quinta-feira, 22 de outubro de 2015

FanFic: "Como não se apaixonar?" (+18)

Autora: Marícia Jackson






Sinopse:

 O que pode acontecer quando um rapaz obediente e recatado como Michael acaba se apaixonando justamente por uma mulher de gênio forte como Mercedes? 
 Uma jovem ativista que odeia a família Jackson mais do que qualquer outra coisa nesse mundo e que recebe esse sentimento mútuo por Leon Jackson, o presidente da maior construtora do continente americano. 
  O que Mercedes não contava é que iria se apaixonar justamente pelo filho de seu maior inimigo, e conseguir viver esse amor será uma verdadeira batalha.
 Ela será capaz de vencer o orgulho e admitir o que sente? Michael terá coragem de ser dono de si e  enfrentar o pai para ser livre? 
 Novas experiências, descobertas, brigas e conflitos.. Tudo isso causado por um detalhe chamado... amor.



Capítulo 1 


Mercedes





                                   
 Eu,diferente da maioria da população que vive na cidade de Nova York,não dependo de um capetinha chamado despertador. Pra mim, ele só serve para controlar sua vida desde o primeiro momento em que o ser humano abre os olhos. E eu definitivamente não faço parte desta estatística.
 Me viro pro lado da cama e uso o travesseiro para abafar o barulho que vem lá da rua. Na certa é o pessoal da banda chegando na galeria.
 Pois é, esqueci de mencionar que moro num enorme galpão caindo aos pedaços no subúrbio do Brooklyn ,mas apesar desse detalhe, é o melhor lugar do mundo. Aqui criamos um grupo de arte. Tem música, dança e como costumam dizer, muito sexo e rock and roll. 
 Mas não é só de indecência que nós vivemos. Aqui damos aulas pra garotada, a fim de livrá-los do mundo do crime. ( Sei que não sou exemplo pra nenhum jovem,mas criminosa eu não sou!)
 Enfim, estamos tentando arrecadar fundos para fazer uma grande reforma no galpão, antes que o Ditador de merda, vulgo Leon Jackson, venha novamente com a ladainha de nos expulsar daqui, coisa que ele nunca vai conseguir.

-Mercedes! Acorda,caramba! - Gina socou a porta do meu pequeno cômodo. Levantei cambaleando e abri a porta

-Cacete! Tá morrendo, é? - Gina fez uma careta ao ver meu estado





-Credo,você tá horrível. Parece que o diabo fez sua cara de pão. - riu

-Acordou engraçadinha.. Transou né? - virei as costas pra ela e abri a geladeira. Entornei a cerveja preta na caneca e bebi um gole

-Não nego que tive um encontro maravilhoso com o Tommy ontem a noite,mas não é por isso que estou de bom humor.

-Por que então?

-Tommy e a banda vão tocar no Rock Star Concert! Não é muita grana, mas já ajuda pra reforma!

-Porra,não brinca comigo! - agarrei Gina pela cintura e a rodopiei - O filho da mãe do Jon não me disse nada! Que safado.. - ri

-Na certa quer contar numa ocasião especial.. - Gina deu um sorrisinho cheio de segundas intenções

-Nem vem tá!

-O que? Você se amarra nesse cabeludo que eu sei!

-Tá..Falou! Mas eu não corro atrás de homem nenhum,você sabe muito bem disso!

-Gente, é melhor descerem agora! - Patrick, um garoto de 17 anos, entrou esbaforido,parecia que estava tirando o pai da forca

-Hey,calma ai.. Qual o problema?

-Tem uns caras lá em baixo com trator e tudo!

-Mas o que? - vesti minha bermuda jeans pronta para tirar a história a limpo

-Estão a mando do Sr. Jackson. - murmurou

-A mando de quem? Fala Patrick! - gritei

-Do Leon Jackson! Merche, esse cara prometeu que ia tirar a gente daqui e está cumprindo!

-Não quero ninguém com medinho aqui, estão ouvindo? - ambos abaixaram a cabeça - Falei grego?

-Não.. - responderam

-Esse velho idiota vai construir hotel no quinto dos infernos,mas aqui não! - desci as escadas ignorando a ladainha de Patrick e Gina

-O que acha que pode fazer contra ele? Os Jacksons são poderosos, somos um grão de areia perto deles!

-Que decepção,Gina.. Logo você se rebaixando assim? É o seguinte, ninguém vai tirar o galpão. Ele é nosso! E mesmo que esse velho fosse o Papa eu estaria me fodendo pra ele!

 Virei as costas e caminhei em direção aos operários. Parei a alguns centímetros de distância ao ver um luxuoso conversível estacionar próximo a mim. O motorista abriu a porta de trás e a visão que tive me fez querer vomitar a cerveja que tomei no café da manhã.

-Ah não.. - ri - Ora ora quem está aqui se não é o Deus Leon Jackson!  - o velho tirou os óculos escuros, saiu do carro e parou na minha frente




           

-A suburbana petulante que acha que é gente..Não acha que é pirallha demais pra bater de frente comigo? - disse com o mesmo ar sarcástico de sempre. Nojento!

-Eu não acho, tenho certeza! - cruzei meus braços. Seus lábios se comprimiram,denunciando sua irritação. Ele aproximou seu rosto do meu ouvido.

-Saia do meu caminho antes que eu mesmo faça isso com minhas próprias mãos. - falou pausadamente - Entendeu, docinho?

-Acha que eu tenho medo de você? Cara eu só não chuto suas bolas porque tenho compaixão por um velho gagá como você.

-Já passou dos limites,sua marginal! - ele agarrou meu braço com força, o que não foi suficiente para me por medo

-Você acha? - ri - Ao não ser que queira levar um processo, sugiro que suma daqui e leve esse bando de puxa saco com você,porque ninguém vai deixar o prédio. Se quiser demolir o galpão vai ter que esmagar todo mundo. Quer ser responsável pela morte de toda essa gente?

-Sua.. - sua raiva era tão grande que lhe faltou palavras. Ele meteu os óculos na cara e se afastou de mim - Voltarei com uma ordem judicial e aí sim você e todos esses favelados vão ter que sumir daqui! - ele me deu as costas e eu gargalhei

-Antes disso acontecer o senhor já estará num asilo,ou hospício, vai saber.. - Leon fez sinal para os operários irem embora e em seguida entrou no carro

 Respirei aliviada quando finalmente se mandaram. Toda a platéia que assistiu o embate começou a comemorar e gritar meu nome.

-Acabou o circo galera, o palhaço já meteu o pé! - ri

-Como consegue rir depois dessa cena? - Gina me abraçou

-Quer que eu fique com medinho? Cão que ladra não morde,mas se eu pudesse torcia o pescocinho de cada componente desse maldito clã dos Jacksons!

-Não é possível que esse cara tenha cismado justo com esse galpão. Aqui não tem nada pra ele!

-É justamente o que ele quer. Tomar conta do espaço, enxotar os pobres e construir uma metrópole para se tornar ainda mais poderoso. Mas eu já disse, aqui ele encontrou uma pessoa que não abaixa a cabeça pra ele! Agora bora fazer o que mais gostamos. Música!

-Só falta você, tá todo mundo te esperando! - baguncei seu cabelo e seguimos para o galpão. Os Jackson conseguem me tirar dos nervos, mas me intimidar, jamais!


Capítulo 2


Michael





                             

            Termino de vestir minha beca, respiro fundo e me junto aos meus colegas de turma. Paul e Gary não dão folga nas palhaçadas nem no dia da nossa formatura no Manchester Elementary. Depois de anos enfurnado aqui, finalmente estou livre desse colégio interno.
    A medida que o tempo passa, os nomes dos meus colegas são anunciados. Sinto um frio na barriga quando a senhora Benety, a reitora do colégio, anuncia o meu nome. Me levanto, maneio a cabeça e não o encontro. Mais uma etapa da minha vida na qual meu pai não participa. 
    Escondo minha decepção e subo os degraus até o palco. Benety me entrega o diploma, me abraça e juntos sorrimos para a foto. Mas eu sorrio com vontade quando pude enxergar a pessoa mais especial da minha vida. Me alegro rapidamente, tiro mais algumas fotos com os demais alunos e praticamente corro para os braços de Corine.

-Meu menino! - Corine abre os braços e me recebe em um caloroso abraço maternal



-Cori, eu morri de saudades,sabia? - minha voz fraquejou

   Corine sempre foi muito mais que minha babá. Acontece que eu sou o irmão do meio, de três irmãos. Maysa é a mais velha,seguida de mim e o Edgar, o caçula da família. 
Geralmente o filho mais velho tem todo o prestígio e admiração dos pais, e o mais novo tem o carinho e atenção. Já o filho do meio.. bem, ele é o café com leite. Seria, se não fosse o fato de eu ser o primeiro filho homem. 
   Como a minha irmã seguiu a carreira de medicina, meu pai apostou todas as fichas em mim para ser seu sucessor na empresa, coisa que sempre evitei pensar. 
   Bem,voltando no assunto Corine.. Minha mãe sempre fez o gênero socialite perua, passa mais tempo na Europa do que em casa, pelo menos é assim desde que me conheço por gente. Meu pai então.. esse só aparece pra ditar regras, não só em mim, como na família toda. Corine sempre foi minha babá, ela é a única que sempre teve uma relação mais forte comigo do que com qualquer outra pessoa. Eu a amo como uma mãe.
   Eu estudo no colégio interno desde meus doze anos, e hoje com vinte e um, é a primeira vez que volto pra casa, até a faculdade começar e eu assumir meu cargo na empresa.

-Está tão lindo.. - me olhou emocionada - Sinto orgulho do homem que está se tornando!

-Sempre exagerada,não é? Corine quero que me conte tudo! Como estão meus irmãos? E o papai e a mamãe, por que não vieram? - Corine coçou a nuca e suspirou

-Seus pais estão em Dubai, o Sr. Leon teve uma reunião importante.. Não pôde vir,mas ele estará te esperando em casa. - sorriu tentando me confortar

-Tudo bem, eu entendo..

-Seus irmãos estão loucos pra te ver! Maysa já está em casa te esperando!

-Sério? Então vamos logo, quero muito ver ela!

  No fim do dia, voltei ao meu alojamento, peguei todas as minhas coisas e me despedi dos meus amigos. Prometemos que assim que as férias acabassem nós nos veríamos em Nova York.

(...)

    O jatinho particular da empresa do meu pai pousou no heliporto da nossa mansão. Senti uma alegria imensa por estar de volta pra casa, apesar de não me sentir necessariamente em casa, pois passei mais tempo no Colégio interno do que neste lugar.
   Corine abriu a porta da sala e deu passagem para eu entrar. Fui surpreendido com um balde de gelatina na minha cara,seguido dos gritos escandalosos de Maysa.

-Bem vindo de volta,maninho! - gritou pulando nos meus braços






-Se eu não tivesse com tanta saudade me vingaria dessa sua pegadinha! - fingi estar bravo

-Own.. Você não conseguiria! Além do mais está acostumado, fazemos essa armadilha desde que somos crianças!

-Sua boba! - baguncei seus cabelos cacheados

-Senti tanta saudade,maninho.. Mas agora finalmente você voltou pra casa!

-Nem acredito,Maysa.. E cadê o pirralho do Ed?

-Na aula de hipismo, não deve demorar.. Agora senta aqui e me conta todas as novidades!

-Ele vai é tomar um banho e vir comigo pra empresa. - senti um calafrio ao ouvir a voz ríspida do meu pai. Nem um "bem vindo" ou " senti saudades", apenas mais uma ordem

-Papai! Senti saudades do senhor! - ele se afastou de mim e franziu o cenho



-Não está pensando em tocar em mim no estado que se encontra,não é?

-Não senhor.. Vou tomar meu banho e já estou descendo! - ele acendeu o charuto,assentiu e seguiu para o escritório

***

   Depois de banho tomado, desci as escadas e nem sinal do meu pai. Maysa estava tomando sol na piscina e acenou para me juntar à ela, mas olhando a carranca do meu pai, dentro do carro, nem arrisquei dar um pulo na piscina.

-Que roupa é essa? - meu pai perguntou assim que entrei no carro

-Não entendi.. É verão ué, qual o problema de usar bermuda e chinelo?

-Michael, você está indo para a Empresa na qual você será o futuro presidente! Como quer que tenham respeito por você se vestindo como um marmanjo que não faz merda nenhuma da vida? Suba agora mesmo e volte pelo menos vestido como um homem!

-Me desculpe.. - respirei fundo e desci do carro. Eu não ia chorar mais uma vez pelas grosserias do meu pai,afinal de contas ele nunca teve outro tipo de tratamento para comigo

Me vesti de terno e gravata assim como Leon Jackson ordenou. Eu simplesmente odeio me vestir assim, parece que estou preso em uma gaiola, e olha que esse é meu uniforme desde meus doze anos de idade. É incrível como eu nunca consegui me acostumar!

-Estou à sua altura,senhor? - perguntei com uma pontada de ironia

-Olha como fala.. Tem pessoas que não nasceram para vestir um Armani e você é uma delas! - ignorei sua patada e decidi focar no assunto

-O que quer que eu faça na empresa agora? Pai eu acabei de chegar!

-Você já está atrasado nessa tarefa! Precisa sentir o ambiente, a pressão que é ser o manda-chuva da maior construtora desse continente! - seus olhos brilhavam de puro ego

-Lá vem o senhor com isso.. Pai, eu já disse que isso não é pra mim!

-Sempre foi um covarde.. - riu - Eu não criei filhos medrosos,você entendeu? Nem ouse repetir isso novamente! Já basta o desgosto que eu tenho com a perdida da sua mãe.. A partir de hoje você é o diretor de finanças da Construtora.

-Como pode afirmar isso sem me consultar?

- Tem certeza que quer levantar a voz pra mim? - ele arqueou a sobrancelha, me olhando com repúdio. E mais uma vez eu me calei e acatei sua ordem como um perfeito cordeirinho..



Capítulo 3

Michael


    Passar um dia inteiro trancafiado na construtora foi uma verdadeira tortura. Tive que acompanhar meu pai em dezenas de reuniões, a hora parecia ter sido congelada e o pior é que nada do que diziam entrava na minha cabeça. O que eu realmente queria era estar em casa compondo minhas músicas,pois se tem uma coisa que me deixa completo e satisfeito é quando estou cantando. Se não fosse meu pai torrando minha paciência eu já teria me mandado há muito tempo e seguido a carreira musical,mas como nada é do jeito que queremos,tenho que me contentar com a vida que me foi imposta.
    Ao fim do dia,meu pai finalmente me liberou,mas avisou que no dia seguinte eu deveria estar na empresa as 7:00 horas em ponto,de terno e gravata e uma maleta nas mãos. Não bastasse isso, meu pai deu pra implicar com meu cabelo,dizendo que isso não é coisa de um homem sério,e sim desses meus amigos "perdidos",como ele costuma chamar. Definitivamente ignorei sua implicância,não vou deixar que se meta ainda mais na minha vida. Decidi também não esperá-lo para voltar pra casa,na verdade em apenas um dia aqui eu já estou louco para ir embora. É incrível como não consigo passar um minuto perto do meu pai, ele conseguiu acabar com as minhas férias. 
      Cheguei em casa e subi direto para o meu quarto, ignorando o falatório de Maysa e Corine,na certa perceberam que tive mais uma discussão feia com meu pai. Depois do banho,decidi enviar uma mensagem para os meus amigos, estava planejando sair com eles no dia seguinte,mas no humor que eu me encontro é melhor ficar longe da minha família.

-Pera aí mocinho! - Maysa parou na minha frente - Onde pensa que vai?

-Vou pra qualquer lugar em que meu pai não esteja!

-Brigaram de novo?

-Maysa,eu juro que tento entendê-lo, faço de tudo para me aproximar dele,mas meu pai só sabe arrumar motivos pra me criticar!

-Michael,sabemos como o papai é.. Mas não pode deixar que ele te desestabilize dessa forma! Poxa você chegou hoje,devíamos estar comemorando!

-Comemorar o que? O fato do meu pai ser um tirano ou da nossa mãe nem saber que existimos? - Maysa acariciou meus cabelos e me abraçou

-Comemorar pelo fato de estar perto de mim e do Ed. Não sabe quanta falta sentimos de você.. Eu sei que não temos pais perfeitos, mas temos um ao outro e você sabe que eu quero o seu bem!

-Eu sei,May.. Eu te amo.

-Também amo você.. Está mais tranquilo?

-Vou ficar.. - peguei a chave do carro e coloquei no bolso da minha calça - Só preciso espairecer um pouco.. Não vou demorar.

-Acho bom! Edgar logo chega do curso e já disse que quer te ver. Vai voltar pro jantar né?

-Vou tentar.. Até mais,maninha! - antes que Maysa voltasse com os sermões,saí apressado para a garagem e em questão de segundos estava deslizando com minha Porsche pelas ruas da cidade

    Dereck, meu grande amigo de infância e adolescência, vibrou com a notícia de que eu estava em Nova York. Rapidamente marcou de se encontrar comigo e para fugir do meu pai,aceito ir até na China.

(...)

-Devia ter avisado que tinha chegado,seu viado! - resmungou depois de me dar dois tapas na minha bochecha

-Eu queria ter ligado mais cedo,mas meu pai fez questão de estragar meu dia! - bufei ao me lembrar das intermináveis horas que passei no escritório

-Xii.. já vi que o "Poderoso Jackson" continua o mesmo pé no saco de sempre..

-Está ainda mais rabugento! Mas chega, não quero passar a noite toda falando desse cara..

-Tá mais que certo! E se quer diversão, vou te levar no lugar certo! - afirmou ao tirar a chave da minha mão

-Hey, me explica isso aí! - ri

-Já já vai entender.. Agora passa pro carona porque com toda certeza você nunca foi no Brooklyn! - arregalei meus olhos,assustado

-Brooklyn? Você enlouqueceu?

-Deixa de ser medroso! Não vai se arrepender..


Mercedes


    O movimento na loja de discos foi até razoável durante o dia,mas isso só veio a melhorar no início da noite,já que hoje teremos um show da banda do Jon. E como eles tem feito sucesso em outras cidades, o Rock Star Concert vai ser aqui no bairro e geral decidiu colar no galpão para assistir.

-Gatinha,não vai dar um jeito de fechar essa loja não?

-Só um minuto,Gina.. Hoje chegou várias encomendas e eu tenho que organizar tudo!

-Ah deixa pra amanhã.. Você tem que ir pra casa,tomar um banho e ficar poderosa, porque eu tenho certeza que o Jon vai querer te dar uns catos no final do show!

-Cala a boca.. - ri -  Tudo bem, me ajuda a fechar?

-Nossa! - Gina olhava boquiaberta para a rua

-Que é? - perguntei sem entender

-Te pago um cigarro se adivinhar quem está vindo direto pra cá!

-Fala logo,garota!

-Um dos filhos do Leon Jackson! Tenho certeza que é o mesmo gatinho que aparece nas revistas! - interrompi sua ladainha e fui verificar pessoalmente.

     Não tinha dúvidas, o tal rapaz é sim um dos filhos daquele demônio. Diversas vezes já vi esse cara posando para fotos junto da família, reconheci de cara pelos cachos longos e negros e admito, pela beleza um tanto quanto estonteante.

-Mas que diabos esse cara tá fazendo aqui? - tirei minha jaqueta, sentindo os nervos subirem à minha cabeça

-Segura sua onda, Merche! O cara tá entrando..

 O rapaz entrou acompanhado de um amigo. Parecia sorridente e digo que um pouco amedrontado, provavelmente por estar em um lugar como este. Qualquer um vendo sua forma de vestir e se por,sabe que ele não passa de um mauricinho de nariz em pé.

-Posso ajudar? - fui direta. Ele me olhou assustado e o que mais me irritou foi a forma como ele me encarou - Te fiz uma pergunta, rapaz!




            

-Eu..eu quero ver os discos. - respondeu tranquilamente


                   
-Acontece que a loja já está fechando,então cai fora!

-Isso é jeito de falar com o cliente? - o rapaz que lhe acompanhava teve a petulância de dizer

-Meu assunto não é com você e sim com o Jackson!

-Como sabe quem sou eu? - perguntou desconfiado

-Não te interessa! Cara,devo dar parabéns para o seu pai. Rondar nossa galeria até em horário noturno! - ri

-Qual o seu problema,moça? E outra, o que meu pai tem a ver com o fato de eu querer comprar uns discos?

-Meu querido,eu não sou trouxa. O que é que um garotinho todo fofinho,bem vestido e elegante estaria fazendo aqui? É turismo agora?

-Garota,você é muito abusada! - seu amigo retrucou

-Dereck,me espera lá fora. - pediu

-Tá louco,Mike? É capaz dessa marginal te enfiar uma faca na barriga! - já estava de punhos cerrados quando Gina me segurou

-Vai logo Dereck! Essa senhorita não chegaria ao ponto. Qualquer coisa chame a polícia. - eu quase morri de rir ao ouvir isso. O rapaz saiu resmungando e o tal Michael voltou-se para mim

-Você é surdo ou o que? Não mandei cair fora? - disparei

-Isso aqui é um estabelecimento público,não tem direito nenhum de expulsar um cliente!

-Querido,eu estou me fodendo pro seu blá blá blá. Essa loja é minha e eu faço a porra que eu quiser! Agora volta lá pro seu paizinho e diga que mandar o filho no lugar dele é a atitude mais ridícula que ele já teve!

-Olha aqui moça, eu acabei de chegar na cidade e não tenho noção do que está falando. Será que pode explicar?

-Não te devo explicações nenhuma! Já que você é garoto de recados avisa pro seu pai que ele não vai tomar esse galpão nem por todo milagre desse mundo!

-Eu não sei do que está falando,já disse! Caramba, que história de galpão é essa? 

  Realmente o rapaz parecia mais sonso do que pensei. Tá na cara que ele está boiando no assunto, mas eu não engoli o fato de justamente o filho de Leon Jackson estar aqui na galeria. Aí tem!

- O que vai fazer,Merche? - Gina sussurrou no meu ouvido

-Por enquanto vamos só observar esse moleque.. - voltei a me referir à Michael -Quer saber, tudo bem.. Fique a vontade, escolha seu CD rápido,pois aqui temos horários a cumprir.

-Obrigado! - sorriu ironicamente. 

Ele se virou em direção à uma estante de discos e rapidamente voltou ao caixa com dois discos em mãos. Um do Queen e outro do James Brown. Me surpreendi pelo seu aparente bom gosto.

-35 dólares. - ele abriu a carteira e me entregou uma nota de cinquenta dólares

-Fica com o troco.

-Aqui ninguém tá precisando de esmola,ok? - respondi ao jogar o troco em cima do balcão - Agora se me der licença,quero fechar minha loja!

-Com todo prazer! Tenha uma boa noite.. - ele deu uma piscadela e se virou para a saída

-Babaca! - gritei enfurecida quando ele saiu

-Mercedes, estou chocada!

-Não mais que eu.. Que cara de pau esse Leon! Mandar o filho vir nos vigiar! - ri

-Você acha que foi isso mesmo? Sei lá, ele parecia não entender nada..

-Pode até ser, mas com os Jackson's temos que ter cuidado redobrado. Leon é capaz de qualquer coisa!

-Disso você tem razão.. O Tommy está me procurando. Te vejo no show?

-Claro.. Vai lá,até daqui a pouco.

-Até,linda!

   Enquanto terminava de fechar a porta da loja fiquei pensando nessa estranha aparição do filho do Leon. Achei muita coincidência um rapaz tão rico e refinado estar numa sexta à noite em um lugar barra pesada como aqui. 
    Seja qual for sua intenção,ele já sabe que comigo não se faz de boba. Conheço bem os esquemas sujos do pai dele e se ele faz parte disso, já está ciente que seu plano não funcionou.
     Guardei a chave da loja na minha mochila e saí pela rua fria e movimentada. Como estava apressada para chegar em casa, optei em pegar um atalho para agilizar meu tempo.
Seguia tranquilamente por um beco mal-iluminado quando escutei vozes alteradas. Desacelerei meus passos e caminhei até onde o barulho me indicava.

   Arregalei meus olhos ao ver que se tratava de um assalto e pra me chocar ainda mais,a vítima era o mesmo rapaz de minutos atrás, o filho do Leon. A expressão aterrorizada em seu rosto me desarmou. Por mais que eu odeie sua família e não tenha nenhuma simpatia por ele,eu não podia deixá-lo correr perigo. Reconheci o garoto que estava o ameaçando e parti pra cima dele.

-Deixa o cara em paz ou vai se dar muito mal. E você sabe que eu só aviso uma vez! - ambos olharam pra minha cara. Michael ficou ainda mais pálido - Está surdo,Will?

    Ao ouvir chamá-lo pelo seu nome, o pivete saiu correndo beco afora. Michael se apoiou no muro, respirou fundo e me encarou. Ele me olhou totalmente aliviado e não sei por qual motivo mantive meus olhos vidrados nos seus. Não consegui entender porque salvei a vida desse cara, sinceramente não sei..



Capitulo 4 


Michael

     Depois que saí da loja daquela maluca,procurei por Dereck e nada de achá-lo. Estava definitivamente fodido em um lugar que nunca fui na minha vida,mas o que realmente me deixou irritado foi o jeito que a garota falou comigo. Porra,eu nunca vi essa mulher e do nada vem com uma enxurrada de ofensas pra cima de mim! Mas de uma coisa eu tenho certeza,meu pai tem a ver com toda a fúria dela.
 Já que não achava Dereck em lugar nenhum,decidi sair pelas ruas e procurá-lo. Eu não tinha ideia para onde estava indo até um rapaz encapuzado me abordar. Ótimo, estava sofrendo um assalto! O cara levou minha carteira e quando estava prestes a me socar,ouvimos a voz de alguém. Não acreditei quando vi que era a garota da loja.
 Depois que o ladrãozinho saiu correndo ela caminhou até mim me olhando de soslaio. Eu estava tão nervoso que não conseguia balbuciar ao menos uma palavra.

-Tá tudo bem aí? - perguntou ao me analisar. Apenas assenti com a cabeça -Então saia dessa escuridão, ele já foi embora! - ordenei minhas pernas a se moverem e finalmente consegui sair daquele beco

-Como conseguiu aquilo? - quebrei o silêncio enquanto caminhávamos lado a lado

-Eu conheço a avó dele, ela é uma fera. Por isso levou um susto e meteu o pé..

-Obrigado por ter me ajudado, mas isso é perigoso.

-Não esquenta.. Ele te machucou?

-Não, só levou minha carteira. - bufei irritado

-Se fodeu! - ela riu de uma forma tão espontânea que até mesmo eu ri - Mas relaxa,eu consigo ela de volta.

-Como? Vai fazer mágica?

-Sim. Uma mágica chamada chute nas bolas. - arregalei meus olhos a ouvir seu linguajar

-Que?

-Hmm.. Esqueci que estou falando com uma criança de cinco anos! - preferi ficar quieto antes que ela começasse com o festival de ofensas - O que deu na sua cabeça pra saracotear em um beco deserto?

-Eu me perdi do meu amigo e como não conheço nada daqui entrei naquela rua.. - ela percebeu que eu ainda tremia e subitamente pegou na minha mão

-Está suando frio.. - ela percebeu a cara de espanto que eu fiz - Qual o problema?

-Nenhum!

-Hm.. É melhor tomar uma água.. Sobe. - indicou para o seu apartamento

-Está me convidando para entrar na sua casa?

-Quer que eu desça com o copo d'água? - ela estava sem um pingo de paciência

-Não precisa se dar ao trabalho..

-Então suba. Não vou te esfaquear,se é o que está pensado. - ela riu

-Mas pera aí..qual o seu nome afinal? - perguntei assim que ela abriu a porta

-Mercedes. - respondeu ao me entregar o copo

-Obrigado..

-Senta aí, se quiser. - apontou para o sofá - Olha aqui, foi mal pelo jeito que falei com você lá na loja.. É que eu pensei que fosse coisa do seu pai,mas me desculpe a sinceridade, você é um pouco.. ingênuo.. pra isso.

-Me acha um sonso? - ri

-Não te conheço,mas pude deduzir.. Enfim, eu fui preconceituosa com você e meio que surtei.

-Tudo bem.. Não é a primeira vez que pago pela boa recepção que meu pai tem por aí.. Mas afinal qual é o problema? - Mercedes pareceu pensativa

-Deixa esse assunto pra lá.. Eu vou ser bem franca com você,ok?

-Ótimo,vamos lá. - deixei o copo em cima da mesa e me inclinei para ouvi-la

-Posso ter até cometido um erro ao te acusar de vir a mando do seu pai, mas eu não nasci ontem e estou de olho.

-Já percebi que é você é esquentada, mas se me tratou daquele jeito é porque meu pai realmente fez algo muito ruim com você,mas não pense que vim a mando dele. Se meu pai sonhar que estou aqui ele me mata!

-Percebi que você é um pouquinho medroso..Mas enfim, se você veio bisbilhotar ou não,foi erro meu falar daquele jeito.

-Tudo bem, o que você fez por mim agora foi incrível.. - senti meu celular vibrar onde indicava uma mensagem de Dereck - Meu amigo está me procurando..

-Quer que eu te leve até lá em baixo?

-Por favor..Ele está perto da galeria.

-Ah então fica sussa.. Não vai se perder de novo. - ela deu uma piscada pra mim enquanto se esticava no sofá. Fiquei abismado com sua autenticidade assustadora

-Ok.. Se eu for assaltado de novo já sabe de quem é a culpa..

-Michael seu nome,não é? - perguntou ao se levantar

-Sim. Michael Ja..

-Seu sobrenome não é falado nessa casa. - disse me cortando. Caramba, ela odeia mesmo a minha família!

-Tudo bem, sou só Michael.

-Ok,"só Michael",quer um conselho? Não volte mais nesse lugar. Hoje você teve prova suficiente de que pessoas do seu nível não são bem vistas aqui. É pro seu próprio bem que digo isso, porque não é só eu que tem asco por vocês..

-Imagino..Mas de uma coisa eu digo, eu vou saber qual a merda que meu pai fez e prometo tentar de ajudar.

-Não passou nem dez minutos aqui e já xingou?  - ela riu - Mas não se preocupe com a gente, sabemos nos virar sem a ajuda de ninguém.

-Se você quer assim.. - ela abriu a porta para que eu pudesse sair - Boa noite e mais uma vez, obrigado.

-De boa.. - ela deu um leve sorriso e fechou a porta

(...)

-Quer dizer que você estava com aquela encrenca?

-Ela me livrou de um assalto e a culpa é toda sua! - joguei na sua cara enquanto estávamos indo para o carro

-Minha?

-Você sumiu e eu tive que sair por aí pra te procurar, acabei entrando numa rua deserta e garoto me assaltou!

-Tá,foi mal.. Mas não muda de assunto. O que a tal menina fez?

-Ela botou o cara pra correr na maior tranquilidade possível! Depois disso me levou na casa dela.

-Na casa dela? Michael ela queria te comer! Agora não sei se no sentido literal da palavra ou..

-Nem adianta me olhar desse jeito. A garota me odeia! Disse que não é pra eu aparecer mais aqui..

-Qual o problema dela,hein?

-Ela é personificação do meu pai, só que sem o mau-caratismo dele! Alguma ele aprontou com a Mercedes,tenho certeza!

-Você acha?

-Ela deu a entender que sim.. Eu vou descobrir.

-Michael deixa isso pra lá! Você não conhece essa garota,ela pode muito bem ser chefe de uma boca de fumo!

-Dereck! Ela não é nada disso, só é uma mal educada, grossa,sem classe e vulgar!

-Uau.. Mas tem que admitir que é uma deusa! Você viu o belo par de seios dela? O paraíso! - tenho certeza que fiquei vermelho igual um tomate só de lembrar do seus.. não, não vou pensar nela e nem no seu belo decote

-Eu não sou um tarado que nem você. Gosto de mulheres elegantes.. Agora toma essa chave e dirige. Quero sumir daqui!

-Por que não dirige você?

-Será que é pelo fato de ter minha carteira roubada?

-E daí?

-E daí que não é certo dirigir sem a habilitação.

-Michael você é muito pastel! - Dereck gargalhou em deboche - Vamos logo,te levo pra casa, " princesa"!

  Dereck arrancou com o carro e pelo retrovisor pude ver Mercedes sentada na janela me olhando enquanto tragava um cigarro. Ela percebeu e me fez o aceno de mão do Spock. Repeti um mesmo gesto e falei baixinho.

-Vida longa e próspera,Mercedes..

Capitulo 5


Mercedes

   Depois que Michael deu no pé fiquei pensando no que aconteceu essa noite,ainda não acredito cem por cento nele,mas.. sei lá.. tem algo nesse cara que me faz ficar maleável. Posso ter me penalizado por conta do assalto,mas não posso esquecer de quem ele é filho.
   No dia seguinte acordei mais cedo que o normal para ir atrás de Will. Eu prometi à Michael que ele teria a carteira de volta e é isso que eu vou fazer. 
Will estava sentado na calçada da sua casa e gelou quando me viu. Ele tem tanto medo de mim que nem ao menos conseguiu levantar e sair correndo.

-Patrick e Richard,caem fora. - eles se levantaram apressados me deixando sozinha com Will

-O que tá olhando,Merche?

-Vou contar atê três para devolver a carteira que roubou ontem a noite.

-Não sei do que você tá falando..

-Moleque, eu tô falando sério! Se não me devolver agora vou contar tudo pra sua avó,daí você vai implorar pra polícia te achar antes da dona Mary! - Will empalideceu e não demorou nem dois segundos pra tirar a carteira do bolso. Com as mãos trêmulas, ele me entregou-a

-Eu mandei ir embora? Vou ver direitinho se não tá faltando nada.

-Me deixa vazar,Mercedes.. Tá tudo aí!

-Pode passar a grana que estava aqui dentro.

-Não tinha dinheiro,eu juro!

-Garoto,pode me passar os quinte dólares que você pegou! - me lembrei exatamente de quando Michael guardou o troco que lhe dei na loja. Will enfiou a mão no bolso novamente e tirou dela o dinheiro amassado

-Posso ir agora? - faltava pouco para que ele urinasse ali mesmo

-Mete o pé! E se eu ver você aprontando de novo,eu mesma darei um trato em você! - depois do aviso, Will sumiu por entre os becos

 Guardei o dinheiro dentro da carteira e a analisei. No canto superior tinha as iniciais MJ bordadas no couro. Se antes eu já o achava metido,agora tenho certeza. Os Jacksons fazem questão de se destacarem entre os outros.

(...)

-Agora como eu vou fazer para devolver essa carteira?

-Devia ter pego o telefone dele, Merche.. - Gina respondeu

-Nem fodendo. Na certa ia se gabar achando que estou afim dele.

-Mas ele é um gato e eu sei que ficou babando por ele.

-Você bebeu,Gina? Qual a droga está usando agora?

-Merche,somos amigas e eu te conheço muito bem. Eu vi a cara que fez quando ele apareceu aqui! - lancei o dedo do meio pra ela,que riu ainda mais

-Dá o fora daqui antes que eu..

-Tá bom.. Não está mais aqui quem falou. Mas agora é sério, como vai fazer pra devolver a carteira?

-Não faço ideia.. Droga, porque eu tive que me meter na treta desse cara?

-Hm.. Falo nada.. Por que não vai na casa dele?

-Pirou? Nunca colocarei meus pés lá, no way!

-Então vai ter que esperar o destino dar uma mãozinha..

-Para de falar besteira! Na certa ele vai mandar algum empregado aqui pra buscar. Agora podemos focar no trabalho?

-Claro. Você quem manda!

Passamos o resto do dia na loja e dando aulas no galpão. Hoje dei aulas de guitarra e violão para as crianças. Quando terminei,voltei para a loja e organizei todas as estantes de discos. Tudo ia muito bem se não fosse o fato de Leon Jackson aparecer na galeria..

-O que está fazendo aqui? - o sangue me subiu a cabeça quando Leon e sua comitiva entraram na loja

-Eu disse que teria notícias de mim. Poderia muito bem mandar alguém lhe entregar isso,mas queria ver a sua cara de decepção.

-Do que você está falando? - ele tirou do paletó um envelope branco e me estendeu

-Leia..

-Intimação judicial.. Solicitamos os documentos de registro de imóvel, escritura de terreno e alvará de licença comercial do respectivo endereço.. Mas que porra é essa?

-Não sabe interpretar um texto? A Justiça exige esses documentos, já que enche a boca pra falar que essa velharia aqui é sua..

-Você é mesmo um velho muito baixo.. Sabe o que eu faço com isso? - rasguei em pedacinhos o documento e despejei na cara de Leon

-Fala logo quanto quer por essa porcaria? - se eu estava furiosa, ele parecia estar o dobro

-Infelizmente não posso picotar sua cara como fiz com esse papel. Pode mandar quantas intimações quiser porque farei a mesma coisa! Agora saia daqui!

-Mas o que é isso aqui? - ele praticamente me empurrou e partiu em direção ao balcão que estava a carteira de Michael. Ele a pegou e passeou os dedos pelas iniciais  bordadas - O que a carteira do meu filho está fazendo com você? - berrou com as veias do pescoço retesando

-Eu lá vou saber de quem é essa carteira?

-Não se faça de idiota porque isso você não é! Fala logo, sua marginal! - eu não podia contar o ocorrido, porque se Michael me falou a verdade eu vou prejudicá-lo e muito. Pensa rápido,Mercedes!

-Olha aqui,eu achei essa carteira na rua e guardei ok? Não sei de mais nada!

-Hm.. Esse imbecil vai me explicar agora mesmo! - Leon saiu feito uma fera pronta para o ataque. Senti um arrepio só de imaginar o que ele ia fazer com o filho

-Gina,segura as pontas aqui. - peguei meu capacete, a chave da moto e saí correndo para segui-lo. Algo dentro de mim gritava para que eu fosse atrás dele

 O luxuoso conversível de Leon voava pela pista, provavelmente a mando do próprio. A cara que ele fez deu medo e pelo pouco que conheço Michael, sei que se ele ficar  nervoso vai fazer merda.

   Enquanto aguardavam o enorme portão de aço se abrir, aproveitei pra jogar a moto em qualquer canto, tirei o capacete e procurei uma forma de entrar também. Antes do portão se fechar totalmente, consegui me jogar por baixo dele e milésimos de segundo consegui entrar. Corri dali antes que os seguranças voltassem e me escondi atrás do coqueiro. 
 Leon entrou dentro da enorme mansão e em minutos estava de volta, a caminho da piscina. Acompanhei seus passos, ainda escondida pelas árvores. Michael estava sentado na beira da piscina dedilhando um violão. 
 A primeira coisa que o velho fez foi tirar o violão da mão de Michael e jogá-lo longe,quebrando-o em pedacinhos.

-Qual o seu problema? - Michael gritou assustado

-O que a sua carteira estava fazendo do outro lado da cidade? Ou melhor dizendo, naquela favela que fica no Brooklyn!

-O que?

-Não se faça de desentendido! - Leon o agarrou pelo colarinho da camisa - Onde esteve na noite passada?

-Eu fui dar umas voltas com o Dereck, o que há de errado nisso?

-Responda a minha pergunta,Michael!

-E se eu tivesse ido, qual o problema?

-Era só o que me faltava.. Meu próprio filho querendo se meter com bandidos!

-Deixa de ser ridículo, nem todos têm a mesma falta de caráter que você! - quando Leon lhe transferiu um tapa na cara eu não aguentei ficar escondida

-Como tem coragem de bater no próprio filho, seu covarde! -Michael me olhou aliviado,da mesma forma de quando o salvei na noite passada

-Não acredito.. O que está fazendo aqui?

-Não é só você que pode sair invadindo a privacidade alheia! Afinal, se eu posso roubar seu filho, também posso roubar sua casa! - Michael me olhou sem acreditar, na verdade nem eu acreditei no que saiu da minha boca

-Você o que? - Leon se dirigiu até mim

-Eu segui seu filho ontem a noite num bar aqui perto e.. paguei um pivete pra assaltar ele. E se quer saber, eu fiz mesmo e tenho medo nenhum de falar! - quando Michael ia se pronunciar,fiz sinal para que ele ficasse quieto

-Você já passou dos limites! - Leon agarrou meu braço,me arrastando junto com ele

-Pai,solta ela! - Michael gritou desesperando. Olhei para trás e implorei para ele se calar

-Lui, chame a polícia pra essa ladra e fique de olho nela! - ele me jogou pra cima do segurança, enquanto mais dois vieram me segurar

-Pai, deixa ela ir embora! Não foi isso que..

-Cala a boca e entre agora mesmo! - ele jogou a carteira para Michael - Tome essa porcaria. -  Leon caminhou a passos largos para dentro da casa

A viatura da polícia não demorou muito a chegar. Assim que fui algemada, Michael correu até mim, gritando para que me soltassem.

-Mercedes! - gritou quando me colocaram dentro da viatura - Mercedes, fala a verdade pra eles!  Você é louca?

-Michael,relaxa.. O que vai acontecer comigo não é nem o terço do que ele faria com você..

-Não vou deixar que te prendam.

-Deixa de ser burro,Michael! Eu tenho experiência nisso, relaxa aê.. - dei uma piscadinha para deixa-lo tranquilo

 O carro deu partida me levando dali. Olhei pelo vidro da janela Michael completamente atordoado,passando a mão nos cabelos. Eu só posso ter problemas mentais. Estou sendo presa por defender Michael Jackson! Nem bêbada eu cometi tamanha loucura como agora, o problema é que eu não me sinto arrependida. É como se eu tivesse aliviada por ter limpado a barra dele, mais uma vez..

Capítulo 6

Michael

     Eu não conseguia acreditar no que acabara de acontecer. Nunca poderia imaginar que Mercedes me defenderia novamente,ainda mais do meu pai. E pior, assumir a culpa e ser levada pra cadeia. Mas de jeito nenhum vou deixar Mercedes sozinha nessa, nem que eu tenha que enfrentar meu pai.
   Depois que ele se trancou no escritório, decidi ir até a delegacia. Troquei de roupa rapidamente, peguei a quantia de dinheiro necessária e saí sem dar explicações para ninguém,muito menos para o meu pai.
    A delegacia estava movimentada e por conta disso tive que esperar por horas até que fosse atendido. O que mais me surpreendeu foi o fato de Mercedes estar numa cela, e mais surpreso fiquei ao saber que ela já era fichada, ou seja, a situação dela estava bem complicada.

-O que deseja.. senhor Jackson? - o delegado perguntou ao me reconhecer

-Sim, sou o Michael. Como vai? - ele abriu um largo sorriso ao me ver, obviamente ao se dar conta de quem sou filho

-Muito bem e o senhor? Sente-se, por favor! - ele arredou a cadeira para que eu pudesse me sentar. Decidi ir direto ao ponto

-Bem.. Quer dizer, preciso da sua ajuda.

-Pode dizer. Qual o problema?

-Se chama Mercedes.. - percebi a careta que ele fez ao me ver pronunciar o nome dela

-Ah sim.. Agora que está aqui já me lembrei. Ela te assaltou,não é mesmo? Não se preocupe,Sr. Jackson, ela receberá a devida punição..

-É exatamente o contrário, delegado. Quero retirar a queixa contra essa moça.

-Como?

-Ela não me assaltou, na verdade ela me ajudou. Mercedes só quis devolver minha carteira,mas meu pai entendeu tudo errado.

-O senhor tem certeza disso? Se não sabe, ela já tem passagens na polícia.

-Eu não me importo com o que ela fez, o que interessa aqui é que ela não agiu de má fé, pode acreditar em mim.

-Não vejo motivos pra você se sentir coagido pela meliante.. Mas acontece que a denúncia foi feita pelo seu pai,só ele pode retirar a queixa.

-Então eu pago a fiança. - afirmei decidido

-Está disposto a pagar a fiança dessa garota?

-Sim. Ela não cometeu nenhum crime, não merece ficar nesse lugar..

-Tudo bem.. - ele suspirou - Vou lhe dizer o que tem que ser feito..

   Depois de todo o processo para pagar o exorbitante valor da fiança, finalmente a liberdade de Mercedes foi concedida,mas ainda sim ela precisa de um advogado e eu, obviamente vou cuidar disso. O delegado me indicou a sala de espera e logo a figura carrancuda de Mercedes apareceu,me fazendo rir baixinho.

-Michael? - ela ficou surpresa ao me ver à sua espera

-Achou mesmo que eu ia te deixar trancada nesse pardieiro?

-É sério Michael, o que está fazendo aqui? Seu pai sabe disso? - perguntou com uma pitada de veneno

-Não e não me importo se ele souber. Agora vamos embora..

-Nem fodendo. Cara, eu só quebrei seu galho,me deixa em paz!

-Mercedes, definitivamente eu não consigo te entender!

-Ok. - suspirou - Michael eu quero distância de você,sacou? Em menos de dois dias eu já tomei bonito naquele lugar. O que falta agora? Ir pro IML?

-Ou ou ou! Foi a senhorita que apareceu na minha casa,se meteu na briga minha e do meu pai e assumiu a culpa no assalto. Ainda dá tempo de corrigir sua afirmação,ok? - Mercedes me olhou furiosa, principalmente pelo fato de ter a deixado sem argumentos

-Garoto,vai pra casa e me erra! - afirmou pisando duro em direção ao corredor

-Vamos juntos. - Mercedes parou e olhou para trás

-Hein?

-Você já está liberada. Eu..paguei a fiança.

-Que merda você tem na cabeça? Não pedi pra fazer nada por mim!

-Você é irritantemente orgulhosa! Por que não aceita a ajuda das pessoas?

-Talvez pelo fato de sempre me virar sozinha! - pela primeira vez notei tristeza em seu tom de voz. Pelo que pude perceber, eu sou a única pessoa a ter feito algo por ela

-Me deixe apenas retribuir o que fez. Estaremos quites,você não vai me dever nada.

-Tudo bem.. Mas eu faço questão de devolver essa grana!

-Mercedes..

-Mercedes nada! Jamais vou aceitar dinheiro da família Jackson. Não se preocupe que logo te devolvo e com juros!

-Já acabou o discurso? - perguntei depois e bocejar

-Ainda não,eu..

-Então vamos! - segurei Mercedes pelo braço para finalmente sairmos da delegacia

    Já do lado de fora, ela recusou veemente a minha carona, então o que me restou foi sair andando igual bobo atrás dela, que ao perceber isso,desfez a carranca e milagrosamente deu um sorriso, permitindo então que eu ficasse ao seu lado.

-Você é um pé no saco,percebeu? - perguntou sem a costumeira agressividade

-Quando eu quero,sim. Vou ser chato se te agradecer novamente por tudo que fez?

-Vai.

-Ok.. - me calei

-E eu serei otária de lhe agradecer pelo que fez por mim agora? - confesso que fui pego de surpresa ao ouvir isso

-Seria um tanto quanto estranho.. - rimos - Mas se isso foi uma espécie de agradecimento..

-Tá legal, eu estou agradecendo! - revirou os olhos - Estou morta de fome.. - comentou ao atravessar a rua para ir à lanchonete e eu claro, apertei o passo para alcançá-la

-O que vai querer? - perguntei assim que nos sentamos no balcão

-O que meu dinheiro permitir.. - respondeu com os olhos fixos no cardápio - E nem vem com o papo de pagar a conta! - disse me repreendendo ao me ver tirar a carteira. Fiz sinal de paz e a guardei de volta no bolso

-Hey! - me assustei pela maneira escandalosa de Mercedes chamar o garçom - Me traga dois X-bacon e duas latas de cerveja.

-Cerveja, Mercedes? - ela ignorou meu questionamento e voltou seu olhar para o garçom - Uma cerveja e um suco verde pra donzela aqui.. - o garçom saiu tentando disfarçar o riso

- Como pôde?

-Como pude o que?

-Pedir algo sem me consultar! Se não sabe, eu sou vegetariano e não bebo álcool.

-Jura? Logo você que tem o estilo homem das cavernas.. - ironizou - Relaxa, você não vai pro inferno por comer um pedaço de carne!

-Será que podemos ficar um minuto sem trocar ofensas? - ela deu de ombros mantendo os olhos no cardápio. Aquilo me irritou profundamente. Tirei o cardápio das suas mãos chamando sua atenção

-Qual o problema agora?

-Será que pode me ouvir?

-Escuto com os ouvidos,não com os olhos.

-Que droga,Mercedes! - ela riu quando soquei o balcão

-Nossa..você socou a mesa! Tá bem.. O que você quer?

-Primeira coisa, quero que me leve a sério. Seu sarcasmo me irrita!

-Tô nem ai.. Mas ok,você venceu. Fala o que tanto quer dizer.. - ela apoiou os cotovelos no balcão e me encarou

-Mercedes,eu sei que não vai com a minha cara, pior que isso, é saber que odeia a minha família. Mas se não sabe,eu não sou o meu pai e tudo que eu mais quero é evitar me tornar um ser asqueroso como ele! - ela pareceu se sensibilizar com meu desabafo

-Olha,eu jamais teria te ajudado se não soubesse disso. Você parece ser um cara da paz,mas é só isso. Porque insiste em querer falar comigo?

-Porque eu gostei de você,do seu jeito.. Por que não podemos ser amigos?

-Você é um Jackson, se não lembra..

-E você está me saindo uma bela preconceituosa.

-Garoto,isso não é preconceito e sim realidade. Viu a confusão em que ia se meter só pelo fato de ir no Brooklyn? Quero nem pensar no que vai ser de você se começar a andar comigo!

-Mercedes,eu tenho 21 anos. Acho que estou bem grandinho pra saber o quero.

-E o que você quer?

-Viver livre do meu pai, livre dessa família, das pessoas ao meu redor, de toda a ganância envolvida.. Definitivamente estou farto. Eu nunca tive tanta emoção na minha vida miserável como nos últimos dois dias.

-Você ta falando sério? - perguntou surpresa

-Uhum..

-É difícil acreditar,afinal você é Michael Jackson! Filho de um dos homens mais ricos da América.. Você pode ter o mundo na palma da sua mão.

-Eu só quero a liberdade de ser quem eu sou. - suspirei pesadamente - Estou perdido, Mercedes..

-Você precisa se encontrar.. - afirmou ao encostar sua mão no meu ombro - E quer saber, acho que eu posso te ajudar. - ela riu timidamente

-O que quer dizer com isso?

-Quero dizer que não vai ser tão ruim te aturar. Vai ser uma boa ação evitar a personificação de Leon Jackson.. - ela riu

-Vai parar de me ignorar? Ou melhor, vai parar de dar patadas? - ri

-Só se você comer tudo que está na bandeja.. - falou ao ver nossos pedidos chegarem. Fiz uma careta ao ver o pedaço de bife

-Ah não.. Tudo,menos isso!

-Michael, deixa de ser frutinha! O boi já morreu mesmo, qual o problema de comer?

-É a mesma coisa que chutar cachorro morto!

-Mas no caso é boi mesmo. - virei meu rosto ao vê-la lotar o lanche de molho e devorar boa parte dele em uma única mordida

-Eca..

-Anda,Michael! - insistiu, dando socos no meu ombro

-Não vou comer. Só o cheiro já me embrulha o estômago..

-Haja paciência viu.. Só uma mordida, se não gostar eu te deixo cuspir na minha cara.

-Tá falando sério?

-Estou. Agora só um pedacinho.. Por favor! - respirei fundo e peguei o hambúrguer com as duas mãos

-Ok.. Só estou fazendo isso porque me pediu..

-Então morde logo isso! - aproximei o lanche para mais perto de mim e dei uma pequena mordida. 21 anos comendo vegetais para agora se resumir a nada

-E então? - perguntou ansiosa

-É..gostosinho..

-Fala a verdade!

-Ok, o gosto é bom! Mas é a primeira e última vez que como isso.. - ela gargalhou

-Depois da primeira vez não tem como parar! Olha só, fiquei orgulhosa.. Merece a primeira estrelinha!

-Só isso? - meu celular vibrou no bolso e para o meu desagrado era o meu pai. Mercedes notou a careta que eu fiz e tomou o celular das minhas mãos

-Xii.. É o papai.. Não vai atender?

-Não estou afim de ouvir esse cara..

-Simples,é só não atender..

-Você não conhece o meu pai..

-E ele não conhece você. Você mesmo não se conhece. A questão é, você quer continuar sendo o filhinho do papai ou quer se tornar um homem?

   Ouvir as palavras de Mercedes foram como um choque de realidade. Ela está certa. Não posso continuar permitindo que todos controlem a minha vida,me dizendo o que tenho ou não que fazer. E receber esse conselho justamente de uma garota como Mercedes me fez refletir toda a minha vida. Se ela tem coragem de arriscar,por que eu também não posso ter?

Capítulo 7

Mercedes

 
   Eu sei que posso estar cometendo um puta erro ao confiar em Michael, mas essa irritante carinha de anjo dele me deixa sensibilizada. Na verdade acho que esse almofadinha é o primeiro ser no mundo a me amolecer minimamente. Mas se ele faz questão de colar em mim,vai ter que aguentar o pacote completo.

-Você está certa. - pronunciou depois de minutos "refletindo" - Meu pai não vai mais me controlar! - afirmou convicto

-Que isso hein.. Segunda estrelinha no mesmo dia.. - ri - Mas bem que poderia dar um jeito nisso né?

-Como assim? - sério, a lerdeza do Michael me irrita pra cacete!

-Essa porra não para de tocar!

-Eu já recusei duas vezes,mas ele ainda insiste!

-Me dá isso aqui! - novamente tomei o celular de sua mão. Michael quase deu um ataque quando aceitei a chamada

-Mercedes! - sussurrou

-Fica quieto! Alô..? - fiz uma voz melosa e me segurei para não rir

-Quem está falando? - Leon perguntou sem entender

-A Penny. Quem é? - Michael tentou tirar o celular das minhas mãos,mas eu impedi lhe dando beliscões - Ai amor! - gritei

-Alô? Onde está o Michael e quem é Penny?

-Como quem é a Penny? A namorada do Michael! Por enquanto ele só me come,mas sinto que será coisa séria um dia! - Michael ficou branco,roxo, vermelho.. e sem falas!

-Ah.. eu.. eu ligo outra hora!

-Ok.. Tchau sogrão! - Leon encerrou a ligação visivelmente desconcertado. Iniciei uma crise de riso ao devolver seu celular

-Que merda você tem na cabeça? - gritou fazendo todos olharem para nossa direção. Enxuguei minhas lágrimas respirei fundo

-Eu te fiz um favor! - ri - Agora ele vai te deixar em paz por longas horas..

-Cara.. - Michael escondeu o rosto com as mãos

-Posso te contar uma coisa?

-Diga,Mercedes..

-Você fica muito fofo quando sente vergonha!

-Não teve graça! - essa carinha de rabugento merecia uma lição

-Deixa. De. Ser. Careta. - falei pausadamente ao lambuzar seu rosto com maionese. Finalmente ele foi vencido e também me acompanhou nas gargalhadas

-Você me paga,Mercedes! - ameaçou enquanto seguia para o banheiro

(...)

  Na volta pra casa,Michael fez questão de me acompanhar. Eu avisei que seria perigoso ir para o Brooklyn,mas ele não se intimidou. Só que eu impus uma condição, ele teria que ir de ônibus comigo, e não é que ele foi mesmo assim?

-Aposto que nunca andou de ônibus né? - não podia perder a oportunidade de tirar uma com a cara dele

-Não mesmo.. Só de carro ou com motorista. - preferi ficar quieta, porque do jeito que eu sou..

 Abri a porta do meu apê para Michael entrar. Dessa vez,mais calmo, ele pôde analisar com atenção a bizarra decoração da minha sala.

-Mora um mulher aqui mesmo? - alfinetou

-Aposto que tudo isso aqui é mais masculino que seu próprio quarto! - respondi enquanto  caminhava para o banheiro. Precisava de um bom banho para tirar o cheiro podre de cadeia

-Onde está indo? - questionou,vindo logo atrás de mim

-Pro banheiro. Quer tomar banho comigo? - Michael não sabia onde enfiar a cara. Se antes eu achava irritante,agora já começo a achar fofo seu jeitinho bunda mole

-Não seria uma má ideia.. - provocou mordendo o lábio inferior

   Porra,eu tinha certeza que ele ia ficar vermelho de vergonha, calar a boca e voltar pra sala. Mas não, o filho da puta entrou no "jogo" e conseguiu me deixar desarmada, pois agora quem não sabe onde enfiar a cara sou eu!

-Algum problema,Mercedes? - arqueou a sobrancelha ainda em sinal de provocação

-Eu.. eu vou tomar meu banho. Me espere na sala e não toque em nada sem meu consentimento!

-Sim senhora.. - virei as costas e entrei no quarto,pegando a roupa necessária para me vestir

  Não queria correr o risco de Michael me flagrar com trajes mínimos.. Se bem que seria uma cena engraçada e inusitada.. Porra Mercedes, está se comportando como uma vadia! Mudei a temperatura do chuveiro para frio, só pode ser o calor que está refletindo efeitos estranhos em mim..
 Assim que terminei voltei para a sala. Michael me esperava do jeito que eu pedi, quieto e sem tocar em nada. Ele notou minha presença e se levantou em um pulo.

-Eu não mexi em nada,juro!

-Relaxa,Michael.. - me sentei no sofá e o puxei para também se sentar ao meu lado. É estranho eu me sentir tão confortável ao seu lado sendo que o conheço a menos de dois dias!

-Mercedes?

-Fala.. Mas antes, pode me chamar só de Merche, é mais prático. - respondi, deixando claro que isso não significa "intimidade"

-Vejo que estou me tornando mais íntimo.. - riu - Mas agora posso perguntar?

-Pode.

-Me fale sobre você. - abri meus olhos,assustada pela pergunta

-Pra que?

-Ué,porque estou interessado em saber. O que te custa?

-Minha vida não tem nada demais..

-Tem sim! Se não tivesse você seria como eu. - dessa piada eu achei graça

-Ok.. Minha vida é a mesma que a maioria dos moradores daqui..

-Eu não quero saber deles e sim de você. Qual é,Merche? Acho que posso me considerar seu amigo..

-Certo,"amigo". Tipo,eu não sou do Brooklyn. Devo ter nascido na California..

-Não se lembra onde passou a infância? - riu - Onde estão seus pais?

-Quais deles? -ri sem humor

-Não entendi,Merche.

-Eu sou adotada,quer dizer,era. Morei até meus sete anos em um orfanato até finalmente ser adotada. A mulher que me pegou pra criar não podia ter filhos,então decidiu  adotar. Só que dois anos depois ela descobriu que seria mãe e quando a cria nasceu foi como se eu não existisse.. Como se eu tivesse servido de estepe. - Michael me escutava atentamente - Eu fui entrando na adolescência, me tornando rebelde,complicada.. Nisso ela e o marido passaram a jogar na minha cara que me tiraram da sarjeta,e blá blá blá.. Mas finalmente eu acordei e decidi ir embora.

-Você fugiu de casa?

-Eu tinha quatorze anos. Depois de uma briga feia eu disse que estava me mandando. Acho que eles não botaram fé em mim,mas mesmo assim eu vazei.

-Você saiu da Califórnia e veio parar em Nova York?

-Sim,mas pra isso tive que meter a mão na carteira dela.. - ri - Com cem dólares consegui vir pra cá. Eu não tinha ideia de onde ir,até que fiz umas amizades por aí e aqui estou há cinco anos.

-Caramba,eu não sei o que dizer.. Você era tão nova e teve que se virar sozinha.

-Pois é.. Mas eu não lamento mais porque eu concluí que a melhor coisa pra mim foi e é viver sozinha, por conta própria. Eu não devo nada a ninguém e muito menos satisfação. Sou livre para fazer o que quero..

 Minha explicação exagerada quase me convencia de que 
essa é a verdade,embora eu  saiba que no fundo me dói profundamente saber que  não tem ninguém para ligar e contar as novidades ou chegar em casa e encontrar alguém a minha espera. Decidi mudar o rumo da conversa. Eu detesto drama e a última coisa que quero é transformar minha vida em um.

-E então.. É a sua vez. - Michael sacou que eu não estava afim de falar mais sobre mim

-Sabe, a minha história se parece muito com a sua. Apesar de eu ter um pai e uma mãe ricos, e ter estudado nas melhoras escolas,eu nunca tive carinho,amor,atenção.. Faz meses que não vejo minha mãe, meu pai só fala comigo quando é para brigar e meus irmãos têm suas ocupações..

-Ou seja,somos dois fodidos em mundos completamente opostos..

-A união de dois fodidos faz a força! - rimos

-Acho que podemos nos dar bem.. - afirmei ao esticar minha perna até sua coxa. Michael olhou pra minha atitude e apenas riu, já se acostumando com minha forma de tratá-lo

-Nós vamos nos dar bem.. - disse me corrigindo

  Ele puxou minhas pernas, trazendo-me para um pouco mais perto dele,me fazendo rir. E  quer saber de uma coisa? Vou,pela primeira vez, ouvir meu coração e não me afastarei de Michael. Sinto que posso contar com ele e que ele poderá contar comigo. E esse será nosso legado, " A união de dois fodidos faz a força".

Capítulo 8

Michael


 Passar o dia com Mercedes foi impagável. Ela simplesmente é capaz de me fazer esquecer todos os meus problemas, fazer o tempo voar.. Falamos sobre tudo, ela fez um interrogatório sobre minha vida, claro, sem perder a chance de fazer piadinhas. Mas quando foi a vez dela eu não fiquei por trás, principalmente quando ela disse que tinha origem latina, o que me fez apelidá-la de "mexicana". A raiva que ela sentiu foi o combustível que faltava para que eu a chamasse assim pelo resto da noite. 
 Mas como tudo que é bom dura pouco,logo tive que ir embora. Devo agradecer a Mercedes,pois graças à ela meu pai não voltou a me infernizar. Mas agora, chegando em casa,me preparo para a enxurrada de perguntas impertinentes.

-Maninho,até que enfim te achei! - Ed veio correndo pra cima de mim. Apesar de ser um moleque de 17 anos ele está na minha altura!



-Fala,muleque! Como estão as coisas por aqui?







-A mesma coisa..Mamãe ligou querendo falar com você, Maysa está de plantão e o papai disse que assim que você chegar era para ir direto no escritório.

-Ferrou.. - pensei em voz alta

-O que andou aprontando,hein Mike? Desde que chegou papai disse que você só sabe dar trabalho! - sempre achei estranho o tom de voz alegre de Ed quando estou em maus bocados.. Deve ser o jeito dele de levar tudo na calmaria

-Acontece que cansei da ditadura do papai.. Para onde está indo? - perguntei na intenção de mudar de assunto

-Estou indo para um show no Brooklyn. Não vai falar nada pro papai,hein?

-Brooklyn?

-Aham. Lá tem uma galeria musical muito foda e hoje vai ter rock paulera.. A gente se vê,Mike!

-Falou..

 Não sei porque me senti incomodado de saber que Ed está indo no Brooklyn. E se ele trombar com a Merche? Tomara que não, tomara que não, mentalizei. Porra, esse galpão e a dona dele são meus, quer dizer,fazem parte de quem estou me tornando.. Não, aquele lugar é grande demais para o meu irmão bater os olhos nela..
 Decidi esquecer minha paranoia idiota e ir logo atrás do meu pai, mesmo sabendo qual será seu discurso..

-Quer falar comigo? - dei dois toques na porta. Leon virou a poltrona e me encarou com o tradicional charuto cubano na boca

-Grande Michael! Pelo visto a farra foi boa..

-Como? - foi a primeira vez que vi meu pai sem a carranca desenhada no rosto

-Sabe, essa foi a primeira atitude de homem que você teve em toda a sua vida! Pensei que morreria antes de ver você pagando para transar com uma prostituta. Realmente você me surpreendeu! - riu

-Eu não paguei prostituta nenhuma! E com certeza isso é algo que nunca farei!

-Não estrague o momento com seu discurso politicamente correto! O importante é que finalmente comprovei que você não é bichinha..

-Você não disse isso.. - fechei meus olhos para controlar a raiva por ter ouvido tal absurdo. Mas eu não tenho porquê fazer um escândalo, afinal não preciso provar minha masculinidade para um infeliz como meu pai

-Ué? Toda essa sua sensibilidade idiota sempre me preocupou.. Olha pro seu irmão,o oposto de você! -ri

-Eu não preciso ser um machista babaca para provar que sou "macho",como você costuma dizer, mas você não deve conhecer as palavras gentiliza, educação..  - Leon me analisou por um tempo

-O que anda escondendo de mim?

-Explique-se Leon.. - revirei os olhos

-Anda me desafiando, com o nariz empinado.. Quem é o marginal que está te ensinando esses modos?

-Não te interessa. Você reclamou a vida toda por eu ser lerdo, idiota e não se parecer com você e agora acha ruim? Eu cresci, Sr. Jackson, e não sou mais um garotinho que abaixa a cabeça pra você! - ele me ouviu atentamente com um sorriso dançando nos lábios

-Não sei que diabos está acontecendo com você, mas de uma coisa eu sei bem.. Você pode,agora, se achar o dono do mundo, o invencível.. Mas você sabe que no fundo é um fraco, um covarde e quando se ver em complicações vai vir correndo se esconder atrás de mim. Isso é fato..

   Eu não consegui rebatê-lo. No fundo ele está certo, no momento estou me achando O cara,mas sei que não vou aguentar muito tempo. Meu pai sempre conseguirá me derrubar aonde eu estiver, ou seja, nunca vou ser homem suficiente para enfrentá-lo.
 Depois de rolar na cama, escutei meu celular vibrar. Marcavam 3:00 horas da manhã, me deixando completamente aborrecido.

-O que é? - atendi sem a mínima paciência

-Eita,que voz é essa de cafetão? - sorri automaticamente ao reconhecer a voz

-Mexicana.. Já está com saudades de mim?

-Convencido... - riu - Você disse que se viesse pro show me ligaria.. Aconteceu alguma treta?

-Tá tudo certo.. - menti

-Uma porra que está! Brigou com seu pai,foi? O que o velho falou dessa vez?

-Não foi nada.. Amanhã nos falamos, pode ser? - escutei seu suspiro de irritação

-Ok. Já que não quer falar por bem..

-Mercedes..

-Boa noite,Mike.. Durma bem.. - ela desligou antes mesmo de eu me despedir. Joguei meu celular na mesinha e voltei para debaixo da coberta

(...)

-Vai acordar não? - abri meus olhos assustado ao ouvir uma voz próxima ao meu ouvido

-Mercedes? - praticamente gritei ao vê-la sentada ao meu lado na cama comendo um saco de batatas fritas esparramadas pelo colchão






-Vai uma batatinha? - disse ao estender com a mão

-Como entrou aqui? - questionei totalmente fascinado com sua mais nova façanha

-Com as pernas né,mongolão! - riu - Mas é sério, eu subi pela varanda do seu quarto, aquela árvore ali veio a calhar.

-Você não existe,garota.. - ela se deitou ao meu lado,dividindo o travesseiro comigo

-O que aconteceu ontem? - perguntou, agora séria

-Mais uma discussão,como sempre.. - me virei de lado,em seguida senti o peso do seu corpo nas minhas costas - Au!!

-É pra aprender a não mentir pra mim! Agora fala,o que esse velhote falou pra te deixar assim?

-Nada,só falou a verdade..

-E qual é a verdade?

-Que eu nunca vou deixar de ser um garotinho covarde.. - Mercedes apoiou o queixo no meu ombro, me ouvindo calada

-E o que você fez?

-Nada,pra variar..

-Olha pra mim. - disse ao puxar meu rosto para encará-la - Eu tenho orgulho de você.

-Como?

-Orgulho por continuar se mantendo íntegro mesmo com as humilhações do seu pai. Você é um vencedor.

-Realmente acha isso de mim?

-Uhum.. Vou achar muito mais quando levantar dessa cama,tomar um banho e vir comigo.

-Não estou nenhum pouco animado pra sair desse quarto..

-Michael "Jota", se não levantar agora eu tiro a roupa,grito pelo nome do seu pai,aí sim você vai levantar,mas para fugir! - fiz exatamente o que ela ordenou, pois Mercedes é bem capaz de fazer isso mesmo

-Você venceu! Me espera aqui e sem fazer barulho!

-Vai logo! - gritou ao puxar minha calça. Ela fechou os olhos ao me ver de cueca - Aah!!

-Desapontada por eu estar com cueca por baixo da calça?

-Entra logo pro banheiro,seu tarado!

 Corri para o banheiro aos risos,mas parei na porta e tirei a calça de moletom,ficando apenas de cueca. Mercedes gritava de tanto rir. Taquei a calça nela para abafar o barulho, mas esqueci que estou lidando com uma louca escandalosa que simplesmente bagunça comigo, em todos sentidos..

Capítulo 9

Mercedes


   Minha vontade era de dar uns bons tapas na cara daquele velho. Porra, Michael não merece esse monstro como pai. Se eu pudesse,o colocava em seu devido lugar,mas sei que Michael ficaria chateado,além do mais a confusão seria o dobro.
   A única ideia que tive foi tirar Michael de dentro do quarto. Nem fodendo que eu deixaria ele deitado nessa cama,entregue a depressão. Michael tem que aprender a encarar os problemas de cabeça erguida, e não é se escondendo que ele vai se tornar um homem.

-Uau! - Michael saiu do banheiro devidamente vestido,secando os longos cachos com uma toalha. Foi difícil negar para mim mesma que eu fiquei babando

-Pode dizer para onde vamos? - ele sorriu

-Vou levar você pra conhecer o galpão e o melhor,vamos beber e esquecer todos os problemas!

-Merche,eu não posso demorar.. Meu pai disse que tenho que ir para a empresa hoje a tarde.. - lamentou

-Ainda tem coragem de obedecê-lo depois de ontem? Você tem que mostrar que ele não manda na sua vida!

-Você tá certa.. Depois eu me resolvo com ele. Agora eu que faço questão de sumir dessa casa!

-Assim que se fala! - me apoie nas suas costas para descer da cama. Quando tentei me soltar,Michael me impediu,segurando firme na minha cintura

-Onde pensa que vai?

-Eu.. vou descer pela janela.. - foi difícil pensar numa resposta estando tão próxima à ele. Na verdade,essas situações têm me preocupado..

-Não senhora, você não é nenhuma bandida pra sair escondida daqui

-Você pirou? Se alguém me ver você tá frito,garoto!

-Meu pai essa hora está na empresa e meus irmãos provavelmente já saíram. Qual é Mercedes,está com medo?

-Ah fala sério! - me soltei dos seus braços e abri a porta do quarto. Tomamos muito cuidado para que ninguém me visse ali,e graças a Deus atravessamos os portões na maior tranquilidade possível

-O que é isso? - perguntou quando estendi o capacete

-Isso se chama capacete,nunca viu? - ri

-É claro que sim,mas.. não tá pensando que eu vou subir aí,né?

-Ah não.. Sério que você tem medo? É só uma moto! - ri

-Fácil pra você falar,né? - disse rabugento

-Segura firme em mim e feche os olhos,ok? - Michael fechou os olhos e tomou o capacete da minha mão

-Que se dane! - respondeu convicto

  Durante todo o percurso Michael permanecia com as mãos agarradas na minha cintura. Ele apertava tão forte que eu cheguei a ficar sem ar, mas a cena era tão engraçada que chegava a ser fofa. 
  Estacionei a moto e tirei o capacete,mas o Michael.. tadinho,ele não conseguia nem tirá-lo. Suas mãos estavam geladas e eu tenho certeza absoluta que ele está mais branco que papel de seda.

-Deixa que eu te ajudo.. - falei entre risos - E então? Gostou do passeio?

-Odiei! Essa coisa é horrível! Meu estômago deve estar no tornozelo!

-Cara,deixa de ser exagerado! - apertei seu nariz - Logo você vai acostumar..

-Sei.. Pra onde vai me levar?

-Na galeria. Quero que minha turma te conheça. - Michael abaixou a cabeça - O que foi?

-Isso não será uma boa ideia.. Você mesma disse que todos aqui me odeiam.

-Odeiam o puto do seu pai,não você.

-Mercedes! - me repreendeu

-Que foi?

-Você xinga mais que marinheiro bêbado!

-E você é muito comportadinho.. Se liberte e mande um "porra'' aí.

-Como é?

-Encha a boca e diga porra! Qualquer xingamento,sei lá.. Onde gostaria que seu pai estivesse agora?

-Na puta que pariu.. - murmurou

-Mais alto, não ouvi. - provoquei

-Na puta que pariu,porra! - gritou. Bati palmas para comemorar

- Está se saindo muito bem, agora você vai conseguir entrar lá dentro e agir normal.

-E se me expulsarem?

-Não vão. Nós aceitamos qualquer um aqui. Se forem gente boa conosco,seremos igualmente. Confia em mim.

-Ok.. - enlacei meu braço em seu ombro e entramos juntos na galeria, acompanhados dos olhares curiosos à nossa volta

  Todos estavam reunidos no salão para o ensaio da banda. Puxei Michael pelo braço para nos sentarmos em um canto qualquer. Não demorou muito para a cantoria acabar e todos olharem para nós dois.

-Quem é ele e o que está fazendo aqui? - Jon interrogou com os olhos queimando de ciúmes

-Pessoal,pra quem não sabe esse é Michael, um amigo meu. Hoje ele veio conhecer a galeria, e principalmente vocês.

-Tá zoando com a nossa cara né? - riu - Todo mundo aqui sabe de quem esse mauricinho é filho!

-E daí se ele é filho daquele demônio? Parem com essa infantilidade de descontarem nele. Confesso que quando eu o conheci tive a mesma reação que vocês,mas eu dei a oportunidade para conhecê-lo.. Custa abrirem a porra da cabeça de vocês também?

-Por mim tudo bem.. - Gina se pronunciou - Ele até que é gente boa,galera.. Dá um desconto aí!

-Se vocês querem virar a casaca o problema é de vocês! - Jon gritou - Só não me chamem pra vir aqui quando esse babaca estiver na área!

-Chega,ok? - Michael abriu a boca pela primeira vez - Não precisa de toda essa confusão atoa.. Já estou indo,me desculpe.

-Michael? - ele ignorou meu chamado e caminhou para a saída. Eu mais que depressa fui atrás dele - Mike!!

-Eu disse que não ia dar certo!

-O Jon é um viciado babaca, não liga pra ele..

-Não é ele,não é meu pai.. Sou eu. Eu que sou um fraco,essa é a verdade.

-Não sabe o quanto me irrita quando se faz de coitado! É isso que você tem que mudar. Se continuar se rebaixando assim, aí que será mais pisoteado! Porra,Michael.. Não vê que isso me entristece também? - acho que nunca fui tão afável em toda minha vida

-Preciso de você.. - Michael surpreendentemente me puxou para um abraço apertado - Me ensine a ser como você.

-Michael,você nunca será como eu porque cada um é de um jeito.. Só quero que você seja mais dono de si, que tenha força de lutar pelo que quer, da sua voz ser ouvida. E eu estou aqui pra fazer o verdadeiro Michael vir a tona.

-Obrigada por existir,sério mesmo.

-Nem vem com frases melosas,seu falso! - Michael finalmente abriu um sorriso - Vem, vamos beber..

-Vamos. - apertou minha mão confiante

(...)

-Não imaginava que cerveja e cachaça fossem tão boas.. - comentou ao dar mais uma golada de cerveja. Estávamos sentados no parapeito da janela do meu apartamento

-Eu sabia que essa seria sua reação.. Tim tim.. - brindei minha garrafa com a sua

-Merche?

-Diga..

-Ontem no show, você notou alguém diferente aqui?

-Hm.. não. Por que a pergunta?

-Por nada.. - suspirou parecendo aliviado - Um amigo disse que viria aqui, deve ter desistido.

-Deve ser..

  Depois de mais três garrafas de cerveja,já estávamos um pouco "altos" e o que mais me surpreendeu nesse momento descontraído foi quando Michael começou a cantar. Puta que pariu eu nunca escutei uma voz tão linda,fascinante e sedutora.. Michael realmente conseguiu me surpreender.
 Como eu não estava afim de ficar bêbada, decidi dar um banho de cerveja em Michael. O coitado ficou ensopado,me arrancando boas risadas.

-Já é a segunda vez que está na minha lista negra! - ameaçou

-Você come mosca,Michael. Teve toda a chance de revidar!

-E agora eu fico cheirando a cerveja?

-Tome um banho, te empresto um roupão.

-Acho bom mesmo.. - Michael entrou no banheiro e fechou a porta. Me espreguicei na cama e fechei meus olhos. Depois de alguns minutos ouço Michael me gritar

-Mercedes?

-O que foi? - colei meu ouvido na porta para poder escutá-lo

-Não tem toalha aqui.. Como vou me secar?

-Merda,esqueci.. Está no meu armário,mas como vou entregar?

-Com as pernas,mexicana.. - Michael riu - Está com medo do que vai ver? - continuou a provocação

-Ok.. você pediu.. - respirei fundo,abri a porta, fechei meus olhos e entrei no banheiro

 Até aí tudo bem,mas não sei que porra me deu na cabeça de abrir os olhos e pá! Encarei Michael totalmente nu diante dos meus olhos. O ar me faltou na mesma hora,não consegui tirar meus olhos do seu corpo maravilhosamente bem esculpido.
  Imaginei que Michael ficaria ruborizado assim como eu,mas foi exatamente o contrário. Michael parecia ter ficado excitado,pois seu membro denunciou o fato, o que me deixou ainda mais de pernas bambas.

-Me desculpe,não queria te constranger.. - falei tentando esconder meu rosto

-Sem problemas,afinal você não curte isso,não é mesmo?

-Como?

-Como o que? Você é lésbica, logo não tem motivos para ficar envergonhada ao me ver nu.

-Você me chamou de que?

-Lés-bi-ca. - soletrou com um sorriso safado nos lábios

-Ok.. Vamos mostrar quem é lésbica aqui.

Abri a porta do chuveiro e em questão de segundos empurrei Michael contra a parede. Suas mãos firmes apertam minha cintura, seu olhar queimava em desejo. Tomei seus lábios com uma vontade quase animal e fui rapidamente recebida por ele. 
  Sua língua quente e aveludada penetrou minha boca sem a mínima delicadeza. Sua pegada foi tão intensa que me vi gemendo na sua boca. Seu membro roçava na minha calça jeans e eu já me xingava mentalmente por estar vestida. 
  Michael inverteu as posições e foi minha vez de estar encurralada entre seus braços. Nossos lábios ainda se mantinham conectados, explorando-nos cada vez mais fundo. Porra, esse não é garotinho inocente e recatado de horas atrás. Este na minha frente é um homem capaz de me deixar completamente desarmada e a mercê dos seus beijos..


Capítulo 10

Michael


   Quando Mercedes entrou no banheiro de olhos fechados eu não me senti envergonhado ou retraído, pelo contrário,me senti estranhamente "animado" e quando ela abriu os olhos e me encarou,foi o que faltava para eu ficar ainda mais excitado. Senti uma necessidade tamanha de provocá-la, de saber até onde iria o limite de Mercedes. 
  Senti meu corpo entrar em chamas no momento que ela me empurrou contra a parede,atacando meus lábios com fúria. Nunca em toda minha vida senti um desejo quase feroz por outra mulher. Estar com Merche me instiga a fazer coisas que jamais imaginei que tivesse coragem.
  Ainda estávamos enroscados um no outro, eu já estava a ponto de arrancar sua camiseta e se ela não tivesse se afastado,provavelmente iríamos transar ali mesmo.

-Porra! - gesticulou visivelmente espantada com a minha reação. Seus lábios estavam inchados e vermelhos, enquanto os meus formigavam

-Merche.. - ela saiu do chuveiro,pegou uma toalha e se secou

-Isso,isso foi um acidente. - iniciou a explicação - Foi só um beijo.

-Só um beijo. - repeti concordando

-Amigos se beijam,por exemplo eu e Jon..

-Você e ele o que? - estreitei meus olhos enquanto enrolava a toalha na minha cintura

-Já ficamos algumas vezes ué.. Você nunca beijou uma amiga?

-Sim,mas não chegou aos pés deste. - Mercedes corou

-Isso foi causado pela cerveja. Estamos chapados e amanhã vamos esquecer,você vai ver. É melhor vestir esse roupão. - Mercedes deixou o banheiro quase que as pressas

    Saí da suíte de Mercedes e dou de cara com uma muda de roupa em cima da cama. Analiso com atenção e concluo que se trata de roupas masculinas. Do lado havia um bilhete de Mercedes indicando as roupas para eu vestir,já que as minhas seriam impossíveis.
Eu nunca me imaginei usando esses modelos. Me olho no espelho e encaro um Michael de calça de couro e fivelas, camisa preta com alguma estampa bizarra e uma jaqueta de couro da mesma cor. 
   Gostei do homem refletido no espelho. É como se fosse o cara que eu sempre tentei ser,mas que tive que oprimir dentro de mim. Fui despertado do meu momento de fascinação ao ver Mercedes olhando pra mim.






-Nossa.. Gina acertou em cheio. Está uma coisa de louco... - riu ao tragar seu cigarro






-Onde arrumaram essas roupas?

-São da loja que ela trabalha. Se quiser pode ficar com elas..

-Se não for problema..Eu gostei!

-Eu também.. É, acho que está ficando tarde.. Não quero te meter em mais problemas.

-Tudo bem. Nos vemos amanhã?

-Aham.. - respondeu desviando o olhar

-Mercedes,não gosto quando faz isso.

-Isso o que?

-Quando não olha nos meus olhos.. Ainda é pelo que aconteceu?

-Imagina.. Eu já esqueci.

-Sério?

-Sério..

-Pois não parece. -insisti

-Michael,chega disso. Foi coisa do momento..

-Então por que não está agindo com naturalidade?

-É claro que estou! Mas que porra,Michael!

-Tá bom, desculpa.. Mas aqui, você gostou? - Mercedes não aguentou e riu, me estapeando

-Filho da puta,sai daqui.. - ri,puxando-a para um abraço

-Obrigado pelo dia..

-Eu que agradeço.. Por quanto tempo acha que vai conseguir vir aqui sem que seu pai ficar te amolando?

-Não sei,mas eu já tenho uma ideia.

-Qual? - perguntou ao me soltar dos seus braços

-Você vai saber se tudo der certo.. Boa noite,Merche.

-Boa noite,Mike..

  Depois que Mercedes fechou a porta,não pude deixar de sorrir. Devo ter ficado uns cinco minutos naquele corredor encarando o chão, me lembrando da cena de minutos atrás. Da forma como suas mãos me apertavam contra seu corpo e o toque dos lábios quentes na minha boca. Resumindo, tudo que eu mais quero no momento é entrar lá dentro e dessa vez, eu roubar o beijo de Mercedes, pois agora ela está me devendo!

(...)

 O táxi parou a algumas quadras da minha casa,caminho mais um pouco até chegar nos portões de aço,onde avisto Corine cuidando do jardim. Assovio para chamar sua atenção, que quase cai para trás ao me ver vestido daquele jeito.

-Michael,o que fizeram com você?

-Deixa de ser boba.. É só uma roupa. - ri

-Está parecendo esses roqueiros que passam na TV, o cabelo já é grande mesmo!

-Mas fiquei bonito ou não?

-Lindo como sempre.. Falando nisso,precisamos conversar.

-Como assim? - respondi enquanto caminhava até a varanda

-Sobre a moça que saiu com você essa manhã. Achou mesmo que eu não veria?

-Cori,você contou pra alguém?

-É claro que não,né? Mas eu te amo e gostaria de saber que é a garota que está provocando tantas mudanças em você.

-É a garota mais incrível que já conheci.. - afirmei,provavelmente com um sorriso bobo

-Sua namorada?

-Amiga.

-Está apaixonado.. - riu

-O que? Claro que não. Mercedes é só uma amiga!

-Você disse Mercedes? Por acaso não é aquela moça que foi presa..

-É ela mesmo. Olha como são as coisas.. Mercedes é a maior inimiga do meu pai e agora é a minha melhor amiga.

-Romeu e Julieta..

-Não viaja! Isso é segredo nosso, hein?

-Ainda precisa pedir? - Core me abraçou finalizando com um beijo na testa - Parece tão feliz.. E se está assim por causa dela,é claro que já gostei dessa menina e se precisar de mim,estou aqui.

-Você é um anjo e é por isso que te amo! Papai está aí?

-Está.. E preciso te avisar que ele está furioso.

-Já imaginava.. Mas já sei o que fazer..

Subi até o escritório de papai,mas antes troquei de roupa. Se ele me visse daquele jeito seria mais motivos pra encarnar em mim. Depois de devidamente vestido com uma calça social e camisa polo, bati na porta do escritório. Escutei um "pode entrar" e abri a porta.

-Sem comentários para o que fez hoje! Isso se chama falta de responsabilidade!

-Pode me ouvir antes de soltar os cachorros? Tenho uma explicação.

-Então diga! - Leon de recostou na cadeira para me ouvir

-Me inscrevi em um curso.

-Que curso?

-De administração..

-E pra que isso?

-Ora, você me colocou para trabalhar com finanças e eu não sei absolutamente nada.

-Até que teve uma ideia inteligente.. Mas nunca mais tome uma decisão sem me consultar!

-Sim senhor.. Trabalharei durante o dia e a noite farei o curso. Posso me retirar?

-Fique a vontade,mas olha aqui. - me virei para encará-lo - Estou de olho em você. - bati continência e deixei o escritório

  É claro que não me inscrevi em curso nenhum. Isso é só um pretexto para ver Mercedes sem que tenhamos que nos preocupar com o meu pai. Combinei tudo com Dereck, que também se "inscreveu" no curso. O primo dele trabalha no instituto e vai cobrir nossas faltas. 
Mesmo sabendo que no dia seguinte eu a veria, minha mente ordenava para que eu fosse ver Mercedes. Não sei o que está acontecendo,porque cada vez que estou com ela,eu quero mais. Parece que o tempo que passamos juntos não é suficiente.

(...)

Passei o dia todo preso no escritório. Já estava me enlouquecendo no meio de tantos números, relatórios, contas.. E pra piorar Mercedes não atendia minhas ligações,nem minhas mensagens. Será que ela está me evitando?

-Atende,mexicana.. O que te custa? - mais uma vez a ligação caiu na caixa postal

  Quando o relógio marcou 17:30 eu mais que depressa peguei minha pasta empresarial (que meu pai insistiu que eu usasse),a chave do carro e parti direto pra casa. Apesar da saudade de Mercedes ser tamanha, eu não queria que ela me visse de terno e gravata, até porquê eu mesmo detestei me ver assim,ainda mais depois das roupas que vesti ontem. Este na minha frente, definitivamente não sou eu.
 Antes de sair de casa ainda tentei ligar mais duas vezes e nada. Poxa,ela disse que era para esquecermos o beijo,mas continua me evitando! Será que ela não gostou? Só pode ser isso! Está muito claro agora,mas ela tem que dizer isso na minha cara!
  Toquei a campainha dezenas de vezes e nada. Acho que estou pegando a mania da Mercedes de ser escandalosa, pois não demorou muito para eu bater insistentemente na porta, gritando seu nome. Quando estava prestes a bater novamente a porta se abriu.

-Tá com formiga nas mãos? - Mercedes se calou quando viu que era eu. Sua expressão parecia de extremo cansaço

-Vai continuar fugindo de mim,dona Mercedes?

Capítulo 11

Mercedes


   Eu não sei o que deu mim para beijar Michael daquela maneira, quer dizer,eu não imaginava que ele fosse tão selvagem,tão sexy.. Deus, só de lembrar que quase transei com ele minhas pernas tremem. Até hoje sinto meus lábios formigando. Realmente foi um beijo muito, muito bom.. 
 No dia seguinte Michael me ligou diversas vezes. Eu disse à ele que era para esquecermos o que aconteceu, mas obviamente será impossível,mas tenho pelo menos que fingir que aquilo não aconteceu.. 
 Eu já acordei me sentindo não muito bem. Sentia uma dorzinha chata na barriga e um enjoo forte. Tenho bebido tanta cerveja que deve estar afetando meu estômago.  Dormi a tarde toda e só acordei porque um encapetado batia na minha porta insistentemente.

-Tá com formiga nas mãos? - eu paralisei ao ver Michael na minha frente. Confesso que não estava preparada para vê-lo depois de ontem

-Vai continuar fugindo de mim,dona Mercedes? - Michael cruzou os braços e me encarou. Puta merda, não consigo mais enxergá-lo como um garotinho inexperiente

-Do que está falando,garoto? - tentei desconversar

-Quer fazer o favor de não me responder com outra pergunta? Quero saber o porquê de estar me evitando!

-Eu não estou te evitando! - dei as costas,mas ele foi mais rápido e segurou meu braço

-Fala a verdade. Foi por ontem,não foi?

-Mete na sua cabeça que aquilo foi só um beijinho atoa.. - Michael riu

-Você é patética,Merche! Quer mesmo me convencer que aquilo foi só um beijinho?

-É por isso que eu não queria falar com você! - gritei - Se for pra ficar falando disso é melhor ir embora!

-Ok,me desculpe.. Prometo que não tocarei mais nesse assunto. Só queria entender porque está seca comigo. Você ficou desapontada..? - me controlei para não rir na frente dele. Então Michael está pensando que eu não gostei do beijo? Interessante..

-Ah.. Já tive melhores.. - ele arregalou os olhos e se aproximou de mim

-Quer dizer que foi ruim..? - num piscar de olhos,ele agarrou minha cintura e me arrastou até o sofá, se pondo por cima de mim. Eu novamente fiquei sem ação

-Michael..

-Se foi ruim por que está tremendo? - cacete, como eu consigo dar bandeira tão fácil?

-Tudo bem, eu só estava brincando.. - confessei - Você até que beija bem..

-Bem..? - provocou ainda com agarrado em mim

-Porra,foi muito bom! Agora pode me soltar? - Michael mordeu o lábio e se afastou, sentando-se ao meu lado

-Se não foi isso,é o que então?

-Por nada,Mike.. Não estou estranha com você.

-Tem certeza?

-Sim.. Somos amigos e continuamos sendo.. Só não atendi seus telefonemas porque estava dormindo. - encostei minha cabeça no seu ombro e fechei meus olhos

-Percebi.. Está de ressaca,não é?

-Não fala merda! Só não estou me sentindo bem hoje.. - Michael me encarou,puxando delicadamente meu rosto

-O que você tem?

-Não sei.. Só estou sentindo uma dor chata aqui.. - apontei para o local que doía. Michael levou sua mão aonde indiquei e eu gemi baixinho

-Bem aqui? No apêndice?

-No o que?

-Apêndice. Não sabe o que é isso? - Michael falou incrédulo

-Nunca ouvi falar! É algum osso? - Michael riu

-Ah Mercedes..o que eu faço com você? Apêndice é uma pequena bolsa que fica presa no intestino e pelo que me parece você está com apendicite.

-Michael,para de falar difícil.. Eu estou com lombriga,é isso? - Michael riu novamente e me abraçou forte

-Não é nada disso,garota.. Mas precisa ir no hospital urgente!

-De jeito nenhum! Ai.. - gritei quando a fisgada se tornou mais aguda

-Fala pra mim o que está sentindo?

-Dor, enjoo.. - me encolhi no sofá por conta do frio que estava sentindo

-E febre também.. - completou ao tocar na minha testa - Sem discussão, vamos no hospital agora!

-Eu não vou! Virou médico agora? Vou melhorar.. - não deu nem tempo de fechar os olhos quando senti meu corpo sendo levantado por Michael. Ele me aninhou em seu colo sem dar a mínima para os meus protestos

 Durante todo o caminho eu me sentia cada vez pior,mas permaneci quieta. Não queria dar o braço a torcer para ele, que estava exageradamente preocupado comigo. 
 Michael estacionou o carro e correu para me levar à emergência. Eu nunca na minha vida coloquei os pés em um hospital tão luxuoso como este. Com certeza a conta vai ser ainda mais luxuosa.. 
 Senti quando me puseram em uma maca e quando me afastaram de Michael. Ele parecia aflito de preocupação ao me ver afastar. Fui levada para uma sala de exames e em questão de segundos ouvi o médico dizer para me prepararem para a cirurgia. 
 Levaram-me em seguida para a tal sala e só me lembro de sentir a agulha fincar no meu braço, das minhas vistas pesaram e eu apagar.

(...)

-...And it's me you need to show how deep is your love. Is your love, how deep is your love I really mean to learn.. - escutei uma voz fininha próxima a mim e  na medida que eu ia despertando a voz se tornava mais clara. Eu não podia acreditar que Michael estava cantando pra mim!

-Morri e fui para o céu? - perguntei ainda de olhos fechados. Ouvi a risadinha gostosa de Michael

-Não sua boba.. Por que acha isso?

-Porque escutei um anjo cantando pra mim.. Oh não, é o Michael! - ele riu do meu deboche

-Achei que estava dormindo,tá? Como se sente?

-Cansada,mas sem as dores infernais.. O que fizeram comigo?

-Você passou por uma apendicectomia, retirou o apêndice. Graças a Deus chegamos a tempo, se não você estaria ferrada!

- A coisa foi séria então.. Valeu Mike, te devo essa.

-Que deve o que.. - ele alisava delicadamente a minha testa com a ponta dos dedos - Só de estar bem já me alivia..

-Mas é sério, a conta vai ser cara.. Já é a segunda vez que estou te devendo.

-E eu pareço um agiota? Mercedes, me deixa cuidar de você,caramba! - ele apertou meu queixo,me fazendo rir

-Ok.. Mas é só porque estou debilitada. Já posso ir embora ne? - tentei me levantar e Michael quase deu um ataque

-Mercedes! - gritou - Quer abrir os pontos? Fica quieta um pouco!

-Ok.. - o que me restou foi deitar novamente - Mas quando vou embora?

-Ainda é cedo. São seis horas da manhã.

-Está aqui comigo até agora? - foi aí que percebi como Michael estava acabado

-Estou. Pensou que eu ia embora?

-Cara, você tinha que estar dormindo, e o seu trabalho?

-Meu pai está viajando,não dará falta de mim e mesmo se tivesse, foda-se. - deu de ombros

-Que orgulho! - dei tapinhas na sua bochecha - Michael,me dá água?

-Você não pode beber, são ordens médicas.

-Mas estou morrendo de sede! - choraminguei

-Hm.. acho que posso te ajudar. Você deixa?

-Claro! - respondi mesmo sem entendê-lo

-Não vai achar ruim?

-Não ué!

-Ok.. - Michael se inclinou para frente e devagar aproximou seu rosto do meu

 Ele encostou a língua no meu lábio inferior e deu um longo chupão,sugando-o demoradamente. Ele sorriu e prosseguiu enquanto eu permanecia paralisada. Michael voltou a roçar seus lábios entre os meus entreabertos. Com os dentes, ele mordiscou meu lábio,soltou e invadiu minha boca, tudo em sequência. 
 Ele invadiu minha boca com sua língua quente e  inquieta. Saí da minha sonseira e abri minha boca para receber seu beijo apressado. Quando chupei sua língua,Michael gemeu,colando seu corpo para mais perto do meu,tomando os devidos cuidados. Mas eu estava tão envolvida que nem as dores eu conseguia sentir. 
 Minhas mãos foram parar no seu pescoço na tentativa de trazê-lo para mais perto de mim. Nossos lábios se moviam em perfeita sincronia, mas tivemos que nos afastar,pois o ar estava escasso e a máquina apitava sem parar denunciado meus batimentos cardíacos acelerados.
 Michael afastou seu rosto e abriu os olhos para me encarar. Não conseguia parar de olhar para os seus lábios inchados e ainda mais carnudos.

-Então..matou sua sede?

-Não.. Pode fazer isso de novo? - Michael sorriu torto e novamente se inclinou

 Ele mordeu a pontinha do meu queixo e logo voltou sua atenção para a minha boca, repetindo a dose,agora com um pouco mais de intensidade. 

     Existe a probabilidade de eu estar apaixonada por Michael Jackson?

  Capítulo 12

Michael


  Permaneci ao lado de Mercedes mesmo depois dela dormir, afinal eu prometi que não sairia de perto dela e isso não será esforço nenhum para mim. Sobre os beijos que trocamos.. caramba,é tão surreal. Quando sinto seus lábios me tocando eu não penso em mais nada, é como se eu estivesse fora de órbita. 
    Não falamos nada sobre esse episódio, Mercedes provavelmente inventou que estava com sono para poder escapar do climão que se instalaria. 
 Aproveitei para passar em casa e tomar um banho. Mercedes terá alta essa noite e eu quero estar por perto,afinal ela precisa de cuidados. Assim como ela tem feito,agora é a minha vez de cuidar dela,e claro, puxar sua orelha. 
 Quando voltei ao hospital,flagrei Mercedes tentando se levantar a todo custo. Me recostei na parede, de braços cruzados,apenas observando sua teimosia. Ela notou minha presença e empalideceu de susto.

-Credo,Michael! Quer me matar?

-Você que vai me matar de preocupação! Já falei que não pode se levantar!

-Virou meu pai agora? -  resmungou ao se deitar novamente

-Não e Deus me livre ter uma filha teimosa que nem você! Mas eu trouxe uma boa notícia..

-Qual?

-Você vai voltar pra casa hoje.. - Mercedes sorriu aliviada

-Graças a Deus! Já não estava suportando esse lugar... - acariciei sua bochecha,deixando-a sem graça - Mike..

-Diga..

-Temos que conversar,ok. O que aconteceu lá em casa e hoje de manhã.. não deveria ter acontecido. Afinal somos amigos..

-Mas você disse que beija seus amigos. Por que comigo é diferente? - percebi que ela ficou sem palavras para a minha pergunta

-Porque.. nos conhecemos a pouco tempo..

-E aquele seu papo de que temos que fazer o que dá na telha? É da boca pra fora? Seja sincera, você gosta quando te beijo.. - Mercedes ficou mais vermelha que um tomate

-Michael,para com isso..

-E você para de fugir da minha pergunta. Você gosta,confessa..

-Ok,mas eu não sou a única! - ri me sentindo vitorioso

-Ambos gostaram,e como amigos não vejo problema nenhum nisso.

-E qual a sua sugestão?

-Simples. Vou ser seu amigo,mas não terei dó nenhuma,vou beijar sua boquinha rosada quantas vezes eu tiver vontade! - Mercedes escondeu o rosto entre as mãos, chocada com minhas palavras

-O que fizeram com aquele Michael mosca morta? - riu

-Uma certa garota mandou ele passear.. E então,aprovou a minha ideia?

-Quer ter uma amizade colorida comigo? É isso?

-Uhum.. - confirmei

-Não acha isso perigoso?

-Não entendi.. Perigoso em que sentido?

-Nada,coisa minha.. Somos jovens, mas sabemos que porra estamos fazendo,então tudo bem.. - ela estendeu a mão - Nada mais que amizade? - jurou de dedinho. Fiz o mesmo,enlaçando nossos dedos

-Nada mais que amizade.. - repeti - Agora vamos,amiguinha. Vou te levar pra casa..

 Assim que Mercedes estava pronta, a coloquei na cadeira de rodas para levá-la até o carro. Ajudei ela a se sentar tomando todo o cuidado para não machucá-la. Em seguida partimos para o Brooklyn.

- Estou ferrada.. - comentou assim que eu a deitei no sofá

-Por que? Tome o remédio.. - lhe estendi o copo com o medicamento

-A loja vai ficar parada nos próximos dias, como vou arrumar grana?

-Eu posso ficar na loja..

-Você? - me olhou descrente - Tá bebendo,Michael?

-Qual o problema? Eu posso me virar muito bem lá. Ou é isso ou sua loja vai ficar as moscas,você escolhe..

-Chantagista filho da mãe!

-Au! - gritei quando ela me tampou uma almofada

-Acha que vai dar certo?

-Podemos tentar.. Confie em mim.

-Ok,mas como vai explicar isso para o seu pai?

-Vou dizer que quero viajar com meus amigos,ele sempre deixa.. Mas tem um problema..

-Qual?

-Eu vou ter que ficar aqui na sua casa.

-Quando você diz ficar..

-É isso mesmo que está pensando.. Vou ter que morar com você pelos próximos dias..

-Morar comigo? - gritou

-É. Como você acha que vou conseguir inventar pro meu pai que estou fora do país se continuar dormindo em casa?

-Faz sentido.. Mas isso vai dar certo? Digo,eu e você aqui..

-Por que não daria? - falei ao me ajoelhar de frente à Mercedes - Nada mais que amizade, não foi isso que você disse?

-Fo..foi.. Mas é que..

-Sem "mas",Mercedes! Eu vou me acostumar com essa loucura que é sua vida.. - apertei sua bochecha e ela riu

-Aposto 100 dólares que você não aguenta nem um dia!

-Apostado,mexicana! Agora trate de dormir.. Você precisa descansar. Amanhã bem cedo venho pra minha nova casa.. - ela riu

-Vai me colocar na cama?

-Olha como já está mimada.. Vem, vou por a princesa pra dormir.. - Mercedes bateu palmas e se ajeitou para que eu a pegasse no colo

 Arrumei sua cama e a deitei delicadamente, cobrindo-a com uma coberta. Dei um beijinho na sua testa e Mercedes sorriu encantadoramente.

-Acha que consegue ficar bem sozinha?

-Sei me virar.. - respondeu com convicção,o que não me convenceu nenhum pouco

-Sério,não vou dormir em paz..

-Michael, sossega!!  Estou me sentindo ótima e esses remédios já estão fazendo efeito.. - respondeu ao bocejar

-Tudo bem.. - suspirei - Mas será por pouco tempo, amanhã cedo estarei aqui com a minha malinha.

-Vai mesmo "morar" comigo? - perguntou risonha

-Vou.. Prepara o barraco pro seu novo colega de apê. - me inclinei até seu rosto e rocei meu nariz na sua bochecha

-Me beija logo.. - murmurou

-O que?

-Me beija,por favor.. - não resisti a sua súplica e imediatamente colei nossos lábios em um beijo aparentemente calmo,mas que foi se intensificando rapidamente

 Antes de separar nossas bocas, Mercedes mordeu meu lábio inferior,despertando ainda mais o  desejo que tenho por ela. Olhei para os seus olhos que tinham um brilho diferente do que estou acostumado a ver. Ela sorriu, acariciando meus cachos com seus dedos.

-Obrigada por hoje, por tudo, devo dizer.

-Não tem de quê.. Até amanhã, morena..

-Até amanhã magrelo.. - lhe roubei um selinho e deixei Mercedes dormir

 Deus sabe como eu queria ficar ao lado de Mercedes não só algumas horas por dia.. Tenho uma necessidade incontrolável de tê-la perto de mim.
 Eu estou apaixonado por Mercedes, essa é a verdade. Hoje tive a total confirmação da minha suspeita. Não é admiração, atração ou encantamento pelo seu jeito espontâneo. O que venho sentindo me trás uma sensação de calma e ao mesmo tempo me deixa na corda bamba. E é isso que me deixa ainda fissurado nessa mulher.

Capítulo 13

Mercedes


       Quando Michael se prontificou a cuidar da minha loja eu pensei que fosse uma piada. Ok, ele está sendo um amor comigo,mas me pergunto se isso é verdadeiro ou se é por remorso pelo pai ordinário que ele tem. Enfim, não vou esquentar minha cabeça com isso. Estamos numa vibe tão boa que parece um sonho,apesar de saber que uma hora essa "novidade" na vida dele vai perder a graça e ele partirá para outra "aventura".

(...)

    Minha noite parecia ter se arrastado de tanto que demorou a passar. Não consegui pregar o olho um minuto sequer,são tantas preocupações que eu nem sei por onde começar. Leon prometeu se vingar de mim e o seu silêncio só pode significar um ataque próximo. E pra piorar a situação estou cada vez mais apegada ao filho dele, do homem que mais odeio na face da terra. Só quero ver até onde essa situação vai parar, e principalmente, quando Michael tomará uma atitude de homem e parar de se esconder como um criminoso.

     Depois de um banho demorado, consegui me vestir com um pouco de dificuldade. Pensei em chamar Gina para conversarmos sobre tudo que tem acontecido,mas Michael pode chegar a qualquer momento e definitivamente ele não pode fazer parte da conversa. 
      Acendi um cigarro e fui até a janela observar a manhã chuvosa que se instalara no Brooklyn. As nuvens de variados tons de cinza representavam meu coração neste momento,confuso e embaralhado. A campainha logo tocou me fazendo despertar dos meus pensamentos. 
     Abro a porta e a cena a seguir me faz querer cair para trás. Michael segurava um enorme buquê de rosas vermelhas. Nunca em toda minha vida eu havia recebido nem uma pétala,quem dirá um buquê inteiro. Na verdade,pra mim, as flores são como as pessoas. Te encantam com a beleza, com aroma e sua delicadeza, mas no final murcham, reduzindo todo o primeiro encantamento à folhas secas.

-Ok,pode começar a explicar. Aqui é cemitério agora? - Michael riu da minha grosseria revestida com ironia

-Como sempre delicada.. Isso aqui são flores para a senhorita. Por acaso damos flores apenas ao defuntos?

-Na maioria das vezes sim. Afinal jogamos flores aos túmulos para tentar apaziguar o remorso.. - Michael pareceu analisar minha teoria por um tempo

-Não tiro sua razão,mas.. flores também servem para demonstrar ainda em vida como as pessoas são importantes. Por favor, aceite. - disse estendendo o buquê. Estiquei as mãos e o levei até meu nariz, inalando timidamente o aroma

-Obrigada.. Entre. - Michael sorriu e educadamente entrou na minha sala. Ele se aproximou de mim para me dar um estalado beijo na bochecha

-Como passou a noite?

-Bem.. Dormi como um anjo. - menti. Michael me fitou com olhar de reprovação ao me ver tragar o cigarro

-Como consegue fazer uso dessa porcaria? - questionou ao arrancá-lo da minha mão

-Sério que vai implicar com meu cigarro? - lhe lancei um olhar de tédio

-Isso faz mal à saúde,sabia?

-O que é que não faz mal,Michael? Para morrer basta estar vivo. Onde que põe isso? - me referi às rosas

-Em um vaso com água. Nem um elogio à elas?

-São bonitinhas. Desculpa Mike, mas é que não vejo graça nenhuma em flores. - ele riu

-Por que não estou surpreso?

-Mas obrigada, vai deixar essa casa um pouco agradável.. - olhei para o chão e reparei na pequena mala de Michael. Esse cara realmente vai ficar aqui! - Pelo visto conseguiu dobrar seu pai..

-Recorri à minha mãe. Ela adora quando viajamos,assim não tem a obrigação de vir nos ver.. - Michael desviou o olhar triste para que eu não reparasse - Mas me desculpe, eu decidi que viria e nem pedi sua autorização. Pode me indicar um hotel aqui perto?

-Acha mesmo que vou deixar você sair daqui? - peguei sua mala e a levei comigo até meu quarto. Michael apenas me seguiu

-Valeu.. - murmurou

-Sabe, acho que vai ser bom ter você aqui. Vou te ensinar algumas coisinhas.. - Michael gargalhou, revirando os olhos

-Tenho até medo,Mercedes..

-Temos apenas que decidir onde você vai dormir.

-Posso ficar na sala, se não for problema.

-Aquele sofá vai deixá-lo com dores terríveis!

-Não se preocupe,vou ficar bem. - assegurou

-Quem diria.. Vai trocar um colchão caríssimo pelo meu sofá velho!

-Olha o que eu faço por você.. - não sei porque,mas gostei muito de ouvir isso..

-Ok,mas depois não reclame.. - avisei

-Fica sossegada, agora me dê a chave.

-Que chave?

-Da sua loja. Já são oito horas, mocinha!

-Michael,isso não vai dar certo.. - maneei a cabeça,sabendo exatamente o desastre que dará essa brincadeira

-Você está me saindo muito pessimista, hein? Vou conseguir e te garanto que venderei igual água.

-Essa eu pago pra ver! - gargalhei

-Certo. Vamos fazer uma aposta. Se eu vender mais que cento e cinquenta dólares,você terá que aceitar qualquer coisa que eu pedir. Combinados? - disse estendendo a mão

-Combinados. - apertei sua mão, mesmo sabendo que ele perderá a aposta

- Certo.. Te vejo às cinco.

-Bom trabalho. Credo,isso pareceu frase de esposa para o marido!

-Quem sabe isso não é um ensaio que o destino preparou? - disse dando uma piscadela,me deixando desconcertada. Ele percebeu minha reação e logo beijou minha testa, saindo para o "trabalho". Fechei a porta assim como meus olhos

-O que esse boneco de porcelana está fazendo comigo? - lamuriei - Mas que droga,Mercedes. Você está apaixonada! Merda,merda,merda!

(...)

Como não tinha absolutamente nada para fazer, decidi pegar meu velho violão para desenferrujar meus dedos. Apesar de tê-lo desde que saí de casa, sempre tomei cuidado para deixá-lo conservado. Me entreti tanto que custei a ouvir a campainha tocar.

-Está surda? - pergunta Gina completamente irritada

-Calminha aê,princesa.. Estava tocando.

-Olha só.. - riu com malícia

-Violão,sua tarada! Agora fala logo o que te trouxe aqui.

-Primeiro, porquê não contou que esteve o hospital? Me preocupou, sabia?

-Foi mal.. Aconteceram tantas coisas que eu esqueci. Mas como ficou sabendo?

-Já vai saber na minha segunda pergunta. O que o filho do Leon está fazendo na sua loja?

-Já foi xeretar com ele,não foi? - ri

-Mas é óbvio que sim!

-Então pronto.. - me deitei no sofá e antes de poder fechar os olhos, Gina parou na minha frente.

-Mercedes eu quero ouvir da sua boca. Tudo! - bufei irritada

-Então senta e qualquer comentário idiota eu paro na hora! - Gina se sentou ao meu lado e comecei a despejar todo o rolo entre Michael e eu

-Puta que pariu, você tá de quatro pelo Jackson Jr.!! - gritou

-Cala essa boca! - a repreendi tacando uma almofada na sua direção

-Hey,pega leve! Não tenho culpa se você está mais do que afim dele e pelo que parece ele também está!

-Não diga besteiras! Somos apenas amigos.

-Amigos que se pegam debaixo do chuveiro? Ah tá bom.. - já estava me arrependendo de cada detalhe que havia contado para Gina

-Para,por favor! - choraminguei enterrando meu rosto na almofada

-Por que é tão difícil assumir que sim," estou apaixonada pelo Michael Jackson! "

-Porque eu já sei como vai terminar isso.. - uma  lágrima escapou do meu olho

-Oh Merche.. eu sabia.. - Gina pegou na minha mão - Está com medo não é? - apenas assenti

-Por mais que eu não ligue pra essa droga de sociedade, caramba é tão difícil.. Olha pra quem eu sou. Uma droga de garota perdida que não faz porra nenhuma ao não ser arrumar briga por aí.. E ele? Um rapaz lindo, inteligente, rico e da alta sociedade, com um futuro gracioso pela frente. Somos como o Sol e a Lua. Não podemos nos misturar.

-Olha,mesmo sabendo que esse papo é manjado,na prática é bem diferente. Achamos que esse lance de oposição é furada,mas é real. Mas e se você tentasse?

- Posso te responder dizendo que ele está aqui escondido do pai?

-Nossa,Merche..

-Respondeu? Eu vou desencanar disso.. Sou dona de mim e não vou me deixar levar por essa.. coisa!

-Você sabe o que é melhor pra você. Agora é melhor eu ir. Seu "amigo" deve estar para chegar. Se cuida,ok?

-Deixa comigo.. - Gina me abraçou e se foi, me deixando ainda mais perdida em meus pensamentos - Ah, antes que eu me esqueça. Acho melhor contratar o Michael.

-O que disse?

-Ele fez o maior sucesso na loja, está todo mundo comentando. Esse sabe como atrair a clientela.

-Mas isso é surreal, Michael nunca trabalhou na vida!

-Mas voz de cantor profissional,ah.. isso ele tem!

-Não acredito nisso! - ri igual uma bocó, ou melhor, como uma boba apaixonada

-Estão batendo na porta. Acho que é seu marido.

-Vá a merda! - Gina abriu a porta e deu apenas um sorrisinho para Michael,que por sinal ria com um olhar vitorioso

-Até amanhã,Merche.. - Michael cumprimentou Gina e logo chegou o temido momento de estar sozinha com ele

-O que é isso? - apontei para a caixa nas suas mãos

-Nossa comemoração. Já deve estar sabendo que ganhei a aposta,certo? 

-Vai me explicar direitinho que bruxaria você fez!

-Terei todo o prazer de lhe contar,mas agora.. - Michael deixou a caixa de cerveja em cima da mesa e as mãos livres migraram-se para a minha cintura

-Agora o que..?

-Agora eu e você vamos agir como adultos.. - me arrepiei dos pés à cabeça ao ouvir sua voz rouca rente ao meu ouvido

    Não consegui nem ao menos respondê-lo. Meus olhos acompanhavam cada expressão que seus lábios formavam enquanto falava. Apenas enlacei meus braços em torno dos seus ombros largos e fechei meus olhos, me deixando levar ao abismo que é estar perdidamente apaixonada por Michael.

Capítulo 14

Michael


   Confesso que no início pensei que seria uma loucura vir pra casa de Mercedes e ainda cuidar da loja dela. Mas depois de hoje parece que finalmente encontrei meu lugar. Nunca me senti tão bem e útil para alguma coisa. Pra falar a verdade, desde que a conheci minha vida e o meu jeito de ser mudaram completamente. 
   Nos sentamos no chão da sala apoiando nossas costas no sofá. Ao nosso redor tinham inúmeras garrafas de cerveja, conhaque e diversas porcarias para comer. Já estava tão alto que gargalhava só de olhar pra casa da Mercedes.

-Ai Michael.. - suspirou com a mão na barriga depois de mais uma crise de risos

-Mas é sério! Aquela diretora era o cão! Só que a minha travessura me custou uma semana de suspensão

-Puta merda! E o seu pai soube?

-Soube pelo meu irmão..

-Que horror! - ela largou o copo de cerveja para me encarar - Quer dizer que seu maninho é X9?

-Não é isso.. Ele pensou que meu pai já sabia.

-Se você pensa assim.. - deu de ombros. Agora foi minha vez de encará-la enquanto acendia o cigarro - Se tragar uma vez só garanto que vai perder essa carranca.

-Nem pensar! Isso vicia,garota! Daqui a vinte anos estará com câncer!

-Shii.. - me olhou despreocupada - Daqui a vinte minutos eu posso morrer atropelada,no que vai mudar? Deixa de ser politicamente correto pela menos uma vez. Vai, divide comigo.. - me persuadindo desse jeito foi difícil negar. Mercedes deu um trago, inclinou a cabeça e baforou a fumaça. Em seguida passou o cigarro para mim

-Como..faz? - perguntei ao encaixar o cigarro nos meus dedos

-É só sugar,depois inspira,respira e dê uma baforada.

-Ok. - fiz exatamente o que ela pediu. Dei algumas tossidas,o que fez Mercedes rir da cara - É horrível!

-Porque fez errado! Tenta de novo.. - na segunda tentativa finalmente consegui puxar a nicotina e dessa vez sem me engasgar com a fumaça

-Viu como aprende fácil? Mais uma vez.. - incitou

-Ok, mas você vai dividir comigo.. - ela franziu o cenho e riu quando a posicionei no meu colo

   Suas pernas estavam encaixadas na minha cintura, seus braços em torno dos meus ombros. Mercedes entreabriu os lábios e eu dei um longo trago no cigarro,baforando a fumaça diretamente na sua boca. Foi uma cena muito,muito sexy.. Tanto que em seguida,a puxei pela nuca e colei nossos lábios sem fazer rodeios. Mercedes correspondeu avidamente,tirando o cigarro da minha mão e o jogando no cinzeiro.

-Nada de queimaduras aqui.. - falou ao se afastar minimamente de mim

-Uhum.. - assenti. Merche saiu do meu colo e se deitou nas minhas pernas

-Então quer dizer que você canta mesmo..

-Ah,eu arrisco. 

-Então arrisca muito bem. Gina me disse que você atraiu a clientela quando pegou no violão e cantou Bon Jovi. É minha banda preferida,sabia?

-Acho que é a primeira vez que temos gostos parecidos.. - Merche não me respondeu. Já estava incomodado com o silêncio quando ela solta mais uma pérola

-Devia participar do festival.

-O que? - engasguei com a cerveja devido ao susto

-Que cara é essa? - Merche se ergueu para me encarar

-Você pirou! - ri

-Mas esse não é o seu sonho? Seguir na carreira musical?

-Sim,mas é algo que nunca vai se realizar, eu já me conformei.

-Deixa de ser idiota! Você é talentoso, não enterre seu sonho.

-Tenho medo,Merche. Nunca fiz isso na vida! - ela se sentou ao meu lado e afagou meu rosto com os dedos

-Pra tudo tem a primeira vez, Mike. Desde que te conheci,você xingou pela primeira vez, mentiu pro seu pai pela primeira vez,assim como bebeu e fumou também. Por que não faz outra experiência? -depois de um tempo refletindo,levantei a cabeça e olhei para Merche

-Vai estar comigo? - ela sorriu encantadora como sempre

-Ainda pergunta? Não vou sair mais do seu pé,moleque! - a abracei pela cintura e a deitei no meu colo novamente

-Então eu aceito. Farei isso por você.

-Por nós. - foi a primeira vez que ela disse ''nós'', ou seja, eu e ela juntos e algo me diz que essa frase terá ainda mais peso no futuro

(...)

   Acordei com uma terrível dor na coluna. Abri meus olhos e percebi que estava deitado no tapete da sala com Mercedes abraçada à mim. Não,nós não transamos! Ainda bem, porque eu me odiaria se tivesse feito amor com ela e não me lembrasse de nada.
   Mercedes dormia serenamente com a cabeça encostada no meu peito. É tão linda dormindo que parece um anjo. Quem vê assim nem imagina a fera que é essa mulher. Deslizei meus dedos pelo seu rosto magro e delicado, o que é totalmente contrário à sua personalidade.

-Psiu? Dormindo acordado? - disse me tirando dos pensamentos

-Oh,não.. Achei que você estava dormindo.

-Sim,mas estou te cutucando faz tempo! É a ressaca? - zombou

-Preciso nem dizer de quem é a culpa,mas tudo bem,merecemos.

-Oh sim.. Minha cabeça tá explodindo! - choramingou se jogando nos meus braços

-Deixa eu te ajudar.. - me levantei, segurando Merche no colo. A coloquei de pé,só que permanecemos abraçados

-É.. é melhor tomarmos um banho para despertar.

-Ok.. - Mercedes se afastou de cabeça baixa e seguiu apressada para o quarto

  Merda,eu não consigo mais esconder que estou de quatro por Mercedes. Ela é como uma droga que me deixa cada dia mais viciado. Só que eu tenho medo. Mercedes é uma mulher determinada, segura de si, ela pode até ter aceitado nossa amizade colorida,mas gostar de mim? Isso já acho muito,muito difícil. 
   Tá na cara que ela gosta de homem com atitude como os cabeludos amigos dela. E eu todo careta desse jeito nunca que vou ganhar a atenção dela. Então eu vou deixar isso quieto,só não sei até quando vou aguentar.. 
   Me sentei no sofá esperando Mercedes terminar o banho. A campainha tocou várias vezes seguidas,então achei melhor ir atender, poderia ser importante para a Merche. Quando estou prestes a girar a maçaneta, sou surpreendido pelo seu grito.

-Não abra essa porta!! - gritou. Mercedes estava apenas enrolada na toalha. Parecia ter visto fantasma

-Mas por que? - perguntei sem entender

-Faz o que eu tô mandando, anda! - a campainha tocou novamente. Mercedes me puxou pelo braço,me afastando da porta - Não pague para ver quem está do lado de fora..

  Mercedes estava séria demais e isso me assustou. Olhei no espelho mágico e quase caio para trás. Leon e seus brutamontes estavam parados na porta. Merda, como ele descobriu que estou aqui? Definitivamente estou ferrado!

Capítulo 15

Mercedes


 Puta merda,era só o que faltava o desgraçado desse velho vir justamente na minha casa! Não, não é possível que ele tenha descoberto tudo! Será que ele mandou seus capangas seguirem o Michael? 
 Independente do que for tenho que manter a calma. Michael parece que vai ter um infarto a qualquer momento e se isso acontecer ele estragará tudo.

-Michael,vá pra minha cama. - foi a primeira coisa que eu pensei

-O que? 

-Faz logo o que estou pedindo! - Michael assentiu e praticamente correu para o quarto,que não ficava tão longe da sala
 
 Depois que Michael estava seguramente deitado, respirei fundo e voltei minha atenção à campainha que tocava sem parar. Bem, já que estou de toalha, é melhor eu aproveitar a situação. Desenrolei a toalha do meu corpo e a  usei apenas para cobrir a frente. Girei a maçaneta e abri a porta. O sorriso cínico de Leon se dissipou, dando lugar a uma expressão totalmente desconcertada..

-Mas..mas o que é isso? - Leon andava de um lado para o outro tentando não olhar para o meu corpo semi-nu

-Isso é uma mulher sendo incomodada por um senhor inconveniente num momento íntimo dela. Respondido?

-Você consegue ser mais baixa a cada dia que passa! - ri

-Baixa porque eu transo? Ora, Sr. Jackson, não pratica mais, é isso? - pude ouvir a risada de Michael vinda do quarto. Leon arqueou a sobrancelha procurando de onde vinha o barulho

-Quem está aí? - indagou de cenho franzido. Na certa deve ter reconhecido a risada de Michael

-Meu namorado,por que? Quer vê-lo nu?

-Faça-me o favor! Meu assunto com você é mais que breve. - ele novamente impôs o sorriso triunfante

-Então diga. Preciso gozar,se é que sabe o que é isso.. - sussurrei no seu ouvido,o tomando ainda mais de fúria

-Vamos ver se terá vontade depois.. disso. - afirmou ao sacar do paletó um envelope

-Mais uma de suas ameaças tolas? - peguei o papel com certa indiferença e o abri. Não podia acreditar no que estava lendo

-Hmm acho que não são boas notícias,não é?

-Fora da minha casa.Fora!! - gritei expelindo todo o ódio imensurável que sinto por ele

-Com prazer, aproveite bem seus últimos meses... - riu ao acender seu charuto - David,peça ao Bornie para estar pronto com o carro,não quero correr o risco de ser assalto por esses pivetes. Até breve Mercedes,não quero mais atrapalhar sua.. atividade.

-Suma seu filho da mãe! Desgraçado! - bati a porta com uma força escomunal. Rapidamente me cobri com a toalha ao ouvir os passos de Michael

-Merche, o que ele disse pra você? - só o que consegui fazer foi abraçá-lo e permitir que as lágrimas descessem em torrentes

-Eu o odeio, odeio! - Michael afagava meus cabelos, tentando me acalmar de alguma forma. Ele tirou o papel da minha mão e também o leu

-Ele foi longe demais..

-Noventa dias,Michael. É o tempo que nós temos pra sair daqui!  - Michael enxugou minhas lágrimas e me abraçou

-Merche, olha pra mim. Eu imagino o ódio que está sentindo e tudo que peço é que me perdoe por isso.. - me desvencilhei dos seus braços e me encolhi no sofá. Michael se ajoelhou de frente para mim e pegou na minha mão

-Não precisa me olhar assim.. Não vou culpá-lo pelo monstro que é seu pai.

-Hoje tive a prova que ele é muito pior do que eu imaginava.. - murmurou tamanha a vergonha que sentia pelas ações do pai

-Tudo bem. Agora ele vai ver o monstro que eu também sei ser. - sequei meu rosto com o dorso das mãos e funguei

-O que vai fazer?

-Agir. Eu vou é agir. Me desculpe, mas não terei dó nenhuma do seu pai!

-Quem sou eu para pedir clemência? A única coisa que peço é para tomar cuidado. Meu pai não presta e mexe com gente perigosa. - ri

-Perigosa é? Então veremos quem é mais perigoso. - afirmei decidida

-Merche..

-Não quero mais falar disso. - me levantei e segui para o meu quarto. Michael entendeu que eu precisava de um tempo e não foi atrás de mim

 Voltei à sala já vestida e com os cabelos penteados. Carregava no braço meu precioso violão. A expressão preocupada que Michael exibia deu lugar a uma curiosa. Ele respirou aliviado ao me ver sorrir.

-O que é isso?

-Treino. - me sentei ao seu lado e abri a capa de couro. Tirei de dentro dela meu violão. Os olhos de Michael brilharam como duas órbitas

-É lindo,Merche.. Posso pegá-lo?

-Pode e deve. - Michael parecia um garotinho que recebe o presente de natal tão esperado. Seu sorriso conseguiu se tornar ainda mais encantador

-Esse violão é um clássico! Onde achou para vender?

-Eu não comprei. Pelo que a madre do orfanato disse, esse violão foi deixado pelo meu pai. Sempre tive ele durante todos esses anos.

-É notório o capricho que você tem com ele.. Está muito conservado.

-E espero que você faça o mesmo com ele. - Michael continuou rindo

-É.. O que? - seus olhos se esbugalharam automaticamente

-Eu estou dizendo que ele agora é seu. - Michael engoliu seco e piscou sem parar

-Merche,não brinca comigo..

-Não estou brincando! Eu vi o que seu pai fez com seu violão..

-Olha,se for por isso não se preocupe. Eu compro outro..

-Mike,você não entende? Não é questão de dinheiro. É a história que você faz com ela. Esse violão me acompanhou nos momentos mais difíceis que vivi. Quando eu morava na rua eu ganhava meu lanche tocando na porta dos bares. Ele me fez forte,segura.. Esse violão me deu  esperança.. Eu venci com ele e agora é a sua vez.

-Caramba.. Você vai me dar a coisa mais importante da sua vida?

-A mais importante não. Mas quem sabe um dia? - ele franziu o cenho sem entender que essa " coisa mais importante" é na verdade,meu coração

-Merche, não posso aceitar.. Olha a carga emocional que ele tem pra você..

-Por isso mesmo. Eu já vivi coisas demais com ele. E agora quem precisa dele é você. Tem que dar um rumo pra sua vida,apostar no seu sonho e eu tenho certeza que ele te trará muita sorte e felicidade. Eu quero te ver naquele palco cantando e tocando por ele. Faça isso por mim..

-Por nós. - me corrigiu assim como fiz um dia - Eu aceito,Mercedes. Eu vou subir naquele palco e dedicarei a você, se prepare!

-Bobo.. Você vai arrasar,tenho certeza!  - Michael sorriu esperançoso e apertou minha mão

-Você é uma pessoa linda, Merche.. Vai se dar muito bem na vida.

-Bom, não prevemos o futuro.. - me levantei - É melhor escolher a música. A apresentação é amanhã.

-O que? - Michael se apavorou - Eu não vou conseguir!!

-Michael,para! Você vai conseguir. Se prepare e relaxa.. Eu vou atrás da Gina para deixá-lo mais a vontade..

-Não! Fica aqui comigo. É que eu me sinto confortável só quando estou com você.. - nesse momento eu não consegui balbuciar sequer um " não diga besteiras.." Me sentei ao seu lado novamente, dessa vez mais retraída

-Certo.. Vou ficar aqui com você. Mas se eu atrapalhar me diga,ok?

- Ok. Te enxotarei daqui! - ri

 Passamos praticamente a manhã e a tarde inteira ensaiando. Michael não quis dizer qual música cantaria, a única coisa que deixou escapar é que seria uma música composta por ele a poucos dias. Mesmo morta de curiosidade tive que me conformar.

-Michael,agora chega!

-Já estou enchendo a paciência né?

-Óbvio que não! Mas você tem que preservar sua voz. Está desde cedo cantando,amanhã ficará rouco!

-Você tem razão.. Estou tão apreensivo que nem vi o tempo passar!

-Meus ouvidos agradecem.. - sorri - Você é perfeito cantando..

-Só cantando,Mercedes?

-Iihh.. Lá vem ele.. Pode nem elogiar. Agora é sério, vou pedir uma pizza pra gente, você tem que se alimentar e dormir cedo!

-Se minha mãe não fosse tão avoada eu diria que você está igual ela. Ou como minha esposa né.. - provocou

-Fala a verdade,você é doido pra casar comigo,não é? - foi a vez dele ficar sem graça,mas não demorou nem meio segundo para ter a resposta na ponta da língua

-E você está louca para dizer sim, não é?

-Haha! Nem morta! Não sou pra casar..

-Por que não? - questionou

-Olha pra minha cara,Michael! Não quero um homem no meu pé 24 horas por dia.

-Mas tem os benefícios..

-Qual sabor da pizza? - Michael riu ao me ver mudar de assunto

-Deixo pra você escolher.. - dei de ombros e direcionei minha atenção ao telefone

(...)

 O dia passou voando praticamente e agora estamos esperando os minutos para Michael se apresentar. O galpão estava lotado e algumas bandas já haviam tocado. Tommy e Gina desceram do palco depois de terem feito um divertido dueto da música Living on Prayer.

-Vocês arrasaram! - abracei os dois ao mesmo tempo,equilibrando a garrafa de cerveja na mão

-Obrigada,princesa.. -Gina me deu um selinho - E o Michael,hein?

-Bom,ele vai entrar no palco agora.

-Ué? Ele não está lá atrás..

-Pois é, eu não o vi.. - Tommy afirmou

-Merda! Vou atrás dele..

 Em instantes,Michael seria chamado e se eu não o achasse ele perderia sua primeira oportunidade de brilhar. Corri até o pequeno espaço servido de camarim e o encontrei parado na porta, roendo as unhas.

-Posso saber porque não está lá atrás? - cruzei meus braços o olhando com reprovação

-Eu não vou cantar,Mercedes.

-Você o que?

-Eu não vou conseguir! Não sou como eles,não sou como vocês que se fodem pra opinião alheia. Eu sou inseguro e se eu subir nesse palco vou passar a maior vergonha, porque tenho certeza que vou errar! - me aproximei dele e pude ouvir as batidas desenfreadas do seu coração

-Michael, cante para mim. Mantenha seus olhos fixos nos meus e sinta toda a energia que vou passar pra você. Precisa confiar em mim,meu amor... - Michael,assim como eu,arregalou os olhos ao ouvir a forma como o chamei. Ao ver que eu não me corrigi, ele respirou fundo e sorriu

-Eu vou subir naquele palco e vou dar o meu melhor. Eu vou confiar em você,meu amor.. - rimos

-Me deixe orgulhosa mais uma vez! - Michael assentiu

    Ele já estava se virando para seguir ao palco. Puxei sua mão e ele me encarou. Enlacei meus braços nos seus ombros e colei meus lábios nos seus. Michael levou sua mão até minha nuca,aprofundando sua língua com mais intensidade na minha boca. 
  Suas mãos desceram para a minha cintura e só senti meu corpo sendo erguido,apoiado no seu colo. Nossas línguas disputavam um verdadeiro duelo, na intenção de explorar com mais afinco o gosto um do outro. Fui obrigada a desgrudar nossas bocas para poder respirar. Michael sorriu como um anjo, analisando meu rosto e meus lábios. Nos abraçamos novamente para ele poder subir no palco.

-Boa sorte! - gritei

-Eu terei! - respondeu de volta. A cortina se fechou indicando que Michael já estava de frente ao público

- Você vai vencer esse medo! Senão eu não amaria tanto você..

Capítulo 16

Michael


    Subir naquele palco e encarar todas aquelas pessoas me olhando com um ponto de interrogação me fez ter a certeza de que eu não conseguiria ao menos iniciar os acordes do violão. Mas quando a imagem de Mercedes empurrando meia dúzia de pessoas para ficar de frente ao palco foi como se enchesse meu coração de segurança. Ela sorriu para mim incitando-me a começar.
    Acenei para o guitarrista e juntos começamos. Seria a primeira vez que eu cantaria Give in to me. Na verdade escrevi essa canção quando eu e Mercedes nos beijamos pela primeira vez. Sei que parece bobagem,mas aquela cena me deixou, além de excitado, inspirado também. Olhando fixamente para Mercedes, comecei a cantarolar os primeiros versos.

She always takes it with a heart of stone
'Cause all she does is throws it back to me 
I've spend a lifetime looking for someone
Don't try to understand me
Just simply do the things I say 
Love is a feeling Give it when I want it
'Cause I'm on fire
Quench my desire
Give it when I want it
Talk to me woman 
Give in to me
Give in to me..

" Ela sempre suporta tudo com um coração de pedra 
Porque tudo o que ela faz é lançar de volta para mim
Eu tenho passado a vida inteira procurando por alguém 
Não tente me entender 
Apenas faça as coisas que eu digo
O amor é um sentimento
Me dê quando eu quiser
Porque eu estou em chamas
Mate o meu desejo 
Me dê quando eu quiser
Fale comigo mulher 
Renda-se para mim
Renda-se para mim.."


   Quando terminei a canção eu não podia acreditar que toda aquela gente estava me aplaudindo. Puta merda eu acabei de encenar um show de rock, tudo que eu sempre sonhei na minha vida está sendo realizado diante dos meus olhos! 
    Pelo que pude perceber, Mercedes estava sendo zoada pelos amigos, provavelmente por terem visto que durante toda a música eu não tirei os olhos dela. E eu tenho certeza que ela também percebeu isso.
Minha ficha só caiu quando o apresentador do festival entrou no palco segurando o troféu, vindo na minha direção.

-Pessoal,não preciso nem dizer quem é o vencedor da noite né? - uma chuva de aplausos foram a resposta - Sei que tivemos grandes feras se apresentando,mas hoje nada superou o talento de Michael! Parabéns,cara! - ele apertou minha mão e estendeu o troféu em formato de guitarra

-Quero agradecer pela chance que me deram e mais que isso, resumir todo meu discurso em uma palavra: Mercedes. Esse é pra você, mexicana! - falei enquanto erguia o troféu

   Mercedes subiu os degraus e invadiu o palco,montando no meu colo. E eu obviamente a recebi em um abraço caloroso. Ela salpicou beijos por todo meu rosto, sorrindo sem parar. Deixei o troféu na mão do apresentador e levei Mercedes ainda no meu colo até o camarim.

-Eu sabia que você ia vencer, eu sabia!! - repetia com os olhos marejados

-Foi graças a você.. Eu só posso te agradecer,Merche.. -seus dedos se enroscaram no colarinho da minha camisa,me puxando para mais perto dela

-Sua música é maravilhosa.. Você é um excelente compositor.

-Devo isso à minha musa inspiradora.. - Mercedes corou - Acha que eu mereço uma recompensa?

-Mas é claro que sim! O que você quer?

-Que saia para jantar comigo. Mas no meu estilo. - ela riu

-Pirou é? Michael eu não sou domesticada,você sabe né?

-Minha noite,minhas regras.. - ela revirou os olhos e bufou

-Certo, você venceu. Mas já aviso que não tenho roupa " apropriada" pra esse lugar ai..

-Procura direitinho que você acha.. Agora vamos, não quero atrasos!

   Puxei Mercedes pela mão e saímos do galpão sem sermos vistos. Ela estava encantada com meu troféu e me fez prometer que cuidaria muito bem do "primeiro de muitos",como ela disse.

-Me espere aqui na sala enquanto eu troco de roupa. Deus não acredito que vou me prestar à isso!

-Ah para de reclamar! A noite é minha e eu mereço.. - Mercedes me mostrou o dedo do meio e sumiu pelo corredor

Já haviam se passado quarenta minutos e nada de Mercedes aparecer. Cheguei a bater na sua porta e ela disse apenas para esperá-la. O que me restou fazer foi sentar no sofá e aguardá-la.

-E então..? - abri meus olhos ao ouvir sua voz. Puta merda, Mercedes está perfeita, linda como um anjo. A minha vontade era de agarrá-la ali mesmo

-Você está.. Caramba..

-Estou o que? Fala!

-Maravilhosa.. Nunca imaginei vê-la com um vestido justo.. - ri

-Isso é da Gina. Mas puta merda,está apertando muito! - de fato realmente está,pois seus seios estão pulando para fora do vestido

-Mas você é magrinha,qual problema?

-Sim,mas vá dizer isso para os meus peitos! Eu não vou mesmo com ele! - Mercedes tentou abrir o zíper frontal do vestido e nada dele abrir

-Problemas?

-Mike,essa porcaria não está abrindo! Me ajuda!

-Calma,calma.. Licença. - levei minhas mãos até o zíper posto em seu decote e também tentei puxá-lo, mas estava emperrado - Eu vou ter que rasgá-lo..

-Então rasgue! Está me sufocando! - com um único puxão consegui abrir seu vestido. Mercedes respirou aliviada ao finalmente libertar seus seios e eu fiquei completamente hipnotizado por eles

   Meus dedos pousaram no tecido do vestido, livrando-o de seu corpo. Mercedes guiava cada movimento meu com os olhos, sem fazer menção para que eu parasse. Por fim, ela já estava somente com a lingerie vermelha de renda que delineava suas curvas bem desenhadas.

-Mike.. você sabe o que vai acontecer,não sabe?

-Uhum.. - murmurei ao passear meus lábios em seu pescoço - E eu desejo isso desde aquele torturante dia que você me agarrou no banheiro. Não sabe como me deixou louco.. Você também me quer? - a forcei à encarar os meus olhos

-Quero muito.. Você tem alguma coisa que me deixa..

-Assim? Trêmula,nervosa..? - deslizei meus dedos para sua cintura, apertando com uma certa pressão

-Não fale mais nada,por favor.. - encarei sua lamúria como uma confirmação

   Nesse momento, a lacei nos meus braços e a prendi contra a parede. Meus lábios famintos invadiram sua boca sem pudor ou delicadeza, sendo correspondido na mesma intensidade. Mercedes encaixou as pernas na minha cintura e minhas mãos,agora livres,pousaram em seus seios,onde removi o sutiã em uma rapidez surreal. 
   Desgrudei nossos lábios para manter toda a minha atenção em seus seios fartos e firmes. Mercedes arqueou-os na minha direção me deixando ainda mais em chamas. Os apertei como duas conchas, fazendo Mercedes soltar um longo gemido. Belisquei seus bicos entumecidos e ela gritou ainda mais com os dedos embolados no meu cabelo.
      Desci meus lábios pelo seu colo e lentamente suguei o primeiro seio. A sensação de ter seu seio rígido todo na minha boca é indescritível. Lambi,suguei,mordi e continuei a tortura até sentir Mercedes amolecida nos meus braços.

-Eu não aguento mais,Mike.. - choramingou

-Só estou começando,minha princesa.. - ajeitei Mercedes no meu colo e a levei até o quarto

    Só que dessa vez ela é quem tomou as rédeas da situação,me derrubando na cama e engatinhando até mim. Sua mão passeou até estar próxima do meu pau,que ainda pela calça jeans denunciava a ereção. Meu membro chegava a doer de tanto que latejava e Mercedes sorriu ao perceber isso.

-Acho que posso fazer isso por você.. - Mercedes desabotoou minha calça e a desceu pelas minhas pernas, e eu arranquei minha camisa para tentar controlar o calor que estava sentindo

   Seus dedos tocaram o cós da minha boxer e finalmente tive meu membro liberto. Mercedes arfou ao ver meu pau se desenrolar na sua frente. Ela mordeu o lábio e retirou a boxer por completo,me deixando nu.

-Você é lindo.. - sussurrou no meu ouvido

   Inverti nossas posições e depositei o peso do meu corpo sob o seu. Já estávamos suados o suficiente e loucos para estarmos fundidos um no outro. Voltei a beijá-la na boca, pescoço e seios.. Suas unhas cravadas nas minhas costas me deixava ainda mais excitado. 
   Passei minha língua pela sua barriga,mordiscando de leve arrancando arrepios de Merche. Com meus dentes retirei sua calcinha e pude contemplar a visão mais sexy de Mercedes molhada para mim.
    Lentamente beijei sua virilha até chegar no meu foco. Pincelei minha língua em seu clitóris inchado, espalhando toda a sua umidade.

-Oh Michael.. cacete.. - seus gemidos se tornavam cada vez mais agudos enquanto eu me deliciava com seu sabor. Eu poderia passar horas a fio a chupando por ser extremamente deliciosa

-Está gostando? Eu não vou parar tão cedo,Merche..

-Continue,por favor..

    Separei um pouco mais suas pernas e enterrei minha cabeça na sua intimidade. Penetrei fundo minha língua e iniciei um torturante vai e vem,deixando Mercedes ainda mais inquieta. Percebi que seu orgasmo estava próximo e voltei a lambê-la com mais afinco e com mais fome.
    Ela gemeu incansavelmente enquanto derramava seu prazer na minha boca. Sua respiração estava ofegante,assim como a minha,mas só saí do meio de suas pernas após sugar todo seu gozo.
    Encarei seu rosto e Mercedes parecia hipnotizada ao olhar para mim. Deitei meu corpo sob o seu e ela puxou meu rosto para me beijar. 

-Isso foi delicioso.. Sua língua é deliciosa..

-Te garanto que é só o início.. Vem cá.

   Ergui seu corpo e a deitei no meu colo,deslizando meu membro na sua entrada. Um grito rouco escapou dos meus lábios ao sentir sua intimidade apertada engolir meu pau.
 Mercedes passou a cavalgar em cima de mim, apertando meu membro e me deixando completamente louco.

-Que delícia,Merche.. Oh meu Deus!

  Suas mãos espalmavam meu peitoral enquanto ela quicava com maestria. Apertei sua cintura, ajudando-a a subir e descer. Me deitei sob ela novamente e estoquei desenfreadamente sentindo as gotas de suor escorrerem pelo meu rosto.

-Mais forte,mais forte por favor! - atendi seu pedido e enterrei meu membro com mais força

  Suas pernas enlaçaram minha cintura,facilitando a penetração do meu pênis Ela rebolava o quadril, tornando a sincronia ainda mais prazerosa para ambos. Senti meu membro ser engolido pela sua intimidade e logo estávamos gritando e gemendo a medida em que gozávamos violentamente.

   Nossos lábios duelavam,nossos corpos ainda mais colados e suados enquanto sentíamos o torpor nos invadir. Eu estava flutuando, essa é a verdade. Gozar com Mercedes foi muito mais excitante do que eu esperava, como efeito de uma droga pesada.
     Caí exausto ao seu lado, tentando recuperar a respiração. Mercedes assim como eu,estava descabelada e ofegante,e claro, sexy e sedutora. 
      Merche se deitou ao meu lado e com os dedos retirou meus cabelos que estavam grudados no meu rosto. Ela não parecia arrependida, pelo contrário. Ela sorria enquanto percorria os olhos pelo meu corpo.

-O que tanto olha? - perguntei

-Só estou babando por você.. - respondeu direta como sempre

-Não se arrependeu?

-Nem um pouco.. E você? - neguei com a cabeça

-Só me arrependo de ter demorado tempo demais pra isso.. - me sentei na cama e a trouxe para o meu colo

-Acho que conseguimos matar essa vontade..

-Não,porque agora eu quero mais.. Eu quero você pra mim,Mercedes.

-Mike..

-Não vê como está me deixando louco? Estou apaixonado por você, Merche e isso eu não posso mais esconder..

   Mercedes empalideceu,abrindo e fechando a boca repetidas vezes. Esperei tranquilamente sua reação enquanto alisava seus longos cabelos ondulados, que agora tinham o meu cheiro.

-Tem certeza que está apaixonado por mim?

-Absoluta.. Entendo se achar que é uma loucura, e que esse lance de estar apaixonado é coisa de otário,mas..

-Shii.. - Mercedes me calou com seus lábios - Provavelmente somos dois otários então..

-O que quer dizer com isso?

-Quero dizer que esse seu jeitinho delicado e irritante me deixaram perdidamente apaixonada por você..

-Você não tá me zoando,né?

-Michael! - riu - Aproveite,porque essas demonstrações de carinho serão raras..

-Duvido! - assegurei ao jogá-la na cama - Estamos apaixonados,não tente negar isso..

-Eu não posso mais negar,seria ridículo.

-Então pare de ser orgulhosa e me deixa entrar no seu coração.. - murmurei ao beijar seu pescoço

-Se repetir o que acabamos de fazer eu pensarei no seu caso..

-Deixa comigo.. - ataquei seus lábios,me sentindo aceso novamente, e dessa vez com meu coração em polvorosa

Capítulo 17

Mercedes


   Acordei sentindo a respiração serena de Michael na minha nuca. Seu braço estava em torno da minha cintura e nossas pernas entrelaçadas. Abri meus olhos e me deparei com meu corpo nu e o de Michael também. Me virei de frente para ele com cuidado para não acordá-lo. Não pude deixar de sorrir ao ver a obra de Deus deitada ao meu lado. Enterrei meu rosto no seu pescoço e pude ouvir a risadinha gostosa de Michael.

-Essa é a melhor forma de acordar uma pessoa.. - sorri ao ouvir sua voz

-Bom dia.. Dormiu bem?

-Não faz ideia.. Parece um sonho acordar com você nos meus braços.

-Deveria ser pesadelo dividir a cama comigo! - Michael me abraçou aos risos

-Sua boba.. Mas agora o assunto é sério. - ele se sentou na cama e puxou o lençol para se cobrir

-Ah por que se cobrir? - reclamei puxando o lençol. Michael corou ao ficar nu novamente

-Mercedes!! - me repreendeu

-O que é bonito é pra se mostrar.. - respondi ao sentar em seu colo, roçando minha intimidade de propósito. Michael gemeu baixinho com minha provocação

-Mercedes,Mercedes.. Não me provoque.. - ameaçou,mordendo o lábio inferior

-A culpa é sua que me deixou viciada no seu pau.. - sussurrei  em seu ouvido, deixando-o arrepiado

-Sua boca suja! Mas antes de dar um trato em você,vamos deixar claro uma coisa.

-Hmm.. - revirei os olhos

-Pode esperar eu falar? - apertou meu queixo me forçando a encará-lo

-Pois diga..

-Cansei dessa nossa amizade colorida. - rapidamente me levantei do seu colo, assustada com sua decisão

-Mas qual o problema? Até dez segundos atrás estávamos de boa..

-Sim,mas eu não quero ser seu amigo. - ele se levantou e caminhou até mim,encaixando as mãos na minha cintura - Eu quero ser seu namorado,Mercedes.. Sacou?

-Você o que? - minha boca fez um formato de "ó" enquanto ele esperava pela resposta

-Quero que seja minha namorada. Olha, se quiser podemos ficar aguardando sua decisão por umas duas,três horas..  - disse olhando para o relógio

-Eu aceito.

-Aceita mesmo? É sério ou você tá tirando com a minha cara?

-Eu aceito,caramba! Quero ser sua namorada e quero que todas saibam que você tem dona! Acha mesmo que não vi aquelas vadias babando por você?

-Que isso! - fingiu uma cara de espanto

-Ah vai falar que não viu? - cruzei meus braços

-Óbvio que não! Só tenho olhos pra você,magrela..

-Eu estou de olho hein,Michael. E antes de qualquer coisa é bom que saiba de algumas coisinhas sobre mim.

-Pensei que eu já soubesse de tudo.. - disse com um sorriso sapeca enquanto me carregava de volta pra cama

-Da Mercedes sua amiga sim, mas a "namorada" são outros quinhentos..

-Hmm.. Então pode começar.

-Primeiro,eu não sou romântica, não guardo datas especiais,como dia do primeiro beijo,início de namoro e etc. Sou ciumenta sim e é bom que não me provoque ou senão sua "amiguinha" vai parar no hospital ou no cemitério,quer dizer,você e ela. Não sou nem um pouco recatada e se pensa que vai me levar nesse lugares caros, desista.

-Mais alguma coisa?

-Basicamente é isso. E então, ainda mantém sua palavra?

-Não te trocaria por nenhuma Lady Di desse mundo! - gargalhei - Prefiro minha Maria-homem do jeito que você é,ok?

-Não vai se arrepender? Olha que você deve ter muitas pretendentes por aí..

-Qual a parte do "não te troco por ninguém" que você não entendeu? Estou preso à você e a última coisa que quero é me soltar.. - afirmou ao distribuir beijos pelo meu corpo

-Tá bem,tá bem, você venceu! Mas tem só um probleminha.

-Qual?

-Meu sogro.. - ri ao me dar conta de que agora sou nora do meu maior inimigo. Michael suspirou e encarou o teto - Pretende esconder,não é?

-Não! Posso demorar um pouco pra isso,mas não quero namorar as escondidas. Tenho idade suficiente pra saber o que eu quero.

-Tem noção da loucura que vai ser? Realmente está preparado pra enfrentar a família Jackson?

-Estaremos juntos nessa. Confia em mim?

-Uhum. - assenti - Olha, eu não vou te cobrar nada ok? Eu não sou assim.. Só quero aproveitar você todinho só pra mim.. - sussurrei ao levar minha mão até seu membro já ereto

-Hmm.. - Michael mordeu o lábio com força enquanto era masturbado por mim. Não demorou muito para estarmos enterrados um no outro

(...)

 Michael e eu passamos o dia todo grudados,conversado sobre nossas intimidades e claro, zuando com a cara do outro sempre que tínhamos oportunidade. E se antes eu achava loucura ter aceito o pedido de namoro, agora tenho certeza absoluta que foi a melhor decisão que eu podia tomar. A cada minuto que passamos juntos vejo novos motivos para estar apaixonada por Michael e foda-se que ele é filho daquele demônio. Leon e Michael são pessoas completamente diferentes e  eu sei que seremos felizes mesmo com tudo que teremos que enfrentar.

 Infelizmente nossa pequena lua de mel chegou ao fim. Michael recebeu um telefonema do pai querendo saber quando ele voltaria. E agora eu não estou preparada para me afastar dele,tenho medo que o fato dele voltar à sua realidade o faça mudar de ideia em relação ao nosso namoro. 
Michael terminava de arrumar as malas enquanto eu o observava sentada na cadeira com as mãos apoiando meu rosto.

-Não me olha assim.. Eu não queria ter que ir embora.

-Então não vai.. - desviei meu olhar para o chão na tentativa de evitar que mais lágrimas brotassem dos meus olhos

-Merche,você está chorando? - indagou ao tocar no meu rosto

-Claro que não!

-Para de mentir! - riu - Oh minha morena, eu não estou me mudando para o Alasca!

-Mas está voltando pra casa do seu pai,que é a mesma coisa.. - murmurei

-Ele não vai nos separar,se é esse o seu medo. Vamos ficar juntos,mas só precisamos ter paciência.

-Tudo bem.. - o abracei pela cintura enquanto ele beijava o topo da minha cabeça

-Vou morrer de saudade de passar o dia todo com você, aguentando suas loucuras e suas implicâncias.. - rimos

-Acharia ruim se eu fosse te ver as escondidas? - Michael fechou os olhos e sorriu largamente

-Vou esperar ansioso pela sua "visita", Julieta..

-Fica bem,ok? E me prometa que não vai cair nas provocações do seu pai.

-Eu prometo. Tenho você agora e isso me faz mais forte.. - Mike me sentou na bancada da mesa e encaixou minhas pernas no seu quadril. Ele jogou meus cabelos para trás e me beijou vagarosamente - Se comporte,ok?

-O mesmo vale pra você! - avisei

-Não ousarei aprontar nada sabendo a fera que tenho como namorada.. - respondeu em meio aos beijos que depositava no meu pescoço

-Se cuida.. Vou te levar até a porta.

 Michael me ajudou a levantar e pegou na minha mão enquanto eu o levava até a porta. Ele pegou sua pequena mala e principalmente, o violão que lhe dei de presente. Paramos frente a porta para nos despedirmos. Michael me abraçou forte e beijou meus lábios trêmulos.

-Se cuida,pequena..






-Você também,grandão.. - Michael sorriu timidamente e deu as costas





 Quando estava prestes a fechar a porta, me deparo com seu pé impedindo-me de fechá-la. Michael abriu a porta,me empurrando contra a parede.

-Não podia ir embora sem te dar um beijo decente..

  Michael pegou na minha nuca e me puxou contra ele. Nossos rostos ficaram a centímetros um do outro, nossos lábios ansiosos para se unirem em um beijo necessitado. E foi o que fizemos. Nos engajamos em um beijo urgente e apaixonado. Sua língua explorava cada milímetro da minha boca, suas mãos inquietas apertando minha carne. 
 Apoiei meus braços nos seus ombros e me deixei ser levada novamente por ele. Michael consegue com um único beijo,me desarmar totalmente. E eu estou num estágio tão avançado que já não consigo me ver um minuto longe dos seus braços protetores, os braços que demorei tanto para me encontrar e entregar por completo.

Capítulo 18

Michael


   Voltar pra minha realidade depois de todos esses dias ao lado de Mercedes foi como acordar de um sonho. Não estou pronto para voltar a ser guiado pelo meu pai e por todo o poder emanado pelo seu dinheiro. Sinto que longe de Mercedes perco o pouco da força e segurança que ela deposita em mim.

-Ora, pensei que não voltaria mais pra casa,maninho.. - Edgar alfinetou depois de um longo mergulho na piscina





-A minha vontade era de continuar viajando por infinitos meses..

-E pra onde vocês foram? - passei a toalha para Ed se enxugar e me sentei na cadeira

-Chile..

-Chile? Mas você não disse pra Maysa que estavam indo pra Europa? -indagou com seu tom de voz venenoso

-Onde quer chegar,Ed? - me levantei abruptamente





-Hey, tá nervosinho por que? - riu - Não tenho culpa se você está se metendo com algum marginal do Brooklyn!

-Cala a boca! - vociferei - Não se meta na minha vida,está me ouvindo bem?

-Calminha,mano.. Quem sou eu para condená-lo? Só acho que o papai ficaria muito irritado se soubesse disso..

-Está me seguindo,Ed?

-Ah por favor,Mike! Eu tenho mais o que fazer né? Acontece que eu vi você por lá esses dias,fazendo o que eu já não sei.. - temi por ele ter me visto com Mercedes. Aí sim o caso complicaria

-Tenho amigos por lá.. E por que estou lhe dando explicações? Não passa de um pirralho mimado!

-Antes mimado que covarde. Porque é isso que você é. Inventar uma viagem pra ficar enfurnado naquele bairro medíocre é o cúmulo,né?

-Só vou dizer uma vez,Edgar. - ditei ao apontar meu dedo para o seu rosto - Não se meta na minha vida!

-Com prazer.. - respondeu em deboche ao caminhar em direção à casa

   Eu e Edgar nunca tivemos uma relação totalmente fraternal. Sempre notei um bloqueio entre nós, mas justifiquei isso por termos personalidades diferentes. Edgar sempre foi mais comunicativo, além de dar trabalho para os nossos pais desde cedo. 
   Não entendo seu desejo de me ferrar com papai sempre que pode. Encaro isso como implicância de irmãos, mas essa situação já está chegando ao limite. Não vou permitir que Edgar se meta na minha vida. Deus queira que eu esteja errado,mas sinto que uma hora Edgar vai conseguir me prejudicar seriamente e eu espero que isso seja apenas coisa da minha cabeça.
  Depois da nossa discussão, consegui enterrar todo o bom-humor que eu sentia. Edgar conseguiu me irritar profundamente e isso já é uma prévia do que terei que enfrentar pelo resto do dia. 
   Entrei na ampla sala de estar com destino certo para o meu quarto. Pretendia passar o dia todo lá se possível,mas as vozes animadas no ambiente me fizeram desviar minha rota.

-Não sabe cumprimentar as visitas? - a voz imponente de meu pai soou em meus ouvidos. Parei no meio do caminho e me virei para encarar as pessoas

-Me desculpe, eu não notei vocês.. - murmurei envergonhado

   Caminhei até eles e pude reconhecer os membros da família Collins. Digo isso,pois eles são os maiores banqueiros do país, além de possuírem sedes do Banco na Suíça. Meu pai e o Sr. George Collins são amigos de longa data. Amigos e aliados. Papai e George estão juntos nos negócios até mesmo antes de eu nascer e sua visita aqui só pode significar dinheiro envolvido.

-Bom dia,Sr. Collins. Como está? - o cumprimentei formalmente

-Estou ótimo,meu rapaz. E você?

-Estou bem..

-Vejo que já se tornou um homem. Em dois anos sem vê-lo,você mudou muito! E a faculdade?

-Começarei nas próximas semanas. - o velho engravatado sorriu satisfatoriamente

-Michael seguirá meus passos, George. - Leon interferiu - Daqui há poucos anos,Michael comandará a Construtora Jackson!

-Tenho certeza que vai se sair muito bem,Michael! - comentou Dona Evelyn, esposa de George. Me caminhei até ela e beijei o dorso de sua mão

-Prazer em revê-la, Sra Collins..

-O prazer é todo meu,querido! Está um rapaz lindo.. Parabéns,Leon. Seus filhos são belíssimos! - meu pai apenas assentiu,sorrindo com o charuto na boca

-Esquecendo de mim,Mike?



-Dominique.. - suspirei sorrindo ao levar meus olhos para a bela jovem de pernas cruzadas

   Dominique e eu namoramos por volta dos nossos 16 anos, relacionamento que durou pelos três anos seguintes. Eu era muito apaixonado por Dominique e acredito que ela também. Nossos pais davam total apoio,na verdade o sonho deles até hoje é que nos casemos.
Só que com o tempo nosso namoro foi esfriando e eu fui perdendo o encantamento. É claro que gosto da Dominique,ela é linda, inteligente, elegante.. Mas pra mim sempre faltou alguma coisa,na qual encontrei em Mercedes.

-Os anos te fizeram muito bem, Michael.. - ela se levantou e me abraçou demoradamente

-E mais ainda pra você. Continua linda,Dominique.. - ela sorriu e beijou o canto dos meus lábios. Me afastei dela tentando não soar ríspido - Bem, se me derem licença, eu vou subir para tomar um banho.

-Então vá e desça para o almoço. George e sua família são nossos hóspedes! - meu pai informou,me deixando surpreso

-Vão ficar aqui?

-Sim,Michael.. - Dominique respondeu - Decidimos passar uma temporada aqui em NY e como nossa casa está em reforma,seu pai nos convidou para ficar aqui.

-Que bom.. Sejam bem vindos! Volto já..

   Subi rapidamente para o quarto, bufando em desapontamento. Será difícil dar uma escapada para ver Mercedes com a família Collins aqui. E pra piorar tem a Dominique, que pela forma que me olhava está na cara que quer "relembrar o passado". Eu espero que seja coisa da minha cabeça, afinal já faz alguns anos que não temos nada um com outro.
    Depois do banho, coloquei uma roupa confortável e me aprontei para me juntar aos convidados. Antes disso,decidi ligar para Merche. Mesmo estando a algumas horas longe um do outro,eu já estava morto de saudades.

-Atende,morena.. - tentei pela segunda vez e nada dela me atender. Fui obrigado a desistir por conta das batidas na minha porta

  Deixei o celular em cima da mesinha e fui abrir a porta. Avistei a figura sorridente de Dominique na soleira da porta. Ela me olhou de cima a baixo e mordeu o lábio.

-Posso entrar? - pediu com a voz fina e delicada de sempre

-Claro.. O almoço já foi servido?

-Não.. Nossos pais estão conversando amenidades..

-Oh sim.. Então é melhor descermos.

-Espera.. - pediu ao tocar no meu braço - Vamos conversar um pouco, vai ser difícil fazer isso lá em baixo.

-Tudo bem.. Quer sentar? - apontei para a minha cama. Ela assentiu e se sentou de forma adorável

-Cavalheiro como sempre.. É isso que me deixa encantada por você.

-Imagina.. E então,o que tem feito da vida?

-Bom, viajando e viajando.. - riu - Enquanto espero a faculdade começar,continuo me jogando nas compras..

-Como se não houvesse amanhã.. - ri - Continua a mesma doidinha de sempre. O que pensa em cursar?

-Odontologia. Mas na verdade é só de praxe. Você sabe que nós não precisamos ficar anos estudando sendo que temos um império só pra gente..

-Pode ser,mas você deveria fazer o que gosta.

-Eu sei,só que eu sou muito nova pra me enterrar em livros e toda essa correria que é a faculdade. Já tenho diplomas e certificados suficientes que valem todo o ensino superior.

-Temos sorte por isso..

-Mas,deixando esse assunto de lado, como anda seu coração? - cercou ao deslizar os dedos pela minha coxa

-Bem.. Está ótimo,na verdade.. - ri

-Sempre reservado,não é? Sabe, vai ser bom passar esses dias aqui.. Senti muito sua falta. Você também sentiu?

-Sim, você é especial,sabe disso. Mas acho que nosso tempo passou..

-Ah não.. - riu despreocupadamente - Não use esses termos fúnebres. Vamos apenas curtir nosso reencontro,ok? Como amigos..

-Por mim tudo bem.. - sorri - Eu vou lavar minhas mãos e já venho.

-Ok.. - segui para o banheiro e logo pude ouvir meu celular tocar

-Merche.. - pensei. Quando voltei ao quarto já era tarde

-Sim,é o celular do Michael. É a Dominique que está falando.. Quer que passe recado? Alô? Eu hein, que louca..

-O que houve?

-Desligou na minha cara! - tirei o celular das suas mãos e vi o nome de Merche no visor

-Droga! - praguejei mentalmente. Maldita hora para Dominique atender meu celular.. Estou fodido!

Capítulo 19

Mercedes


-Desgraçado! - gritei ao jogar meu celular contra a parede. Gina que estava sentada no balcão da minha loja, levantou assutada

-Mercedes do céu! O que foi isso?

-Isso é o que eu quero fazer com a cara daquele pilantra!

-Me explica o que aconteceu,sim?

-O que aconteceu é muito simples. Uma meretriz de quinta atendeu o celular dele cheia de ordens! Agora me diz se não é motivo pra partir a cara dele ao meio?

-Merche,meu amor. Vocês estão namorando a menos de uma semana. Já está mais que provado que você é louquinha por ele,mas tem que se impor. Se quiser pode quebrar essa loja todinha,mas mantenha a postura na frente dele!

-Você tá certa.. - respirei fundo - Se ele está devendo virá correndo até aqui e eu só quero ver a cara de santo que ele vai fazer!

-Mas se controla! Sei que quer chutar as bolas dele,mas espera.. Dê uma boa prensa nele,você vai ver como ele vai comer na sua mão..

-E até lá eu faço o que?

-Atende os clientes.. - apontou para o rapaz loiro que estava entrando na loja. Ele observava as prateleiras atentamente

-Urgh! Deixa comigo.. - bufei. Caminhei até o rapaz,pedindo a Deus para me dar paciência, pois meu limite hoje está esgotado - Deseja alguma coisa? - o rapaz me encarou e em seguida abriu um belo sorriso, retirando o óculos escuros



-Adoraria,senhorita.. É a vendedora?






-Dona. - o corrigi

-Oh sim.. - ele me encarou por mais um tempo com um olhar indecifrável

-E então? O que procura?

-Soul e Blues. Posso encontrar aqui?

-Mas é claro.. Venha comigo, lhe mostrarei as opções.

-Obrigado.. qual o seu nome mesmo?

-Mercedes. Devo ser educada e perguntar seu nome também. - ele riu

-Heitor.

-Pois bem,Heitor. Aqui estão as opções. Desde Ray Charles à BB King.

-Uau! Já vi que não sairei mais da sua loja..

-Eu agradeço. - respondi tentando soar simpática,mas na verdade estava louca pra me livrar desse rapaz logo

-Hmm levarei esses dois. Quanto custa?

-65 dólares. - empacotei os discos e estendi para o rapaz,que ao pegar demorou a soltar minha mão

-Aqui está.. Obrigado,Mercedes. Poderia me dar o cartão da loja? Não sou daqui e quero fazer encomendas regularmente.

-Oh sim.. Ligue quando quiser.

-Obrigado novamente.. - apertei sua mão e inesperadamente ele beijou o dorso da minha - Prazer em conhecê-la.

-Igualmente.. - sorri tentando disfarçar meu tédio

-Voltarei mais vezes..

-Ótimo, volte sim e tenha um bom dia. - ele deu uma piscadela e caminhou-se para a saída

-O que foi isso? - Gina comentou assim que o rapaz saiu

-Isso o que?

-Ele te comeu pelos olhos! Mercedes, você tem muita sorte mesmo. É o Jon apaixonado por você, o gostoso do Jackson que agora é seu namorado, e esse tal de Heitor. Tá na cara que a última coisa que ele veio é comprar discos!

-Se veio comprar discos ou não o problema é dele. Esse não é o primeiro nem o último a tentar jogar charme pra cima de mim.

-Mas ele é lindo!! Parece que eu já o vi em algum lugar..

-Eu também,ele não me é estranho.. Deve ser parecido com algum ator de TV..

-Ele disse que vai voltar.. - disse com um sorriso travesso dançando nos lábios

-Desde que não seja pra encher meu saco.. Fecha a loja pra mim? Estou cansada..

-Claro! Já está anoitecendo.. Ah, pensa no que eu disse sobre o Michael. Tenho certeza que ele virá te procurar,portanto mantenha a calma.

-Por mim ele não precisa nem aparecer. Fica lá com a tal de Dominique. Olha só,até o nome é de puta! - Gina gargalhou

-O que é Mercedes Chavez com ciúmes,gente?

-Olha quem fala.. Você vira uma fera por causa do Tommy!

-Nem tente inverter os papéis! Vai lá meu bem, amanhã me conte tudo! - assenti,peguei minha mochila e saí da loja

   Eu precisava de um banho gelado pra esfriar minha cabeça. Passei o dia inteiro espumando de raiva por conta desse telefonema e eu se eu continuar assim na certa farei um escândalo. Mas Gina está certa, posso ser uma garota marrenta e sem classe,mas fazer barraco por homem é o cúmulo. Eu me garanto e se Michael quer fazer de boba, ele vai se dar muito mal!
   Vesti meu micro-short e um camisão velho,mas bem confortável. Penteei meus cabelos e fui até a cozinha procurar algo para comer,mas com certeza eu acabaria minha noite com algumas garrafas de cerveja.

-Só falta não ter nada nessa porcaria de geladeira! - bufei

-Você xinga que é uma beleza.. - ouvi a voz de Michael logo atrás de mim. Respirei fundo e me virei para encará-lo

-Michael Jackson.. - ri na intenção de controlar a raiva - O que faz aqui? - cruzei os braços,me apoiando no balcão

-Achou mesmo que eu ia deixar você sozinha enfiando caraminholas na cabeça?

-Ah agora são caraminholas? Ouvir a voz de uma mulher quando teoricamente eu deveria ouvir a sua, é coisa da minha cabeça?

-Dependendo,sim.

-Palhaço! - gritei - Que explicação vai me dar?

-A Dominique acabou atendendo meu celular, não foi nada demais!

-Nada demais? Uma garota atender seu celular com a intimidade que ela tinha é nada demais? Eu tenho cara de palhaça,Michael?

-Amor..

-Não me chame de amor quando eu estiver a ponto de esganá-lo! - Michael riu

-Primeira cena de ciúmes da minha namorada.. Essa eu não vou esquecer.. - disse ao tentar se aproximar de mim

-Não me toque! - avisei

-Ok.. - Michael suspirou - Dominique é filha de um grande amigo do meu pai. Ela e os pais estão hospedados lá em casa e como estávamos conversando, ela acabou atendendo minha ligação enquanto eu estava ocupado. Foi só isso!

-Continue.

-Continuar o que?

-O resto. Ainda tem mais coisa para me contar que eu sei! - Michael maneou a cabeça e me encarou

-Ok.Eu não vou mentir pra você. Dominique e eu.. nós já fomos namorados.. - andei de um lado para o outro,respirando fundo e contando de um à dez mentalmente

-Namorados..

-Mas isso foi há anos atrás! Namoro de adolescência,mas hoje somos só amigos, quer dizer,nem amigos. Tem anos que eu não a vejo, só nos falamos hoje.

-Oh sim.. Depois de anos você revê sua namoradinha e continuam cheios de intimidade.. Nossa, quando terminarmos quero ter essa mesma relação com você..

-Não fala isso nem de brincadeira! - gritou austero,me pressionando contra a bancada - Poxa,Mercedes eu não sabia que ela estava lá em casa, e eu nem penso mais nela! Não me olha assim,Merche.. - fechei meus olhos ao sentir seus lábios molhados tocarem meu pescoço

-Não me beije..

-Amor,abaixa a guarda.. Dominique foi intrometida em atender meu celular,mas eu juro que isso não vai se repetir.

-Se acontecer de novo eu não terei dó de você, está ouvindo?

-Estou.. Não se preocupe,ok? Eu passei o dia todo pensando em você.. - seus dedos subiam e desciam pelos meus braços me causando arrepios

-Teve tempo é? - arqueei a sobrancelha

-Merche,para de ser marrenta! - riu - Não sabia que você era tão ciumenta assim..

-Não é ciúme! - retruquei

-Ah tá bom.. Só posso dizer que essa sua braveza me deixou muito,muito excitado.. - Michael pegou minha mão,levando-a até seu membro ainda por baixo da calça jeans. Arfei ao senti-lo na minha mão

-Por que me provoca assim? - murmurei em forma de gemido

-Provoco porque te amo.. - abri meu olhos no mesmo instante que o ouvi

-O que disse?

-Que te amo.. - sussurrou com a voz rouca - Te amo,minha Mercedes.. Bota isso na sua cabecinha teimosa!

-Não tente me desarmar..

-Já desarmei,princesa.. Agora deixe o resto comigo.

  Michael me sentou na bancada e abriu minhas pernas. Seus dedos adentraram minha calcinha, alcançando meu clitóris inchado. Rebolei meu quadril aprofundando a carícia dos seus dedos. Michael retirou-os e os lambeu,me deixando hipnotizada com seu ato erótico.

-Deliciosa como sempre.. Deixe-me provar um pouco mais.. - sorri, deitando meu corpo na bancada de granito frio enquanto Michael retirava minha calcinha

   Seu dedo médio voltou a circundar meu clitóris,espalhando a intensa umidade concentrada na minha intimidade. Michael inclinou sua cabeça para o meio de minhas pernas e com uma única lambida, espalhou espasmos por todo o meu corpo. Seus olhos negros capitavam cada reação minha enquanto voltava a me chupar.

-Mike.. - enrosquei meus dedos no seu cabelo e confesso que tive medo de machucá-lo devidos aos fortes puxões

  Michael me sugava com ainda mais fome, gemendo junto comigo. Ele apertava as minhas coxas enquanto penetrava a língua ainda mais fundo. Suas mordiscadas estavam me levando a loucura. Meu coração bateu acelerado e todo meu corpo esquentou devido ao meu primeiro orgasmo.

-Eu vou gozar Mike, oh meu Deus!

-Eu sei que vai.. Goze na minha boca, princesa.. - gemi descontroladamente ao sentir-me derramar meu líquido quente na boca de Michael. As expressões faciais que ele fazia me deixava com a excitação ao extremo

    Michael não me deu tempo nem para controlar a respiração. Ele levantou meus braços e retirou minha camisa. Seus olhos brilharam de desejo ao me ver completamente nua. Ele já estava levando as mãos até meus seios quando o parei.

-Espera! - me sentei

-O que foi,amor?

-Não é justo só você se divertir.. - sussurrei levando minhas mãos até o zíper da sua calça. Michael sorriu de forma safada e se apoiou no balcão

   Agachei-me na altura do seu membro e desci a calça juntamente com a boxer. Passei a língua pelos meus lábios desejando ter todo seu membro dentro da minha boca. Seu pau estava ereto, duro e muito molhado. Lentamente passeei meus dedos por toda sua extensão até os testículos onde apertei bem de leve. Michael gemeu baixinho,apertando os lábios e se apoiando com mais firmeza.
    Encaixei seu membro na minha boca e chupei lentamente a cabecinha do seu pau
. Michael apoiou as mãos nos meus ombros e depois na minha nuca, empurrando seu membro até minha garganta. Ter todo o seu sexo na minha boca é impossível devido ao tamanho, mais enfiei até onde consegui,arrancando gritos e gemidos agudos de Michael.

-Não pare,por favor! - pediu sôfrego

    Retirei seu membro da minha boca e o introduzi novamente, chupando com uma vontade incessante. As pernas de Michael já estavam bambas e para ajudá-lo, apoiei minhas mãos no seu quadril. Michael acariciava minha bochecha,avisando a todo momento que iria gozar.

-Você é muito gulosa,amor.. - riu enquanto eu o chupava com gana

    Michael acariciou seu membro, retirando-o da minha boca e em seguida soltando jatos de sêmen pela minha boca e pescoço. Lambi minha boca o puxei com os dedos um filete do seu líquido,engolindo-o em seguida. Michael me levantou e atacou minha boca, misturando o gosto do nosso prazer.

-Não acabou.. - avisou - Ainda tenho que comê-la bem gostoso..

-Não espere mais.. - pedi

-Vire-se. - ordenou. Fiz o que ele pediu e apoiei meus braços no balcão, empinando minha bunda

   Michael acariciou minhas nádegas, espalmando-as em seguida. Ele arqueou meu quadril e me penetrou lentamente. Senti todo seu membro preenchendo minha intimidade. Seus dentes mordiscavam o lóbulo da minha orelha enquanto ele arremetia com ímpeto para dentro de mim. 
    Meu prazer se triplicava a medida em que ele estocava com força e ao mesmo tempo brincava com meu clítoris. Deitei meu corpo na mesa fria sentindo minhas pernas cada vez mais bambas. Meus seios se enrijeceram com o contato do granito gelado,mas logo Michael me virou de frente para ele e me penetrou até o fundo, metendo sem parar.

-Deus, isso é muito bom! - gritei cravando minhas unhas nas suas costas

-Gostosa! - Michael grunhiu

  O clímax veio junto para nós dois nos fazendo explodir num maravilhoso e violento orgasmo. Continuamos se esfregando um no outro até desabarmos no chão da minha cozinha. Não tínhamos nem força para sair de dentro do outro,o que pra mim foi maravilhoso continuar com o membro de Michael dentro de mim.

-O que aconteceu com você hoje? - perguntei em um fio de voz

-É o que você faz comigo.. Só você pra provocar isso em mim.. - respondeu com os olhos fixos nos meus

-Eu amo você. - falei com imensa sinceridade - Não é mais paixão.

-É amor. - completou

- Cada vez que estou com você sinto-me queimar por dentro..

-Você também me provoca isso.. Me faz querer sempre mais..

-Mais.. É isso que eu quero agora. - afirmou ao apertar minha cintura e impor seu corpo por cima do meu, beijando-me incessantemente.



Capítulo 20

Michael


-Não se mexa! - Mercedes me repreendeu pela milésima vez

 Bem, depois da nossa ''reconciliação" e de um banho demorado, ainda assim não tive vontade nenhuma de voltar pra casa,então acabei conhecendo a outra faceta de Mercedes: a desenhista. Ela acabou me mostrando seus "rabiscos", que por sinal são perfeitos. Nisso,ela teve a ideia de me desenhar.

-Estou quase acabando,mas você precisa ficar quieto. - pediu mantendo os olhos concentrados no papel à sua frente

-Quero só ver o que está fazendo comigo! - sorri minimamente para não mudar minhas feições

-Acabei. Pode descongelar. - ela riu

-Posso ver? - me aproximei com o olhar curioso

-Pode,mas eu já disse que é só um rabisco. Eu não sou profissional. - se adiantou a explicar. Assenti, pegando o papel da sua  mão






-Caramba! - balbuciei estasiado com o que vi. Mercedes conseguiu tirar as minhas falas com um desenho tão impecável - Ficou perfeito,amor!

-Sério?

-Mas é claro que sim! Você tem muito talento.. É perfeita em tudo que faz.. - lhe fitei como um bobo apaixonado

-Imagina.. Você que é lindo demais, seu rosto parece ter sido desenhado a mão.. - afirmou,deixando-me ruborizado. Deixei o desenho em cima da mesa e puxei-a pela cintura

-Eu amo você.. Tenho mais certeza a cada dia que passa..

-Também te amo muito. - respondeu com a voz trêmula,apertando-me nos seus braços

-O que foi,amor?

-Nada,só.. tenho medo que isso acabe um dia.. Sabe, nós dois juntos..

-Não esquenta a cabeça com isso, baby. Sei que vamos enfrentar fortes tempestades quando minha família souber,mas seremos fortes. Você confia em mim?

-Uhum.. - assentiu positivamente com a cabeça

-Então coloque esse sorriso lindo novamente,porque é assim que eu gosto de te ver! - Merche envolveu as mãos em torno da minha nuca e me beijou calidamente

-Agora me dê o desenho.

-Não era um presente pra mim?

-É. Mas precisa de uns retoques. Assim que estiver pronto eu te dou, combinado?

-Tá né.. - revirei os olhos fazendo ela rir - Infelizmente tenho que ir, não quero chegar tarde para ter que aguentar o interrogatório do meu pai.

-Tudo bem,eu entendo.. Se cuida tá?

-Você também.. Amanhã cedo eu não venho,tenho que voltar para a empresa. Mas a noite eu venho,ok?

-Ok,aguentarei viver sem você.. - disse de forma dramática

-Boba! - nos despedimos por cerca de meia hora até finalmente eu criar coragem e voltar pra casa

 Assim que cheguei já estava preparado para ouvir a bronca do meu pai,mas surpreendentemente quem me esperava era Dominique, que me olhava aflita.

-Mike,onde estava? Já não tinha mais desculpas para inventar pro seu pai!

-Eu estava com uns amigos.. - tive receio de dizer que estava com a minha namorada - Mas,como assim desculpas?

-Ué, seu pai não parava de perguntar onde você estava, te ligou dezenas de vezes, eu tive que inventar que você mandou mensagem dizendo que o carro quebrou no meio da estrada.

-Nossa,Domi.. Nem sei como agradecer! Você me livrou de uma.. - ela sorriu largamente,enlaçando meu braço

-Faço isso porque gosto de você, muito.. - ressaltou

-Hm, vamos entrar?  - desconversei

-Claro.. Estamos te esperando para o jantar.

-Certo. - sorri,deixando que me levasse junto com ela

 O jantar foi agradável,exceto para mim. Me sinto um peixe fora d'água, principalmente quando iniciam assuntos de negócios. Além disso tive que aturar Edgar me alfinetando o quanto podia com suas indiretas e Dominique jogando charme o tempo inteiro.
  Assim que o jantar terminou, inventei um mal-estar para poder subir para o quarto. Pedi para Maysa engatar um assunto com Dominique para que ela me deixasse "respirar".

-Eu vou subindo. Uma boa noite para vocês! - informei da maneira mais educada possível

-Esteja de pé amanhã cedo. - meu pai disse - Você vai levar Dominique no Shopping.

-Eu?

-Sim. Amanhã levarei George e Evelyn para conhecer o terreno da futura rede de hotéis que pretendo construir. E como Dominique quer passear, não tem ninguém para levá-la.

-Nem a Maysa?

-Eu tenho que ir pro hospital,mano.. - se explicou me lançando um olhar de desculpas

-Tudo bem,mas e a empresa pai? Eu não deveria estar lá?

-Está liberado. Leve Dominique para passear, conversarem.. - ele lançou um sorriso sugestivo para George e Evelyn e ali eu saquei qual era a intenção deles

-Certo. - suspirei - Eu te levarei no shopping,Dominique.

-Obrigada Mike!! - agradeceu esfuziante

-Bom, até amanhã então. - sorri e me retirei da sala de jantar

  Está na cara que Leon e os pais de Dominique querem nos juntar novamente e agora eu não sei o que fazer para resolver essa situação.

Mercedes


 Acordei mais cedo que o normal, mas para um motivo importante. Terei uma reunião com os ativistas da Associação de Suporte ao Legado Artístico e Cultural da cidade de NY. Sempre fiz parte desse tipo de corrente e acredito que juntos podemos frear Leon Jackson.

-E então,como estou? - Gina me analisou de cima a baixo depois da minha pergunta

-Maravilhosa! Nem parece uma mulambenta! - rimos

-Vá se ferrar! O pessoal lá é sério, então tenho que me vestir adequadamente.

-Está lindíssima!

-Obrigada.. A Associação fica perto da casa do Michael,pode ser que dê para eu vê-lo sair para o trabalho.

-Ah o amor.. Não consegue nem ficar algumas horas longe dele..

-Para de zombar! Pra você é fácil, o Tommy mora aqui e não tem uma família escrota como o Michael.

-Isso tenho que concordar.. Porra, Merche foi se apaixonar justo pelo filho do Leon!

-É difícil até pra eu mesma acreditar! - ri - Mas agora já foi e eu estou muito feliz com o Mike. Tenho certeza que vamos superar as barreiras sociais.. Bom,tenho que ir. Me deseje sorte!

-Pode deixar,princesa! - trocamos nosso tradicional selinho, peguei a chave da moto e saí de casa

 Como estava muito cedo para a reunião, decidi dar uma volta no bairro de Michael. Eu precisava vê-lo nem que fosse um pouquinho, além do mais eu gosto da sensação do perigo de Leon me flagrar na porta da casa dele. Seria uma bela provocação!
 Estacionei a moto na calçada, retirei meu capacete e peguei minha bolsa,sem nem olhar para quem estava na minha frente. Depois de trombar em alguém,só ouvi o resmungo da garota.

-Sua louca,olha por onde anda! - a loira gritou

-Calminha aê,boneca! Precisa desse escândalo?

-Mas é óbvio que precisa! Olha como deixou meu cabelo? - tive que me segurar para não rir do faniquito da garota

-Ah Deus era só o que faltava pro meu dia.. - ela ajeitou o cabelo e continuou resmungando

-Eu é quem devo dizer isso. Logo se vê o tipo de mulher sem nível que você é! - ela ousou dizer ao me ver acender o cigarro

-Garota,abaixa essa bola! Eu só não quebro sua cara agora porque tenho mais o que fazer,ao contrário de você! - me desfiz do cigarro descartando-o próximo à ela, que gritou de susto

-Marginal! - vociferou. Vou mostrar a marginal, pensei enquanto montava na moto

 Acelerei com certa força e arranquei com a moto,me afastando dela. Enquanto ela se distraía com o espelho, passei com a moto raspando no seu corpo, fazendo com que ela caísse no chão, dando um show. Eu já estava prestes a ir embora quando ouço a voz de Michael.

-Dominique!! - gritou. Olhei pelo retrovisor e o vi se ajoelhando perto dela. Pisei no freio e rapidamente saí da moto para encarar a cena

-Essa louca me atropelou.. - choramingou enquanto Michael acariciava seu pé aparentemente torcido

  Quando joguei meu capacete no chão,seus olhos encontraram os meus. Então essa é a Dominique, a mesma que atendeu o celular de Michael, a namoradinha de infância.

-Consegue se levantar,hum? - perguntou extremamente preocupado

-Dói muito.. - resmungou

-Essa é boa! - ri sem humor

-Você vai me esperar aqui! - disse se referindo a mim

-Conhece essa louca? - Michael se calou

-Responda a pergunta dela,Michael. - ordenei

-Ela.. ela é uma amiga.. - murmurou. Senti meus olhos encherem-se de lágrimas instantaneamente

 Eu não ia continuar sendo humilhada por eles dessa forma. Me virei de costas e montei na moto, acelerando com toda a fúria presa no meu peito. Ainda consegui ouvir Michael pedindo para que voltasse, mas eu já estava longe, seguindo pela primeira rodovia que vi na frente.
 Minhas lágrimas desciam em torrentes furiosas,minhas mãos e  pernas tremiam tamanha a raiva que eu sentia. Além de ver aquela cena patética dos dois,ainda descobri que Michael tem vergonha de mim. Ele nem ao menos chamou pelo meu nome, o que me faz ter a certeza do papel de idiota que fiz na frente deles. 
   Ignorei todas as placas de trânsito que passavam como borrões na minha frente. Eu queria socar o Michael até ver sangue nas minhas mãos,mas como não seria possível, descarreguei toda minha raiva no acelerador. Minha moto chegava a deslizar nas curvas,até que perdi o controle e acabei derrapando no asfalto. 
 A moto foi parar do outro lado da pista e fui arremessada para os galhos de árvore que amorteceu o impacto da minha cabeça contra o tronco.

-Ai.. - um gemido doloroso escapou dos meus lábios
 
 Consegui me mexer até sair do meio dos galhos, rolando meu corpo até poder me deitar no acostamento. Respirei fundo, controlando a dor que sentia na perna para pode me levantar.

-Merda! - gritei ao tentar me sentar

 Olhei para minha calça rasgada na altura do joelho e um corte profundo no local. Enchi o peito de ar mais uma vez e com muito custo consegui me levantar. Cambaleando, me arrastei até o outro lado da pista para ver o estrago na minha moto.

-Mas que droga! - berrei ao dar um chute no monte de ferro amassado que virou a moto

 Me ajoelhei minimante para poder levantá-la. Ignorei as dores agudas no meu corpo e o sangue que jorrava do meu joelho e testa. Meus braços estavam ralados, assim como, provavelmente, todo o meu corpo. 
  Felizmente avistei uma picape caindo aos pedaços se aproximar. Ela foi diminuindo a velocidade até parar próxima a mim.

-Moça, está tudo bem? - o rapaz me olhou assustado e mais que depressa saiu da caminhonete

-Vai ficar.. Derrapei com a moto.. Ai! - ele me segurou antes que eu caísse novamente

-Entre aqui! Você precisa ir no hospital!

-Nada de hospital, eu estou bem! - assegurei

-Está toda arrebentada,moça.. Não seja teimosa!

-Eu já caí duzentas vezes nessa porcaria, só me leve pra casa. Por favor! - ele suspirou,derrotado

-Tudo bem.. Onde você mora?

-No Brooklyn.. - murmurei. Rasguei um pedaço da minha blusa e amarrei na minha perna, evitando que eu perdesse mais sangue - Inferno!

-Moça, você tem que ir no hospital!

-Agora está melhor.. - suspirei - Me leve logo, por favor! - o rapaz assentiu e após colocar minha moto na parte de trás da picape, finalmente deu arranque no motor

 Se não bastasse ter que presenciar a cena do Michael e a namoradinha juntos, terminei toda quebrada e com uma moto estraçalhada. Mas pior que as dores físicas, é saber que para Michael sou apenas um escapismo. As palavras " uma amiga" reverberam na minha cabeça e me dão a certeza que Michael nunca será homem suficiente para fazer valer suas vontades.

Capítulo 21

Mercedes


  A cada minuto que passava eu sentia meu corpo corroer pelas dores. Eu precisava chegar logo em casa, tomar um bom banho e dormir por horas a fio para esquecer toda a merda que foi meu dia.
 O rapaz que me salvou fez questão de me ajudar a descer da picape, me levando até o apartamento de Gina. Ele ainda fez a boa ação de deixar minha moto na garagem. O agradeci prontamente e lhe assegurei que estava me sentindo melhor.
 Atolei meu dedo na campainha e em segundo a porta se abriu. Gina se empalideceu e arregalou os olhos ao ver meu estado.

-Mercedes,o que aconteceu? - ela me apoiou em seus ombros e me deitou em seu sofá

-Caí de moto.. Deus, minha perna dói muito! - Gina desamarrou o torniquete que fiz no joelho e me lançou um olhar preocupado

-Você tem que ir pro hospital agora!

-Não.. Vou ficar aqui mesmo!

-Para de ser teimosa! Está perdendo sangue,garota! Vou chamar o Tommy.. - escutei os murmúrios de Gina ao telefone

 Me encolhi no sofá para tentar aplacar a dor. Minha cabeça ainda sangrava,assim como minha coxa. Já não conseguia manter meus olhos abertos e nem resmungar em protesto quando Tommy me pegou em seu colo. Aos poucos senti minhas vistas escurecerem e meu corpo todo amolecer.

(...)

Algo me dizia que eu havia dormido por longas horas. Abri meus olhos e reparei que estava em um quarto de hospital. Meus braços estavam cheios de curativos e meu joelho imobilizado. Levei minha mão até a cabeça e notei que minha testa estava enfaixada. A dor lancinante havia cessado,restando apenas uma dorzinha chata quando tentei me mexer.

-Amiga, como está se sentindo? - Gina pulou da poltrona,pairando na minha frente

-Só com dores no corpo,mas estou bem.. O que fizeram comigo?

-Você precisou fazer uma cirurgia para retirar os cacos de vidro que penetraram na sua pele. Quase sofreu uma infecção! Já fizeram todos os exames e graças a Deus não foi mais grave.

-Então já posso ir pra casa?

-Não ainda.. - bufei - Está de observação e nem pense em sair do lugar! - assenti em sinal de derrota - Você quer que eu ligue pro Michael?

-Não! Ele não vai saber de nada, além do mais não o quero perto de mim!

-Vocês brigaram por qual motivo? - respirei fundo e contei tudo o que aconteceu para Gina
 
  Ela obviamente achou um absurdo o que ele fez e me prometeu que se o visse, quebraria o nariz dele com um único soco. Também a fiz me prometer que não contaria nada para ele. Desabafar com Gina me fez florescer a raiva novamente e a enfermeira achou melhor me dar um calmante para que eu pudesse descansar.
Michael


    Não me perdoo pela forma como tratei Mercedes. Sei que ela foi errada em provocar a Dominique, mas o que eu fiz foi pior. Eu sei que deveria ter contado a verdade,mas tive medo de criar uma confusão. Se essa história caísse nos ouvidos do meu pai, com certeza estaríamos ferrados. Eu sei que uma hora ele terá que saber,mas não podia ser naquele momento.
 Depois que Mercedes foi embora  eu mal pude ir atrás dela. Dominique reclamava pela dor que estava sentindo na perna e minha única alternativa foi ter que ficar ao lado dela. Decidi levá-la ao hospital para lhe examinarem.
 Enquanto esperava ela ser atendida, liguei para Mercedes dezenas de vezes e nada dela me atender. Imagino a raiva que ela deve estar sentindo de mim e tudo que eu queria era correr até ela e pedir perdão pela minha burrada.
 Cansado de tentar falar com ela, me levantei do sofá e fui até o bebedouro. Franzi o cenho sem entender o porquê da amiga de Mercedes estar no hospital. Eu mais que depressa corri atrás dela.

-Hey,hey o que está fazendo aqui? - Gina me encarou assustada

-Michael? Como soube que a Merche veio pra cá?

-Como é? A Mercedes está aqui? - foi a minha vez de alterar meu tom de voz. Gina me olhou como se tivesse falado demais. Ela deu as costas,mas eu a puxei pelo braço

-Me solta!

-Não antes de você explicar o que disse! Por que a Merche está aqui? O que aconteceu com ela? Por favor me diga!

-Ela sofreu um acidente e sim, a culpa foi toda sua!

-Meu Deus.. - passei a mão pelos cabelos tentando controlar o desespero que crescia no meu peito - Diz que ela está bem, por favor!

-Ela vai ficar bem.. bem longe de você! - já se vê que ela também está contaminada pela raiva de Mercedes

-Me deixa vê-la,Gina..

-Nem fodendo. Você está aqui por que?

-Não vem ao caso. Se não disser qual o quarto dela,eu mesmo vou atrás de informações! Não adianta escondê-la!

-Tá! - bufou irritada - Ela vai me matar!

-Deixa comigo..

 A contra gosto,Gina me levou até o quarto que Mercedes estava internada. Me doeu ver a minha garota toda machucada e saber que eu fui o causador disso fez meu sentimento de  culpa duplicar. Me aproximei do seu leito e lhe dei um terno beijo na testa. Acariciei seu rosto com a ponta dos dedos, deslizando-os para os seus lábios. 
 Merche entreabriu os olhos e piscou algumas vezes para ter certeza que era eu mesmo ali. Seu olhar sereno converteu-se à pura mágoa e raiva. Eu sabia que seria difícil me redimir com ela.

-O que faz aqui? - disparou antes mesmo de eu abrir a boca

-Mercedes..

-Responda! Foi a Gina que te chamou?

-Não. Eu vim por outro motivo e por coincidência eu a vi no corredor. Realmente pensou em me esconder o que aconteceu?

-Minha vida não é da sua conta! - percebi que Mercedes se segurava para não chorar na minha frente

-Merche eu sei te magoei,mas você também precisa entender meu lado! Se eu contasse quem era você, imagina o escândalo que a Dominique ia fazer?

-E você quer viver assim até quando,hum?

-Você não entende,não é? Eu não sou como você que não precisa dar satisfação pra ninguém,que faz o que dá na telha. Eu vivo na sombra do meu pai e só eu sei como é insuportável viver com ele.

-Na boa Michael, se está tão difícil pra você,por que não termina comigo de uma vez?

-Nunca mais repita isso!  Eu te amo Mercedes, tudo que eu faço é para não perder você. Eu tenho medo que consigam nos afastar e eu não suportaria viver sem você! - agarrei firme sua mão até que Mercedes cedeu,me encarando com o semblante terno

-Eu quero ficar sozinha..

-Eu faço qualquer coisa que você pedir!

-Ah é? Então tá. Ou você conta pra barbie que eu sou sua namorada ou você diz que virou gay. - engoli seco ao ouvir sua exigência

-Gay,Mercedes? Você pirou? - ela riu

-Estou falando sério,Michael. Se não fizer isso,nós terminamos agora mesmo.

-Tudo bem.. - suspirei - Vou dizer pra Dominique que mudei de time e você está me arrumando um "amigo". - Mercedes gargalhou, finalmente esquecendo da raiva que sentia

-Bobo! Mas o assunto é sério.. - relembrou voltando a ter a expressão séria no rosto - Eu preciso de um tempo. O que aconteceu hoje me doeu muito.

-Eu sei e te entendo. Mas eu não vou me afastar. Quero cuidar de você e nem pense em me negar isso! - antes mesmo de Mercedes protestar, colei meus lábios contra sua boca

 Ela tentou me afastar, mas acabou não resistindo. Suas mãos delicadas foram parar na minha nuca, puxando-me para mais perto dela. Me afastei minimamente, distribuindo beijos pelo seu pescoço.  Merche deu um tapa na minha cabeça e eu gemi.

-Au! Isso dói!

-Se me agarrar novamente você apanha! Já disse que quero você longe de mim enquanto você não fizer o que mandei!

-Ok.. - suspirei -  Eu vou resolver isso assim que a Dominique sair do hospital.. - me calei mas já era tarde demais

-Então é por isso que você está aqui? Por causa dela?

-Amor..

-Fora daqui! - gritou - Eu mandei sair, vai logo!

-É melhor sair,Michael.. - Gina pediu - Eu cuido dela, espere lá fora..

 Olhei para Mercedes pela última vez e seu olhar furioso me fez abaixar a cabeça e me retirar. Quando achei que estava conseguindo seu perdão eu vou lá e faço outra merda. Mas eu não irei desistir. Já conheço o gênio difícil de Mercedes e domá-la será uma tarefa quase que impossível.

Capítulo 22

Mercedes


 Sério,Michael agora passou de todos os limites! Acabei de crer que meu único papel nessa porra toda é de trouxa. Para ele é muito cômodo me usar como seu "refúgio",mas na frente da família e amigos eu não sou nada além de uma estranha. Sua visita no hospital chegou até mesmo me desarmar,mas saber que ele estava lá pela idiota da ex dele foi o cúmulo. E é bom que ele mantenha distância de mim,pois serei capaz de chutá-lo até Marte.

-Devagar,Merche.. - Gina pediu enquanto me carregava em seus ombros até meu sofá. Finalmente eu tive alta no dia seguinte

-Aqui está bom,obrigada.. - agradeci ao me deitar no sofá

-Como se sente?

-Bem.. - menti

-Estou dizendo do seu coração e eu sei que está mentindo para mim.

-Eu tô me sentindo um lixo, Gina.. - confessei sentindo uma enorme vontade de chorar - Poxa, se ele sabe que eu não faço o estilo dele, por que continua comigo?

-Amor,eu nem sei como te ajudar.. Mas a única coisa que posso dizer é que esse otário gosta de você. - ri

-Ah me poupe,Gina! Você acha que se ele gostasse de mim continuaria me escondendo de todos? - questionei perdendo a paciência com minha amiga

-Mercedes,vamos abrir o jogo,ok? Você já parou pra olhar a dimensão do que é ser um Jackson? Porra, ser dessa família é um fardo! Mas por mais que ele seja diferente do pai, o Michael não é forte. Ele não sabe o que é o amor de um pai e uma mãe, mas sabe o que é pior? O fato dele ter sim um pai e uma mãe. O Michael não consegue expressar o que sente, o que o aflige e isso o torna cada vez mais acomodado. Você mesma me disse como ele tem mudado,se tornando um homem mais independente,mas ainda assim ele é um garoto que não sabe nada da vida. Ele tem sim errado muito com você,mas ele não é como nós. Ele não consegue falar mais alto que o pai e ele precisa de você pra isso! 

 Depois de tudo que Gina disse eu não consegui respondê-la ou muito menos questioná-la. Eu sei que ela está certa, sei que estar na pele do Michael não é nada fácil,mas isso não significa que eu tenha que permitir ser feita de idiota como estou sendo.

-Olha,eu sei que está certa,ok? Sei como é difícil pra ele,mas eu não sou babá do Michael! Posso auxiliá-lo, mas ele tem que caminhar com as próprias pernas. Você acha que é certo o que ele fez comigo?

-Óbvio que não! Mas pense,reflita.. Veja se vale a pena lutar por esse amor. E você sabe que vou te apoiar em qualquer decisão.

-Eu sei..

-Eu vou deixá-la descansar.. Ah, e me desculpe por isso.

-Isso o quê? - perguntei sem entender. Não foi preciso ela me responder,pois Michael já estava parado diante de mim

-Até mais,Merche.. - Gina saiu a passos largos

-Eu já não pedi pra me deixar sozinha?

-Merche,me dá só mais uma chance. Eu sei que não tenho sido o melhor namorado do mundo,que não te dou o valor que merece,mas eu imploro que não duvide do amor que sinto por você.

-Palavras são lindas,Michael. Mas não servem de nada se não tiverem acompanhadas de ações. E eu cansei das suas palavras.

-Eu vou mudar! Assim que eu voltar pra casa contarei a verdade para Dominique. E foda-se se ela contar pro meu pai. Está mais do que na hora de todos saberem que você é minha namorada! - engoli seco ao ouvir sua decisão. Mas eu já ouvi isso tantas vezes que não sei se acredito mais

-Então arrume outra namorada, porque eu não sou mais!

-Amor, não faz isso.. Por favor! Eu sei que mereço isso,mas me dá uma chance.. - implorou ajoelhado aos meus pés

-Não sei se acredito em você... Sabe o que tá parecendo? Que eu sou sua amante!

-Você é minha namorada,a única mulher que eu amo. Não desista de nós pela minha covardia, eu imploro! - ver Michael sofrendo ali na minha frente conseguiu me desarmar, mas mesmo querendo lhe dar uma nova chance, Michael precisava saber que eu não sou idiota

-Para com o drama e levanta. - Michael obedeceu minha ordem como um cordeiro

 Me levantei com dificuldade e fiz sinal para que ele não se aproximasse. Parei-me de frente à janela. Fechei meus olhos e permaneci em silêncio,pensando no que fazer.

-Eu não sei.. não sei mesmo.. - respondi ao me virar para Michael

-Mercedes,eu dou minha palavra que agora será diferente. Eu já tomei minha decisão e eu não voltarei atrás! Por favor,querida..

 Michael caminhou até mim e pegou na minha mão. Seus lábios macios deslizaram-se pelo meu pescoço e eu tive que me segurar em Michael para não cair. Ele deu uma risadinha abafada e me segurou com força pela cintura. Nossas bocas estavam muito próximas,mas virei meu rosto para provocá-lo.

-Certo. Vou te dar um voto de confiança,mas por enquanto quero você longe de mim.

-Isso não.. Merche,você precisa de mim. Eu aceito sua condição,mas me deixe cuidar de você,por favor..

-Virou enfermeiro agora? - Michael sorriu sensualmente

-Pra você eu sou o que quiser.. Até seu escravo.. - gargalhei

-Para de me fazer rir,estou com raiva de você!

-Vai passar..Você não vai aguentar por muito tempo.. - Michael me pegou no colo,me arrancando um gritinho

-O que está fazendo?

-Levando minha princesa pro quarto.. Você precisa de cuidados e de cama.. - frisou sugestivamente

-Não pense que com isso você será perdoado tão facilmente..

-Eu sei. E é por isso que vou insistir até você ceder.. - afirmou ao depositar um beijo suave no meu pescoço

 Michael me deitou na cama e ajeitou os travesseiros para mim. Pela segunda vez,estou recebendo seus cuidados e confesso que assim como da outra vez,Michael consegue me deixar ainda mais apaixonada e é isso que me irrita,pois estou me tornando uma garotinha boba que o perdoará de cara só com um sorriso que ele me der.

-Está com fome? Quer que eu prepare alguma coisa?

-Não,não.. Estou cansada.. - Michael abaixou a cabeça - Quer deitar aqui?

-Sério?

-Não vou perguntar de novo.. - Michael riu

 Timidamente ele se deitou ao meu lado, temendo se deveria encostar em mim. Me permiti deitar em seu peito e fechei meus olhos. É isso,eu sei que posso me desapontar novamente com Michael,mas eu o amo tanto que não posso deixar meu orgulho falar mais alto.

-Isso não significa que eu te perdoei. - Michael riu - Só estou cansada de brigar..

-Eu também estou. E te garanto que a partir de agora não teremos mais motivos pra brigar. Vou cumprir com a minha palavra.

-Como acha que seu pai vai reagir?

-Da pior maneira possível.. - suspirou - Mas estou preparado. Você me ensinou a ser forte. - disse ao me fitar nos olhos

-Eu amo você.. - Michael enxugou uma lágrima que desceu do meu olho e em seguida beijou minha testa

-Eu te amo muito mais.. Você vai ver como tudo vai dar certo. Só segure a minha mão e juntos vamos detonar com eles! - entrelaçamos nossas mãos,depositando ali a promessa para o nosso futuro

-Sempre juntos...

-Sempre..


Capítulo 23

Michael


   Felizmente depois da série de burradas que cometi, parece que Mercedes está começando a me perdoar. E a minha decisão de contar a verdade para Dominique continua de pé. Eu prometi que faria tudo diferente e é isso que irei fazer.
 Passei o resto do dia ao lado de Mercedes, cuidando dos seus ferimentos e claro, dando todo o carinho que ela precisa. Mas infelizmente já estava anoitecendo e eu nem quero ver qual será a reação  de Dominique. Ontem depois que Mercedes me expulsou do quarto de hospital, deixei Dominique sob os cuidados de Maysa. Eu não estava nenhum pouco afim de ouvir suas reclamações contra Merche.

-Bom.. Está na minha hora.. - estávamos deitados no seu sofá terminando de assistir um filme

-Vejo você amanhã? - perguntou. Senti  que ela ainda estava retraída comigo

-É claro que sim. E hoje mesmo terei minha conversa com a Dominique.

-Hm..

-E será que depois disso minha namorada vai abrir a cara pra mim? - Mercedes tentou esconder  o sorriso

-Depende.. Se deixar bem claro pra ela que você tem dona..

-Deixa comigo.. Ainda direi que você é um perigo quando está com ciúmes!

-Vai brincando,Michael.. - ameaçou. Encaixei Mercedes no meu colo e  a puxei para um abraço apertado

-Confie em mim,ok?

-Uhum.. - respondeu com os olhos fixos nos meus

 Aproximei-me de sua boca e com uma mordiscada puxei seu lábio inferior,em seguida invadi sua boca com pouca delicadeza. Merche correspondeu prontamente, envolvendo as mãos na minha nuca, puxando-me para mais perto dela. Nossas línguas moviam-se em sincronia e um gemido baixinho escapava dos nossos lábios.
 Meu membro já começava a latejar dentro da calça e Mercedes rebolou de propósito,arrancando de mim um gemido rouco. Seus lábios desceram pelo meu pescoço,onde ela chupou lentamente.

-Porra,Merche.. - Mercedes continuou com as carícias enquanto desabotoava os botões da minha camisa, retirando - a por completo

-Você é tão lindo.. - sussurrou no meu ouvido. Ela me olhava com tanta ternura que cheguei a me emocionar,voltando a beijá - lá apaixonadamente

 Abaixei as alças da sua camisola e aos poucos seus seios foram revelados. Inclinei - me até eles e os envolvi em minhas mãos. Levei minha boca até o seio esquerdo e logo o devorei,sugando - o incessantemente, tendo as unhas de Merche arranhando meus ombros.  Repeti o mesmo ato com o outro seio.

-Isso é maravilhoso.. - murmurou como um gemido

 Quando terminei de deliciar - me com eles,os encarei,satisfeito ao vê-los intumescidos,implorando por mais. Merche desceu os dedos até o zíper da minha calça e eu aproveitei para tirar sua calcinha. Estava tão louco para me enterrar nela que me sentia queimar por dentro.
 Encaixei Mercedes  delicadamente no meu colo,tomando cuidado para não encostar em seu ferimento na perna. Mercedes me beijava tão avidamente que provavelmente nem lembrava dos seus machucados. Sua mão subia e descia sob meu pau, deixando -o ainda mais ereto.

- Muito gostosa,Mercedes.. - gemi apertando sua cintura para sentá-la novamente em cima do meu membro,que deslizou com facilidade para dentro dela

-Oh Mike.. - apertei suas coxas,que estavam trêmulas, ajudando a se movimentar no meu colo

 Meu pau pulsava dentro da sua intimidade enquanto ela rebolava, engolindo - o  de uma maneira absurdamente prazerosa. Mercedes passou a quicar no meu membro, preenchendo - a até o fundo. Foi impossível manter o controle com a excitação cada vez maior. Agarrei meus dedos na sua cintura fina e passei a estocar com força e rapidez.

-Isso,isso.. Eu amo quando me fode desse jeito! - gritou

-É desse jeito que você gosta, é? - provoquei. Mercedes assentiu e gemeu alto quando saí de dentro dela e meti novamente até o fundo

 Nossas línguas duelavam uma com a outra,nosso suor se misturava e movíamos em sintonia, sentindo os mesmos espasmos de prazer. Eu senti que gozaria nesse momento, então cessei os movimentos e passei a rebolar meu membro dentro dela, captando todas as suas reações.

-Preciso gozar com você,amor.. - pediu sôfrega

 Mordi seu queixo, pescoço e seios sentindo a necessidade indescritível de gozar com Mercedes, de demonstrar todo amor que sinto por ela, um amor tão forte que chega a doer.
 Voltei a estocar com mais força e precisão. O barulho de nossos corpos se chocando compunham a sonoridade na sala juntamente com nossos gemidos. Fechei meus olhos ao sentir mais uma pulsação do meu pênis. Apertei seu corpo contra o meu e gemi alto quando senti meu líquido se misturar com o de Mercedes. 
 Após sentirmos todo o torpor do nosso orgasmo, me deitei no sofá com Mercedes apoiando sua cabeça no meu peito. Ainda respirávamos com certa dificuldade e permanecemos em um silêncio agradável por algum tempo.

(...)

 Depois de tomarmos banho juntos, Merche fez questão de me levar até a portaria, mesmo eu insistindo para que ela descansasse.

-Vai ficar bem? Se quiser eu posso dormir aqui com você..

-Não se preocupe, já estou ótima! O que vai dizer pro seu pai?

-Hm... Vou dizer que estava com a minha namorada,ué!

-Eu tô falando sério, tá?

-Eu também estou!  - afirmei com sinceridade

-Mike,não quero que pense que eu estou te pressionando ok?

-Mercedes, eu quero isso..

-Você quer,mas não está preparado. Converse com ele quando se sentir pronto. A única coisa que eu peço é que não repita o que fez comigo..

-Nunca mais farei aquilo.. Eu estava assustado, mas agora eu não tenho medo.

-Não sabe como me deixa feliz, meu amor. Mas vá com calma,ok? Quero que faça isso por você, não apenas por mim. Vá pra casa,descanse e se sentir que é hora de abrir o jogo, o faça.

-Deixa comigo.. A única coisa que quero nessa vida é fazê - la feliz.

-Você já me faz muito, garoto.. - gemi quando ela apertou meu nariz

-Au! Você tem a mão pesada,amor.. - notei que Merche estreitou os olhos para o outro lado da rua - Merche?

-Heitor?

-O que? - levei meus olhos até onde Mercedes encarava

-Não,  é um cliente aqui da loja.. Estava olhando pra nós dois.

-Quem é Heitor? E porque ele estaria nos observando?

-Ele veio na loja há um tempo atrás e depois ele veio outras vezes.

-Ele tem vindo pra falar com você? - por dentro eu tentava controlar o ciúme desse cara que nem conheço,mas não sei porquê me irritou tanto

-Não sei,Mike.. O que? Está com ciúmes? - Merche fez um biquinho adorável para me provocar

-Claro que sim.  Só a senhorita pode sentir ciúmes é? - Merche enlaçou meu pescoço, rindo de mim enquanto eu procurava pelo tal do Heitor

-Que homem bravo,gente! Amor, ele deve ter ido embora..

-É bom mesmo que ele tenha visto você comigo,assim ele para de vir aqui.

-Mas eu não posso proibi-lo de comprar na loja né?

-Você não, mas eu sim.. - afirmei, pressionando seu corpo contra o meu

-Está me deixando excitada.. - sussurrou no meu ouvido

-Mercedes!! Não diga essas coisas aqui.. Você sabe o estado em que me deixa,não sabe?

-Uhum.. E eu adoro te ver assim.. - puxei Mercedes pelo queixo e depositei um beijo casto em seus lábios

-Se cuida! Amo você..

-Também te amo.. - beijei o dorso da sua mão e em seguida entrei no carro

(...)

 Estacionei o carro na garagem e antes de sair, respirei fundo, me preparando para enfrentar meu pai com seu interrogatório. Abri a porta e reuni toda a determinação necessária.

-Corine,minha princesa! Onde está todo mundo? - Cori me deu um beijo na testa e puxou de leve minha orelha

-Onde estava, seu sumido? Seu pai saiu com o Sr. e a Sra. Collins para jantar. A senhorita Dominique preferiu ficar em casa. Ah, seu pai perguntou por você o dia todo!

-Que saco.. - suspirei - Ele não me deixa um minuto em paz! - ri

-Mas você também não ajuda né?  Como que passa o dia fora e não avisa ninguém?

-Ah Cori, cansei de ter que pedir permissão pra tudo.. Se meu pai não  está satisfeito,o problema é dele. Enfim, tem mais alguém em casa?

-Seu irmão chegou minutos antes de você.  Mas ele parecia furioso.

-Que bicho mordeu ele?

-Não sei, mas nunca vi Edgar desse jeito. Parecia sentir ódio! - senti o estranho arrepio novamente

-Bom, deve ser algum problema que ele se meteu.. - dei de ombros - Sabe se a Dominique está acordada?

-Aquela lá? Bem capaz.. Não para de perguntar por você.. - revirei os olhos

-Deixa isso comigo..

-Michael?

-Sim? - me virei

-Estava com a Mercedes,não é? - ela riu

-Como será que você adivinhou..??

-Seu palhaço!  - Corine me deu um tapa no ombro e eu subi correndo para escapar dela

 Dei duas batidas na porta do seu quarto e ouvi um "pode entrar". Dominique estava deitada na cama,  com o pé enfaixado apoiado em uma almofada.

-Nossa.. Agora que você chegou?

-Estava com uma pessoa..

-Uma pessoa? - indagou desconfiada

-Sim.  E é justamente sobre isso que vamos conversar. - enchi o peito de ar e me senti pronto para abrir o jogo com Dominique
 
 Sei o que me espera, mas dessa vez me sinto pronto para assumir a mulher  que eu amo como minha namorada.

Capítulo 24

Michael


-Eu não estou te entendendo, Michael.. Seja mais claro. - exigiu com os braços cruzados

-Eu cometi um erro terrível naquele dia..

-O dia que aquela louca me atropelou?

-Sim,mas corrigindo.. Ela não é louca, ela é minha namorada. - Dominique arregalou os olhos e fez um formato de O com a boca

-Tá brincando comigo,né?  - Dominique se levantou completamente alterada e partiu pra cima de mim - Tá querendo dizer que aquela marginal é sua namorada? É por isso que ela tava rondando a casa!

-Dominique,você não conhece  a Mercedes..

-Mercedes? Esse é o nome dela? Da mesma mulher que está ferrando com os planos do seu pai? Sim, porque já ouvi falar muito desse demônio! 

-Dominique,para! - peguei em seus braços para fazê - la se acalmar - Você não conhece a Mercedes, não admito que fale assim dela!

-Como você pode ter coragem de namorar a mulher que só sabe atrasar a vida da sua família? Uma garota sem classe, sem estudo e sem um pingo de educação! É isso que quer pra você?

-Eu a amo. Amo Mercedes e se pudesse voltar atrás faria tudo de novo! Mercedes não é como você, não é como toda a minha família que vive em função de dinheiro! Ela é a mulher mais íntegra e forte que eu conheço e eu não a trocaria por nada nesse mundo! - Dominique me olhava sem emitir nenhuma reação, parecia chocada com tudo que eu falei

-Que lindo.. - riu em deboche - E  o seu pai sabe desse "conto de fadas"? Ou você, assim como foi comigo,  também tem vergonha da sua namoradinha?

-Eu não tenho vergonha da Merche, muito pelo contrário.  Eu tenho orgulho por ter uma namorada tão perfeita como ela. E se meu pai não sabe é porque quero preservá -la. Mas se quiser se vingar de mim, fique a vontade.  Corra até meu pai e faça o seu show! - estava pronto para sair do quarto quando é sinto sua mão puxar meu braço

-Espera! Eu não vou contar pra ele.. - disse com a voz afável,me surpreendendo

-Não? 

-Não.. Eu não vou me meter na sua vida. Não quero atrapalhar seu namoro, mesmo sendo perdidamente apaixonada por você.. Mesmo que não volte a namorar comigo, me deixe ao menos ser sua amiga..

-Devo acreditar em você, Dominique? - semicerrei meus olhos para analisá - lá

-O que acha que eu sou,Michael?  É claro que estou me sentindo magoada,mas eu não tenho o direito de mandar no seu coração..

-Dominique,eu sinto muito. Sei que veio pra cá acreditando que poderíamos reatar,mas isso não vai acontecer.  Te ofereço minha amizade, porque você sabe que tenho  um carinho muito especial por você e pelo o que vivemos..

-Tudo bem.. - enxugou as lágrimas com com a ponta dos dedos - Não vou mais insistir. Amanhã depois da festa estaremos indo embora.. E não se preocupe, eu não contarei nada pra sua família.

-Eu te agradeço,Dominique. Esse é um assunto que só cabe a mim resolver com meu pai..  Deixarei você descansar e mais uma vez, sinto muito.. - Dominique assentiu  e eu preferi deixá-la sozinha depois da nossa conversa

 Confesso que me surpreendi com a sua reação. Imaginei que seu escândalo seria muito maior,mas saber que entendeu e que não vai se meter na minha vida me deixou feliz. Parece que tudo está caminhando para o caminho certo, o que me dá força para enfrentar meu pai.

Edgar


      Eu sempre fui considerado o filho " problema" para os meus pais, mas mesmo com esse meu jeito torto, eles sempre passaram a mão na minha cabeça,  com certeza por me acharem imaturo. Mas o Michael não,  esse sempre foi o filho mais prodígio, o mais venerado, apesar das cobranças feitas pelo meu pai.
 Tudo isso porque será Michael encarregado de assumir a empresa. Justamente ele que é um sonso que não dá a mínima para todo o esforço que papai teve para manter a empresa no topo e será um tiro no pé passar o bastão para Michael,  mas mostrarei para o meu pai que sou bem melhor que meu irmãozinho, principalmente para comandar a Construtora Jackson.
 A algumas semanas atrás passei a frequentar o Brooklyn com meus amigos de farra e quem eu encontro lá?  O todo certinho do meu irmão. Chega a ser cômico um cara tão fresco como meu irmão frequentando esse tipo de lugar, que não tem absolutamente nada a ver com ele.
 Numa das minhas andanças pelo Brooklyn, acabei conhecendo Mercedes, dona de uma loja de discos a qual fui uma vez.  De fato essa garota me deixou vidrado nela. Seu olhar misterioso ou seu jeito firme e impetuoso é algo que é raro de se ver por aí. O que mais me chocou foi,ao ouvir uma das conversas de papai com o George, o fato deles estarem falando justamente dela. 
 O nome de Mercedes é famoso em nossa casa pelo fato dela ser o maior empecilho para papai construir sua rede de hotéis. E essa descoberta dela ser uma grande inimiga do meu pai me deixou ainda mais atraído por essa mulher. 
 Mas antes de me aprofundar a respeito de Mercedes, fui um pouco mais esperto e mais que depressa adotei Heitor como meu nome. É óbvio que se eu dissesse meu nome verdadeiro ela iria descobrir na hora quem sou eu e isso estragaria meus planos. Além do que, queria saber que tipo de mulher ela é. Se faz o gênero certinha ou se não passa de uma vadia metida a feminista.
 Só que Mercedes não me parece ser uma das putas que costumo me relacionar, pelo contrário.  Ela faz questão de me ignorar e isso me instigou a persegui - la e descobrir que mulher é essa que tem me virado do avesso.
 Mas hoje eu descobri, ou melhor vi algo que me fez duplicar a raiva e ódio que sinto do desgraçado do meu irmão. Acontece que vi ele aos beijos com a Mercedes como se fossem muito íntimos. Agora está explicado sua mudança de comportamento, seu sumiço aqui de casa e o porquê de ir tanto ao Brooklyn. 
 Mas uma coisa  é certa, meu pai não tem noção que  Michael está de caso justamente com sua maior inimiga.

-Então o meu irmãozinho está de quatro pela Mercedes Chavez.. Desgraçado, sempre querendo se sair por cima.. Mas vamos ver até onde vai sua novelinha..


   Assim que ouvi o ranger do carro de papai, me levantei da poltrona e decidi esperá - lo na sala de estar. Precisava agir rápido e teria que ser agora.

-Você em casa? - disse meu pai surpreso ao me ver parado como uma estátua próximo à escada

-Sim.. Preciso conversar com você. Dr. Collins e Sra. Evelyn,  gostaram do jantar?

-Oh sim,querido.. Havia me esquecido como Nova York tem restaurantes maravilhosos!

-Que bom,Sra. Evelyn! Aqui é realmente incrível.  Pai, podemos conversar?

-Precisa ser agora,Edgar? - disse impaciente ao olhar o relógio

-Garanto que é um assunto do seu interesse.

-Bom, vamos nos recolher. - George pronunciou - Até amanhã e boa noite para vocês.

-Boa noite! - respondemos

-Bom.. - meu pai suspirou - Vamos para o meu escritório. - caminhei logo atrás dele e imediatamente fechei a porta do escritório - No que se meteu dessa vez?

- Eu em nada.. Quem se meteu em problemas é o Michael, ou melhor.. Colocou o senhor em problemas.

-Do que está falando? - questionou começando a alterar o tom de voz

-Ainda não sei como Michael teve coragem de se envolver com aquela mulher.. Justo ela!

-Edgar é melhor falar logo antes que eu perca minha paciência! 

-Ok.. Eu não devia falar isso.. - maneei  a cabeça, fingindo um descontentamento - Mas também não posso deixar que ele o engane.

-Anda Edgar! - gritou

-Michael está mantendo relações com Mercedes Chavez. - seu rosto empalideceu. Meu pai afrouxou o nó da gravata e se sentou na poltrona

-Mas que absurdo é esse que está falando?

-Eu o segui,pai.. Estava desconfiado faz um tempo  e hoje tive a certeza..

-Michael não seria louco de me atacar dessa maneira! - seu rosto ganhou um tom de vermelho e eu poderia até mesmo dizer que ele estava prestes a infartar

-Eu sinto muito,pai.. Também não imaginava que Michael estava nos traindo dessa maneira.. Justamente com essa infeliz.

-Eu vou acabar com ele,Edgar.. Acabar com a raça desse desgraçado!

-Pai,calma! - o impedi de sair do escritório - Eu tenho certeza que Michael foi seduzido por ela.. Sabe lá o que essa mulher faz com ele. Ela está o usando para nos atingir!

-E esse idiota caiu direitinho! - riu em deboche

-Michael parece desequilibrado.. Ele precisa de tratamento psicológico..

-Ele precisa de uma boa surra! Desgraçado,  como pode me apunhalar desse jeito? Ele vai ter que confessar na minha cara! - meu pai tentou me empurrar,mas fui mais forte

-Pai,não está vendo que é isso que Mercedes quer? O único propósito dela é nos infernizar e se você explodir com o Michael será um prêmio pra ela!

-E o que você sugere? Que eu permita essa aberração? 

-Não.. Eu já disse que Michael precisa de ajuda. Amanhã terá uma festa para a alta sociedade e o senhor será o anfitrião. Finja que não sabe de nada e ataque no momento certo.

-Você está certo.. Tenho que deixar o cerco fechado para o Michael.  Amanhã depois da festa eu os afastarei  em um estalar de dedos.

-É o que estou pensando? - Ele apenas arqueou a sobrancelha, confirmando o que eu já sabia 

- Michael não me deixou outra alternativa.. - sorri me sentindo vitorioso 

 E eu mal vejo a hora de amanhã chegar. Michael se dará muito mal por ter se metido no meu caminho. Mas agora ele vai aprender como cuidar da própria vida com um tratamento de choque. Ele ainda deveria me agradecer, afinal a ira de papai poderia ser muito maior, mas não tanto quanto a minha.



Capítulo 25

Michael


   O dia da festa que meu pai tanto falava finalmente chegou. De fato Dominique não contou nada para Leon, o que chegou a me surpreender. Imaginei que ela faria um escândalo,mas pra minha sorte ela se calou. Decidi também contar a verdade para o meu pai,afinal eu não posso sustentar essa mentira por muito tempo.

-Então está decidido a falar a verdade pro seu pai?

-Estou, Corine.. Quase perdi Mercedes pela minha covardia e não posso mais pisar na bola com ela. - Corine tentou disfarçar uma careta - O que você tem?

-Nada..É só uma sensação estranha,mas não liga pra mim..

-É claro que ligo! Quero que seja sincera comigo. Você também não gosta da Merche?

-Oh meu querido,não é isso.. Mas não vou mentir pra você.. Eu sinto um aperto no peito quando fala dessa menina.. Como se ela pudesse causar o inferno nessa família.. - neguei com a cabeça veemente. Conhecemos a fama de intuitiva de Corine, mas é óbvio que ela está errada

-Sei que você tem as melhores intenções comigo,mas dessa vez você está errada. Mercedes é um anjo na minha vida, é ela que me ajuda a libertar o verdadeiro Michael..

-Eu sei,querido, eu sei.. Mas a vida dá tantas voltas e e eu sinto muito medo do que o futuro pode reservar.. Mas vamos esquecer esse assunto. E eu vou rezar para que seu pai se conforme. Você merece ser feliz e se essa menina te ama, tenho certeza que dará tudo certo!

-Obrigada Cori.. - lhe puxei para um abraço apertado - Assim que passar essa festa eu falarei com meu pai. Hoje é um dia importante e eu não quero atrapalhar.

-Faz bem. É melhor para vocês dois..

-Bom, vou aproveitar que meu pai estará o dia todo atarefado e vou dar uma passadinha lá na Merche! - Cori riu

-Você apaixonado é a coisa mais linda desse mundo!

-Sabe o que a coisa mais linda desse mundo? Minha namorada! - respondi orgulhoso, como um bobo apaixonado

(...)

-Quer dizer que hoje tem festa da Família Jackson? - Merche deitou a cabeça na minha coxa enquanto devorava um pote de sorvete

-Infelizmente.. - bufei - Detesto esse tipo de festa,principalmente os convidados. - Mercedes me deu uma colherada do seu sorvete e em seguida limpou minha boca delicadamente

-Deve ser um saco mesmo,mas pelo que vejo você não tem opção..

-Não mesmo. Minha sorte é que meu pai estará o dia todo ocupado..

-Sabe o que não entra na minha cabeça?

-Não senhora.. - respondi fazendo cócegas na sua barriga

-Para,porra! - gritou enquanto gargalhava. Envolvi meus braços em torno da sua cintura, abraçado à ela 

-Linda! - distribuí uma série de beijos no seu pescoço - Mas me diga o que está matutando nessa cabecinha..

-A Barbie ter aceito numa boa.. Tem certeza que falou com ela?

-É claro que sim! Eu também estou surpreso.. No início ela explodiu, mas por fim acabou entendendo..

-Pelo jeito autoritário dela,não sei não..

-O importante é que agora ela já sabe e amanhã quem também estará informado sobre o nosso namoro é meu pai.

-Tá falando sério,Mike? - Merche se virou de frente para mim,me olhando encantada

-Sim.. Hoje será impossível, e também não quero estragar a noite dele.

-Amor,eu já disse que não precisa ter pressa. Só pelo fato daquela biscate saber que você tem dona já fico satisfeita..

-Hey! Não precisa xingá-la.. - ri

-Xingo ela e você! - Merche se sentou de frente pra mim, enrolando meus cabelos com a ponta dos dedos

-Ciumenta..

-Galinha! - Merche me deu tapinha na cara,mas apesar de ter sido leve, com certeza deve ter deixado marca

-Sabe o que acontece quando alguém bate na minha cara? - perguntei em tom de voz ameaçador

-Hmm.. não sei, o que?

-Eu fico muito,muito bravo.. - em um único movimento rasguei sua blusa regata ao meio e claro, não ficamos apenas nos beijos..

(...)

Dominique


    Já havia anoitecido e nada de Michael aparecer, com certeza está com a suburbana que diz ser namorada dele. É claro que eu não gostei nem um pouco, na verdade odiei! Se eu visse aquela desgraçada na minha frente agora eu acabaria com ela. Como Michael pôde me trocar por uma coisinha sem graça como aquela favelada?
    Mas se ele pensa que me conformei, ele está muito enganado. Se eu quero separar esses dois,eu preciso ser inteligente. Consegui enganá-lo direitinho com a conversa de que havia me conformado e que estava disposta a ser apenas uma amiga dele. E já que iremos embora amanhã,minha despedida será em grande estilo. Sei que uma hora Michael voltará para mim e isso não vai demorar muito para acontecer..
    Já estava devidamente arrumada e hoje caprichei no meu visual. Sei muito bem que o deixarei de queixo caído,afinal ele sempre foi louco por mim e se está com essa garota é pela simples vontade de confrontar Leon.

-Cadê o Michael,droga! - andava de um lado para o outro na varanda, provavelmente farei um buraco no chão

    Finalmente vejo seu carro se aproximar. Abro um largo sorriso e respiro fundo,me sentindo confiante. Se meus planos saírem como estou pensando, hoje mesmo Michael voltará a ser um homem solteiro.. 
Observei Michael subir as escadas apressado. A maioria dos convidados já haviam chegado e já estava na hora de descermos. Caminhei de encontro à ele, que me olhou assustado.

-Dominique? Pensei que já estava lá em baixo..

-Até queria estar,mas estava preocupada com você. Passou o dia todo fora e só chega quando a festa já começou? Estava com ela,não é?

-Sim,Domi.. Eu estava com a Mercedes. - respirei fundo para controlar minha fúria - Não vi o tempo passar,mas pode ir descendo. Vou tomar um banho rápido e já encontro vocês.

-Tudo bem.. Te espero lá em baixo. - Michael assentiu e correu para o quarto

    Esperei alguns minutos para poder entrar. O chuveiro estava ligado e a porta do banheiro fechada. Vasculhei sua cama com os olhos e não demorei muito para achar seu celular. Dei mais uma conferida na porta do banheiro e aproveitei sua ocupação para executar a primeira parte do meu plano. Agora é só esperar minha convidada chegar. A festa está só começando..

Mercedes


  Assim que Michael saiu da minha casa, senti uma dorzinha chata no peito. Não sei se é por termos acabado de sair de uma briga ou por medo do que possa acontecer com Michael quando contar a verdade para o pai. Decidi ignorar esse sentimento e fui até a casa de Gina. Estar com a minha amiga sempre me ajuda a distrair, principalmente com seu conselhos construtivos. Depois de contar as últimas novidades, Gina pronunciou

-Olha só.. Então ele está cumprindo com a palavra dele. Já contou a verdade pra lambisgoia da Dominique,agora só falta enfrentar o poderoso Leon Jackson.

-Tô me sentindo mal com isso.. - confessei

-Mas por que? Não era o que você queria?

-Sim,mas eu tenho medo. Esse homem é um demônio e não sei o que ele vai fazer com o Michael..

-Amiga,você não pode protegê-lo de tudo. Michael conhece o pai que tem e sei que ele vai encontrar um jeito de se abrir com ele.

-Eu espero.. Sinto que estou o pressionando..

-Eu já acho o contrário. Michael está cada vez mais seguro de si e confiante, e contar a verdade para o pai fará bem para si mesmo..

-Você tem razão.. - senti meu celular vibrar e logo o tirei do bolso. Abri um sorriso ao ver que se tratava de uma mensagem de Michael

-Ihh.. Já abriu um sorrisinho.. - debochou

-Vá se ferrar,me deixe ler!

"Amor, essa festa está pior do que eu imaginei e pra piorar tive outra discussão feia com meu pai. 
Preciso de você.. Me tire daqui, por favor. Estarei te esperando próximo ao portão. 
Eu te amo. Beijos! "


-Aconteceu alguma coisa? - perguntou ao me ver levantar

-Michael está pedindo minha ajuda.. Disse que brigou com o pai.

-Será que ele contou sobre vocês?

-Não sei.. Merda, eu sabia que ia acontecer alguma coisa.. Me empresta a sua moto?

-Claro! Pega a chave.. - Gina jogou a chave diretamente na minha mão

-Obrigada.. Volto já!

    Enquanto caminhava pelas ruas de Nova York, fiquei pensando no que poderia ter acontecido. Michael me confessou que odeia esse tipo de festa e imagino como ele deve estar no meio de tanta gente fútil e gananciosa.
    Peguei um atalho na estrada para conseguir entrar no condomínio sem ser notada. De longe se podia escutar a melodia sinfônica e tediosa que vinha da mansão. Estacionei a moto e me aproximei do portão, procurando por Michael, já que ele disse que estaria no jardim.
   O problema é que tinham muitas pessoas ali fora, dançando ao som da música de fundo. Arqueei minha cabeça e voltei a procurá-lo.
   Bati meus olhos diretamente na loira esguia, vestida de vermelho. Suas mãos subiam e desciam pelo paletó do seu parceiro de dança, que para minha total surpresa era Michael. Meu coração falhava gradativamente a medida em que eles se moviam grudados um no outro. 
Em certo momento, ela olhou na minha direção. Agarrei meus dedos na grade do portão, apoiando-me para que eu não caísse no chão da calçada. O porquê disso? Simples. Eu tive a visão mais dolorosa e cruel, atingindo em cheio meu coração. Michael e Dominique se beijavam enquanto permaneciam grudados.

-O que está fazendo aqui? - a voz frívola e imponente de Leon Jackson me fez saltar de susto

   Seu grito acabou chamando a atenção de Michael, que imediatamente se desvencilhou de Dominique. A essa altura eu nem conseguia assimilar nada que Leon dizia. Meu olhar estava perdido nos olhos de Michael, que me encarava com o semblante apático e ainda mais pálido. 
Fui me distanciando do portão na medida em que as vozes iam se afastando. Ainda pude ver Michael tentando correr até mim,mas foi brutalmente impedido por Leon. 
  Mas naquele momento não me importava mais nada. Tudo que eu queria era sumir dali, fugir para um lugar onde não tivesse ninguém. Respirei fundo e caminhei apressadamente até a moto.

-Mercedes!! Mercedes! - acordei do choque ao ouvir os berros de Michael

   Ele conseguiu me alcançar, puxando-me pelo braço, me obrigando a encará-lo. Minha visão estava turva devido ao acúmulo de lágrimas nos meus olhos. Me soltei dos seus braços e lhe transferi um forte tapa no rosto.

-Nunca mais chegue perto de mim, nunca mais! - berrei o mais alto que consegui

Michael arregalou os olhos, encarando-me sem reação e isso foi o que eu precisava para montar na moto e pilotar para o mais longe possível. Arranquei o retrovisor para não ter que ver a imagem de Michael, que diminuía na medida que eu afastava.

Continuação dos capítulos nesse link A partir do capítulo 26

87 comentários:

  1. Opa , primeira a comentar :3
    Esperando ansiosa *-*

    ResponderExcluir
  2. Maricia mais uma história Boa estou super ansiosa que venha logo e desculpe te falar queria que fosse um pouco engraçada como as outras que vc faz
    então this is it

    ResponderExcluir
  3. Esperando Aqui Ansiosa <3

    ResponderExcluir
  4. Cheguei,meninas!!
    Primeiros capítulos postados!
    Espero do fundo do coração que gostem e obrigada pela presença de vocês!!
    Beijos e até mais! <3

    ResponderExcluir
  5. Esse Leon é o demônio kkk
    Continua *-*

    ResponderExcluir
  6. Atualizado,meninas!!
    Espero que estejam gostando!
    Beeijos <3

    ResponderExcluir
  7. Ain cara... Amei o capitulo ^^
    Continua ❤

    ResponderExcluir
  8. Boa noite,meninas!! Cheguei com mais.
    Desculpem-me pela demora,mas estava sem tempo nenhum..
    Boa leitura e até breve!!
    Beeijos <3

    ResponderExcluir
  9. Fantástica essa fanfic que maravilha.
    Amo mais que chocolate
    Quais dias que você posta flor?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada,amore! Fico muito feliz por estar gostando!
      Vou tentar postar duas vezes por semana,depende da minha disponibilidade.
      Beeeijos!!

      Excluir
  10. Atualizado,meninas!!!
    Espero que gostem!
    Beeijos <3

    ResponderExcluir
  11. Boa tarde,meninas! Cheguei com mais *-*
    Espero que gostem. Beeijos <3

    ResponderExcluir
  12. Margente kkkkkkkkk
    Só tô sentindo um ódiozinho desse velho chato mas de resto tô adorandooo ! continua !

    ResponderExcluir
  13. meu deus q fic maravilhosa, to amando ������

    ResponderExcluir
  14. Boa Tarde,meninas! Cheguei com mais. Beeijos!!

    ResponderExcluir
  15. quase nao respiro auhsusuh
    to amando mesmo

    ResponderExcluir
  16. não vejo a hora de ler o proximo capítulo

    ResponderExcluir
  17. não vejo a hora de ler o proximo capítulo

    ResponderExcluir
  18. Boa Tarde,meninas!!
    Muito obrigada pelos comentários!
    Agora deixo vocês com os novos capítulos. beeijos!!

    ResponderExcluir
  19. i want more
    quero mais
    posta o próximo capítulo

    ResponderExcluir
  20. i want more
    quero mais
    posta o próximo capítulo

    ResponderExcluir
  21. Nossa tô adorando anciosa pelo resto. Tomara que a Merchê e o Michael fiquem juntos.

    ResponderExcluir
  22. acho que eles ficam juntos com certeza

    ResponderExcluir
  23. acho que eles ficam juntos com certeza

    ResponderExcluir
  24. Boa Noite,meninas!!
    Chegando com mais. Espero que gostem!
    Beeijos <3

    ResponderExcluir
  25. Estou super na espera, pois estou adorando essa fanfic da Marícia.
    Quero muito que a mercedes e o Michael
    fiquem juntos, mas o advogado do diabo cujo nome é Leon Jackson ainda vai infernizar muito a vida dos dois, sobretudo a vida da Mercedes sua arquinimiga

    ResponderExcluir
  26. Estou super na espera, pois estou adorando essa fanfic da Marícia.
    Quero muito que a mercedes e o Michael
    fiquem juntos, mas o advogado do diabo cujo nome é Leon Jackson ainda vai infernizar muito a vida dos dois, sobretudo a vida da Mercedes sua arquinimiga

    ResponderExcluir
  27. Boa tarde,meninas!!
    Cheguei com mais.
    Espero que gostem,beeijos!!

    ResponderExcluir
  28. caralho esse capítulo foi super hiper mega foda eu quero mais

    ResponderExcluir
  29. Quais seus dias de postagem?? Continua estou amando *_*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho,linda! Agora que estou de férias da facul é provável que eu poste dia sim,dia não.
      Beijos!!

      Excluir
  30. Quais seus dias de postagem?? Continua estou amando *_*

    ResponderExcluir
  31. awn como eu amo esse casal *-------* continuaaaa

    ResponderExcluir
  32. Boa noite meninas!! Muito obrigada pelos comentários de vocês,fico muito feliz!
    Cheguei com mais capítulos. Parece que o Michael está ferrado! rsrs
    Até mais,beijos!!!

    ResponderExcluir
  33. Agora Michael esta ferrado, ele vai ter que se explicar com Mercedes.
    To adorando a fic, posta mais capitulos.

    ResponderExcluir
  34. Boa tarde,meninas!! Cheguei com mais \o/
    Espero que gostem! Beijos <3

    ResponderExcluir
  35. POR QUE RAIOS VC PARA NA MELHOR PARTE?!!! CONTINUAAA!!!

    ResponderExcluir
  36. POR QUE RAIOS VC PARA NA MELHOR PARTE?!!! CONTINUAAA!!!

    ResponderExcluir
  37. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  38. Apesar de Mercedes se uma boca suja pra Mike e sem classe alguma torço pelo casal, e ta na hora de Mike virar Homem de Verdade assumir seus atos sem medo de ser feliz.

    ResponderExcluir
  39. Apesar de Mercedes se uma boca suja pra Mike e sem classe alguma torço pelo casal, e ta na hora de Mike virar Homem de Verdade assumir seus atos sem medo de ser feliz.

    ResponderExcluir
  40. Oi meninas,chegando com mais!!
    OBS: Não me matem por separar o casal kkk Prometo que será por pouquíssimo tempo,.garanto!
    beijos e até mais!!

    ResponderExcluir
  41. eu acho que não preciso dizer o quanto odeio o Leon e essa Dominique né .. só tô com vontade de arrancar a cabeça dela, mas de resto ta de boa .. Continua !!!!

    ResponderExcluir
  42. Tadinho que irmão em que na já essa dominiwue

    ResponderExcluir
  43. Olá meninas!!
    Pra quem ainda não viu, tive que fazer outro tópico pra Fic, pois aqui não estava mais conseguindo.
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  44. Quando você irá postar a segunda parte?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii amore, postarei assim que finalizar "Uma Luz no meu Caminho".
      Beijos!!

      Excluir