sábado, 10 de agosto de 2013

FanFic: "Uma segunda chance" (+16)



"Vivi minha vida tão solitário
Como uma alma que chora de vergonha
Com emoções limitadas
Salve-me agora do que ainda sobrou"
Someone Put Your Hand Out


Estréia dia 14/ 08




Capítulo 1


Sarah Andrews






Eu sempre fui uma pessoa que ama a vida, amo as coisas, a natureza, sua essência e tudo que nela existe. Em outras palavras adoro a vida, o seu curso e sempre acreditei que na vida tudo há um proposito, um destino a se seguir e um caminho a percorrer.

Foi exatamente por isso que decidi entrar na faculdade e cursar o que eu sou mais apaixonada na vida, Biologia. Eu adorava estudar a natureza e me deslumbrava com tudo em sua volta.

Foi por isso que me mudei para L.A e assim que me inscrevi em uma faculdade muito bem conhecida de lá a tão aclamada UCLA. Não me cabia de felicidade em meu peito quando descobri que eu havia passado no vestibular. Então cá estou eu no meu primeiro dia de aula na UCLA.

Como todo primeiro dia eu estava perdida totalmente sem saber por onde ir e nem onde ir. 
 Foi ai que eu esbarrei em uma moça deixando meus livros caírem ao chão, mas imediatamente a mesma se abaixou me ajudando a catar tudo.

-Desculpe. _Falou me entregando os livros, e então nos olhamos.



-Não tudo bem eu que sou desastrada, não sei direito onde eu estava indo, nem sei direito onde estou. _Falei um pouco perdida.

-Seu primeiro dia também? Nossa eu também estou super perdida. Qual é seu curso? _Perguntou simpática.

-Biologia, me disseram que é  nesse andar, mas não sei.

-Não! _Falou chocada. –Eu não acredito, eu também vou fazer Biologia, caramba! _Falava empolgada, era uma menina muito legal já dava pra ver logo de cara.

-Ai meu Deus que coincidência! _Falei empolgada também, mais uma perdida como eu, eu estava salva.

-Meu nome é Paris Jackson, prazer. _Estendeu sua mão para mim.

-Sarah Andrews. _Nos cumprimentamos.

-Sarah me deixe ver sua sala, talvez sejamos da mesma. _Quando lhe mostrei meu cartão com a sala, horários e tudo, eles realmente batiam com os da Paris o que  me deixou super feliz de cara obviamente, pois eu já tinha com quem está em um lugar desconhecido.

Seguimos juntas até a tal sala que nos foram escaladas e para nossa sorte achamos. Com todos já em sala inclusive o professor, sentamos nas cadeiras, eu e Paris fizemos questão de sentarmos juntas. De cara já viramos amigas e das boas, gostei dela assim que vi.

A aula transcorreu bem até que o professor já no primeiro dia pediu um trabalho para ser feito. Por sorte era em dupla e claro eu e Paris iriamos fazer juntas.

-Sarah em qual lugar você acha melhor para começarmos? _Conversávamos sobre o trabalho no intervalo das aulas sentadas no banco da pracinha.

-Ah não sei, onde seria melhor pra  você?

-Acho que lá em casa seria bom, lá temos uma biblioteca enorme que poderia nos auxiliar, e computador. _Ela não falava pra se gabar, não mesmo só expunha a real condição dela.

-Mas será que seus pais não vão se importar, sei lá pode ser que acham ruim.

-Ah nem esquenta, só mora eu e meu pai e ele só sabe ficar no canto dele, não se preocupa com nada. Ele é de boa você vai gostar.

-Sendo assim então está bem... Mas e sua mãe onde ela está? Desculpa perguntar. _Falei sem jeito.

-Minha  mãe morreu quando eu tinha 10 anos. _Me senti mal.

-Ai meu Deus eu sinto muito, desculpa por perguntar.

-Está tudo bem Sarah, não se preocupe. Sinto falta dela sabe, é ruim saber que você nunca mais vai ver quem você ama, mas estou seguindo em frente, sinto a falta dela, mas preciso viver, diferente do meu pai que parece que morreu junto com ela. Não sai, não se diverte, só fica trancado no escritório dia e noite. _Falava com um olhar perdido ao nada. –Ele é ótimo pai sabe, mas acho que deveria se abrir mais pra vida e parar de se fechar tanto.

-Nossa. Vai ver ele sofre muito, por isso age assim.

-Mas eu também sofro e nem por isso fico como ele... Bom vamos mudar de assunto? Me fala sobre você, quero saber. _Cruzou as pernas sentando em cima das mesma ao banco  que sentava e olhou para mim.

-Bom eu nasci e cresci em uma cidade pequena no interior de Ohio, então decidi vim pra cá pra estudar. Meus pais ainda estão lá e me deram força pra seguir o meu futuro, estou morando em um apartamento no centro de L.A.

-Nossa que legal, uma pessoa de outro Estado, acho muito divertido isso. _Rimos. – E quantos  anos tem?

-Tenho 20 anos.

-Eu tenho 18, papai disse que sou ainda muito nova, mas me acho uma adulta. _Riamos ainda mais.

Nossa conversa eram regadas a risos descontração, e assim conhecíamos um a outra de uma maneira natural. Paris é muito divertida e eu me sentia a vontade com ela. Nos tornamos amigas.




Capítulo 2

Michael Jackson







Quase sempre a vida não é fácil pra ninguém, existem pessoas tristes, com problemas, cheias de preocupações, trabalho, ou sem trabalho. A vida é uma rotina sem fim cabe a nós sabermos como fazer para sair dessa tal rotina que a vida nos empoe.

No meu caso a tristeza era em minha alma, no meu coração, no meu ser. Já haviam se passando 8 anos que perdi minha mulher para o câncer. Ela lutava contra essa maldita doença por anos, e no fim quem venceu foi ele, a levando de mim para sempre.

Eu não conseguia e nem queria me conformar com isso, acho que quando Elizabeth morreu eu morri junto com ela. Eu não tinha mais prazer em  viver como antes, não tinha mais o sabor suave da vida, só sobrou o amargo e a angustia.

Mas Elizabeth deixou um presente para mim, Paris era a continuação perfeita de minha mulher, sua personalidade forte e ao mesmo tempo tão carinhosa e dedicada a vida me lembrava perfeitamente dela. Com tantos problemas que veio a mim com a doença de Elizabeth, seus tratamentos, e até mesmo depois de sua morte, não consegui dar a Paris a atenção que ela merecia, mas mesmo assim éramos sempre unidos e não havia discursão com a gente, apenas amor e carinho o que me deixava feliz apesar de tudo.

(...)

Eu estava lendo um jornal quando a ouço com aquele barulho todo que ela faz adentrando a casa. Ela já ia subindo para seu quarto quando a chamo.

-Ei, ei mocinha nem vai dar um beijo no seu pai? _Falei com um tom repreensivo.

-Ai pai desculpa nem vi o senhor ai. _Voltou ela e me deu um beijo em minha bochecha.

-E como foi seu primeiro dia heim? _Perguntei.

-Ai foi incrível, mas o professou já passou trabalho de  cara, que apresado af. _Revirou os olhos.

-Mas filha vida de universitária é assim mesmo, depois piora. _Sorrimos.

-Ah também conheci uma  amiga nova, pai ela é super legal adorei ela. Em falar nisso ela vai fazer o trabalho aqui em casa comigo tudo bem para o senhor?

-Claro filha, sem problemas algum. Só me avisa antes pra eu pedir a Deise que prepare um almoço maravilhoso para a sua amiga ok? _Eu era assim sempre preocupado com a alimentação das pessoas.

-Ok. Agora vou subir tomar um banho e já desço para o almoço.

-Ok minha linda.

Paris subiu e eu continuei ler o que estava lendo para espera-la para o almoço.
Quando finalmente ela desceu, almoçamos sempre conversando e sabendo um pouco sobre a vida da minha filha, era um pai muito preocupado e apesar de tudo tinha muito cuidado com minha filha. Eu já era um 40tão e acostumado com uma vida mais tranquila do que a de hoje em dia, então me preocupo demais com o que minha filha faz, com quem faz e onde faz.

Eu nunca fui um homem rico como sou agora, fui crescendo aos poucos com a pequena fabrica de tecidos que  minha mulher Elizabeth fazia com suas próprias mãos. E então aos poucos ela foi crescendo e agora temos uma grande fabrica de tecidos da melhor qualidade, com várias pessoas trabalhando para  nós. Paris não se interessa por isso, o que ela gosta é de natureza e essas coisas. Nunca me importei com que ela escolhesse contanto que seja feliz na área que atuar pra mim está muito bom.





Capítulo 3

Sarah Andrews



Mas um dia se deu e eu fiz como fazia a semana toda, levantei, tomei banho, tomei meu café da manhã e sai indo para a faculdade. De lá eu iria pra  casa da Paris para começarmos nosso trabalho. A cada dia que passava nossa amizade ia ficando melhor me deixando muito feliz, a amizade dela era importante demais para mim naquele momento, eu tinha com quem conversar, e uma companhia agradável naquele lugar novo e desconhecido por mim.

Cheguei à faculdade, e assim que avisto Paris sentada em seu lugar tratei logo de me sentar junto dela.

-Bom dia Sarah. _Disse ela com aquela simpatia tremenda.

-Bom dia Paris.

-Ah amiga hoje começaremos o trabalho ok? Pra gente poder adiantar legal.

-Aham, já vim preparada. _Sorri pra ela.

-Quando chegarmos almoçaremos e assim começamos ok?

-Perfeito.

Não vou dizer que estava a vontade indo para  a casa de Paris, porque eu não estava, eu era um pouco tímida e ter que ir  na casa das pessoas assim me deixava um pouco mal, sem jeito e muito constrangida, mas venci o incomodo e fui.

Assim que terminou a aula fomos direto a casa dela com um motorista que nos levava, já dava pra ver que ela era uma menina rica, na verdade só me confirmava, pois eu já desconfiava.

Quando chegamos em sua casa então ai que me deslumbrei mesmo.

-Uau Paris, essa casa enorme é sua? _Falei com os olhos vidrados nela.

-É sim. _Deu um risinho.

-Mas é enorme tem certeza que moram somente  você e seu pai aqui? _Eu não acreditava.

-Aham. É eu sei espaço demais o torna vazia, mas já acostumei e pra mim meu quarto que é minha casa de verdade. _Sorrimos.

-Me admira você  morar nessas condições e ser tão humilde assim.

-Não ligo pra tu isso sabe, são só coisas materiais. Uma hora temos e outra hora podemos não ter mais. Só que o amor as pessoas, a dignidade permanece até mesmo quando morremos. Meu pai que me ensinou. _Me emocionei com as palavras dela e pude perceber que seu pai era um homem de verdade.

Entramos na casa e de imediato almoçamos e conversávamos sobre o trabalho e tudo, ainda não havia visto seu pai o que me deixou um pouco aliviada. Depois ela me mostrou seu quarto que era deslumbrante e formos finalmente para a biblioteca da casa começarmos o trabalho.

Acomodei minhas poucas coisas em uma poltrona e Paris já ligava seu computador para a pesquisa.

Até que ouvi a porta da biblioteca se abrir, pois Paris a tinha fechado e então ele entra.

Quando pensamos em pais de uma pessoa a imagem que vem a mente é sempre um senhor de idade, cabelos grisalhos, rosto com marcas de expressão, um pouco barrigudo e essas coisas. Mas definitivamente o pai da Paris era longe disso.

Seus cabelos longos negros com leves cachos contrastava perfeitamente com sua pele alva e macia, dava pra ver onde eu estava. Sua estatura alta usando um terno preto que caiam super bem com seu corpo robusto e ao mesmo tempo magro como um homem deve ser, totalmente elegante. Arfei.




-Oi papai, tudo bem? _Paris correu para abraça-lo e ele a correspondeu com um beijo em sua testa.

-Como vai filhinha. _Fiquei um pouco sem jeito.

-Pai essa é minha amiga que te falei. _O Trouxe até mim. –Sarah esse é meu pai Michael, pai esse é Sarah.

-Muito prazer Sarah. _Estendeu um de suas mãos, para mim. Meu Deus como eram grandes e delicadas. Não sei porque, mas travei.

-Sarah? _Fui despertada com Paris me chamando o que me deixou sem graça.

-Ah muito prazer senhor. _Finalmente apertei sua mão e ele sorriu para mim.

-Bom vou deixa-las a sós, qualquer coisa estou no meu quarto, está  bem filha?

-Não se preocupe pai, vamos ficar bem. _Ele sorriu lindamente.

-Bom fique a vontade Sarah. _Olhou para mim com aqueles olhos grandes e negros.

-Obrigada. _Sorri e ele foi embora.

-Nossa tem certeza que é seu pai, parece mais seu tio, ou até mesmo seu irmão. _Paris sorriu.

-O velho tá inteirão não é? Também acho, mas ele só fica trancado nessa casa ao invés de aproveitar. _Lamentava, e eu tentava não parece o quanto ele mexeu comigo.


Nosso desempenho no trabalho estava super bem, conseguíamos desenvolver bem, mas a imagem do pai da Paris me deixava intrigada. Homens mais velhos sempre me atraiu e um gato desses então.




Capítulo 4

Michael Jackson



Fiquei feliz que Paris conheceu uma nova amiga, pois minha menina sempre andava sozinha sem nenhuma companhia e é bom que ela esteja com alguém pra sair, conversar e compartilhar suas coisas com uma pessoa da mesma idade.

Pelo que Paris disse essa menina a Sarah era uma boa pessoa e uma ótima amiga pra ela. 
Fiquei tranquilo.

Mas essa menina me olhou de um jeito intrigante, seus olhos  brilhavam, sua pele corou, respirava com dificuldades, quase não apertou minha mão. Será que ela sentiu medo de mim? Não talvez fosse tímida, sei muito bem como é timidez.

(...)

Quando sai da biblioteca as deixando a sós para que fizessem o trabalho, subi para meu quarto e deitei na minha cama. Liguei a tv e fiquei assistindo qualquer coisa sem da a mínima importância, até que cochilei um pouco. Mas em meio a esse cochilo tive um sonho com Elizabeth.

Ela pedia ajuda, eu tentava pegar em sua mão, mas cada vez mais ela se afastava de mim, eu gritava desesperado seu nome, e ela chorava. Eu corria atrás dela, mas de repente ela sumiu.

-NÃO! _Acordei desesperado e suado, uma angustia tomou meu ser. Então respirei fundo e sentei na cama.

-Ai meu Deus esse sonho de novo. _Sussurrei para mim mesmo.

Não era a primeira vez que eu tinha esses sonhos com Elizabeth, vinha sempre. Tinha vez que a semana toda, ou demorava meses, mas sempre vinha do mesmo jeito e me deixava desesperado do mesmo jeito.

Levantei e reparei que já estava a noite, então fui até um balcão que tinha no meu quarto com as fotos da minha família, de Paris, minha, de meus pais, e também tinha de Elizabeth é claro.


Fiquei a olhando por um tempo, peguei o porta-retratos e levei junto comigo pra uma poltrona a qual eu sentei em seguida a olhando.



Comecei a pensar em minha mulher, o cheiro de sua pele, seu amor imensurável por mim, seus carinhos. Lágrimas inevitáveis saíram de meus olhos. E então a porta do quarto se abriu de uma vez entrando Paris.

-Pai não acredito que está olhando a foto da mamãe e chorando de novo. _Falou ela notando a foto que segurava e meu estado, tratei de limpar minhas lágrimas rapidamente.

-Filha você sabe que é difícil pra mim não sabe? _Falei com a voz embargada.

-Pra mim também pai, mas nem por isso eu fico assim igual a você. Poxa a vida continua né? _Me aconselhava.

-Não consigo viver sem ela. _Falei sofridamente.

-Pois deveria. Deixa a mamãe ir pai, você está vivo poxa. Ela não volta mais e você? Vai acabar seus dias assim? Triste, sofrendo? Quando você acordar já vai ser tarde demais. _Eu ouvia os conselhos de minha filha atentamente, eu sabia que ela tinha razão, mas eu não conseguia ser feliz sem ela.

Paris saiu do quarto e outra lágrima veio a tona, as enxuguei rapidamente e entrei no banheiro para um banho relaxante.  A água escorria em meu corpo inteiro lavando os pensamentos ruins, e a sensação de vazio e escuridão em meu ser.

Terminei o banho vesti um pijama e desci para o jantar. Paris já estava a mesa com fones no ouvido.

-Já disse que não gosto que fica com fones na mesa do jantar. _Falei calmamente.

-Ok. _Foi tirando sem olhar para mim.

Me servi do jantar e fiquei a observando, Paris continuava olhando para seu prato e nada mais.

-E sua amiga, já foi? _Perguntei.

-Já sim.

-Terminaram o trabalho direitinho?

-Só a metade, precisamos terminar o resto.

-Ah sim, é assim que eu gosto dedicação.

-Gosta tanto né pai que se dedica a viver no sofrimento sem se da chance de ser feliz. _Foi irônica olhando em meus olhos. –Já terminei meu jantar vou para meu quarto. _Falou brava e subiu as escadas correndo.

Fiquei sem reação alguma, sei que Paris tinha razão, mas eu não tinha forças para nada aquele  momento, era tudo tão difícil para mim.




Capítulo 5

Sarah Andrews


Assim que cheguei da casa de Paris com o motorista dela que fez questão em me trazer fui tomar um banho e comer algo. Não vou negar que fiquei pensando no pai de Paris. Ele me intrigava um pouco, ele era lindo, charmoso.

-Para Sarah ele é o pai da sua amiga, tem idade pra ser seu pai também. _Afastei meus pensamentos com um sorriso tímido.

Então decidi ligar pra Paris saber como ela estava e me distrair um pouco, sei que tínhamos passado quase a tarde toda juntas, mas é sempre bom falar com uma amiga.

-Oi amiga. _Falei.

-Oi Sarah chegou bem em casa? _Perguntou.

-Sim cheguei. _Notei a voz dela um pouco estranha. –Sua voz está um pouco estranha aconteceu alguma coisa?

-É o meu pai Sarah, o peguei olhando a foto da minha mãe hoje e chorando pela milésima  vez. Será que ele não ver que faz mal a ele? _Fiquei um pouco triste por ele, a morte da mulher o perturbava muito até hoje.

-Ah Paris você tem que entender sua mãe era tudo pra ele como você   mesmo havia me contado, ele sofre.

-Só que eu também sofro Sarah eu amava minha mãe também, quando ela se foi eu tinha apenas 10 anos e precisava dela perto de mim, precisava do seu carinho. Não só com 10 anos muito antes enquanto ela sofria com a doença eu já tinha a perdido a muito tempo. Mas ele só pensa nele, não conversa comigo, não sai pra passear como os pais normais fazem. É só o dia todo naquele quarto chorando. _Paris estava revoltada e com razão.

Ela sentia falta do pai que não dava mais atenção pra ela desde que perdeu sua mulher, e Paris se sentia menos amada por isso, o que era ruim. Eu me sentia com as mãos atadas, pois eu queria ajudar minha amiga, mas definitivamente eu não sabia como.

Michael havia perdido sua mulher a 8 anos e mesmo assim ele não se conformava, era uma situação bastante delicada.

-Sarah você gostaria de dormir aqui em casa? Pelo menos assim você me faria companhia. _Pediu ela.

-Claro Paris, quando você quiser.

-Amanhã  tá bom?

-Tá sim.


Conversamos mais ao telefone, Paris estava mais calma, então conversamos sobre bandas de músicas, ídolos pops, e riamos com tudo que falávamos, besteiras e mais besteiras. Era sensacional.





Capítulo 6

Michael Jackson


Não consegui dormir a noite inteira, uma dor de cabeça tremenda pesava meus olhos me impedindo de fecha-los. Levantei tomei um comprimido e voltei a deitar, mesmo assim a dor ainda não havia passado, resolvi então ficar acordado mesmo até o dia amanhecer.

Quando finalmente o dia amanheceu, levantei , tomei café da  manhã com Paris e assim que ela saiu pra faculdade sai também para visitar minha fábrica. Há muito tempo eu não pisava os pés ali, pois tudo me lembrava Elizabeth, ela era muito dedicada a fábrica  e fazia questão de produzir os tecidos como do gosto dela. Era uma mulher admirável.

Cumprimentei todos ali, dos empregados até os presidentes que eu mesmo deixei para cuidar de tudo, pois no momento eu não tinha a mínima condição pra nada.

Fiquei em minha antiga sala por alguns momentos relembrando algumas coisas, e tentando ver se eu tinha algum animo de voltar a trabalhar como antes.

Passei o dia visitando as produções e dando palpite em algumas coisas.
Quando vi já havia anoitecido e eu me surpreendi de ter ficado tanto tempo ali.

(...)

Cheguei em casa e notei que Paris estava no quarto dela, pois as luzes estavam acesas  e eu escutava um barulho estrondoso de som alto, com as músicas favoritas dela. Ela sabe que eu não gosto de som muito alto e mesmo assim faz isso, eu não sei o que há com a Paris ela às vezes foge do meu controle.

Subi as escadas com o intuito de lhe dar uma bronca imediatamente.
Abri a porta sem bater e fui procurando-a, não havia  ninguém aparentemente, notei a luz do banheiro acesa e entrei de uma vez, deduzi que estivesse se maquiado.


-Paris eu já.... _Fui interrompido pela cena que vi, era ela a amiga de Paris completamente nua no banheiro. A olhei completamente paralisado.



Ela tinha um corpo perfeito, seios levemente fartos, barriguinha definida, e.. Ai meu Deus eu estava vendo a vagina dela! Meu corpo reagiu completamente.

-Ahhhhh! _Ela deu um grito tentando se cobrir.

-Ai meu Deus me desculpe!! _Desviei meus olhos dela  bem depressa e sai imediatamente do quarto.

Havia muitos anos que não via uma mulher nua na minha frente. E sem duvidas aquilo me perturbou muito. Entrei em meu quarto bati a porta e fiquei desesperado, pensei em lhe pedir milhões de desculpas, mas eu estava com vergonha de olha-la nos olhos de novo depois da invasão que eu cometi.

Mas ao mesmo tempo que eu sentia culpa, sentia tesão claro. Ela era linda sem duvidas, a imagem de seu corpo nu não saia da minha mente. Seus seios levemente fartos e os bicos rígidos meio rosados, sua vagina pequena e bem delicada não saia da minha mente.

Meio irracional e tomado pelo tesão abaixei minhas calças até a altura dos joelhos e sentei em minha cama. Com um braço eu me apoiava na cama e com a outra mão eu tocava meu pênis levemente. Eu o massageava a principio, depois o apertava em um vai em vem alucinante. É eu estava me masturbando pela a cena que vi. Eu gemia continuando com os ritmos instintivamente até que gozei. Mas ao mesmo tempo que eu prazer veio a culpa e a vergonha vieram juntos.

-Ai meu Deus o que eu fui fazer? _ Me vesti imediatamente.

Eu nunca havia me masturbado pensando em outra mulher que não fosse Elizabeth e eu acabava de fazer isso com uma menina. Menina que tinha idade pra ser minha filha.

“Ai meu Deus como eu sou deplorável.” _Eu pensava.

Comecei a chorar.





Capítulo 7

Sarah Andrews


Como Paris me pediu arrumei minhas coisas para ir dormir na casa dela. Então após a faculdade fomos  juntos para lá.

Michael não estava, ele tinha saído não sei pra onde. E quando anoiteceu  Paris e eu fomos para seu quarto ligamos o som alto e começamos a cantar nossas músicas favoritas muito alto mesmo. Cantávamos, riamos, pulávamos na cama, fazíamos um a verdadeira bagunça como gostávamos.

Então eu precisava ir tomar banho.

-Paris vou usar seu banheiro ok? _Falei

-Claro pode rir. _Dei um sorriso para ela e entrei no banheiro.

Fechei a porta e me despir entrando no boxe em seguida. Banhei meu corpo tranquilamente sentindo a água quentinha em meu corpo.

-Sarah aqui uma toalha limpa pra  você. _Disse Paris entrando no banheiro.

-Ok.

-Vou descer, vou até a cozinha ver o que tem pro jantar e já volto.

-Beleza. _Paris saiu deixando a porta do banheiro aberta sorri por ela ser tão doidinha.

Quando terminei o banho sai do boxe ainda nua para pega a toalha, me sequei e comecei a pentear meu cabelo, completamente distraída.

Até que ouço alguém entrar furiosamente porta a dentro.

-Paris eu já... _Me virei imediatamente e era ele o Michael, ali parado na minha frente me vendo nua.

Meu coração acelerou acompanhado de vergonha e ele ficou me olhando por alguns instantes profundamente, senti seu corpo reagir imediatamente a mim. Dei um grito em seguida e ele pedindo desculpa e foi saindo.

Com os olhos totalmente arregalados e chocada pelo acontecido me cobri imediatamente.

-Ai meu Deus! Ele me viu. _Sussurrei amedrontada.

Me vesti e então Paris apareceu no quarto.

-O que foi Sarah? Parece que viu um fantasma. _Disse ela me olhando sem entender a minha reação.

-Se... Se... Seu pai. Ele entrou aqui no quarto quando eu estava tomando banho.

-Meu pai já chegou? _Ela ainda não tinha entendido.

-Sim, Paris. E ele entrou no banheiro e eu estava  nu...nua. _Falei com dificuldades.

-Ele viu você ? Nu.. nua? _Gaguejou.

-Aham. _Meus olhos continuavam arregalados e ela começou a gargalhar, fiquei sem entender.

-Do que você está rindo? Acabei de dizer que seu pai me viu nua e você está rindo?

-É que é engraçado. _ Ela  não parava de rir e se jogou na cama. –Eu deixei a porta mesmo aberta do banheiro não imaginei que ele iria entrar assim, acho que ficou bravo com o som alto ele detesta.

-Pois é e ele acabou me vendo.

-Relaxa Sarah, papai já me viu várias vezes nua ele não liga, ok? _Falava tranquilamente.

-É só que você é filha dele e eu não. _Eu estava muito preocupada.

-Pode deixar depois eu falo com ele.

-Ai meu Deus que vergonha.

-Não fique papai é de boa... Queria ter visto a cena, a cara do papai com vergonha é hilária. _Ela fazia piada a todo momento e eu me desesperava.

(...)

Quando passou um pouco e estava tudo aparentemente calmo eu e Paris fomos dormir. Eu não conseguia pensar em mais nada a não ser a cara que o Michael fez me vendo nua daquele jeito. Eu me sentia mal envergonhada e achava que nunca mais queria ver cara dele novamente. Oh meu Deus! Mas ao mesmo tempo gostei que ele me visse, percebi seu olhar tomados de tesão e desejo isso sem duvidas me deixava excitada, um homem lindo daquele com desejo por você é sem duvidas a sensação mais maravilhosa.

Não consegui dormir e fui dar uma volta na varanda da casa. Fiquei contemplando o jardim. Estava uma noite linda, a lua bem grande com estrelas no céu e um friozinho suave que fazia minha pele arrepiar.

Então observo Michael sentado perto da piscina. Respirei fundo, eu precisava conversar com ele.

Me aproximei e  assim que ele notou minha presença me olhou assustado de cima em baixo.

-Michael eu queria te pedir desculpas.... _Foi me interrompendo.

-Não Sarah eu que lhe deve desculpas eu não deveria ter entrado daquele jeito no quarto. Eu achei que só Paris estava lá então... _Falava um pouco perturbado, e sem jeito.

-Ela me convidou pra dormir aqui, disse que não seria problema por isso vim.

-Não, não, não é problemas que isso, fique a vontade. Está bem? Eu acabei me irritando com o som alto e sabe né...

Michael era muito gentil e ficava ainda mais lindo todo sem jeito. O que Paris descreveu como hilária o jeito como ele ficava tímido, pra mim suava perfeito, sexy, deslumbrante. 






Capítulo 8

Sara Andrews


Entrei pra dentro, mas eu continuava sem sono, eu pensava em Michael a todo momento, e ele era lindo e me deixava fora de mim. Seus olhos negros e penetrantes me deixavam louca.

Levantei novamente fui até a biblioteca, fiquei ali pensando novamente nele claro.
Então escuto a porta se abrir e era ele novamente.

-Michael? _Sussurrei.

Ele me olhava ainda muito perturbado, seus olhos me desejavam, sua respiração era descompassada,  e de súbito ele veio até mim em um beijo avassalador, desesperado. Ele foi me encostando a mesa e inclinando seu corpo pra cima do meu. Claro que eu correspondi o beijo e o desejo que eu tinha por ele aumentava em seus braços, o fogo nos consumia. 

Suas mãos grandes e pesadas pesavam em minha cintura a apertando. Os beijos faziam barulhos, degustávamos a boca um do outro. Deus com ele beijava bem! Eu podia sentir tesão apenas em beija-lo.

Desabotoei os botões de sua camisa  rapidamente e ele me ajudava também bastante desesperado. Tirei a blusa do meu pijama já com meus seios  a mostra, Michael não perdeu tempo em toca-los com a mão cheia subindo e descendo meus seios, com gana. Tirei a calça do meu pijama e  ele me sentou na mesa , depois tirou sua calça também ficou nu na minha frente. Quase morri vendo aquele monumento de homem peladão na minha frente, seu corpo sexy, levemente musculoso, seu monumento ereto teso completamente pronto.

Abri minhas pernas sentada na mesa e ele me penetrou, arfei, sentindo tão duro entrando em mim, gemi de prazer e ele também gemia completamente. O vai e vem era frenético Michael segurado em minha cintura entrava em mim, me fazendo sentir o prazer mais alucinante que eu já havia sentido.

Agarrei em seu corpo o ajudando a se movimentar, minha cabeça pendia para trás e ele sugava meus seios.

-ahhm ahhm ahhh! _Falava ele sem parar.

Então com mais ritmo que fazia dentro de mim cheguei ao ápice com louvor. Gemia alto sem parar e ele também sentiu em seguida.

Michael olhou em meus olhos por um instante ainda perturbado. E foi se afastando de mim, sentando ainda nu em uma poltrona, ele parecia aéreo, como se não entendesse como foi capaz de fazer isso. Mas eu estava completamente deslumbrada, amando tudo aquilo foi maravilhoso.

Permaneci sentada a mesa o olhando, depois me levantei sentando em seu colo e deitando em seu peito. Acarinhei seu rosto beijando seu peito.

-Isso não deveria ter acontecido. _Disse ele finalmente.

-Está arrependido? _Perguntei.

-Não isso não, mas você tem idade para ser minha filha.

-Mais eu não sou. _Sussurrei acariciando seu peito.

-Eu não sei o que deu em mim. Eu não faço esse tipo de coisa  nunca.

-Foi tesão Michael.

-O jeito como eu entrei e te agarrando, transando com você como um animal no cio, me desculpe.

-Shhi não se preocupe, foi assim porque você não fazia sexo a anos, mas eu adorei foi maravilhoso, não se culpe por favor.

-Você não era virgem era? _Falou receoso.

-Não, não era, pode ficar tranquilo.

-Que bom, senão eu nunca me perdoaria por isso.

-Mas o que que tem? Eu ia adorar se tivesse perdido a virgindade com você.

-Sarah eu não entendo. Você quis transar comigo? _Perguntou sem entender olhando para mim.

-Eu queria sim. _Confessei. –Desde quando eu te conheci não parei de pensar em você nem por um segundo.

-Tenho idade pra ser seu pai. _Repetiu.

-Mas ainda sim é lindo, charmoso, interessante e... Gostoso. _Sorriu.

-Você me faz sentir como se isso não fosse errado. Mas foi Sarah, eu nunca transei com outra mulher a não ser a mãe da Paris e agora.

-Ela  morreu Michael, mas você ainda está vivo, precisa ser feliz.

-Eu quero ser, mas como faço isso? _Sua voz embargou.

-Deixa eu te amar, deixa eu te fazer feliz? Hum? _Eu beijava levemente seu queixo e os olhos dele estava se fechando.

Foi inevitável fazermos amor mais uma vez naquela poltrona, mas dessa vez mais calmamente, mas delicioso, Michael era experiente típico de homens mais velhos e me levava a loucura. Eu subia e descia sentada em seu corpo enquanto ele passavam as mãos no meu deitado na poltrona.

Gemendo alto cheguei ao ápice. Fomos juntos para o quarto dele tinha anos também que ele não levava uma mulher para lá o que deixou um pouco receoso, mas tratei logo de tirar isso dele assim que fizemos amor mais vez e depois dormimos.

(...)

No dia seguinte ainda deitados e nus na cama beijei Michael assim que acordei, ele me correspondeu completamente, me beijando e acariciando meu corpo estava tudo tão gostoso até que Paris entra de um vez no quarto do pai.

-Ai meu Deus! _Disse ela nos vendo ali.

-Paris! _Eu e Michael falamos juntos,  eu me levantei desesperada. Ela saiu correndo do quarto.

-Ai meu Deus Michael, ela viu a gente. _Michael se desesperou e eu também, comecei a pegar minhas roupas.

-Vou atrás dela. _Falei.

-Deixa que eu vou ela é minha filha.

-Não Michael eu sou a amiga dela e ela me viu com o pai deixa que eu vou. _Michael aceitou e eu fui atrás de Paris.

-Paris eu e seu pai a gente... _Comecei a falar assim que a encontrei.

-Vocês dormiram juntos e daí? _Falou calmamente.

-O que? _Estranhei.

-Ah Sarah qual é? Eu sei o quanto estava interessada no meu pai eu não sou boba, percebi os seus olhares pra ele quando você o via aqui em casa, ou somente quando eu falava dele. E se ele se interessou por você eu fico feliz, finalmente esse homem cabeça dura está se abrindo pra vida, e ninguém melhor que a minha amiga pra está ao lado dele. Estou feliz aproveita. _Fiquei ainda mais sem entender nada.

-Mas você saiu daquele jeito no quarto e...

-Mas é claro. Você e MEU pai nus na cama, você acha o que? Que eu ia ficar lá vendo? _Falou divertida sorrimos.


-Só uma coisa faça  meu pai feliz heim? _Me alertou e eu sorri aliviada.





Capítulo 9

Michael Jackson



Eu não sabia ao certo o que estava acontecendo comigo, fiz em uma noite o que eu nunca faria a minha vida inteira. Onde é que eu estava com a minha cabeça pra transar com Sarah? Uma menina tão nova! Como fui capaz disso meu Deus?

O mais intrigante disso tudo é que ela não se incomodava  como eu. Ela até me deixava tranquilo diante da besteira que  fiz. Se ela tivesse odiado eu já poderia morrer, porque não conviveria com essa culpa jamais.

Mas não posso dizer que me arrependi porque não, não de jeito nenhum. Foi maravilhoso, já havia anos que eu não transava com ninguém e meio que eu estava necessitando disso. Sarah nesses momentos juntos, me fez sentir vivo, desejado, e cheio de esperanças para viver. E quando ela disse pra mim deixa-la me amar foi uma sensação de paz, tranquilidade, parecia que eu estava sendo salvo finalmente da solidão que vivia. Era uma segunda chance  para viver, para amar e ser feliz de novo.

Mas quando Paris entrou ao quarto daquele jeito meu mundo desmoronou, eu temia pela reação da minha filha, e quando eu desço já vestido. Sarah e ela riam sem parar.

-Paris?! _ Eu estranhava a atitude.

-Oi pai! Finalmente heim? Só minha amiga pra fazer essas maravilhas com o senhor. _Falava divertida e eu não entendia.

-Do que você está falando filha?

-Pai era disso que eu estava falando, ser feliz, viver. Eu estou feliz por você e espero que minha amiga te faça feliz heim? _Olhou para Sarah e depois subiu.

Franzi a cenho meio que rindo da cena que acabava de ver olhando para Sarah.

-Também fiz essa mesma cara. _Disse Sarah sorrindo.

-Minha filha está feliz é isso?

-É o que parece.

O clima entre mim e Sarah ficou meio estranho  depois do ocorrido eu não sabia direito como lidar com a situação. Era muito difícil para mim.

Tomamos café da manhã todos juntos eu, Paris e Sarah. Paris tirava sarro da gente o tempo todo, e dizia o quanto éramos lindos um com o outro.

Logo depois Sarah e Paris foram juntas para faculdade e eu continuei a pensar em tudo que houve.

(...)

Os dias foram passando, juntos deles as semanas sem que eu visse Sarah novamente, eu queria me dar um tempo e repensar direito as coisas, saber o que eu estava sentindo e o que seria daqui pra frente, mas eu não conseguia mais parar de pensar em Sarah. Eu não sei, eu pensava em tudo que houve,  na nossa transa, nos beijos. Sem duvidas me deixava perturbado. E meio que senti falta de tudo aquilo, Sarah era carinhosa e eu senti falta de seu carinho, de uma pele cheirosa de mulher em meus lençóis, em minha cama, no meu corpo.

Paris me  aconselhou procura-la, mas por enquanto eu não tinha força para isso. Mas o desejo que eu tinha por ela aumentava a cada dia e se misturava com a razão de não poder me envolver com uma garota muita mais nova que eu.

Eu estava deitado na minha cama, e a imagem do rosto dela vinha a  tona em minha mente, seu sorriso, seu corpo, seu cheiro invadia minhas narinas e eu não me contive.

-Preciso procura-la, senão vou enlouquecer. _Pensei.

Levantei mais que depressa vesti uma calça e uma camiseta, peguei meu carro e fui parar no apartamento de Sarah. Bati na porta em seguida.

-Michael. _Sussurrou assim que viu que era eu.



-Oi Sarah. Preciso falar com você.

-Entra. _Entrei e ela fechou a porta.

-Sarah, eu me afastei porque.... _Tentei falar e ela me cortou.

-Michael tudo bem ok? Não quero que fique um clima estranho com a gente. Sei que começamos de um jeito inusitado, e nos precipitamos demais. Pode ser que você não queira nada comigo, mas quero que saiba que eu nunca, nunca vou culpa-lo por isso.

-Que tipo de cara acha que eu sou? _Eu não concordava com que ela falava. –Não transei com você por transar. Não te usei pra depois jogar fora, não quis me aliviar e pronto. Bom pode até ser que eu quis me aliviar, mas te usar jamais. Sarah a questão é que de algum jeito eu quis está com você, não sei porque e nem como aconteceu isso, mas eu preciso ser feliz, preciso seguir a diante. Não parei de pensar em você esses dias que ficamos longe e percebi que sinto sua falta de um jeito ou de outro. _Fui bem sincero com ela e seus olhos se enchiam de lágrimas, ela estava emocionada.

-Também senti sua falta. _ Olhava em meus olhos seria.

-Você mexe comigo de um jeito que não sei explicar. _Segurei em suas mãos.

-Você também mexe comigo Michael, desde o dia em que te conheci.. _Uma lágrima saiu de seus olhos.

-Desculpa ter agido como eu agir, eu estava confuso.

-Tudo bem.

-Quero ser feliz. Quando você pediu que eu lhe deixasse me amar eu pensei muito nisso, e quero sim. Quero ser amado, e amar também. Vamos tentar? _Ela me olhava surpresa achei que não ia aceitar por um instante.

-É o que eu mais quero Michael. _Sorri.

Então eu e Sarah nos abraçamos depois nos beijamos suavemente nos lábios, e os beijos tomavam um rumo mais intenso, mas prazeroso, ela beijava super bem o que me deixava completamente louco. Essa garota  mexia comigo de um jeito que eu não sabia como.

Nos agarrávamos fortemente, Sarah deslizava suas mãos nas minhas costas e eu beijava seu pescoço e ia descendo para o colo, seios, barriga. Sarah permanecia com os olhos fechados apenas me sentindo a amando. Então ela desabotoou os botões de minha camisa beijando meu peitoral em seguida arfei tomando os lábios dela em um beijo ardente, eu chupava sua boca, sua língua, só faltava come-la inteira.

Tirei a blusa de seda fininha que ela usava e já fui devorando seus seios. Essa garota me deixava louco, eu não conseguia raciocinar direito.

Tirei meus sapatos e depois minha calça. Levei Sarah pra sua cama e terminei de tirar o resto de nossas roupas. Me deitei sobre ela beijando sua barriga sexy que me deixava extremamente excitado. Depois continuei a beijando nos lábios e ela segurou meus cabelos o conduzindo no mesmo ritmo dos beijos.

Sarah abriu suas pernas para mim e eu segurando em sua coxa a penetrei suavemente. Gemíamos em contato um com o outro e ainda com as mãos em sua coxa eu começava os movimentas pra dentro dela.

-Ahhh, ohhh. _Eu gemia indo mais fundo, mais intenso, mais preciso, mais delicioso.

Sarah tombava sua cabeça para trás me ajudando nos movimentos agarrando meus cabelos. Os ritmos que eram suaves e leves se tonavam frenéticos. Sarah se apertava e meu pênis ficava apertado dentro dela o que aumentava ainda mais o tesão e eu já estava prestes a  gozar, pois não demorou muito e eu o senti em cheio, senti meu líquido se derramando dentro dela, e Sarah se apertava ainda mais gemendo alto chamando meu nome, cravando suas unhas em mim, ela acabava de sentir seu orgasmo também. A beijei, a senti, a amei em meus braços assim que terminamos de fazer amor.



Sarah me fazia sentir sensações maravilhosas que há anos eu não sentia, e então eu acabava de confirmar o que eu já estava pensando esses dias que ficamos separados o quanto eu gostava dela e queria ficar com ela.







Capítulo 10

Michael Jackson


Depois que fizemos amor e tínhamos recuperado nosso folego, sentei na cama encostando minhas costas em um travesseiro na cabeceira da cama e Sarah ficou entre minhas pernas. 

Ergui uma de minhas pernas e Sarah ficou acariciando minhas coxas suavemente. Enquanto eu beijava seu pescoço delicadamente.

- Nunca pensei em me envolver com uma garota tão mais nova que eu. _Falei não acreditando.

-Eu sempre gostei de homens mais velhos, pra mim não é problema, e ainda mais um gato como você. _Sorri.

-Um gato é?

-Ah eu acho! Tão lindo, sexy, você me deixa louca sabia? _Olhava pra mim acarinha ainda mais  minha coxa.

-Você também me deixa louco. Não sei o que me deu de repente fiquei assim caidinho por você. O que você fez comigo heim? Me enfeitiçou? _Dei beijinhos em seus cabelos.

-Você que me enfeitiçou. _Ela sorriu.

–Você tem quantos anos? 18? _Perguntei.

-20 anos.

-É uma menina pra mim, tem idade pra ser minha filha.

-Bom mais não sou sua filha. E você quantos anos tem?

-45. Sou 25 anos mais velho que você.

-Acho que não tem idade pra se amar, ou tem? _Eu ri.

-Hum acho que  não. _Sorrimos.

Beijamos chupando a boca um do outro em um ritmo gostoso e envolvente, eu adorava beija-la.

-Sabe me sinto tão bem, como se um peso saísse de minhas costas. Agora acabei de acreditar no que Paris sempre me alertava. Eu estava morrendo Sarah e você me salvou. Você me fez enxergar que a vida é  muito mais do que ficar fechado dentro de mim. Eu era um homem morto.

-Você é um homem guerreiro Michael, não foi fácil pra você perder a sua mulher do jeito que perdeu, é compreensivo o modo como você viveu. Deve ser dolorido.

-E é... eu não suportava mais aquilo e agora me sinto leve, cheio de vida. Elizabeth foi tudo pra mim, mas ela se foi e tenho que seguir em frente. Tenho certeza que ela está feliz por mim.

-Claro Michael, ela quer te ver feliz. E eu quero te fazer feliz. _Sorri pra ela.

-Também quero te fazer feliz, quero muito. _Sussurrei e voltamos a nos beijar.

Então meu celular toca.

-Ihh deve ser a Paris, preocupada onde eu estou.

-Atende ela amor, deve está mesmo.

Sentei na cama e fui pegando meu celular que estava no bolso da calça espalhada ao chão e atendi.

-Oi filha?

-Onde você está pai?

-Estou no apartamento da Sarah.

-Aê pai garanhão! É isso aê gostoso, continua ai transando com sua mulher. Desculpa atrapalhar ai. _Paris falava divertido, mas não gostei do desrespeito.

- O que é isso menina? Me respeita viu? Ainda sou seu pai.

-Desculpa, desculpa. Já vou desligar. Boa noite pai.

-Rum! Boa noite. _Desligamos.

-Que menina malcriada! _Falei pra Sarah e ela veio me agarrando por trás.

-Ela só quer ver sua felicidade amor.

-E eu estou feliz viu, feliz demais. _Peguei Sarah em meu colo a colocando sentada de frente para mim e assim começamos a nos beijar apaixonadamente.

Eu a tocava constantemente, sentindo a textura do seu corpo nu, pernas, bumbum, em tudo eu tocava aquela mulher, seios, tudo. Sarah se sentou precisamente sobre meu pênis que já estava ereto e começou a se  movimentar freneticamente. O tesão estava tão grande que eu a empurrava pra cima e pra baixo fortemente com minha boca aberta gemendo e sentindo o prazer mais alucinante. Ela me deixa louco, completamente. Não demorou e atingimos o orgasmo juntos. Sarah desabou no meu peito tão molinha, eu acariciava suas costas delicadamente.

-Eu te amo Michael. _Disse no meu ouvido.

-Te amo também Sarah. _Quando falei ela olhou em meus olhos.

-É sério? _Perguntou duvidosa.

-Eu tenho sentindo coisas esses últimos dias que me fazem feliz, só de está ao seu lado eu sei que tudo vai ficar bem. Você é minha tabua de salvação Sarah é meu alicerce para que eu não volte a sofrer mais. Sim eu estou apaixonado, encantado, louco por você. Há anos não sinto tal coisa e eu estou feliz, me sinto vivo de novo. _Sarah me beijou intensamente.

Voltamos a deitar na cama e ficamos um bom tempo namorando, nos acariciando, eu iria dormir com Sarah, eu queria e precisava ficar a  noite toda com ela e foi o que eu fiz.

No dia seguinte acordei com Sarah em cima de mim me beijando sem parar, eu fui acariciando seu bumbum a trazendo cada vez mais pra perto de mim. Parou de beijar minha boca e foi beijando meu peito, pescoço e então olhou para mim.

-Dormiu bem meu amor? _Fiquei inerte olhando para ela.

-Não dormia tão bem assim há anos. _Ela sorriu.

É verdade que eu não dormia bem assim há anos, desde que Elizabeth morreu ,eram só tristeza, choro, pesadelos e mais pesadelos. Dessa vez dormir em paz, sem medo, sem angustia, com certeza de quando acordasse no dia seguinte eu estava em paz.

-Te amo. _Falou. – Não sei mais ficar sem você Michael, estou apaixonada.

-E não vai ficar, estou aqui com você, não se preocupe ok? _Ela assentiu.


Namoramos um tempo mais  na cama e eu já estava a querendo mais uma vez.






Capítulo 11

Sarah Andrews


Aquilo tudo que estava vivendo parecia um sonho, um sonho que eu jamais queria acordar. Como era bom tê-lo comigo, assim tão meu, tão pra mim, eu estava radiante.

O modo como esse homem fazia amor era alucinante ele me deixava viciada, tão experiente, tão homem, tão macho, o meu macho. Ouvir da boca de  Michael que queria ficar comigo era o  que eu mais queria.

Tive medo de que tudo que aconteceu ele nunca mais quisesse me ver, mas foi o completo oposto. Nos desejamos de  um jeito que eu não sabia explicar, essas necessidade de estarmos juntos e sermos um do outro.

Michael há anos não fazia sexo e parecia que ele estava suprindo sua necessidade em mim, não reclamei é claro eu estava adorando demais tudo aquilo.

-Posso tomar um banho? _Pediu.

-Claro pode sim. _Ele sorriu pra mim me deu um beijo sugando a minha boca e depois soltou e foi até o banheiro.

Ele estava nu e eu tive aquela visão maravilhosa do seu bumbum branquinho. Levantei em seguida vestindo um roupão. Ouvir o chuveiro sendo ligado e eu não resisti, eu queria vê-lo tomar banho.

Fiquei no canto da porta o espiando, tão lindo, sexy de costas pra mim, a água lavando seu corpo másculo de homem, seu bumbum avantajado, seus cabelos cumpridos molhados jogados para trás.

Eu estava ficando excitada foi inevitável.

Andei lentamente até o boxe o abrindo em seguida. Michael notou minha presença se virando para mim, nos olhamos  apaixonadamente e eu me desfiz do roupão, Michael segurou minhas mãos e me guiou até ele, nos abraçamos. A água molhou meu corpo o deixando escorregadio em contato com seu. Michael inclinava-se sobre mim em um beijo intenso, foi me encostando-se à parede, levantou uma de minhas pernas e me penetrou. Gritei de tesão ao senti-lo e ele foi cada vez mais intenso e forte, eu pulava sobre ele alucinadamente agarrando seu corpo nu. Senti o gozo na hora, Michael também.

Terminamos o banho e fomos juntos para o quarto sentei em seu colo ainda nos beijávamos constantemente.

-Amor eu te amo. _Sussurrei entre seus lábios.

-Também te amo, te quero, sou louco por você menina. _Voltamos a nos beijar e então ele disse entre  minha boca.

-Preciso ir.

-Ah não já? _Reclamei.

-Já senão não respondo por mim, ficaríamos fazendo amor aqui o dia inteiro.

-Hum que maravilha. _Falei maliciosamente ele riu.

-É sério Sarah você acabou com minhas forças preciso ir. Depois eu volto.

-Promete? _Foi atá minha boca e sussurrou entre meus lábios.

-Prometo.

Levantei do colo de Michael  ele foi se vestindo eu só o observava, então levei ele até a porta demos um longo beijo e ele foi embora. Quando fechei a porta me encostei lá sorrindo de orelha a orelha, de tanta felicidade.  Coloquei minhas mãos no rosto e gritei de alegria.






Capítulo 12

Sarah Andrews

Tomei mais um banho e me arrumei pra faculdade, quando cheguei lá encontrei Paris como sempre ela estava animada demais pra saber tudo que aconteceu.

-Ai meu Deus Sarah você e meu pai? Nunca imaginei isso na vida. Mas estou feliz caramba, até que em fim você colocou juízo na cabeça daquele homem. _Falava animada.

-Na verdade eu não fiz nada Paris ele mesmo se deu conta e sabe eu que estou feliz. Desde que vi seu pai eu sei lá fiquei encantada por ele.

-Meu pai é um encanto mesmo. Mas você precisava ver a cara dele, sorrindo o tempo todo, acho que o coroa está feliz viu. _Sorri radiante.

-E eu nem se fala Paris, estou apaixonada pelo seu pai completamente.

-Ownn! Pera ai mais agora você é o que minha? Minha madrasta? _Falou divertida e chocada ao mesmo tempo, eu só ria. –Oh my God, você é minha madrasta Sarah. _Riamos.

-Mas sou madrasta do bem viu. _Avisava também divertida.

-Ah isso sem duvidas.

E assim fomos até a sala rindo e falando besteiras.

-Ah Sarah papai quer que você almoce com a gente hoje ok? _Falou Paris me cutucando no  meio da aula.

-Ah ok. _Sorri feliz.


E assim a aula transcorreu super bem e quando terminou fomos juntas para a casa do meu  amor. Ele estava lindo me esperando de braços abertos no meio da sala.

 Demos um beijo longo em seguida.

-Como você está meu amor? _Falou carinhosamente.

-Melhor impossível.

O almoço estava servido e sentamos a  mesa todos juntos e eu e Michael do lado um do outro, dando beijinhos e carinhos e Paris tirando sarro da gente, dizendo o quanto éramos lindos um com o outro.

Depois do almoço fomos até o jardim estava um clima lindo, ensolarado perfeito. Então vi um campo de golfe que  nunca vi antes.

-Isso ai é um campo de golfe? _Perguntei a Michael.

-É sim. Sabe jogar? _Perguntou.

-Não de jeito nenhum.

-Te ensino quer aprender? _Sorri meia duvidosa. –Vem vamos te ensino. _Michael saiu me puxando e eu fui acompanhando ele.

Michael me deu o taco e as bolas me orientou o que eu deveria fazer e como eu deveria  fazer.

-Você tem que da um pequeno “tapa” na bola com o taco e assim ele cair no buraco. Assim olha. _Ele me mostrou fazendo.

Então fui tentar, quando fiz a bola passou longe do buraco.

-Não é assim meu amor, é mais leve assim. _Ele fez de novo, mas a bola também não caiu dessa vez então ele foi até lá e empurrou pra dentro com o pé.

-Ele está roubando Sarah não deixa não. É muito malandro esse meu pai. _ Paris o entregava astutamente.

-Ah sei estou roubando você que sempre rouba mocinha, estou explicando como se faz. _Se explicou eu ria com as provocação doas dois.

-Ai meu Deus estou cercada de ladrões de jogo? _Falei divertida. –Amor você tá roubando é isso?

-Não deixa Sarah. _Paris gritava. _Michael ria e eu fui até ele fazer cocegas.

-Tá roubando é tá roubando? _Continuava a fazer cocegas ele ria já caído ao chão.

Paris veio até  nós e me ajudou a atacar seu pai, com cocegas e mais cocegas. Estava um clima agradável de diversão e felicidade. Michael sorria lindo com aquele sorriso maravilhoso dele.

Mais tarde um pouco Paris entrou e eu e Michael continuávamos andando de mãos dada pelos jardins da casa.

-Você é linda! _Falou me olhando ternamente.

-Ah que isso Michael, você é que é. _Ele sorriu divinamente, era incrível como aquele sorriso dele me desconsertava.

Ele veio até mim em um beijo suave mais ao mesmo tempo intenso, divino, delicioso. Ele agarrava minha cintura e meus braços envolta de seu pescoço. Eu adorava beija-lo e senti-lo assim tão perto de mim.

-Não consigo  mais tirar você da cabeça, não consigo nem ficar mais longe de você. Eu quero você Sarah, preciso de você. _Sorri com meus olhos brilhando.

-Eu te amo Michael.

-Eu também! _Sussurrou próximo a minha boca e nos beijamos mais uma vez.

Sem duvidas estávamos apaixonados um pelo outro. Michael despertava sensações maravilhosas em mim. Eu o queria para mim pra sempre.



Capítulo 13

Michael Jackson

Sarah me fazia sentir sensações incríveis quando estava comigo, não sei mais de repente me senti tão bem perto dela, tão feliz novamente.

-Nossa que sorriso lindo pai! Está assim por causa da Sarah? _Perguntou Paris quando deixei Sarah em casa e entrei na minha sorrindo.

-É filha, estou radiante... Sabe... É como viver de novo.

-Adoro meu pai assim tão feliz era tudo que eu queria ver de novo. Ver você brincando lá no campo de golfe daquele jeito me fez lembrar quando eu era criança e a gente brincava feliz com a mamãe. _Me emocionei.

-Está com você e sua mãe era tudo pra mim, meu mundo era vocês duas. Depois que ela se foi eu... Eu perdi meu chão, meu rumo. Achei que nunca mais iria me reerguer.

-É, mas a Sarah está aqui pra te reerguer de novo, e eu tenho certeza pai que se ela está conseguindo arrancar sorrisos assim de você, já é um passo pra sua felicidade.

-E eu quero Paris, quero muito. Quero voltar à vida. E Sarah é minha chance.

-Você vai paizinho. _Paris saiu de onde estava e me deu um abraço bem forte e uns beijos rápidos e estalados na cabeça, sorri feliz.

Depois de um tempo subi ao meu quarto e fui me deitar, as lembranças dos momentos que tive com Sarah vinham em minha mente o tempo todo, ela mexia comigo e isso era fato.

(...)

No dia seguinte à noite Sarah veio até em casa para podemos está juntos e então resolvemos assistir um filme. Sarah e eu sentados abraçados no sofá e Paris deitada no tapete, comíamos pipoca e apreciávamos o filme. Quando ele finalmente acabou Paris se recolheu.

-Vou deixar os pombinhos namorando em paz ai. _Disse ela se levantando e já saindo.

-Obrigado mocinha. _Disse eu.

Quando Paris subiu já tratei de começar os beijos com Sarah, ela com uma de suas pernas sobre meu colo eu ia acariciando subindo e descendo bem de vagar. Sarah usava um short curto e dava perfeitamente para tocar em sua pele macia que me deixava louco.

Fui a deitando ao sofá indo por cima dela, Sarah abriu as pernas para eu poder me acomodar perfeitamente ali. Por baixo da minha camisa Sarah iniciava caricias em minhas costas.

-Você é linda, perfeita. _Falei olhando em seus olhos.

-E você nem se fale Michael, tão lindo, tão perfeito. _Sorri e voltamos a nos beijar.

Beijei seu pescoço, ventre, barriga e tudo que eu encontrava para beijar. Mas eu quis levar Sarah a um lugar especial ao qual eu não ia há anos.

-Vem quero te mostrar uma coisa. _Me levantei e ela ficou confusa.

-Pra onde?

-Não faz perguntas menina e me acompanhe. _Mesmo sem entender nada ela veio me acompanhando.

Fomos até lá fora na lateral da casa, tinha uma escada fixa na parede.

-Sobe aqui. _Pedi.

-Mas Michael onde estamos indo?_ Estava curiosa.

-Sobe quando chegar lá você vai ver. _Sarah foi subindo e eu fui atrás dela.

Quando chegamos ao último degrau estávamos no telhado da casa, era um lugar que eu mais gostava de ir. Pra pensar, relaxar e tudo mais.

-Eu adoro esse lugar. _falei pra ela olhando a vista.

-É lindo Michael! _Disse admirada e eu sorri por ela ter gostando. Fui me sentando e ela se sentou entre minhas pernas aconchegando em meu peito.

-Há anos não vinha aqui, desde que a.... _Não completei.

-Sua mulher morreu? _Completou ela.

-É. Eu vinha sempre aqui com ela, esse lugar me trazem muitas lembranças maravilhosas.

-Ela era especial demais pra você não é? Você tem alguma foto dela?

-Tenho várias quer ver uma, tenho aqui na minha carteira.

-Quero ver sim.


Tirei a foto de Elizabeth da carteira e  mostrei a Sarah.

-Nossa como ela era linda! _Falou admirada sorri.

-É ela era linda mesmo.

-Parece com a Paris.

-E muito.

-Você tão acostumado com uma mulher tão linda dessa não sei como está com uma menina como eu. _Se menosprezou triste e eu não gostei nada.

-Ei, ei, ei. Para com isso você é linda Sarah, linda demais.

-Michael sabe é que o modo como ficamos juntos Paris sempre me disse o quanto você amava sua mulher e assim tão de repente você....

-Sarah olha pra mim? _Ela olhou com os olhos marejados e inseguros. –Elizabeth era sim a mulher que eu mais amava na vida, e depois que ela se foi eu achei que  nunca mais iria me apaixonar por outra mulher, mas quando eu te conheci, quando ficamos juntos eu não conseguia mais pensar em outra coisa a não ser você, seus beijos seus carinhos e de tanto pensar, percebi que a vida continua e eu não posso parar no tempo, não posso viver de passado. Elizabeth vai ser eterna na minha vida e no coração, mas você está aqui comigo agora e é com você que quero prosseguir.... Sei que você é nova pra mim, mas se você quiser eu quero.

-Eu quero Michael, estou muito apaixonada por você. _Falou carinhosamente.

-E eu também minha menina, também estou.

Segurei em seu rosto depositando em seus lábios um beijo suave, terno, que depois foram ficando mais intenso e cheio de desejos.

Depois levei Sarah para minha cama e fizemos amor sentados e agarradinhos um no outro. O tremor e o suor de nossos corpos indicava que acabávamos de ter o orgasmo mais delicioso do mundo. Sarah beijava meu peito enquanto a acarinhava seu corpo lentamente.
Já calmos permanecemos como estávamos e não parávamos de nos beijar. Eu beijava o pescoço de Sarah delicadamente, com amor, paixão, cuidado, carinho. Então foi inevitável falar o que eu desejava.

-Sarah casa-se comigo? _Sarah me olhou incrédula e espantosa.

-O que?

-Eu já sou um homem maduro, não tenho mais idade pra namoros, o modo como estamos não está certo pra mim, pode parecer caretísmo, mas pra mim é muito importante.

-Isso é verdade? _Não acreditava.

-Sim claro se quiser.

-Eu quero. _Falou de imediato e eu não acreditei.

-Você quer? Quer meu amor? _Fiquei tão feliz que a enchi de beijinhos.

-Quero, quero. _Ela me enchia de beijos também e deitei na cama indo com ela.

Nos abraçávamos e riamos de tudo que fazíamos. Sarah havia aceitado meu pedido de casamento, e eu não poderia está mais feliz que isso. Uma menina tão nova aceitando um pedido de casamento de um coroa pra mim era o momento mais feliz. Eu estava pronto para me casar de novo, eu estava pronto pra vida.





Capítulo 14

Sarah Andrews

Meu Deus eu estava vivendo um sonho só poderia ser, aquilo não era verdade. Primeiro consigo entrar na faculdade que eu sempre sonhei em entrar, me mudo pra cidade mais bela do mundo, depois conheço o pai da minha amiga pelo qual fico completamente desconsertada, me envolvo com ele de uma forma inusitada, ele se apaixona por mim e agora me pede em casamento? Eu não poderia ser mais feliz.

Eu sei o tamanho da dificuldade que Michael havia enfrentado esses anos, mas finalmente os olhos dele foram abertos ele estava sim querendo ter uma vida nova, e ao meu lado. Eu me apaixonava cada vez mais por ele.

Quando Paris ficou sabendo ela simplesmente enlouqueceu de felicidade, era incrível como ela torcia pela felicidade do pai tão abertamente assim, eu admirava muito isso nela.

-Oh meu Deus agora sim que você vai ser minha madrasta Sarah! _Ria feliz e eu também sorria.

Não demorou muito e Michael fez questão de arrumar logo os preparativos do nosso casamento. Liguei para meus pais contando-lhes a boa nova, eles ficaram meio receosos por Michael ser exatos 24 anos mais velho que eu, mas se eu estava feliz eles também estavam.
E no dia marcado todos combinaram de está em meu casamento.

Michael era atento e interessado por cada detalhe do casamente, enquanto eu e Paris fazíamos compras de vestido, acertávamos o bufê e tudo, ele se preocupava com a organização.

Sempre estávamos juntos nas escolhas de tudo, ele fazia questão de está ao meu lado o que me deixava ainda mais encantada por ele. Homens em geral não se preocupam com isso, mas Michael era o completo oposto o que fazia de mim a mulher mais sortuda do mundo.

Finalmente estava tudo pronto para nosso casamento e já chegava o dia em que eu e Michael subiríamos ao altar montado no jardim da casa. Era o que eu queria por achar aquele lugar maravilhoso, a  natureza e  ver tudo verde e cheio de vida me fazia sentir que aquele era o lugar perfeito pra casarmos.

Michael fez questão que eu usasse vestido todo branco, ele dizia que por eu ser nova e ainda ter fantasia como todas as meninas ele fazia questão que estivesse como eu queria. Como se eu ligasse pra isso, mas ele fez questão então...

-Ai meu Deus Sarah como você está linda! _Disse Paris adentrando um camarim montado na lateral da casa para mim.


-Obrigada amiga! _Falei sorrindo uma lagrima escorreu de meus olhos.



Paris veio me abraçar e eu me emocionei muito, eu estava vivendo um sonho.

-Não chore, vai borrar sua maquiagem. _Me alertou e eu tratei de enxuga-las.

-Meu pai está lindo lá fora te esperando, e seus pais também chegaram.

-Já? Ai meu Deus que saudade! _Quando falei a porta bateu e Paris correu para atender.

Eram eles, meus pais ali adentrando e eu não consegui me conter, corri para um abraço apertado e cheio de saudades. Paris saiu nos deixando a sós.

-Oh minha filhinha! Estou tão feliz. Tem certeza que é o que você quer. _Disse minha mãe.

-É mãe, sei que foi tudo tão rápido, mas eu o amo e quero sim está com ele.

-Ele é tão bonito! O vi lá fora, está ansioso. _Sorri.

-Ele é  mesmo lindo. Conversou com ele?

-Sim conversamos ele é tão educado! _Me orgulhei.

-Ele é perfeito mãe.

-Minha menininha virando uma mulher, estou tão orgulhoso filha. _Disse meu pai acarinhando meu rosto, me emocionei mais.

-Não largue os estudos ouviu? _Alertou.

-Jamais paizinho, o Michael não permitiria e eu também não quero. Eu adoro tudo isso e vou seguir meu sonho mesmo casada com ele.

-Tão nova e já casando filha, tem mesmo certeza? _Insistiu minha mãe.

-Tenho mãe, me apaixonei por ele e quero demais ficar ao seu lado, eu sei que minha vida é ao seu lado então é o que eu quero.

-Você merece toda a felicidade do mundo. _Nos abraçamos todos juntos.
Paris voltou dizendo que já estava na hora de entrar e então terminando os últimos retoques em minha maquiagem foi até o jardim, onde haviam alguns convidados e Michael andando de um lado para o outro.

Segurei no braço de meu pai e com a marcha nupcial comecei a andar no tapete vermelho em direção a homem da minha vida que estava belíssimo me esperando do outro lado da passarela.

Emocionada em fim cheguei perto dele. Michael cumprimentou meu pai que disse um “cuida bem na da minha filha” e ele um “pode deixar” e de mãos dadas nos aproximamos do altar.

A cerimonia transcorria bem e emocionante, eu e Michael não parávamos de olhar e  sorri um para o outro ouvindo cada palavra do pastor. Paris ao lado sorria e tirava fotos.

Em fim eu e Michael trocamos as alianças, ele beijou minha mão em seguida.

-Sarah hoje não poderia ser menos que o dia mais feliz da minha vida, finalmente depois de anos, pude enxergar o verdadeiro sentido da vida e foi você me fez enxerga-lo. _Falava seus votos. – Quero você ao meu lado, hoje, amanha e sempre, e te prometo fazer a mulher mais feliz do mundo, como você tem feito esses meses que ficamos juntos. Eu te amo meu amor. _Essa hora eu já estava sorrindo boba com lágrimas em meus olhos.

-Michael eu te amo, e hoje também está sendo o dia mais feliz da minha vida, você se tornou o homem que eu sempre quis ter e sempre sonhei. Estou feliz demais e também espero te fazer feliz pra sempre. _Michael beijou suavemente meus lábios e o pastor nos declarou marido e mulher.

Eu era em fim sua mulher oficialmente.

(...)

A festa do casamento estava animadíssima, todos dançavam, sorriam se divertiam. E eu até então não fazia ideia de onde seria nossa lua-de-mel. Michael estava querendo que fosse surpresa me deixando ansiosa.

-Amor onde vamos? _Eu pedia que me falasse insistentemente.

-Ainda não minha menina já, já você vai  ver tenho certeza que vai amar. Ficáramos apenas esse final de semana por causa da sua faculdade, mas será o final de semana perfeito para nós pode ter certeza.

-Eu tenho total certeza amor, com você ao meu lado tudo é tão perfeito. –Ele riu próximo aos meus lábios.

-Minha mulher! _Sussurrou me beijando em seguida.

Mais ou menos duas horas depois do casamento, depois que eu joguei o buquê e Paris agarrou empolgada finalmente eu e Michael saímos em lua-de –mel e minha ansiedade estava prestes a acabar.

Michael deu algumas recomendações a Paris, pois ela ficaria sozinha em casa, apenas com os empregados e eles discutiram, pois Michael tratava Paris como criança e ela detestava isso. Eu achava engraçada a briga deles, porque era mais divertida do que algo sério de fato.
Pegamos uma limusine e em fim estávamos a sós pegando uma estrada a qual eu não sabia onde iria dar.

Eu olhava ao redor e a limusine parou em um cás a beira mar, não entendi bem.

-Passaremos  nossa lua-de-mel ali olha. _Apontou Michael em direção ao mar e eu pude ver um iate enorme e luxuoso totalmente iluminado a nossa espera.

-Hã! Michael é incrível! _Falei deslumbrada.

-Eu sabia que iria gostar.

Michael desceu do carro e me ajudou a me levantar. Chegamos de mãos dadas até o iate e quanto mais entravamos, mais encantada eu ficava.

Michael me mostrava absolutamente tudo ali dentro e depois pediu que partissem.
Estava uma noite linda e maravilhosa, eu e Michael estávamos felizes da vida e não era pra menos, estávamos casados e completamente apaixonados um pelo outro.




Capítulo 15

Sarah Andrews

Michael foi me levando para conhecer o quarto do casal e assim que ele abriu a porta pude ver a coisa mais linda do mundo.

-Oh meu Deus Michael, que lindo! _Era a coisa mais romântica que eu via na vida.

-É tudo pra você  minha linda, quero fazer desse dia o mais feliz para ambos. _Beijou minha mão.

-Está sendo Michael, desde o momento que falamos sim um para o outro. _Nos beijamos.

Depois Michael foi até um balde onde tinha champanhe e duas taças, ele chaqualhou, chaqualhou e então abriu fazendo um estouro, aplaudi feliz em seguida. Ele encheu a taça de uma quantidade adequada e me serviu e depois fez o mesmo pra ele.

Sentados na cama entrelaçamos nossos braços e degustamos o champanhe, Michael sorria lindamente  para mim.

-Você é tão romântico amor! _Constatei inerte.

-Serei o que você quiser que eu seja. Tudo por você e pra você. _Emocionada e radiante pelas palavras dele  o beijei apaixonadamente.

Os beijos ficavam mais intensos, nossas línguas se sincronizavam em uma bela dança e junto delas as caricias mais constantes, o carinho mais suave, e a paixão ardendo.

-Te amo. _Disse quando em fim paramos para tomar um ar.

-Eu também te amo. _Acariciei seu rosto. –Preciso trocar de roupa amor. _ Eu ainda usava meu vestido de noiva.

-Pode ir até o closet tem uma roupa em cima do sofá a qual eu quero que use essa noite.

-Você preparou até isso foi mocinho?

-Preparei absolutamente tudo pra ser perfeito. _Dei mais um beijo nele. –Pode ir princesa estarei te esperando aqui.

-Já volto.

Me levantei seguindo até o closet e encontrei a roupas que Michael queria que eu usasse, não era nenhuma roupa e sim uma lingerie sexy que ele mesmo escolheu.

Me vesti e fui até ele que me olhava hipnotizado. Ele já havia se desfeito do terno que usava e estava com a uma camiseta branca e cueca samba canção de seca azul.

-Nossa Michael ela é linda! Como descobriu que lilás e minha cor favorita?

-Paris me disse e eu fiz questão de escolher a melhor para essa noite. E nossa acertei em cheio você ficou maravilhosa. _Ele veio até mim e nos beijamos.

Michael adentrou suas mãos por baixo na camisola e foi subindo tocando em meu corpo inteiro.

-Você é tão perfeita meu amor. _Disse com os lábios melados pelos beijos que demos.

Ele continuava as caricias ali e eu me afastei dele um pouco, tirei a camisola ficando somente de calcinha, cobri meus seios o olhando lateralmente.



-Uau, você é tão gostosa! _Michael estava hipnotizado, seus olhos brilhavam e eu já percebi um certo volume no meu de suas pernas. Ele estava excitado e eu nem sei fale.

Michael veio até mim com um certo desespero me agarrando, me beijando ferozmente tocando em meu corpo , passando suas mãos pesadas em meus seios que estava com os bicos rígidos e arrepiados com os toques daquele homem maravilhoso.

Tirei sua camisa com muita urgência acariciando e beijando seu peitoral. Michael tirou sua cueca e eu já tinha a visão perfeita de seu pênis ereto, em pé e pronto para mim.

Ele me pegou no colo e me jogou na cama em meios às pétalas de rosas espalhadas, me olhando apaixonadamente tirou minha calcinha me deixando nua para ele.

Com minhas pernas abertas Michael entrou no meio delas beijando meu ventre, acariciando meus seios e depois começou a beijar minha intimidade que estava totalmente livre e encharcada a sua espera. Michael enterrava sua língua ali com movimentos profundos, precisos, eu não conseguia me conter, eu apertava os lençóis com força, me contorcia e  meus olhos fechados, cenho estreito sentido a melhor sensação do mundo. Eu estava lubridiada com as sensações, ele me levava a loucura.

Michael voltou fazendo o caminho de volta para minha boca, e eu o aconcheguei em meus braços. Completamente excitada pelo que ele fazia na minha intimidade a poucos minutos e não terminou eu ansiava pelo seu pênis e finalmente entrou duro em mim.

-Humm, aaiiiii. _Eu me deliciava o sentindo.

Michael movimentou pra cima e pra baixo, forte, com ritmos acelerados, ele também gemia. O prendi forte com minhas pernas sobre meu corpo e ajudando nos  movimentos.

Como aquele homem era perfeito, delicioso, eu simplesmente o queria cada vez mais dentro de mim, cada vez mais fundo e com mais movimentos.

Trocamos de posição eu estava em cima dele e comecei a rebolar em seu pênis enquanto ele segurava firme em minhas coxas, eu pulava e rebolava o mesmo tempo o barulho dos nossos corpos em contato com o outro podiam ser ouvidos.

Michael fazia uma carinha linda fazemos amor comigo. Deitei meu corpo no seu sem parar os movimentos, Michael abraçou minhas costas e então ele veio em cheio. Apertei meus olhos fortemente sentindo a melhor sensação do mundo comprimindo minha vagina envolta de seu pênis dentro de mim para durar ainda  mais a sensação. Michael também explodia de prazer pela minha reação.

Tremíamos e suávamos, haviam pétalas de rosas grudadas em nossos corpos eu deitei em seu peito, tranquila, em paz, satisfeita. Michael acariciava meus cabelos também satisfeito.







Capítulo 16

Michael Jackson

Sem sombra de duvidas eu estava muito feliz, Sarah me deixava assim, eu me sentia seguro ao lado dela era algo maravilhoso para mim.

Preparei nossa lua-de-mel com muito carinho e amor para que ela tivesse a melhor  noite possível e eu acertei quando eu olhava aqueles olhos de satisfação de minha menina, olhos mais lindos que já vi.

Dormimos tranquilos a noite inteira e quando amanheceu Sarah estava linda me olhando e quando percebeu que eu abri meus olhos veio mais que de pressa me beijar. Coloquei minha menina sobre  meu corpo e a beijei como nunca havia beijado antes. Nossos olhos se encontraram.

-Vamos tomar café minha menina? Estou faminto.

-Vamos eu também estou demais. Mas antes vou tomar um banho.

-Ok e veste um biquíni tomaremos banho na piscina do iate, ok?

-Está bem meu amor.

Sarah foi tomar banho enquanto eu fui buscar nosso café da manhã depois de me vestir uma cueca e por cima um roupão branco.

Os funcionários contratados por mim arrumou tudo a mesa em perfeita ordem, havia muita fruta e suco, era uma verdadeira fartura para nosso primeiro dia de casado.

-Uau! Quanta coisa! _Admirou-se olhando a mesa posta.

-Tudo pra você meu amor. _Se aproximou sentando-se ela usava um biquíni bem sexy.

Começamos a nos servir e apreciar e belo café da manhã, estávamos bem famintos e então a convidei para se sentar em meu colo. Não fazíamos outra coisa que não fosse se beijar, colocar comida na boca um do outro, beijar mais, tomar o morango da boca um do outro e assim se deu nosso café , regados a carinho e muito, mais muito amor.

Depois que terminamos o café fomos até a polpa do iate, era um lugar particular, não dava pra nos ver quem controlava o iate era totalmente privado um bom lugar para estarmos mais a vontade.

-Ai que  lugar maravilhoso Michael. Ficar aqui sentindo esse sol maravilhoso com  meu marido maravilhoso. _Fui até ela a envolvendo em meus braços.

-Te amo sabia? _Falei rente ao seu ouvindo.

-Te amo mais. _ A virei para mim com uma certa força e a puxei pra um beijo, ela gritou de leve e aproveitou o beijo que dávamos.

Sentamos ao chão do iate apreciando a vista maravilhosa, Sarah entre laçou suas pernas a minha e abraçados começamos a nos beijar novamente, chupei sua boca avidamente, enquanto eu sentia umas mãozinhas pequenas e aveludadas alisando meu corpo, arfei.

-Amor faz top less pra mim faz? _Falei manhoso.

-Seu bobo. _Disse risonha e eu beijei em seus olhos.

Então ela levou suas mãos ao cordão do biquíni e desatou o nó tirando em seguida. Toquem em seus seios delicadamente beijando sua boca.

-Maravilhosa! _Sussurrei.

-Passa bronzeador nas minhas costas amor? _Pegou o vidro do bronzeador e me deu.

Abri colocando uma quantidade adequada em minhas mãos e comecei a massagear suas costas com muito carinho, depois em seus seios levemente, eu sentia aqueles belos seios quentes em minhas mãos e ela somente sentia com os olhos  fechados, percebi que eu estava excitando, pois eu estava do mesmo jeito.

Tomei os lábios de Sarah para mim e deitei sobre ela, abriu as pernas para que eu pudesse me acomodar e iniciamos carias e mais caricias.

Sarah agora deitou sobre mim e beijava meu peitoral, eu sentia aquela boquinha pequena chupar e mordeu ao mesmo tempo meu peito e barriga. Oh Deus como era delicioso, excitante, me tirava do sério. Voltou a beijar minha boca.

Eu já estava louco para possui-la ali, pra  fazer amor loucamente com ela, e ouvi-la gemer para mim desesperadamente.

Mas pelo meu desespero ela parou que fazia.

-O que foi? _Perguntei.

-Amor acho melhor aqui não. _Chateei.

-Tá bom então. _Falei vencido.


Sarah vestiu seu biquíni e aproveitamos a piscina que estava maravilhosa. O dia foi maravilhoso para ambos, eu estava completamente feliz ao lado de minha mulher.





Capítulo 17

Michael Jackson

Logo mais a noite pedi que Sarah vestisse adequadamente um vestido de gala, pois mandei prepararmo-nos um belo jantar a luz da lua na proa do iate.

Sarah entrou no closet e vestiu-se das roupas que eu também preparei para ela. Como eu já disse preparei completamente tudo para que nossa lua-de-mel fosse perfeita. E os trajes não eram diferente.

Eu já estava pronto a sua espera. Completamente ansioso.



Eu estava distraído olhando pela janela do quarto o mar mais lindo e fascinante a minha vista quando ouço um pigarro suave chamando minha atenção. Me viro lentamente para olha-la. E me deslumbrei.



-Uau! Está maravilhosa meu amor. _Eu a olhava inerte, sério, maravilhado com tamanha beleza.

-E você nem se fale, está lindo, charmoso como sempre foi. _Veio até mim e depositou um beijo leve em meus lábios.

Dobrei o braço o a oferecendo para que ele segurasse, Sarah sorrindo enfiou sua mão e juntos seguimos até a parte exterior do iate.

A mesa estava posta para nós e eu imediatamente puxei a cadeira para minha dama.

-Senhorita! _Sorri arqueando a sobrancelha para que ela se sentasse mostrando meu cavalheirismo para ela. Sou um homem antigo e gosto de formalidade as vezes e de ser romântico com a mulher que me agrada no caso Sarah. Ela maneou a cabeça em um cumprimento e se sentou.

Me sentei em seguida dando sinal aos garçons que estavam parados um pouco afastado de nós, imediatamente nos serviu.

-Lagosta, com frutos do mar, já que estamos em meio ao mar aberto decidi que seria um ótimo prato, além de ser uma delicia.

-Ótima escolha meu amor, estou amando tudo isso. Você realmente tem um bom gosto.

-Nunca parou pra pensar que esse bom gosto não se dá por eu está com uma bela mulher ao meu lado? _Arqueei a sobrancelha e ela sorriu tímida, ela me deixava louco quando fica assim.

Nosso jantar foi o melhor possível recados a carinhos, beijos, toques e tudo quanto era direito, eu estava em completa paz ao lado de Sarah, volto a repetir em anos nunca me senti tão feliz como eu estava naquele  momento realmente Sarah me trouxe a vida como eu nunca imaginava voltar.

Em questão de segundos começaram os fogos de artificio ao céu estrelado, Sarah se maravilhava olhando tudo, providenciei esse detalhe também.

Logo ao céu com cores e formas maravilhosas os fogos de artificio escreviam nossos nomes juntos ao céu negro pela noite.

-Ai meu Deus que lindo Michael! _Seus olhos irradiavam admiração. –Foi ideia sua também?

-Os fogos sim, mas os nomes, foi Paris que teve a ideia. _Confessei.

-Ela é um amor.

Continuávamos a ver a beleza no céu abraçados.

Após nosso jantar voltamos ao nosso quarto trocamos de roupa nos vestindo levemente. Sarah deitava a cama enquanto eu dei uma rápida ligada para Paris pra saber como estava tudo lá em casa e principalmente pra saber o que aquela mocinha estava aprontando. E assim voltei para a cama me sentando na mesma.

-E ai como está tudo lá? _Perguntou minha amada vindo atrás de mim depositando um beijo em minha nuca.

-Está ótimo, Paris está se comportando bem, assim espero. _Sarah riu sentando em meu colo e agarrando meu pescoço pronta para um beijo intenso.

-Te amo. _Falou ternamente olhando em meus olhos próxima aos meus lábios.

-Eu também te amo meu amor.

Voltamos a nos beijar mais intensamente, minha boca tomava a dela em uma necessidade extrema, nossas línguas se uniam ao desejo e ambos chupávamos a boca um do outro.

Desabotoei  a blusinha que ela usava expondo seus seios para mim, não tirei sua blusa por completo apenas enfiei minhas mãos por dentro e comecei uma caricia em sua costas, voltando e pousando minhas mãos em seus seios, Sarah arfou com meus toques e eu me excitei por deixa-la dessa forma. Continuei as caricias em seus seios ainda a beijando.

Em um momento que paramos o beijo Sarah começou a beijar meu pescoço deliciosamente me deixando cada vez mais excitado, alucinado pelo corpo dela. Tirei minhas mãos o seus seios indo para suas coxas, bumbum aumentando as caricias a trazendo cada vez mais pra perto do meu corpo. Sarah gemia aos meus ouvidos eu sorria satisfeito.

Agora sim tirei sua blusa completamente jogando em qualquer lugar, Sarah tirou minha blusa passando aquelas mãozinhas em meu peito não resisti joguei Sarah na cama indo por cima dela acariciando seu corpo chupando sua boca, tirando seu short com uma única mão, Sarah me ajudava passando uma perna a outra.

Meus gemidos em sua boca já eram intensos e tratei logo de tirar minha calça moletom que eu usava.

Sarah abriu suas pernas para mim me provendo de uma visão nítida da intimidade da minha  mulher. Meu tesão aumentava a visão de uma intimidade pequena e tão rosada. Não pensei duas vezes e a penetrei. Sarah se contraiu e gemeu com o sensação dos contados entre nossos sexos. E me levou abraça-la enquanto eu movimentava com maestria dentro de minha mulher.

Sarah gemendo entre nossos lábios envolveu suas pernas ao meu corpo eu entrava cada vez mais e mais fundo e mais intenso.

Os olhos de Sarah permaneciam fechados e sua feição era de prazer, eu me deliciava com o que eu proporcionava para ela enquanto eu sentia quente a molhada para mim.

-Oh God como é gostoso! _Eu falava em seu ouvido.

Sarah se pôs sobre mim e esfregava em meu corpo rebolando com intensidade. Levei minhas mãos ao seu corpo nu, subindo seus seios e voltando para seu bumbum ajudando os movimentos.

-Oh Michael! _Falava alto tomada pelo prazer e isso era combustível para eu enfiar cada vez mais.

-Isso fala meu nome meu amor, diz o quanto está gostoso pra você, fala gostosa!

-Oh Michael, eu vou... _Antes mesmo de Sarah completar eu já sentia contrair sua vagina em meu pênis e seu líquido quente.

A sentindo assim gozei junto a apertando em mim meu líquido jorrou dentro dela.
Sarah descansou seu corpo cansado em meu peito ofegante,  e eu beijava sua testa a protegendo em meus braços.

(...)

Estávamos descansados e deitados um de frente para o outro Sarah acarinhava meus cabelos tirando alguns fios que insistiam em cair em meu olho.

-Nunca imaginei está aqui com você. Na verdade nunca imaginei me casar com você Michael. _Estava incrédula, mas feliz.

-Foi tão de repente  não é mesmo? _Falei de um modo que talvez a deixou insegura.

-Está arrependido? _Seu olhar era temeroso e de imediato respondi.

-Não, não nunca Sarah nunca me arrependi de nada que fiz na minha vida, muito menos ter casado com você. Você é mais nova que eu e isso as vezes me deixa um pouco inseguro, mas em relação a como você possa se sentir e não em relação ao que eu sinto. Estou feliz.

-Não precisa se sentir assim eu te amo Michael desde a primeira vez que eu te vi e eu nunca, nunca vou me arrepender de está aqui assim com você. _Me abraçou apertado e meus olhos se fecharam sentindo o carinho dela.

-Só tenho medo por você ser tão jovem e está envolvida com um homem velho que nem eu. Tenho medo de você se sentir presa a mim e não poder viver as coisas que meninas da sua idade vive. _Meu olhar também ficou temoroso, Deus sabe o quanto foi difícil pra mim falar de uma vez o que eu já estava sentindo.

-Shiiii! Tudo que eu tiver que vive será ao seu lado meu amor. Minha vida não tem mais nenhum sentido longe de  você. Está bem? Não pense mais assim. Você não é um homem velho, você é o homem que eu amo. _Me senti aliviado pelas palavras dela a segurança voltou ao meu ser e eu pude respirar em paz e então nos beijamos.

Sarah dormiu linda ao meu peito, tão tranquila e serena, mas eu estava sem sono, meus pensamentos passavam em minha vida, e o medo e insegurança de está com uma menina com idade de ser minha filha aumentou assim tão de repente e derradeiramente.

No dia seguinte já estava na hora de voltarmos da nossa lua-de-mel, pois já era domingo e Sarah precisava ir a faculdade no dia seguinte.

Quando chegamos Paris tinha um cartaz enorme na sala nos dando boas vindas e escrito recém casados. Era uma festa.




Capítulo 18

Sarah Andrews

Não existia na face  da terra uma mulher mais feliz que eu, porque eu estava, estava demais. Michael em questão de segundos me tornou a mulher mais completa desse mundo.

Finalmente eu era a Sra Jackson eu tinha o nome dele gravado em meu RG e em minha alma, eu carregava o sobrenome Jackson.

Quando voltamos pra casa depois de um final de semana repleto de alegrias Paris nos recebia feliz com um cartaz enorme de boas vindas.
Sorrimos e nos abraçamos grupalmente.

Michael subiu com as nossas coisas para o quarto e eu fui para o de Paris conversar com a minha amiga.

-Ai Sarah está casada com meu pai parabéns amiga! _Disse ela visivelmente emocionada segurando minhas mãos, sentadas juntas na sua cama.

-Aii Paris estou tão feliz você não faz ideia. Seu pai realmente, mas realmente mesmo é o homem da minha vida. _Meus olhos se encheram de lágrimas.

-Own! E como foi lá?

-Ah foi perfeito, maravilhoso, o Michael é muito romântico e carinhoso isso fez da nossa lua-de-mel ainda mais emocionante.

-Gostou dos fogos de artificio com seu nome?

-Pois é menina nossa eu amei, fiquei sem ar. Michael disse que foi você que teve a ideia.

-Foi eu mesmo de nada. _Falou ela divertida beijando seu próprio ombro. Rimos.

-Mais e ai como foi tudo aqui?

-Ai Sarah também tenho novidades. _Disse empolgada.

-Sério? Conta, conta.

-Sabe o Jake que cursa economia que estuda na sala do lado da nossa? _Puxei da memoria para tentar lembrar.

Verdade tinha um carinha bonitinho jogando charme para a Paris alguns dias atrás e eu dei força para que ela investisse, era um gatinho e gostou muito dela.

-Ahh lembro!

-Então  ele me ligou e me chamou pra sair, e eu claro fui com ele. Conversamos e... Acho que vai rolar namoro. _Paris estava empolgada e gritamos juntas felizes.

-Oh my god Paris é sério? _Também estava empolgada pela felicidade dela.

-Sério Sarah, eu estou tão feliz amiga que nem sei.

-Isso é maravilhoso. Nós duas amando que lindo! _Sorrimos.

-Mas Sarah não diz nada ainda pro meu pai tá  bom? Talvez esse seja  o primeiro garoto que namoro sério e eu preciso prepara-lo primeiro. Você pode até não acreditar, mas o papai Jackson é bem ciumento.

-Sério? Nossa nunca imaginei. _Eu ri por não conhecer esse lado do Michael. –Pode deixar 
Paris não vou dizer nada pra ele. Mas rolou beijinhos já? _Curiosa.

-Aham. _Falou tímida.

-Ahh bem que o Michael disse que você estava aprontando.

-Nossa que isso eu nunca apronto. _Falou com ironia e rimos.

-Ah mas eu estou feliz amiga, você me apoiou tanto quando eu e seu pai começamos e até hoje apoia, então não faria diferente claro.

-Eu também estou feliz por vocês. Desejo toda felicidade do mundo.

-Pra você também. _Nos abraçamos.

Era maravilhoso ver Paris assim feliz, pois era exatamente como me sentia também.
Logo mais a noite jantamos juntos eu, Paris e Michael.  Michael perguntava a Paris tudo que ela fez e ela dizia o menos possível deixando Michael desconfiado. E depois nos recolhemos Michael me esperava lindo deitado na nossa cama.

Deitei ao seu lado com a cabeça em seu peito, ele beijou meus cabelos acariciando meu corpo eu arrepiava com o toque daquele homem em minha pele, suas mãos grandes e pesadas tomava todo meu corpo em caricias.

-Está feliz? _Perguntou ele me fazendo acordar do transe.

-Sou a mais feliz do mundo. _Respondi olhando em seus olhos.

-E eu ainda mais. Não sei mais o que quer dizer a palavra solidão e angustia, estou completo de um modo maravilhoso. Assim que ficamos juntos tudo acabou. _Sorri beijando seu pescoço.

-Eu nunca imaginei encontrar um homem assim pra ser feliz Michael. Você é único o único na minha vida, o único que é capaz de me deixar assim. _Nos beijamos.

-Sou seu amor, e você é minha, somos um do outro e nada vai mudar.

-Exato.

Dormimos de conchinha com a mão de Michael pousada em meus seios ele adorava dormir assim e eu nem se fale, era maravilhoso senti-lo me tocar assim, tão meu.

No dia seguinte tomamos café e Paris e eu fomos a faculdade  Michael por um milagre foi para a fábrica, ele  não ia nunca e depois passou a ir com frequência.







Capítulo 19

Sarah Andrews

Quando Paris e eu chegamos a faculdade o novo namoradinho dela já estava a sua espera achei tão fofos os dois juntos. Eles faziam um casal muito lindo sem duvidas.

Fomos pra sala juntos e como a sala de Jake era do lado da nossa ele foi junto conosco, antes de entrarmos eles se beijaram e ele foi para sua sala e eu e Paris fomos para a nossa, Paris suspirava apaixonada e eu ria, pois era assim que eu estava me sentindo com o pai dela.

A aula se deu muito bem e no intervalo Paris estava lá com seu namorado e eu meio que fiquei afastada deixando os dois a sós era necessário, então um rapaz de nossa sala se chegou a mim, o nome dele era Kevin.

-Paris te deixou na mão foi isso? _Disse vindo por trás de mim me fazendo assustar.

-Ela não me deixou na mão só está aproveitando, gosto da minha amiga feliz.

-Está certo. Bom e ai como está a vida? _Perguntou puxando assunto, eu nunca conversava com ele a não ser sobre as aulas, mas nem sei o que deu nele que veio puxar assunto não achei nada demais responde-lo.

-Está ótima, estou feliz. _Falei com um certo entusiasmo.

-Estou sabendo que casou recentemente. Meus parabéns. _Sorri.

-Obrigada Kevin, estou feliz demais.

-É o pai da Paris não é? _Queria confirmar.

-Sim é ele sim. Por que?

-Não acha ele muito velho pra você? _Ele já estava sendo invasivo e eu comecei a me irritar.

-Bom ele é o homem que eu amo, então... _Passei um fora nele.

-Desculpa  não quis ofender, desculpe meu jeito de falar. _Ficou um pouco envergonhado. –Não queria ofender. _Percebi que ele estava sendo sincero.

-Tudo bem não tem problemas.

Enquanto Paris namorava continuei a conversar com Kevin ele me fazia companhia ali e fui percebendo que ele era legal apesar de ser muito curioso, tínhamos muitas coisas em comum e me fazia rir a todo momento com as coisas que ele me contava sobre sua vida que por sinal era hilária. Ele era tão descontraído que parecia que nos conhecíamos há anos. E assim iniciou uma nova amizade entre mim e Kevin.

Depois do intervalo voltamos a aula, estava bastante interessante sobre a genética humana eu estava bastante a tenta prestando a tenção em tudo eu adorava aquele assunto e nada me desconcentrava, exceto os pensamentos que eu tinha sobre o Michael em meio aquilo tudo, e meus olhos não deixavam de correr em minha aliança ao meu dedo me mostrando que eu era sim a mulher de Michael Jackson, eu estava feliz demais.

(...)


Quando a aula acabou me dirigi a saída para esperar Bill o motorista buscar a mim e Paris para leva-nos para casa, mas Paris queria namorar mais um pouco e eu entendia muito bem. 

Fui sozinha até a saída e vem a surpresa. Michael estava ali parado lindo com um sorriso lindo no rosto me esperando.


-Amor!! _Sem perca de tempo corri para os braços do meu marido mais lindo do mundo e lhe beijei envolvendo meus braços em seu pescoço.

-Oi princesa. _Disse quando paramos o beijo. -Vim buscar minhas lindas hoje. _Se referiu a mim e Paris.

-Ai que fofo. _Falei carinhosa.

-E Paris onde está? _Ele passava seus olhos para todo lado a procura da filha e eu me preocupei, pois Paris estava aos beijos logo ali na entrada e ela  não queria que o pai soubesse ainda.

-Ah ela... Bom. _Gaguejei.

-Vou procurá-la. _Michael foi em direção a porta.

-Michael, espe... _Tentei impedi-lo, mas ele entrou, fui atrás.

-Mais o que é isso?! _Falou surpreso em alto e bom som pela cena que via da filha aos beijos com um garoto.

Paris assustada se afastou de seu namorado.

-Pai é... _Ficou sem o que falar.

-Michael não é pra tanto é... _As palavras também me faltava e o garoto olhava amedrontado para Michael e com razão o jeito que ele ficou....

-Minha filha aos beijos com um moleque desses? Você vem pra faculdade pra estudar ou pra namorar Paris? _Ele começava a desconfiar da filha e a trata-la como criança, eu não conseguia fazer nada.

Quando Paris disse que Michael era ciumento não achei que fosse tanto, qual é a menina já era maior de idade e não uma menininha, mas ele não queria nem saber.

-Paris vai para o carro agora. Quero ter uma conversa com esse moleque.

-Pai para com isso. _Tentou converse-lo, mas ele nem queria saber. Enquanto isso a faculdade toda olhava assustados pela cena de Michael.

-Paris anda, eu estou mandando. _Michael estava furioso.

Paris foi para o carro e eu continuei ali pra ver se eu conseguia acalmar o Michael, mas fui frustrada.

-Sarah você também pro carro. _Ele me ordenava.

-Ok, mas pelo amor de Deus se acalme. _Pedi apreensiva.

Entrei no carro e Paris chorava.

-Que vergonha meu Deus que vergonha, olha o que seu maridinho está fazendo, viu Sarah. Ele não mudou nada. _Colocava a mão na cabeça chorando muito.

-Calma Paris, calma. _Eu tentava acalma-la, mas eu estava tão nervosa quanto ela.

Então Michael veio de lá ainda furioso entrou no carro sem dizer uma palavrar, deu partida e arrancou. Ele ficou tão sério que eu não ousava a falar uma palavra, ele realmente estava frustrado com sua filha como se tivesse o decepcionado tão profundamente.

Ao chegar Paris saiu correndo para o quarto tentei chama-la, mas ela já tinha ido.

-Michael olha só o que você fez. _Finalmente consegui falar algo com ele.

-Paris não deveria Sarah ela sabe as regras e as quebrou, Namorar escondido Sarah, isso é um absurdo! _Fiquei chocada.

-Michael sua filha não é mais criança, por que age assim com ela?

-Por que ela e minha filha e eu a trato como quiser. _Foi grosso e eu me assustei aquela situação ficava seria demais até comigo ele estava assim. _Você sabia não é, e não me contou nada. _Tinha seus olhos fixos aos meus e parecia decepcionado.

-Ela é minha  amiga que confidenciou suas coisas, ela confiou em mim . _Alterei a voz.

-Só que você é minha mulher.

-Antes de ser sua mulher sou amiga dela. _Ele começava me enfurecer.

Dei as costas para Michael e subi para o quarto deitei na cama e chorei, ele estava maluco com aquilo tudo até comigo ele estava tão grosso eu não o reconhecia de  jeito nenhum. Meu coração doía só de lembrar daquele olhar furioso para mim.

(...)

Um tempo depois ele foi até o quarto parecia mais calmo e se sentou ao meu lado.

-Amor me desculpa? _Acariciou meus cabelos eu me encontrava deitava de buço com os rosto virado para o outro lado.

-Você foi grosso comigo. _Respondi na mesma posição.

-Eu estava nervoso, não acreditei que Paris fez isso comigo.

-Michael ela não fez nada. _Agora sim olhei pra ele e me sentei na cama. –Ela se apaixonou e está feliz agora.

-Se apaixonou? _Riu sarcástico. –Paris é muito nova pra se apaixonar Sarah, ela não sabe o que é isso. _Quanto mais ele falava, mas chocada eu ficava.

-Ah é então quer dizer que eu também não sei o que é isso? _Falei seriamente. –Que eu saiba somos apenas 2 anos de diferença.

-Você é diferente Sarah, é mais madura, independente. Diferente de Paris, ela é uma menina ainda. _Percebi que Michael tinha uma visão distorcida da filha ele ainda a via como a menina que era, perdeu tanto tempo chorando a morte da mulher que nem percebeu que sua filhinha já era quase uma mulher.

Fui me chegando até ele e depois acariciei seu rosto dando beijinhos após.

-Amor a Paris cresceu, é quase uma mulher. Não faz isso com ela, você  vai se arrepender, deixa ela ser feliz. Ela nos apoiou tanto quando ficamos juntos e você está fazendo isso com ela. _Ele  me olhava com um olhar de culpa agora.

-Eu fiquei maluco Sarah, não quero que um moleque qualquer se aproveite de minha princesinha. _ O abracei.

-Ela sabe se cuidar, sua filha sabe no que se mete ela é guerreira forte não é? _Balançou a cabeça com dificuldades.

-Ela sempre foi, sempre foi tão forte, até mais que eu.

-Então, deixa que ela mesmo ver o que acontece, deixa ela ver se esse cara é o certo ou não para ela. Não decide as coisas por ela, senão será pior. _Ele  me abraçou tão forte que eu fiquei com pena.

-O que seria de mim sem você heim Sarah? Eu não sei se conseguiria.... Você tem razão, tem total razão. Eu vou conversar com a minha filha e pedir para que ela traga esse namorado para que eu possa conhece-lo. _Sorri orgulhosa.

-É assim que se fala.

Michael me beijou forte, sugando a minha boca e depois soltou. Ele saiu do quarto indo para o de Paris e eu só fiquei o esperando.






Capítulo 20

Michael Jackson

Fiquei furioso em ver Paris aos beijos com um moleque, parece  bobagem, mas eu sempre tratei minha filha como uma menininha e pra mim ela era ainda aquela menina frágil que sempre precisou dos meus cuidados. E o fato dela ter escondido de mim era o que mais  me irritava. Não quero que Paris sofra de modo algum eu sempre quis protege-la disso. Hoje em dia a garotada faz muito besteiras e eu tinha medo por Paris.

Mas Sarah tinha razão eu não poderia prende-la desse jeito, ela já e quase uma mulher eu devo orienta-la e não proibi-la.

Fui até seu quarto para que conversássemos, bati na porta.

-Paris vamos conversa? _Ela não disse nada, percebi que a porta estava aberta e entrei.

Fui em passos lentos, Paris deitada  na cama quietinha, não fazia o menor movimento.

-Vamos conversar filha? _Me sentei em sua cama. Ela continuava sem falar uma palavra. –Olha Paris me desculpe por hoje.

-Você me humilhou na frente do meu namorado pai. Foi a pior vergonha que eu passei. _Meu coração doeu.

-Não era pra ter sido assim. Eu só me preocupei Paris.... Esse cara é um moleque e... _Paris levantou de uma vez me olhando seria.

-E você queria o que? Que eu me envolvesse com um coroa é isso? Desculpe pai, mas eu não sou a Sarah. _A feição do meu rosto se afrouxou pela indireta.

-Olha não é isso que estou falando tá legal? Eu me preocupo não quero que ninguém se aproveite de você.

-Pai nem todo mundo sai por ai se aproveitando das pessoas, isso é ignorância. Além do mais você  não confia em mim?

-Confio filha, eu confio. Só perdi a  noção do tempo. Você virou uma mulher e eu nem percebi. _Pude ver um sorriso de Paris pela primeira vez nesse momento. –Só não quero perde-la.

-Ai pai você não vai me perder, é só um namoro. Sua menininha está aqui e sempre vai está.

-Eu te amo filha. _Meus olhos se encheram de lágrimas.

-Eu também te amo pai coruja. _Paris abriu os braços para um abraço e eu a abracei fortemente e depois lhe dei um beijo na testa.

-Nunca mais esconde nada de mim, ouviu mocinha? _Falei sério.

-Sim senhor. _Bateu continência e rimos.

-Traga seu namorado aqui em casa quero conhece-lo. Vou mandar preparar um jantar especial. _Ela riu feliz.

-Ai Paizinho eu te amo, obrigada. _Me abraçou de novo.

-Sua  danada. _Apertei seu nariz.

Voltei pra cama e minha gatinha me esperava linda como sempre foi, me deitei ao seu lado dando beijinhos por seu corpo todo, ela acariciava meus cabelos. Fui beijando sua boca me pondo em cima dela, Sarah envolveu suas pernas em mim acariciando minhas costas.

-Falou com ela? _Perguntou no meio tempo que parei de beija-la e olhei em seus olhos.

-Falei. Ela está feliz e eu também estou.

-Que bom amor, é isso. Vai dar tudo certo.

-Eu espero. _Meu olhar era preocupado.

Sarah voltou a me beijar e eu já estava louco pelo corpo da minha mulher. Não demorou muito para que começássemos a tirar nossas roupas e fazer amor. Sarah me enlouquecia cada dia mais e não tinha como ficar sem fazer amor com ela, eu me excitava assim que nos beijávamos. Eu amava o jeito excitante que ela provocava em mim. Era tão delicioso.

(...)


O dia correu bem e quando chegou a noite o jantar para o namorado de Paris já estava pronto e não demorou  muito para Paris chegar com o tal do Jake



Ele entrou me olhando assustado bastante nervoso e claro não era pra menos eu assustei o cara.

-Boa noite! _Estendi a mão pra cumprimenta-lo e ele sem jeito apertou.

-Boa noite Senhor.

Ele cumprimentou depois Sarah e então sentamos ao sofá para conversarmos um pouco, Sarah ao meu lado em um sofá e Paris com ele em outro.

-Então rapaz, qual é sua intenção com a minha filha? _Disparei sério e Sarah me cutucou. –Ué preciso conhecer as reais intenções dele não é mesmo?

-Claro Senhor, está certo... _Pigarreou. –Eu gosto muito da sua filha e minhas intenções são as melhores possíveis. Sua filha mexe comigo Sr e eu estou apaixonado. _Fiquei ainda mais preocupado com esse “mexe comigo”, eu sei bem o que isso queria dizer.

-Espero que a faça feliz rapaz. _Tentei ser simpático, pois tinha duas mulheres me regulando a todo momento.

-O Jake adora golfe papai, assim como o Senhor. _Paris disse.

-Olha que legal, quem sabe vocês dois possam jogar juntos. _Sarah entrou na conversa toda simpática.

-É quem sabe. _Falei sem animo.

-O jantar será servido Senhor. _Disse a cozinheira.

-Ah então vamos jantar não é mesmo? _Falei levantando e todos levantaram também.

Deixei com que Paris passasse por mim e Sarah, quando o Jake passou cochichei ameaçadoramente.

-Se magoar minha filha, você vai se ver comigo ouviu bem? _Pigarreou de olhos arregalados.

-Si...Sim Senhor. _Gaguejou.

Sentamos todos a mesa e o jantar  foi servido, jantamos juntos da melhor forma possível. Conversamos, brincamos, sorrimos, mas eu sempre de olho no tal Jake. Ele não me agradava nada, tinha uma enorme tatuagem no braço e uma pose de playboyzinho típico de moleques que gosta de brincar com as filhas dos outros.

Quando o jantar acabou Paris foi até o jardim com o Jake e eu e Sarah fomos juntos para o sofá. Sarah se aconchegou a mim com uma de suas pernas no meu colo.

-Estou orgulhosa de você sabia? _Disse ela  próxima aos meus lábios. Sorri.
Tomei seus lábios em um beijo intenso, cheios de desejo e com muito amor.

-Você está linda hoje sabia? _Falei alisando suas pernas.

-E você sempre esteve. –Tomou meus lábios mais uma vez.

Sarah foi se deitando ao sofá me puxando com ela, não parávamos de nos beijar a nos acariciar, mas fui me preocupando com Paris e o namorado no jardim.

-Amor espera.... Paris está lá fora já está tarde vou chama-la.

-Não Michael deixa eles lá. Fica aqui comigo. _Me puxou de volta.

-Amor está tarde. Daqui a pouco quero ir pra cama e te amar loucamente então quero que Paris esteja dentro de casa. _Quis disfarçar minha preocupação.

-Ok vai lá. _Disse vencida.

Sai na varanda e eles estavam aos beijos, coloquei as mãos no bolso da calça e fiquei os observando por um tempo, então pigarreei chamando-lhes a atenção. O garoto soltou Paris de imediato e se recompôs olhando para mim.

-Não acha que já está tarde Paris? _ Me olhou sem jeito.

-Ok pai.

-Eu já estava mesmo de saída. _Disse ele. –Boa noite Senhor e obrigado pelo jantar.

-Disponha. _Permaneci sério.

Eles se despediram e eu entrei, Paris veio logo em seguida. Eu precisava me acostumar com tudo aquilo, mas a verdade é que eu não confiava nesse garoto isso era fato.







Capítulo 21

Michael Jackson

Subi para o quarto e não vi Sarah por ali, achei estranho, mas logo percebi a porta do banheiro fechada provavelmente estava lá.

-Amor? Está ai? _Chamei rente a porta.

-Estou. _Foi abrindo a porta vestida a uma camisola lindíssima. Senti  meu corpo inteiro contrair e eu paralisar.

-Uau! _Sussurrei hipnotizado.

-Gostou? _Perguntou com um olhar sexy.

-Está maravilhosa.

Agarrei Sarah de uma vez só, ela gemeu pelo o puxão que eu dei e sem esperar tomei seus lábios violentamente, nossas línguas brigavam entre si e minhas mãos passavam pelo corpo de minha mulher a tocando em tudo que era direito. A encostei na parede com uma mão prendi seu braço para cima na parede e a outra puxei sua perna envolvendo em minha cintura. 

Beijei o pescoço dela com todo o desejo que eu sentia no momento, seu cheiro era maravilhoso.

-Michael... _Sussurrou.

-Isso chama meu nome, diz o quanto você me quer meu amor, diz.

-Eu te quero, quero muito. _Eu estava enlouquecendo ouvir minha mulher falando assim.

-O que você quer? _Enfiei  uma de minhas mãos dentro de sua calcinha a provocando.

-Ohh. _Senti sua intimidade contrair.

-Fala Sarah o que você quer? _Insisti intensificando o movimento em seu clitóris molhadinho em minhas mãos.

-Quero você amor, quero fazer amor com você. _Senti meu desejo aumentar com a resposta.

-Diz de novo, diz? _Sarah estava em transe em outra dimensão aos meus toques.

-Quero fazer amor com você Michael. QUERO FAZER AMOR COM VOCE. _Gritou desesperada por mim a apertei ainda mais com meu corpo e movimentei ainda mais, senti o gozo dela quente em minhas mãos  e sua cara de tesão, seus lábios se contrair sentindo a sensação.

Então já era minha vez de tê-la para mim sem pensar duas vezes abaixei a alça da camisola dela, mas por minha surpresa ela subiu de novo se afastando de mim.

-O que foi? _Perguntei curioso sem entender.

Sarah continuava me olhava com aquele olhar de mulher fatal, e foi caminhando até a cama com os olhos fixos em mim e sorriso malicioso.

Se sentou na cama e se cobriu inteira deixando apenas sua cabeça para fora. Meu olhar ainda era de curiosidade e ansiedade pra saber o que ela estava tentando fazer.

Então Sarah tirou a camisola em baixo do cobertor e ainda olhando para mim jogou-a em minha direção agarrei de uma fez e comecei a cheirar a roupa de minha mulher tomado pelo desejo e tesão. Depois Sarah se livrou do sutiã, e mais uma vez jogou em minha direção, e depois a calcinha. Cheirei a calcinha usada da minha mulher sentindo o cheiro dela, de sua intimidade, e eu já imaginava como seria quando eu a possuísse.
Sarah estava nua  na cama em baixo do cobertor.


-Vem meu amor vem? _Me chamou com o dedo.



Mas que depressa me livrei da camisa, dos sapatos, da calça ficando apenas de cueca em sua frente.


Então pulei na cama entrei de baixo dos lençóis e agarrei minha mulher nua que ria com a cabeça pendida para trás sentindo minha boca devorar seus seios de uma só fez.

Fui descendo beijando seu ventre, indo para sua intimidade e depois fiz o cominho de volta beijando sua boca avidamente. Meu pênis ereto louco para adentra-la não perdeu mais tempo, a penetrei forte, fundo preciso sentindo Sarah gemer constantemente. Sua intimidade apertada aumentava ainda mais o tesão enquanto me movimentava intensamente.

-Ohh. _Agoniei de prazer, enfiando ainda mais, querendo desesperadamente gozar.

Sarah me abraçava puxando meus cabelos e empurrando meu corpo no seu. Ela gemia cada vez mais e mais alto, percebi que seu gozo estava chegando pelo modo que ela necessitava de se movimentar. O meu também estava prestes a vir a vendo assim, estoquei com força, freneticamente após e então sentimos o prazer explodir nossos órgãos genitais de uma só fez, segurei o movimento onde eu estava para poder me deliciar mais um pouco, quando estava quase passando me movimentei mais um pouco para poder sentir mais.

-Ohhh, ahh. Que delicia... Delicia. _Falava em meus ouvidos e eu concordava balançando a cabeça sorrindo. Eu estava sem forças e desabei sobre ela.

Sarah me protegeu em seus braços acariciando meus cabelos enquanto nos recuperávamos.
Depois de um tempo recuperados, me sentei entre as pernas de Sarah enquanto ela as envolvia no meu corpo, ela beijava minhas costas carinhosamente e eu acariciava suas pernas.

-Te amo tanto. _Deitei em seu seio para olhar seu rosto.

-Eu também te amo.

-Como você consegue me deixar assim tão louco por você  em garota? _Ela sorria satisfeita.

-Você  também me enlouquece, por ser assim tão gostoso. _Sorri

Beijei Sarah com muita paixão, continuamos namorando por um tempo até dormirmos.

(....)

No dia seguinte fui para fábrica como eu estava de volta eu frequentava lá diariamente, eu estava feliz por trabalhar de novo era muito satisfatório para mim, eu me sentia útil novamente.

E quando finalmente chegou a hora das meninas saírem da faculdade estava eu lá para busca-las.

Pude ver de longe Paris com seu namorado e Sarah ao lado de um cara de mais ou menos a idade dela, eles riam o tempo todo. Não gostei nada.

-Oi amor? _Ela veio me beijar quando sai do carro.

-Quem é esse  cara? _Falei furiosamente quando ela já estava perto de mim.

-É um amigo Michael. _Estranhava minha atitude.

-Pois então eu sugiro que se afaste desse seu amigo.

-Michael o que deu em você? _Estreitou a sobrancelha.

-Eu é que pergunto Sarah. O que deu em você? _Entrei no carro deixando-a parada lá.

É eu estava morrendo de ciúmes. Mas não era o ciúmes de uma filha que eu tentava proteger, era um ciúmes que um homem sente pela sua mulher, eu me sentia invadido, como se meu maior tesouro fosse escapar pelas minhas mãos.

Paris se despediu do namorado e elas entraram no carro, Sarah estava visivelmente brava pela minha atitude, mas eu não liguei, não queria nem saber o que ela pensava, eu queria era acabar com essa a proximidade com esse amiguinho dela.




Capítulo 22

Sarah Andrews

Não dava pra acreditar aquele ciúme sem sentido do Michael, agora não vou poder mais conversar com ninguém sem que ele desse um chilique? Realmente eu não estava o reconhecendo, primeiro com a Paris e depois comigo? Onde isso ia parar?

Cheguei em casa furiosa, fui entrando apressadamente para o quarto, mas ele puxou meu braço.

-Precisamos conversar. _Estava furioso.

-Você está me machucando! _Olhei para meu braço que ele apertava fortíssimo e ele soltou se dando conta do que fazia.

-Quero explicações Sarah, quem é aquele cara? _Ele me intimava ameaçadoramente.

-Eu já disse é um amigo. Por que está agindo assim? Não entendo Michael.

-Só não quero a MINHA mulher de risinhos com outro homem. _Ele já passava dos limites.

-Gente por que vocês estão brigando assim? _Paris entrou vendo aquele clima tenso.

-Pergunte pro seu pai, foi ele que começou isso tudo não é Michael? _Furiosa subi as escadas correndo, entrei no quarto, tranquei a porta e comecei a chorar.

Eu não imaginava que Michael fosse assim tão ciumento chegava a ser possessivo demais, isso me deixava com medo, tensa, frustrada.

-Sarah abre essa porta! _Batia ele fortemente. –Vamos conversar.

Por causa de tanto escândalo que ele fazia lá fora resolvi abrir.

-O que você quer? _Permanecia furiosa com ele.

-Me desculpa? _Seu olhar agora era mais terno.

-Não entendo pra que tanto ciúmes.

-Eu sei, eu sei que estou fazendo tudo errado, que estou estragando tudo, mas é que.... _Falava entrando no quarto. –Não podemos negar o fato que você é muito mais nova que eu e ver você  conversando com um cara da sua idade me deixou louco.

-Michael eu já disse que eu prefiro homens mais velhos, que prefiro você. Kevin é meu colega de sala e por lá tem vários outros que vou conversar, me interagir. E o que você vai fazer? Vai dar chilique todas as vezes?

-Sou inseguro. _Falou sôfrego com lágrimas nos olhos. – E  aquela cena me fez sentir medo. Comecei a pensar que me deixaria quando enjoasse de mim. _Seu olhar tinha medo.

-Mas que absurdo Michael. Quem você acha que eu sou? Se eu falo que te amo que você é o homem da minha vida é verdade. E você não tem que duvidar.

-Sarah você é nova tem uma vida inteira pela frente, e depois que a gente se casou sinto que eu roubo a sua juventude pouco a pouco. _Se sentou na cama olhando ao nada. Me sentei ao seu lado segurando em sua mão.

-Você rouba a minha juventude desconfiando de mim, quando fica assim bravo ao me ver com outros caras. Michael eu sempre vou me relacionar com outras pessoas e você tem que entender isso.

-Sinto muito Sarah. Eu estou meio estressado sei lá, primeiro a história da Paris de namorado e agora isso. Acho que estou ficando louco. _Colocou a mão na cabeça.

-Confia em mim só isso. Confia que amo você e não seria louca de te trocar por qualquer  cara por ai. Michael você me faz feliz, me enlouquece quando estamos juntos, quando você me beija, quando sinto seus toques em mim, por isso me casei com você. E eu não me arrependo nem por um segundo se quer. Eu te amo Michael, te amo de verdade, você tem que entender isso. _Ele me abraçou tão forte que eu me compadeci.

-Tenha paciência comigo por favor? Eu sou um velho chato mesmo.

-Você não é velho e nem chato. Para com isso está bem? _Ele balançou a cabeça e nos beijamos.

Michael segurou minha cintura a apertando me trazendo pra perto de seu corpo, ele sugava, chupava minha língua de uma forma deliciosa, eu adorava beija-lo e ele assim tão necessitando de mim ficava ainda mais gostoso os beijos.

Michael era um homem inseguro apesar de ser lindo e experiente eu não sei porque, mas ele não se sentia assim, talvez por ter perdido a mulher não sei, mas ele tinha medo de perder quem ama. É uma defesa que ele tem muito errada, mas era. Mas eu estava disposta a está do lado dele, cuidar e ama-lo incondicionalmente.




Capítulo 23

Sarah Andrews

Quando o clima estava mais calmo fiz Michael prometer que essas coisas não iriam mais acontecer e ele concordou perfeitamente.

Depois que almoçamos fui pra o quarto com Paris estudar. Até que ela perguntou o porque da briga.

-Amiga porque o papai estava daquele jeito?

-Por causa do Kevin. _Fiz cara de tédio.

-Aff papai tá se mostrando um chato viu? Nossa!

-Ele ficou um pouco inseguro, mas me prometeu que iria parar com isso.

-Mas agora está tudo bem?

-Sim está.

-Que bom viu? Porque não quero brigas aqui vocês fazem um casal fofo demais.... Mas então amiga hoje vai ter um show a noite de umas bandas de rock muito maneiras o Jake me chamou e eu quero muito ir. Você também precisa ir senão o velho não vai deixar. Aff.

-Aii que legal, preciso ir também.

-Toca aqui? _Paris estendeu a mão e batemos.

Falei para o Michael sobre o show e ele quis ir também, dizendo que queria se envolver um pouco com as coisas que gostamos e assim fazer companhia pra gente. Achei bem legal a final Paris estaria com o namorado e eu estava com meu marido lindo pra curtir completamente.


Quando chegou a noite vesti um short jeans e uma blusa com um tênis super despojado para curtir o show a vontade e Michael uma blusa de cetim vermelha com uma calça de couro da mesma cor, e prendeu o cabelo com uma trança. Uau ele estava lindo demais.



Paris foi no carro de Jake e eu no de Michael, quando chegamos nos encontramos lá. Eu e Paris empolgadíssimas ficávamos conversando como seria maravilhoso o show. Michael pagou minha entrada e a dele, o da Paris ficou por conta de Jake.

Entramos no centro da pista eu estava de mãos dadas a Michael.

-Gente!  Eu e Jake vamos mais pra lá ok? _Apontou para a frente.

-Ok Paris. _Falei.

-Vamos também Sarah. _Michael foi indo e eu puxei sua mão.

-Não amor deixa eles irem vamos ficar aqui sozinhos, assim poderemos namorar um pouco. _Falei sensualmente o abraçando me preparando para um beijo que ele fez questão de me dar.

Envolvi meus braços em seu pescoço e de olhos fechados eu degustava o beijo mais envolvente que poderíamos ter.

-Você está tão sexy Michael Jackson! _Falei em seu ouvido.

-E você está ainda mais Sarah Jackson. _Passou a mão de leve em meus seios, senti tesão na hora.

Voltei a beijar meu marido apertando sua cintura, depois subia para as costas, nuca e voltei a envolver meus braços em seu pescoço. Michael beijava meu pescoço, colo e em fim me olhou depois de um selinho em meu pescoço.

-Sarah você me deixa louco. _Falou com um olhar sexy que me matava.

Então o show começou me virei para o palco e Michael me abraçava por trás, beijando meu pescoço e cheirando meus cabelos. Arrepiei.

Quando era música lenta, abraçados dançávamos e música, mas quando era rock eu pulava demais curtindo o som e Michael ficava meio perdido eu achava lindo o jeito careta dele ser, dava um tom ainda mais sexy sem duvidas.

Quando o show acabou voltamos pra casa Paris quis ficar mais um pouco namorando e Michael implicou claro.

-Filha já está tarde né?

-Pai é rapidinho.

-Amor deixa. _Falei.

-Está bem. _Falou vencido. –Mas  não demore muito.

-Ok Paizinho.

Paris deu um beijo no pai e eu e ele entramos juntos. Voltamos a namorar sentados ao sofá abraçadinhos um no outro. Eu estava louca de desejo por esse homem todo de vermelho. Eu chupava seu pescoço com vontade com tesão, e ele gemia a cada chupada minha. 

Acariciava minhas pernas, subindo ao bumbum e de vez em quando acariciava meus seios. Quanto mais ele fazia mais desejo eu tinha e não consegui aguentar mais, fui desabotoando sua camisa e beijei seu peito alvo e sexy.

-Ahh. _Gemeu ao sentir.

Tirei minha blusa ficando somente de sutiã ele passava o dedo de leve por cima da renda fina passando nos meus bicos enrijecidos. Eu já estava quase tirando o sutiã quando Paris entra toda espalhafatosa como sempre fazendo barulho. Eu e Michael paramos o que fazíamos para olha-la e quando estava quase subindo as escadas Michael a chama.

-Ei, ei, ei mocinha não vai nem dar boa noite? _Diz Michael.

-Ah desculpa casal, boa noite ai pra vocês. _Falou e logo subiu.

-Boa noite. _Falamos.

-Ihh aconteceu alguma coisa. _Observou Michael e eu também percebi.

-Vou conversar com ela e já volto.

-Agora? _Olhou para o volume que já fazia em suas calças, sorri.

-É rapidinho meu amor já volto.

-Está bem.

Dei um beijo nele, vesti minha blusa e subi.
Paris estava sem demostrar a menor reação, mas seu olhar era de preocupação.

-Aconteceu alguma coisa? _Perguntei.

-Ai Sarah que bom que veio preciso conversar. _Sentei em sua cama.

-Pode falar amiga estou aqui.

-Sei que é uma pergunta meio intima, mas preciso saber.... Como foi sua primeira vez? _Me surpreendi com a pergunta e fiquei sem ação já imaginando coisas.

-Como assim Paris? Você e Jake.... _Não completei.

-Não, não. _Respirei aliviada. –É que eu preciso saber como foi pra poder pensar algumas coisas. _Me aliviei e comecei a lhe dizer.

-Bom... Não foi nada fácil, eu era inexperiente e a verdade é que não foi nada bom. _Confessei.

-Não foi com o papai né?

-Não, foi com um namorado que aparentemente eu gostava muito e na hora foi um desastre eu me expos demais pra depois não ser como eu imaginei.

-Você tinha quantos anos?

-14.

-Oh Sarah. _Me olhou com pena.

-Pois é me arrependo até hoje por ter perdido quando eu ainda era muito nova, mas fazer o que? Aconteceu e pronto... Mas por que está me perguntando isso?

-O Jake ele disse que está a fim, eu me apavorei porque ainda sou virgem e não sei como lidar com isso.

-Paris você tem que ter certeza do que vai fazer, essas coisas são muito delicadas, você  precisa amar e ter certeza que ele te ama. Sabe pros homens é fácil, mas pra nós  envolve muito mais do que tesão no momento.

-Eu sei e é por isso que estou apavorada, mas não se preocupe eu vou pensar bem e ver o que eu faço.

-Não vai fazer besteiras menina por favor. _Alertei.

-Ok não se preocupe....Obrigada Sarah você  tem sido muito importante não só para o meu pai, mas pra mim também. _Me abraçou.

-Que isso queria obrigada você por confiar em mim.

Quando terminamos de conversar fiquei um pouco com receio de Paris fazer uma besteira antes do tempo, ela era uma menina super inteligente e madura, mas ainda tinha aqueles mimos do pai e proteção que a tornava frágil ao mesmo tempo.

Desci para me encontrar com Michael e das escadas o vi de costas pra mim, segurando uma taça de vinho entre os dedos, com aquele corpo escultural dele, e um bumbum avantajado que me tirava do sério. Depois ele passou aquelas mãos grandes na nuca delicadamente. Suspirei.

-Como consegue ser ainda mais delicioso nessa posição Sr Jackson? _Chamei sua atenção e ele olhou para mim sorrindo.

-Então vem aqui vem, provar da minha sensualidade toda. _Sorri maliciosa e o agarrei de uma vez em um beijo voraz, o gosto de seu hálito misturado com o gosto do vinho deixava o beijo ainda mais delicioso.




Capítulo 24

Michael Jackson

Sarah me deixava completamente excitado quando me cobiçava desse jeito, fazia meus órgãos internos contrair quando me olhava maliciosamente. Eu me sentia satisfeito sem contar que meu ego ia lá em cima em saber que eu a excitava.

A agarrei pela cintura a beijando avidamente, Sarah gemia pela minha pegada. O desejo dominava ambos e sem demora ela me empurrou para o sofá e abrindo as pernas sentou  em meu colo com uma perna de cada lado encostando sua intimidade na minha. Apertei os braços dela com força e tomei seus lábios de uma vez só, Sarah abriu minha camisa de uma vez só beijando meu peito com uma fome que me deixava excitado. Como uma menina tão nova tinha desejo tão grande de fazer amor comigo? Ela era minha mulher e eu seu homem estava a disposição dela.

Sarah levou suas mãos ao botão da minha calça desabotoando, me levantei um pouco para tirá-la com ajuda dela. Eu estava de cueca e meu membro ereto e latejante pronto pra ela.

Agora foi minha vez de tirar sua roupa  a deixando só de calcinha. Sarah se ajoelhou entre minhas pernas enquanto eu estava sentado no sofá, tirou minha cueca e de uma vez só quando eu mal esperava abocanhou meu pênis, gemi alto pelo tesão com meu pênis em contato com sua boca pequena. Sarah chupava, lambia, e fazia movimentos leves, sempre olhando para mim, me fazendo contorcer inteiro de prazer.

-Ohh, hummm. Ahhh. _Eu enlouquecia a cada instante mais Sarah me deixava louco.

-Ahh Sarah é gostoso meu amor, está uma delicia, continua, não pra ainda  vai mais forte, mais, eu quero mais. _Sarah ria e continuava com o boquete cada vez mais intenso. Depois lambeu meus testículos e voltou para o pênis brincando com a língua na cabecinha. Eu estava prestes a gozar, eu estava quase lá, mas quando dei por mim Sarah parou e se sentou de uma vez só em cima do meu pênis duro se encachando perfeitamente ali.

Ela gemeu sentindo entrar dentro dela, e eu me movimentei freneticamente, compulsivamente segurando em seu bumbum batendo seu corpo no meu. Sarah rebolava e eu estava prestes a explodir.

-Rebola, isso rebola, rebola pra mim, mais, mais. _Eu implorava e ela já gritava e continuava a rebolar, até que na ultima investida forte que dei dentro dela ela gritou alto, sentindo seu orgasmo domina-la. A vendo assim gozei com louvor sentindo meu prazer supremo.

-Ohh, ahhh. _Clamávamos juntos com o corpo de Sarah deitado sobre o meu.

O suor grudava nossos corpos e eu acariciei suas costas carinhosamente a protegendo em meus braços.

Deitei Sarah ao sofá me deitando ao seu lado, encostando nossos corpos um no outro.

-Não acredito que fizemos amor na sala Michael. _Disse depois de descansar um pouco. –Alguém poderia nos ver, Paris ou um empregado.

-Não se preocupe com isso, estamos apenas nós dois aqui está bem? Ninguém nos viu, ou ouviu. _Sorrimos.

Sarah beijava meu peito carinhosamente e eu beijava seus cabelos.

-Você me excitou demais com essa roupa Sr Jackson, desse jeito vou ter que mente-lo sempre escravo a mim.

-Se for pra você me da esse prazer todo que me deu hoje serei seu escravo pelo resto da vida. _Ela riu.

-Te amo meu amor.

-Eu também te amo Sarah.

Quando dei por mim estávamos dormindo nus ao sofá, me levantei com cuidado para que Sarah não acordasse e com o mesmo cuidado a peguei nos braços a levando para a cama, Sarah se mexeu um pouco, mas não acordou enquanto eu a cobria pelo cansaço que adquiriu enquanto fazíamos amor. Voltei lá em baixo pegando nossas roupas e deitei ao seu lado. Em poucos minutos estava dormindo também.





Capítulo 25

Michael Jackson

Quando o dia amanheceu vesti uma calça de malha fina e permaneci sem camisa, e me sentei em uma poltrona olhando Sarah dormir, ela era linda e eu não conseguia pensar outra coisa a não ser como eu era sortudo por tê-la ao meu lado. Cometi erros e agi de um jeito tão ridículo  com ela que não conseguia acreditar que ainda estava comigo. Mas não voltaria a cometer tal erro de novo, não queria correr o risco de perde-la, Sarah trouxe luz a minha vida e finalmente eu estava feliz ao lado dela. Não queria perder essa tabua de salvação que me apoiei, senão era o fim pra mim.

Ela foi abrindo os olhos lentamente percebendo minha presença a observando.

-Já acordou amor? _Se levantou um pouco.

-Eu estava aqui observando a mulher mais linda do mundo dormir. _Sorrindo Sarah veio até mim ainda nua e sentou no meu colo, a envolvi em meus braços e nos beijamos.

-Sarah eu te amo tanto meu amor você tem noção do quanto? Me sinto feliz a cada dia que passa ao seu lado é como se todo meu sofrimento acabasse de uma hora pra outra. _Seu olhar era terno e brilhante.

-Me sinto a mulher mais feliz do mundo ouvindo você falar assim Michael, eu também te amo, te adoro, te desejo mais do que qualquer coisa. _A beijei acariciando seu corpo inteiro eu podia sentir sua pele arrepiar ao meu toque. Então Paris bateu na porta.

-Sarah, pai? Estão ai?

-Vai atende-la amor vou tomar banho. _Sarah me deu um beijo e se levantou do meu colo e eu admirava seu corpo nu indo até o banheiro. Respirei fundo e fui atender a porta.

-Pai está uma manhã linda, o sol está lindo, vamos pra piscina você, eu e Sarah? _Falava eufórica.

-Ai querida eu não sei...

-Ah pai qual é? É Sábado vamos aproveitar?

-Uhuu eu topo Paris. _Sarah se chegou a nos enrolada na toalha.

-Aê.

-Ahh tá bom meninas vocês venceram, vamos. _Concordei e elas comemoraram.

Vesti uma sunga branca e Sarah e Paris o biquíni. Estava mesmo um sol maravilhoso na manhã de Sábado e até que eu estava me animado. Paris e minha mulher estavam felizes, riam, pulavam na piscina, estava realmente um clima agradável.

Até que elas pegam uma bola e me faz de bobinho jogando a bola entre si me fazendo toma-la. Eu definitivamente não tinha jeito para isso e não conseguia pegar nunca.
Elas caçoavam de mim sem parar, mas eu estava me divertindo demais.

(...)

Depois de um tempo as deixei se divertirem sozinhas e entrei, fui até meu quarto e peguei uma foto de Elizabeth, me senti complacente ao lembra-la, uma emoção tomou conta de mim.
Então senti uma mão em meu ombro, olhei pra ver quem era, era Sarah. Sorri pra ela.

-Sente saudades não é? _Perguntou com um ar de medo.

-Sim, mas isso eu sempre vou sentir.... Não é mais aquela saudade desesperadora sabe amor, é uma saudade de um tempo que não volta mais, das alegrias que senti junto dela que agora ficaram lá pra trás. E quando olho meu futuro eu vejo um mar de possibilidades, alegrias ainda, mais real e constante. Acho que finalmente a deixei partir. _Sarah me abraçou forte e fiquei assim por um tempo sentindo seu carinho em mim.

Finalmente deixei Elizabeth descansar em paz.




Capítulo 26

Sarah Andrews

Os dias foram passando rapidamente e como eu e Paris tínhamos provas da faculdade não desgrudávamos em nenhum momento dos livros, o dia inteiro estudando, lendo e em fim.

Em meio aos estudos notei que Paris chegava tarde da casa do namorado e aquilo me deixava um pouco tensa com uma pulga atrás da orelha, Michael nem desconfiava das “fugidinhas” dela, mas eu estava ligada. E em poucos dias veio a confirmação, eu estava no quarto dela lhe perguntando sobre as tais fugidas e ela me confessou.

-Eu e o Jake a gente... _Senti um choque em mim.

-Vocês transaram Amiga? _Completei  em um tom de lamento.

-Sim....Eu pensei muito no que você me disse e fui pensando no que sentia pelo o Jake e então decidi que era a hora certa Sarah.

-E como foi? _Eu estava preocupada. Paris andou  de um canto a outro e em fim disse.

-Foi maravilhoso Sarah, ele foi tão carinhoso comigo, foi tão cavalheiro eu adorei. _Me senti aliviada por ela ter gostado e a abracei.

-Que bom amiga, que bom. Que bom que foi uma experiência boa pra você eu confesso que fiquei com medo.

-Eu amo o Jake Sarah e foi maravilhoso. _Sorri.

Eu estava feliz por Paris e parecia que ela também estava então era maravilhoso pra mim também.

(...)

Eu estava no quarto com Michael e ele estava me aperreado pra fazer amor com ele, eu precisava estudar, mas ele não estava me deixando, ele sentou na cama e me puxou para que eu me sentasse em seu colo. Sentei e comecei a beija-lo ele me dizia coisa em meu ouvindo e eu me excitava cada vez mais. Só que de repente quando eu fui beijar seu pescoço, tinha um cheiro forte de perfume doce na hora meu estomago revirou não sei porque, mas quase vomitei ali.

-O que foi amor? _Percebeu ele pela ânsia que fiz.

-Michael que  perfume é esse? _Perguntei fazendo careta.

-Nem estou de perfume é o sabonete normal amor... Nem vem que acabei de tomar banho. _Disse preocupado.

-Não é isso seu bobo, não é um cheiro ruim, mas é doce demais e fez meu estomago revirar.

-Que estranho.

-Já passou, só foi de repente.

Continuamos a beijar, mas veio outra ânsia e dessa vez não aguentei sai correndo e vomitei tudo no vaso.

-Sarah o que é isso? _Michael preocupado foi atrás de mim.

Quando terminei de vomitar limpei minha boca e disse.

-Não sei amor, me senti mal com seu sabonete.

-Que coisa!  Sempre usamos esse sabonete. _Ficou pensativo. – Pera ai que vou tomar banho de novo pra sair o cheiro. _Ele começou a se despir e entrou no banheiro.

-Não precisa amor, já vai passar. _Falei, mas ele já tinha entrado.

Quando ele terminou eu já estava melhor e ele veio me beijar, senti meu estomago revirar de novo.

-Sarah estou com mal hálito? _Ele estava mesmo preocupado.

-NÃO!! Nunca amor, não é isso, sei lá é um cheiro de rosas que está me incomodando não é nada com você  para com isso. _Ele ficou mais aliviado.

Então depois de um tempo o enjoou passou e eu estava melhor, fizemos amor e eu dormir.

(...)

Estávamos na faculdade e o professor estava explicando matéria sobre as provas, eu estava bastante concentrada prestando a tenção em tudo.

Mas de repente minhas vistas escureceram e tudo rodava achei que iria desmaiar, mas por sorte não. Aquele mal estar passou em fim, mas depois de um tempo um enjoou me incomodou  mais uma vez. Meu estomago deu uma revirada tão grande que não tinha como evitar, sair correndo da sala com a mão na boca fazendo barulho, todos da sala repararam e quando cheguei ao banheiro despejei tudo ali.

Ouvi passos correndo no banheiro era Paris indo atrás de mim.

-Amiga o que houve? _Estava assustada.

-Não sei Paris desde ontem estou assim, um mal estar horrível, Michael ficou preocupado e agora eu também estou, achei que tinha passado mais não foi isso que aconteceu. _Paris ficou pensativa por um instante.

-Sarah!!! Você está grávida! _Disparou e com o choque paralisei.

-Ai meu Deus! _Levei a mão na cabeça. _Não Paris não estou, eu me cuido, tomo remédio, não, não pode ser. _Quis tirar aquela ideia da cabeça dela.

-Está sim, da pra perceber, você  está. _Falava rindo. –Você toma com frequência?

-Sim tomo. Só uma vez que não, pois tinha acabado e Michael não me deixou em paz querendo fazer amor e eu acabei cedendo, achei que não aconteceria nada, pois eu nunca deixei de tomar.

-Tá ai, tá vendo? Você está mesmo gravida...

-Será? _Me preocupava.

-Só há um jeito de saber. _Falou pensando em algo.

Quando foi a hora do intervalo Paris e eu fomos a farmácia que tinha dentro da faculdade e compramos um teste, entrei no banheiro e depois de 5 minutos veio a confirmação.

-Eu estou grávida. _Falei chocada.

-Aiii eu sabia. _Paris só faltou pular de alegria. –Ai Sarah eu vou ter um irmãozinho que tudo. 

Achei que sempre seria filha única mais não, ai que legal. _Paris me abraçava e comemorava.

-Será qual vai ser a reação do Michael? _ Eu estava preocupada.

-O papai vai adorar Sarah não se preocupe com isso.


-Será? _Me perguntava.




Capítulo 27

Sarah Andrews

Eu já estava completamente ansiosa pra contar a nova novidade a Michael, mas também nervosa demais, não conseguia imaginar a reação dele, se ia gostar, se ia amar, se não, ser indiferente. Mas no fundo eu tinha certeza que ficaria feliz.

Resolvi que contaria a ele só a noite para assim eu ir tomando mais  coragem e por saber que essa hora está mais tranquilo aqui em casa.

Almoçamos, e a tarde eu e Paris estudamos pras provas previstas.
E não saia da minha cabeça como eu continuaria meus estudos grávida, eu não iria desistir isso era fato, mas não deixava de me preocupar quando o bebê  nascesse os dias que eu teria que me ausentar. Isso me incomodava um pouco.

Finalmente anoite chegou e eu tomei coragem em contar a ele de uma vez.
Michael estava no escritório analisando alguns papeis da fábrica usando uns óculos de leitura sentando em uma poltrona.

-Oi meu amor? _Disse quando notou minha presença adentrando o escritório, dei um sorriso.

-Oi. Está ocupado?

-Não, não apenas estava vendo alguns lucros da fábrica, está indo muito bem graças a Deus.

-Também com um dono tão dedicado assim. E agora está se empenhando a cada dia, não seria por menos. _Sorriu e logo bateu as mãos em seu colo para que eu sentasse.

Sentei envolvendo os braços em seu pescoço e beijando em seguida.

-Amor queria conversar sobre uma coisa que está acontecendo... Sabe aqueles enjoos que andei tendo esses dias?

-Oh se sei... Você sentindo enjoo dos meus beijos fiquei assustado Sarah achei que eu estava fedendo ou sei lá. _Ri.

-Amor você é louco claro que nunca, você é o homem mais cheiroso do mundo, adoro o seu cheiro. Eu disse que era um cheiro doce por isso passei mal.

-Eu sei meu bem só estava brincando com você. _Sorri.

-Então é que... _Tirei uma mexa do seu cabelo que insistia em cair em seus olhos acarinhando seu rosto em seguida. –Eu senti hoje de novo e... Bom Paris desconfiou de algo que depois que fiquei sabendo fazia o total sentido pelo que eu andava sentindo ultimamente e...

-Meu Deus Sarah fala de uma vez está me deixando preocupado. _Seu olhar era ansioso e preocupado.

-Ok. É que estou nervosa, nem sei como dizer isso. Não sei como você vai reagir e...

-Amor fala e então veremos qual será minha reação. Por enquanto minha reação é de preocupação.

-Desculpa, vou desembuchar de uma vez. _Respirei fundo. – Michael eu estou grávida. _Me deu um frio na barriga assim que pronunciei essas palavras, pois sabia que agora que eu iria saber sua reação e isso me deixou amedrontada.

Olhei na face de Michael e ele parecia estático  sem esboçar nenhuma reação, mas aos poucos um sorriso se fez em seus lábios até abrir por completo aquele sorriso lindo que iluminava meu dia.

-Ai meu Deus Sarah! Isso é sério? Você está mesmo grávida meu amor? _ Meus olhos se encheram de lágrima assim que percebi sua euforia.

-Sim meu amor eu estou.

-Ai meu Deus.

Michael me segurou em seus braços e se levantou me rodopiando repetindo inúmeras vezes “ Ai meu Deus, ai meu Deus, ai meu Deus” eu ria de tanta felicidade, então ele me colocou ao chão.

-Mas como? Quando? Ai minha  nossa não estou acreditando! _Colocou a mão no rosto e depois tirou mordendo o lábio. –Sarah não imaginava poder... Poder fazer um filho depois de tanto tempo.

-Michael que isso, você  é homem e jovem claro que poderia fazer um filho. Com essa potencia toda acha que não conseguiria? _Falei maliciosamente e ele riu.

-Eu pai de novo? Meu Deus isso realmente é maravilhoso. _Michael deixou uma gota de lágrima descer de seus olhos.

Fui até ele o abracei, o beijei, acarinhei. Michael levou suas mãos ao meu ventre acariciando cuidadosamente, depois se agachou e começou a beijar.

-Eu te amo meu amor. Obrigado, muito obrigado. Por me amar, por me aguentar as vezes tão chato e agora por me da mais um presente em minha vida. _Ele olhava emocionado nos meus olhos segurando meu rosto eu não conseguia pensar em outra coisa a não ser o quanto eu era feliz por ter o amor e carinho desse homem maravilhoso.






Capítulo 28

Michael Jackson

Eu não conseguia ter outra reação a não ser de euforia e felicidade, ter uma criança em nossas vidas era sensacional e ainda mais eu sendo o pai.

Sai correndo pela casa chamando Paris para que todos nós pulássemos de alegria juntos.

-Que foi pai? _Veio ela sorrindo.

-Você vai ter um irmão filha.

-Eu sei pai. Parabéns. _Ela ria de felicidade.

Então todos nós nos abraçamos e pulamos de alegria.

(...)

Mas tarde quando a euforia passou um pouco, não totalmente, pois eu estava explodindo por dentro ainda, mas pelos menos mais calmos estávamos. Sarah se afastou de nós e só depois me dei conta que ela sentava em uma rede na varanda, seu olhar era de preocupação.

Notei seu olhar perdido assim que cheguei na porta de saída olhando em seu face.

-Ah você está ai? _Falei chamando sua atenção Sarah me deu um meio sorriso.

Fui me aproximando dela e sentei junto a ela na rede, ela encostou sua cabeça no meu peito.

-Ei o que houve? _Perguntei olhando em seus olhos, achei que Sarah estaria feliz com tudo, com sua gravidez, mas ao olha-la desse jeito temi um pouco.

-Não é nada Michael, só estava pensando em algumas coisas ai.

-Em que exatamente?

-Sabe não quero deixar a faculdade, tenho medo de ter que me ausentar por causa da gravidez. _Entendi a preocupação dela.

-Não amor, não irá precisar deixar nada. Você vai continuar com sua faculdade, com seus estudos  normalmente. Eu nunca permitiria você abandonar nada.

-Mas é que quando o bebê nascer eu terei que me ausentar Michael pelo menos por alguns meses, pra amamentar, e cuida-lo como tem que ser.

-Daremos conta Sarah, eu sei que daremos e quando pensar que não você já vai se formar e ai vamos cuidar do nosso filho como tem que ser. Eu estarei sempre do seu lado meu amor, não vou te abandonar nunca, se eu tiver que cuida-lo enquanto você  estudar eu vou cuida-lo. Não quero que se entristeça com isso por favor. _Ela beijou meu pescoço suavemente.

-Eu sei, sei que você vai me ajudar com tudo eu confio em você.... Que bom que tenho você na minha vida Mike. _Sorrimos levemente e nos beijamos após.

Eu entendia a insegurança de Sarah e a preocupação com os estudos, mas eu nunca permitiria que abandonasse nada por está esperando um filho meu, fiquei um pouco preocupado por ter a engravidado logo agora em meio aos seus estudos, eu poderia ter tomado mais cuidado, mas  juntos eu sei que tudo daria certo, eu confiava nisso, em nosso amor.

(...)

Logo após confirmar de fato a gravidez de Sarah procuramos um ginecologista para cuidar de sua gestação, para assim termos uma gestação tranquila e sem preocupações. Sarah seguida as recomendações a risca me deixando orgulhoso de minha menina.

E cada dia que passava eu notava sua barriga crescendo.

-Cresceu mais um pouco olha. _Estávamos na frente do espelho Sarah com uma blusinha de alça e somente de calcinha, eu alisava sua barriga a abraçando por trás.

-Não Michael eu mal completei um mês, como minha barriga cresceu assim tão rápido? _Falava divertida me contradizendo.

-Amor olha só da pra ver claramente que sua barriga cresceu, olha ali um leve elevo?_ Apontei pela região mais saliente.

-É gordura Mike, sempre foi assim.

-Não, não, não Senhora você tem uma barriga perfeita sem gordura, se tem algum elevo é nosso bebê.

-Tá bom então, seu analista. _Me deu um beijo suave.

E assim se deu a cada mês, a barriga de Sarah crescia e eu sempre estava medindo com uma fita métrica a cada centímetro que crescia e anotava tudo.


Sarah já tinha 3 meses e  linda  com sua barriguinha saliente.







Capítulo 29

Michael Jackson

Em meio há esses dias de felicidade com a chegada de mais um membro Jackson também houve momentos tensos que eu não entendia o porque, e vinha de Paris. Ela estava reclusa esses dias, mal falava conosco, sempre em seu canto fazendo suas coisas. Coisa que normalmente era o completo oposto. Talvez fossem coisas com seu namorado, talvez eles tenham brigado, mas ela não falou nada. Não se abria.

Tentei perguntar pra Sarah já que as duas sempre vivem de segredinhos, mas nem ela sabia de nada. Minha preocupação cresceu principalmente quando Paris entrou em casa aos prantos e eu soube que algo de muito errado acabava de acontecer.

-Ai meu Deus Sarah o que será que houve? _Sarah e eu estávamos vendo tv quando presenciamos a cena, olhamos chocados um para outro.

-Vou ver o que ela tem. _Sarah foi se levantando e eu a peguei pelo braço.

-Não deixa que  eu vou, dessa vez eu falo com ela. _Sarah assentiu e eu fui até seu quarto.

Bati na porta, mas Paris não quis atender, eu só escutava os choros dela desesperados.

-Paris abra? _Ordenei.

-Não pai me deixa, por favor me deixa. _Sua voz mal saia com o choro desesperado.

Quando mexi no trinco percebi que estava aberta e sem perca de tempo adentrei.

-Filha o que aconteceu? _O estado dela era de dar pena. –Foi o Jake não foi? Aquele moleque fez alguma coisa com você, foi isso? Me fala filha, o que ele fez e eu vou agora mesmo da uma boa lição nele e....

-Não, não pai, não para. _Me interrompeu se pondo de pé e olhando em meus olhos. –Eu estou grávida! _Despejou de uma vez e foi a mesma coisa de levar uma facada no coração eu paralisei, meus olhos arregalaram, não senti mais o chão e meus sentidos sumiram e minha respiração faltou.

Parecia um pesadelo, minha filha que eu criei com tanto amor e carinho tinha feito uma coisa dessas? Coloquei as mãos na cabeça e abismado, desesperado, comecei a chorar, lágrimas insistiam em cair sem parar.

-Pai eu sei que você vai me matar, sei o que eu fiz foi errado, eu não deveria, trai sua confiança, mas pelo amor de Deus pai não me abandona agora. _Sua voz se embargou e senti uma pontada nas minhas entranhas. –Eu preciso de você, preciso do seu carinho, pelo amor de Deus pai! _Chorava.

Paris me olhou com aqueles olhos azuis como um bichinho indefeso e sem pensar duas vezes abracei minha filha fortemente a protegendo em meus braços, a acalmando por um momento sua triste, mostrando que tudo ficaria bem.

-Eu nunca faria isso está bem? Nunca. _Olhei pra ela seriamente meus olhos estavam tomados por lágrimas. –Você é minha vida, meu bem mais precioso, nunca vou desamparar o meu fruto nunca. _Paris voltou a me abraçar chorando copiosamente.

-Desculpa pai, desculpa. _Falava soluçando.

-Eu te amo filha, te amo incondicionalmente.

-Eu também pai, eu também.

-Cadê o Jake? Onde ele está? _ Eu queria ver o cara que fez mal a minha filha.

-Ele terminou comigo pai. Quando lhe contei que estava grávida ele disse que não estava pronto pra ser pai que não queria essa responsabilidade. _A revolta veio em mim e a vontade de acabar com a raça desse moleque era inevitável.

-Eu vou matar ele. _Gritei com ódio.

-Não pai, não. Olha promete que vai deixar essa história pra lá, promete que não vai atrás dele? Por favor pai eu te imploro? _Paris me pediu temorosa e resolvi aceitar.

-Está bem filha, mas então acabou Paris, acabou de vez. Ele não vai assumir essa criança e eu não quero vê-lo perto de você nunca mais senão eu acabo com ele.

-Tudo bem. _Respirou aliviada.

-Ai meu Deus vou ser avô e pai ao mesmo tempo? _Acabei me dando conta da situação.

-Vai sim. _Ela riu.

-Eu estou feliz minha filha, apesar de tudo estou. Vamos cuidar dessa criança com muito amor, e nada, mas absolutamente nada irá faltar pra vocês ok? _Paris me olhou emocionada e nos abraçamos de novo.

Eu nunca poderia desamparar minha própria filha agora, não adiantava nada gritar discutir, nada disso. Já tinha acontecido não é? Agora o que teríamos que fazer é seguir em frente e cuidar da minha família que crescia rapidamente diante dos meus olhos. Eu tinha que cuidar da minha mulher, do filho que ela esperava de mim, da minha filha e agora do meu neto.








Capítulo 30

Paris Jackson

Há alguns dias atrás eu não estava me sentindo bem e eram os mesmo sintomas que Sarah tem sentido após sua gravidez, e além do mais minha menstruação havia falhado. Pronto entrei em desespero acerbado assim que me caiu a ficha. Andava de um lado para o outro em casa sem saber o que fazer primeiro, se contava para meu pai, para Sarah ou o Jake, eu estava angustiada e muito nervosa.

Deus como eu deixei que se acontecesse, eu sempre fui muito cuidadosa nunca transaria sem camisinha. Por que isso aconteceu logo comigo?

Então era para o Jake que eu falaria de vez. Entrei no carro dele aquela noite e ele já veio me beijando.

-Jake espera! Precisamos conversar. _Eu o olhava assustada.

-O que foi gata? _Estranhava.


-Jake eu estou grávida. _Despejei e então pude ver aquele belo sorriso se desfazer.

-Como é que é?

-Jake eu não sei como aconteceu sempre usamos camisinha deve ter estourado não sei. Ai meu Deus não sei como isso aconteceu. _Coloquei a mão no rosto apavorada.

-Paris você tem certeza disso? Não é engano? Talvez você se enganou e....

-Não Jake, não é engano, eu estou mesmo grávida.

-Paris mais era só o que me faltava. _Jake colocava a mão no rosto, olhava pra um lado e outro, estava visivelmente nervoso.

-Eu nem sei o que dizer.... O que você vai fazer? _Eu queria saber, essa era a hora pra ver quem realmente era Jake  Metcalfe.

-Paris eu sou muito novo, tenho uma faculdade preciso me formar. E além do mais  meu pai vai me matar. Não quero esse tipo de responsabilidade e.... Ai meu Deus Paris não da, eu não posso, desculpe. _Senti meu rosto esquentar e lágrimas escorrerem de meus olhos constantemente, aquele cara que eu me apaixonei era um completo idiota e estava mesmo me abandonando, eu não poderia acreditar.

-Jake esse filho é seu, NÓS dois temos a responsabilidade. Você vai mesmo fazer isso comigo? _Eu não acreditava no que meus olhos viam e meus ouvidos escutavam.

-Desculpa Paris, mas não vai da. _Chorei mais ainda.

-Seu idiota, canalha. _Comecei a bater naquele canalha desesperadamente despejando todo tipo de palavrão. _Eu te odeio, te odeio seu desgraçado.

Abri a porta do carro dele e sai correndo, ouvi o carro dele arrancar na mesmo hora. Entrei em casa subindo no meu quarto chorando sem parar. Achei que  ninguém iria me ver, mas estava errada poucos minutos meu pai foi saber o que eu tinha.

Era a hora de contar de uma vez pra ele e acabar com essa angustia.
Meu pai é melhor homem que já conheci em toda vida, ele ficou chocado claro nem sabia o que estava tendo relações sexuais com Jake, mas ele me apoiou e isso acabou com todos os meus medos e angustias eu tinha com quem contar e estava feliz demais com isso.

Eu não sabia como seria mãe com a idade que eu tinha e estudando, mas lembrei de Sarah que também estava na mesmo situação exceto o fato de ter tido um canalha que a rejeitou, pois ela teve a sorte de encontrar meu pai na vida dela, e de certa forma eu também tinha esse cara comigo. E seria assim minha vida daqui pra frente.





Capítulo 31

Sarah Andrews

Eu já estava ficando nervosa, Paris entrou chorando em casa e depois escuto choros e conversas altas, subi mais que depressa para o quarto de Paris e estavam Michael e ela se abraçando e chorando não entendi nada a principio.

-O Que houve aqui? Por que vocês estão chorando? _Quando notaram minha presença os dois olharam um para outro como se dissesse conta eu ou você? E então Paris se aproximou de mim segurando minhas mãos.

-Estou grávida Sarah. _O choque foi inevitável é claro, meus olhos se arregalaram e eu não sabia o que fazer, olhei para o Michael procurando algum resquício de fúria, ou de desespero, mas não ele estava sereno, chorando ainda, mas sereno.

-Ai meu Deus? E agora? _Foi o que consegui dizer no momento.

-Agora vamos viver normalmente, cuidar dessa criança, dar a melhor educação pra eles. São duas não é? _Michael riu. –Então vamos dar o nosso melhor, somos uma família e nós 3 vamos da o amor necessário para eles.

Foi inevitável sentir orgulho do meu marido, eu sabia que era assim que ele iria agir mesmo, tão protetor e olhando o lado melhor das coisas sempre. Eu o amo demais por isso e por outras coisas também.

-Isso mesmo amor, somos uma família e precisamos apoiar um ao outro sempre. _Eu já estava muito emocionada meus olhos se encheram de lágrimas ao ouvir Michael falando assim.

Paris me abraçou forte e ai que me emocionei mesmo.

-Ah mulher grávida é tão derretida. _Falei sorrindo enxugando as lágrimas todos sorriram.

-Amo vocês meus amores, amo demais essa família que está crescendo assim tão rápido. _Disse Michael se chegando a nós para da um abraço grupal.

-E o Jake Paris, já sabe? _Perguntei.

-Ele pulou fora Sarah. _Seu olhar era de decepção, mas Paris tinha sua cabeça erguida como sempre teve. Eu admirava muito isso nela, se fosse eu, eu não saberia o que fazer provavelmente estaria desesperada.

-Ai meu Deus amiga! _Me compadeci.

-É um moleque sem escrúpulos, se aproveitou da minha filha e agora se manda como se nada tivesse acontecido. Eu sabia que ele faria uma coisa dessa eu sempre soube e...

-Pai chega tá? Não quero mais falar sobre isso. _Paris interrompeu o pai.

-Tudo bem filha, você tem razão não adianta nada  fazer esse tipo de discurso dizendo que “eu avisei” logo agora. Aconteceu né? Agora precisamos nos unir.

-É isso ai. _Falei.

Abracei Paris mais uma  vez e depois acariciei sua barriga que crescia um neto do Michael e eu pude ver nos olhos dele o quanto estava feliz e orgulhoso.

(...)

Alguns dias depois Michael levou Paris pra começar o pré-natal do bebê assim como ele fez comigo também e graças a Deus estava tudo bem com nosso pequeno e com Paris também.
Mais ao longo dos meses enquanto eu estava tendo a noticia que meu bebê era uma menina Paris recebia a de que a gravidez dela estava com algumas complicações. Paris sentia dor constante a todo momento, mas graças a Deus não sofreu nenhum aborto e os médicos diziam que a gravidez dela era complicada e de risco, nos deixando apreensivos.

Michael se desesperava com a agonia da filha e eu nem se fale. Por um lado que estávamos felizes com a minha gravidez, estávamos preocupados com a gravidez de Paris.







Capítulo 32

Sarah Andrews

Em uma madrugada dessas Paris havia passado mal a noite toda, ela estava com 3 meses e eu com 6, Michael estava preocupado e não era pra menos Paris sentia dor e enjoos a todo momento. Michael sem esperar mais nem por um segundo se levantou da cama se preparando pra levar a filha no hospital.

-Vai leva-la agora? _Perguntei. Eu estava deitada na cama, ainda era bem cedo.

-Não tem outro jeito, ela está muito mal, sente dores e tudo, estou preocupado Sarah, tenho medo do que possa acontecer.

-Não vai acontecer nada meu amor, tenha fé. _Segurei em sua mão no momento que se sentou na cama para calçar o sapato.

-Espero que tenha razão.

-Eu tenho. _Beijei sua face. –Quer que eu vá com vocês?

-Não amor de jeito nenhum, você também está grávida e hospital não é um ambiente bom por enquanto para uma gestante. Eu vou leva-la sozinho.

-Mas eu quero ajudar Michael, não posso ficar aqui de braços cruzados enquanto minha amiga não está bem. _Insisti.

-Você vai ajudar ficando aqui e se recuperando. _Ele estava decidido que não iria me deixar ir.

-Então me manda noticias por favor.

-Ok Eu mando sim, não se preocupe. _Michael me deu um beijo.

-Vou está aqui orando por ela. _Assentiu e saiu.

Eu não conseguia ficar sem saber de nada, andava para um lado e pro outro no quarto angustiada, sem saber o que estava acontecendo a Paris, eu orava pedia a Deus que tudo desse certo e que nada acontecesse a ela e nem ao bebê.

Senti um chute na minha barriga em meio aquela tensão toda que estava vivendo.

-Aii! _Resmunguei pelo susto.

Era minha pequena dando seu primeiro chutinho de vida, não deixei de me emocionar com o acontecimento, e alisei minha barriga.

-Oh meu amor, logo , logo você vai vim para os meus braços e sua irmãzinha Paris vai sair logo dessa barra não é? _Uma lágrima rolou dos meus olhos, então o meu celular tocou.

-Alô Michael? Como a Paris está? _Fui logo perguntando.

-Está mal amor, a gravidez dela é muito delicada, ela está no soro agora, muito fraca só agora pouco parou de vomitar e está dormindo. Ela vai precisar ficar internada aqui, então quero avisar que não volto pra casa hoje tenho que ficar aqui com ela. _A coisa era mais seria do que eu pensava meu Deus. Paris estava muito mal mesmo.

-Michael eu quero vê-la, por favor deixar eu está perto também?

-Sarah você está grávida preciso preservar minha mulher e minha bebê também, estou aqui com ela e tudo vai dar certo. _Ele insistia em não deixar com que eu me aproximasse.

-Michael será que você não ver que estou angustiada aqui? Por favor deixar eu ver Paris, sei que não vou poder fazer nada, mas quero está ao lado dela. _Michael relutava, mas acabou cedendo.

-Está bem Sarah, mas pelo amor de Deus não se esforce muito, não quero que nada aconteça com você também.

-Não vai acontecer nada meu amor, vou pedir Bill que me leve.

-Está  bem.


Quando desligamos me arrumei mais que depressa e com Bill me levando cheguei ao hospital rapidamente.






Capítulo 33

Michael Jackson

Eu estava desolado em ver Paris naquele estado, assim que chegamos ao hospital a colocaram imediatamente ao soro. Isso fez com que o enjoo e a dor passassem e a fez dormir um pouco.

Conversei com o médico e ele continuava dizer que a gravidez dela era de risco a qualquer momento poderia ter um aborto espontâneo o que me deixava ainda mais aflito.

-Pai? _Paris me chamou com a voz um pouco fraca e eu fui me chegando até ela.

-Oi meu amor? Como você está?

-Estou melhor pai. _Ela segurou em minhas mãos. –Pai não quero perder meu filho, não quero. _Seus olhos se encheram de lágrimas.

-Oh minha linda, vamos ver o que vai acontecer está bem? Não vamos pensar nisso agora. O importante é que você esteja  bem e que logo você saia daqui sã e salva.

Claro que eu me preocupava com o bem estar do meu neto, mas no momento era a Paris que tinha que me preocupar. Por enquanto os médicos estavam fazendo de tudo pra que ela se recuperasse e que não precisasse abortar, mas eu não sabia quanto tempo isso duraria e até quando esse bebê permanecesse vivo. Paris tinha medo de perder o bebê, mas se fosse  necessário que o tirassem para que ela ficasse comigo eu não pensaria duas vezes.

-Oi! _Era Sarah entrando com cuidado ao quarto.

-Oi Sarah. _Paris ficou eufórica com a presença da amiga.

-Que bom que você chegou meu amor. _Meu semblante era ainda sério desolado, cansado.

-Eu precisava vim, precisava ficar ao seu lado Paris. _Sarah acariciou o rosto da amiga.

-Acho que vou perder meu bebê Sarah.

-Não pensa nisso agora amiga vai da tudo certo, você vai sair dessa, seu bebê vai nascer e vamos ser uma família.

-Eu não sei, já perdi as esperanças, o medico disse que a qualquer momento posso perder meu filho e isso me entristece demais. Sabe eu já fiz planos para o meu bebê eu até já estava acostumada em ser mãe em criar um filho, e agora tudo fica tão difícil assim. _Lágrimas escorreram dos olhos de Sarah era como se ela soubesse exatamente como Paris estava sentindo. Uma mãe sempre entende a outra e pelo olhar dava pra ver o quanto elas se compreendiam.

-Olha Paris você é nova, linda se acontecer algo que tenho certeza que  não vai acontecer nada, você vai ter a chance de ser mãe de novo, você vai ver.

-Não Sarah. _Paris chorou ainda mais. –Eu quero esse, esse. _As duas se abraçaram e eu não aguentei mais ficar ali.

Fui saindo de fininho entrei no banheiro masculino e desabei a chorar, se eu pudesse fazer alguma coisa pra minha filha não sofrer tanto eu faria, qualquer coisa.

(...)

Paris ficou mais alguns dias no hospital e logo recebeu alta, ela estava melhor e mesmo que a gravidez ainda fosse de risco estava seguindo bem, o bebê ainda permanecia vivo por mais que o médico dissesse que não vingaria.

Minha filha estava de volta em casa e eu mais tranquilo. A alegria voltou ao rosto e aos olhos azuis dela como sempre foi me deixando feliz também.

E então assim pude curtir mais um pouco da gravidez de Sarah a qual eu estava perdendo certas coisas.

-Sarah nossa menininha está mexendo! _Eu estava acariciando a barriga enorme de Sarah quando de repente senti um chute em minhas mãos, fiquei louco é claro.

-É ela tem feito isso sempre ultimamente. _Falou sem importar muito e eu estreitei o cenho.

-O que? Você tá querendo me dizer que não é primeira vez?

-Não amor ela já tinha mexido antes.

-Não acredito que perdi isso. _Me entristeci.

-Tudo bem Michael, você estava cuidado da Paris, não se preocupe eu entendo.

-Essa história tem afetado a todos não é? Perdi até o primeiro chute da nossa filha.

-Mas agora a Paris está bem e isso que importa. _Sarah era incrível sempre pensando nos outros eu amava essa atitude dela.

(...)

Sarah comprou um livro de nomes para bebês para que finalmente escolhêssemos o nome da nossa pequena que ainda não tínhamos escolhido pelo os acontecimentos de antes.

Estávamos sentados juntos na sala lendo a cada nome e se divertindo com cada um.

-Poderíamos chama-la de Micaela pra parecer com o seu nome. _Sarah disse.

-Não sei amor acho esse nome tão forte para uma menininha, que tal Sofia, acho lindo, Luiza qual quer um desses. _Sarah pensou.

-Humm Luiza achei lindo. Luiza. _Então Paris se chegou a nós. –Hey Paris o nome da sua irmã vai ser Luiza.

-Ai que legal adorei. _Disse eufórica.

Todos nós ficamos felizes pela escolha do nome e eu mais ainda ansioso em chamar minha pequena pelo seu nome e pega-la nos braços finalmente.








Capítulo 34

Paris Jackson

Os meses passavam e eu estava melhor, não havia sentindo mais nada tentei me convencer que era só os primeiros meses já que toda mulher passava por isso. Meu medico ainda estava com alguns cuidados comigo e me pedia sempre repouso dizendo que minha gravidez ainda era de risco, mas agora tive a esperança que eu iria ter o meu filho. Que iria pega-lo nos braços e isso me dava mais confiança. Descobri que meu filho era um menino e eu estava ainda mais feliz.

Eu já estava com 6 meses agora e Sarah com 9, sua barriga estava enorme quase pra nascer a nossa pequena Luiza, já que Sarah não iria ter o parto normal já haviam marcado a data da cesariana e isso deixou meu pai mais que ansioso pelo dia.

Já havíamos arrumado o quarto da pequena Luiza todo decorado de rosa do jeito que Sarah sempre quis.

(...)

Naquela tarde de segunda-feira estávamos na varanda de casa conversando sobre nossos filhos, não havíamos ido para faculdade já que eu e Sarah resolvemos dar um tempo até nossos bebês nascerem com segurança e assim retomar nossa rotina. Papai não quis aceitar de principio, mas depois do que houve comigo ele achou melhor a ideia. Não iriamos desisti, mas é que nesse momento éramos meio que obrigadas a isso.

Mas o que me deixou um pouco perturbada naquela tarde foi uma visita inusitada.

-O que esse moleque está fazendo aqui na minha casa? _Papai se levantou com fúria quando viu Jake se aproximando de nós.

-Eu preciso conversar com a Paris Senhor, por favor me deixe falar com ela. _Ele pedia insistentemente e pelo olhar não iria embora enquanto não falasse comigo.

-Eu quero você longe da minha filha, ou eu juro que acabo com você. _Papai se aproximou de Jake segurando na gola de sua camisa polo, temi pelo o que ele faria.

-Pai por favor, pare  com isso! _Entrei no meio.

-Paris eu disse que se esse cara se aproximasse eu.... _O Interrompi.

-Pai deixa esse assunto comigo. Por favor não se meta agora. _Papai me olhou descrente, mas com Sarah o chamando ele acabou cedendo e entrou junto dela para casa.

-O que você quer Jake? _Meu olhar era de fúria e ele passou os olhos pela minha barriga.

-Nossa como cresceu! _Se admirou.

-É já tenho exatos 6 meses. _Permaneci séria. –O que você quer Jake?

-Paris eu sei que fiz besteiras que eu agi errado em ter te abandonado, mas é que eu fiquei assustado. Não sabia lidar com isso, mas agora... Agora sinto sua falta, quero está ao seu lado ajuda-la a criar nosso filho. _Sorri sarcástica.

-Ah agora ele é seu filho? Antes você não queria nem saber e agora quer perdão? Sinto muito Jake, mas eu não posso aceitar o que me propõe. Você me magoou, me deixou quando eu mais precisei. Você acha que vou confiar em você depois do que fez?

-Paris por favor eu te amo. Não consigo viver longe de você. Por favor me perdoa?

-Você acha que é só chegar aqui e pedir desculpas e tudo vai se resolver? Pois fique sabendo Jake que não é bem assim. Não quero saber mais de você. Vai embora por favor? _Pedi.

-Ok, mas eu não vou desisti Paris, ouviu bem? Não vou. _Deu seu recado me deixando abalada senti meus olhos queimando e sendo tomado pelas lágrimas quando se virou e foi embora.


Eu sei que eu deveria odiar o Jake por ter feito isso comigo, mas eu o amava e apesar de tudo eu tinha um fruto dele dentro de mim ao qual iria nos unir pra sempre.







Capítulo 35

Michael Jackson

Era uma coragem enorme da parte de Jake adentrar as portas da minha casa depois de tudo que ele fez com Paris, minha vontade naquele momento era de quebrar a cara dele, mas infelizmente em respeito a Paris não fiz isso.

Aquela conversa estava longa demais eu estava pra ir até lá fora acabar com tudo, mas Sarah me impediu.

-Amor deixe eles se resolverem, não se meta nisso Paris sabe o que faz. _Ela acariciava meus cabelos enquanto eu estava bufando de raiva.

-Se ela não souber o que fazer eu já sei Sarah, acabo com a vida desse moleque.

-Amor não diz besteiras por favor, sei muito bem que não seria capaz disso. _Olhei sério para seus olhos.

-Experimenta mexer com minha filha, com você ou qualquer um de nós pra você ver o que eu viro. Um bicho Sarah é isso que eu viro. _Sai em passos firmes indo para o quarto.

Alguns minutos depois olhei pela janela e vi Jake indo embora cabes baixo provavelmente Paris tinha lhe dado o que merecia. Essa era minha filha.

Paris disse mais tarde que Jake estava arrependido e queria agora cuidar dela e da criança. Haha! Era muito conveniente ele querer isso logo agora. Isso é típico de moleques de sua idade.

Mas senti orgulho de Paris ao saber que ela não o perdoaria, mas na verdade ela tinha um olhar duvidoso que me deixou preocupado.

(...)

Já havia entrando no nono mês de gestação de Sarah e nossa menina estava prestes a nascer me deixando ansioso em vê o rostinho lindo dela olhando para mim.  A data da cesariana  já estava marcada e Sarah arrumava a bolsa da neném onde estava tudo que ela precisaria nesses dias.

Já era manhã do dia 18 de Janeiro e eu mais que ansioso me levantei naquele dia as pressas para levar minha mulher ao hospital para se internar. Sarah tomou um banho e eu já abria as cortinas do quarto para o sol lindo entrar e iluminar aquele dia de felicidade para nós.
Peguei algumas coisas que Sarah levaria já pra colocar dentro do carro.

Então fui até o quarto de Paris pra avisar que logo, logo sairíamos. Mas ao entrar em seu quarto vi uma cena que jamais queria ver antes. Paris estava caída ao chão e havia sangue pra tudo quanto era lado.

-Paris!!! _Gritei apavorado.

-Me ajude... Pa... pai! _Sua voz era fraca e quase inaudível me deixando desesperado.

Peguei Paris no colo com cuidado eu não sabia o que fazer, se chamasse alguém ou se tentava tirar Paris daquela situação caída ao chão quase desfalecida.

-Socorroo! Socorro! Alguém me ajude! _Eu gritava, deixei Paris por um instante e sai gritando na casa chamando por Bill o Motorista que já estava pronto para levar Sarah ao hospital.

-Amor o que foi? _Saiu Sarah do quarto assustada pelos meus gritos.

-A Paris, ela está... Ah, ela... _Eu não conseguia dizer nada, estava desesperado demais. –A Paris Sarah.

-O que houve com Paris Michael, fala! _Sarah já se apavorava mais que eu.

-Está caída no quarto. _Quando consegui falar já era em meio ao choro.

-Ai meu Deus!

Bill chegou e eu o mandei que me ajudasse a colocar Paris no carro a levar mais que depressa ao hospital, eu temia em ser tarde demais.

Sarah pegou suas coisas e fomos todos juntos para o hospital, Paris gritava de dor e eu tentava acalma-la, mas quem estava apavorada era eu. Sarah nem se fale.

Em fim chegamos ao hospital e pela situação de Paris a encaminharam logo a sala de cirurgia.

-Pai Chame o Jake, por favor? _Ela me pedia com lágrimas nos olhos e em um momento eu pensei em dizer não, mas eu precisava tirar esse ódio do meu coração a atender minha filha. 

Então balanceia cabeça em um sim dificultoso.

Quando Paris entrou me impediram de ir com ela, e eu disquei o número de Jake tremendo, Sarah tinha o número dele e me passou.

-Jake, Paris precisa de você, por favor venha até aqui nos hospital? _Eu praticamente suplicava.

-O que ela tem? _Perguntou.

-Ela sempre teve uma gravidez  de risco e agora ela piorou, por favor vem logo.

-Já estou indo Senhor. _Ele me parecia aflito do outro lado.

Olhei para Sarah assim que desliguei, sua barriga enorme de 9 meses com minha filha pra nascer justo naquele dia que minha filha estava do jeito que estava me deixava ainda mais maluco sobre tudo aquilo que estava acontecendo.

-Sarah nossa filha! _Sussurrei sôfrego me sentei ao lado dela e ela me abraçou.

-Vai dar tudo certo amor, o importante agora é Paris. _Encostei minha testa na de Sarah e ela me passava total força.

Em menos de 20 minutos Jake entrou no hospital desesperado.

-Onde está Paris?

-Está lá dentro, os médicos ainda não deram noticias.

Naquele momento um médico apareceu e eu já fui logo até ele para que me falasse logo o que estava acontecendo com minha filha.

-Ela perdeu muito sangue Senhor, está muito mal. Eu sinto muito, mas teremos que fazer uma cesariana de imediato, o bebê não vai poder esperar até o nono mês.

-Meu neto será prematuro?

-Infelizmente senhor.

-E minha filha, como ela está?

-Conseguimos controlar o sangramento e por Deus ela está bem, assim que o bebê nascer ela ficará melhor. _Um alivio veio em meu ser fazendo todos nós respirarmos aliviados. –Quem irá assistir o nascimento do bebê?

-Eu. _Eu quis dizer eu, mas Jake se pronunciou na hora e Sarah estava também a ponto de dar a luz ao mesmo tempo. Deus que dia!

-Está bem Jake, entra lá. _Segurei em seu ombro.

-Vamos trazer seu neto para o mundo senhor. _Ele olhou para mim e eu sorri, dando um abraço forte nele. Era o começo de uma trégua para ambos.

Jake entrou e eu fiquei segurando a mão de Sarah, em poucos minutos depois apareceu o obstetra de Sarah na sala de espera.

-Sarah Jackson? _Olhamos em direção para o médico.

-Aqui. _Sarah se pronunciou e o medico se chegou até ela.

-Vamos lá trazer essa menininha ao mundo? _Falou divertido.

-Vamos. _Ela sorriu também.

-Amor nossa filha vai nascer. _Eu estava extasiado caindo a minha ficha.

-Vai sim meu amor. _Lágrimas saíram de seus olhos.
Beijei minha mulher nos lábios e juntos fomos até a sala de parto. Meu neto e minha filha nasceriam ao mesmo tempo.

Vesti roupas especiais e Sarah deitou na maca. Meus pensamentos era em Paris e ao mesmo tempo  em minha filha. Eu não sabia o que fazer, não sabia como lidar com aquilo tudo. Uma hora feliz e outra preocupado e angustiado.

O obstetra anestesiou Sarah e eu segurando em sua mão admirava o sorriso lindo dela nos lábios, eu sei que ela também estava angustiada por Paris, mas esse era o momento dela, ela precisava está bem para trazer nossa menina ao mundo.

A cirurgia começou e olhando nos olhos de Sarah com lágrimas derramando em meus olhos se ouviu o chorinho estridente em meio aquele silêncio.

Olhei para minha filha toda coberta de sangue e me emocionei ainda mais com a cena, tão linda e tão pequena.

-Oh meu amor ela é linda! _Luiza foi colocada nos braços de Sarah e eu beijei sua cabecinha com cuidado.

-Nossa menina amor, nossa menina! _Sarah também a beijava.

Luiza foi levada para se limpar e Sarah para o quarto. Enquanto minha mulher descansava fui saber noticias de Paris.
Jake vinha de lá com lágrimas nos olhos.

-É um meninão senhor. _Chorei com vontade abraçando Jake completamente.

-E Paris? Como ela está?

-Está ótima, se recuperando. _Em meio aquela turbulência do dia finalmente ouvi uma ótima noticia e tudo acabou bem.

-Graças a Deus, graças a Deus!

Pouco tempo depois fui conhecer meu neto finalmente, ele era lindo, tão pequeno, tão frágil, mas estava bem e era saudável apesar de tudo.


Aquele pesadelo todo acabava.








Capítulo 36

Sarah Andrews

Minha filha finalmente nasceu eu já a tinha em meus braços e a felicidade tomou conta do meu ser. Ser mãe era o que eu mais queria e agora pude realizar esse sonho com o meu marido.

Em meio a tudo aquilo Paris voltou a passar mal de novo, era triste pensar que ela estava tendo que passar por isso, mas graças a Deus tudo deu certo e ambas tinha nossas crianças conosco.

Michael pediu os enfermeiros para que ficássemos no mesmo quarto e assim aconteceu. Paris  foi trazida até o meu e eu fiquei muito feliz.

-Que bom que deu tudo certo amiga! _Falei segurando sua mão, a cama de Paris ficava bem perto da minha.

-Sarah desculpa tumultuar o nascimento da sua filha, sei que ao longo da sua gravidez quando a atenção deveria ser toda pra você acabou vindo essas dificuldades ofuscando o seu momento.

-Ei, ei, ei! Não fale isso nem por um momento ok? Você  não ofuscou nada. Paris essas coisas a gente  não pode prever ou evitar acontecem, eu não me senti ofuscada nem por um segundo ouviu mocinha? O que importa agora é que nós duas temos os nossos bebês conosco e toda a dificuldade acabou. _Ela sorriu pra mim em fim.

-Obrigada Sarah você é realmente especial. Obrigada por aparecer nas nossas vidas.

-Own amiga obrigada por vocês terem aparecido na minha vida, amo demais seu pai, você, são minha família. _Lágrimas começaram a brotar em meus olhos e eu tratei logo de limpar. –Não vamos chorar não é? É momento de felicidade e não tristeza.

-Verdade. _Paris secou as dela também.

-E o Jake Paris, ele todo preocupado com você e com o bebê, você precisava ver. _Paris riu.

-É ele está como eu o conheci Sarah, estava do meu lado no parto segurando a minha mão, me deixando tranquila.

-Será que ainda tem volta?

-Acho que sim. _Estreitou o cenho sorrindo e eu também sorri.

-Ai amiga vamos ser felizes precisamos disso e você mais que nunca.

-Obrigada Sarah... Papai também está mais brando com o Jake.

-Está mesmo, eles se abraçaram na hora que Jake entrou com você.

-Sério?

-Sério. Estavam lindos senti tanto orgulho do meu Michael.

-Tomara que dê tudo certo.

-Tomara.

Em poucos minutos chega duas enfermeiras com a pequena Luiza no colo e o bebê de Paris que ela ainda não escolheu o nome. E depois Michael e Jake também entraram.
Acomodei minha pequena no colo e comecei a amamenta-la .

-Como minha família está crescendo heim? _Disse  Michael. –Virei pai e avô no mesmo dia. _Sorrimos.

-Isso que é ser abençoado não é Sr Jackson? _Comentou Jake.

-Ohhh!

-E qual vai ser o nome do garotão heim Paris? _Perguntei.

-Bom já que nossa menina se chama Luiza, eu estava pensando no meu bebê se chamar Luiz. Uma homenagem que quero fazer a meu pai e Sarah, por apesar de tudo estiveram ao meu lado me dando total apoio. Se  não fossem vocês eu nem sei o que faria. _Ficamos surpresos é claro, mas eu me senti honrada e Michael nem se  fale.

-Own Paris fico feliz, muito mesmo. _Fiquei tocada pela homenagem.

-Então vamos da às boas vindas a Luiza e Luiz. _Michael falou divertido e riamos.

-Paris eu quero dizer que eu sei o quanto fui um tolo de me afastar de você no momento em que  mais precisou. _Jake começava um discurso. –Mas agora quero que tudo seja diferente, eu estava falando com seu pai lá fora e ele me deu sua benção e quero dizer que quero me casar com você para que possamos criar nosso filho juntos. _Paris ficou estarrecida  com o pedido e eu me alegrei.

-Ai meu Deus Jake! _Paris olhou para Michael que fez um sim com a cabeça em aprovação. –Aceito, ai meu Deus aceito Jake.

Acabamos nos emocionando mais uma vez e Paris e Jake se abraçaram. Era um momento realmente único e especial para ambos.

(...)

Os dias passaram e finalmente Paris e eu recebemos alta, o quarto de nossos bebês estava organizados para recebe-los. Luiz ficou alguns dias mais no hospital devido ser tão pequeno e prematuro, mas logo pôde está conosco em fim.


Michael estava bobo com o neto e filha  ele nem cabia dentro de si de tanta felicidade segurando os dois no colo.




Capítulo 37

Sarah Andrews

3 meses se passaram Paris e Jake estavam prestes a se casarem. Paris estava linda com seu vestido de noiva e muito emocionada também.

Eu e Michael e as crianças assistimos a cerimônia simples na igreja da cidade, Michael parecia um bobo emocionado em ver a filhinha se casando, acho que finalmente caiu a ficha que a menininha dele virou uma mulher diante de seus olhos. 
Michael agora apoiava o casal mais que  nunca fazendo com que nossa felicidade aumentava ainda mais.

Logo depois dos votos de casamento de ambos que foi uma emoção só, foram declarado marido e mulher e finalmente estávamos felizes.

(...)

Algum tempo depois Paris e eu voltamos a faculdade, continuando nossas rotinas e tentando finalmente nos formar. Entramos de cabeça aos estudos retomando aquilo que infelizmente tivemos que deixar.

Paris morando com o marido em uma casa modesta e eu e Michael ainda na nossa casa sempre fazíamos comemorações para unir nossa família e na noite de natal não foi diferente. Michael mandou preparar um lindo banquete para a ceia de natal para que nossa família comemorasse.

-Nossa filha está linda amor, cresceu tanto. _Disse pegando Luiza no colo.

-Está linda meu amor, você também não fica atrás. _Michael veio me beijar e correspondi o beijo degustando a boca deliciosa do meu amor.

Michael pegou a câmera dizendo que iria tirar uma foto nossa.


-Sorriem meus amores. _Sorri com Luiza pousando para foto.



-Minhas princesas lindas. _Disse ele desligando a câmera.

-Oi pessoal! _Era Paris chegando com o Jake.

-Oiii, entrem gente. _Fui até eles sendo receptiva. –Own como ele tá fofo. –Me referi a Luiz.

-Está enorme. _Constatou Paris, eu admirava a recuperação que ele teve apesar de ser prematuro estava agora forte e lindo.

-Vamos tomar um vinho Jake? _Convidou Michael.

-Xii estou vendo que esses dois vão ter conversa de homens. _Falei torcendo a boca e rimos.

-Ah olha só quem fala, vocês duas ai juntas vão se trancar no quarto e fofocar. _Riamos mais.

Dito e certo Paris e eu fomos para o quarto e fofocamos muito enquanto eles foram tomar o tal vinho. Paris e eu  conversamos  sobre nossos filhos, como fazíamos para troca-los, como dávamos banho, suas traquinagens e também sobre nossos maridos é claro.

-Ah Sarah estou tão feliz, eu amo o Jake demais, e sendo mãe agora é a coisa mais incrível que já me aconteceu.

-Comigo também tem sido assim, eu amo seu pai e cada dia o amo mais. Nossa filha é incrível e tem sido nossa alegria.

-Que bom Sarah que bom que estamos felizes, essa sensação é maravilhosa.

Eu e Paris nos abraçamos e quando deu meio noite os fogos iluminavam o céu eu abraçava Luiza e Michael comemorando o momento de nossa felicidade, não era diferente entre Jake e Paris.

Depois entramos e ceamos a base de risos, alegrias, descontração.
Quando foi a hora de abrir os presentes que foi uma festa só. Paris deu uma boneca linda para Luiza que minha menina ficou louca querendo brincar e fazer bagunça. Depois eu e Michael demos para Luiz um carrinho enorme para ele brincar também.

Quando foi a vez dos adultos, Jake deu para o sogro um caneta esférica super moderna, e Michael deu pra ele, adivinha?

-Jake quero que você trabalhe comigo na fábrica, me ajudando com a contabilidade.

-O que Senhor? _Não dava pra esconder a emoção que Jake sentiu na hora, assim como todos nós.

-Você não se formou em economia? Então? Nada mais justo você trabalhar comigo lá.

-Mais que honra Senhor, a fábrica Jackson e a melhor do país! _Michael sorriu.

-E ai, aceita ou não?

-Claro senhor, claro. Ai meu Deus como não. _Todos nós comemorávamos e Jake agradecia Michael a todo momento, Paris ficou orgulhosa do pai.

Paris e Jake voltaram pra casa, coloquei Luiza pra dormir e quando cheguei no meu quarto Michael estava lindo deitado na cama a minha espera.

-Uau cada dia mais gato não é Sr Jackson? _Sorriu pra mim.

-E você nem se fale.

Fui deitando na cama me chegando ao corpo de Michael e deitei em seu peito nu sem camisa. Depositei alguns beijinhos ali enquanto ele acariciava meu corpo.

-Te amo amor. _Sussurrei olhando para ele.

-Eu também princesa. _Nos beijamos. –Obrigada pela filha que me deu.

-Obrigada você por existir na minha vida. _Michael me trouxe ainda mais para seu corpo e se iniciou um beijo intenso, cheios de desejo e paixão.

Quando dei por mim estava nua fazendo amor com ele. Sentados na cama Michael me entorpecia com os beijos em meu pescoço fazendo minha cabeça tombar pra trás enquanto o sentia duro e grosso dentro de mim. Nossos movimentos se intensificavam e eu gemia em seu ouvido.

Com o suor, beijos, gemidos, movimentos, investidas, paixão e amor não demorou muito para chegarmos ao orgasmo nos devastando. Michael ainda me excitava muito é claro, e o desejo pelo meu amor só crescia ao longo do tempo. Fazendo de mim a mulher mais feliz e agradecida a Deus pela família que me deste.







Capítulo 38

Michael Jackson

Minha vida não poderia está melhor, eu era o homem mais feliz do mundo ao lado de Sarah, com minha filha, meu neto, Paris e meu genro. Era a família que eu sempre quis e que eu achava nunca ter depois que a mãe de Paris morreu, me fechei no mundo e não consegui ver o que a vida me oferecia, mas graças a Deus abre os olhos na hora certa, quando Sarah apareceu na minha vida trazendo a alegria a minha casa, me fazendo o homem mais feliz do mundo.

Eu sem duvidas era um homem vivo e feliz de novo e nada nem ninguém poderia tirar isso de mim.

Em fim Sarah e Paris terminaram a faculdade estavam lindas de beca de formandos recebendo o diploma, eu segurando Luiza que já estava grandinha no colo na plateia  e Jake Luiz enquanto víamos a mãe deles com o sorriso enorme recebendo o canudo.

Jake me ajudava na fábrica e nunca se houve tanto lucro em menos de um ano, conseguimos produzir o maior número de tecidos que jamais imaginei. Jake era ótimo em negociações e logo se tornou o segundo presidente. Eu tinha orgulho dele e era o meu braço direito em tudo.

E meu casamento com Sarah estava cada vez melhor eu a amava com todas as forças. Às vezes morria de ciúmes dela claro, ela era linda e os homens não mediam esforços em dar em cima dela, mas eu confiava na minha mulher e o amor que ela sentia por mim me dava confiança a todo momento. E nossas noites de amor ficava cada vez melhor, Sarah cada dia mais sentia um necessidade tão grande de fazer amor comigo que me deixava o homem mais satisfeito do mundo na cama.

Paris e Sarah conseguiram arrumar um ótimo emprego no centro de pesquisas de L.A para tentar descobrir doenças e curas, para animais e seres humanos, mas é claro que era pesquisa com plantas nada de pesquisas com animais, elas eram totalmente contra e abominavam isso.

Como eu disse minha família estava crescendo e logo ganhei mais um neto e mais um filho.
Os problemas da vida viam, pois sempre vem, mas com o amor que tínhamos um pelo outro conseguíamos resolver tudo da melhor forma possível.

Recebi uma segunda chance para viver e ser feliz finalmente.






FIM

40 comentários:

  1. Esse fic promete fortes emoções :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. =) espero que goste e fique até o final =D

      Excluir
  2. Meninas comentem ta bom? É muito importante os comentários
    Vou postar mais aqui ;)

    ResponderExcluir
  3. Continua! Quero saber o que vai acontecer depois da lua de mel do michael e da sarah. :D

    ResponderExcluir
  4. postaaaa,para ñ pf ta bom,esta tão bom.

    ResponderExcluir
  5. Que tal sarah e amigo? ficaria legal, e quando tudo acabasse sarah veria que o seu verdadeiro amor é michael.

    ResponderExcluir
  6. Olá meninas cheguei com mais aqui pra vcs vou postar

    ResponderExcluir
  7. aiii ki fofoo, mike emocionado, com a gravidez... ooownnt *--*

    ResponderExcluir
  8. ufaa chegueei!!! kkkkkkk'
    continua logo guria, ansiosa aqui!!

    ResponderExcluir
  9. ai né... então, esperando ansiosa pela continuação..... tão lindo o Mike emocionado... continua logo flor

    ResponderExcluir
  10. vc sumiu moça.. precisa postar,estamos anciosas akie.... num para ñ...

    ResponderExcluir
  11. Volteeeeeeeeei desculpa a demora meninas estou de volta

    ResponderExcluir
  12. ate kem fim muie kkkk, ja tavo* com sdds kkk, paris gravida putz,, kkk ke de +

    ResponderExcluir
  13. mas que confusão, dois bebes quase ao mesmo tempo. Quero ver quando nascer, kkkkk' vai ser uma loucura!! kkkkk'

    ResponderExcluir
  14. Vou postar mais um pouco aqui :p Obrigada meninas

    ResponderExcluir
  15. vishii será que vai acontecer algo?? aiin :(

    ResponderExcluir
  16. ebbba,, kkk incrivél *---------* cap.novo.

    ResponderExcluir
  17. To aquiiiiiiiiiiiiiiiiiiii vou continuar \o/

    ResponderExcluir
  18. A fic está chegando ao fim, próximos caps será o final ok girls? Beijão

    ResponderExcluir
  19. Cheguei com o final meninas. Vejo vcs em Uma história de amor no Gueto Beijão e até lá :*

    ResponderExcluir
  20. como assim já acabo??? putzz eu não esperava achei que passou tão rápido snifff (
    mas eu já to la no outro hehe
    adorei flooor!!!

    ResponderExcluir
  21. Confesso que essa fic foi a mais linda que li, ela fala muito em Amor e é isso que precisamos Mike iria adorar essa historia era isso que ele pregava somente o AMOR! Bjs

    ResponderExcluir