meu quarto

-Preciso ir ao Alabama..

-Por qual motivo?

-Eu.. - pensa rápido,Michael! - Estou vendendo a minha casa e preciso ir lá acertar a venda.

-Ah sim.. Se quiser eu vou com você. Adoraria conhecer sua cidade!

-É melhor não,Lili. É uma viagem longa e cansativa, vai fazer mal para o bebê. Você lembra o que o doutor disse né?

-Tudo bem.. - suspirou

-Serão poucos dias, volto logo.

-E você vai avisar à sua ex-mulher?

-Hm..não. Ela não precisa saber.. Já vou indo. Fica bem tá? - lhe abracei e dei um leve beijo nos seus lábios

-Amo você.. - preferi responder dando outro beijo

-Até mais!

   Não sei como consegui inventar essa desculpa. Emilly está me transformando em um belo mentiroso e tudo por causa dela!
   As cinco em ponto eu toquei a campainha da sua casa. A porta estava encostada,então eu entrei. Abri um largo sorriso ao ver Suri engatinhando no tapete enquanto Emilly andava pra lá e pra cá com várias roupas nas mãos.

-Ah,oi Michael.. Nem ouvi a campainha! - Suri veio para o meu colo e eu só tava reparando na quantidade de malas no sofá

-Oh Emilly.. Você tá indo viajar por uns dias ou vai passar uma temporada em Paris?

-Não entendi.. - ela continuou dobrando as roupas

-Tem certeza que precisa de quatro malas?

-Mas é lógico! São as minhas roupas, sapatos e acessórios. Agora multiplique por dois.

-Depois eu falo que Suri está virando uma perua e você reclama!

-Vamos parar de se meter onde não é chamado? - ela sorriu forçado - Pronto. O avião sai daqui a três horas, é melhor irmos.

-Você acha,querida?

-Engraçadinho.. Pegue as malas e leve para o táxi.

-Eu odeio quando você dá uma ordem e sai andando!

-Então me obedeça que dói menos!

(...)

   Já estávamos voando para o Alabama. Voltar pra lá acompanhado de Emilly e da minha filha é inacreditável. E eu não menti quando disse que minha ida para Miami mudaria minha vida por completo.

-Olha pra ela.. - Emilly me mostrou Suri dormindo na cadeirinha - Acha que ela vai gostar da terra dos pais dela?

- Mas é claro que vai. Alexandria pode ser um buraco de cobra para algumas pessoas.. Mas é um paraíso para uma criança. É bem melhor que criá-la na cidade grande!

-Então por que não cria o filho da Lili em Alexandria?

-Eh meu Deus do céu! Já quer brigar dentro do avião? - Emilly virou para o canto

-Você que começou! E não me incomode,quero dormir!

-Ótimo,durma mesmo! - não demorou nem dez minutos para Emilly encostar sua cabeça no meu ombro

   Ao anoitecer chegamos em Alexandria. Aluguei um carro para nos locomovermos pela cidade e fomos para a pousada da Virna, já que a minha casa está bastante empoeirada.
Virna quis nos encher de perguntas sobre Suri,mas prometemos explicar no dia seguinte. O problema foi na hora de alugar os quartos. Achei melhor Emilly ficar com Suri em um, enquanto eu dormia no quarto ao lado.

-Bem, está na hora de dormir.. - falei ao deixar Emilly na porta do seu quarto

-Nem estou com sono..

-Lógico que não, dormiu a viagem toda! E nos meus braços para ser mais exato!

-Ah então é por isso que eu estou com uma terrível dor no pescoço.. Boa noite,Michael! - Emilly fechou a porta na minha cara

-Desgraçada! - xinguei furioso a caminho do meu quarto.

   Certo,eu não ia conseguir dormir sabendo que Emilly está a metros de distância de mim. Decidi usar a desculpa de ver como Suri estava.
Tomei outro banho e me vesti apenas com uma calça de moletom. Quase me sufoquei com as borrifadas de perfume.

-Será que ela já dormiu? - eu andava de um lado para o outro - Não, Emilly não dorme com facilidade.. Mas o que eu vou dizer? Hum, eu posso conferir se Suri está bem.. Ah,eu vou lá!

   Respirei fundo e caminhei até a porta. Quando fui abri-la dou de cara com Emilly parada com a mão levantada,prestes a bater na porta. Ótimo, perdi toda as falas que eu havia ensaiado.

-Emilly?

-Se importa se eu entrar? - puta merda,ela estava usando a camisola que ela sabe que eu gosto,mas seu olhar estava tão inocente que me deixou completamente confuso com o motivo de estar aqui no meu quarto.
 

Capítulo 50

"Como se explica o amor?"


Emilly


-Cla..claro, aconteceu alguma coisa com a Suri?

-Não,ela tá bem..O problema é essa cantarola lá em baixo..

-Cantarola? - Michael foi até a janela e voltou rindo - Emilly, isso é serenata dos fiéis da igreja. Não me diga que até hoje sente medo?

-Eu sinto sim! Odeio isso,parece marcha fúnebre!

-É música gospel,não precisa ter medo.

-Lembra quando éramos pequenos? Toda vez que tinha serenata você me abraçava até que fossem embora.. - Michael sorriu

-Eu lembro sim. Você só parava de chorar quando eu cantava pra você. Quer deitar aqui comigo?

-Eu posso? Não vou conseguir dormir com essa gente cantando..

-Vem cá.. - Michael pegou na minha mão e me levou até a cama, separando um travesseiro para mim - Suri vai ficar bem?

-Vai sim, deixei a babá eletrônica ligada. - Michael se deitou e passou a coberta pelo meu corpo

-Está melhor assim? Eles logo vão embora..

-Tomara! - me encolhi na cama e me escondi debaixo da coberta

-Emilly,o que está fazendo? - Michael riu

-Dormindo ué?

-Mentira.. Você está com medo! - Michael tirou a coberta do meu rosto e me encarou - Por que você é tão linda,Emilly? - engoli seco com sua pergunta

-No momento eu sou uma medrosa! - ele riu

-Só não vou rir da sua cara porque estou achando muito fofo! - Michael alisava meu cabelo

-Você ta cheiroso.. Tomou um banho de perfume,foi?

-Eu? Só tomei banho normal.. Estou fedendo? - deu vontade de rir do seu nervosismo

-Não,Michael.. Está uma delícia. - fechei meus olhos - Dá vontade de nunca mais sair daqui. - Michael me abraçou com força

-Eu digo o mesmo. Ah se tudo tivesse sido diferente..Mas seguimos outros caminhos..

-Vamos esquecer isso,pelo menos nesses dias. - Michael beijou minha testa

-É tudo que eu mais quero.. Poder viver em paz com você no tempo que tivermos juntos.

-Eu te amo,Michael.. -  seus olhos se encheram de lágrimas e eu permiti que ele me beijasse

-Sempre vou te amar,Emilly.. - sussurrou no meu ouvido com a voz embargada

 Nessa noite nós não fizemos amor e muito menos discutimos. Fizemos um trato de esquecer o mundo lá fora e aproveitar o tempo que ainda tínhamos juntos.

(...)

  Acordei bem cedo no dia seguinte para resolver meus assuntos. Michael já não estava mais no quarto e presumi que ele estivesse com Suri.
 Desci para a varanda e sorri ao ver Michael alimentando Suri. Eu não queria atrapalhar os dois,então preferi sair sem ser notada.
 Tive que comparecer no pequeno cartório da cidade. Ainda não sabia o motivo de ter sido chamada,já que a funcionária não soube me explicar bulhufas.

-Bom dia,sou Emilly Cruz. Poderia falar com Willian..

-Willian Forks?

-Isso. Pode me dizer quem é ele? - perguntei à funcionária

-Ele é o advogado do Sr. e Sra. Cruz.

-Meu pais? - me assustei - Não estou entendo..

-Já vai entender. - meu coração gelou ao ouvir a voz gélida da minha mãe. Me virei para trás e depois de seis anos pude vê-la novamente

-Mãe? Nossa, eu não imaginava que você tinha me chamado aqui..

-Eu não chamei, foi o advogado da família. - respondeu sem olhar nos meus olhos

-Mas aconteceu alguma coisa? Você e o papai estão bem?

-Na medida do possível. Já você.. Estão dizendo por aí que você  voltou com o Jackson. - ela riu - Você nasceu pra ser feita de boba,né Emilly?

-Mãe,nós não estamos juntos..

-Eu não estou interessada nisso. - me cortou - Vamos direto ao assunto.

-A senhora tem razão. O que aconteceu afinal?

-O testamento do seu avô finalmente saiu. E seu nome está  no inventário.

-Nossa,faz tantos anos que o vovô morreu..

-Você ouviu o que eu disse,Emilly? Você herdou uma propriedade do seu avô.

-Eu? Mas por que justo eu que não entendo nada disso?

-Me pergunto a mesma coisa. Não sei porque seu avô sempre foi louco por você! - suspirou

-Nós éramos muito ligados.. - sorri ao me lembrar do meu querido avô

-Que seja. Só lhe chamamos para assinar os documentos e a escritura da Fazenda.

-Eu fiquei com a fazenda do vovô? Mas eu nunca cuidei de uma fazenda! Por que todo mundo cismou de me por responsável em tudo?

-Assine logo,Emilly. Acredito que queira voltar o quanto antes para .. sabe lá onde você mora. - ela pegou sua bolsa e caminhou para a saída

-Mãe?

-O que?

-Eu sinto sua falta.. - ela se calou e assentiu dando um imperceptível sorriso. Ela se virou e seguiu para a caminhonete

-Senhorita? Está bem?

-Ah,estou sim. Onde,onde eu assino? Deus,é cada novidade na minha vida!

 Voltei para a pousada ainda sem acreditar nas últimas notícias. Mas pior que saber que eu herdei uma fazenda, foi rever minha mãe depois  de tanto tempo. Não preciso nem dizer como me senti depois da sua calorosa recepção.
 Passei o dia todo praticamente no cartório resolvendo esse assunto. Queria me livrar desse peso o mais rápido possível. É óbvio que não vou ficar com essa fazenda, assim que puder vou vendê-la.
 Quando  cheguei já estava entardecendo. Estacionei o carro e de longe fiquei observando Michael e Suri brincando no jardim. Ela estava melhorando os passos e até corria, de um jeito atrapalhado,mas corria. Michael olhou na minha direção e tirou os óculos escuros para me enxergar. Ele veio até mim com um sorriso que me tira o fôlego.

-Pensei que não voltaria mais. - Michael se esgueirou na janela do carro

-Foi um assunto complicado.. - forcei um sorriso

-Por que está triste? Foi algo sério?

-Não sério,mas cansativo.. Eu revi a minha mãe,Michael.

-Nossa! E como foi o encontro?

-Nada do que eu já esperava. Eu continuo sendo uma estranha pra ela.. Mas tudo bem. - dei de ombros - Dona Stefanie é igualzinha a mim!

-Você tem um bom coração, ela é uma cobra! - ri - Pretende passar a noite trancada nesse carro?

-Não se preocupe,daqui a pouco eu saio.

-Daqui a pouco vai estar atrasada.

-Atrasada pra que? - Michael sorriu,mordendo o lábio

-Para uma noite especial..- Michael estendeu sua mão pra mim e eu retribuí

-Ainda estou confusa.. - ri

-Eu também estou. Quer me ajudar com isso? - Michael me intimidou com seus hipnotizantes e indecifráveis olhos negros,deixando meu coração ainda mais dependente desse amor.

Capítulo 51 

" Entre a razão e a emoção"

Michael


  Como sempre Emilly demora horas para se arrumar,mas eu sei que vai valer a pena. Quero aproveitar que estamos em Alexandria,longe de todos os problemas e das mágoas. Mesmo sabendo que em breve voltaremos a realidade.

-Emilly,tá difícil aí? - gritei enquanto subia as escadas. Eu me congelo ao vê-la na minha frente


-Estou bonita?


-É seu aniversário? Porque você está de parabéns! - ela riu

-Deixa de ser bobo! A Suri vai ficar bem?

-Vai sim,Virna vai cuidar dela pra gente.

-Bom..É melhor irmos então. - sorriu,desconcertada com o jeito que eu a olhava

-Vamos.. - enlacei meu braço na sua cintura e fomos até a sala nos despedir de Suri

-A mamãe já volta,tá? Se comporte com a Virna.. - Emilly lhe deu um beijo e eu fiz o mesmo ao pegá-la no colo

-Virna, se tiver qualquer problema nos ligue. - fiz um gesto para ela fazer justamento o contrário

-O que foi,Michael? - Emilly perguntou sem entender

-Nada! Vamos logo.. - deixamos nossa filha com Virna e fomos para o carro

-Dá pra dizer pra onde estamos indo?

-Larga de ser curiosa,mulher! Você não confia em mim?

-Não mesmo! - ela riu

  Durante o caminho até o lugar que iremos, notei que Emilly estava distraída olhando a paisagem através do vidro. Levei minha mão até sua coxa e acariciei,vendo sua pele arrepiar pelo toque. Emilly fechou os olhos e colocou sua mão sobre a minha.

-Chegamos. - avisei. Abri a porta para Emilly e ela riu do meu súbito cavalheirismo

-Michael, não me diga que estamos no Eclipse? - disse sem acreditar

-Acertou. Pensei que gostaria de relembrar os velhos tempos. Você se lembra que vínhamos aqui toda sexta-feira para dançar?

-Ô se lembro.. Inclusive nossa festa de casamento foi aqui! - ri ao lembrar

-Durou até as sete horas da manhã do dia seguinte! Agitamos com a cidade,Emilly!

-Alexandria não suportou nossa temperatura máxima!

-Não pensa em voltar pra cá um dia? - perguntei ao sentarmos na mesa

-Não sei.. Ainda não vejo motivos para voltar pra cá.. E você? Pensa em vir morar aqui com a sua noivinha? - sorriu cinicamente

-Emilly,prometemos deixar os problemas de lado..

-Então ela é um problema? - cruzou os braços e riu pela minha confissão

-Você é meu maior problema!

-Seja sincero,Michael. Por que quer se casar com a Lili? Vamos abrir o jogo agora!

-Você quer saber a verdade?

-Quero!

-Porque eu não aguento ficar longe de você! Caramba, você vira a minha cabeça,me enlouquece, faz um vendaval e depois vai embora! Eu quero tranquilidade, poder domar os meus sentimentos.

-Você quer uma submissa e sabe que eu nunca serei assim. Lili apesar de ser uma abusada, nunca será como eu. Nunca vai trazer emoção na sua vida. Aceite os fatos,Michael..

-Eu só quero paz. Você é como uma tentação que vai me levar ao declínio.

-Tudo bem,se é assim que você quer.. Quem sabe eu não encontre um homem que esteja disposto a amar loucamente.. - Emilly se levantou,mas segurei seu braço com força

-Nunca vou permitir isso! - grunhi

-Você não tem que permitir nada. Vai ter uma esposa exemplar em casa,não tem que se intrometer com qual HOMEM eu me relaciono!

-Não me provoque,Emilly! Não vou deixar você se meter com qualquer um para me atingir!

-Veremos! - Emilly se desvencilhou do meu braço e foi para a pista de dança. Meu sangue se concentrou todo no meu rosto quando um dos rapazes a puxou para dançar

  Caminhei até onde os dois estavam e quando Emilly girou,a puxei pela cintura e colei seu corpo no meu. Apertei-a firmemente contra mim e depois do nosso embate pelo olhar, começamos a dançar colados um no outro.
  Quando minha raiva se esvaiu, passei a guiá-la pela cintura com delicadeza. Suas mãos enlaçaram meu pescoço e sua testa estava colada na minha. 
Era como se não tivesse ninguém ao nosso redor, apenas nós dois. Não conseguíamos nem mesmo distinguir a música que estava tocando no bar, pois dançávamos à nossa maneira, eram as batidas dos nossos corações que nos guiavam. 
  Enxuguei sua lágrima que caiu e segurei firmemente seu rosto com as minhas mãos. Emilly fechou os olhos assim como eu e tudo que pude sentir foi seus lábios tocando nos meus. Um beijo tímido que se tornou intenso e ofegante,capaz de afastar as sombras do passado.

-Por que está fazendo isso com a gente? - Emilly se soltou de mim e se caminhou para a saída. E foi a solidão que eu senti ao ver a mulher responsável pela minha existência sair pela porta

(...)

  Naquela noite eu não voltei a vê-la. Depois da nossa conversa de ontem,acredito que consegui quebrar o pouco do encanto que restava entre nós. Apesar da terrível dor que sinto,sei que fiz o melhor para nós dois.

Me sentei no degrau da escada da varanda para observar o horizonte. Semicerrei os olhos para ter certeza do que eu estava enxergando.

-Que diabos a Emilly tá fazendo em cima de um cavalo? Emilly!! - gritei. Ela apenas olhou pra trás e continuou cavalgando,agora com mais impulso

-O que ela tá fazendo? - Virna perguntou logo atrás de mim

-O que mais Emilly faz além de aprontar? Desde quando essa louca anda a cavalo? - tirei minha jaqueta e fui atrás dela - Emilly, sai de cima desse cavalo! - ela me ignorou e seguiu com mais velocidade,mas não sei o que aconteceu para o cavalo se assustar e derrubá-la ao chão

-Michael!! - saí correndo para socorrê-la

-Não se mexa,ok? Onde está doendo? - me agachei para conferir como estava

-Meu pé.. Acho que torci.. - ela tentou se levantar

-Deixa que eu te levo. - antes que ela discutisse,a peguei no colo e a levei para o quarto

-Ela está bem? - Virna perguntou preocupada

-Vou ver isso agora. Virna,tire a Suri daqui,por favor. Você tem kit de primeiros socorros?

-Tem um no banheiro. Vou levar Suri pra varanda. - voltei com a maleta e me sentei na cama

-Sua cabeça está sangrando..

-Foi só um corte. Au! - gemeu quando passei o anti-inflamatório no machucado

-O que te deu na cabeça pra fazer isso?

-Eu sei andar a cavalo,ok?

-Faz anos que você não pratica,podia ter se quebrado toda!

-Aii!

-Onde dói?

-Meu tornozelo.

-Vou fazer uma massagem ok? Vai melhorar rapidinho.

-Ai ai! - gritou

-O que foi agora?

-Aqui dói também.. - apontou para o busto

-Bem aqui? - levei minhas mãos aos seus seios

-Uhum.. Acho que foi pela queda. Precisa de massagem também?

-Precisa sim.. e de uma massagem mais demorada.. - Emilly sorriu maliciosamente. Meu celular tocou e vi o nome de Lili no visor

-Não vai atender? - joguei meu celular pela janela acompanhado do olhar chocado de Emilly

-Foda-se ela e todo o resto! - rasguei sua blusa com um único puxão e ataquei seus lábios com ferocidade,sem dar a mínima para o que a minha razão dizia.



Capítulo 52




" Agora é que são elas!"


Emilly


    Me esgueirei na janela para observar Suri brincando com Virna e as outras crianças da cidade. Ela está a cada dia mais linda e logo vai completar dois anos. E eu vou fazer uma festa perfeita do jeito que a minha princesa merece.

-Hey, não vai voltar pra cama? - arfei ao ver Michael,nu, deitado e me chamando pra se juntar a ele

-Só um minuto.. - andei com dificuldade até a cama

-Ainda dói o pé? - perguntou enquanto me encaixava em seu colo

-Só um pouco..Porra,eu caí do cavalo!

-Por pura teimosia sua! Mania de se meter com perigo!

-Para de me dar bronca! - apertei seu nariz - Vamos embora hoje..

-Por que essa carinha?

-Ainda pergunta? - tentei me levantar,mas Michael impediu

-Vamos viver o agora,literalmente. Hum?

-Tá bem..

-E agora eu quero fazer amor com você! - Michael me deitou na cama e rapidamente tirou minha camisola, beijando cada parte do meu corpo



Michael


    Infelizmente tivemos que voltar pra Miami. Se eu pudesse teria ficado em Alexandria com Emilly e a nossa filha,mas eu tenho responsabilidades e não posso simplesmente fugir.
Cheguei no meu apartamento e estranhei o silêncio. Chamei por Lili umas três vezes e nada,nem sinal dela.

-Sr. Jackson? Não sabe do que aconteceu? - o porteiro bateu na porta com uma conversa que me preocupou

-Do que está falando?

-Desde ontem que a Dona Lili está internada no hospital. Eu a encontrei caída no corredor,estava sangrando..

-Não! Eu não sabia.. eu..

-Tentamos ligar para o senhor,mas..

-Merda! - me lembrei de quando joguei meu celular fora - Qual hospital ela está?

-No Central. - não deixei ele terminar de falar e fui correndo para o hospital

(...)

Consegui me acalmar quando o médico me assegurou que Lili e o bebê estavam bem,mas que o estado deles era preocupante.Mas ainda assim,eu me sentia culpado. Pelo meu deslize, deixei Lili desamparada e agora de forma alguma vou magoá-la novamente.

-Michael,que bom que está aqui! - ela sorriu ao me ver

-Como se sente,princesa? - apertei sua mão

-Melhor agora que você chegou. Eu nunca tive tanto medo na minha vida!

-Hey,não precisa chorar.. Me desculpe por negligenciar vocês. Eu prometi que estaria cuidando,mas não cumpri.

-Tudo bem,Mike. O importante é que está aqui e logo estaremos casados!

-Vamos sim,meu bem..

(...)

Depois de dois dias,Lili teve alta. E agora farei de tudo para agradá-la, para mostrar que serei um bom marido pra ela e que minha fraqueza não vai se repetir.

-É melhor dormir neste quarto. - lhe indiquei a cama para deitar

-Não vai dormir aqui comigo?

-Você precisa de conforto, mas estarei aqui o tempo todo.

-Você está sendo um fofo!

-Você merece,meu bem. Eu vou tomar um banho,mais tarde venho vê-la.

-Fica mais um pouco.. - insistiu

-Já está tarde, Lili. Precisa dormir, logo amanhece e teremos o dia todo para ficarmos juntos.

-Isso é perfeito!

-Lili, o aniversário da minha filha está chegando. Você entende se não for,não é?

-Tudo bem,porque você também não vai.

-Como é?

-Eu não vou suportar saber que vai estar no mesmo lugar que aquela mulher!

-Lili, é a minha filha!

-Michael,para! Está me deixando tonta..

-Se sente bem?

-Vou ficar.. Só não me estresse com isso agora,por favor!

-Falaremos disso depois.. Boa noite! - dei um beijo na sua bochecha e fui para o meu quarto

  Tomei meu banho e me deitei na cama. Como vou resolver essa confusão? Não quero estressar Lili, pode piorar seu estado,assim como também não quero magoar Suri e principalmente,provocar a ira de Emilly.

-Merda,e agora? - fechei meus olhos,mas um barulho vindo da janela me assustou. Me levantei em um pulo e fui conferir - Emilly?

-Pode me ajudar? - Emilly estava subindo a janela do meu quarto, no segundo andar!

-Meu Deus, você é maluca? - peguei Emilly pela cintura e a puxei para o quarto

-Ué, você sumiu! E tenho certeza que se eu tocasse a campainha a sua noivinha iria infartar!

-Você poderia ter se machucado!

-Querido eu subo em árvores desde pequena,relaxa! - ela riu

-Meu coração tá palpitando até agora! Garota,você não existe.. E ainda vem de camisola!

-Eu sei.. Precisava te ver,nem que fosse em plena madrugada entrando na janela!

-Senta aqui.. - peguei na sua mão e a sentei na cama

-Por que sumiu? Está fugindo de mim?

-Só quero me manter afastado.. Lili está com a saúde debilitada..

-Iihh.. - Emilly zombou

-É sério tá? Emilly,foi por culpa minha e ela não merece que eu continue fazendo-a de boba!

-Você é a própria Madre Teresa né? Que idiota.. O negócio é o seguinte. O aniversário da Suri é amanhã, e é lógico que você vai!

-Emilly..

-Emilly o que? Pera aí, você não tá pensando em faltar né? - me olhou furiosa

-Eu vou sim, claro que vou! - tentei mostrar convicção

-Acho bom! - Emilly olhava diretamente para o meu peitoral

-O que está olhando,hein?

-Tá ficando forte e másculo..

-Emilly,não começa..

-É você que está com as mãos na minha cintura.. - foi então que eu percebi que estávamos colados um no outro

-É por isso que eu digo que você é o demônio.. - derrubei os enfeites da mesinha no chão e sentei Emmy na mesa. Conseguimos dar uns bons amassos,até Lili bater na porta do meu quarto,que por sorte estava trancada

-Michael? Está tudo bem? - ela gritou

-E agora? - me apavorei. Emilly riu

-Abre a porte ué! Mas antes é melhor disfarçar esse volume aí..

-Merda!

-Michael? Abra a porta!

-Se esconde no armário! Vai logo!

-Mas você é um medroso né? - debochou

-Por favor,Emilly!

-Tá,eu vou! - Emilly se escondeu no armário e se encolheu

-E fica quietinha! - fechei a porta do closet e corri para abrir a porta

-Lili? - tentei disfarçar meu nervosismo

-Por que demorou tanto?

-Eu..estava no banho. Algum problema?

-Eu que pergunto! - apontou para os enfeites jogados no chão

-Ah..eu tropecei e você sabe como sou estabanado.

-Entendi.. - Lili se aproximou de mim,me olhando com desejo - Você é tão lindo..

-Lili,você precisa de repouso..

-Não aguento mais esperar.. Eu sou louca por você,Mike.. - disse ao beijar meu pescoço

-Lili,minha cabeça tá explodindo. - meu coração gelou ao ouvir a risada de Emilly

-Que barulho foi esse?

-Não se aproxime! -a impedi de se aproximar - Suspeito que tenham camundongos no meu armário..

-Que horror! Michael, eles podem fazer mal!

-Estão bem trancados! - aumentei meu tom de voz - Vem, vou te levar para o quarto ok?

-Uhum..

  Depois de finalmente fazer Lili dormir, voltei para o meu quarto e corri para abrir o armário,mas Emilly já não estava lá. Fui até a sacada da varanda e nem vestígio dela.
Eu ri sem acreditar quando olhei pra minha cama e vi seu robe de seda preta esparramada no meu colchão. Ao seu lado tinha um bilhete:



"Querido Michael, hoje você quase me matou de rir com essa desculpa esfarrapada para não transar com sua noiva. Também pudera, sem sal assim até eu inventaria uma diarreia!
Mas enfim, vou embora antes que o seu lado banana te dê um infarto. Eu exijo sua presença no aniversário da nossa filha, e ai de você se não aparecer para ceder aos caprichos dessa infeliz.
Tente ter uma boa noite. Emilly"


  Me joguei na cama e peguei seu robe para inalar o delicioso cheiro do seu perfume. O problema é que me meti em um novo dilema sobre o aniversário de Suri, e Emilly deixou bem claro que vai me infernizar se eu não comparecer,mas se eu for causarei outra síncope em Lili. Puta que pariu, e agora?

Capítulo 53 

"Tudo tem limite!"


Emilly


    Hoje é dia do aniversário da minha boneca. Por isso levantamos bem cedo para fazer compras no shopping e terminar os detalhes da sua festinha. Meus amigos que fiz na empresa marcaram presença e o melhor,vão trazer os filhos, ou seja, minha casa vai estar cheia de crianças!
 Há meses atrás eu estaria a ponto de enlouquecer,mas agora me vejo animada e empolgada para o primeiro aniversário de Suri com a gente. E eu espero que Michael venha,ou ele vai ver a vovó na greta!

-Hmm quero sorvete de chocolate e creme,por favor. - pedi ao atendente da sorveteria. Decidi dar uma parada para descansar e depois continuaríamos com as compras

-Aqui está,senhorita!

-Obrigada! - me sentei com Suri no banco e lhe ajudei a tomar o sorvete - Está gostando,é? Mas tem que ser só um pouquinho! Não pode passar mal no dia do seu aniversário!

-Quero mais.. - me derreti ao ouvir sua voz fininha me pedindo mais sorvete

-Assim você desmonta a mamãe! - lhe dei mais uma colherada,mas petrifiquei ao pousar meus olhos na vitrine de uma loja - Eliot?

 Eu só posso ter visto errado, ou apenas um homem parecido. Mas eu o reconheceria em qualquer lugar. Eliot está solto e pior, no mesmo lugar que eu! Peguei meu celular imediatamente e liguei para Daniel.

-Daniel? É a Emilly!

-Emmy? Que voz é essa? Aconteceu alguma coisa?

-Dani,você não acredita no que eu acabei de ver!

-O que você viu?

-O Eliot! Não sei o que ele faz aqui, ele deve ter fugido!

-Emilly,você está com a Suri? - notei seu tom de voz apreensivo

-Sim,mas..

-Saiam daí agora! Vem pra casa e por Deus,não deixe que ele veja vocês!

-Mas por que? O que tá acontecendo?

-Estou indo pra sua casa,eu explico lá. Mas agora faça o que eu estou mandando!

-Tá,eu já estou indo! - deixei o sorvete no banco e peguei Suri no colo, saindo dali o mais rápido possível

 Só me acalmei quando já estávamos dentro do carro,saindo do estacionamento do Shopping. Ainda não entendi o que aconteceu, por que Eliot estava na rua e não na cadeia e principalmente,por que ele não podia em hipótese alguma ver Suri?
 Cheguei no meu apartamento e Daniel já estava me esperando. Ele suspirou aliviado ao nos ver e eu logo o enchi de perguntas assim que entramos na sala.

-Ele viu vocês?

-Não,Daniel! Agora me explica o que está acontecendo! Por que Eliot está solto e por que ele não pode ver a Suri?

-Senta aqui.. Eliot está respondendo em liberdade. Ele saiu da cadeia essa semana,eu só não disse antes porque não queria te preocupar justo no dia do aniversário da Suri. Emilly,ele está com ódio de você!

-Isso não é novidade nenhuma, mas eu quero saber por que ele não pode ver a Suri?

-Bem.. Isso tem a ver com a paternidade dela..

-Como assim?

-Já está na hora de você saber.. Yangi fez uma outra carta para você ler somente quando estivesse com a guarda definitiva da Suri.

-Daniel,você está me assustando!

-Leia.. - Daniel me entregou a carta e eu rapidamente abri o envelope


 

" Emilly, adoraria nunca ter que dizer isso,mas eu não posso esconder a verdade. Uma hora você terá que saber e eu espero do fundo do meu coração que isso não estrague sua relação com a Suri.
 Eu e Eliot nos conhecíamos bem antes de vocês se relacionarem. E desta relação eu engravidei. Eliot era tão bondoso comigo que eu cheguei a acreditar que ficaria feliz com a notícia.
  Mas foi o contrário.. Nunca o vi tão agressivo e atormentado. Ele disse que isso foi a pior coisa que poderia ter acontecido, que um filho estragaria todos os seus planos. Ele me obrigou a abortar,mas eu jamais faria isso. Prometi que ele nunca mais veria a minha cara, foi por isso que sumi por tanto tempo.
 E então você me contou que estava namorando justamente esse monstro. Foi por isso que eu fiz de tudo para você desistir dessa loucura,mas eu não podia contar a verdade. Tinha medo de você surtar e contar pra ele,e consequentemente ele se vingaria de mim e da minha filha.
 Eu nunca traí você,precisa acreditar em mim. Tudo aconteceu muito antes de vocês se relacionarem e o agravante foi ter uma filha no meio.
 Eu não contei antes porque não queria que isso influenciasse sua decisão de ficar com Suri. Pense nela Emilly,nenhuma de nós tem culpa desse monstro entrar em nossas vidas.
  Quando você ler,provavelmente eu não estarei mais aqui. Só peço que entenda meus motivos de ter escondido a paternidade da Suri, fiz isso para protegê-la desse psicopata. E agora é você que tem que cuidar da nossa menina, porque Suri sempre será minha e sua, nossa filha.

  Amo vocês e estarei sempre cuidando dos meus dois amores. Yangi. "


-Isso não é possível.. - eu estava chocada ao ler a carta

-Emilly,você está bem?

-Estou,mas.. isso é tão.. Não consigo acreditar nessa monstruosidade! Então foi por isso que Yangi vivia pedindo para que eu me afastasse dele..

-Você entendeu os motivos dela? Eliot a ameaçou. Disse que se ela abrisse o bico,ele sumia com a menina!

-É claro que eu entendo.. Faria a mesma coisa.. Que horror,meu Deus!

-Emilly,se Eliot ver você com a Suri, ele vai ligar os pontos!

-Você acha que ele pode fazer alguma coisa? Querer tirar a Suri de mim?

-Eu não sei o que esse louco é capaz, mas te prometo que não vou deixar ele fazer nada contra vocês!

-Parece que esse inferno nunca vai ter fim! - eu andava de um lado para o outro tentando pensar em uma solução - Eu tenho que sumir por um tempo,até esse desgraçado esquecer de mim. Hoje quando o Michael vier eu vou conversar com ele..

-Ele vai saber o que fazer.. Emilly, olha pra mim. Não quero que fique preocupada,hoje é a festa da sua filha, pense nela!

-Você tá certo.. - respirei fundo - Nada vai estragar o dia da Suri.. Me ajuda com os preparativos? Não tenho cabeça pra fazer isso sozinha..

-É claro que ajudo! - sorriu - Vamos, e não se preocupe com nada hoje!

(...)

 A festa começou no início da tarde. Com tanta gente aqui em casa consegui até esquecer as revelações que tive nesta manhã. Mas o que tem me preocupado é o fato de Michael ainda não ter chegado.

-Cadê ele? - olhei impaciente para o relógio

-Emmy,a festa está linda! - Megan se divertia como uma criança -Que cara é essa?

-Michael não chegou até agora! Eu juro que vou dar um treco se ele não vier. Suri não para de chamar pelo pai!

-Liga pra ele, Emmy. Vai ver se atrasou..

-Vou fazer isso agora! - peguei meu telefone e disquei seu número

-Alô?

-Michael, é a Emilly. - falei sem paciência - Onde você está?

-Emilly, eu não vou na festa. Sinto muito,mas não posso deixar Lili sozinha.. - ri sem acreditar

-Você não vai fazer isso..

-Eu vou passar o dia com a Suri amanhã, vamos comemorar juntos,mas agora eu não posso ir.. - encerrei a ligação antes que eu o matasse pelo próprio telefone

-Emilly, você está vermelha! Vou buscar uma água..- Megan se assustou ao ver meu estado

-Não precisa! - fechei meus olhos e  respirei fundo - Eu não vou destruir a festa da minha filha.. Mas assim que acabar..

-O que você vai fazer? Emilly, por Deus, não vá aprontar nada!

- Eu só vou por um fim nessa palhaçada! - deixei Megan sozinha e voltei pra festa. Estar perto de Suri  me acalmava e isso é tudo que estou precisando

Capítulo 54 


" Decisão definitiva"


Emilly


   Me doeu ver Suri perguntando por Michael durante toda a festa. Deus sabe como estou odiando esse banana covarde que ele está se tornando e agora eu cansei dessa situação nojenta em que estou metida.
  Assim que a festa acabou, consegui fazer Suri dormir e pedi que Daniel cuidasse dela. Mas antes, arrumei todas as nossas coisas para sair daqui. Amanhã mesmo estaremos no Alabama.
Depois de tudo organizado fui acertar minhas contas com o covarde do Michael. Vou fazer questão de esculachar ele a mulherzinha que se diz noiva dele.

-Emilly? - Michael empalideceu ao abrir a porta pra mim



                                              

-Não precisa ter um colapso, vou ser breve! - passei por Michael feito jato e entrei na sua sala




-O que essa mulher está fazendo aqui? - Lili deu um ataque ao me ver




-Fica quieta que meu assunto não é com você e sim com esse banana aí!

-Emilly,se controla.. - Michael pediu

-Me controlar? - ri - Não querido, você vai escutar tudo que eu tenho para dizer! Como pode ser tão covarde a ponto de deixar de ir no primeiro aniversário da sua filha pra fazer as vontades dessa mimada?

-Eu te expliquei o que aconteceu, Emilly!

-Você deu uma desculpa, é diferente! Como um homem tão esperto e autoritário se transformou em um cordeirinho? Abrir mão da própria filha por medo?

-Eu não abri mão da minha filha, pelo contrário! Você tem que aprender que a vida não gira ao seu redor!

-Eu não estou aqui por mim,seu idiota! É simplesmente pelo fato da sua filha chorar pela sua presença na festa dela! - berrei sentindo minhas veias retesarem

-Eu vou compensá-la amanhã, já falei!

-Ah mas não vai mesmo!

-Será que você não percebeu que só sabe infernizar a vida do Michael? - Lili teve a petulância de dizer

-Eu não preciso infernizar ninguém! E você,Michael? Quem é você? Porque eu posso estar fazendo papel de idiota, me humilhando e me jogando aos seus pés. Mas eu não tenho vergonha disso. Porque eu sou movida pelos meus desejos,sou escrava dos meus sentimentos, do meu coração! E você é só um covarde, medroso que vai passar o resto dos seus dias amargurado!

-Cala a sua boca! - Lili gritou

-Ah Lili.. Tenho tanta pena de você.. - ri

-Pena? Acha mesmo que tem que ter pena de mim?

-Tenho sim,querida. Pena por saber que nunca será mulher para esse traste!

-Emilly.. - Michael tentou apaziguar

-Ah não, agora vamos por as cartas na mesa! Conta pra ela, Michael! Conta que sou que você procura quando quer transar, porque é isso que eu sirvo pra você! Satisfazer os desejos que essa pobre coitada não é capaz de fazer!

-Eu não acredito em nada disso! - ela rebateu

-Você sabe que é verdade! Sabe que ele nunca vai te olhar como me olha! Pergunta com quem ele viajou para o Alabama, pergunta quem ele procura quando sente minha falta! Mas a partir de hoje,não precisam mais se preocupar comigo! - peguei minha bolsa que eu havia jogado no chão - Só tome cuidado,porque agora ele vai ter que procurar outra trouxa pra transar enquanto te faz de boba!

-Emilly,volta aqui! - Michael me alcançou no corredor do prédio - Agora você vai ouvir!

-Eu não vou ouvir nada! Agora você realmente ferrou com tudo. Volta lá pra sua noiva, ela deve estar precisando de apoio depois de ouvir a verdade! Adeus,Michael!

-Emilly,me escuta! - disse segurando possessivamente os meus braços

-Me solta! - gritei - Em mim você não encosta nunca mais! Eu ainda tenho um pouquinho de amor próprio.. Espero que consiga ser feliz sufocando seus sentimentos! - entrei no elevador enquanto Michael estava paralisado.

Não sei como consegui dirigir de volta pra minha casa. Deixei para chorar tudo que consegui durante o caminho, pois a partir de agora eu não vou me rebaixar mais.

-Emilly,o que você fez? - Daniel perguntou assim que eu cheguei

-Já está tudo pronto? Cadê as passagens?

-Emilly, me responda!

-Eu só disse tudo que estava preso na minha garganta! Agora estou aliviada.. - suspirei - Vou pegar Suri para irmos ao aeroporto

-Emilly,deixa pra viajar amanhã cedo. É só mudar o horário da viagem..

-Não! Sinto que Eliot está muito perto e eu não vou me perdoar se ele souber da Suri!

-Vai fugir dele? É isso?

-Eu vou é esquecer todos os problemas. Sou dona de uma fazenda agora, e eu não tenho mais nada para fazer aqui nesta cidade. Vou começar uma vida nova, eu e minha filha!

Michael


  Todas as palavras que Emilly despejou parecem ter servido de um alerta pra mim, como se eu tivesse acordado e me dado conta de toda a merda que estou fazendo. Por mais que eu me sinta culpado pela saúde de Lili, eu não posso continuar afastando a felicidade de mim, negando os meus sentimentos.
Depois de toda a confusão, consegui acalmar Lili. Pensei que ela sofreria um ataque depois da discussão com Emilly,mas logo teremos uma conversa séria.

(...)

Passei a noite toda acordado,não consegui pregar o olho momento algum. Hoje vou terminar tudo com Lili,vou continuar ajudando-a, mas vou desmanchar de uma vez por todas esse casamento. E agora é rezar para Emilly me perdoar, pois assim que eu tiver minha conversa com Lili, vou correndo atrás da mulher da minha vida.

-Bom dia,Mike.. - Lili apareceu na sala - Por que está tão sério?

-Senta aqui Lili, temos que conversar.

-Calma,a minha cabeça está rodando..

-Lili,chega! - ela arregalou os olhos - Não vamos mais dar voltas.

-O que quer dizer com isso?

-Não dá,Lili.. Não dá mais pra continuar com essa farsa.. Eu juro que tentei atropelar meus sentimentos,mas não consigo,não posso mais viver essa mentira!

-Está querendo romper por causa daquele diabo? Você não vê que ela só faz isso para nos atormentar?

-Emilly é a mulher mais maravilhosa que existe e tudo que ela tem feito é por amor, porque ela não tem vergonha de lutar por quem ama. Ela não é covarde como eu sou, ou melhor, como eu estava sendo!

-Michael, não faça isso com a gente..

-Não existe " a gente", Lili. Eu realmente pensei que poderia ser feliz,mas sem Emilly eu não sou nada, nada.. Você pode ficar aqui o quanto quiser, não vou te mandar embora nas condições em que está. Eu vou para um hotel.

-Mas agora vai atrás dela,não é?

-Sim. E vou rezar para que eu consiga consertar minhas burradas.

-Eu espero do fundo do meu coração que ela o expulse de vez da vida dela! - praguejou

-Obrigado pelo apoio.. - peguei a chave do carro e segui para a casa de Emilly

Eu sei que se ela me expulsar,será merecido. Emilly só tem feito lutar por mim,pelo nosso amor e eu fui cego,orgulhoso e teimoso. Mas se eu a perder, nunca me perdoarei pelas atitudes covardes que eu tive. E mesmo com esse medo iminente, eu não vou desistir do seu perdão.

Capítulo 55 


"Castigo e Surpresa"



Michael


  Meu coração estava apertado, com medo da reação de Emilly. Eu vou ouvir calado todas as suas ofensas, afinal eu mereço. Fiz hora com a sua cara até ela se cansar de mim, então eu mereço seu desprezo.
Eu não entendi porque Emilly não quis abrir a porta. Toquei a campainha diversas vezes até que no desespero,esmurrei a porta e consegui abrir.

-Emilly? Preciso falar com você! - gritei mas não recebi nenhum sinal dela

Corri até seu quarto e me preocupei ao ver a cama feita e tudo organizado. Mesmo sem querer acreditar em uma certa hipótese, fui até seu closet e me apavorei ao vê-lo vazio.

-Não! Não é possível! - rapidamente fui ao quarto de Suri e também não encontrei suas roupas - Emilly,cadê você..?

  É isso. Emilly se foi com a minha filha sabe Deus pra onde. Não posso acreditar que minha imbecilidade chegou ao ponto de tirar de mim as pessoas que mais amo nessa vida.
Me sentei no sofá e deixei que todas as lágrimas rolassem, lágrimas que ficaram presas desde quando Emilly me deixou pela primeira vez. Eu jurei que ela nunca mais iria embora,mas novamente eu a expulsei da minha vida.

-Emilly,volta pra mim.. Eu te imploro! - enterrei meu rosto com as mãos tendo a companhia apenas do silêncio e da solidão

  Mas eu tinha que fazer qualquer coisa para encontrá-la. Enxuguei meu rosto molhado, e agora inchado, e desci até a portaria. O porteiro deve saber o que aconteceu, se foi uma simples viagem e quando elas voltarão.

-Você está bem, Seu Michael? - Joe perguntou assustado ao me ver

-Não,eu não estou bem. Me diga onde está a Emilly?

-Ela foi embora,senhor..

-Mas pra onde? Ela não pode ter ido embora da noite pro dia!

-Ela foi ontem a noite. Eu não sei muita coisa,senhor. Só vi ela saindo com a menina e o amigo dela levando uma montoeira de malas. E eu ouvi ela pedindo para ele vender esse apartamento o mais rápido possível.

-Droga! Ela não disse para onde estava indo?

-Não senhor. Eu perguntei,mas ela só disse que era para muito,muito longe!

-O que eu vou fazer agora,meu Deus?

-Eu sinto muito,mas não sei como ajudá-lo..

  Eu nem consegui escutar o que Joe dizia. Só o que consegui fazer foi caminhar mecanicamente até o meu carro. Devo ter ficado meia hora encarando o volante, totalmente sem ação para pensar ou fazer qualquer coisa. Eu não tinha à quem pedir ajuda, à quem recorrer. Agora estou sozinho com meu remorso e a minha solidão.



Emilly


  Finalmente chegamos no Alabama na manhã seguinte. Graças a Deus o voo não atrasou e em poucas horas já estávamos longe de Miami,para o início de uma nova vida.
A Fazenda de la Cruz é afastada da cidade. Fica entre Montgomery e Alexandria, o que me deixa aliviada, pois não quero que ninguém de Alexandria saiba da minha volta.
   A única pessoa para quem eu contei sobre o meu retorno foi Virna. Ela é minha amiga de confiança e depois que eu expliquei resumidamente o motivo da minha mudança repentina, ela me entendeu e disse estar disposta a me ajudar em tudo que eu precisar, até uma babá para Suri ela fez questão de arrumar.
  Busquei ela na pousada e depois de alugar uma caminhonete,seguimos para a fazenda. Suri já estava no décimo sono e eu também, na verdade eu me sentia extremamente cansada.

-Mas essa fazenda é linda,não é? - Virna estava maravilhada - Seu avó fez um belo trabalho, é enorme!


-É sim.. Tenho tantas lembranças daqui.. Mas agora vamos esquecer o passado. É vida nova! - sorri tentando mostrar confiança

-Mamãe..

-Minha princesa acordou! - tirei Suri da cadeirinha e a coloquei no chão - Agora ela anda sozinha, Virna! - falei me sentindo orgulhosa do progresso de Suri

-Já está virando uma linda mocinha!

-O tempo voa.. Quando ela chegou pra mim, era só uma bebêzinha. Agora já está cada vez maior e mais esperta! - me agachei para ficar a sua altura - Você vai amar sua nova casa,meu bem..

-Papai.. - fechei meus olhos e suspirei pesadamente. Vai ser uma tarefa difícil desacostumar Suri de Michael

-É,vamos logo.. Quero ver como está a casa. - segui com Suri no meu colo para o interior da casa





-Está tudo conservado.. - Virna comentou

-É,mas eu vou fazer mudanças. Quero trocar esses móveis, as cortinas.. Quero ar novo aqui dentro.

-Emilly? - reconheceria sua voz em qualquer lugar


-Soledad? - corri para abraçar a minha velha babá e amiga da família 

-Emmy,que saudade! Tem tantos anos que não vejo você..

-Eu sei.. Senti tanto sua falta!

-Está ainda mais linda! E essa menininha,quem é?

-É a minha filha. Suri,vem aqui conhecer a Dona Soledad! - Suri veio sorridente até nós - Assim como foi uma mãe pra mim,ela também vai ser pra você,meu anjo!

-Emilly, ela é a coisa mais linda! Mas, como..

-Eu vou te explicar tudo, toda a longa história.. Mas agora precisamos de um banho e principalmente,descansar..

-Vai lá,meu anjo. Quando acordarem terá uma mesa cheia de delícias pra vocês!

-Eu sei que sim. Você tem mãos de fadas!

(...)

  A noite logo chegou. Do jeito que eu estava cansada nem vi a hora passar. Até Suri já estava acordada e de banho tomado. Soledad veio me acordar e do jeito que eu estava triste,acabei contando toda a história desde o início. 
Ela ficou chocada com tudo que contei,mas por fim me acolheu em seus braços e me trouxe a paz que eu precisava.

-Não vai mesmo voltar atrás? - perguntou depois que estávamos um longo tempo em silêncio

-Não mesmo! Eu dei todas as chances pro Michael e ele desperdiçou. Agora quem não quer mais viver assim sou eu!

-Você está magoada,mas o mundo dá voltas,meu anjo.. Você pensou que nunca mais o veria depois que foi pra Miami e agora olha tudo que passaram juntos. Até uma filha vocês têm!

-Eu sei.. Soledad,não quero mais falar dele.. Preciso focar na fazenda, na minha filha..

-Tudo bem. Agora vamos descer, você precisa se alimentar. Fiz as suas guloseimas que você ama!

-Ai que bom! Não sabe a fome que eu tô sentindo!

  Eu devorei tudo que estava na minha frente. Bolo,torta, doce e ainda assim continuei sentindo fome. É incrível como nada nessa vida consegue tirar meu apetite!
Abri a geladeira pra pensar na vida,mas o cheiro do frango cru me deixou faminta. Separei as coxas e fritei todas as que estavam no pacote.

-Hm vocês estão de parabéns,viu! - falei com os frangos à minha frente

   Depois de prontos,me sentei na varanda com o prato em mãos. Enquanto olhava as estrelas, eu comia as coxas fritas e bem temperadas. Eu fazia de tudo para não pensar em Michael. Será que ele já sabe que eu não estou mais em Miami? Mas agora isso não é mais da minha conta. Risquei Michael da minha vida de uma vez por todas.

-Emilly, por que não pediu para eu fritar os frangos? Você tá com tanta fome assim? - Soledad se assustou com as cinco coxas de frango que ainda estavam no prato

-Imagina Soledad! Eu vi essas delícias na geladeira e não resisti!

-Cansaço, fome ao extremo..

-O que está insinuando,Dona Soledad?

-Nada... - me olhou desconfiada. Abri a coxa de frango ao meio e meu estômago embrulhou

-Hmm..

-Que cara é essa?

-Segura aqui,Sol! - derrubei o prato em seu colo e corri para o banheiro

  Acho que vomitei toda a comida que estava no meu estômago. Caramba,eu nunca senti um enjoo tão forte como esse. Tudo por culpa dos malditos frangos!

-Beba a água,meu anjo.. - Soledad me amparou assim que lavei meu rosto

-Obrigada..

-Está tão pálida! Se sente melhor?

-Meu estômago ainda está revirado.. Nunca mais como frango!

-Não é culpa do frango,mocinha.. - ela riu

-É de que então?

-De nada! Isso aí que está sentindo tem nome..

-O que?

-Gravidez. Você está grávida, Emilly!

-Hein..? - deixei o copo cair das minhas mãos e espatifar no chão. E então minha visão escureceu e só senti os braços de Soledad me segurando.

Capítulo 56 


" Um bebê a caminho"



Emilly


  Abri meus olhos e me vi deitada na minha cama. De um lado Soledad me fazia inalar alguma coisa de cheiro forte e do outro, Virna me olhava preocupada. Pisquei mais duas vezes para a visão se firmar.

-Graças a Deus,acordou! Como se sente,meu bem?

-Estou bem,Soledad..

-Você desmaiou pelo susto é?

-Susto? - Virna perguntou

-É a Soledad que cismou que eu estou grávida. Isso é loucura,eu não posso estar grávida!

-E por que não? - Virna indagou - Sei muito bem que você e Michael estavam cheios de fogo!

-Virna! - a repreendi

-Vai negar? Emilly,você é jovem, saudável, tem toda chance de estar prenha!

-Só porque eu passei mal por conta da gula, não quer dizer que eu esteja grávida!

- Quando foi a última vez que menstruou,querida? - Soledad perguntou

-Eu vou saber? Minha vida está confusa demais pra eu lembrar da última vez que menstruei!

-Se não lembra é porque faz tempo.. - Virna colocou pilha

-Só tem um jeito de saber,filha..

-Como? - perguntei

-Indo ao médico! Só assim vamos ter certeza!

-Eu não preciso de médico! - ri, escondendo o nervosismo - Eu tive uma viagem cansativa, foi por isso que passei mal..

-Virna,a menina está chorando. - Soledad disse - Vá lá ver ela,por favor.

-Pode deixar! - ela saiu do quarto e ficamos a sós

-Você está com medo,não é?

-Medo? Medo de que?

-De confirmar a gravidez.

-Ai Soledad.. pra você eu não posso mentir.. Estou apavorada!

-Pelo quê exatamente? Por ter outro filho ou por Michael saber?

-Os dois. A Suri apesar de ter vindo de surpresa,não foi gerada por mim. Se antes eu já achava difícil criar um filho,imagina dois? E pior, sozinha!

-Mas se estiver grávida terá que contar para o Michael.

-Nem morta! - me levantei ainda zonza - Pra que vou fazer isso? Pra ele dizer que é outro truque para prendê-lo?

-Emilly, seus filhos não têm culpa da teimosia dos pais!

-Soledad,nem sabemos se estou grávida! Eu já disse,isso é só estresse..

-Mas amanhã bem cedo vamos ter certeza do que você tem! Agora durma,já está tarde.. - Soledad ajeitou minha cama e eu me encolhi nas cobertas

-Boa noite,Sol..

-Boa noite,princesa. Qualquer coisa me chame. - ela beijou minha testa e saiu do quarto. Peguei minha bolsa e tirei de dentro dela uma foto que tirei de Michael pouco antes de rompermos de vez

-Ah caipira.. não tem nem um dia que nos vimos e eu já estou morrendo de saudade.. Por que você melou tudo,seu babaca? Eu amo você.. - acabei adormecendo com sua fotografia ao meu lado

(...)

  Na manhã seguinte fui arrastada da minha cama para ir ao hospital. Mas só fui com a condição de ser em Montgomery, o caminho é longo mas pelo menos ninguém fica se metendo na vida de ninguém.
  Depois do exame feito,o que me restou foi rezar. Pedi a Deus para que fizesse o melhor, que ninguém mais entrasse nessa confusão que é a relação minha com Michael.
Virna me acompanhou até o médico e ficou ao meu lado esperando o resultado. Ela notou que eu estava apreensiva e preferiu me deixar em paz. Meu coração disparou quando o médico apareceu com uma prancheta em mãos, provavelmente com o resultado do exame.

-Como se sente,senhorita?

-Ansiosa né? Já sabe o que eu tenho?

-Sei sim. O exame foi muito claro. Está grávida de onze semanas.

-Onze? Deus,como eu não percebi..?

-Geralmente tem mulheres que começam a dar sinais depois dos dois meses..

-Eu sabia que estava grávida! - Virna comemorou

-Imagino que esteja em choque, Emilly,mas vai se acostumar com a ideia. É mãe de primeira viagem?

-Não,doutor. Tenho uma filha adotada..Agora entende meu medo? Eu nunca gerei um filho..

-Não se preocupe.. Vai ter todo o apoio que precisa! - Virna assegurou

-Ouça a sua amiga,Emilly. Preciso que volte para iniciar seu pré-natal. Vou te receitar remédios para o enjoo,ok?

-Uhum..

  Voltei pra fazenda com a mente voando. É claro que estou feliz por saber que tem um bebê no meu ventre e mais feliz ainda por ser meu e do Michael. Mas o que me preocupa é justamente isso. Vou me sentir um monstro em esconder de Michael,mas também não quero que ele pense que eu quero segurá-lo.

-Emmy, quer conversar? - Soledad notou o meu silêncio

-Sente aqui.. - ficamos por um tempo observando Suri dormir no meu colo - Acha que ela vai gostar de saber do irmãozinho?

-Mas é claro que vai! Ela vai adorar uma companhia para brincar.. E o Michael? Ele tem que saber.

-É eu sei,mas não me sinto pronta pra contar..A ficha não caiu nem pra mim ainda!

-Eu entendo,mas você tem que pensar nas crianças. Não podem crescer sem um pai.

-Não podem.. Soledad me dê um tempo, preciso por minha cabeça no lugar. Mas não se preocupe, eu não vou ser egoísta com meus filhos.. Só preciso criar coragem..



Michael


  Minha única opção era ir atrás de Daniel. Pelo que Joe disse, foi ele que ajudou Emilly à ir embora e agora o que me resta é implorar para que me diga onde ela se meteu.
Me lembrei que uma vez Emilly teve que ir na casa de Daniel e eu fiquei esperando no carro. Puxei na memória o bairro em que ele mora e quando finalmente me lembrei, peguei meu carro e parti atrás dele.

-Com licença,eu poderia falar Dr. Daniel? - perguntei ao porteiro do seu prédio

-Michael? - era Daniel logo atrás de mim

-Graças a Deus te achei! Preciso da sua ajuda! - ele notou meu desespero e assentiu

-Vem comigo.. - subimos para o seu apartamento. Não via a hora de ter a resposta que tanto preciso - Quer beber alguma coisa?

-Não obrigado. Você sabe porque estou aqui não é?

-Tenho ideia.. - riu

-Daniel,me diga onde a Emmy está? Por favor!

-Por que você quer saber? Vai mudar alguma coisa?

-Já mudou.. Eu rompi com a Lili.

-Sério?

-Sério.. Finalmente eu acordei e percebi toda a merda que eu estava fazendo..

-Pena que você não acordou antes né? Tem noção de como magoou a Emilly? Michael,ela passou por cima do maior defeito dela,o orgulho. Ela prestou a tudo pra te reconquistar e você simplesmente ignorou!

-Eu sei que fui o maior idiota do século,fui covarde,acomodado.. Fiquei na zona de conforto e deixei minha mulher escapar.

-Pelo menos você reconhece,mas é um pouco tarde,não acha?

-Nunca será tarde! Eu nunca vou desistir da Emilly!

-Eu espero que não desista. Emilly morre de amores por você..

-Então me diga onde ela está,por favor!

-Eu sinto muito,Mike.. Do fundo do meu coração,eu gostaria muito de dizer,mas não depende de mim. Emilly me fez jurar não contar pra ninguém onde ela está. Entenda,não envolve só você,tem muito mais problemas..

-Que problemas? Por que Emilly foi embora tão rápido assim? Daniel, por favor..

-Michael,Emilly quer um tempo sozinha, ela precisa! Não pense que nunca mais vai vê-la, é só um tempo.

-Não vou aguentar viver sem ela!

-Ela também não vai,eu sei disso.. Mas vocês dois precisam de um tempo pra curar as mágoas.. Confie em mim.

-Tudo bem.. - suspirei - Eu entendo você, ela é sua amiga.. Mas pode avisá-la que eu não vou desistir dela! E que assim que eu descobrir qualquer pista de onde ela está,eu irei atrás! E principalmente, diga que ela é a minha vida e que sem ela eu não sou nada..

-Eu vou dizer, Michael. E prometo que vou convencê-la a te ouvir.

-Obrigado.. Sei que mereço isso tudo,mas dói tanto..

-Cerveja? - aceitei - Vocês dois deviam fazer uma terapia de casal!

-Nem profissional daria uma solução pra essa novela.. - dei uma boa golada na cerveja e suspirei pesadamente. Eu tenho que ter paciência e esperar Emilly ter dó desse grande cabeça dura que eu sou!

Capítulo 57


" Intriga do destino"



Emilly


  No dia seguinte acordei mais disposta. O enjoo tinha melhorado, mas meu coração continuava do mesmo jeito,com uma terrível saudade de Michael e de todos os nossos momentos juntos.
Despertei com o barulho insistente do meu celular. Achei estranho,pois só quem tem meu novo número é Daniel e ele não me acordaria as oito da manhã por um motivo besta, mas se bem que eu estou louca pra contar a novidade pra ele.

-Fala Daniel.. O que tá pegando?

-Primeira coisa, como você está? Conseguindo se adaptar à vida de fazendeira? - riu

-Tô quase.. Com o tempo tudo se ajeita. Mas o que te fez ligar à essa hora?

-Michael me procurou. - engoli seco

-O que ele queria?

-Adivinha? Saber de você ué! Implorou pra eu dizer onde você está.

-E você não contou né?

-Claro que não. Emmy,eu fiquei com muita dó dele. Tem que ver como está arrependido!

-Azar o dele! Mas.. esse caipira tá bem ou a companhia da noivinha já o transformou em um completo idiota?

-Eles não estão mais juntos. Ele quer pedir perdão,Emmy. Quer voltar pra você.

-Ah que lindo! Mas agora sou eu que não quero nada com ele!

-Larga de ser mentirosa! - riu - Então Emmy, vou aí na fazenda me despedir.

-Despedir? Pra onde você vai?

-Lembra daquela pós na Dinamarca que eu comentei com você? Eu fui aceito e vou pra lá essa semana mesmo.

-Daniel você não pode ir embora! Como vou viver sem você? - falei inconformada

-Para de ser dramática! - riu - Serão só alguns meses,logo estou de volta.

-Fazer o que né? Então vem logo pra cá, tenho novidades!

-Ah meu Deus! Estou indo no próximo voo!

(...)

  Como um perfeito curioso,Daniel veio correndo pra cá no dia seguinte. Confesso que fiquei mexida com o que ele disse sobre Michael,então por mais que eu esteja puta da vida com ele, decidi contar sobre minha gravidez e para isso pedirei ajuda à Daniel.

-Emilly, sua visita está lá em baixo! - avisou Soledad

-Daniel? - sorri contente - Diga que eu já estou indo!

-Pode deixar! - terminei de me vestir e desci para vê-lo

-Dani!! - corri para abraçá-lo

-O ar do campo faz bem mesmo, hein? Está ainda mais linda!

-Obrigada.. Dani que história é essa de ir embora?

-Eu sinto muito, mas será por pouco tempo! Agora eu quero me conte que novidade é essa?

-Você não vai acreditar.. Dani, estou grávida! - Daniel arregalou os olhos

-Meu Deus, isso é sério? Quando soube?

-Fazem dois dias já. Caramba, não imagina como eu estou besta até agora!

-Faço ideia.. Mas, o Michael vai saber disso né? Ou pretende esconder?

-Não,eu não vou esconder. - tirei a carta do meu bolso e lhe entreguei - Quero que entregue à ele.

-O que é isso?

-Como eu não tenho mais nenhum contato com ele,nem o número desse traste, achei melhor escrever uma carta. Nela eu explico o porquê de ir embora e também sobre o nosso bebê..

-Está fazendo certo. Tenho certeza que ele vai nem acabar de ler a carta e virá correndo aqui!

-É,mas eu não quero nada com ele! Só estou fazendo a minha parte..

-Acredito.. - riu - Antes de ir embora eu levo a carta pra ele.

-Obrigada,meu bem.. Vem, vou te mostrar a fazenda!

Daniel passou o dia todo na fazenda, e foi bom porque conseguiu distrair Suri, que não para de chamar por Michael e isso corta o meu coração. Não vejo a hora dele ler minha carta e vir correndo pra cá, pela Suri,é claro..


Narradora


   Assim como prometido, Daniel voltou para Miami a fim de realizar o pedido da amiga. Ele iria embora nesse mesmo dia,então a primeira coisa que ele fez foi procurar por Michael.
Daniel ama a amiga,uma irmã,como sempre a considerou e tudo o que mais quer é vê-la feliz ao lado de Michael. Ele sabe que esse amor é intenso demais para simplesmente morrer por puro orgulho.
  Ele estacionou seu carro na portaria do flat de Michael e levou a carta em suas mãos. Estava feliz por conseguir ver uma luz no fim do túnel para essa relação.

-Bom dia, poderia avisar ao Michael que o Daniel quer falar com ele?

-Hm desculpa senhor, mas ele não está em casa.

-Caramba.. Você sabe se ele vai demorar?

-Não sei te dizer, eu entrei aqui faz pouco tempo..

-Tudo bem.. - Daniel olhava impaciente para o relógio. Em poucas horas ele estaria viajando e precisava entregar a carta de qualquer jeito

-O senhor quer deixar recado?

-Eu preciso entregar essa carta pra ele. É urgente!

-Se quiser eu posso entregar no apartamento dele.

-Vai me ajudar muito! Aqui está.. - entregou a carta ao porteiro - Não esqueça,por favor!

-Não se preocupe, vou levar agora mesmo!

-Obrigado,meu irmão!

-Por nada.. - Daniel deixou a carta e voltou satisfeito para o carro. Estava feliz por poder ajudar Michael e Emilly a se entenderem

Assim que recebeu a correspondência, o porteiro subiu direto para o andar de Michael. Por ser novato,ele não conhecia muito bem os moradores,mas sabia que Michael ocupava o 401. Ele tocou a campainha e foi justamente Lili que atendeu.

-Pois,não?

-Aqui é o flat do Sr. Jackson não é?

-É aqui mesmo.. Algum problema?

-Nenhum, chegou uma correspondência pra ele, posso deixar aqui?

-Claro! Eu entrego à ele.

-Obrigado,moça. Tenha um bom dia.

-Você também.. - Lili fechou a porta e olhou curiosa para o envelope nas suas mãos

Não tinha selo e muito menos parecia ser uma conta. Seu sangue ferveu ao ver o nome de Emilly no verso do envelope. Rapidamente ela o abriu e retirou a carta. Seus olhos fixaram-se no papel e ela começou a ler.

" Michael, você deve estar achando estranho receber uma carta minha depois de tudo que aconteceu. Eu juro que não queria ter que voltar a falar com você,não pense que eu esqueci a palhaçada que você fez.

Enfim, você já sabe que eu fui embora de Miami. Dentre os motivos que me levaram a tomar essa decisão está o fato de eu não querer mais olhar na tua cara e pior que isso, por causa do Eliot.

A pouco tempo descobri que ele está em liberdade, e como se não bastasse isso, descubro que ele é o pai biológico da Suri. É uma história longa que te contarei assim que nos vermos. 
Como deve saber,ele tem ódio de mim, e depois que eu o coloquei na cadeia,esse ódio triplicou. Acontece que ele sabe da existência de Suri, e se Eliot souber que estou com ela, tenho certeza que fará de tudo para tirá-la de mim. 
E esse motivo somado à decepção que você me deu, me fizeram tomar a decisão de me mudar o mais rápido possível de Miami e vir para o Alabama. Sim, eu voltei pra cá, pra fazenda que herdei do meu avô.
Além disso tudo, tem outra coisa que você deve saber. Apesar de estar com uma tremenda raiva de você, não posso esconder isso. Michael, faz alguns dias que eu descobri que estou grávida. Nós vamos ter um bebê! Eu sei que é uma loucura, logo agora que estamos longe um do outro.
Não quero que encare isso como um truque para prendê-lo. Se dependesse de mim você nem estaria sabendo disso, mas não sou ruim. Não vou te impedir de saber a verdade, afinal você é o pai.
Bem, você sabe onde nos encontrar. Deixo no final desta carta o endereço e o meu novo número, caso queira me ligar. É isso.. Apesar de tudo, estou feliz com essa notícia, espero que você também fique.
Suri sente sua falta a todo momento e sei o quanto a fará bem revê-lo..
Até mais,Michael..

Emilly "

- Desgraçada! Você nunca vai deixá-lo em paz,não é? Mas eu não vou permitir que o infernize novamente!

Lili amassou a carta e a escondeu no fundo da sua gaveta. Ela poderia até ter perdido Michael temporariamente, mas nem por isso deixaria ele voltar para os braços de Emilly, pois é isso que aconteceria se eles se reencontrassem e Lili faria de tudo para impedir isso.

Capítulo 58 

"Você deveria estar ao meu lado"

Michael


Já faz uma semana que não falo com Daniel e principalmente com Emilly. Eu sei que prometi esperar o tempo dela,mas a saudade me corrói mais a cada a dia,dela e da minha pequena Suri.

" - Emilly, você enlouqueceu? - gritei ao vê-la correndo atrás de Suri

-O que foi agora,seu chato? - resmungou ao se virar para mim

-Não pode sair correndo como se não tivesse com uma barriga enorme!

-Você está insuportável,mas eu adoro te ver assim.. - Emilly me abraçou e minhas mãos pousaram na sua barriga saliente

-É só preocupação.. Nosso meninão já está quase chegando e eu não quero que nada de ruim aconteça..

-Não vai acontecer. Tenho você aqui comigo! - passeei meu dedo por sua pele e a puxei para mais perto de mim, grudando nossos lábios em um beijo suave

-Eu amo você,Emmy.. - falei ainda ofegante

-Nós amamos você.. - me ajoelhei de frente à ela e beijei sua barriga, sentindo o calor do nosso filho tão perto de mim."


  Acordei depois de mais um sonho com Emilly. Ja é a terceira vez nessa semana que eu sonho com a mesma coisa. Acho que a saudade que sinto dela e de Suri é tão grande que eu imagino coisas sem sentido. Decidi tomar um banho frio e voltar pro trabalho, só assim para manter minha mente ocupada.

Emilly


-Daniel, tá podendo falar?

-Claro,minha flor.. Como está tudo aí?

-Bem,quer dizer.. Dani, você tem certeza que entregou a carta pro Michael?

-Tenho,Emmy. Eu disse pra você que deixei com o porteiro e ele foi levar no flat dele na mesma hora. Ele ainda não te procurou?

-Não.. E muito menos ligou, não deu sinal de vida!

-Emilly,vai ver ele não teve tempo de ler ou..

-Não precisa falar nada.. - ri - Só é cego aquele que não quer enxergar.. Na certa ele não acreditou e acha que é mais um truque meu para prendê-lo.

-Princesa,não fala isso..

-Está tudo bem. - solucei - Eu fiz a minha parte, se ele não quer saber da gente, eu não posso fazer nada. Agora minha família é a Suri e o bebê, mais ninguém!

Cinco meses depois


   Já estou encaminhando para o fim da gestação. Nem acredito que se passaram cinco meses e principalmente, no tamanho da minha barriga. E quem está pulando de alegria é Suri, que está louca para o irmão nascer.
  Pois é, no quarto mês de gestação eu descobri que estou à espera de um menino. Quem ficaria maluco com essa notícia é Michael,já que seu sonho sempre foi ser pai de um garotão. Michael.. mesmo com tantos meses sem notícias eu só consigo pensar nele e em como ele está, apesar de estar decepcionada com a sua atitude.
   Mas eu não quero pensar nele, pois quando o faço,me deprimo e isso tem feito mal ao bebê. Quer dizer, a minha gravidez é de risco por conta do meu problema de pressão alta e então eu tenho que ficar o dia todo de cama.

-Cadê o papai,meu amor? - acariciei minha enorme barriga de oito meses

-Trouxe o seu almoço.. - Soledad entrou com a bandeja do almoço,que me embrulhou o estômago na mesma hora

-Ah não Sol, leva isso daqui.. - tampei meu nariz para não piorar o enjoo

-Está enjoada de novo,querida?

-Uhum.. E minha cabeça parece que vai explodir!

-Já está na hora do Ben chegar.. Não acha que deveria ir para Montgomery? A fazenda é distante e se o bebê chegar antes da hora?

-Você tem razão,mas não quero deixar a Suri sozinha. Ela só tem a mim.. Não sabe como me preocupo se algo acontecer comigo no parto..

-Hey, não vai acontecer nada! Você é forte e o bebê também! Vai ver como tudo vai dar certo..

-O que mais me dói é saber que o Michael não deu a mínina! Soledad, se passaram cinco meses e ele nunca deu um telefonema!

-Você tem certeza que ele recebeu essa carta?

-Sol, a carta chegou na casa dele! E não é possível que em todo esse tempo ele não tenha aberto! Ai.. - senti uma forte pontada na barriga

-O que está sentindo querida?

-Acho que são as contrações, caramba dói muito! - as dores ficaram cada vez mais fortes

-Santo Deus! Vou pedir o Ethan para tirar a caminhonete! Virna, vem aqui no quarto!

-Não vou aguentar pegar a estrada..

-Mas você precisa,não pode fazer parto normal..

-O que está acontecendo? - Virna correu para me socorrer

-Emilly vai ter o bebê! Fique aqui com ela enquanto eu chamo o Ethan!

-Calma Emmy, vai dar tudo certo.. - Virna tentava me acalmar

-Ai!! Virna,não vai dar tempo!

-Olha pra mim, você tem que respirar fundo! A bolsa ainda não estourou,então temos tempo. Montgomery fica à vinte minutos daqui, vamos chegar rápido! Consegue se sentar?

-Acho que sim.. - Virna me ajudou a sentar na cama, com suas mãos segurando firme os meus braços

-Pegue ela com cuidado! - Soledad instruiu Ethan,que vinha ao seu lado

-Licença,patroa! - falou ao me pegar no colo

As dores só faziam aumentar e eu implorava a Deus para a minha bolsa não romper agora. Eu já sentia minha cabeça girar e se eu não chegar a tempo,meu bebê poderá sofrer as consequências.

(...)

Eu sentia tanta dor que nem percebia em que lugar estávamos. Virna o tempo todo segurava a minha a mão e secava minha testa suada. Vez ou outra Ethan avisava que estávamos próximos à cidade.

- Virna? - sussurrei com dificuldade - Acho que a bolsa estourou..

-Virgem Maria.. Ethan,vai mais rápido!

-Já estamos perto do hospital. Aguenta mais um pouco,dona Emilly!

Meus olhos já nem abriam mais. Só senti o carro parando e o meu corpo sendo tirado de dentro dele e colocado em uma maca. Respirei aliviada ao saber que eu já estava no hospital.

-Ela tem que fazer uma cesariana urgente! - ouvi alguém dizer - A amiga disse que ela tem pressão alta, se arriscarmos o parto normal ela sofrerá eclâmpsia.

-Já está tudo pronto pra cirurgia. Vai ficar tudo bem,Emilly! - um dos médicos disse

  Fui levada rapidamente para o sala cirúrgica. As enfermeiras me vestiram adequadamente e o que senti depois disso é ter meu corpo transferido para a maca. Em seguida, me viraram de lado e eu senti uma dor insuportável na minha coluna, por conta da anestesia.
  E então tudo foi se acalmando. Aos poucos a dor foi cessando e eu já estava totalmente amolecida. Eu só pedia a Deus para trazer meu filho com saúde e no fundo eu rezava para que Michael estivesse aqui comigo.
    Escutei algumas vozes de fundo, pedindo para eu ser forte e que meu bebê já estava por vir. As lágrimas vieram ao meus olhos quando ouvi o chorinho fino do meu bebê. Apesar de estar sob o efeito da anestesia, eu me mantive acordada o tempo todo, principalmente quando aproximaram o pequeno bebêzinho de mim.
  Sua cabecinha encostou no meu pescoço e a partir dali todo o amor que eu já sentia se multiplicou. Mas comecei a sentir um forte enjoo e em questão de segundos minhas vistas se escureceram e eu apaguei.


Capítulo 59

"Mal entendido"


Emilly


  Não sei quanto tempo dormi,mas algo me dizia que foram longas horas. Abri meus olhos me sentindo zonza e fraca,por um momento até me esqueci de onde eu estava se Soledad não estivesse do meu lado.

-Acordou,finalmente! - disse visivelmente aliviada. Inclinei minha cabeça,mas senti uma forte tontura - Hey, não pode fazer esforço.

-Há quanto tempo estou aqui?

-Já fazem três dias. Depois do parto, sua pressão foi as alturas. Pensei que morreria,mas Deus foi misericordioso! - eu não me importava com o que havia acontecido comigo, só queria saber do meu filho

-Como está o Ben? Ele nasceu saudável,não é?

-Fica calma,princesa.. Ben está vendendo saúde! Nasceu um pouco adiantado,mas já está ganhando peso.

-Quero vê-lo!

-Agora ele está na encubadora,mas logo você vai poder ficar com ele.. - me tranquilizou

-E a Suri? Como ele está?

-Ela veio te visitar,mas você estava dormindo. Não se preocupe,Virna está cuidando muito bem dela!

-Quero ir pra casa,Sol.. Não gosto de hospital.

-Eu sei,sua boba.. Você nunca perdeu o medo né? - riu

-Ainda conservo velhos hábitos.. Não vejo a hora de ficar com meus bebês. Quem diria,eu mãe de dois filhos em menos de um ano! Só estaria perfeito se aquela pessoa estivesse aqui..

-Ainda não me conformo com isso! Michael jamais iria te ignorar!

-Eu também pensava assim.. Agora chega de falar dele! Michael é página virada! - afirmei na tentativa de acreditar nas minhas palavras

Um mês depois


 Minha casa está numa festa total com o novo bebê. Ben e Suri são os maiores presentes que eu poderia ter ganhado, e a forma como os dois se relacionam me deixa ainda mais feliz e satisfeita com a nossa vida a três.

-Você é a coisa mais linda desse mundo,mas precisa dormir,meu bem.. - estava embalando Ben nos meus braços a mais de vinte minutos e ele não parava de fazer manha

-Quer ajuda?

-Ah Sol, por favor! Já não sei mais o que fazer pra ele dormir, e olha que  o Ben é calminho! - passei meu bebê para os seus braços

-Criança é assim mesmo,querida.. Tem dias que nem o santo ajuda! Seu amigo está no telefone.

-Daniel? Espere aqui,eu já volto! - desci até a sala e fui atendê-lo - Alô?

-Emilly? Aah que saudade de você!

-Eu estou mais ainda! Você prometeu que ia voltar e até agora nada!

-Então pode parar de chorar que eu estou chegando!

-Sério? - praticamente gritei de empolgação

-Hey,vai me deixar surdo! Mas é sério sim, estou louco para ver a Suri e o pequeno Ben!

-Ele é tão lindinho,Dani.. E Suri está cada dia maior! Quando você vem?

-Em breve,mas antes vou à Miami acertar as contas com um certo caipira idiota! - senti um arrepio ao pensar em Michael

-Eu te proíbo de fazer isso! Não quero mais esse homem na minha vida!

-Sinto muito,minha amiga. Mas eu vou sim tirar satisfação com esse cara e exijo uma explicação dele!

-Daniel..

-Não adianta insistir,Emmy. Esse cara vai ouvir poucas e boas!

Michael


 Seis meses em que a minha vida se resume em trabalhar e ir para o hotel. A poucos meses atrás o bebê de Lili nasceu,dei toda a assistência necessária e tive que aguentar seu pedido para voltar comigo.
 Me sinto tão anestesiado que permiti que ela continuasse no meu apartamento,pois nada mais tem importância pra mim,qualquer lugar que eu tiver pra dormir,basta.
  A única coisa boa disso tudo é que com a dedicação que aplico no meu trabalho,estou progredindo cada vez mais. Encontrei por meio do trabalho,uma forma de manter minha cabeça ocupada,caso contrário eu estaria mais acabado do que estou.
 Pela imagem que reflete no espelho,vejo como estou derrotado. Devo ter emagrecido mais de dez quilos. Parece que a cena de anos atrás se repete, pois quando Emilly saiu de casa,foi desse jeito que eu fiquei. Ocupava minha cabeça trabalhando e nas horas vagas eu bebia para esquecer a solidão. E é isso que eu tenho feito.
 Depois de uma noite inteira acordado, consegui dormir lá pelas seis da manhã e foi justamente quando estava cochilando que meu celular tocou. O número era desconhecido,eu já estava quase desligando,mas decidi atender.

-Alô..?

-Michael,é você? - falou uma voz conhecida

-Depende.. Quem é? - disse sem paciência

-Daniel,ou também esqueceu de mim? - arregalei meus olhos e me levantei em um pulo

-Da..Daniel? Eu não esperava falar com você depois de tanto tempo. Se não sabe eu fiquei igual um louco atrás de você!

-Eu estava fora do país,mas agora estou em Miami,vim especialmente para ter uma conversa de homem pra homem!

-Como é? - falei sem entender

-Não se faça de desentendido! Vou hoje mesmo no seu apê para termos essa conversinha.

-Eu não moro mais no flat.. Estou em um hotel.

-Então me passe o endereço. Você tem muito o que ouvir!

(...)

 Não entendi o porquê do tom agressivo na sua voz. O cara me liga depois de seis meses e ainda diz que quer satisfações? Na verdade quem tem que exigir uma explicação sou eu! Emilly sumiu com a minha filha e não deu mais sinal de vida. Ainda não acredito que ela pôde ter sido tão insensível ao me afastar de Suri.
  Terminei de me vestir quando a campainha tocou. A recepcionista ligou dizendo que Daniel havia chegado. Abri a porta e o vi entrar feito um louco no quarto.

-Bom dia pra você também! - falei

-Bom dia o cacete! Qual o seu problema,Michael?

-Eu que te pergunto! O que foi que te deu pra entrar aqui desse jeito falando assim comigo? Ah já sei.. - ri - Veio tomar as dores da sua amiga fujona?

-Como ousa, depois de tudo que você fez, falar assim da Emmy?

-Olha só,eu reconheço que errei muito agindo daquela forma,mas daí ela sumir do mapa levando a minha filha foi demais!

-Como pode ser tão canalha? Mesmo depois dessa merda que você fez,ela passou por cima do orgulho dela e te deu a chance de fazer diferente. Mas o que você fez? Não deu a mínima pra ela e nem para os seus filhos! - gritou,me deixando sem entender porra nenhuma

-Mas que diabos você tá falando?

-Da carta que ela fez pra você! A carta que você deve ter rasgado em pedacinhos depois de ler!

-Cacete,será que dá pra explicar? Eu não sei que porra de carta é essa!

-Como não,Michael? Se eu fui pessoalmente até o seu flat entregar! - passei a mão pelos cabelos na tentativa de procurar um sentido para essa história

-Eu nunca recebi porcaria de carta nenhuma,ainda mais da Emilly!

-Oh meu Deus.. eu entreguei essa bendita carta no dia que eu fui embora e  você não estava em casa! Ainda não se lembrou?

-Pra início de conversa eu saí do flat na mesma época em que a Emilly foi embora! É óbvio que eu não estava lá,só a Lili.. Espera aí.. - foi então que a minha ficha caiu. Lili é a única pessoa que deve ter recebido essa carta e é mais óbvio ainda ela não ter me contado!

-Acho que entendi o que aconteceu. - disse agora mais calmo - Lili na certa recebeu a carta e ao ver que era da Emilly não quis te mostrar.

-Filha da puta! - soquei o balcão com toda a fúria que se formou em mim

-Michael,calma!

-Que carta é essa,Daniel? Por que ela me mandou isso? - perguntei desesperado

-Nela a Emilly explica o porquê de ir embora e também conta uma outra coisa..

-Que coisa? Fala!

-Acho que é ela quem tem que contar. Está claro que vocês foram vítimas de um mal entendido feito pela Lili..

-Eu vou agora mesmo acertar as contas com essa louca!

-Não,Michael! - Daniel me impediu - Depois você cuida disso,agora você precisa ir atrás da Emmy!

-Mas onde ela está?

-Num lugar que eu acredito que você nunca imaginaria..

-Alabama? - chutei. Daniel riu - Emilly está no Alabama?

-Isso aí.. Agora corre,Michael! Já dormiu demais no ponto. Vá atrás dela e explique o que aconteceu.

-Eu vou agora mesmo! Eu tenho que.. eu vou comprar.. - andava desnorteado de um lado para outro

-Michael, respira! Deixa que eu cuido das passagens. Arruma sua mala e me encontre no saguão,ok?

-Ok..

-Promete que não vai ter um infarto quando ver ela e o..?

-Ela e quem?  E por que eu infartaria?

-Você vai ver.. - ele riu

-Olha aqui,eu não estou com muito tempo para os seus enigmas!

-Tá,depois não diz que eu não avisei.. Volto logo e ande rápido com isso!

 Caramba, eu devo ter um coração muito bom mesmo pra não dar um piti depois do que eu acabei de descobrir e algo me diz que as emoções ainda estão longe de terminar.



Capítulo 60 

" Visita inesperada"


Emilly


  Depois que Ben veio pra casa, eu raramente saí da Fazenda. Não queria ir para Alexandria e aturar as pessoas me interrogando, querendo saber o porquê de eu ter voltado e principalmente, como eu arranjei dois filhos. 
 Mas também já estava cansada de ficar enfurnada na Fazenda, perdida nos meus pensamentos, imaginando que diabos Michael está fazendo. Decidi passear em Alexandria com os bebês, pouco me fodendo para o que vão dizer, afinal ninguém tem nada com a minha vida.

-Virna, já vestiu a Suri?

-Vesti sim, olha como ela está linda! - me derreti ao ver Suri vestida como uma princesa. Me agachei à sua altura e lhe puxei para um abraço gostoso

-É a dona do meu coração.. Mamãe te ama muito, minha linda.. Agora vamos, teremos um dia de compras!

-Você pode me dar uma carona? Tenho que ir na casa de uma amiga.

-Claro que sim! 

-Se quiser eu posso te ajudar com as crianças

-Não precisa,Virna. Quero ter um momento só com eles.. Eu vou dar conta! - sorri confiante

-Tudo bem.. Então vamos e divirtam-se!

-Obrigada,meu bem.. - coloquei Ben e Suri na cadeirinha do carro e seguimos para a cidade

 A primeira coisa que fizemos foi comprar roupas novas. Decidi doar meus vestidos de linho e salto alto, afinal eu moro em uma fazenda e preciso de roupas mais confortáveis. Troquei minhas peças refinadas, por vestidos simples, calças jeans,bota e chapéu, eu até gostei de voltar a ser uma caipira.
  
-Mãe, tô com fome.. - Suri resmungou

-Ô minha linda,vamos na lanchonete. O que você quer comer?

-Bolo de chocolate! - disse empolgada

-Então vamos nos empaturrar de bolo de chocolate!

 Seguimos para a lanchonete para comer o famoso bolo da Liv, doceira de longa data aqui em Alexandria. Sentei Suri na cadeira e coloquei o carrinho de Ben na minha frente. Fui até o balcão para pegar o prato, mas me desespero ao ver a cadeira de Suri vazia.

-Cadê ela? - gritei

-Saiu correndo pela rua,moça. - a atendente disse - Acho que ela se deslumbrou quando viu o carro de sorvete.

-Ah meu Deus! Suri,volta aqui! - saí correndo atrás dela, antes que algo ruim acontecesse

Michael


  Voltar para Alexandria me deixou renovado. Só de saber que verei Emilly já sinto meu coração coração bater mais forte. Daniel disse que era melhor eu vir sozinho,pois preciso ter uma conversa longa com Emilly e eu espero que dessa vez possamos nos entender, apesar de saber que será uma tarefa difícil.
 Antes de procurá-la na fazenda, passei na cidade para comer alguma coisa. Estou com a barriga vazia desde que saí de Miami, pois simplesmente nada passa na minha garganta.

- Grande Michael! O que deseja? - a atendente veio me dizer

-Lorena,minha linda faz pra mim um sanduba no capricho?

-É pra já,sumido! - notei que tinha um bebê esgoelando no carrinho ao meu lado. Olhei pro lado e não vi ninguém que parecia estar com ele -  Ué,o que esse guri tem?

-Deve ser saudade da mãe. A louca saiu correndo atrás da filha e acho que esqueceu o garoto. Já tem meia hora que ela sumiu!

-Oh coitadinho! Sua mãe deve ser uma jumenta!  - me atrevi a pegá-lo no colo para fazer ele se acalmar

  Me sentei no banco e o coloquei nos meus braços, cantando baixinho para ele parar de chorar. Me lembrei de quando conheci Suri pela primeira vez, ela chorava igual louca e foi se acalmando quando a coloquei no meu colo.

-Shii.. Não precisa chorar,garotão.. - abri um largo sorriso ao vê-lo rindo pra mim. Realmente era um garotinho lindo e parecia ser bem esperto - Já está se acalmando,né? Pronto,já passou.. - fechei meus olhos ao sentir seu cheirinho gostoso ao aproximá-lo de mim






-Olha ela aí! - abri meus olhos ao ouvir Lorena dizer. Fiquei paralizado ao ver Emilly parada na porta. Ela empalideceu ao me ver segurando o menino





-Emilly? - eu estava surpreso, chocado e feliz ao mesmo tempo. Céus,ela estava ainda mais linda do que a última vez que a vi

-O que está fazendo com ele no colo? - perguntou visivelmente apavorada. Olhei para o bebê e reparei  numa correntinha no seu pulso. Estreitei meus olhos para ver o que estava escrito. Provavelmente teria derrubado o bebê no chão depois de ter lido "Ben C. Jackson"

-Meu Deus..

-Responda! - gritou me despertando do choque

-Essa criança é sua,Emilly? - minha voz saiu embargada. Ela mordeu o lábio inferior, típico quando quer esconder alguma coisa

-Não! Esse bebê é filho da babá da Suri.. - disse desviando o olhar para o chão

-Ah é? Então eu acho que sua babá teve um filho com algum parente meu! - apontei para a correntinha. Emilly ficou sem fala e ainda mais branca

-Não fale besteiras! Me dá logo essa criança!

-Só entrego pra mãe dele! - apertei Ben nos meus braços - E então? Onde ela está? - Emilly estava atordoada. Não adianta ela mentir, pois tenho a total certeza que essa criança que seguro em meu colo é nosso filho!

-Me dê o meu... filho. - disse em um fio de voz,com a cabeça baixa. Meus olhos encheram-se de lágrimas ao encarar os olhos negros do bebezinho à minha frente. Me sentei no banco novamente,ou eu cairia duro no chão

-Michael, você está bem? - Lorena veio até mim com um copo d'água em mãos. Só senti Emilly tirando o bebê do meu colo e o colocando no carrinho - Beba a água,Mike!

-Nem pense em sair daqui! - despertei ao ver Emilly caminhando para a saída. Ela parou e olhou pra mim

-Quem é você pra mandar em mim? - gritou de volta - Agora resolveu dar uma de pai presente?

-Emilly, você vai me ouvir!

-Michael? - Virna apareceu com Suri, que veio correndo até mim

-Papai! - gritou quando eu a peguei no colo

-Minha linda que saudade! - lhe abracei com toda a minha força,beijando todo o seu rosto - Nunca mais vou me afastar de você, nunca mais! - Suri enxugou minhas lágrimas e eu beijei a ponta dos seus dedos

-Não vai embora..

-Nunca mais irei! - enterrei minha cabeça no seu pescoço, abraçando-a com ainda mais força

-É melhor vocês conversarem.. - Virna aconselhou. Coloquei Suri no chão e ela seguiu com Virna

 Emilly saiu da lanchonete e parou em frente ao seu carro, colocando os bebês na cadeirinha,tentando me ignorar. Me coloquei de frente à ela, que congelou ao me ver tão próximo.

-Qual é a explicação que você vai dar? - disse com os olhos cheios de lágrimas

-Eu juro que não sabia de nada, me deixe explicar!

-Ah me dá licença! Tenho mais o que fazer como cuidar dos meus filhos!

-Cuida tanto deles que esqueceu o bebê na lanchonete, sua desnaturada! - Emilly se enfureceu e faltou pouco me esganar

-Como ousa falar isso? - gritou. À essa altura já havia se formado um aglomerado de pessoas para assistir o espetáculo

-Bem, não sou eu que saio esquecendo a cria em qualquer lugar. Você precisa é de um homem para te por na linha!

-Oh então me apresente esse homem,porque o que tem na  minha frente não passa nem perto! - ouvi um burburinho dizendo "Oh" e aquilo foi como pisar no meu calo

-Agora você vem comigo! - peguei Emilly pelas pernas e a apoiei nas minhas costas, ouvindo seus gritos histéricos e recebendo socos

-Michael,me põe no chão agora! Eu vou chamar a polícia!

-Cala a boquinha.. - espalmei seu bumbum e ela se enfureceu mais ainda

 Levei ela até o carro que eu aluguei e a joguei no banco do carona,fechando a porta com força. Rapidamente entrei no carro e travei as portas para que ela não tentasse fugir. 
 Acelerei com força e parti em alta velocidade, ignorando seus gritos. Decidi levá-la para o lago, um lugar tranquilo e afastado, só assim para poder conversar em paz. 
 Assim que estacionei o carro ela saiu rapidamente,mas consegui puxá-la pela cintura e a pressionei contra o carro, impedindo-a de se soltar dos meus braços.

-Será que agora pode ficar quieta e me escutar? - Emilly calou a boca e olhou fixamente nos meus olhos

-Eu quero brigar muito com você,mas a única que coisa que eu preciso agora é de um abraço seu..

-Emmy.. - envolvi meus braços na sua cintura e colei seu corpo contra o meu. Ela apertou seus braços ao meu redor e enterrou seu rosto no meu pescoço - Não tem ideia do que eu passei longe de você!

-A culpa foi toda sua.. - disse ainda colada em mim. Eu fazia um leve carinho em seu cabelo, ouvindo as batidas aceleradas dos nossos corações

-Eu sei,eu sei.. - pernecemos abraçados e em silêncio. Nós precisávamos de um momento assim, sem brigas ou ofensas trocadas,um momento em que pudéssemos demonstrar o amor,que mesmo machucado, continuamos sentindo um pelo outro.



Capítulo 61 

"Provando do próprio veneno"

Emilly


  Eu queria me bater por ser tão fraca e me deixar levar pela saudade que estava sentindo de Michael. A minutos atrás ele me fez passar a vergonha do século na frente da cidade toda,mas agora me vejo completamente entregue em seus braços.

-Será que pode me soltar agora?

-Vai fugir de mim?

-Não.. - Michael olhou pra mim e por fim me soltou. Aproveitei para sair correndo,mas o filho da puta me puxou e me jogou na grama, deitando-se sobre mim com seu rosto colado no meu

-Como é que eu ainda acredito em você,hein? - disse

-Essa fala devia ser minha!

-Emilly,pelo amor dos nossos filhos, me escute!

-Fala então,mas será que pode sair de cima de mim?

-Não! Eu não confio em você! - Michael colocou um braço de cada lado,acariciando minha bochecha - Eu juro que não recebi nenhuma carta sua..

-O Daniel entregou no seu flat! - rebati

-Eu não estava morando lá. Assim que rompi com a Lili eu saí de casa, mas eu não ia mandar ela ir embora com a gravidez avançada.

-Você é tão cavalheiro.. - ironizei

-Se não calar a boca eu vou te amordaçar! Continuando.. nesse mesmo dia eu fui para o hotel disposto a te procurar, pedir perdão.. Mas ai você foi embora e desde então eu tenho vivido sozinho..

-Que diabos aconteceu com a minha carta então?

-A Lili a recebeu e nunca me contou sobre ela. A culpa não foi minha, Emmy..

-Foi sim! Você que colocou essa louca na nossa vida! Com esse orgulho idiota você deu toda abertura pra essa ninfeta se meter entre nós!

-Eu sei,meu amor.. - Michael colou sua testa na minha - Eu me culpo todos os dias por isso e por tudo que eu fiz você passar..

-Não imagina como me humilhei por você e em troca você ficou de palhaçada com a minha cara!

-Você está coberta de razão! Mas eu aprendi da pior maneira, Emilly. Ficar todo esse tempo sem ver vocês e principalmente,sem ver sua barriga crescer,sem poder estar presente no nascimento do nosso filho. Não acha que isso é castigo suficiente?

-Senta.. - Michael me obedeceu e eu também me sentei de frente à ele - Por mais que você tenha merecido, eu sei que deve ter sido difícil. Eu também queria que você estivesse ao meu lado me ajudando a enfrentar essa barra.. Mas o destino não quis assim.

-O destino não quis o cacete! Você nasceu pra ser minha,essa é a verdade! Você pode me enxotar o quanto quiser,mas eu não vou embora!

-Me dê um tempo,ok? Eu ainda estou bem magoada com você..

-Te dou o tempo que quiser,desde que não me expulse da sua vida.

-Não posso fazer isso,afinal tenho dois filhos com você! - Michael riu

-Ainda não consigo acreditar! Sou pai pela segunda vez e de uma hora para outra..

-Você quer conhecer ele com mais calma?

-Você deixa? - não resisti ao seu olhar entristecido

-Deixo.. Vem comigo. - me levantei e ajudei Michael a se por de pé

(...)

-Será que ele já dormiu? - perguntou enquanto subíamos as escadas da minha casa

-Duvido. Ben só dorme depois das seis da tarde ou quando eu estou por perto.

-Parece que está se virando muito bem.. - disse orgulhoso de mim

-Virna e Soledad me ajudam muito! - abri a porta e dei passagem para ele passar. Michael estava visivelmente nervoso e eu quis rir da cara dele - Michael,vem aqui no berço!

-Não vai atrapalhar ele? - disse retraído

-Não,Michael.. - peguei Ben no colo e ele resmungou - Oi meu lindo.. tem uma pessoa que quer te conhecer.. - acenei para Michael se aproximar

-Posso pegar ele?

-Já pegou hoje.. - ele riu - Segura aqui.. - Michael ergueu os braços e pegou o bebê. Agora vendo eles tão próximos,percebo como são parecidos e em como Michael tem o dom de acalmar um bebê. Decidi sair do quarto antes que eu chorasse ali mesmo

-Ele é tão lindo,Emmy.. É a minha cara! - ri

-Sempre convencido.. Eu vou deixá-los a sós. Estarei lá em baixo.

-Tudo bem.. - fechei a porta com cuidado e desci para a cozinha

Deus,vai ser difícil resistir por muito tempo. Meu amor por Michael cresce mais a cada dia e mesmo com tudo que ele aprontou eu não consigo sentir raiva,mas confesso que ainda estou magoada. Se ele quiser voltar comigo,vai ter que provar que merece uma nova chance.

-A Suri já dormiu? - perguntei à Soledad

-Agora pouco. Ela gastou muita energia hoje! - rimos

-Ela é uma figura..

-Michael está lá em cima?

-Aham. Achei melhor deixar ele ter um tempo com o Ben, eles merecem.

-Estou orgulhosa de você! Mas.. não vai perdoá-lo?

-É algo a se pensar. Michael não pode simplesmente aparecer aqui e ter essa bobona aos seus pés. Ele brincou muito com a minha cara, você não tem noção!

-Mas ele te ama,vocês se amam! Vão viver até quando desse jeito? - abri um sorriso malicioso

-Até ele ficar louco,assim como eu fiquei..

-Essa cara quer dizer que vai aprontar alguma coisa.. Emilly?

-O que? - ri - Não vou fazer nada demais, só quero ver como anda o temperamento do Michael..

-Atrapalho? - Michael bateu na porta

-Claro que não,querido! - Soledad foi até ele e o abraçou - Estou muito feliz por vê-lo depois de tanto tempo!

-Você tá uma gata, Sol! - disse ao lhe dar um beijo na testa - Obrigado por cuidar da Emilly e das crianças..

-Imagina..Vocês todos são como se fossem da minha família! Bem, vou ver como está a Suri, com licença. - ficamos a sós na cozinha e eu percebi como ele está magro

-Michael?

-O que?

-A quanto tempo não come direito?

-Do que você tá falando? - desconversou

-"Do que você ta falando".. - imitei sua voz - Olha pra você,está mais magro do que de costume!

-Estava trabalhando muito..

-Isso não é desculpa! Logo você que come tudo que vê pela frente!

-Inclusive você.. - disse baixinho

-O que disse?

-Nada!

-Olha aqui,eu não quero que fique doente pra depois jogar a culpa em mim! Senta ai!

-Pra que?

-Senta! - Michael se sentou na cadeira e eu fui até a geladeira

-O que vai fazer?

-Qualquer coisa pra você comer.

-Quer ajuda? - disse com um sorriso mais safado que ele próprio

-Acho que vou precisar..

(...)

- Quando você disse que ia cozinhar pra mim não imaginei que seria brigadeiro! - estávamos sentados na rede da varanda com a panela de brigadeiro no seu colo

-É a única coisa que eu sei fazer e você adora..

-Se lembra disso? - disse surpreso

-Não tenho memória fraca.. - ficamos observando o entardecer e ele logo começou a me encher de perguntas

Michael quis saber sobre tudo que aconteceu nesses meses. Como eu descobri a gravidez e o nascimento de Ben. Realmente tínhamos muito o que contar e nem vimos que já estava anoitecendo.

-Caramba, acho que é melhor eu ir embora..

-E você vai pra onde?

-Pra minha casa ué. Não fica muito longe.

-Vai pra uma casa toda empoeirada? Esqueceu da sua alergia?

-O que me sugere..? - sorriu com malícia

-Bom.. é melhor dormir aqui. Tem muitos quartos vazios e .. a Suri vai adorar ter você aqui.

-Ah..a Suri..?

-Vem, vou te mostrar o quarto. - achei melhor mudar o rumo da conversa antes que eu caísse em tentação

  Quando eu achei que estava livre desse homem gostoso,eis que ele me chama pra brincar com Suri. Bom,pelo menos não estávamos a sós,mas Suri logo capotou e eu arrumei uma desculpa para ir pro meu quarto e não ter que dar " boa noite" para o Michael.

(...)

  Finalmente amanheceu e não sei porque o dia está tão lindo e também não sei porque estou tão animada até mesmo para trabalhar.
Chamei Ethan para me levar até os estábulos para ver o que precisa trocar e substituir por novas. Enquanto ele foi buscar o cavalo,terminei de calçar as botas.

-Prontinho,dona Emilly. - percebi que Michael estava vindo,então rapidamente pedi para Ethan me ajudar a subir no cavalo

-Que porra é essa aqui? - Michael gritou furioso 

-Bom dia pra você também,Sr. Jackson. - falei sorridente - Eu e Ethan vamos dar uma volta pela fazenda

-Juntos e no mesmo cavalo?

-Sim,por que? - seu rosto ficou ainda mais vermelho ao ver Ethan montar no cavalo logo atrás de mim

-Emilly,desça desse cavalo agora! - rugiu feito um cão raivoso

-Por que eu desceria? - ri - Vamos logo Ethan,não quero perder tempo! - quando Ethan pegou nas rédeas do cavalo,encostando suas mãos na minha cintura,pensei que Michael infartaria

-Emilly,se tem amor a vida desça daí agora!

-O que você vai fazer? - Michael me lançou um olhar fulminante e eu comemorei por dentro por ter conseguido atingir seu ponto fraco. Agora ele vai saber o que me fez sentir quando estava com a sonsa da Lili.



Capítulo 62

" Para sempre minha"

Michael


  Meu sangue fervia só de ver aquele homem tocando em Emilly e o pior de tudo é que ela estava deixando, fazendo de propósito para eu perder o controle. E é isso que ela conseguiu. Tirei meu cinto e ela arregalou os olhos.

-Se não descer desse cavalo eu vou dar tanto no seu traseiro que ficará um mês sem poder sentar!

-Ethan,desce.. - Emilly pediu sem se abater com a minha ameaça

-Tem certeza,patroa?

-Tenho sim,querido.. Esse senhor descompensado já me deu nos nervos! Quero ficar sozinha.. - ela sorriu para o rapaz e ele desceu. Se eu não tivesse com tanta sede em Emilly,eu teria socado a cara dele

-Nem ouse sair daqui,Emilly Cruz!

-Olha só,eu não tô bem com você não,tá? - Emilly puxou as rédeas do cavalo e deu as costas pra mim

-Merda! - fui atrás do rapaz e ordenei que ele preparasse um cavalo. Nem esperei ele arrumar a cela e parti atrás de Emilly

  A segui sem que ela percebesse. Agora eu vou dar um tranco nessa mulher para ela aprender que comigo não se brinca. Emilly desceu do cavalo ao chegar perto do chalé que fica afastado da fazenda. Lembro-me que ela sempre fugia pra lá quando queria ficar sozinha. 
Desci do cavalo e amarrei a rédea em uma árvore. Firmei o chapéu na cabeça e fui sorrateiramente atrás dela. Emilly deixou a porta entreaberta e eu pude vê-la tirando a jaqueta,as botas e soltando os cabelos,o que fez minha raiva passar e dar lugar à um bobo apaixonado. 
 Ela se esgueirou na mesa e não percebeu que eu aproximava. Envolvi meus braços na sua cintura e Emilly se assustou.

-Shii... - sussurrei no seu ouvido, totalmente embriagado pelo seu perfume. Afastei seus cabelos e beijei seu pescoço

-O que está fazendo aqui? Me seguiu é?

-É claro que te segui. Achou mesmo que eu ia te deixar em paz depois da afronta que você me fez? - Emilly se virou pra mim e os nossos rostos ficaram muito próximos

-Não temos mais nada um com o outro.. Esqueceu que foi você que quis se divorciar?

-Foi a maior burrada que eu fiz na minha vida. Mas isso não te dá o direito de se engraçar com outro homem! - apertei sua cintura com força. Emilly gemeu e depois riu - Falei alguma piada?

-Não,só estou adorando saber que sentiu o mesmo que eu quando você tava de graça com a ninfeta! Viu como é bom ser trocado por outra pessoa?

-Fez de propósito,não é? Você quer me ver louco,Emilly?

-Não se preocupe,não faz mal. Olha pra mim,eu sobrevivi! - olhei diretamente para os seus seios, vendo-a ficar ruborizada - Para de me olhar assim!

-Assim como..? - apertei seu corpo contra o meu

-Você está tentando me seduzir.. - Emilly fechou os olhos quando rocei meus lábios no seu pescoço

-E eu estou conseguindo.. - inclinei minha cabeça e lhe beijei. Comecei beijando o cantinho da sua boca e depois puxei seu lábio inferior, chupando delicadamente e, em seguida, acariciei seus lábios com a minha língua

-Caramba.. - sussurrou ao afastar seu rosto - Se importa de fazer de novo? - ri

-Você é minha Emilly, minha! Fico louco só de imaginar em outro homem te tocando ou olhando pra você.. - apertei seu corpo com ainda mais força e puxei seu rosto para ela me encarar - Minha, só minha!

  Nossos beijos foram ficando mais e mais urgentes. Sua língua tinha um gosto delicioso de hortelã. Minhas mãos começaram a se mover sob a sua fina camiseta e ao redor das suas costas. Apertei sua cintura e Emilly soltou um longo gemido contra os meus lábios. 
Rapidamente, minhas mãos mudaram para os seus seios, empurrando-as para debaixo do seu sutiã. Rasguei suas peças de roupas em pedacinho e em seguida, apertei seu seios com muita,muita força.

-Oh Michael,isso...

 Terminei de despi-la,retirando sua calça,deixando-a apenas com a minúscula calcinha que ela usava. Emilly também começou a desabotoar minha camisa e a abrir o zíper da minha calça,mas assim que fiquei apenas de cueca, ela puxou a minha mão e me levou para o quarto. 
  Eu beijava a sua boca, pescoço e seios, enquanto Emilly se concentrava em tirar minha cueca. Ela beijava todo o meu corpo e eu mal podia esperar a hora de estar enterrado nela. Emilly levou suas mãos até o meu membro.Minha pele esquentava a cada vez que ela o apertava em seus dedos.

-Oh Emilly,isso é delicioso.. Continue! - eu gemia tanto que com toda certeza ficaria sem voz depois disso

  Eu já não podia mais aguentar,meu membro estava tão ereto como uma rocha e pulsava sem parar um minuto. Empurrei Emilly no colchão e rapidamente abri suas pernas.
Comecei a beijar seus seios,fui descendo para sua barriga até chegar na barra da sua calcinha, onde me livrei dela com único puxão. Voltei a beijá-la, agora pelo interior das suas coxas e subindo até sua virilha. Segurei suas pernas para que ela parasse de se contorcer.
  Usei um dedo para espalhar a umidade da sua intimidada e me inclinei para o meio de suas pernas. Minha língua se movia para frente e para trás,sugando e explorando toda sua intimidade.

-Oh meu Deus! - gritou quando mordisquei seu clitóris. Sua respiração se tornou ofegante enquanto se derramava pra mim

-Muito gostosa,Emilly.. Porra!

Subi de volta até os seus lábios e lhe beijei com ainda mais desejo. Me enterrei em uma única só vez para dentro dela, sentindo suas unhas fincarem nos meus ombros. 

-Apertada assim me enlouquece.. - rugi 

-Até o fundo,amor.. Isso, do jeito que você faz..

  Penetrei meu sexo até o fundo e passei a estocar rudemente. Envolvi minhas mãos na sua cintura para meter com mais força. Emilly gemia descontroladamente e implorava para que eu não parasse.
Eu já podia sentir meu clímax se aproximar,o que me deu ainda mais fome. Coloquei Emilly por cima de mim, de bruços e em posições ainda mais prazerosas, me levando a insanidade. Era como se eu me transformasse em um animal selvagem.

-Mais forte Michael, mais forte!!

-Gostosa! - Emilly mordeu meu ombro e a dor me excitou ainda mais

  O barulho dos nossos gemidos e dos nossos corpos se chocando ecoava por todo o quarto,me levando ao extremo da excitação. Apertei seus quadris e empurrei com ainda mais força, segurando-a pela cintura. 
Continuei fazendo isso até que perdemos os sentidos e explodimos no orgasmo mais violento da nossa vida. 
  À essa altura gritávamos descontroladamente, nos beijando até sentir dor nos lábios. Emilly caiu exausta e trêmula no colchão, e eu a puxei para os meus braços, beijando sua nuca, seu pescoço, todo o seu rosto e acariciando seu quadril até que o sono nos venceu e acabamos adormecendo.



Capítulo 63

" Não posso mais negar meu desejo"


Emilly


  Me espreguicei na cama depois um bom tempo dormindo. Abri meus olhos e as lembranças de horas atrás me fez abrir um sorriso enorme. O cheiro de Michael estava em todo o meu corpo e nos lençóis, mas ele mesmo não estava no quarto.
 Me sentei na cama e puxei o lençol para cobrir minha nudez. Firmei meus olhos no chão e vi apenas as minhas roupas espalhadas. Me enrolei no tecido e me levantei para procurar Michael.

-Michael,cadê você? - ele não estava em nenhum lugar. Voltei para o quarto e encontrei um pequeno papel em cima da mesinha


  

" Que bom que já está acordada, querida. Você deve estar se perguntando aonde eu estou, pois fiz o que você pediu, lhe deixei sozinha. Chama o seu capataz pra te tirar daí.
  Beijos,princesa"


-Filho da puta! Michael eu vou te matar!

 Vesti minhas roupas rapidamente e saí da cabana antes que a chuva caísse. O tempo estava feio e quando dá um temporal é impossível se locomover nessa terra.
 O pior de tudo é que não encontrei meu cavalo,mas eu me lembro de ter amarrado muito bem para que ele não fugisse,além do mais ele é manso e obediente. Mas como eu não pensei nisso antes? Michael levou meu cavalo com ele!

-Eu não acredito nisso! - praguejei. Ouvi o estrondo do trovão a chuva começou a cair. Ótimo,agora estou sozinha,no meio do nada e com o mundo caindo

  Eu não ia ficar esperando a chuva passar,pois pra piorar eu morro de medo dessas tempestades,ainda mais quando estou sozinha no meio do nada. Saí da cabana,debaixo de chuva e tentei correr o mais rápido possível.
 Ouvi o relincho de um cavalo e olhei para trás. Suspirei aliviada ao ver Michael, mas rapidamente fui tomada por uma fúria fora do normal. Ele vinha na minha direção, sorrindo, como se fosse o salvador da pátria.

-O que está fazendo aqui? - gritei

-Vim buscar você. Achou mesmo que eu ia te deixar aqui sozinha?

-Achei! É a sua cara fazer isso!

-Sua boba, só quis te dar um susto.. - riu

-Não teve graça nenhuma!

-Ah teve sim! Agora sobe aqui pra gente ir embora.

-Prefiro ir a pé! - lhe dei as costas e continuei caminhando. A chuva já estava me congelando

-Emilly,para de birra! Você vai ficar doente! - disse me seguindo, em cima do cavalo

-Não é da sua conta, vá embora!

-Ok,você pediu.. - Michael virou o cavalo para trás e se afastou. Eu realmente pensei que ele estava indo embora, então continuei andando. Mas não sei como e quando seu cavalo deu impulso e eu só senti seu braço me puxando e me sentando perto dele

-Michael! - gritei assustada pela sua atitude

-Eu avisei! Agora senta direito para não cair. - Michael envolveu os braços na minha cintura e puxou as rédeas do cavalo

 Ele cavalgava tão rápido que eu fechei meus olhos e me aninhei em seus braços com medo de cair. Michael percebeu e me apertou com mais força, colando seu rosto no meu pescoço. Mesmo morrendo de frio e ensopada eu me sentia aquecida nos seus braços,um tipo de proteção que só ele consegue me dar.
 Chegamos em frente à minha casa. Michael pulou do cavalo e me ajudou a descer, me levando rapidamente para a varanda. Ele jogou sua jaqueta no chão e tirou sua camisa molhada.

-É melhor tomar um banho quente e agora! - ordenou

-Você não vem?

-Não esquenta,daqui a pouco me seco.

-Daqui a pouco nada! Você vai adoecer.. Deixa de ser orgulhoso e entra.. - Michael assentiu com a cabeça e aceitou tomar o banho

(...)

Me deitei entre as cobertas junto com Ben e Suri. Nada como tomar um banho bem quente e cair na cama depois de um sexo tão perfeito que tive com Michael.
 Falando nele, o vejo entrar no quarto vestido em um roupão com duas canecas de chá nas mãos. Ele se sentou ao meu lado e sorriu ao ver Suri brincando com Ben, como se ele fosse um boneco.

-Soledad mandou você beber.. É pra não  gripar. - aceitei a caneca e tomei um gole

-Obrigada.. Puxe a coberta pra você, está muito frio. - Michael se recostou na cabeceira da cama e ficou mais perto de mim

-Amanhã vou viajar..

-Pra onde e por qual motivo? - interroguei

-Vou a Miami resolver meus assuntos de trabalho e acertas as contas com a Lili. - revirei meus olhos

-Não acredito nisso!

-Oh ciumenta, eu vou pedir para ela sair do meu apê! - riu

-Aí ela vai fazer um drama e você será relevante com ela..

-Não viaja,Emmy.. Se soubesse o ódio que sinto.. Nunca vou perdoá-la por ter escondido a carta de mim!

-Mas agora também já passou.. Michael, você vai continuar morando lá?

-Não sei.. Você vai continuar aqui ou voltará pra Miami?

-Não posso e nem quero voltar.

-Então eu vou ficar aqui!

-Por quê?

-Porque a única razão de eu morar em Miami não pode e não quer voltar pra lá.. - ri - E eu vou aonde a minha "razão" for..

-E essa "razão" seria... eu?

-Quem mais seria? - olhei emocionada para Michael e beijei o dorso da sua mão - Por que não pode mais voltar?

-É por um motivo que você ainda não sabe.. - abaixei a cabeça

-Então me fala..

-É sobre o pai biológico da Suri. - Michael franziu o cenho

-Você sabe quem é?

-Infelizmente sei.. - me segurei para não chorar - O pai da Suri é o Eliot..

-O que? Não posso acreditar nisso!

-A Yangi me fez outra carta contando toda a história. Foi bem antes de eu começar a namorar ele. Eliot a enganou e quando soube que ela estava grávida,obrigou Yangi a abortar. Mas ela não fez isso e jurou que ele nunca mais a veria.

-Então esse canalha sabe da Suri?

-Sabe.. E se ele me ver com ela, ligará os pontos..

-Mas como assim?

-Eliot está solto. Um dia antes de eu me mudar pra cá eu vi ele no shopping,mas graças a Deus ele não viu a gente.

-Você tem medo que ele tire a japinha de você?

-Tenho.. - solucei - Ele está com ódio de mim pelo que eu fiz e vai fazer de tudo pra se vingar!

-Não vai fazer mesmo! Eu não vou deixar,ok? - encostei minha cabeça no seu peito e Michael enxugou meu rosto molhado

-Você promete?

-Prometo pela minha vida! Ele nunca encostará um dedo em você e nem na nossa filha.. Não precisa ter medo,meu amor..Estou aqui com vocês..

-Eu juro que se ele fizer qualquer coisa com a Suri eu mesma acabo com ele!

-Hey, se você fizer isso como eu fico? Você vai pra cadeia e eu vou ser pai solteiro? - riu

-É só arrumar alguma dessas caipiras que suspiram por você!

-Como se você fosse deixar.. Eu preciso ir embora,Emmy.

-Já?

-Tenho que pegar minha mala no hotel e organizar tudo pra viagem. Eu volto a noite pra me despedir de vocês,tudo bem?

-Uhum.. - Michael ficou mais um tempo brincando com os bebês e depois foi embora

 Acho que está na hora de ceder e finalmente me entregar à esse homem. Eu sei que nunca terei coragem de afastá-lo de mim e nem quero. Hoje mesmo vou me declarar ( mais uma vez) e pedir para ele voltar comigo. Michael será meu de uma vez por todas!



Capítulo 64 

" Uma ideia não muito boa"

Michael


   Eu simplesmente não suporto mais ficar perto de Emilly e não poder tê-la do jeito que eu quero. Eu sei que ela disse que quer um tempo, mas vai explicar isso pro meu coração? É impossível aceitar viver assim!
  Com tanta coisa na minha cabeça, a última coisa que eu queria agora é voltar pra Miami,mas preciso resolver minhas pendências, principalmente enxotar Lili da minha casa.
Saí do hotel com as malas e já estava pronto para retornar à fazenda e me despedir de Emilly. Só de pensar que vou ficar longe dela já me sinto ainda mais desanimado.

-Mike? - escutei uma voz conhecida me chamar

-Tito? Caramba, quanto tempo!

-Ocê que sumiu Mike! Onde ce tava que ninguém teve notícia?

-Atrás da Emilly como sempre.. - ri

-Mas se tá com essa cara é porque o trem tá fei procê.. - infelizmente esse caipira me conhece muito bem

-E bota feio nisso.. Ainda não consegui me acertar com essa mulher! Já não sei mais que diabos eu posso fazer pra ela voltar pra mim!

-Eu sei do que ocê tá precisando.. - riu

-E do que eu estou precisando?

-Na verdade não é ocê e sim a Emmy!

-Como..? - não estava entendendo bulhufas

-Cê conhece a Dona René, num conhece?

-Mas é claro! A bruxa mais famosa de Alexandria.. - ri

-Ela mermo..

-E o que isso tem a ver com a Emilly?

-Ela tem o que ocê precisa pra domar a Emmy de uma vez por todas! Vai lá nela e explica o seu problema.

-Eu não vou lá de jeito nenhum!

-Tá bão.. Sorte sua que eu tenho um aqui. - Tito tirou do bolso um vidrinho com um líquido dentro

-Pra quê você usa isso,Tito?

-Como cê acha que eu fiz cinco filhos? Hein? - ri

-Então isso aqui é tiro e queda?

-Ô! Mas só funciona se por no vinho, pode ser qualquer um. Faiz ela bebê e depois é só esperá.. Vai ver como a Emmy vai virar um docim!

-Opa.. Gostei disso! - guardei o vidrinho no meu bolso - Te mando notícias,meu amigo! Até mais..

-Até mais Mike,manda um beijo prá Emmy!

-Pode deixar! - entrei no carro e segui pra fazenda

  Pode ser loucura o que eu vou fazer,mas não custa tentar. Todo mundo sabe que os chás da René são milagrosos e essa belezinha só vai me ajudar nessa noite.
Respirei fundo e toquei o sino. Soledad logo veio abrir a porta, me recebeu com muito carinho e logo chamou Emilly.
  Por que eu sempre me derreto quando vejo essa mulher? Eu perco as falas e toda a minha linha de raciocínio quando ela aparece na minha frente.

-Michael.. - Emilly veio até mim e me abraçou - Por que está tão bonito?

-Mas eu sou sou bonito! - ela riu - Os bebês já estão dormindo?

-Infelizmente sim, você demorou!

-Poxa.. Queria me despedir deles..

-Mas vai embora tão rápido? Você acabou de chegar.. - me aproximei de Emilly e toquei meus dedos na sua bochecha

-Eu não embora agora,não sou louco.. - ela sorriu - Mas ficaria imensamente feliz se você me servisse uma taça de vinho..

-Vinho? - estranhou - Desde quando trocou a cachaça pelo vinho?

-Desde quando você reapareceu na minha vida.. - Emilly fechou os olhos e sorriu

-Vou pegar o vinho. - ela foi até a cozinha e voltou com duas taças cheias. Agora eu tenho que despejar o chá sem que ela perceba

-Coloque aqui na mesinha.. - pedi

-Ok. Você quer mais alguma coisa?

-Hm.. podia trazer um lenço,eu me sujo atoa. - mas que porra de desculpa foi essa?

-Tá.. eu pego.. - Emilly me olhou desconfiada e foi até a cozinha.

  Aproveitei para por o chá na sua taça. Tito não disse a quantidade então eu pensei, quanto mais, melhor! Despejei todo o líquido no seu vinho e misturei. Emilly logo apareceu e eu disfarcei, entregando a taça pra ela.

-Um brinde.. - falei

-O que vamos brindar?

-Hm.. aos nossos filhos, essa "paz" momentânea..

-Tudo bem. Vamos brindar! - Emilly bebeu o todo o vinho em duas goladas

-Caramba..

-Estava com sede! - ela riu - Você vai voltar logo?

-Pretendo. Vou ver se consigo vender minha parte no projeto de cenografia e ainda tem o meu flat..

-Se quiser deixe que o Daniel te ajude. Ele é ótimo nos negócios.

-Vai ser uma grande ajuda! - Emilly deixou a taça em cima da mesa e veio até mim

-Preciso te dizer uma coisa..

-Sou todo ouvidos! - ela riu. Deixei minha taça na mesa e a abracei pela cintura. Será que já está fazendo efeito?

-Michael eu.. - não entendi por que sua voz saiu embolada

-Você..

-Caramba,que sono.. - disse ao encostar sua cabeça no meu peito

-Sono? - ela não respondeu - Emmy?

-Hmm.. - segurei Emilly pela cintura antes que ela caísse desacordada no chão

-Emilly,acorda! Meu Deus, o que eu fiz com ela?

-Michael, por que está gritando? - Soledad se desesperou ao ver Emilly no meu colo

-Ela...ela pegou no sono! Não devia ter dado vinho pra ela..

-Meu Deus! Leve ela pro quarto! Ela está bem?

-Tá.. tá ótima! - me adiantei a responder

Subi rapidamente com Emilly no meu colo a deitei na cama. Sua respiração estava normal e seus batimentos também. Menos mal, pois eu já estava me desesperando.

-Relaxa Michael, ela só está dormindo.. Tito,eu vou te matar! Como é que eu ainda caio na conversa desse retardado?

Eu não vou embora enquanto Emilly não acordar.Vai que ela tem um piripaque por conta desse chá que nem eu sei do que é feito? O jeito é ficar ao lado dela até que ela acorde.

(...)

Emilly


  Com muita dificuldade abri meus olhos que pareciam pesar duas toneladas. Não é possível que eu tenha bebido tanto assim! Que eu me lembre foi só uma tacinha de vinho que nem era tão forte assim.
Abri meus olhos mais uma vez e consegui enxergar tudo a minha volta. Nem sei quanto tempo passei dormindo,mas algo me diz que foi por muito,muito tempo..

-Boa tarde.. - me apoiei nos cotovelos para ver Michael

-Boa tarde? Que horas são?

-Duas e meia da tarde. - Michael estava com o semblante preocupado

-Como eu pude dormir tanto tempo assim?

-Não sei.. - murmurou - Deve ter sido o vinho.

-Vinho,Michael? Eu bebi só uma taça! Posso ter dormido por mais de quinze horas,mas não fiquei desmemoriada! Foi coisa sua,não é?

-O quê? - desconversou

-Michael,Michael... Eu te conheço! Se está com essa cara de culpado é porque tem dedo seu nessa história! 

-Não fiz por mal.. - choramingou

-Para com esse chororô e conta logo o que você fez! Me deu um sonífero, é isso?

-Não! Claro que não! A intensão era outra..

-Michael,o que você colocou no meu vinho? - perguntei sem paciência

-Era só um chazinho pra você ficar calma..

- Ai meu Deus! Por acaso esse chá não é da bruxa da René, não é?

-Foi tudo ideia do Tito! - se explicou. Michael estava tão louco de preocupação que me deu vontade de piorar a situação dele

-Você me envenenou,Michael??

-Não! Eu jamais faria isso!

-Aii!! - fingi uma dor no peito

-O que foi,Emmy?

-Meu peito tá doendo e eu... não consigo respirar..

-Que foi que eu fiz,meu Deus! - Michael andava de um lado para o outro, desesperado

-Preciso de ar! Socorro! - continuei fingindo. Michael faltava pouco chorar de medo

-Calma,Emilly! Eu vou chamar a Sol! - Michael tropeçou na quina da cama e por muito pouco não caí de cara no chão

-Michael,para! - comecei a rir. Ele veio até mim sem entender nada - Fica calmo você,amorzinho.. Vem cá..

-Emilly,você.. Garota,eu vou te matar!

-É pra você aprender a não me usar nas suas macumbas! - enxuguei as lágrimas devido à crise de risos

-Porra Emilly,eu pensei que você estava tendo um ataque! - Michael se sentou na cama e eu dei água para ele beber

-Eu estou ótima! E obrigada por esse chá, não dormia bem assim há tempos!

-Agora você ri né?

-Larga de ser rabugento,eu que devia estar uma fera com você! - abracei Michael por trás e ele finalmente abriu um sorriso

-O que você queria falar comigo ontem?

-Pela sua palhaçada de ter me embebedado,você não vai saber enquanto não voltar da viagem..

-Você não vai fazer isso comigo né? 

-Vou, e a culpa foi toda sua!

-Só me diz uma coisa, isso que você quer me contar vai valer a pena?

-Muito.. Pelo menos pra mim.. - Michael me pegou pelo braço e me sentou no seu colo

-Que Deus me ajude a voltar amanhã mesmo! - encostei meus lábios na sua boca e logo fui puxada para um beijo apaixonado e urgente,nossos lábios se moviam simetricamente.Eu poderia passar a vida toda beijando essa boca deliciosa que Michael tem

-Boa viagem.. - falei ao nos separarmos

-Obrigado e comporte-se!

-Isso vale pra você também! - disse ao me lembrar de Lili

-Vale para os dois! - Michael me deu mais um beijo e me abraçou

-Fica só mais um pouquinho.. - Michael olhou para o relógio no pulso e sorriu

-Fico.. - dei um gritinho e lhe puxei para deitar sob mim. Falta muito pouco para poder ter Michael só pra mim e eu espero que ele volte logo para sermos felizes definitivamente!



Capítulo 65 

" O complicado gênio de Emilly Cruz"

Michael


   Assim que cheguei em Miami fui direto resolver o problema com Lili. Não quero ter que suportá-la nem mais um minuto depois de tudo que ela me fez. Nunca perdoarei seu egoísmo e crueldade ao me afastar de Emilly sabendo que ela precisava de mim.
  Usei a chave que eu tinha e entrei no meu flat. Lili me olhou assustada, mas logo abriu um enorme sorriso e veio correndo até mim. Ela estranhou ao me ver afastar bruscamente.

-Michael,que saudade! Aconteceu alguma coisa?

-Nada demais, só finalmente acordei e percebi a cobra que você é!

-Como é? Michael você nunca falou assim comigo!

-Mas estou falando agora! - gritei - Como pôde ter coragem de esconder de mim a carta da Emilly?

-Não faço ideia do que está falando.. Não sei de carta nenhuma!

-Sabe sim! - apertei seus braços e a sacudi - Você escondeu de mim a coisa mais importante da minha vida! Por culpa sua eu não vi meu filho nascer!

-Eu fiz isso pelo seu bem.. - disse simulando um choro - Eu achei que fosse mais uma armação dela pra te prender, eu não queria que você fosse feito de idiota...

-Idiota eu era quando caí na sua conversa! A culpa é minha também por ter deixado você me manipular. Mas isso agora acabou! Quero você fora da minha casa e fora da minha vida de uma vez por todas!

-Mas Mike,eu tenho um filho pequeno!

-Eu sinto muito por ele ter uma mãe tão desajustada. Procure sua família, o pai dele ou quer for. Estou indo embora de Miami!

-Pra ficar com ela,não é? Aquela desgraçada que só sabe te usar!

-Esqueceu de acrescentar que também é a mulher que eu amo e sim, vamos ficar juntos definitivamente!

-Vai cometer a maior burrada da sua vida! - rugiu

-A minha maior burrada foi ter cruzado meu caminho com uma mulherzinha fútil e vazia como você! Vou te dar dois dias pra sumir daqui ou chamarei a polícia sem dó nem piedade!

-Michael,não faz isso comigo! - implorou,agarrando-se nos meus braços

-Não encoste em mim! - me afastei - Adeus,Lili. Espero não te ver nunca mais! - ajustei meu paletó e dei as costas para Lili. Pelo menos agora é um problema a menos

Narradora


  Lili não podia descrever o ódio que estava sentindo dele e mais ainda de Emilly. Não podia se conformar com o fato dela ter tido mais um filho com Michael,ainda mais sendo biológico.
Agora mais do que nunca ela iria ajudar o homem que a procurou. À algumas semanas atrás Eliot foi atrás de Michael no flat,mas foi Lili que ele encontrou. Eliot viu nela o melhor caminho para chegar até Emilly.
  Com o desejo de se vingar dela e de Michael, Lili vai até sua gaveta e tira de dentro dela o seu trunfo, ou melhor dizendo, a carta de Emilly. Em questão de minutos ela liga para Eliot, que chega em pouco tempo no flat.

-E então,mocinha. Teve notícias de Michael? - perguntou assim que Lili abriu a porta

-Tive sim Sr. Banks.. Michael esteve aqui agora pouco.

-Pela sua cara parece que não foi uma boa visita.. - riu

-Michael me tratou como um lixo e tudo por causa daquela vadia da Emilly!

-Não se preocupe com essa traíra, eu cuido dela. E então, tem mais alguma coisa pra mim? - ela sorriu triunfante estendendo a carta para Eliot

-Essa carta é o seu prêmio! Depois do que Michael fez comigo, não vejo o porquê não dar isso pra você. Faça bom proveito!

-E o que é isso?

-Leia! Leia e terá uma surpresa..

Os olhos de Eliot brilhavam ao ler cada linha do papel. Ele descobriu não só o paradeiro de Emilly, mas algo muito melhor para executar sua vingança. Emilly tem a guarda justamente da sua filha renegada.

-É.. o mundo dá voltas. Quando é que eu poderia imaginar que a Emilly está com a minha filha?

-E o que você pretende fazer? - perguntou curiosa

-Bom, se ela fugiu de mim é porque sabe do que eu sou capaz. Vou atingir o mais novo ponto fraco dessa vadia! - sorriu imaginando exatamente o que fazer para ver de perto a desgraçada de Emilly, agora sua maior inimiga


(...)

Michael

  Depois de dois longos dias em Miami, finalmente pude voltar pra casa, me sinto mais leve só de saber que tirei Lili da minha vida. Se não fosse meu orgulho e teimosia, meu relacionamento com ela não teria tomado toda essa proporção. 
Mesmo morto de cansaço com as longas horas de viagem,eu estava feliz por estar de volta à Alexandria. Decidi ir direto pra minha casa, poder tomar um bom banho para ver Emilly e as crianças.
  Depois de pronto,segui para a fazenda. Quem sabe agora nós podemos ser um casal novamente? Já temos tudo pra isso, até filhos! E o mais importante, temos o amor que sentimos um pelo outro.

- Olá..? - a casa estava silenciosa, mas logo Soledad apareceu com uma cara preocupada

-Ah,oi meu querido.. Como foi a viagem? - me abraçou

-Foi boa.. Aconteceu alguma coisa aqui?

-Está acontecendo.. - lamentou

-Com a Emilly ou as crianças? Eles estão bem?

-Não é nada com eles, não se preocupe.. É com a fazenda.

-Eu não entendi..

-Emilly recebeu a visita de um oficial de justiça. Parece que ela está com problemas nas finanças da fazenda e se ela não pagar as dívidas poderá declarar falência!

-Puta merda.. E onde a Emmy está?

-Trancada no quarto. Ela está o dia todo por lá e não quer ver e falar com ninguém!

-Ah,mas eu ela vai ouvir! - já estava subindo os degraus quando Soledad me parou

-Michael,você sabe que quando a Emilly está nervosa ela não mede as palavras.

-Eu sei,Sol.. Conheço essa mulher como a palma da minha mão! Não se preocupe,eu vou ser cauteloso.. - ri 

-Boa sorte!

 A porta do quarto estava realmente trancada. Imagino que Emilly deve estar frustrada consigo mesma, afinal ela se acha autossuficiente e saber que pode falir deve estar atormentando essa mulher.

-Emmy? Abre a porta pro seu Michael.. - ri - Emmy... - escutei o trinco da porta,que logo se abriu

-Oi.. - disse com a carinha desanimada. Abri meus braços e ela me abraçou

-Não é desse jeito que eu queria te ver..

-Já sabe o que está acontecendo?

-Soledad me contou.. Como conseguiu essa proeza?

-Sério isso? - me olhou com reprovação

-Desculpa.. Mas essa fazenda é uma das mais produtivas da região, é surreal isso!

-Surreal? O que quer dizer com isso? Que eu sou uma péssima administradora e consegui falir essa porcaria?

-Olha como fala.. Não foi isso que eu quis dizer!

-Foi sim! É isso que você e todo mundo está pensando, que eu sou inexperiente e levei a fazenda da minha família na ruína!

-Eu odeio quando explode desse jeito! - gritei furioso

-Ah é? Mas essa é a Emilly! Eu não sou meiga e doce 24 horas por dia, ou se esqueceu que também sou nervosa, grossa e ignorante?

-E insuportável quando quer! Fica sozinha pra ponderar esse seu gênio de cão! - dei as costas à Emilly e fui ver as crianças

  Eu sei que peguei pesado,mas Emilly tem hora que me tira dos nervos. Não queria ter gritado com ela,mas agora já foi.. O jeito é esperar a fera se acalmar e poder pedir desculpas.
Quando penso que tá tudo bem entre nós acontece alguma coisa para desandar com tudo! Mas agora tive uma ideia,na verdade uma ótima ideia para domar Emilly de uma vez por todas e dessa vez será infalível!



Capítulo 66 

" Enfim... juntos"


Michael


 Depois que eu fui ver Suri e Ben  decidi voltar pra casa. Foi um custo resistir a tentação e ir no quarto de Emilly,mas eu fui forte e não ouvi meu coração. Eu tenho que fazer esse plano dar certo e  por mais difícil que foi, eu consegui ir pra casa.

(...)

  No dia seguinte voltei à fazenda. Preciso que Soledad e Virna me ajudem e se elas ficarem do meu lado, meu plano será um sucesso. Estacionei o carro próximo à porteira da fazenda, olhei ao meu redor e não vi Emilly em lugar nenhum. Menos mal..

-Michael? - Soledad gritou ao me ver aproximar - Eu nem vi você indo embora ontem..

-É,eu fui embora em silêncio..

-Vocês brigaram não é? - ela riu

-Emilly é uma tirana,Sol! Acredita que ela descontou tudo em mim?

-Eu te avisei pra deixar a onça quieta.. Veio fazer as pazes?

-Indiretamente sim,mas será Emilly que pedirá arrego!

-Como tem certeza disso? O que você tá aprontando?

-Nada demais, só que você vai me ajudar.

-Ah não! Não me envolva na confusão de vocês!

-Por favor,Sol.. Eu não vou aprontar com ela, é justamente pra gente se acertar!

-Bom, se é pra isso eu ajudo! - peguei Soledad no colo e a rodopiei

-Eu te amo,Solzinha! - ela riu

-Me põe no chão,rapaz! Fala,o que você quer que eu faça?

-Já vou dizer,mas antes chama a Virna, ela também vai nos ajudar.

 Expliquei toda o plano para as duas,agora é só esperar Emilly descer e começar meu show. Virna subiu para chamá-la e eu me preparei para a encenação.

Emilly


 Merda, por que eu sempre tenho que estragar tudo? Eu não queria ter descontado em Michael,mas eu estava uma arara e ele bem que me provocou. Acho que ele ficou chateado,pois nem veio se despedir ontem. Será que afastei ele de mim novamente?

-Emilly,posso entrar?

-Claro,Virna.. Meus filhos já acordaram?

-Só a Suri. Ela está tomando o café da manhã. Que carinha é essa?

-Problemas como sempre.. Pra piorar eu discuti com o Michael.

-Então é por isso que ele está lá em baixo se despedindo da Sol?

-Se despedindo? Que história é essa? - me levantei da cama em um pulo

-Pelo que eu ouvi ele disse que está indo embora e só veio se despedir das crianças!

-Ai meu Deus! - ajeitei minha camisola e corri até as escadas para poder escutar


- Não dá mais,Sol. Eu não consigo conviver com a Emilly! Nunca sei quando ela está de bom humor!

-Michael,tenha paciência.. A Emmy está passando por um momento difícil.. Ela te ama!

-Mas amor não é suficiente! Sabe, é melhor cada um seguir sua vida do jeito que bem entender.

-E pra onde você está indo?

-Pra qualquer lugar.. Vou pegar a estrada e Deus sabe onde eu vou ficar. Qualquer dia eu apareço para ver as crianças.

-Ah Michael.. -
 ele a abraçou e rumou para a saída

-Adeus,Sol. Dê um beijo na Emilly por mim. - eu queria gritar o nome dele,mas minha voz não saía. Assim que ele se foi,corri até Soledad, que me olhou assustada

-Sol,me diz que eu ouvi errado! - minha voz já estava embargada

-Sinto muito,filha.. Michael foi embora.

-Não,ele não vai! - corri até a varanda e só avistei seu carro partindo para a estrada

 Ethan parou na minha frente com o cavalo, sem entender o porquê de eu estar do lado de fora vestida apenas com uma camisola. Rapidamente tive uma ideia para alcançar Michael.

-Ethan,desce! - ordenei

-O quê?

-Desce agora! - gritei. Ele praticamente pulou do cavalo e eu logo subi sem nem me importar com meus trajes

 Puxei as rédeas do cavalo e cavalguei o mais rápido que eu conseguia. Os trabalhadores me olhavam como se eu fosse um fantasma,mas à essa altura eu nem importava.

-Mais rápido,sua lesma! - meu coração parecia que saltaria para fora do meu peito

  Eu já estava na estrada de terra, logo atrás de Michael. Seu carro estava diminuindo a velocidade,mas parecia que ele ainda não tinha me notado. Mesmo sendo loucura, eu peguei impulso e joguei o cavalo na frente do seu carro.
  Tanto ele quanto o cavalo frearam bruscamente e eu fui arremessada ao capô do carro,mas foi uma pancada de leve.Michael estava mais pálido do que um papel de seda e num átimo de segundo ele veio me socorrer.

-Emilly,o que você fez? - ele estava visivelmente atordoado e eu também, mas pelo fato de quase não ter o alcançado

-Ai Michael! - me joguei nos seu braços,ignorando a dor na minha perna. O abracei com toda minha força, o coitado mal conseguia respirar

-Emilly, você se machucou? Olha pra mim.. - ele pegou meu rosto com suas mãos para me analisar

-Eu estou bem... Michael você estava mesmo indo embora?

-Aham..

-Não vá, por favor! - voltei a abraçá-lo - Me perdoa por ontem, eu sei que fui uma idiota,mas eu te amo! Fica comigo,por favor..Eu te imploro!

-Chega Emmy,não dá mais..

-Dá sim! Eu não posso viver mais sem você, não faz isso comigo! - comecei a chorar feito uma criança e Michael riu - Por que você tá rindo?

-Porque você é muito boba,amor.. - Michael me aninhou em seus braços - É óbvio que eu não vou embora!

-Então por que você.. Michael eu vou te matar! - quanto mais eu socava o seu peito,mais ele ria

-Eu só fiz isso pra você tomar uma atitude! Mas não imaginei que seria tão louca a ponto de se jogar em cima do meu carro!

-Eu fiquei desesperada.. Não podia perder você de novo..

-Você nunca vai me perder, eu sou seu! Vai retirar o que você disse ou foi sério mesmo? - riu

-É claro que foi sério! Estou há dias tentando te falar,mas você estraga tudo! No dia que você me deu aquela porcaria de chá eu ia pedir pra você voltar pra mim..

-Eu sou um imbecil,fala sério! - ri

-Não quero nunca mais ficar longe de você.. Eu sei que a gente mais briga do que tudo,mas eu te amo muito e não posso viver sem você..

-Eu te amo,meu amor.. Não vamos nos separar nunca mais! Não imagina quanto tempo esperei pra ouvir isso de você.. - puxei seu rosto contra o meu e invadi sua boca com toda urgência e paixão que eu sentia. Michael correspondeu e aprofundou o beijo com ainda mais fome, apertando firmemente minha cintura

-Volta pra casa,comigo.. Por favor.. - pedi,sôfrega

-Eu vou para onde você quiser que eu vá. Mas olha aqui, já é a segunda vez que você sai de camisola! - Michael tirou a jaqueta e me cobriu

-Está com ciúmes é?

-Porra.. Só de pensar que alguém te viu assim,no cavalo pra piorar! - Michael estava quase dando um ataque

-Não podia perder tempo trocando de roupa..

-É.. entra no carro agora! - obedeci sua ordem e corri para o carro, sentindo meu corpo congelar devido ao frio da neblina

-Mike, estou morrendo de frio!

-Também,com essa roupa minúscula!   - resmungou

-Michael..

-O que você quer? - apontei para o seu colo. Ele riu e me puxou pela cintura - O que eu faço com você?

-Qualquer coisa,desde que fique comigo. Não vou deixar ninguém tirar você de mim,tá ouvindo?

-Sim senhora.. Falando em senhora, você não sente falta?

-Falta de quê?

-De ser a Senhora Jackson..

-Ah.. fazia bem pro meu ego saber que eu era a sua dona! - Michael arqueou a sobrancelha - Mas por que a pergunta?

-Muito simples. Eu quero que seja minha mulher de novo,oficialmente.

-Isso é um pedido de casamento?

-Será se você aceitar.. - abri minha boca umas três vezes para tentar assimilar o que eu ouvi

  Nunca imaginei que seria tão surreal e mágico vê-lo me pedir em casamento novamente,coisa que eu vivi os últimos seis anos crente que jamais iria acontecer. Eu ainda não tenho palavras para responder e se Michael não tivesse me segurando tão forte,eu teria com toda certeza, desmaiado nos seus braços.



Capítulo 67

"Tudo pelo sim"

Michael


-Emmy... Estou esperando sua resposta.. - já estávamos a quase cinco minutos em silêncio

-É... Nossa,eu..

-Emilly,qual o problema? - ela mordeu o lábio e sorriu

-Hmm não.

-Não? Você recusou o meu pedido?

-Não é um não definitivo. Você não acha que é muito cedo pra gente se casar? Afinal, nós estamos juntos oficialmente há exatos.. dez minutos.

-Dez minutos? Levando em conta que nos conhecemos desde os cinco anos, começamos a namorar aos 15, nos casamos aos 21,passamos seis anos casados,querendo ou não, reatamos,tivemos dois filhos e você ainda acha cedo demais?

-Michael,eu quero começar do zero. Quero curtir você como meu namorado,além do mais quero que nossos filhos vejam nosso casamento.

-E isso seria pra quando?

-Ué,quando eles forem maiores de idade.. - disse tranquilamente

-Acha mesmo que eu vou aguentar vinte anos pra colocar uma aliança no seu dedo?

-Olha aqui,Michael você quer se casar,não quer?

-Não é óbvio?

-Ok.. Tente me convencer.. - Emilly me deu um selinho enquanto eu continuava paralisado

-Aposto que em menos de um mês você vai se render e será minha esposa!

-Apostado então.. Vamos ver o que você vai fazer pra derreter o meu coraçãozinho.. - riu sedutoramente

-Sabe,mesmo com essa sua birra,eu estou feliz por finalmente ter você pra mim..

-Eu também estou..Cheguei a pensar que você ia me deixar. - levantei sua cabeça para encará-la

-Como pôde acreditar tão fácil? Eu seria louco se fizesse isso! Agora vou te levar pra casa, você está tremendo.

-Pra nossa casa né?

-Nossa? Por acaso eu sou seu marido pra dividir a casa?

-Você não está fazendo chantagem, está?

-Estou! E isso é só o começo!

(...)

Minha ideia era levá-la para o quarto e ir embora,mas Emilly me convenceu de ficar para que eu pudesse, pela primeira vez, vê-la amamentar Ben e em hipótese alguma eu perderia esse momento.

-Parece que ele está morrendo de fome! - comentei ao ver a carinha que ele fez quando Emilly o pegou no colo

-Ele mama todo dia essa hora. Nunca vi bebê mais faminto! - ri

-Ele puxou o pai,né? E ambos somos loucos pela mesma mulher.. - Emilly acariciou meu rosto e eu me juntei à eles

-Eu também sou louca por vocês..

-Amor, quer conversar sobre a fazenda? - Emilly suspirou

-Estou em maus lençóis.. Esses meses foram tão difíceis por conta da gravidez e ainda tinha a Suri pra cuidar.. Só sei que se eu não pagar as dívidas eu vou ser obrigada a vender parte da fazenda.

-Hmm interessante.. - sorri

-Interessante o fato de eu ter que dividir a fazenda com um desconhecido?

-E quem disse que vai ser para um desconhecido?

-Do que você está falando?

-Se você fizer um precinho camarada eu compro a metade da fazenda. - Emilly abriu um sorriso radiante,e ao mesmo tempo estava perplexa

-Michael,você tá falando sério?

-Estou sim.. Quando a minha mãe morreu ela deixou um dinheiro pra mim,mas eu não tinha porquê gastar,então guardei. Mas agora vejo um bom motivo pra usá-lo.

-Michael,você faria isso por mim?

-É claro,meu amor. Além do mais eu posso te ajudar, modéstia parte eu sei cuidar muito bem de uma fazenda..

-Eu sei disso.. Você é perfeito em tudo!

-Menos pra ser seu marido.. - falei baixinho

-Michael,não é fazendo drama que vai conseguir meu sim.. Pronto, essa coisa linda já está com a barriguinha cheia!

-Me dá ele aqui, você até hoje não sabe fazer um bebê arrotar!

-Ah é coisa demais na minha cabeça! Fique aí com ele enquanto eu vejo se a japinha acordou.

-Sim senhora.. E aí filhão? O que eu vou fazer pra sua mãe casar comigo? - Ben me olhava risonho, como se entendesse tudo que eu estava falando - Por que eu fui gostar de uma mulher tão teimosa? Sua mãe vai me deixar louco,Ben..

-Atrapalho?

-Oi Soledad,entra.. Fiz Ben arrotar, graças a Deus ele não golfou em mim! - ela riu

-Ele é muito calminho, não dá trabalho nenhum. Deve ter puxado você,porque Emilly era terrível quando bebê!

-Só quando era bebê? Pra mim ela continua terrível!

-Vocês acabaram de reatar e já brigaram?

-Não,nós não brigamos.. Só que.. acredita que ela não quis se casar comigo?

-Ah eu duvido! Ela está fazendo charme,filho.. Ela só quer que você a surpreenda.

-Mas como?

-Seja romântico.. Tenho certeza que ela vai se derreter!

-Emilly não faz o gênero romântica.. É capaz dela me bater!

-Ah você vai pensar em alguma coisa.. Se precisar de mim eu ajudo.

-Sol,já sei! Vou fazer uma serenata pra ela essa noite. Tenho certeza que a Emmy vai ficar emocionada e hoje mesmo estaremos noivos!

-Ela vai adorar! Você tem uma voz linda,Michael.. Vai fazer à moda antiga?

-Mas é claro! Vou chamar uns amigos para trazer o violão e me ajudar na cantoria. Deus, vou chegar ao ponto de fazer uma serenata pra essa mulher se casar comigo! Essa sabe como enlaçar um homem!

-Ah Michael.. E eu pensando que você era o indomável! Mas isso tudo é amor que ela tem pra te dar.

-Eu sei.. E agradeço a Deus todo dia por ter colocado essa encrenca na minha vida.. Bem, agora deixe eu ir. Não conta nada pra Emmy,hein?

-Pode deixar,meu bem.. E boa sorte!

-Vou precisar! - beijei a testa de Ben e entreguei para Sol

  Depois que me despedi de Emilly, tive que ir pra cidade. Ela ficou com tanto medo de eu ir embora,que me fez jurar pela vida dos nossos filhos que eu voltaria logo e se eu demorasse a voltar,ela chamaria a polícia pra mim. 
   Eu não queria ficar longe deles,mas preciso ir atrás do meu plano. Assim que entrei no carro, tive uma estranha sensação de alguém me observando. Até saí do carro para enxergar melhor,mas não vi nada,então deixei de lado a paranoia e segui para a estrada.



Capítulo 68

"Meu noivo,finalmente!"

Emilly


   Não,eu não estou louca de recusar o pedido de casamento, na verdade eu não recusei,só não aceitei de imediato. Pra falar a verdade eu tenho um certo medo.. Acho que toda mulher que tem um fiasco no casamento tem medo que isso se repita, e por mais que eu e Michael tenhamos passado por muitas provas, eu tenho medo de cometer os mesmos erros novamente.
  A noite já tinha caído e nada do Michael aparecer. O filho da mãe prometeu que voltaria e até agora nada. Não sei porquê,mas já tem uns dias que me sinto estranha, como se estivesse sendo vigiada. Pode ser coisa da minha cabeça, mas sendo ou não,me sinto mais segura com Michael,afinal eu moro sozinha com dois bebês em uma fazenda.

-Emilly,não vai jantar?

-Não estou com fome,Sol.. Acabei de amamentar o Ben e dar comida pra Suri, fiquei cansada..

-Cansada ou está com saudade do Michael?

-Você adivinha tudo né? Ele disse que ia voltar e até agora nada!

-Se tivesse aceitado o pedido de casamento,não estaria passando por isso..

-Aquele fofoqueiro já contou né?

-Querida,converse comigo. - Soledad se sentou na cama - Do que você tem medo?

-Essa é a palavra certa,medo. Eu sei que ele me ama e eu também o amo mais ainda. Mas eu tenho medo que o casamento em si nos afaste novamente..

-Emilly, você e Michael se casaram muito cedo, eram imaturos e pra ser sincera, se casaram para provocar seus pais. Vocês não tinham estrutura psicológica e por isso foi um fiasco. Mas agora vocês amadureceram,se deram conta de que se amam de verdade, enfrentaram tudo que um casal deveria enfrentar e agora finalmente estão juntos! Não acha que são provas suficientes?

-Você tem razão.. Sabe, até antes do Michael reaparecer eu era pior do que sou agora. Eu era uma mulher metida,de nariz empinado e egoísta.. E com tudo que me aconteceu ele me ensinou a ser a velha Emilly que eu era.. E isso eu sempre vou dever à ele.

-Mas você também ensinou muito ao Michael. Na verdade vocês dois se tornaram pessoas melhores graças ao amor que sentem, então não tenha medo,querida!

-Você tá certa.. Eu vou me abrir com o Michael,explicar o que sinto e pra ser sincera, eu quero muito me casar com ele de novo!

-E você acha que eu não sei? - rimos. Escutei vozes cantando do lado de fora da fazenda. Me arrepiei dos pés à cabeça

-Ah não acredito! - corri para minha cama e me deitei

-O que foi,querida?

-Serenata da igreja.. Sol,eu tenho pavor dessa cantoria!

-Emilly, é melhor ver com seus próprios olhos.. - disse ao se esgueirar na janela

-Nem morta que eu vou aí! Manda eles irem embora,por favor!

-Emilly,venha logo! - mesmo morrendo de medo me levantei e fui até a janela. Firmei meus olhos e não acreditei ao ver Michael comandando a serenata

-Ele não fez isso comigo..

-Qual o problema,querida?

-Soledad,ele sabe que eu tenho fobia dessa.. palhaçada! - Michael me viu pela janela e aumentou ainda mais o volume dos instrumentos

-Casa comigo,meu broto! - meu sangue começou a ferver e peguei a primeira coisa que vi na minha frente

-Emilly o que está fazendo? - Sol ficou chocada ao me ver jogar os vasos de planta em Michael

-Desgraçado,você me paga! - gritei

  Depois de arremessar todos os vasos,fechei a janela e me escondi debaixo das cobertas. Esse filho da mãe sabe que eu não suporto serenatas e o que ele faz? Justamente o contrário! Depois de alguns minutos ouvi a voz de Michael e logo senti seu cheiro próximo a mim.

-Emmy,me desculpa.. Eu esqueci completamente do seu medo.. - continuei quieta - Eu pensei que seria uma boa ideia..

-Você quase me matou do coração! - murmurei ainda debaixo da coberta

-Me perdoa,amor.. Só queria que você ficasse emocionada.. - tirei a coberta do meu rosto e o analisei

-Machuquei você..? - ele riu

-Não,sua boba.. Você é péssima de mira! - abracei Michael e o beijei

-Eu te amo.. Apesar do medo,eu tenho que admitir que foi lindo, você cantando então..

-Pena que não foi suficiente,né moça?

-Quem disse? - Michael arqueou a sobrancelha

-Como assim,Emmy?

-Casa comigo,Michael? É tudo que te peço.. - ficamos por um tempo perdidos olhando um para o outro

-Você tá falando sério?

-Muito sério. Michael,eu não vou negar que tenho medo..

-Do que você tem medo,amor?

-De que o nosso casamento desande novamente..

-Minha linda,isso não vai acontecer.. - Michael enxugou minhas lágrimas - Eu entendo como se sente,mas nós aprendemos tanto, você não acha?

-Acho..

-Então confie em mim. Eu sei que não vamos deixar de brigar e implicar um com o outro.. - rimos - Mas também sei que nos amamos com ainda mais força e temos uma sintonia que ninguém é capaz de entender..

-Eu sei.. Quero passar o resto da minha vida ao seu lado,como sua esposa.

-Se eu soubesse que você diria sim eu não teria todo esse trabalho com serenata!

-Mas pera aí, eu não disse "sim", foi você que aceitou!

-Como é que é? - Michael cruzou os braços

-Querido, eu que acabei de pedir pra você se casar comigo,esqueceu?

-Emilly,você não presta! - me escondi entre os travesseiros e Michael se juntou a mim - Posso dizer que somos noivos agora?

-Pode! Quero me casar o mais rápido possível!

-Nós vamos.. Nem que seja aqui na fazenda,pois arrumar igreja nessa época é difícil.

-Eu não ligo pra nada disso,amor.. Vou ficar feliz do mesmo jeito se a gente se casar aqui. O lugar é o de menos..

-Você tem razão.. A noiva eu já tenho,não preciso de mais nada!

Michael envolveu suas mãos na minha nuca e puxou meu rosto contra o seu. Nossos lábios se encontraram e iniciamos um apaixonante e envolvente beijo. Depois de finalizarmos com um selinho,senti Michael pegar na minha mão.

-Por que parou? Tava tão bom..

-Espera,depois beijo mais. Agora tenho que oficializar nosso compromisso. - Michael tirou do bolso uma caixinha de veludo e abriu para que eu pudesse ver

-Ah meu Deus.. Michael,é lindo! - falei maravilhada ao ver o anel de noivado

-Você se lembra quando tínhamos oito anos? Nós fomos tomar sorvete e você parou em frente à vitrine da joalheria do Richard. Você ficou encantada com esse anel e eu gravei cada detalhe dele na minha cabeça.

-Mike..

-Eu jurei que um dia lhe daria de presente. Um pouco antes de você ir embora eu tinha comprado para lhe presentear quando fizéssemos um ano de casados.. Você foi embora antes disso e eu nunca tive a oportunidade de te dar..

-Você guardou ele por todos esses anos?

-Sim.. E confesso que todas as noites eu tirava ele da gaveta e me perguntava se um dia eu o colocaria no seu dedo.

-Eu nem sei o que dizer.. - fiz de tudo para não chorar,mas foi inevitável. Michael pegou na minha mão e lentamente colocou o anel, finalizando com um beijo

-Minha noiva.. de novo! - rimos

-Agora será para sempre. Nosso segundo e último noivado!

-Até que enfim! - me sentei confortavelmente no seu colo e desabotoei sua camisa

-Pode parar.. - disse ao segurar minha mão

-Por que?

-Sexo só depois do casamento. Comigo é assim!

-Sério isso?

-Evidente que não! - em um único movimento,Michael me deitou na cama e me despiu

  Nessa noite,fazer amor com Michael me deixou ainda mais plena. Toda a insegurança que eu sentia deu lugar a uma felicidade imensurável. Vou me casar novamente com o homem da minha vida, o homem que desde o início já foi predestinado a mim, e hoje mais do que nunca tenho certeza de que tudo que tivemos que passar foi necessário para fortalecer nossa relação. E agora nada e ninguém será capaz de destruir nossa felicidade.


Capítulo 69 

"Pesadelo"


Michael

 Mesmo passando o maior mico da minha vida e quase ser atingido por vasos de plantas,no final das contas deu tudo certo. Emilly finalmente aceitou se casar comigo e em breve ele voltará a ser minha oficialmente e dessa vez teremos a compainha de Ben e Suri para compartilhar nossa felicidade.
  Eu já estava a horas acordado,mas  Emilly estava tão confortável deitada no meu colo que eu fiquei com dó de me levantar e ter que acordá-la.

-Bom dia,noivo.. - sussurrou no meu ouvido

-Bom dia,princesa.. e minha futura esposa,claro! Dormiu bem?

-Muito.. Você sugou toda a minha energia essa noite..

-Eu não me controlo,você sabe disso..

-Sim,mas e como eu fico no dia seguinte? Tenho que sair hoje..

-Pra onde você vai?

-Terei um dia de compras com a Suri, precisamos de roupas novas.

-Mais? Emilly, você fez compras um dia desse! Depois você me bate quando te chamo de perua!

-Eu não sou perua! Só tenho minhas necessidades.. Além do mais quero comprar uma lingerie maravilhosa que eu vi na loja.. - falou enquanto beijava meu pescoço

-E você vai usar pra mim hoje,não vai?

-Se você se comportar direitinho, pensarei no seu caso.. - Emilly se levantou e vestiu minha camisa - Vou pro banho,me acompanha?

-Mas é claro.. - me levantei em um pulo e segui Emilly até o banheiro

(...)

Emilly


- Michael, cuida direito do seu filho, hein! - pedi pela milésima vez enquanto colocava Suri na cadeirinha

-Emilly,eu cuido melhor dele do que você que foi capaz de esquecer o menino na lanchonete!

-Eu não esqueci ele, só..

-Só..? - provocou

-A culpa é toda sua! Se estivesse comigo isso não tinha acontecido! - cruzei meus braços

-Será possível que já estão brigando? - Soledad interferiu. Michael estreitou os olhos pra mim e sorriu de lado

-Michael que me provoca e você sabe como eu sou.. - Michael me puxou pela cintura e me abraçou

-Eu provoco porque te amo.. Adoro ver você brava.

-Não é bonito isso,viu? - apertei seu nariz e Michael gemeu - Preciso ir, quero voltar cedo pra cá..

-Quer que eu vá com vocês?

-Não precisa,é melhor ficar com o Ben. Nos vemos mais tarde.. - me aproximei do seu rosto e o beijei - Amo você.

-Te amo mais.. - trocamos mais dois beijos e nos abraçamos forte

-Tchau e juízo! - avisei assim que entrei no carro

-Deixa comigo! - liguei o som do meu carro e seguimos,eu e Suri para a cidade

(...)

   Já havíamos feito compras em quase todas as lojas. Suri reclamou que estava com fome,então decidi dar uma pausa para fazermos um lanche. Mas a estranha sensação de se vigiada,que me acompanhou desde o momento que saí de casa, continuava a me assolar. Minha vontade era de voltar pra fazenda o mais rápido possível.
 Achei melhor ir embora assim que terminássemos de fazer o lanche. Já comprei tudo que Suri precisa então não tem mais porquê ficar batendo perna na cidade.

-Filha, você sujou a boca! - morri de rir ao ver a boca de Suri toda suja com chocolate - Espera, a mamãe vai limpar..

 Como estava faltando guardanapo na nossa mesa, fui até o balcão e peguei um punhado para limpar Suri. Quando me viro de volta a mesa, um rapaz acaba me derrubando no chão, devido ao empurrão.

-Ai!

-Desculpa moça, eu não te vi..

-Tudo bem.. - tentei me levantar e ele rapidamente ofereceu ajuda

-Deixa que eu te ajudo!

-Obrigada, com licença.. - ajeitei minha blusa e voltei para a mesa. Olhei ao meu redor e não vi Suri em lugar nenhum - Suri? Alguém viu minha filha?

 Quando olhei para o homem que me empurrou,o vi correndo para um carro preto,que partiu em alta velocidade. Meu celular vibrou no meu bolso e um número desconhecido apareceu na tela. Temendo ser o que eu imaginava, atendi a ligação.


-Emilly, como você está linda!

-Eliot.. - consegui dizer

-Hmm ainda se lembra da minha voz..- riu

-Você.. pegou minha filha.. Você pegou a Suri! - gritei

-Sua? Sua filha,Emilly? Que eu saiba o sangue que corre nas veias dela é o meu sangue! Só estou buscando o que é meu, docinho! Obrigada por cuidar tão bem dessa lindinha, mas agora pode deixar que o papai dela vai saber o que fazer. Adeus, Emilly!

-Eliot? Eliot devolve a minha filha! Ela não, por favor! - Eliot gargalhou e em seguida desligou o telefone

-Emilly, o que aconteceu? - Lorena veio me amparar. Não respondi e por impulso saí correndo pela rua ao avistar o carro de Eliot se afastar

Corri o mais rápido que pude, gritando desesperadamente para que ele parasse o carro. As pessoas me olhavam assustadas,pedindo para que eu me acalmasse. Me ajoelhei no chão quando o fôlego me faltou. Eu não conseguia chorar, gritar ou fazer qualquer outra coisa. Mas então a minha ficha caiu e as lágrimas desciam em torrentes.

-Suri.. Cadê você,minha filha..?

-Emilly,deixe eu te ajudar! - Paul me levantou e me ajudou a sentar no banco,oferecendo uma água - O que aconteceu?

-Sequestraram a minha menina, Paul.. Ele roubou ela de mim!

-Ele quem? Você veio com o Michael? - neguei com a cabeça -Temos que chamar ele, você precisa ir no hospital, vai ter um ataque!

-Eu tenho que achar minha filha agora! - gritei

-Tito, vai correndo pegar a bolsa da Emmy enquanto eu levo ela lá pro bar. - Tito assentiu - Consegue andar?

-Uhum.. A culpa foi toda minha, eu deixei que ele a levasse.. - era só o que eu conseguia repetir

-Nós vamos achar ela,ok? O pessoal todo saiu atrás desse carro, fica calma!

 Não,eu não conseguia ficar calma. Minha filha está nas mãos de um louco que tem total convicção de que é pai dela. Eliot é um psicopata e só Deus sabe o que ele pode fazer com Suri para conseguir se vingar de mim e agora eu não tenho noção do que fazer para recuperar minha filha.

Capítulo 70 

"Um inferno que não tem fim"



Michael

    Assim que recebi a ligação de Paul, dirigi o mais rápido possível para a cidade. Ele não explicou o que aconteceu,só disse que Emilly precisava de mim. Mil e uma coisas passavam pela minha cabeça,mas tentei manter a calma para poder chegar logo até ela.
  Estacionei meu carro do jeito que consegui e corri até o bar do Paul. Emilly estava sentada na cadeira sendo amparada por algumas pessoas. Seu rosto estava inchado de tanto chorar e ali eu vi que o problema era muito mais grave do que eu imaginava.

-Emmy, olha pra mim! - me ajoelhei de frente à ela - Conte-me o que aconteceu.

-Ele.. ele pegou nossa filha!

-Ele quem? - me controlei para ser paciente

-O Eliot.. Me perdoa,Michael eu não pude evitar.. Me perdoa!

-Meu Deus.. - apertei Emilly nos meus braços - Como isso aconteceu?

-O rapaz me derrubou no chão e quando eu vi a Suri tinha desaparecido..

-Mas como ele conseguiu isso?

-Eu não sei.. Mas eles levaram ela!

-Você viu ele levando a Suri?

-Ele me ligou.. Disse que nunca mais vou tê-la de volta..

-Desgraçado! - me levantei e soquei a mesa com fúria

-Onde você vai? - perguntou assustada ao me ver andar de um lado para o outro

-Pegar minha filha de volta! - Emilly se levantou,e receosa veio até a mim

-Michael a culpa foi toda minha.. - Emmy cobriu o rosto com as mãos. Meu coração doeu ao vê-la nesse estado

-Não é culpa sua,amor.. Te prometo que vou achá-la.. - lhe abracei até que se acalmasse - Tito, leve a Emmy pra fazenda.

-Não! Eu não vou pra lá sem a Suri!

-Emilly,você tem que se acalmar, confie em mim! O delegado já deve estar chegando,pelo que o Paul disse.

-Michael..

-Vai ficar tudo bem! Vá ficar com o Ben.. Ele precisa de você. - Emilly assentiu com a cabeça e se levantou - Deixe seu celular, é melhor.

-Não! Ele pode ligar outra vez e pelo o que eu conheço, ele vai querer falar comigo!

-Você tem razão.. - bufei

-Michael? Sou o delegado Chandler. Preciso que me contem exatamente o que aconteceu.

-Estávamos lanchando e.. eu me levantei pra buscar guardanapo quando um homem me derrubou no chão. Depois disso eu só o vi correr para o carro que estava a minha filha..

-Seu marido disse que você recebeu uma ligação, posso ver?

-Claro! - Emilly entregou o celular para Chandler - Eliot disse com todas as letras que nunca vai devolver minha filha!

-Ligação privada.. Faremos de tudo para rastreá-lo. Qual motivo ele teria para levar a filha de vocês?

-Na verdade, Eliot é o pai biológico de Suri.. - falei

-Vocês precisam me explicar todos os detalhes, só assim posso ajudar!

-Eu explico,Chandler. Mas deixe Emilly ir, ela não está bem..

-Que tal irmos pra fazenda de vocês? Lá será melhor para trabalharmos. Eliot pode ligar novamente e temos que estar prontos, chamarei minha equipe para ir conosco.

-Faça o impossível para achar minha filha,por favor! - Emilly implorou

-Eu farei, prometo pra você!

-Vamos,Emmy.. - enlacei meu braço na sua cintura e seguimos para o carro. A viatura da polícia nos seguia logo atrás

(...)

Já fazem dois dias que não temos nenhuma notícia de Suri. A polícia faz vigília na fazenda,mas até agora Eliot não fez contato. Me desespero mais a cada hora que passa, mas preciso estar forte por Emilly, que está a ponto de enlouquecer.
Ela não come e não dorme, e eu já não sei o que fazer. Emilly só sabe repetir que é a culpada e nada do que dissemos a faz mudar de ideia.

-Emilly, não adianta ficar encarando esse celular a noite toda, já está adoecendo!

-E se ele realmente disse a verdade? Que nunca mais vai devolvê-la?

-Eu duvido! Ele só está fazendo isso para nos apavorar. Odeio admitir, mas a única coisa que importa pra ele é você.

-Como assim? - Emilly enxugou os olhos molhados e me encarou

-Eliot só quer lhe atingir, pouco importa a Suri pra ele! Mas você vai me prometer que não vai cair no jogo dele!

-Michael, eu só quero a minha filha de volta! Eu não dou a mínina para o que vai acontecer comigo, só quero ela sã e salva!

-Nós vamos ter,Emmy! A polícia federal está ajudando nas investigações!

-Mike,você acha que a culpa foi minha,não é?

-Nunca,Emilly! Eu sei a mãe maravilhosa e protetora que você é.. Não pode se martirizar assim! - afaguei suas costas, ao deitá-la no meu colo

-Não vou me perdoar se ele fizer mal à ela!

-Ele não vai fazer,não vou deixar! Agora durma,amor.. Você precisa descansar.

-Não posso dormir enquanto esse desgraçado não ligar! - insistiu

-Emilly, pense no Ben! Ele é muito novinho e precisa de você! Estaremos acordados a noite toda, se ele ligar eu prometo que te acordo.

-Tudo bem.. - lhe entreguei o calmante e o copo d'água - Beba, vai se sentir melhor. - Emilly tomou o remédio e aos poucos conseguiu adormece
r


Emilly


    Já é o terceiro dia que Eliot está com a minha filha. Por mais que tenha tomado o calmante,eu não consegui pregar o olho. Minha cabeça está a mil e eu só consigo pensar em como Suri está. Vou enlouquecer se esse louco não devolver a minha filha!
Olhei para o relógio é já eram sete horas da manhã. Michael não estava no quarto,então presumi que ele estava na sala com Chandler e os detetives.
    Tomei um banho rápido para despertar e fui até o quarto de Ben. Sei que não estou dando a atenção que ele precisa,mas eu não consigo me concentrar em nada.
Depois de amamentá-lo, desci as escadas e fui até a sala. Nesse momento o celular que estava na minha mão tocou e novamente era o número privado. Olhei apreensiva para Michael e ele assentiu para que eu o atendesse. Com meus dedos trêmulos, aceitei a ligação e esperei a voz de Eliot ressoar no meu ouvido.
 

Capítulo 71


"Decisão arriscada"


Emilly


-Atenda e coloque no viva-voz. - Chandler pediu. Assenti e o fiz

-Eliot..?


-Emilly,meu amor! Que saudade de ouvir sua voz..

-Eliot,por favor devolva a minha filha! - implorei

-Está falando da minha Suri? - riu - Ela está ótima sob os meus cuidados.. Caramba,você educou muito mal essa menina,só sabe esgoelar! fechei meus olhos temendo pelo que Suri está passando

-Não toque um dedo nela! Eliot, eu faço qualquer coisa,mas devolva a minha filha, por favor! - ele riu

-Eu sei que você vai fazer, minha linda.. Você sabe quem eu quero. Vamos fazer um acordo,ok?

-Que acordo? - Michael estava vermelho de ódio

-Eu devolvo a garotinha e você vem comigo. Simples! - Michael arrancou o celular da minha mão

-Você não vai encostar um dedo na Emilly! O filho da mãe desligou!

-Michael,não piore as coisas! - Chandler pediu

- Queria que eu me acalmasse ouvindo essas merdas? - Michael olhou pra mim - Você nem pense em se sujeitar a isso!

-É o único jeito,Michael! Ele não vai entregar a Suri enquanto não conseguir o que quer!

-Você não vai ser a moeda de troca! Tem que ter outro jeito de achar ele!

-Vamos fazer o possível.. - Chandler o acalmou

-Michael, é melhor descansar um pouco.. - pedi ao abraçá-lo - Está a dias sem dormir,desse jeito não vai aguentar muito tempo..

-Eu estou bem,Emilly. Além do mais preciso ficar em alerta!

-Ela tem razão,querido.. - Soledad disse - Está péssimo, precisa de um bom sono. Confie no delegado, logo vão achar a Suri.. - Michael concordou e pegou na minha mão

-Vem, eu te levo lá pra cima.. - arrumei a cama para Michael enquanto ele tomava o banho. Assim que ele voltou,o ajudei a se deitar cobrir

-Obrigado..

-Está bem assim? - alisei seus cabelos

-Qualquer jeito está bom.. Me desculpe por não passar a segurança que você precisa.

-Meu amor, não precisa pedir desculpas! Eu sei exatamente o que está sentindo,seremos fortes juntos!

-Emilly,me prometa que não vai fazer nada que esse desgraçado quer?

-Michael.. - desviei meus olhos,mas ele puxou meu rosto para encará-lo

-Me prometa! Sei o quanto é impulsiva e tenho certeza que está pensando nesse acordo ridículo que ele propôs!

-Eu te prometo,fica calmo.. Não precisa se preocupar comigo,ok? Agora durma, vou ficar aqui com você..

-Tudo bem.. - Michael se deitou na cama e eu me juntei à ele

Depois de longos minutos,ele finalmente dormiu. Com muito cuidado me levantei da cama e desci para a sala. Já tinha minha decisão tomada, e por mais perigosa que seja,não voltarei atrás.

-Soledad, fique lá em cima com o Ben e por favor, não tire os olhos do Michael.

-Pode deixar.. - assim que ela subiu, voltei minha atenção à Chandler

-Quer falar comigo, Sra. Emilly?

-Eu vou aceitar esse acordo do Eliot. - fui firme

-Você tem certeza? Emilly, isso é perigoso,o Michael jamais vai permitir.

-Chandler, você tem experiência nisso. E você sabe que ele só vai devolver a Suri se eu fizer o que ele quer. Me ajude e deixe o resto comigo. - Chandler suspirou e por fim,aceitou

-Você tem razão. Podemos fazer uma armadilha, mas claro,com muito cuidado.

-Ótimo. Eu vou ligar pro Eliot, ele sabe que eu vou aceitar sua proposta.

-Com certeza ele não vai atender, mas fique esperta,ele vai retornar.

E foi o que eu fiz. Disquei o número de Eliot e depois de duas chamadas ele desligou. Minutos depois meu celular tocou e o número privado apareceu na tela. Respirei fundo e atendi.

-Eliot?


-Sabia que mudaria de ideia.. - riu - Você sempre foi muito inteligente..

-O que você quer que eu faça?

-Me encontre naquele lago bem afastado da cidade, você sabe onde é. Não preciso nem avisar que está sendo vigiada,não é?

-Eu sei,Eliot..

-Venha sozinha! Se a polícia aparecer, eu mato essa garota e jogo no lago. Você escolhe!

-Tudo bem,tudo bem! Eu vou sozinha!

-Ótimo! Daqui a uma hora te encontro lá. Deixo a menina e você vem comigo.

-Certo.. Vou agora mesmo!

-Nossa.. que apressada! Tudo bem, estou indo pra lá e claro, vigiando cada passo seu. Veja bem o que vai fazer,Emilly! - Eliot desligou e eu encarei Chandler. Não posso voltar atrás

-Tem certeza disso,Emilly?

-Agora mais do que nunca! Temos uma hora. Já pensou em alguma coisa?

-Assim que ele ligou pela primeira vez eu pensei em uma boa tática. - Chandler me estendeu um pequeno aparelho eletrônico

-O que é isso?

-Um microchip GPS. Você tem que colocá-lo no seu corpo,é melhor que seja em uma peça íntima. Assim será difícil dele perceber algo.

-Certo, vou por agora mesmo. Desse jeito você vai saber aonde vamos?

-Exatamente. Estaremos na sua cola,mas você precisa tomar muito cuidado. Com toda certeza ele vai te revistar, então fique atenta!

-Pode deixar.. - fui até o banheiro e prendi o aparelho do GPS na barra da minha calcinha

Peguei a chave do carro,mas antes fui dar um beijo em Ben. Parei na porta do nosso quarto e observei Michael em sono profundo. Eu não queria fazer isso escondido,mas não tinha outra opção. Eu não sei o que vai ser de mim daqui pra frente, se voltarei a vê-lo,mas saber que minha filha estará bem me conforta.

-Eu te amo,Michael.. Vou fazer de tudo para voltar pra você... - joguei um beijo no ar e fechei a porta

  Enxuguei minhas lágrimas com a manga da blusa e desci rapidamente. Não queria e não podia perder mais tempo. Posso até estar cometendo uma loucura,mas eu sou mãe e por um filho somos capaz de tudo. Só eu sei o desespero que estou sentindo e pra mim meus filhos virão sempre em primeiro lugar.

Capítulo 72


" Em busca de Emilly"


Emilly


   Segui as instruções que Eliot me passou e dirigi até o lago. Estacionei meu carro e fiquei à espera dele. Meu coração batia acelerado temendo que alguma coisa saísse dos planos. Em poucos minutos vi uma caminhonete branca cruzar a estrada de terra e parar próximo a mim.
Eliot saiu do carro, tirou os óculos escuros e sorriu pra mim. A porta de trás também se abriu e o mesmo rapaz que me derrubou na cafeteria saiu de dentro do carro com Suri nos braços. Fiz menção em correr até eles,mas Eliot me segurou pela cintura.

-Nada disso,querida! Não trouxe ela aqui pra ver essa ceninha idiota!

-Por que ela está desacordada?

-Relaxa..é só um calmante pra ela parar de chorar..

-Você dopou minha filha! - eu o esganaria,se não tivesse com minhas mãos presas à ele

-Agradeça por eu não ter feito coisa pior! - gritou em um tom ameaçador - Harry, deixe a menina no carrinho e vamos logo antes que eles cheguem.

-Eles quem? Não vai deixar minha filha sozinha aqui!

-Cala a boca e entra no carro! Harry fez uma ligação anônima pra polícia,logo eles virão buscá-la.

-Deixe eu abraçá-la, ela está acordando.. Por favor! - implorei quase de joelhos

-Vai logo e rápido! - corri até o carrinho de Suri e assim que ela abriu os olhos,gritou por mim

-Mamãe.. - disse com a voz ainda fraca. A peguei no colo e abracei com toda minha força

-Estou aqui,princesa.. Vai ficar tudo bem,eu prometo! - beijei todo o seu rosto e a apertei nos meus braços

-A gente vai pra casa?

-Vamos sim.. Primeiro você vai com o papai,ok?

-Anda logo,Emilly!

-Prometa que ficará quietinha aqui esperando o papai?

-Uhum! - assentiu positivamente

-Eu te amo muito,filha.. Muito!

-Te amo.. - deixei as lágrimas caírem e lhe dei o último beijo. A coloquei no carrinho e fui puxada por Eliot para dentro do carro.


Michael


  Acordei depois de provavelmente passar duas ou três horas dormindo. Estava cansado demais e esse sono me ajudou a revigorar. Desci até a sala depois de tomar um banho e ouvi as vozes de Chandler e outras pessoas, pareciam estar comemorando. Rapidamente me juntei à eles,esperando uma explicação.

-Suri foi encontrada,Michael! - Soledad veio me dizer,emocionada

-Oh meu Deus.. Onde ela está?

-Próximo ao lago,foi lá que o Eliot a deixou. Nossa equipe já foi buscá-la! - abri um sorriso aliviado

-A Emilly já sabe? Vá chamar ela, Sol! - eles se entreolharam e na mesma hora senti um aperto no peito - Cadê a Emilly? - gritei

-Michael..

-Não me diga que ela.. Droga! - esmurrei a mesa

-Foi decisão dela,Michael.. - Chandler disse

-Não posso aceitar essa loucura.. Por que ela fez isso?

-Michael,calma! - Sol me amparou - Emilly sabe o que faz. Pense pelo lado bom, Suri está sã e salva!

-Mas e ela,Sol? Emilly está nas mãos desse louco e eu não posso fazer nada.. - me sentei no sofá me permitindo chorar em desespero

-Aqui está ela! - o policial disse. Levantei minha cabeça e vi Suri em seu colo

-Minha princesa! - me levantei em um salto e a peguei no colo. Ela correspondeu e me abraçou ainda mais forte,repetindo "papai" dezenas de vezes - Agora você está em casa, vai ficar tudo bem,pequena..

-Levamos ela no hospital para fazer exames. Ela está com uma leve desnutrição,mas vai ficar bem.. - o policial que a trouxe disse

-Obrigado por trazê-la de volta pra gente.. Mas por favor, me ajudem a achar a Emmy,eu imploro por tudo que há de sagrado!

-Não se preocupe,Michael. Eu entreguei um chip de GPS para ela. Estamos monitorando todos os passos deles.

-Isso tem chance de dar certo?

-Tem e muita! Ela só precisa tomar muito cuidado para ele não suspeitar de nada.

-Por mais medo que eu sinto,admito que Emilly é muito esperta. Ela já jogou com ele uma vez e conseguiu. Mas dessa vez eu estou tão inseguro..

-Vai dar tudo certo Michael, confie em nós! - Suri acabou dormindo no meu colo. Pelo menos ela aqui comigo me deixa mais calmo

-Já tem a localização? - perguntei

-Estão na estrada. Provavelmente vão parar em algum lugar, ou cativeiro..

-Cativeiro? - me assustei

-É o que fazem geralmente..

-Estamos esperando o que,então? Vamos atrás dele agora!

-Faremos isso agora,mas é melhor você ficar aqui.

-De jeito nenhum! Não vou suportar ficar de braços cruzados enquanto minha mulher corre perigo! - afirmei irredutível

-Tudo bem,vamos então.. Iremos pela mesma estrada que eles usaram.

-Certo. Soledad,cuide dos meus filhos e reze para que achemos a Emmy!

-Já estou implorando para Deus! Que Ele os abençoe! - me despedi se Suri,Ben e Soledad

   Logo estávamos nos dirigindo através das pistas do GPS. Eu não conseguia raciocinar nada que pudesse tirar Emilly das mãos desse louco. Me sinto impotente, com as mãos atadas enquanto Eliot a leva sabe Deus onde..

Último Capítulo

" Livre do pesadelo"

Michael


 Pelo o que o GPS informou, Eliot e Emilly estão em algum lugar fixo na divisa de Montgomery à Auburn. Já estávamos na estrada, observando cada canto suspeito. Seguimos por uma estrada de chão que dá caminho a uma mata fechada. 
  Chandler achou melhor mantermos uma boa distância,já que obtivemos a certeza de que eles realmente estavam dentro de um velho casebre, pois conseguimos enxergar uma caminhonete sob os escombros de galhos de árvore.

-Quanto tempo vamos ter que esperar? - perguntei impaciente

-Acabamos de chegar,Michael. Não temos noção do que está acontecendo lá dentro. Mas não se preocupe, os policiais já estão fazendo a ronda.

-Não vejo a hora de entrar lá e tirar Emilly das mãos desse louco!

-Falta pouco,Michael. O importante é que sabemos onde eles estão.

-O que os policiais estão esperando?

-Eles querem ter certeza se tem mais alguém com eles. - um policial fez sinal para Chandler

-O que foi isso?

-Está indicando que só tem os dois na cabana,aparentemente. Espere só mais um pouco. É a segurança da Emilly que está em jogo.

 Mesmo inconformado de ter que esperar, permaneci no carro. Chandler está certo, não posso agir pela emoção. Eliot provavelmente está armado e um passo em falso, Emilly poderá sofrer com as consequências.


Emilly


 Já estávamos a quase duas horas escondidos no casebre. Eliot andava, em silêncio, de um lado para o outro. Parecia visivelmente perturbado e pela primeira vez na vida eu não consegui decifrar qual seria seu próximo passo. Eu só sabia pensar em Suri, se ela foi encontrada por Michael e se passa bem. Não me arrependo do que fiz,mas confesso que estou morrendo de medo do que vai acontecer comigo.

-Está com fome,querida? - ele mantinha sua voz sarcástica o tempo todo

-Não! Dá pra dizer logo o que vai fazer comigo?

-Calma,meu anjo.. Só estou esperando a ligação do Eric. Ele está trazendo meu jatinho particular.

-Para onde vai me levar? Você está respondendo processo,não pode ir pra fora do país!

-Emmy,as vezes eu acho que você pensa que eu realmente sou um otário..- riu - Está enganada,querida! Tenho bastante dinheiro guardado,isso não é problema pra mim. Mas agora.. - disse se aproximando de mim.Seu olhar mudou de sarcástico para mal intencionado - Já que estamos sozinhos aqui.. podíamos relembrar os velhos tempos,não acha?

-Tira a mão de mim! - gritei quando Eliot deslizou os dedos pelo meu pescoço

-Você vai se dar muito mal com essa teimosia! - gritou.

-Não faz isso por favor!! - em um átimo de segundo,Eliot me jogou no chão e subiu em cima de mim. Não conseguia agir ou ou pensar em nada enquanto ele se livrava da minha calça,prestes a tirar minha calcinha. Ele estacou assim que tocou no tecido da calcinha e sentiu o microchip preso na barra. Eliot franziu o cenho e o arrancou para poder analisá-lo

-Que merda é essa,Emilly? - seu rosto estava vermelho,a ponto de explodir - Responde,sua vadia! - Gritou ao esbofetear minha bochecha

-Não é nada.. - murmurei

-Como eu não percebi antes.. Parece que você não aprendeu a lição na última vez que tentou jogar comigo,não é Emilly? Colocou a porra da polícia pra nos seguir! - recebi outro forte tapa na bochecha,preenchendo minha boca com sangue

-Sim! E agora não tem como você escapar! - gargalhou

-Pode até ser..Mas vou te dar uma amostra do que vai te acontecer! - Eliot jogou o chip no chão e sacou o revólver,atirando duas vezes contra o chão. Neste momento eu paralisei,certa do que ele iria fazer comigo.

 Fomos despertados pelo estrondo da porta. Não acreditei ao ver Michael entrar feito um louco e pular em cima de Eliot,que até então parecia estar em transe. Os dois travaram uma luta,se socando e esmurrando. Os policiais também entraram,assim que Michael acertou em cheio no nariz de Eliot. Ele rapidamente se levantou e veio até mim,mas o inesperado aconteceu. Antes de Chandler imobilizá-lo,Eliot atirou em direção à Michael,que caiu em cima de mim devido ao tiro.

-Michael? Michael fala comigo! - entrei em completo desespero ao ver seu corpo imóvel e banhado de sangue. Eu não enxerguei Eliot sendo levado pelos policiais,e muito menos como nos tiraram da cabana. Michael simplesmente não reagia e eu estava da mesma forma

-A ambulância já está vindo! - Chandler assegurou - Michael vai ficar bem,confie em mim!

-Meu amor,acorda.. Por favor! Não pode fazer isso comigo.. - permaneci abraçada à ele até a ambulância chegar. Minhas mãos estavam sujas com o seu sangue, me forçando a encarar a realidade na minha frente

  Chandler me cobriu com uma manta enquanto Michael era assistido pelos médicos. Eu não conseguia entender o que estava acontecendo, nem mesmo se Michael estava respirando. Eles não me deixaram vê-lo,muito menos ir com ele na ambulância,já que por alto, disseram que seu estado era gravíssimo.

-Emilly,acabou.. Eliot e seu capanga já foram presos.. - Chandler tentou me tranquilizar com a notícia

-Não me importa eles, e sim o Michael.. Ele está vivo,não está?

-Não posso te afirmar ainda.. Mas confie em Deus,ele chegará a tempo no hospital.

-Vamos pra lá,por favor!

-Emmy,você precisa me contar o que aconteceu. Está machucada, semi-nua.. Ele te violentou?

-Não,não! Chandler,eu estou bem! Me deixe ir pro hospital,por favor.. - implorei em meio as torrentes de lágrimas que caíam

-Tudo bem,vamos pra lá. Além do mais você precisa de curativos. - Chandler me ajudou a entrar no carro,com destino ao hospital de Montgomery


* * *

-As horas não passam,Chandler.. Cadê o doutor com notícias? - já estávamos a três horas esperando por informações

-Michael está em cirurgia para a remoção da bala. O caso dele é muito delicado, Emmy.. Não acha melhor ir pra casa?

-De jeito nenhum! Não vou sair de perto dele! - encerramos a discussão quando o médico apareceu

-Emilly, como se sente? - perguntou

-Bem,mas o que me importa é o Michael. Como ele está?

-A cirurgia acabou,felizmente conseguimos remover a bala. Por sorte o pulmão não foi perfurado,mas Michael perdeu muito sangue.

-Meu Deus.. Ele vai ficar bem, não vai?

-Estamos fazendo o possível. Não posso afirmar com precisão quando ele vai acordar. Pode ser daqui uns dias ou semanas.. Tudo depende do organismo dele.

-Me deixe vê-lo,por favor!

-Eu sinto muito,ele está no CTI. Não pode receber visitas agora..

-Emilly,ouça o que o doutor diz. Michael está em boas mãos, vá pra casa e descanse. Suri está louca pra te ver.

-Você está certo.. Eu vou pra casa, tomar um banho,ficar com meus filhos.. Mas eu volto pra passar a noite aqui,disso não abro mão!

-Tudo bem, a noite te traremos aqui. Agora vá pra casa porque você também precisa de cuidados!

 Mesmo não querendo arredar os pés do hospital,eu tinha que pensar nos meus filhos. Suri passou três dias na mão de um louco e Deus sabe como sinto vontade de abraçá-la, e também Ben é muito novinho e precisa de mim. 
 Passei o resto do dia todo na companhia dos meus filhos, Soledad e Daniel,que veio correndo pra cá assim que soube do sequestro de Suri. Estar perto deles me reconfortou e me fez distrair por um tempo.
 Um pouco antes de ir para o hospital, o doutor Phillip me ligou informando que Michael havia saído do CTI. Ele ainda estava em coma induzido,mas pelo menos seu estado já não era tão crítico.


* * *

 Os próximos dez dias se seguiram assim. Michael progredia um pouco mais e isso era como se reacendessem de esperança o meu coração. Em todos esses dias eu o visitava, levava Suri e Ben para vê-lo e conversava com ele por horas a fio, falei sobre os planos para o nosso casamento e por vezes sentia que Michael estava me ouvindo. 
 Já me preparava para entrar no quarto para vê-lo mais um dia. Apesar de todos os dias serem iguais,eu sempre esperava por uma boa notícia. E hoje não seria diferente.

-Emilly! - Phillip me recebeu com uma estranha empolgação

-Bom dia, Dr. Phillip! Como está o Michael hoje?

-Veja com seus próprios olhos! - sorriu

-Do que está falando?

-Vem comigo, tem uma pessoa que não para de chamar por você!

-Oh meu Deus! - cobri meu rosto com as mãos para abafar o grito

 Eu praticamente corria pelos corredores do hospital. Eu ria e chorava ao mesmo tempo, não conseguindo me conter, com pressa de vê-lo com um sorriso enorme para mim. Meu coração parecia pular pra fora quando Phillip abriu a porta e fez menção para eu entrar.

-Vou deixá-los a sós.. - sorriu e se afastou

 Michael estava minimamente sentado na cama. Ele sorriu largamente ao me ver e tentou a todo custo se sentar. Mesmo com as pernas bambas corri até ele para impedi-lo de se movimentar.

-Michael,não! Não pode fazer isso.. - coloquei minhas mãos em seu peito enfaixado para fazê-lo deitar. Ficamos por um tempo sorrindo um para o outro. Eu não conseguia falar mais uma palavra, tamanha a emoção que sentia

-Não vai me desejar boas vindas? - disse com a voz fraca,mas ainda assim doce e afável

-Amor.. - não consegui evitar o choro. Minhas lágrimas de medo e angústia se reverteram a pura felicidade

-Vem aqui.. - ele me envolveu em seus braços e enxugou cada lágrima que caía

-Tive tanto medo de te perder.. Eu  morreria junto com você!

-Shii... Eu estou aqui,nunca vou deixá-la!

-Me perdoa..Você tentou salvar minha vida e foi o maior prejudicado.

-Eu faria quantas vezes necessário! Você é a minha vida Emilly, é tudo que eu mais amo nesse mundo! - Michael puxou meu rosto e delicadamente encostou seus lábios nos meus

 Imaginei que iniciaríamos um beijo calmo e delicado por conta da sua condição,mas a saudade que sentíamos era maior que tudo. Ele chupava meus lábios e eu,sua língua, explorávamos um ao outro, arrancando sugadas e mordidas. O ar já faltava,mas nem isso foi capaz de nos parar.
 Seus beijos desceram pelo meu pescoço e eu achei melhor pará-lo antes que se tornasse impossível a tarefa de me desgrudar dele.

-Amor,para.. Você não pode fazer esforço!

-Ah qual é? Estou morrendo de saudade do seu cheiro,da sua pele..

-Eu também estou,mas você não pode se agitar.. Você quase morreu, Michael!

-A coisa foi feia,mas vaso ruim não quebra! - riu

-Não fala besteiras,seu bobo!

-Emilly, o Eliot foi preso?

-Ele foi sim. Agora finalmente vamos ter paz..

-Ele chegou a te fazer mal? Você estava sem roupa e..

-Não,não! Não pense nisso. Ele não conseguiu fazer nada comigo,você me salvou a tempo. Serei grata pelo resto da minha vida!

-Não tem que agradecer nada, Emmy.. Estamos juntos pra tudo,não é?

-Sempre! Eu te amo,Michael,te amo.. - não deixei ele nem ao menos responder. Colei nossos lábios novamente e Michael me correspondeu avidamente. E foi desse jeito que passamos o resto do horário de visita


(...)

Finalmente Michael recebeu alta depois de passar mais dois dias internado. Deus sabe como estou pulando de alegria por ter meu caipira de volta. E agora ele está ainda mais mimado,mas ele tem todo direito depois do susto que me deu.

-Michael,senta com cuidado.. - avisei pela vigésima vez

-Emilly,quando foi que você virou uma chata?

-Ah é isso que eu sou? Eu cuido dessa fazenda, de dois filhos pequenos e de um noivo adoentado. Ainda sou uma chata? - gritei

-Desculpa amorzinho.. Mas não se preocupe, já estou ótimo, pronto pra outra!

-Não fala isso nem de brincadeira!

-Tá bom,mas.. estou pronto pra outra coisa..

-E que coisa?

-Nosso casamento. - me olhou com seriedade. Com tudo que aconteceu eu nem conseguia pensar no nosso casório

-Não quer esperar mais um pouco até se recuperar?

-Amor,eu vou ter uma síncope se não for minha esposa até o fim desse mês!

-Você não será o único..

-Nesse final de semana,que tal?

-Vai ser uma loucura,mas eu topo!

-Finalmente esse casamento sai! -mesmo com dificuldade Michael me pegou pela cintura e me encaixou em seu colo,me levando para o nosso quarto.


Epílogo


"Felizes finalmente"



Michael


Me casar com Emilly foi algo que sonhei tanto que justamente hoje, no dia do nosso casamento eu não consigo acreditar que isso finalmente vai acontecer. 
Experimentei dezenas de ternos e nenhum ficou bom em mim. Queria que dessa vez eu fosse o noivo dos sonhos de Emilly, do jeito que ela sempre quis.

-Anda,Michael.. Pra que demorar tanto com um terno?

-Daniel,eu estou me casando com a Emilly! Tem noção do que é isso?

-Tenho! Você está mais nervoso que ela! - riu da cena idiota que eu estava fazendo

-A Emmy já está pronta?

-Nem aqui ela está! Emilly foi na cidade com a Virna ter o dia da noiva.

-Foi buscar o vestido?

-Não.. O vestido já está no quarto dela.

-Hmm.. - abri um largo sorriso

-Que cara é essa,Michael?

-Nada,só quero ver como é o vestido dela.

-Você tá louco? Se Emilly souber ela te mata!

-Mata nada.. E relaxa ela não vai saber! Vamos logo, estou morto de curiosidade.. - Daniel até que resmungou,mas aceitou ir comigo

O vestido estava em cima da cama embrulhado em uma capa cinza. Abri o zíper até o final,mas ele parecia estar emperrado. Forcei mais um pouco e ouvi o barulho do tecido sendo rasgado. Tanto eu quanto Daniel paralisamos. Eu rasguei o vestido de noiva da Emilly!

-Michael,o que você fez?

-Eu acho que rasguei o vestido.. Meu Deus,e agora?

-Michael,a Emilly vai dar um infarto se ver isso!

-Me ajuda aqui, a gente pode arrumar.. Você sabe costurar? - escutei a voz de Emilly no corredor e rapidamente escondi o vestido embaixo da capa

-O que estão fazendo aqui? - riu

-Na..nada! - gaguejei

-Como nada,Michael? - Emilly me empurrou e infelizmente viu o estrago que eu fiz - Mich..

-Amor,calma!

-Você rasgou meu vestido! Seu filho da mãe, eu vou te esganar! - Virna a segurou, impedindo-a de socar minha cara

-Emilly,eu só fiquei curioso.. Mas o zíper emperrou e ..

-E aí você ferrou com meu vestido!

-Emilly,nós vamos consertar isso,fica calma.. - Virna a tranquilizou - Michael, é melhor você terminar de se arrumar.

-Amor,você ainda vai querer se casar comigo? 

-Some daqui! - Daniel me arrastou para fora do quarto e eu fiquei no corredor, rezando para que o estrago pudesse amenizar

(...)

  Já haviam se passado vinte minutos e todos os convidados já estavam à espera da cerimônia. Estou no altar, tremendo mais que cachorro numa chuva de inverno. Soledad avisou que Emilly já estava quase pronta, mas não consigo conter a ansiedade. Nem no nosso primeiro casamento eu me senti tão nervoso como estou agora.
  Eu quase chorei ao ver Suri desfilar como dama de honra, carregando as alianças. Emilly vinha logo atrás na companhia de Daniel. Meus olhos encheram-se de lágrimas ao vê-la se aproximar de mim. Eu nem percebi que seu vestido foi encurtado,ficando na altura dos joelhos.
Emilly parecia uma princesa, a minha princesa. Finalmente depois de tantos anos afastados e de todas as provas que passamos, seremos felizes. Eu só caí na real quando ela entrelaçou nossas mãos e pairou na minha frente. Eu nunca vi um sorriso tão iluminado brotar dos seus lábios e saber que eu sou o responsável por isso me deixa ainda mais pleno.

  O Padre fez a costumeira benção,mas nós não ouvimos um palavra do que ele dizia. Esperamos tanto por esse momento,que tudo que mais queremos agora é pular para a melhor parte: a troca de alianças. Emilly ficava mais inquieta a cada vez que o Padre lia um trecho da bíblia.Acho que ele percebeu nossa ansiedade e rapidamente terminou o discurso.

-É de livre e espontânea vontade que você, Emilly, aceita se casar com Michael Joseph? - Emilly apertou minha mão e respondeu

-Sim,eu aceito! - sorri e suspirei aliviado ao ouvir essa tão sonhada frase

-E quanto à você,Michael,é de livre e espontânea vontade se unir à Emilly?

-Sim. Com todas as letras! - rimos

-Então eu vos declaro marido e mulher. Podem trocar as alianças. - Suri estendeu os bracinhos e me entregou as alianças. Me agachei para lhe dar um carinhoso beijo na bochecha e em seguida voltei minha atenção à Emilly 







-Emmy, quero que receba essa aliança como prova do imenso amor que sinto por você. Esse anel significa muito mais que o símbolo do nosso casamento,mas sim a realização de um sonho,que demorou exatamente sete anos para acontecer! - ela riu em meio as lágrimas - E aqui diante de todos os nossos amigos e principalmente de Deus, eu faço uma promessa a mim mesmo, que o nosso amor virá sempre em primeiro lugar. Eu sei que todo casal passa por turbulências,crises,brigas.. Mas com você eu aprendi que realmente enfrentaremos tudo isso,só que juntos. Eu te amo Emilly e te garanto que a farei feliz até o último dia da minha vida! - terminei meu pequeno discurso colocando a aliança em seu dedo






-Michael.. Me fazendo chorar na frente de todo mundo.. - ela riu - É tanta felicidade que eu acho que não vai caber no meu peito. Não imagina quantas noites em todos esses anos eu sonhei com esse dia. No fundo do meu coração eu pedia a Deus pra que me desse mais uma chance,para que nos déssemos mais uma chance. E de uma forma bem conturbada Ele atendeu o meu pedido. As vezes eu me xingo por ter demorado tanto tempo para me acertar com você,mas hoje eu vejo que tínhamos que passar por isso,pois todas essas provas serviram para nos fortalecer como pessoas e como um casal. O meu amor por você é incalculável, imensurável, intenso.. E eu sei,na verdade tenho a plena convicção que esse amor só tende a aumentar com o tempo. Pode passar mais dez,vinte anos e vou encontrar todos os dias um novo motivo para me apaixonar por você. Eu te amo e obrigada por estar na minha vida,de verdade..

  Assim que Emilly colocou a aliança no meu dedo,a enlacei pela cintura e depositei um caloroso beijo em seus lábios,nosso primeiro beijo como casados. Consegui ouvir os aplausos e gritos de comemoração dos convidados,mas ainda assim não conseguíamos nos desgrudar. Por fim, nos afastamos pois Suri queria o colo de Emilly. Ela estava encantada com a cerimônia e principalmente com o vestido de noiva que sua mãe estava usando. Ben também veio pro meu colo e os quatro,juntos, deixamos o altar para sermos paparicados pelos nossos amigos.

(***)

  Por mais que a festa estivesse perfeita,Emilly e eu queríamos outra coisa, ficarmos a sós. Sem que ninguém notasse,ela conseguiu me arrastar pelo jardim até um lugar afastado. Ela estava muito sexy vestida daquele jeito,mas eu não entendia o motivo da sua pressa.

-Já quer tirar uma lasquinha do marido,é?

-Não vejo a hora de ficarmos juntos,sem ninguém por perto..Mas agora preciso te falar uma coisa. - Emilly ficou séria,com o semblante apreensivo

-Está me assustando,amor. Aconteceu alguma coisa? Se arrependeu?

-É claro que não,bobo! Mas tenho que te contar que eu..

-Você o que? Fala,Emmy!

-Eu juro que não sei como aconteceu,mas.. no dia que você me salvou do Eliot e que nós fomos para o hospital,eu tive que fazer vários exames..

-E..

-E aí que eu descobri uma coisa. Você vai ficar chocado assim como eu ainda estou.

-Está doente,amor? Por que não me contou antes?

-Michael cala essa boca e me escuta! Não é doença, é só um..bebezinho que está aqui dentro.. - Emilly levou minha mão até seu ventre. Eu devo ter ficado mais branco do que quando soube que era pai de Ben. As palavras não saíam e eu não conseguia reagir - Amor,eu sei que foi muito cedo,mas eu..

-Fica quieta,me deixa ensaiar a comemoração! - ela riu sem entender

-Como assim?

-Só estou dizendo que nenhuma reação que eu esboçar será suficiente para demonstrar que sou o homem mais sortudo e feliz desse universo!

-Mike.. - Emilly pulou no meu colo e nós abraçamos fortemente

-Mais um bebê,docinho..Mais um!

-Eu sei! Mais um caipira pra correr por essa fazenda afora.. 

-Eu devo estar sonhando..Caramba eu mereço tanta felicidade assim?

-Nós merecemos,amor.. Depois de toda essa novela,nós merecemos!

-Amo você.. Amo você,Emmy! - enchi seu rosto de beijos até chegar finalmente na sua boca. Foi um beijo especial,apaixonado,mas especial por mais um motivo a se comemorar

  E é como Emilly disse,viveremos mais vinte,trinta anos juntos e toda a magia e paixão que sentimos nunca se apagará. O destino nos pregou inúmeras peças, nos afastamos, magoamos e machucamos um ao outro até aprendermos a conviver e a amar os nossos defeitos.
A vida a dois não é como numa novela,não é um conto de fadas e nem é amor e carinho 24 horas por dia. Mas a partir do momento que abrimos nosso coração e passamos a aceitar nossas diferenças, podemos muito bem passar por cima dessas dificuldades. Nós suportamos o que casal nenhum aguentaria passar. Houve momentos que eu pensei que era o fim, mas volta e meia o destino arrumava uma maneira de nos unir novamente. 

  Hoje,eu agradeço a Deus por ter aberto aquela maldita porta para minha "ex-mulher" entrar, para entrar e bagunçar minha vida. Eu deveria saber que estava faltando alguma coisa em mim,mas foi só eu desejar ''Boas Vindas'' paressa mulher ,que descobri o que estava faltando. Ela, a minha garota, o único motivo de eu amar essa loucura chamada vida, a minha mulher: Emilly Cruz Jackson..





Fim..


Continua..

162 comentários:

  1. Suuuupeeer anciosaaaa!!!

    ResponderExcluir
  2. Atualizado meninas, espero que gostem. Bjoos!!

    ResponderExcluir
  3. Meu deus o que ele aprontou de tão grave assim ? .. Continua

    ResponderExcluir
  4. Minha nossa já amei o mike é um caipira dessa vez kkkkkkk super ansiosa pelo proximo capitulo continua flor
    (Geane)

    ResponderExcluir
  5. Cheguei para acompanhar mais essa, Marícia!! Ja vi que vai ser um sucesso. Adorei os primeiros capitulos.

    ResponderExcluir
  6. Ê lasqueira!! Ja vi que esses dois vão me fazer dar boas gargalhadas <3

    ResponderExcluir
  7. AÊ mais uma fic pra minha morte ♥

    ResponderExcluir
  8. Kkkkk rir de mais com esses dois
    Continua

    ResponderExcluir
  9. nossa mt engraçado kkk

    ResponderExcluir
  10. Continua, esses dois sao muita onda *-*

    ResponderExcluir
  11. ksapksosk se ferrou coitada! Esses dois...

    ResponderExcluir
  12. Continua ... Está lindoooo e eu estou amando !

    ResponderExcluir
  13. Oh, Aquela Gabbe é do mal? Ela tem jeito de ser a vilã da historia !

    ResponderExcluir
  14. Continua continua pelo amor de deus !

    ResponderExcluir
  15. OMG!! Algo me diz que esses dois ainda vao se enrolar muito <3 continuua

    ResponderExcluir
  16. Cheguei com mais,meninas! *-*
    Beeijos <3

    ResponderExcluir
  17. Certo que o Mike merecia, mas a Emmy passou dos limites o.o continuua!!

    ResponderExcluir
  18. aii que maldade Emmy não era pra tanto! Só era mandar ele ir embora, e não esfaquear o Mike.
    continua

    ResponderExcluir
  19. aii que maldade Emmy não era pra tanto! Só era mandar ele ir embora, e não esfaquear o Mike.
    continua

    ResponderExcluir
  20. ESSE MICHAEL É UM DESCARADO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  21. DÁ CONTINUIDADE Á ESSA FURANÇA BOA!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  22. KKKKKKKKKKKKKK EITAAAAA CALXINHA VIBRATORIA. .EMILLY????? KKKKKKK
    CONTINUAAA.. TÔ AMANDO A FIC

    ResponderExcluir
  23. Kkkkk esse Michael não tem jeito mesmo!! Continua. <3

    ResponderExcluir
  24. Eeeeiitaaaaa !!! então quer dizer que a EMILLY só gozava assim com Michael? ?? KKKKKKKK então por isso que ela usa calcinha vibratória pra dar prazer igual o michael faz kkkkkkkkkkkkkkkkkk e esse babaca do Eliot e um Froxo mesmo Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Continue...quero ver quando vai ter o HOT'S dos dois!! rs

    ResponderExcluir
  25. TÔ AMANDO CONTINUAAA

    MICHAEL DANDO! !! KKKKKKK QUERO UM DESSE PRA MIM...

    #LUIZA

    ResponderExcluir
  26. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  27. Posta no sábados também. .Maricia! !!!

    Fico muito anciosa pra continuação. ....
    quero um Ex desse pra mim kkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  28. Continuaaaaaaa a Maricia

    Tô amando

    ResponderExcluir
  29. Meninas,não resisti aos comentários e vim atualizar a fic kk
    O que será que Michael fará para impedir o casamento?
    Muito obrigada pelo carinho e até a próxima! Bjooos <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. U.u.u.u venho com mais !!!!!! \^_^/

      QUERO QUE O MICHAEL ESTRAGUE ESSE CASAMANTO !!!!
      CONTINUAAAAAA

      Excluir
  30. Essa EMILLY e meio sem noção. .....o michael tem que impedir esse casamento!!!

    Continuaaa...
    vc deixa a gente anciosa demais

    Para na melhor parte kkkkkkkkkkkk #ANCIOSICIMA

    CONTINIAAA

    #LUIZA

    ResponderExcluir
  31. Amando
    conrinuaaaaaaaaa Mericiaaaaaaaaaaaaa!!!!!@! Do meu coração kkkkkkkkkk

    Andreia

    ResponderExcluir
  32. "Meo" Deus!! O que sera que ele vai fazer?? #curiosa #continua

    ResponderExcluir
  33. Continuaaaaa !!! anciosa o Michael vai aprontar mais uma,não demora.

    ResponderExcluir
  34. Continuaaaaaa !!! Ansiosa pra saber o que o gostosão do Michael vai aprontar desta vez *---*

    ResponderExcluir
  35. APROOOOOOOOOOOOONTAAAAAAAAAAAAAAA MICHAEL!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  36. Prontinho meninas! De coração, obrigada pelo carinho!
    Em breve volto com mais, beeijos!!

    ResponderExcluir
  37. Continua logo, Maricia!! Ta muito perfeita!!

    ResponderExcluir
  38. Ai minha nossa senhora dos apaixonados
    To cada vez mais apaixonada por essa fic continua logo flor

    ResponderExcluir
  39. ESSA FIC É SHOW DE BOLA! CONTINUA!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir